Mostra Construir Casa Design com apoio do 3TC tem repercussão nacional, mostrando qualidade, inovação e sustentabilidade em contêineres

A mostra Construir Casa Design inaugurada dia 11 de Junho vem sendo um sucesso de público e no jornalismo especializado. Além de aparecer no Jornal da BandMinas,Jornal da AlterosaEstado de Minas e no Jornal O Tempo, dessa vez foi a vez do Casa Vogue destacar a iniciativa.

Focada no design e nas escolhas dos arquitetos que assinaram os espaços, a reportagem detalha cada ambiente, mostrando seus elementos contemporâneos, inovadores. O objetivo dos idealizadores e de empresas como a 3TC que escolheram apoiar e patrocinar o evento é de mostrar que é possível unir sustentabilidade, conforto e muito luxo dentro dessas caixas retangulares. Os visitantes poderão conferir espaços exclusivos como lofts, livings, salas de jantar, salas de estar, quartos, home offices, home theaters, espaços gourmet e espaços para eventos, todos com o isolamento térmico e acústico mais eficiente do mercado, o 3TC.

 

Fonte: Casa Vogue

Redes de supermercado procuram abaixar os custos com energia elétrica com projetos de eficiência energética e soluções inovadoras.

Os supermercados brasileiros estão adotando ou acelerando projetos de eficiência energética após os aumentos das contas de eletricidade desde o fim do ano passado, que já afetaram os resultados do primeiro trimestre.

Estimativas de associações do setor indicam que os custos com energia elétrica passaram a ser a segunda maior despesa em algumas redes supermercadistas, superando aluguel e só atrás da folha de pagamento.

As empresas não detalham nos balanços os custos com energia, mas no Grupo Pão de Açúcar, maior do país, a despesa com vendas, gerais e administrativas, que inclui eletricidade, subiu 16,8 por cento no primeiro trimestre na comparação anual.

Segundo a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBCV), a conta de energia elétrica das redes subiu até 40 por cento desde o fim de ano passado.

“Como essa despesa chega a representar 1 por cento do faturamento do supermercado, um aumento de até 40 por cento tem impacto de 0,4 por cento”, disse o presidente da SBCV, Eduardo Terra. “Isso é monstruoso”, completou.

No Estado de São Paulo, a despesa média com energia subiu de 0,9 por cento do faturamento dos supermercados no ano passado para 1,7 por cento este ano, de acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas), superando os gastos com aluguel, que respondem por de 1 a 1,5 por cento do faturamento. “Foi a primeira vez que isso aconteceu”, disse Erlon Ortega, vice-presidente da associação.

O preço da energia elétrica, após uma série de reajustes por conta da seca que afetou os reservatórios das hidrelétricas, acumula alta no ano até maio de 41,9 por cento e, em 12 meses, de 58,5 por cento, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

No varejo, os supermercados são os que mais consomem energia, já que, além de computadores, iluminação e ar condicionado, vendem produtos refrigerados, que demandam muita energia.

Diante desse cenário, o GPA criou um grupo de trabalho para cuidar do tema nas lojas Extra e Pão de Açúcar. Algumas iniciativas já adotadas incluem o uso de lâmpadas mais econômicas, o fechamento de balcões de refrigeração para evitar que o frio se dissipe no ambiente e a automação da refrigeração e do ar condicionado.

A expectativa é que os projetos reduzam em até 25 por cento o consumo de energia nos hipermercados do grupo nos próximos trimestres.

“Paralelamente a empresa intensificou a rotina de análise e mensuração do consumo para identificar possíveis não conformidades e tomar medidas imediatas”, disse o GPA em nota.

A atacadista Assaí, também do grupo GPA, já instalou portas em ilhas de refrigeração de 16 supermercados e está em processo instalação em outros 11 estabelecimentos. Também está monitorando lojas remotamente para detectar equipamentos que mais consomem energia. A meta é chegar a uma economia de cerca de 10 por cento até dezembro.

A maior demanda dos supermercados por projetos de eficiência energética tem sido notada por fornecedores de equipamentos e consultorias especializadas.

Segundo Paula Campos, gerente do Grupo Safira, que dá consultoria no setor, grande parte dos investimentos estão sendo feitos para reduzir a dependência das distribuidoras de energia. “São projetos de geração, seja de gás natural ou solar”, disse.

A empresa está negociando contratos com duas grandes redes de supermercados, mas não citou nomes. “Como o valor da tarifa aumentou, o retorno do investimento desses projetos vêm mais rápido”, disse Paula.

No horários de pico, o GPA tem usado geradores próprios, instalados em 80 por cento das lojas do grupo.

A fabricante de equipamentos Weg também está em negociação com duas redes de shoppings centers –com supermercados dentro– em São Paulo para instalar projetos de eficiência energética.

“No primeiro quadrimestre, os pedidos de ações de eficiência energética superaram largamente os de 2014”, disse o chefe da área de eficiência energética da Weg, Leandro Ávila, referindo-se a projetos para indústria e comércio.

Outras empresas vem utilizando o 3TC, tecnologia em isolamento térmico que ajudam muito como tampas para as ilhas de refrigeração no período noturno. O 3TC garante a eficiência mesmo de ilhas antigas, mantendo produtos congelados e resfriados com menos energia sendo consumida.

Outro diferencial da tecnologia é que ele também pode ser utilizado em isopainéis, com 4x mais eficiência que outros isopainéis, como de isopor e poliuretano.

 

Fonte: DCI

Na hora de projetar um prédio, galpão ou uma casa, muitos fatores devem ser levados em consideração. Sabe-se que em zonas climáticas como a do Brasil a preocupação com o calor é cada vez maior. Isso por conta de normas técnicas como a ABNT 15575 e também do desconforto térmico de um país cada vez mais quente. Uma das questões sobre isso, que até parece detalhe, mas tem muitos impactos na temperatura, são as pontes térmicas. Como já abordamos em outro post, os ambientes sofre com a troca de calor por 3 mecanismos, desde a fachada até a parte interma do edifício. Estes mecanismos são a convecção, condução e a radiação. Vale lembrar que o fluxo de energia vai sempre do sistema de maior temperatura para o de menor temperatura. Ou seja, o calor sempre persegue o frio.

Uma das preocupações dos arquitetos ao projetarem edifícios é como resolver os problemas térmicos da envoltória do edifício: cobertura, fachada e embasamento. Para que esse sistema seja eficiente e econômico, é preciso entender o que são pontes térmicas para conseguir evitá-las. Lembrando que existem soluções no âmbito do projeto que podem ajudar bastante a amenizar o problema. Algumas formas de amenizar este problema envolve:

  • a circulação de ar
  • o tamanho e a dimensão dos espaços
  • materiais utilizados na construção
  • Zona Bioclimática
  • Direcionamento das janelas
  • Isolamento Térmico

Apenas abordando todos esses aspectos que se pode ter uma construção 100% eficiente e sem pontes térmicas. Vamos entender por que?

O que é ponte térmica?

Pontes térmicas são lacunas ou faixas em uma edificação aonde não existe isolamento térmico, ou ele não está sendo efetivo. Esse problema ocorre justamente por conta da característica da transferência de calor ser do mais quente para o mais frio. Sempre que há alguma lacuna no isolamento térmico, as pontes térmicas servirão para atrapalhar o conforto térmico. Em zonas quentes como boa parte do Brasil, o ambiente acaba por esquentar mais do que deveria. Ao passo que em ambientes frios, o calor interno será perdido para o externo.

É importante frisar que as pontes térmicas possuem impacto não só no conforto térmico, mas também no consumo de energia elétrica.

Principais  das pontes térmicas efeitos nas construções

Um dos efeitos é o aumento do gasto de energia para controle da temperatura dos ambientes, já que as pontes térmicas são o principal fator na transferência de calor. Outro efeito é o desconforto dos usuários no contato com superfícies frias, além de serem mais propensas à formação de bolor pelo efeito da condensação de vapor de água. Por isso a necessidade de evitá-las e proporcionar conforto térmico.

Como utilizar o 3TC Isolamento para evitar esse problema

A técnica construtiva mais eficaz nesse caso é o uso do 3TC no lado de fora das paredes externas. Ele possui barreira impermeável, além de conseguir eficiência em isolamento com espessuras mais finas.

Além do cuidado com o isolamento das empenas do edifício, uma atenção especial deve ser dada ao isolamento das saliências da fachada, como no caso das sacadas e pilares. Para resolver esse problema, a melhor solução também é o 3TC, que reduz drasticamente a perda de calor pela superfície de concreto exposta, à medida que criam uma barreira térmica e de vapor.

Além das pontes térmicas, há vários fatores que propiciam a transferência do calor em uma construção. Aqui você confere os três vilões do isolamento térmico e como evitá-los.