Nesta postagem vamos explorar um Estudo feito pelo Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS). O objetivo do estudo foi de comprar isolamento refletivo e telhados verdes. A publicação feita pela CBCS pode ser conferida na íntegra. Materiais refletivos como o 3TC são apontados como soluções para conforto térmico e eficiência energética.

Revisão da Publicação

A publicação tem vasta referência bibliográfica e aborda justamente a importância do isolamento refletivo em construções sustentáveis. De acordo com o material apresentado, a radiação solar tem papel importante na elevação da temperatura de casas e edifícios: em uma casa térrea, por exemplo, a maior parte da carga térmica vem do telhado. A literatura técnica sobre o assunto demonstra que o uso de materiais capazes de refletir parte significativa da radiação incidente em telhados, fachadas e pavimentos em climas quentes, como o 3TC, mostra-se como a melhor alternativa para garantir o conforto térmico nas edificações e diminuir o consumo de energia para condicionamento de ambientes. Utilizando o 3TC em escala urbana, é possível minimizar a ilha de calor das cidades, aumentando o conforto até mesmo no ambiente externo e reduzir conjuntamente a demanda de energia para condicionamento térmico.

Importância da Refletância

A refletância dos materiais é importante aspecto técnico a ser considerado, principalmente a capacidade de refletir radiação na faixa infravermelho. O 3TC é feito com um polímero altamente refletivo com interior de poliestireno expandido, com um índice de refletância de 97%, e está disponível comercialmente no Brasil desde 2014. Outros produtos como tintas convencionais empregadas em telhados perderão rapidamente suas capacidades reflexivas quando expostas ao clima brasileiro, posto que o fazem em curto espaço de tempo em fachadas. Neste processo, os biocidas necessários à formulação da tinta são lixiviados pela chuva. Além disso, telhados apenas se mantêm reflexivos se periodicamente submetidos à limpeza com água e escovação. Para isto, é necessário garantir acesso fácil e seguro aos telhados, além de pontos de abastecimento de água, bem como soluções de baixo consumo de água.

Diferentemente de outros países, no Brasil a quase totalidade dos telhados é inclinada, com risco de escorregamento, e não dispõe de acesso adequado. A maioria das telhas, como de cerâmica e fibrocimento, podem quebrar sob o peso de uma pessoa caminhado, exigindo estruturas adicionais para o caminhamento seguro no telhado. Esses aspectos tornam operações de limpeza e manutenção mais difíceis e arriscadas, reduzindo assim a efetividade da solução. Em situações onde o acesso e a limpeza do teto são difíceis, o emprego de isolamento refletivo como barreira de radiação, ou até mesmo a adoção de solução como ventilação natural ou mecânica, sombreamento por vegetação ou dispositivos físicos, podem ser as mais adequadas.

Dessa forma, recomenda-se o uso do 3TC como uma viável solução que possa reduzir a carga térmica e melhorar a eficiência energética.

Brasil fica em 4º Lugar, demonstrando crescimento das construções sustentáveis no país.

A U.S. Green Building Council (USGBC) anunciou que o Brasil está em quarto lugar na lista dos 10 principais países para a certificação LEED, o sistema de classificação de construções sustentáveis mais amplamente usado e reconhecido do mundo. A lista com os 10 maiores destaca países de fora dos EUA que estão fazendo esforços significativos em transformação, construção e design de edificações sustentável, ilustrando a demanda internacional cada vez mais crescente por construções sustentáveis LEED. O anúncio vem em um momento de foco internacional ampliado em mitigação de mudanças climáticas como prévia às negociações sobre o clima COP21 das Nações Unidas, em dezembro deste ano.

O 3TC é uma tecnologia que já foi responsável pela eficiência energética em diversas construções pelo mundo que possuem a certificação do USGBC. A VA Corp, empresa que patenteou e gerencia esta tecnologia no Brasil, está empenhada a melhorar a cultura da construção civil relacionada ao isolamento térmico e eficiência energética no Brasil.

“Ao manter uma sólida posição de liderança nos movimentos de sustentabilidade ambiental e construções sustentáveis com base no uso ampliado de LEED, o Brasil está mostrando ao mundo que é possível buscar o crescimento econômico e desenvolvimento sem sacrificar um comprometimento com a proteção do planeta que nós compartilhamos”, declarou Rick Fedrizzi, CEO e fundador da USGBC. “Como uma das forças econômicas em alta no novo século, o movimento de sustentabilidade brasileiro está ajudando a demarcar um caminho novo, mais igualitário e responsável frente ao progresso social e econômico.”

O Brasil é um dos três países do BRIC a entrar na lista dos 10 principais países em 2015, e seu mercado substancial e em crescimento para construções sustentáveis demonstram que uma das forças econômicas emergentes mais importantes da comunidade internacional está buscando ativamente meios para garantir que seu crescimento econômico é sustentável e responsável. O Brasil também chegou às manchetes internacionais no ano passado quando creditou-se por ter a maior queda em emissões de gases do efeito estufa do mundo com base em seus esforços bem-sucedidos para combater o desflorestamento. O surgimento do Brasil como um país de ponta no movimento de sustentabilidade tem o potencial de despertar o crescimento no mercado para a certificação LEED na América Central e do Sul devido à posição do Brasil como modelo político e econômico regional aos seus países vizinhos.

Os 10 países que compõem a lista para 2015 são geográfica e culturalmente diversificados, representando sete das 20 maiores economias do mundo por nação, de acordo com seu produto interno bruto (PIB) (China, Alemanha, Brasil, Índia, Canadá, Coreia do Sul e Turquia), bem como seis dos 11 maiores emissores de gases estufa (China, Índia, Alemanha, Coreia do Sul, Canadá e Brasil).

A análise usada para desenvolver a lista classifica os países em termos de metros quadrados brutos (GSM) e número de projetos LEED até o momento. Os espaços certificados com LEED usam menos energia e recursos de água, economizam dinheiro para as famílias, empresas e contribuintes, reduzem as emissões de carbono e criam um ambiente mais saudável para residentes, funcionários e a comunidade como um todo. Os Estados Unidos, local de nascimento do LEED, não estão incluídos nessa lista, mas continuam sendo o maior mercado do mundo para o LEED. Os EUA são a maior economia do mundo por PIB, bem como o segundo maior emissor de gases do efeito estufa do mundo.

A classificação completa é a seguinte:

  1. Canadá
  2. China
  3. Índia
  4. Brasil
  5. República da Coreia
  6. Alemanha
  7. Taiwan
  8. Emirados Árabes Unidos
  9. Turquia
  10. Suíça

Os EUA não estão oficialmente nomeados nesta lista, mas permanecem como o maior mercado do mundo para construções sustentáveis.