As inovações sustentáveis tem sido cada vez mais importantes para o mundo. Assim como o 3TC Isolamento, outras descobertas tem tido papel fundamental na redução de gastos. Conheça aqui 3 descobertas científicas que prometem revolucionar nossos conceitos atuais sobre rodovias, combustível e geração de energia

O que são inovações sustentáveis?

As inovações sustentáveis são descobertas na indústria ou na academia que otimizam a maneira como lidamos com os recursos. Esses recursos podem ser tanto financeiros, como insumos, tempo, energia elétrica, e muitos outros. Desde sempre inovação relaciona-se com rupturas em modelos de negócios e a sustentabilidade com a eficácia da utilização destes recursos. Confira abaixo 3 delas que vão desde novas fontes energéticas até mesmo a utilização de plásticos em rodovias. Confira!

Inovação sustentável movida à plásticos: polímeros e a revolução no asfalto

A empresa MacRebur (http://www.macrebur.com), sediada no Reino Unido, desenvolveu uma tecnologia sustentável que promete contribuir (E MUITO) com a reciclagem e tratamento de plásticos. O problema com o descarte de polímeros se dá pelo custo financeiro e o consumo de CO2 na fabricação desses materiais e o fato que demoram um tempo enorme para se decompor. A tecnologia é um aditivo à mistura de asfalto que é composto por plásticos (polímeros) que seriam enviados para descarte. Além de contribuir para o meio ambiente, a mistura mostra-se mais durável e resistente que a mistura tradicional de asfalto, e a pavimentação de rodovias é um ótimo destino para plásticos. Dentre os benefícios listados pela empresa estão:

  • Feito com 100% de matérias recicláveis
  • Redução no consumo de combustíveis fósseis
  • Redução do consumo de CO2
  • Redução direta na quantidade de descarte de plástico
  • Ajuda no conceito da economia circular
  • Diminui a necessidade de lixões e estações de tratamento de lixo
  • Aumenta a durabilidade do pavimento
  • Redução no custo de manutenção
  • Alternativa mais barata a tecnologias atuais

Inovação sustentável movida à álcool: transformando CO2 em Etanol

As vezes a ciência precisa de um pouco de sorte para encontrar soluções para problemas atuais, e nesse caso não foi diferente. Cientistas do Oak Ridge National Laboratory (https://www.ornl.gov/) do estado do Tennessee, nos Estados Unidos, descobriram acidentalmente uma forma de transformar dióxido de carbono (CO2), um dos gases do efeito estufa, em etanol. O processo é eletroquímico e envolve pequenas estruturas de carbono e cobre para conseguir esse feito. Segundo o líder do grupo de pesquisa, Adam Rondinone, “Nós descobrimos um pouco por acaso que esse material funcionou. Estávamos tentando estudar o primeiro passo de uma reação proposta quando percebemos que o catalisador estava fazendo toda a reação por conta própria”.

O catalizador é feito de carbono, cobre e nitrogênio, e eletricidade é aplicado para obter uma reação química complexa, que basicamente reverte o processo de combustão. Com o auxílio de calistas nano tecnológicos, a solução de CO2 e H2O foi convertida em Etanol com 63% de aproveitamento.

Inovação sustentável simulando o sol: Geração de Energia por Fusão Nuclear

A tecnologia nuclear tem papel importante na geração de energia no mundo todo. Apesar dos riscos que envolvem usinas nucleares, esse método ainda é utilizado pelo mundo todo, inclusive no Brasil com usinas em Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro. Apesar de ter seus problemas peculiares, como o descarte do material radioativo e a utilização de água fluvial, gerar energia por meio de reatores nucleares são mais benéficos ao meio ambiente no que diz respeito a emissão de gases do efeito estufa, e é considerado uma fonte de energia limpa. Infelizmente, as tecnologias que utilizamos de resfriamento, contenção e descarte não evoluíram com o tempo, mas isso promete mudar.

A empresa Tokamak Energy, sediada no Reino Unido, tem investido pesado em uma nova forma de geração de energia nuclear. Hoje, utilizamos exclusivamente da fissão nuclear provinda de elementos radioativos como o urânio e o plutônio, que é instável e precisa de ser controlada meticulosamente para que seu funcionamento seja seguro. A Tokamak Energy está próxima de chegar em uma solução comercial para usinas nucleares movidas a fusão nuclear, a mesma que ocorre no núcleo do sol, que utiliza elementos bem mais leves e mais seguros em seu processo.

Segundo David Kingham, CEO da empresa, este é o primeiro dispositivo de fusão controlada projetado, construído e operado por uma empresa privada. A ST40 é uma máquina que irá alcançará temperaturas de fusão – 100 milhões de graus – e serão possíveis e estáveis em reatores compactos e econômicos. Isso permitirá que a geração de energia nuclear por fusão seja alcançada em anos e não em décadas. O maior desafio para tornar economicamente viável essa opção está na manutenção. Segundo Kinham, “ainda precisamos de investimentos significativos, muitas colaborações acadêmicas e industriais, engenheiros e cientistas dedicados e criativos, e uma excelente cadeia de suprimentos. Nossa abordagem continua a ser para quebrar esses desafios de engenharia, aumentando o investimento adicional em alcançar cada novo marco. Já estamos a meio caminho do objetivo da energia de fusão; com trabalho duro, vamos entregar energia de fusão em escala comercial em 2030. ”

Então, se você gostou dessas inovações sustentáveis, confira neste post 3 políticas públicas que promovem a sustentabilidade.

Conheça 3 políticas públicas de sucesso que contribuem para os 3 pilares da sustentabilidade em suas cidades

As políticas públicas voltadas para a sustentabilidade são muito importantes para que uma cidade, estado e até mesmo um país se posicione perante aos desafios das mudanças climáticas do século XXI. No Brasil, temos visto ótimos exemplos disso, e demonstrando que para ter um impacto global, as mudanças devem ocorrer em todos na mentalidade dos cidadãos e também de nossos governantes. Veja abaixo 3 políticas que tem tido sucesso na escala municipal, que podem ser exemplo para o país todo:

1. IPTU VERDE

O IPTU Verde é uma iniciativa da Prefeitura de Salvador para incentivar empreendimentos imobiliários residenciais, comerciais, mistos ou institucionais a realizarem e contemplarem ações e práticas de sustentabilidade em suas construções. Para isso, oferece descontos diretamente no IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), de acordo com suas realizações a sua pontuação no Programa de Certificação Sustentável. Para participar é preciso preencher um formulário e listar todas as iniciativas sustentáveis da edificação (pode ser na construção dela, ou na reforma). Existem 3 classificações, Bronze, Prata e Ouro, que concedem, respectivamente, 5%, 7% e 10% de desconto no IPTU. Cada medida adotada pela imóvel conta pontos. A cada três anos as condicionalidades são verificadas.

Outras cidades como Belo Horizonte estão seguindo o mesmo caminho, e buscando incorporar essa ideia já utilizada em outros locais do país na capital mineira.

2. DENGUE MÓVEL

Em 2014, o Estado de Goiás registrou mais de 90.000 casos confirmados de dengue, sendo o segundo estado brasileiro, naquele ano, com maior número de pessoas afetadas pela doença – ficou atrás apenas de São Paulo, o Estado mais atingido, que apresentou mais de 220.000 casos. Neste contexto de grave risco à saúde da população, a Prefeitura de Ipameri, uma cidade com pouco mais de 25.000 habitantes situada no sudeste do Estado de Goiás, colocou em prática medidas de combate à dengue. Em uma parceria – que envolveu a iniciativa privada, a associação local, o Exército Brasileiro e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) – foram desenvolvidas diversas atividades de remoção de resíduos sólidos, recicláveis e não recicláveis, na área urbana. Dois programas se destacam nessa área: o Dengue Móvel, que troca materiais recicláveis por materiais escolares; e o mutirão Ipameri Contra a Dengue, para limpeza urbana em geral. As ações continuam ocorrendo todos os anos, antes do período de maior incidência de chuvas e de proliferação do inseto transmissor. A divulgação é feita tanto pelos meios eletrônicos de comunicação da Prefeitura (site e Facebook) como por carro de som, pela mídia local e regional e pelas instituições parceiras. Com a criação do programa Dengue Móvel, município situado a 200 km de Goiânia se destaca no combate ao mosquito transmissor da doença. Programa promove troca de lixos recicláveis por materiais escolares. Outra iniciativa do município, visando o mesmo objetivo, é o mutirão de limpeza urbana Ipameri Contra a Dengue.

3. COLETA SELETIVA

O município de Santa Helena, no Oeste do Paraná, promove o Programa de Coleta Seletiva desde 2004. A iniciativa é resultado de uma parceria entre a prefeitura e os catadores de materiais recicláveis, que possibilitou a formação de uma cooperativa e a instituição da coleta porta a porta em todas as ruas da cidade. Desde o ano de 2002, já havia em Santa Helena 12 catadores que faziam o trabalho de catação no aterro sanitário da cidade. Nessa ocasião, esses catadores receberam da administração municipal um barracão com mesas para a separação dos materiais recolhidos. Em 2004, foi oficializado o Programa de Coleta Seletiva no Município, por meio de um convênio entre os catadores de materiais recicláveis e a Prefeitura de Santa Helena. Pelo acordo, a administração permitiu o acesso e uso de um barracão de 1.500 m², com esteira e prensa. Com esses incentivos e o apoio do município, formou-se uma Cooperativa de Catadores, que realiza coleta porta a porta. No início, a coleta era feira em algumas ruas da cidade, mas, com o passar do tempo, o programa se estendeu para todo o município e, atualmente, conta com aproximadamente 40 catadores.

A sensibilização para que toda sociedade se envolvesse no processo de reciclagem foi ativa e contou com divulgação na mídia local – rádio, carros de som, banners, cartazes e folders –, além de concurso de paródia e teatro. A prefeitura, juntamente com a Associação dos Agentes Ambientais, distribui sacos plásticos apropriados nas residências, a cada 30 dias, para acondicionamento do material reciclável. Todo o material recolhido é encaminhando à cooperativa para ser beneficiado. O lucro da comercialização é rateado em partes iguais entre os associados. A melhora da renda dos catadores comprometidos com o programa está diretamente vinculada aos investimentos feitos na sensibilização e conscientização da população. Atualmente existe um cronograma de coleta em todo o município. Cada bairro, região rural e distrito recebe a visita do caminhão de recolha, com o qual os catadores, em horário diurno e de maneira digna, realizam a coleta seletiva.  O programa inclui também ações para erradicação de lixões e recuperação de áreas degradadas. E promove o fortalecimento dos vínculos sociais, com a inclusão e organização dos catadores de materiais recicláveis.