O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia brasileira, o que demanda muita mão de obra. Com tantos profissionais nos canteiros, os acidentes e as doenças laborais também refletem números significativos. Mesmo quando são fornecidos os equipamentos de proteção individual e coletiva. Por esse motivo, é importante investir em medidas que aumentem a segurança do trabalho na construção civil.

Existem certos fatores que potencializam a ocorrência de acidentes e doenças nas obras. Alguns exemplos relevantes são:

  • ausência de treinamento adequado;
  • falta de qualificação das equipes;
  • realização das atividades sob condições desfavoráveis;
  • o descumprimento das normas de segurança, entre outros.

Com base nesse cenário, a gestão de riscos ganha grande importância. Isto porque seu objetivo é estar sempre buscando a redução de situações perigosas. Isso se dá por meio das indicações das normas reguladoras, conhecidas como NRs.

Quer saber mais sobre a importância da segurança do trabalho e como melhorar preservar a saúde das equipes no seu canteiro de obras? Confira este artigo que preparamos para você!

Quais os objetivos da segurança do trabalho na construção civil?

A segurança do trabalho pode ser definida como um conjunto de medidas a serem implementadas nos mais variados ambientes de trabalho, que ajudam a evitar a ocorrência de acidentes e garantem a qualidade de vida da sua equipe. Ao investir em segurança do trabalho, a sua empresa cumprirá as normas determinadas pelo Ministério do Trabalho, o que aumenta a segurança dos trabalhadores.

Os profissionais que atuam nessa área devem averiguar se as regras estão sendo cumpridas na rotina da empresa, além de serem responsáveis pela educação dos trabalhadores, mostrando para eles qual a melhor maneira de realizar as tarefas para evitar acidentes.

O principal objetivo da segurança do trabalho na construção civil é identificar, avaliar e controlar as situações de risco presentes nas atividades dos trabalhadores. Isso pode ser feito por meio do mapeamento dos riscos, em que a equipe responsável põe em prática uma série de normas, procedimentos e equipamentos no ambiente de trabalho, para que sejam reduzidos os riscos inerentes a cada atividade.

Além disso, pode ser feito um estudo de dados estatísticos a cerca dos acidentes e doenças que já aconteceram, visando adotar as melhores medidas preventivas para cada área. Por isso, pode-se dizer que a segurança do trabalho tem três vertentes: reduzir acidentes de trabalho, promover a saúde ocupacional e reduzir os riscos de incêndio.

Quais são os profissionais que atuam nessa área?

Dentro da segurança do trabalho na construção civil, existem inúmeros profissionais que atuam, de maneiras diferentes para garantir a saúde física e mental dos trabalhadores. Conheça agora os principais.

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Um dos objetivos desse profissional é assessorar as empresas industriais e de construção sobre as condições de trabalho, as instalações em geral, os métodos fabricação, as atividades realizadas pelos trabalhadores, entre outros. A partir dessas análises, podem ser determinadas as diretrizes a serem tomadas no campo da prevenção de acidentes.

O engenheiro de segurança também inspeciona as instalações da obra, verificando se há riscos de incêndio e desmoronamento, por exemplo. Além disso, ele pode instruir quais são os equipamentos de proteção individual mais indicados para cada atividade e executar campanhas educativas sobre a prevenção de acidentes, para que os trabalhadores sejam conscientizados.

Técnico de Segurança do Trabalho

O técnico de segurança do trabalho estabelece as normas e dispositivos de segurança mais adequados para cada atividade. Dessa forma, ele pode acabar sugerindo modificações nos equipamentos e nas instalações. Além disso, ele comunica os resultados das inspeções por meio relatórios, propondo a reparação ou a renovação dos sistemas.

Esse profissional também faz a investigação de acidentes que já aconteceram, verificando as condições de ocorrência para propor soluções e providências cabíveis, entre outras atribuições.

Médico do Trabalho

O médico do trabalho faz exames periódicos de todos os empregados, principalmente dos expostos a maiores risco de acidentes ou doenças profissionais. Ele também avalia, as condições de insegurança dos locais de trabalho, sugerindo aos gestores da empresa algumas medidas que possam atenuar os riscos existentes.

Enfermeiro do Trabalho

Por fim, esse profissional avalia as condições da empresa, fazendo observações sobre as principais atividades. Ele discute com a gerência, para assim identificar o que deve ser feito na área da segurança, higiene e saúde. O enfermeiro do trabalho também atua na prestação de primeiro socorros em caso de acidentes, fazendo curativos e providenciando o atendimento médico posterior.

No mais, ele pode instruir os trabalhadores sobre a utilização de roupas e equipamentos de proteção adequados ao tipo de atividade, reduzindo a incidência de acidentes. O planejamento e execução de programas de educação sanitária também está entre os afazeres do enfermeiro, o que estimula a aquisição de hábitos mais saudáveis e ajuda a prevenir as doenças laborais.

Quais são os riscos mais comuns?

Os riscos presentes em uma obra ou construção podem ser classificadores em cinco grupos. Cada um deles tem uma cor padrão para qualquer empresa, pois isso facilita a sua identificação. Veja quais são:

  • grupo 1, verde: o primeiro grupo representa os riscos físicos, como umidade, ruídos, temperatura e pressão;
  • grupo 2, vermelho: nesse grupo estão os riscos químicos, como poeiras, vapores e outros agentes que possam ser inalados;
  • grupo 3, marrom: trata-se dos riscos biológicos, como as bactérias, os parasitas e fungos;
  • grupo 4, amarelo: os riscos representados pela cor amarela são os ergonômicos, aqueles que estão relacionados a situações como atividades repetitivas, monotonia, uso inapropriado de equipamentos, e outros que podem causar desconforto e afetar a saúde dos trabalhadores;
  • grupo 5, azul: por fim, o grupo 5 tem relação com os riscos de acidentes, como a utilização de máquinas e equipamentos sem a devida proteção.

Entre os 5 grupos de risco, existem aqueles que são mais comuns e merecem maior atenção.

Quedas de nível

Existem diversas atividades da construção civil que são realizadas em altura. Não utilizar os EPIs necessários nesse tipo de atividade é uma das grandes causas de graves acidentes. Seja em cima de um andaime ou executando atividades em pavimentos superiores, todos os trabalhadores devem utilizar os equipamentos de proteção necessários para cada atividade. Vale apontar que primeiramente os colaboradores devem receber treinamento antes de executar trabalhos em altura.

Choques elétricos

A grande maioria das obras e construções envolve atividades com eletricidade. Alguns fios podem ficar expostos e causar acidentes, o que pode ocorrer pelo contato direto com os trabalhadores ou pelo contato com água. Existe uma norma, a NR 10, que regulamenta as atividades que incluem eletricidade. A norma indicanda quais são as medidas de segurança e os equipamentos necessários para evitar acidentes.

Uso de máquinas e equipamentos sem a devida proteção

Muitos equipamentos e máquinas presentes nas obras, como furadeiras, britadeiras e serras, exigem um manuseio correto e o uso de EPIs para evitar imprevistos. Por isso, para proteger a saúde dos trabalhadores, é importante realizar treinamentos e fornecer os equipamentos de segurança adequados a cada atividade, conforme descrito na NR-12.

Queda de materiais

A presença de gruas, guindastes, elevadores de carga e outros equipamentos como esses, é muito comum em qualquer obra. Na maioria das vezes, eles estão carregados de materiais que, se não estiverem bem colocados e protegidos, podem cair. Por isso, o uso de capacetes é obrigatório nos canteiros de obra.

Problemas respiratórios, alergias e dermatoses

Com a presença de materiais como o cimento e a cal, compostos por um pó fino, podem ocorrer graves problemas respiratórios se não forem utilizadas máscaras e outros equipamentos para proteger a face dos trabalhadores. Além disso, o contato da pele com tintas, solventes e outros produtos, pode provocar alergias e até queimaduras.

Perda auditiva

O uso constante de máquinas e equipamentos que emitem altos ruídos, sem proteção, pode causar a perda auditiva com o tempo. Esse é um problema que não tem cura, e não são apenas os ruídos que podem causá-lo:

  • elevados níveis de pressão sonora;
  • exposição à metais como chumbo, manganês, arsênio, cobalto e mercúrio;
  • exposição à gases asfixiantes como nitrato de butila, cianeto e monóxido de carbono;
  • solventes orgânicos como xileno, dissulfeto de carbono, tuleno, estireno, e butanol.

Contato ou exposição a corpos estranhos

É comum a presença de aranhas, escorpiões, cobras, abelhas, e outros animais que podem prejudicar a saúde dos trabalhadores. Dessa forma, é fundamental inspecionar o ambiente e verificar a existência de algum desses animais, além de fornecer e exigir a utilização dos equipamentos que vão proteger de possíveis picadas.

Quais são as principais normas de Segurança do Trabalho?

Contar com um departamento de segurança do trabalho é um ótimo investimento contra a insalubridade, além de ajudar a manter a organização do canteiro e suas obrigações com a legislação. De acordo com a norma nº1 do Ministério do Trabalho, as empresas com 50 trabalhadores ou mais precisam ter um setor especializado na segurança e saúde da equipe. Nas empresas menores, é necessário ter uma comissão interna de prevenção de acidentes, a CIPA, ou contratar um técnico responsável pela segurança laboral.

Para auxiliar os gestores, foram criadas as Normas Regulamentadoras (NR), que são um conjunto de regras e instruções sobre segurança no trabalho. Ao todo, são 36 NRs, e grande parte delas descreve atividades relacionadas à construção civil.

O descumprimento da Normas Reguladoras da segurança do trabalhado na construção civil aumenta a chance de acidentes, doenças e situações de risco, além de gerar multas para os empregadores, que têm o dever de oferecer condições seguras de trabalho.

Confira a seguir as principais NRs da construção civil.

NR 6 – equipamentos de proteção individual

Essa norma exige que as construtoras forneçam EPIs, os equipamentos de proteção individual, aos trabalhadores. Com isso, será resguardada a saúde e integridade físicas dos empregados. Além disso, é obrigação deles utilizar e zelar pelos equipamentos. A NR 6 ainda menciona quais são os tipos de EPIs necessários para cada atividade para prevenir acidentes e impactos nos olhos, ouvidos, membros superiores e inferiores, tronco, cabeça, e aparelho respiratório.

NR 8 – padrões de edificações

A NR 8 especifica os requisitos técnicos mínimos em uma obra, para garantir o conforto e a segurança dos funcionários. Por exemplo, nos pisos, escadas e passagens, devem ser utilizados materiais antiderrapantes. Além disso, os andares superiores devem ter proteção contra quedas, seguindo as normas técnicas e legislações municipais.

NR 12 – uso de maquinário

Essa NR, em síntese, tem o objetivo de garantir que as máquinas e equipamentos presentes no canteiro de obras sejam utilizados de maneira segura pelo trabalhador. Logo, o objetivo é prevenir acidentes por meio de medidas de proteção e referências técnicas. No mais, são exigidas informações sobre o ciclo de vida desses equipamentos, incluindo transporte, instalação, operação e manutenção.

A NR 12 ainda trata das instalações elétricas de máquinas que têm contato com água ou agentes corrosivos. Sendo assim, é necessária a blindagem, isolamento e aterramento desses equipamentos, prevenindo a ocorrência de acidentes. Além disso, os controles de acionamento precisam levar em conta alguns aspectos, como:

  • localização e distância, permitindo um manejo fácil e seguro;
  • instalação dos principais comandos em posições acessíveis ao operador;
  • visibilidade e sinalização que sejam distinguíveis entre si.

Essa norma é bastante extensa e detalhada, e também menciona as medidas apropriadas para os trabalhadores portadores de deficiência.

NR 35 – segurança nas alturas

A NR 35 trata dos requisitos para garantir a segurança dos trabalhadores durante atividades realizadas nas alturas, aquelas que são executadas acima de dois metros a partir do nível do solo. Dessa forma, essa norma objetiva a prevenção de quedas e acidentes ao exigir as seguintes medidas:

  • treinamento e capacitação da equipe;
  • equipamentos de proteção individual, acessórios e sistemas de ancoragem;
  • equipe de emergência;
  • desenvolvimento de planejamento para organização e execução das atividades.

Na hora de planejar os serviços, recomenda-se a adoção de providências para evitar o trabalho em altura, quando houver uma forma alternativa de execução. Senão, devem ser adotadas medidas para eliminar o risco de queda e para minimizar as consequências de possíveis quedas, quando o risco não puder ser eliminado.

NR 18 – medidas de segurança

Essa norma é uma das mais importantes para a segurança do trabalho na construção civil. Ela traz diretrizes para as áreas administrativa, de planejamento e organização para a implantação e controle dos sistemas de segurança.

No mais, a NR 18 aborda questões relacionadas às atividades da construção civil. Atividades como escavações, construção de telhados e demolições, além de descrever os procedimentos, dispositivos e instruções para as principais atividades desenvolvidas em um canteiro de obras. Por exemplo, ela define que os canteiros precisam ter vestiários, instalações sanitárias, lavanderia, local de refeições, área de lazer, entre outros.

Para que seja garantido o cumprimento dessas exigências, a norma ainda exige a implantação do PCMAT, o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho. Ele é aplicável para canteiros que tenham a partir de 20 trabalhadores. O PCMAT deve ficar à disposição dos fiscais do Ministério do Trabalho e deve conter os seguintes documentos:

  • memorial das condições e do ambiente de trabalho de todas as atividades e operações, considerando os riscos de acidentes e doenças do trabalho, com as respectivas medidas preventivas;
  • projeto das proteções coletivas, de acordo cada etapa da obra;
  • informações técnicas das proteções individuais e coletivas utilizadas;
  • cronograma de instalação das medidas preventivas de acordo com as etapas da obra;
  • layout do canteiro de obras na etapa inicial, com o dimensionamento das áreas de vivência;
  • programa educativo que trate da prevenção de acidentes e de doenças do trabalho, com a carga horária.

Quais são os principais benefícios da segurança do trabalho?

Como você pode perceber, a segurança do trabalho na construção civil previne a ocorrência de acidentes e doenças. No entanto, esses não são os únicos benefícios dessas medidas de segurança. Confira agora as principais vantagens!

Redução de acidentes

O objetivo principal da Segurança do Trabalho é prevenir a ocorrência de acidentes e doenças laborais que podem prejudicar a integridade física e mental da equipe. Sendo assim, investir em equipamentos e medidas de segurança reafirma um ambiente produtivo e saudável. Reduzindo acidentes e doenças laborais, diminui o tempo de afastamento médio dos funcionários, garantindo mais eficiência.

Organização

A segurança do trabalho permite a criação de uma logística que busca resguardar a saúde dos trabalhadores. Logou ma boa medida para organizar-se, por exemplo, é separar bem os resíduos perigosos dos recicláveis. Dessa forma, além de proteger a saúde dos trabalhadores, você contribuirá para a sustentabilidade na construção civil.

Produtividade

Uma equipe mais motivada pelo sentimento de integração vai se empenhar para aumentar a produtividade estabelecida pelos gestores. No mais, eliminar os riscos mantém o foco dos trabalhadores na execução das atividades. Conforto térmico, que também faz parte da segurança do trabalho, é também importantíssimo para atividades mais diversas. Ademais a redução de afastamentos por acidentes de trabalho são associadas ao aumento da produtividade.

Menos gastos

Como mencionado anteriormente, com os sistemas e equipamentos de prevenção de acidentes, são reduzidos os custos com afastamentos de trabalhadores. Da mesma forma o passivo trabalhista e as ações judiciais contra a empresa também diminui consideravelmente. Proporcionar EPIs e um ambiente seguro mantém a atenção da equipe nas tarefas, evitando prejuízos materiais.

Ambiente de trabalho saudável

A empresa que investe em segurança do trabalho demonstra comprometimento com a saúde e o bem estar de toda a equipe. Esse sentimento de proteção promove um ambiente saudável e propício a boas interações. Afinal, ninguém gosta de trabalhar em local hostil, nem com as ferramentas e proteção adequadas.

Qualidade

Quando a equipe percebe que está realizando um trabalho de maneira segura, ela produz com qualidade. Dessa forma, os prazos são respeitados e o cliente final fica extremamente satisfeito. Sob o mesmo ponto de vista, menos recursos serão destinados a trocas de insumos/produtos e defeitos de máquinas e ferramentas.

Credibilidade

A redução dos acidentes e doenças laborais garante a credibilidade à imagem da empresa, demonstrando responsabilidade social. Com a união de produtividade e trabalhadores motivados, a organização torna-se referência no mercado.

Como implantar e desenvolver a segurança do trabalho na sua obra?

Para estabelecer e colocar em prática boas medidas de segurança do trabalho na construção civil, é fundamental saber quais são os riscos presentes no canteiro, bem como as atividades previstas, as máquinas que serão utilizadas e os equipamentos de proteção que serão necessários. Assim, será possível executar as exigências presentes nas NRs. Confira agora como reduzir os riscos na sua obra.

Crie uma estratégia organizacional

Contar com um departamento de segurança do trabalho na estratégia da organização é essencial. Ainda mais, com profissionais especializados, é possível prever os aportes financeiro e humano necessários para implantar e desenvolver os objetivos. Portanto, os gestores devem elaborar um planejamento que inclua a preservação da saúde dos trabalhadores e que busque minimizar os acidentes. Empresas médias e pequenas devem contar com a conscientização dos gestores e funcionários da mesma forma. Quando segurança faz parte da estratégia, a implementação de procedimentos é mais bem aceita.

Realize treinamentos

A maioria dos acidentes acontecem por falta de conhecimento e treinamento. Os profissionais que trabalham em altura ou com eletricidade, por exemplo, devem ser devidamente treinados. Treinamentos bem feitos vão, primeiramente, indicar quais são os cuidados necessários e como proceder na ocorrência de problemas. Solução de problemas começa com a prevenção dos mesmos, o que é amplamente abordado no treinamento.

Sinalize o risco do ambiente

A presença do mapa de riscos nos ambientes da construção civil é estabelecida pelas NRs. Ele exerce um papel importante para alcançar a segurança no local de trabalho. Por meio da sinalização, é possível saber quais são os agentes de risco de cada local, indicando os perigos ali presentes. Além disso, eles também trazem informações sobre as medidas de segurança para o risco em questão. Ademais, essas informações ajudam a lembrar do uso do EPI em cada ambiente.

Forneça Equipamentos de Proteção Individual

O fornecimento e uso de equipamentos de proteção são um dos principais modos de evitar acidentes e doenças laborais. Ainda assim, é necessário estabelecer e informar os procedimentos de uso e cuidado dos EPIs.

Adquira boas máquinas e ferramentas

A presença de máquinas com sistemas de segurança e ferramentas ergonômicas facilitam as atividades e tarefas. Inclusive elas dão mais confiança à equipe na hora de realizar trabalhos complexos. Além disso, equipamentos de qualidade podem trazer economia nas contas de luz, aumentando a eficiência energética da sua obra.

Siga as Normas Regulamentadoras

As normas de segurança do trabalho na construção civil apresentam procedimentos e equipamentos que devem ser utilizados para evitar os riscos citados. Existe uma NR especifica para os principais riscos, que mostra as medidas que devem ser adotadas para minimizar as chances de ocorrência de cada um. Elas englobam tanto treinamentos como especificação do uso de EPIs. Como mencionado anteriormente, é importante seguir as normas tanto por conta dos riscos bem como para evitar multas e processos judiciais.

Procure engajar a equipe

Contar com o envolvimento dos trabalhadores é fundamental para que a obra funcione de maneira adequada. Por esse motivo, os gestores e profissionais da segurança do trabalho devem oferecer abordagens com foco na conscientização, como avaliações de risco e treinamentos bem como saúde preventiva.

A identificação dos riscos por meio da segurança do trabalho na construção civil é uma etapa importante no andamento de uma obra. No entanto, deve-se atualizar a lista de riscos sempre que possível e realizar as melhorias necessárias. Desta forma acidentes e doenças laborais serão evitados. E lembre-se: uma boa cultura de segurança é essencial para o sucesso de qualquer empresa.

Se você ainda tem alguma dúvida relacionada à segurança do trabalho na construção civil, deixe um comentário para que possamos te ajudar!

Um ambiente de indústria precisa ter algumas características específicas. O galpão industrial tem que apresentar boa disposição de máquinas, segurança e total ergonomia. No entanto, é quase impossível alcançar esses resultados se houver goteiras e vazamentos na sua empresa. É sempre um desafio saber como acabar com as goteiras.

Elas surgem quando algo não está certo com o telhado, como uma falha de cobertura ou rachaduras em alguns locais. Além de reconhecer as causas do problema, é essencial entender quais são seus impactos e como eliminá-lo.

Para que não tenha dúvidas, trouxemos um guia completo com tudo o que precisa saber sobre goteiras e vazamentos na sua empresa. Quer descobrir? Veja o que você tem que conhecer sobre o assunto.

1. Quais os prejuízos gerados por goteiras e vazamentos?

Em princípio, os problemas causados por esse quadro podem não parecer tão intensos. No entanto, as goteiras e vazamentos na sua empresa afetam todas as áreas e levam a resultados muito negativos. Em alguns casos, chegam a ser quase catastróficos, então é importante já se antecipar para as consequências.

Mesmo que algo mais grave ainda não tenha acontecido, é bom não se arriscar e providenciar logo o conserto da goteira ou vazamento. Para não ter que lidar com um cenário muito pior, descubra quais são os principais prejuízos gerados por essas ocorrências.

Aumento dos riscos elétricos

Em um galpão industrial, é comum que a estrutura elétrica seja complexa. Afinal, os equipamentos são mais potentes e as necessidades, variadas. Isso dá origem a várias tomadas, disjuntores, controladores e assim por diante. O problema é que água e energia elétrica não combinam — e é exatamente essa a combinação que surge. Então, há um aumento nos riscos de problemas elétricos.

Há chances maiores de ocorrer um curto-circuito ou, até mesmo, algo como um incêndio elétrico. Se isso acontecer quando o galpão estiver vazio, os impactos podem ser irreversíveis. Se as pessoas estiverem no lugar, há um grande risco de perda humana.

Diminuição da vida útil dos equipamentos

Outro problema é que as goteiras e vazamentos na sua empresa também contribuem para diminuir a vida útil dos equipamentos. Se água cai constantemente sobre certas máquinas, por exemplo, é provável que ela enferruje. Vai exigir lubrificação e, principalmente, mais consertos.

Além do mais, sempre há o risco de a água afetar painéis de controle, sensores delicados e a própria fiação. Como muitas máquinas demandam um cuidado especial, é algo que pode queimar os aparelhos e exigir a troca. Com isso, há gastos e perdas financeiras.

Aumento nos riscos de acidente

Mesmo que as gotas pareçam pequenas demais para levar a acidentes, elas têm o poder de fazer estragos de diversos tipos. Uma máquina que é molhada frequentemente, por exemplo, pode causar choques ou interrupções perigosas de funcionamento. Como visto, também há o problema de possíveis incêndios, queda de energia e assim por diante.

Em um ambiente de trabalho menos seguro, seu negócio fica mais suscetível a ações trabalhistas e indenizações, por exemplo. Além disso, os profissionais se sentem menos motivados e tendem a deixar o empreendimento. Há, então, uma sucessão de impactos negativos.

Elevação das perdas e prejuízos

A maioria desses quadros, bem como outras possíveis consequências, são capazes de gerar grandes perdas financeiras para o negócio. Isso acontece, inclusive, por conta de desperdícios que seriam evitados ao corrigir a situação.

Vamos imaginar que goteiras e vazamentos na sua empresa estão bem na área do estoque. A água e o nível de umidade podem afetar diretamente os produtos que já estão prontos. Como eles têm que ser jogados fora, há todo um desperdício do que foi produzido.

O mesmo vale para o ambiente de matérias-primas. Muitos produtos são delicados e a presença de goteiras faz com que alguns materiais se aglomerem, apodreçam ou simplesmente percam suas funções. Tudo isso gera perdas financeiras — e pode ser evitado.

Comprometimento da qualidade de produção

Não menos importante, a produção pode ser altamente comprometida. Pense, por exemplo, em uma indústria alimentícia. Se ela sofrer com vazamentos desse tipo, há o risco de infiltrações e de mofo. Como consequência, o ambiente e os alimentos podem não cumprir as regras previstas pela Vigilância Sanitária.

Mesmo fora desse caso, a ocorrência dessa situação faz com que o negócio fique mais vulnerável a erros. Se as máquinas não funcionam direito, por exemplo, o produto final também não será adequado. Isso prejudica o cumprimento de regras, impacta a percepção do público e até compromete as vendas.

Impactos nas estruturas de acabamento

Além de todos os impactos de segurança, esses problemas ainda impactam a estética e a função do espaço. Isso ocorre, principalmente, por causa dos prejuízos causados às estruturas de acabamento.

Um forro de gesso, por exemplo, sofre rachaduras devido à presença e ao acúmulo de água. Dependendo da situação, pode até desabar em certos pontos. Isso também acontece com o forro modular, que é muito usado em escritórios. Embora seja feito com PVC e seja mais resistente à umidade, pode ter a estrutura prejudicada. Com a água, os riscos de aparecimento de mofo aumentam, bem como o comprometimento da fixação.

No telhado, também são usadas mantas fibrosas. Frequentemente, servem para garantir conforto acústico ou até como uma alternativa inadequada para conforto térmico. Diante de goteiras, as fibras absorvem parte da água, incham e perdem sua função. Além disso, cria-se o espaço ideal para o desenvolvimento de micro-organismos. Na prática, é algo que afeta a saúde dos colaboradores.

2. Como criar um plano de manutenção preditiva?

A manutenção preditiva é uma espécie de evolução da manutenção preventiva. Essa busca evitar a necessidade de correção, mas a preditiva vai ainda mais longe. Por meio de estudos e análises, consegue identificar se ou quando um componente vai falhar. Com o cuidado periódico, os problemas podem ser evitados.

No caso das goteiras e vazamentos na sua empresa, trata-se de um elemento ainda mais importante. Com esse cuidado contínuo, dá para garantir que a cobertura ou o telhado do galpão industrial fique protegido. Para tanto, é essencial elaborar um plano de manutenção preditiva. Para que não restem dúvidas, apresentamos o que você deve considerar. Confira!

Faça um diagnóstico da situação atual

Primeiramente, é preciso entender como anda o negócio e onde estão os principais problemas. Quanto ao telhado, é preciso compreender se a goteira e os vazamentos já são uma dificuldade ou se foram corrigidos recentemente, por exemplo. A intenção é entender quais são as condições específicas da área, para poder definir as ações adequadas.

No caso da empresa inteira, o plano deve englobar todos os setores e componentes. Mas quando o assunto é essa entrada inadequada de água, o foco precisa estar nas características da cobertura e as possíveis dificuldades geradas.

Selecione quais pontos devem ser monitorados

Depois do diagnóstico inicial, o plano de manutenção preditiva exige a realização de testes para identificar problemas. O objetivo é entender fenômenos e, literalmente, prever o que vai acontecer em cada ponto.

Há várias alternativas, mas para goteiras e vazamentos na sua empresa faz sentido utilizar, por exemplo, a termografia. Isso permite encontrar pontos de infiltração, mesmo que sejam muito pequenos. Assim, é possível evitar que se transforme em uma goteira.

Também indicamos usar a análise de estrutura e até a de vibrações. Se uma trinca se propagar, a água pode ultrapassar o telhado e chegar à área industrial. Então, recomendamos fazer esses ensaios para entender melhor as condições.

Defina o cronograma e os responsáveis

Depois de levantar todas as informações necessárias, é hora de “compor” o plano de forma robusta. Isso exige, primeiramente, estabelecer um cronograma com frequências de ações. A manutenção preditiva consiste em um cuidado contínuo, então é importante determinar períodos para realizar ações.

Além disso, é indispensável especificar quem serão os responsáveis pelo processo. Desse jeito, dá para estabelecer atribuições para cada colaborador. O resultado é um aumento no controle e uma eficiência potencialmente maior.

Elabore e use os documentos certos

A execução do plano também é relevante, então é crucial pensar no uso de documentos adequados para a execução das diversas tarefas. É importante, principalmente, garantir que os registros ajudem o controle em vários pontos.

Uma ordem de manutenção, por exemplo, é útil para especificar o que deve ser feito, por quem e em qual momento. Já o relatório de manutenção gera um entendimento completo sobre quais foram os resultados coletados.

O essencial é que as informações sejam captadas e armazenadas no local correto, de forma que possam ser consultadas posteriormente. Do contrário, o plano encontra maior resistência para chegar ao sucesso.

Acompanhe a implementação

Depois de pensar na parte teórica, é fundamental cuidar das fases relacionadas à implementação do planejamento. Tudo deve ser feito de maneira robusta e acompanhada, passo a passo. Assim, dá para garantir que todas as etapas sejam colocadas em prática da forma adequada.

Uma das nossas dicas é definir objetivos e indicadores de acompanhamento. A partir dessas ferramentas, dá para visualizar os resultados conquistados e o que ainda precisa de atenção extra.

3. Qual a importância da manutenção de goteiras e vazamentos?

A elaboração de um planejamento do tipo é justificada pela sua relevância para o negócio. Quando falamos em goteiras e vazamentos na sua empresa, a manutenção é crucial para evitar os problemas causados. Então, feita adequadamente, ajuda a deixar o ambiente industrial adequado.

Ela precisa ser executada da maneira correta, com o planejamento devido e boa capacitação. Desde que isso seja atendido, entenda melhor qual é a relevância desse processo.

Identificação e correção de problemas

Com a abordagem preditiva, especialmente, dá para identificar problemas antes mesmo que eles aconteçam. Ao verificar uma pequena infiltração, por exemplo, é possível já agir e conhecer a causa para evitar que o quadro se torne ainda maior. O mesmo vale para diversos outros aspectos, os quais exigem uma atuação rápida e precisa.

Sem a manutenção, goteiras e vazamentos na sua empresa vão se consolidar e aumentar de tamanho. Então, o ideal é corrigir o quadro quanto antes para garantir o melhor ambiente para a execução do trabalho.

Redução dos impactos negativos

Anteriormente, mostramos todos os prejuízos causados por problemas na cobertura do galpão. Eles afetam o negócio de várias formas e podem comprometer resultados. Então, é preciso evitar que eles aconteçam — ou, no mínimo, que sejam muito intensos. Concorda?

Uma importância da manutenção é que ela serve, exatamente, para reduzir esses impactos tão prejudiciais. Mesmo quando não der para evitar o desperdício de certo material que já estragou, dá para garantir que ele não seja ainda maior ou não se repita, por exemplo. Então, é possível conquistar um cenário favorável e mais protegido para o empreendimento.

Seleção de alternativas adequadas

A manutenção não age apenas para reconhecer problemas e causas de vazamentos e outras ocorrências. Ela também é determinante para identificar quais são as soluções indicadas para cada caso.

Vamos imaginar que um defeito de cobertura acontece por conta da estrutura. Nem sempre é possível fazer grandes reformas, então faz mais sentido recorrer a uma solução econômica, como cobertura especial da área. Somente uma boa manutenção é capaz de reconhecer a viabilidade e entender o que deve ser feito.

Garantia de estabilidade e segurança da estrutura

Um dos grandes problemas com goteiras e vazamentos na sua empresa é que esses quadros podem comprometer toda a estrutura de um galpão industrial. Por conta disso, a manutenção tem um caráter essencial em relação à proteção. Feita corretamente, ajuda a manter a estabilidade do local e o sustenta.

Inclusive, isso tem tudo a ver com a questão da redução de impactos. Afinal, ao cuidar melhor da estrutura, é possível evitar problemas maiores e que podem comprometer todo o local.

Aumento da confiabilidade no ambiente

Como utiliza abordagens consolidadas e aproveita muito conhecimento técnico, a manutenção oferece resultados confiáveis. Ou seja, quando ela é feita corretamente, podemos dizer que o negócio fica seguro diante das indicações e soluções propostas.

Trata-se de um ponto essencial para garantir que o espaço transmita a sensação de confiança para todos os colaboradores. Há riscos menores de algum problema grave acontecer e existe maior nível de controle sobre as situações. Assim, as goteiras deixam de ser uma dor de cabeça para o empreendimento.

4. Vale a pena investir em uma manta térmica?

Para contornar os problemas em telhado, uma das soluções é a manta térmica. Esse produto é posicionado, normalmente, no espaço entre a estrutura e a cobertura, propriamente dita. Com características específicas, ela ajuda a garantir uma proteção extra.

Diante dessa possibilidade, o melhor é entender se ela é realmente aplicável. Por isso, veja por que vale a pena investir em manta térmica e como ela auxilia em diversos sentidos.

Proteção física contra goteiras e vazamentos na sua empresa

Apesar de o nome estar relacionado à temperatura, esse item pode, sim, ser aplicado como forma de lidar com a entrada inadequada de água. Isso acontece porque, de certa maneira, a manta impermeabiliza a superfície e consegue fazer com que ela se torne mais protegida.

É algo que ocorre porque ela impede a passagem de água para a estrutura. Então, mesmo que haja uma trinca ou rachadura, o líquido não chega à empresa. Inclusive, podemos dizer que é uma solução mais em conta que grandes reformas estruturais — e, ainda assim, oferece resultados satisfatórios.

Proteção contra mofo

Ao mesmo tempo, não é porque a manta térmica é impermeável que ela acumula água e sofre com os efeitos. Outros tipos de cobertura podem sofrer com mofo, o que exige um cuidado redobrado de manutenção. No entanto, o produto térmico é resistente contra a atuação de microrganismos, como os que dão origem ao mofo.

Após instalar a manta, ela é capaz de manter a proteção ao espaço sem exigir grandes cuidados extras. Isso é importante para direcionar a manutenção para o que importa e para garantir máxima praticidade de atuação.

Conforto térmico e acústico

Embora seja muito útil para proteger contra goteiras e vazamentos na sua empresa, é natural que esse item seja voltado, de verdade, para o conforto térmico. Com essa barreira física e com a ajuda de fenômenos termodinâmicos, o produto é capaz de impedir a troca de calor. Com isso, o ambiente não absorve a temperatura externa, o que auxilia a garantir melhor controle do calor na parte de dentro.

Para a indústria, é essencial por dois aspectos principais: ergonomia e eficiência energética. Então, permite que o negócio se mantenha protegido dos efeitos nocivos de altas temperaturas.

Além disso, a capacidade de isolamento se estende às ondas sonoras. Com o uso adequado do produto, é possível conquistar máximo conforto acústico, com redução dos ruídos do ambiente externo. Novamente, trata-se de uma positiva questão de ergonomia e conforto.

Excelente durabilidade

Quando adquirida de um empreendimento de qualidade e instalada da forma correta, a manta térmica tem grande nível de durabilidade. Podemos dizer que goteiras e vazamentos na sua empresa deixarão de ser um problema por um longo período.

Além de tudo, temos que considerar que isso facilita a manutenção e garante mais eficiência de atuação do empreendimento. Para melhorar, é algo que ajuda a diminuir os custos totais e a aumentar o retorno sobre o investimento feito na estrutura.

Instalação descomplicada

Muitas soluções para o problema de goteiras e vazamentos na sua empresa são complexas. Elas podem mexer com os tipos de exaustores, exigir grandes obras e até interferir na estrutura do imóvel. O resultado, é claro, é bastante indesejável. Já a manta térmica tem a capacidade de oferecer soluções com eficiência e quase sem trabalho.

A instalação não exige muito mais que o acesso ao espaço da cobertura por pessoas qualificadas. Então, ela é posicionada e fixada no local, sem precisar de estrutura de apoio extra. Quando o negócio se expandir, pode recorrer às placas do mesmo material já na construção. Com tanta facilidade, os benefícios se tornam cada vez maiores.

5. Como escolher a manta ideal para o seu galpão?

Para que ofereça o isolamento ideal para o ambiente industrial, a manta tem que ser selecionada da forma certa. Com uma boa aquisição, ela vai lidar com vários pontos — inclusive, as goteiras e vazamentos na sua empresa.

O melhor jeito de chegar à conclusão ideal é ao considerar os pontos que realmente devem influenciar a escolha. Precisa de ajuda? Nós mostramos o que fazer. Confira!

Verifique a composição e as propriedades do produto

Primeiramente, é indispensável entender quais são as características específicas da manta. A ideia é reconhecer como ela atua e quais são os seus principais benefícios. Ter resistência ao mofo, por exemplo, é essencial para lidar com as goteiras e vazamentos na sua empresa.

Também vale a pena considerar como é feito o isolamento térmico industrial. Não basta que o produto evite a transmissão por condução ou convecção, já que a radiação é a maior vilã. Focar em apenas um desses aspectos não oferece proteção completa, então é preciso recorrer à solução adequada.

O melhor é que a manta térmica tenha a capacidade de proteger contra as três formas de transmissão de calor. Isso aumenta a eficiência do produto, pois além de impermeabilizar, garante o máximo de conforto térmico no local.

Avalie quais são as exigências de instalação

Como visto, a instalação da manta térmica é muito mais fácil que a realização de vários outros procedimentos. Ao mesmo tempo, os produtos diferentes podem apresentar características distintas. Então, é importante conhecer quais são as exigências de instalação de cada tipo.

O objetivo é verificar, por exemplo, se é necessário deixar uma camada de ar para evitar a convecção. Um produto do tipo não é tão eficiente e nem tão prático, por causa da limitação imposta por outra condição. Por outro lado, uma versão que já faça as trocas na própria estrutura é a melhor aposta. Ao conhecer isso antecipadamente, é possível se planejar para adotar a solução.

Confira a capacidade técnica e a experiência da empresa

Além de pensar no produto, em si, é essencial conferir a capacidade e a qualidade do estabelecimento. Ou seja, a ideia é reconhecer se a fornecedora da solução realmente ajuda a solucionar as goteiras e vazamentos na sua empresa, além de outros problemas.

Veja, por exemplo, há quanto tempo o negócio está no mercado. Um empreendimento experiente traz maior segurança e pode gerar resultados melhores. Além disso, é fundamental conferir a capacidade técnica.

O time deve ser especializado no isolamento térmico e na impermeabilização do espaço em todos os aspectos. Assim, desde o atendimento até a instalação é possível conquistar resultados melhores.

Conheça a experiência de outros clientes

Para complementar a sua percepção sobre o empreendimento, vale a pena conferir a opinião de quem já contratou os serviços. Assim como acontece no seu negócio, consumidores satisfeitos costumam dar suas opiniões (e o contrário também vale). Então, é interessante prestar atenção ao feedback.

Veja se os clientes apresentam satisfação com a manta térmica, se a instalação aconteceu como deveria e se as promessas foram cumpridas. Essa é uma forma de ter mais segurança, já que um grande volume de avaliações positivas indica que o produto e a empresa são de confiança.

Pense no custo-benefício apresentado pela solução

Não menos importante, é preciso considerar a necessidade de investimento e a aderência ao orçamento do seu negócio. Mas em vez de apenas decidir pela solução mais barata, recomendamos avaliar o custo-benefício da manta térmica.

O olhar voltado para o preço nominal deve ser substituído por uma análise de possíveis economias, prejuízos evitados e ganhos obtidos. Ao colocar na balança o que traz maiores impactos positivos, dá para escolher a alternativa correta. Assim, você não corre o risco de optar por uma manta só porque ela é mais barata, já que isso não oferece nenhuma garantia.

As goteiras e vazamentos na sua empresa são altamente prejudiciais para o ambiente industrial. Além de cuidar da manutenção, vale considerar usar uma manta térmica para corrigir o problema. Desde que seja selecionada da melhor forma, é uma solução viável e repleta de benefícios.

Se quiser acompanhar novidades e outras dicas para a sua indústria, assine a nossa newsletter e não perca!