Você sabe do que se trata a NBR 15575-3, qual sua função e objetivos? Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a finalidade principal das normas técnicas é promover qualidade, segurança e bem-estar no dia a dia das pessoas. No caso da construção civil, esses objetivos são previstos tanto no decorrer da construção quanto durante o uso e a operação de uma edificação. 

Diante desse assunto, a NBR 15575 é uma das normas de maior relevância. Afinal, aborda aspectos relacionados ao desempenho de edificações habitacionais. Por isso, leva em consideração alguns requisitos, como segurança, estanqueidade, desempenho térmico, acústico e lumínico, qualidade do ar, acessibilidade etc. Quer saber mais sobre esse assunto e entender em que consiste a parte 3 dessa NBR? Então, continue a leitura!

O que é a NBR 15575

A NBR 15575 de 2013, mais conhecida como Norma de Desempenho, é dividida em 6 partes, que visam abordar diferentes níveis de desempenho para cada um dos sistemas construtivos de uma unidade habitacional. Confira:

  • NBR 15575-1 — requisitos gerais; 
  • NBR 15575-2 — requisitos mínimos para os sistemas estruturais;
  • NBR 15575-3 — requisitos necessários para os sistemas de piso;
  • NBR 15575-4 — requisitos relacionados aos sistemas de vedações tanto internas como externas;
  • NBR 15575-5 — requisitos para os sistemas de cobertura;
  • NBR 15575-6 — requisitos que envolvem os sistemas hidrossanitários.

Qual o objetivo da NBR 15575

A NBR 15575 tem como principal objetivo garantir e definir marcos de qualidade nos imóveis habitacionais. Isso é alcançado por meio de parâmetros, quantitativos e sistemas de medição, que possibilitam o acompanhamento e a verificação de todo o processo construtivo, reduzindo incertezas e evitando critérios que até então eram subjetivos. 

Além disso, também é um grande objetivo estimular uma mudança de cultura na engenharia, tornando todos os processos e as etapas mais eficientes e elevando a durabilidade e a sustentabilidade das edificações.  

Qual a aplicabilidade e a abrangência da NBR 15575

É importante salientar que essa norma não se aplica às edificações já existentes, obras em andamento, reformas ou retrofits. Também não é válida para as edificações que são temporárias ou as que estavam com os projetos protocolados nos órgãos competentes até a data em que a norma entrou em vigor. 

Tirando esses casos, a NBR 15575 se aplica a todo tipo de edificação habitacional, não importando se são isoladas, geminadas, o número de pavimentos, a tecnologia construtiva ou os métodos utilizados. 

O que dispõe a NBR 15575-3

Conforme o próprio nome indica, a parte 3 da NBR 15575 dispõe sobre os requisitos para os sistemas de piso. Por isso, envolve aspectos que abrangem o desempenho térmico e acústico, o conforto antropodinâmico e tátil, a durabilidade, a manutenibilidade e a segurança durante o uso.

A parte 3 da NBR 15575 dispõe que os sistemas de piso precisam contar com as seguintes camadas:

  • acabamento;
  • fixação;
  • contrapiso;
  • isolamento térmico e acústico;
  • impermeabilização (em alguns casos);
  • estrutural.

Desempenho estrutural

Na parte 3, consta que os pisos precisam apresentar desempenho estrutural por meio de resistência a impactos de corpos moles e duros. Para isso, devem-se utilizar na construção os pisos e as pedras que foram aprovados nos ensaios de impacto realizados tanto em laboratório quanto nas obras. 

Segurança contra incêndio

Somado ao desempenho estrutural, é necessário que os pisos apresentem segurança contra incêndio, resistindo ao fogo e dificultando a sua propagação. Assim, é preciso evitar materiais combustíveis.  

Segurança para uso e operação

A parte 3 da NBR 15575 também destaca aspectos de segurança para o uso e a operação em diferentes ambientes, como áreas molhadas, molháveis e secas. Tanto para cada uma dessas áreas quanto para terraços, escadas, rampas e áreas comuns, deve-se respeitar os coeficientes de atrito mínimos definidos, evitando quedas e acidentes. 

A norma também prevê os desníveis máximos e alguns parâmetros mínimos para garantir a segurança, sendo alguns deles aplicáveis apenas aos ambientes comuns.

Estanqueidade

Os pisos também precisam ser estanques, evitando umidade ascendente. Além disso, devem atender às definições destacadas na norma para as áreas molháveis.

Durabilidade e Vida Útil de Projeto

A durabilidade está diretamente interligada à vida útil de projeto — VUP —, que é definida no momento em que a edificação foi projetada. De acordo com a norma, a VUP pode ser:

  • mínima — maior ou igual a 13 anos;
  • intermediária — maior ou igual a 17 anos;
  • superior — maior ou igual a 20 anos.

Além disso, os pisos das áreas molhadas e molháveis não devem apresentar danos por presença de umidade, de acordo com os critérios definidos na norma. Os pisos também precisam ser resistentes a agentes químicos e abrasão, conforme as normas específicas.

Funcionalidade e acessibilidade

Esse item dispõe sobre aspectos e características que os pisos precisam ter nas áreas privativas e comuns, assim como os desníveis e a superfície dos pisos para cada tipo de ambiente. Aqui também são abordadas características que proporcionam boa acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e sinalizações indicando degraus, rampas etc.

Conforto tátil, visual e antropodinâmico

É um item que trata da homogeneidade em relação à planicidade de nível dos pisos, ou seja, da camada de acabamento do sistema de pisos. 

Desempenho acústico e térmico

O desempenho acústico em pisos está relacionado ao ruído de impacto entre pavimentos, indicando os níveis mínimos e máximos e também quando é necessário a existência de algum tratamento acústico. 

Inclusive, o desempenho acústico em pisos também está relacionado ao ruído aéreo entre as unidades residenciais. Já em relação ao desempenho térmico, quando o sistema é bem executado, com os materiais adequados, a transmissão de calor é reduzida, tornando os ambientes mais agradáveis e adequados. 

Quem são os responsáveis pela implementação

Como uma edificação apresenta diferentes fases, a NBR 15575 estabelece diversos responsáveis:

  • fornecedor — pessoa jurídica, privada ou física, que é responsável pela caracterização do desempenho do elemento ou sistema, assim como pela previsão do prazo de vida útil, cuidados no uso e operação e aspectos relacionados à manutenção;
  • incorporador — pessoa física ou jurídica, que pode ser quem comercializa a edificação ou não. Há a chance de ser tanto o proprietário como o titular de direitos, o construtor ou o corretor. Sua responsabilidade está diretamente ligada aos atos de realizar estudos técnicos e providenciar o projeto arquitetônico e os complementares, assim como as demais informações relevantes e necessárias;
  • construtor — pode ser a pessoa física ou jurídica que executa o empreendimento de acordo com os projetos e as condições preestabelecidas. Por isso, é responsabilidade do construtor elaborar manuais referentes ao uso, operação e manutenção, atendendo tanto a NBR 5674 quanto a NBR 14037. Esses manuais devem ser entregues a cada um dos proprietários e ao condomínio;
  • projetista — profissional responsável por estabelecer, elaborar e indicar propostas técnicas que visam atender a vida útil definida para cada sistema. Para isso, deve especificar os materiais e os processos adequados, a fim de atingir o desempenho definido anteriormente. O projetista também precisa seguir as normas específicas do seu tipo de sistema construtivo;
  • usuário — o usuário final da edificação, mesmo que não seja proprietário, tem como responsabilidade usá-la corretamente, não alterando cargas e destinação sem a aprovação dos órgãos competentes e da construtora. Para fazer isso, ele também deve ter o acompanhamento dos devidos profissionais.    

Como você pôde ver, a NBR 15575-3 é de extrema importância para a qualidade, a segurança e a durabilidade de uma unidade residencial, abordando diversos níveis, que vão desde as características visuais e táteis até a segurança estrutural, contra incêndio, a estanqueidade e o isolamento acústico e térmico. E sim, a atenção com o sistema de pisos é muito relevante para obter um bom resultado final para o isolamento e o conforto de uma edificação.

Gostou do artigo? Aproveite a visita ao blog e entre em contato com a 3TC — uma equipe especializada em isolamento térmico e acústico que oferece consultoria para edificações residenciais e ambientes corporativos.

As técnicas de isolamento térmico e acústico são importantes para diminuir o calor/frio e os ruídos no ambiente de trabalho. Mas, antes de pôr em prática qualquer uma delas, é importante um planejamento que defina quais serão os materiais usados.

O gesso é um bom aliado nesse sentido, pois promove conforto térmico em ambientes residenciais e corporativos. Uma propriedade dele é a higrotermia, fenômeno que contribui para regular o nível de umidade do ambiente.

Essa propriedade é basicamente isso: se o espaço é muito úmido, o gesso remove parte de sua umidade, absorvendo-a; se existe pouca umidade, o gesso oferece parte de sua própria umidade para ele. Continue a leitura e saiba mais detalhes sobre os forros de gesso!

Os principais cuidados na instalação de forros de gesso

Podemos identificar os principais cuidados com a instalação de forros de gesso. A seguir, exploramos um pouco cada um deles.

A mão de obra

O uso de gesso no revestimento e decoração de ambientes é cada vez mais popular, pois ele oferece muitas vantagens e pode ser usado em paredes e forros. Há diferentes tipos de gesso, mas todos exigem cuidados na hora da aplicação.

No preparo do trabalho, a mão de obra é fundamental. Profissionais despreparados não oferecem um bom acabamento de serviço. Quando procurar trabalhadores, certifique-se de que são realmente competentes e podem efetivar o projeto conforme o planejado.

É necessário, por exemplo, demarcar os pontos de fixação, atentar-se para a umidade, conferir a carga suportável pela estrutura ou laje. São esses cuidados que evitam problemas posteriores no revestimento, como manchas e fungos, rachaduras e trincas.

A qualidade do produto

É fundamental também escolher gessos de boa qualidade, pois materiais de qualidade duvidosa costumam gerar problemas, como rachaduras e trincas. Há diferenças entre os gessos disponíveis no mercado.

Analise as marcas, peça referências a quem já usou e orientação aos fornecedores. Além da qualidade, o gesso deve se prestar bem à finalidade a que se destina e, muitas vezes, o tipo de cobertura também deve ser considerado.

A qualidade do acabamento

O acabamento dos forros de gesso é uma etapa final e importante para assegurar que o resultado será o mais resistente possível.

Talvez, seja preciso efetuar muitas aplicações para garantir um acabamento de boa qualidade.

A preparação do ambiente

A aplicação de gesso requer um bom planejamento, como dissemos. O local onde ele será aplicado deve ser preparado. O teto precisa se apresentar bem nivelado, sem buracos, rebarbas ou outras irregularidades. Confira se as aberturas estão prontas, como os spotlights.

Os sistemas hidráulicos devem ser testados (os de água fria, água quente e esgoto). O sistema de ar-condicionado, se houver, também demanda uma instalação correta.

A aplicação do gesso

É importante proteger o chão com uma lona, no caso de o piso já se encontrar pronto. Dessa forma, evita-se que ele se suje com os respingos do produto. A lona também pode ser usada nas paredes, sendo fixada com fita adesiva. As cantoneiras podem ser aplicadas para proteção das quinas e dos cantos depois da finalização.

Existem alguns aditivos que ajudam na instalação do gesso, mas é preferível não os usar porque, com o decorrer do tempo, eles causam mofo e deixam uma coloração amarelada.

O resultado final

O resultado deve corresponder às expectativas. A superfície deve se apresentar plana, sem rebarbas, nem ondulações. Entre o teto e as paredes, os ângulos devem ser de 90º. No entanto, variações de, no máximo, 5 milímetros são aceitáveis.

No final, o lugar deve ficar limpo a fim de que não haja mistura com outros materiais e a massa fique endurecida. O descarte do que restar deve ser realizado em separado.

A importância da manutenção dos forros de gesso

Outro ponto relevante é a manutenção. Os forros de gesso não precisam de água para limpeza, pois ela pode danificar a estrutura. A limpeza deve ser realizada com panos secos e espanadores a fim de remover umidade e poeira, para prevenção.

Outra dica é deixar o ambiente ventilado para que não surjam manchas resultantes da umidade. A água sanitária serve para alvejar manchas que já existem — mas aplique em pequena quantidade.

As tendências em materiais de construção

É importante manter-se atento às tendências e novas tecnologias no setor de construção civil, pois os produtos com a função de isolamento térmico e acústico passam por melhorias para que ofereçam o melhor desempenho possível.

Ao usar as melhores soluções em isolamento térmico e acústico, a empresa garante o conforto necessário para otimizar a produtividade da equipe.

Os tipos de forros de gesso

Há dois tipos principais de forros de gesso:

  • em placas;
  • acartonado.

O gesso em placas

No primeiro caso, ele se apresenta em placas pré-fabricadas. Elas são fixadas na cobertura por meio de pinos e fios de aço galvanizado, em uma distância de 40 a 60 centímetros. O profissional acerta uma placa na outra com a ajuda de encaixes macho e fêmea. A massa de gesso é usada como rejunte para as emendas.

O acabamento costuma ser elegante e bem liso. Mas, geralmente, é mais pesado que o gesso acartonado.

O gesso acartonado

O forro de gesso acartonado também é conhecido como “drywall”. Ele combina placas de gesso com perfis metálicos. É rápido de instalar, sendo leve e apresentando boa qualidade. As chapas de gesso são confeccionadas de maneira industrial (água + gesso + aditivos).

As placas de drywall são fixadas no teto, assentadas em perfis estruturais, estruturas de madeira ou aço, com a possibilidade de criar diferentes desenhos e formas (como as sancas, modelagens feitas entre o teto e a parede que servem principalmente para um sistema diferenciado de iluminação).

O nome “acartonado” advém do fato de que ele tem papel cartão como revestimento. A cor desse papel varia de acordo com a função:

  • cor branca: é o mais usado em ambientes secos;
  • cor rosa: tem fibra de vidro, resistindo melhor ao fogo;
  • cor verde: é o mais usado em ambientes úmidos, porque tem silicone e aditivos contra fungos.

O sistema que utiliza drywall proporciona isolamento térmico, o que garante uma temperatura interna equilibrada. Nos tempos quentes, o calor externo não penetra no ambiente. No inverno, o ambiente interno também fica protegido contra o frio, conservando o calor que já existe internamente. Em palavras simples: no tempo quente, o calor de fora não entra; no tempo frio, o calor interno não sai.

Assim, podemos citar as seguintes vantagens em relação ao drywall:

  • a instalação rápida e limpa;
  • o material encontrado facilmente em lojas do ramo;
  • as instalações ocultas e protegidas;
  • o acabamento elegante;
  • o conforto térmico e acústico;
  • o ótimo custo-benefício.

Vimos, portanto, as principais particularidades dos forros de gesso e como eles podem contribuir para criar um ambiente interno mais agradável e eficiente. Podem ser obtidos em placas ou no modelo drywall, que promove isolamento térmico e acústico.

Gostou das informações? Foram ou não esclarecedoras? Então, que tal compartilhar o post nas redes sociais para que seus amigos também leiam o conteúdo? Faça isso. Compartilhe conhecimento!

Os ambientes fechados são vulneráveis a diferentes tipos de poluição. É importante conhecer quais são os principais deles e como evitá-los. Geralmente, são os mesmos tipos de poluição que também afetam os espaços abertos, como a visual, a atmosférica (do ar) e a sonora.

O Brasil, por ser um país tropical, tem épocas ensolaradas e outras chuvosas. Outra característica é a intensa umidade relativa do ar.

Ambientes fechados com muita umidade não são saudáveis, nem para a equipe, nem para a construção. Esse também é um tipo de poluição do ar muito comum em residências e em empresas. Neste artigo, vamos detalhar melhor esse assunto e mostrar como diminuir a umidade em ambientes fechados. Confira a seguir!

Os problemas causados pela umidade em ambientes fechados

Nos meses mais frios, a retenção da umidade é mais comum porque a temperatura cai e, em ambientes fechados, com pouca ou nenhuma ventilação, a umidade começa a causar problemas nas paredes e piso dos cômodos de uma edificação.

A umidade excessiva pode gerar sérias complicações à saúde, pois promove a proliferação de bactérias e de outros microrganismos nocivos. Umidade a 65% já favorece o desenvolvimento de algumas bactérias. Se ela alcança 80%, a quantidade de bactérias pode se multiplicar, alcançando 40 vezes mais!

Em geral, o recomendado é que a umidade relativa do ar permaneça em torno de 60%. Acima disso, começam a aparecer os efeitos, como odor intenso de “coisa velha”, mofo nas paredes e móveis, sintomas em pessoas idosas, crianças e demais pessoas que sofrem com algum problema de saúde, especialmente os respiratórios (asma, por exemplo).

Os motivos que provocam a umidade em ambientes fechados

É importante conhecer as formas de captura de umidade em ambientes fechados para compreender melhor alguns mecanismos de prevenção e combate ao problema. Existem 4 formas de captura, que vamos detalhar a seguir.

A umidade por intemperismo

Nesse caso, a umidade resulta da infiltração da água pluvial em rachaduras ou fissuras nas paredes ou outra estrutura.

Também pode ser resultado de projetos de escoamento mal definidos nas coberturas e nos telhados.

A umidade por infiltração

Aqui, estamos falando da umidade originada do solo e do lençol freático e que afeta as paredes. Essa forma de captura acontece com mais frequência em adegas, subsolos, porões e outros ambientes situados abaixo do nível do solo.

A umidade por capilaridade

A capilaridade é uma propriedade física característica dos fluidos. Refere-se à capacidade deles de subir ou descer em passagens tubulares (na forma de tubos) muito finas.

Como as vigas e as paredes são porosas, elas apresentam milhares dessas passagens em sua estrutura interna. Quando vigas e paredes se encontram em contato direto com o solo, a umidade pode penetrar nelas por meio do fenômeno da capilaridade.

A umidade por condensação

Essa forma de captura é resultado do vapor que emana de certos lugares, como banheiro e cozinha. Esse vapor invade os cômodos e fica impregnado nas superfícies, causando machas nas paredes e tetos, deixando-os com coloração mais escura.

As maneiras de evitar e remover a umidade em ambientes fechados

Existem formas efetivas de retirar a umidade em ambientes fechados. Conheça quatro delas logo mais.

A ventilação e a luz solar

Uma boa solução, que deve ser previamente definida, é a concepção detalhada do projeto, considerando pontos como a entrada da luz do sol no espaço interno e o acesso à ventilação natural.

É importante analisar o posicionamento certo das janelas, de modo que seja fácil a captação da luz solar. Com boa ventilação e calor, é possível evitar o excesso de umidade.

Os materiais impermeabilizantes

Uma técnica muito comum para reduzir e evitar a umidade em ambientes fechados é aplicar materiais impermeabilizantes na estrutura. Um deles é a argamassa impermeabilizante, que resolve problemas causados por capilaridade e infiltração.

A argamassa deve penetrar na parede. Por isso, caso a umidade já esteja presente, será preciso remover o revestimento na área úmida e colocar o produto na alvenaria, seja interna ou externamente.

Outro material é a tinta impermeabilizante. Trata-se de uma solução acessível e econômica, destinada à prevenção e à solução de problemas de umidade causada por intemperismo, ou seja, quando a água da chuva penetra pelas fissuras em coberturas e fachadas.

Uma tinta impermeabilizante consegue bloquear a entrada da umidade na área coberta. Geralmente, é um produto que custa mais que a tinta premium, sendo até 4 vezes mais caro. Mas o custo-benefício compensa, porque resolve problemas de umidade sem a necessidade de derrubar paredes ou de outras intervenções mais sérias.

O desumidificador de ar

Uma solução mais definitiva é o desumidificador de ar. É um eletrodoméstico que atua como um filtro. Sua função é exatamente a oposta da função de um umidificador. O desumidificador puxa o ar úmido, remove a água desse ar e o devolve ao ambiente já desprovido de umidade. Isso permite controlar os níveis de umidade de forma constante.

É uma boa opção para os ambientes fechados, dispensando até a necessidade de abrir janelas. Outra vantagem é que o aparelho portátil não faz ruídos e pode ser levado para qualquer local com facilidade. Há diferentes modelos que atendem a necessidades diversas.

As plantas que reduzem a umidade em ambientes fechados

A NASA confirmou, em 1989, que algumas plantas podem absorver a umidade e deixar o ar purificado. Além de promover um ambiente mais saudável, elas integram o espaço corporativo à natureza e servem como elementos decorativos. Algumas dessas plantas são:

  • lírio da paz: desenvolve-se bem em espaços fechados e com pouca iluminação, onde faz a absorção da umidade do ar para garantir seu crescimento;
  • samambaia de Boston: ela não requer poda constante e pode ser pendurada em qualquer ponto. Quando absorve a umidade, ela ainda remove benzeno, xileno e outras impurezas;
  • clorofito: tem folhas longas e curvas e pode retirar até 90% das impurezas do ar;
  • hera: tem folhas pequenas e, preferencialmente, deve ficar pendurada na parede. Ela reduz a umidade em forma de vapor no ar e ainda absorve mofo, matéria fecal de animais domésticos e microrganismos;
  • palmeiras: podem ser pequenas, médias ou grandes, crescem em espaços úmidos e absorvem poluentes em ambientes fechados.

É fundamental ter cuidado com a umidade em ambientes fechados para evitar o desenvolvimento de problemas alérgicos e problemas à própria edificação. Além disso, o mofo e o bolor causam mau cheiro e comprometem a estética do lugar.

Percebeu que existem diferentes soluções para o problema da umidade? Continue aqui no blog e confira agora como é possível melhorar a qualidade do ar!