A influência da temperatura na germinação e vigor de sementes é um assunto que desperta muito interesse entre os produtores e gestores do agronegócio.

É fácil descobrir quando uma semente foi castigada pela geada. No entanto, as altas temperaturas podem ser tão prejudiciais quanto as baixas, fazendo com que a muda não se desenvolva de forma plena. E isso pode causar imensos prejuízos financeiros ao agronegócio.

Existe uma disparidade considerável quando se trata dos danos causados pela temperatura nas sementes. Algumas murcham quando o termômetro começa a subir, enquanto outras conseguem germinar bem nas mesmas condições. Por esse motivo, as culturas precisam ser estudas e analisadas caso a caso.

Vale observar que o potencial genético de uma semente só será atingido ao contar com um bom sistema de multiplicação. Nesse cenário, a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes precisa ser analisada para que as plantas cresçam com saúde e vigor.

Falhas no processo de armazenamento e estocagem também podem resultar em prejuízos para o produtor.

Quer saber mais sobre esse assunto e garantir a lucratividade da produção? Então, acompanhe as informações que apresentaremos nesse artigo!

Importância do armazenamento correto ao analisar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes?

O local e o método de armazenamento devem ser observados com especial atenção pelos produtores para garantir que a semente possa germinar e crescer com vigor.

A produção de sementes de soja, por exemplo, deve observar um rígido controle de qualidade para garantir que os consumidores tenham acesso a um produto em bom estado. Claro, isso exige investimento tecnológico, uma vez que as unidades de semente exigem processos cada vez mais modernos e inteligentes.

A conservação também deve ser feita de maneira adequada. De fato, o armazenamento é essencial para a germinação e assim garantir que as sementes estarão em bom estado para o plantio. O armazenamento feito de maneira adequada é essencial no sucesso da lavoura e consequentemente no potencial produtivo da operação.

O nosso país conta com diversos microclimas. A influência da temperatura na germinação e vigor de sementes deve ser analisado regionalmente, uma vez que as condições do sul do país não são as mesmas da região norte ou nordeste, que é sujeito a altas temperaturas por todo o ano.

A região sul do país apresenta clima frio durante uma parte do ano. Para essa localidade, é possível reduzir a construção de câmaras frias. Já cidades localizadas no Mato Grosso ou em Goiás, que possuem um clima mais quente, precisam ter mais investimentos em câmaras frias para garantir a vitalidade das sementes.

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Quais são os riscos do armazenamento incorreto?

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes também afeta essa etapa da produção. O armazenamento adequado garante a qualidade dos insumos durante o tempo de armazenamento.

Assim, as sementes estarão a salva da deterioração, garantindo a longevidade até o plantio da próxima safra.

A etapa de armazenamento das sementes tem início nas instalações do sementeiro e termina com a semeadura do campo. Como esse período pode se estender por vários dias, ou até mesmo semanas, é preciso usar técnicas que garantam as melhores condições possíveis.

Esses cuidados evitam a baixa produtividade e garantem o vigor germinativo. E isso evita o comprometimento da produção e consequentemente os prejuízos.

No armazenamento das sementes também é preciso eliminar focos de infestação, o que exige maior controle da parte do produtor — o ideal é que as sementes saiam do armazém diretamente para o plantio de modo a não ficarem em ambientes sem condições adequadas.

Boas condições de armazenamento garantem a qualidade do plantio e o retorno financeiro. Também previne atrasos e elimina possíveis danos a colheita.

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Quais fatores influenciam na qualidade das sementes?

O armazenamento adequado minimiza riscos e garante o vigor das sementes. Nessa etapa, os seguintes fatores merecem especial atenção.

Temperatura

É muito importante observar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes. A maioria das semente exige temperatura de armazenamento perto de 25ºC. Já  milho e a soja exigem temperaturas mais baixas, em torno de 20ºC.

Quando a temperatura aumenta cerca de 5ºC, a longevidade da semente é reduzida à metade. Essa variação contempla temperaturas na faixa de 0ºC a 50ºC. Assim é preciso investir em equipamentos de refrigeração, caso o sementeiro esteja localizado em uma cidade muito quente.

Vale observar que os armazéns devem permanecer bem ventilados, o que ajudará a manter a temperatura constante.

Umidade relativa do ar

A influência da temperatura na germinação e vigor de sementes deve ser analisada em conjunto com a umidade, que interfere diretamente na qualidade das sementes. O aumento de 1% do grau de umidade (quando se analisa o intervalo de 5 a 14%) reduz o vigor das sementes em até 50%.

Nas condições ideais de armazenamento a soma entre temperatura e a umidade relativa do ar não deve ultrapassar 45 graus. Nessa equação os dois termos precisam ser cuidadosamente mensurados para que a longevidade das sementes garanta a qualidade do plantio.

Muitos armazéns têm umidade do ar em torno de 12%. Acima desse patamar as sementes ficarão muito úmidas, acelerando o processo de apodrecimento e o surgimento de fungos e bactérias.

Circulação do ar

Esse é outro aspecto fundamental ao analisar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes.

Armazéns e outros espaços de armazenamento precisam ser bem ventilados. No entanto, é preciso garantir que a umidade do lado de fora não interfira no ambiente interno, o que pode prejudicar a qualidade das sementes.

Além disso, é preciso organizar as sementes de modo a garantir o máximo proveito da circulação de ar. Carregar demais o armazém impede que as sementes aproveitem esse benefício, diminuindo a sua durabilidade.

Organização 

O armazém deve ser um espaço bem iluminado e limpo, o que impede a proliferação de pragas. Sempre que possível, os volumes devem ser condicionados sobre paletes de madeira, de modo a evitar o contato direto com o chão.

Além disso, as sementes não devem ter contato com as paredes do galpão, por isso é preciso mantê-las a uma distância de pelos menos 1,5 m da estrutura. O espaço deve ser destinado apenas ao armazenamento de sementes, uma vez que essas não devem permanecer próximas a produtos químicos ou adubos.

Limpeza

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes deve ser observada em espaços limpos e organizados.

Esse é um fator primordial para a manutenção da qualidade de sementes. Para isso, é importante haver profilaxia antes da entrada dos produtos no armazém e durante todo o tempo em que eles ficarem guardados. É fundamental, por exemplo, varrer as sementes que venham a cair no chão. Isso evitará focos de insetos e roedores.

É indispensável, ainda, acompanhar e controlar a presença desses problemas e de pragas, como traças e fungos: assim que descobertas, sementes mofadas devem ser imediatamente eliminadas.

Materiais adequados

Muitas empresas agropecuárias utilizam contêineres para armazenar sementes. Essa opção permite a fácil limpeza, impede a entrada da umidade e pode ser climatizada facilmente para atender as especificações de cada região. 

Isso é fundamental ao observar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes. Além disso, esse equipamento dispensa a construção de um espaço para o armazenamento. Após o uso ele pode ser reaproveitado para guardar insumos e outros materiais utilizados na lavoura.

Garantindo o armazenamento correto das sementes

Como dissemos acima, manter o espaço limpo e arejado permitirá o máximo aproveitamento das sementes. Seja um contêiner ou um armazém, é preciso manter o espaço livre de pragas que possam atacar os insumos.

Além disso, providencie paletes e faça a distribuição correta dos pesos entre os suportes e os mantenha longe das paredes. Isso garante maior ventilação e minimiza os efeitos negativos da troca térmica entre o ambiente externo e interno.

As pilhas de semente não devem ter uma altura elevada e devem permanecer longe do teto, que alcança temperaturas mais elevadas. Fato que deve ser verificado ao observar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes. Veja aqui um artigo que escrevemos sobre beneficiamento de sementes!

Também é importante higienizar corretamente o espaço e aplicar inseticidas ou pesticidas caso se mostre necessário.

Lembre-se, ainda, de implantar um programa de controle de pragas que inclua o uso armadilhas e a aplicação de produtos específicos pata tratar os problemas. Os paletes utilizados devem ser limpos, esterilizados e plastificados, o que garante proteção adicional contra a umidade e o ataque de insetos.

Por fim, ao carregar ou descarregar as sementes é preciso evitar impactos, de modo a garantir a a sua integridade.

Estudo de caso 1: sobre a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes de plantas tropicais

O cupuaçu é uma árvore frutífera da região da Amazônia, que desponta como uma alternativa promissora para indústria alimentícia. O fruto pode ser usado na fabricação de sorvetes, licores, sucos, geleias, bombons e doces.

Cada espécie vegetal consegue se desenvolver com máximo vigor em um determinado clima. De fato, a temperatura atua diretamente nos processos bioquímicos e fisiológicos. Esse fator afeta diretamente a velocidade de germinação.

Isso significa que influência da temperatura na germinação e vigor de sementes deve ser analisada e replicada, de modo a garantir uma safra saudável e rentável.

O estudo científico publicado pela Revista Agropecuária Brasileira sobre influência da temperatura na germinação e vigor das semente de copuaçu utilizou três substratos no teste de geminação: areia fina peneirada, serragem curtida e vermiculita número 3. Todo o material utilizado foi previamente esterilizado.

As sementes foram previamente escolhidas e preparadas de acordo com o método de Figueiredo. O teste foi realizado em diferentes temperaturas: 15, 20, 25, 30 e 35ºC e durou 25 dias. Os seguintes parâmetros foram utilizados:

1. Índice de velocidade de geminação (IVG)

A contagem teve início no quinto dia após o plantio das sementes e prosseguiu até o final da germinação. Considera-se germinada a semente que apresentar radícula de 1 cm de comprimento.

O índice de velocidade de geminação é obtido ao dividir o número de sementes geminadas por dia pelo tempo transcorrido desde o plantio.

2. Porcentagem de sementes germinadas e porcentagem de plântulas normais

Passados 25 dias do início do experimento se verificou o percentual de sementes germinadas, normais e anormais, bem como o percentual de plantas que morreram.

Uma planta normal apresenta radícula, caulículo e plúmula bem desenvolvidos. Já o vigor é avaliado pela medição do caulículo da plântula, pelo comprimento da radícula e pelo peso da matéria seca dos cotilédones.

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Resultados do estudo sobre a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Após a análise dos resultados verificou-se que a temperatura influencia diretamente no vigor das sementes.

No quinto após a semeadura, as sementes que estavam no tratamento de 15º não geminaram e no tratamento de 20% esse índice atingiu cerca de 10%. Já as sementes no tratamento de 25%, 30% e 35% a germinação atingiu 40%.

Esses resultados revelaram que as sementes do copuaçu germinam mais facilmente em temperaturas mais altas, enquanto as baixas temperaturas retardam o processo. Vale ressaltar que essas sementes se comportam de forma semelhante à semente de cacau, que não gemina a temperaturas inferiores a 10º C.

A partir do décimo dia, a porcentagem de sementes germinadas estabilizaram-se em todos os substratos, o que evidencia que as plantas tropicais crescem com mais vigor em locais de temperatura mais elevada.

Influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Índice de velocidade de geminação do estudo sobre a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes

Após a análise dos resultados verificou-se que as sementes germinam melhor em temperaturas compreendidas entre 25 e 30ºC.

A temperatura de 35ºC se mostra a melhor para iniciar o processo germinativo, no entanto, a partir do décimo quarto dia o crescimento se mostra mais lento quando comparado as temperaturas de 20, 25 e 30ºC. Isso significa que a exposição prolongada a 35º bloqueia a germinação das espécies tropicais como cacau e caju.

Porcentagem de plântulas normais

A porcentagem de plântulas normais é a mesma nas temperaturas de 20, 25, 30 e 35ºC. Na temperatura de 15º as sementes que germinaram não atingiram o estágio de plântula no prazo determinado.

O vigor das semente apresentou o seguinte resultado no citado estudo sobre a nfluência da temperatura na germinação e vigor de sementes:

Altura da parte aérea da plântula: As sementes plantadas a 30º C cresceram mais vigorosas e tiveram pleno desenvolvimento. O crescimento foi menor em sementes expostas a 20, 25 e 35ºC.

Comprimento da radícula: As plantas cultivadas a 30ºC apresentaram sistema radicular mais desenvolvidos que as armazenadas em temperaturas de 20, 25 e 35ºC. No entanto, nessas temperaturas as sementes apresentaram desenvolvimento semelhante.

Aos 35ºC, a raiz das plantas se atrofiou, levando a queima do hipocólito. Ou seja, embora essa temperatura favoreça o aparecimento da radícula, ela provoca a queima da planta.

Peso da matéria seca dos dicotilédones: Nesse quesito, temperaturas entre 20 e 25ºC apresentaram melhores resultados que as demais. Entre 30º e 35º não se observou diferença significativa.

Segundo o estudo, é possível concluir que as sementes geminam bem em diferentes substratos. Quando expostas por longos períodos a temperaturas próximas a 15ºC, as sementes perdem a sua vitalidade.

Ao serem expostas a temperaturas de 35ºC, as sementes germinam mais rapidamente, no entanto, a ridícula e o hipocólito se queimam após permanecerem muitos dias expostos as altas temperaturas.

A melhor temperatura para a germinação é de 20 a 25ºC, faixa que também permite o pleno desenvolvimento das plantas de espécies tropicais.

Estudo de caso 2: influência da temperatura na germinação e vigor de sementes de soja e outros grãos

Outro estudo sobre publicado na Revista Brasileira de Sementes buscou verificar a iInfluência da temperatura na germinação e vigor de sementes de soja.

As sementes foram multiplicadas e divididas em dois blocos, subdividos em quatro parcelas. Foram colhidas com 15, 30 e 45 dias de maturação, ou seja, no estágio R8 da escala de Fehr. Após a secagem, as vagens foram separadas em uma câmara fria à temperatura de 10ºC e umidade relativa de 60% até o início das medições.

Os testes foram conduzidos no laboratório da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Para verificar se seria possível reduzir o tempo de embebição das sementes, realizou-se o teste de condutividade elétrica (CE) de três maneiras:

  • Metodologia tradicional: composta de quatro repetições de cinquenta sementes, pesadas com precisão e colocadas em copos plásticos com 75 ml de água. Esses recipientes eram então colocados no sementeiro a uma temperatura de 25º C por 24h. Após esse período realizou-se o teste de condutividade.
  • Segunda etapa: as sementes foram levadas ao semeador na temperatura de 32ºC por 10, 30, 60 e 20 minutos e após esse período, realizou-se a leitura da condutividade elétrica da solução.
  • Terceira etapa: as sementes foram levadas ao semeador a temperatura de 40ºC por 10, 30, 60 e 20 minutos. A leitura da condutividade elétrica foi realizada ao término do período.

Cada teste consiste em quatro repetições com 50 sementes cada. Essas foram distribuídas em recipientes com água destilada a temperatura de 25ºC. As medições foram realizadas após cinco dias e após oito dias e a porcentagem de plantas normais, anormais e mortas foi estabelecida segunda as Regras para Análise de Sementes (Brasil, 1992).

Para o teste de envelhecimento acelerado (EA), foram utilizadas caixas plásticas com espaço sufiente para 50 sementes para cada tratamento, colhidas no ensaio de campo.

Essas sementes foram mantidas à temperatura de 42ºC, durante 48h. Em seguida, teve início o teste de germinação, sendo a avaliação do número de plântulas normais feita aos cinco dias após a instalação do teste, expressando-se os resultados em (%) porcentagem.

A análise global indicou que a qualidade das semente das sementes declina progressivamente caso a colheita demore para ocorrer, assim como ocorre pela influência da temperatura na germinação e vigor de sementes.

A metologia empregada indicou é possível reduzir o tempo de embebição das sementes de soja em períodos inferiores a 24 horas para identificar os lotes que apresentam baixa qualidade. Essa possibilidade já foi observada em estudos anteriores em espécies como amendoim, girassol, milheto, tomate, feijão-vagem e quiabo.

Como a tecnologia 3TC permite construir estruturas que garantem o crescimento eficaz das sementes?

Como dissemos, a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes é fundamental para garantir uma colheita de qualidade.

A temperatura de um ambiente oscila devido a troca de calor entre o meio externo e interno. Essa perda é decorrente de três fomas de transmissão: condução, que decorre da transmissão de calor entre materiais e fluidos, convecção, troca de calor por meio de gases, fluidos e vapores e radiação, oriunda dos raios infravermelhos.

Isolantes térmicos tradicionais, como a manta térmica, eliminam apenas a condução, o que corresponde a uma pequena da perda de calor do ambiente. Assim, a maior parte do calor é dissipado, fazendo com que a sementeira se torne fria no inverno e demasiadamente quente no verão.

O 3TC é uma solução tecnológica que forma uma cobertura flexível, impermeável e contínua (assista aqui a um dos vídeos de instalação do 3TC na UBS da empresa Sementes Primeira). Ao usá-la, a sementeira estará a salvo da entrada de vapores o que dificulta a transmissão de calor por convecção.

Ideal para diversos tipos de aplicação no agronegócio, como UBS e armazéns de semente, o 3TC atua em três frentes, o que garante a alta produtividade da sementeira e permite atender as necessidades das diferentes culturas. Veja aqui a instalação do 3TC Isolamento na Cooperativa CAMISC!

Sementeiras com o 3TC Isolamento é uma solução que elimina a transferência e a perda de calor, atuando diretamente contra a condução térmica — a solução é composta de duas lâminas de polímero reflexivo, que barra 97% dos raios infravermelhos, o que elimina a radiação térmica.

Construir ou reformar galpões com o 3TC isolamento não implica em maiores custos. Muito pelo contrário, a eficiência térmica pode reduzir custos com ar-condionado, ventiladores e aquecedores, o que pode gerar uma economia de até 35% no consumo de energia.

Além disso, permite controlar a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes. É importante observar ainda que, o 3TC é muito mais leve que os isolamentos tradicionais, o que reduz o custo com o transporte e o tempo de obra.

Agora que você já sabe mais sobre a influência da temperatura na germinação e vigor de sementes que tal investir em um bom sistema de isolamento térmico que ajude a proteger toda a operação e o processo produtivo? Conheça melhor o 3TC Isolamento e invista nessa tecnologia!

O calor escaldante do verão afeta nosso corpo, nosso humor e nossas contas de luz também. Não deixe a temperatura derrubar tudo isso. Essas 11 dicas ajudarão você a amenizar o calor no verão, se refrescar, mesmo que pareça que o sol só está caindo sobre sua casa.

Cuidados com o excesso de calor

Manter-se fresco quando as temperaturas atingem níveis recordes, não se trata apenas de conforto. Temperaturas perigosamente altas podem resultar em doenças relacionadas ao excesso de calor, desde cãibras até exaustão por insolação. As dicas a seguir podem ajudá-lo a amenizar o calor no verão e se refrescar durante toda a estação. Veja aqui os danos causados pelo excesso do calor na saúde!

1. Beba mais água

Você sabe como é importante se manter hidratado o ano todo. Quando você está suando muito, seja por causa dos exercícios ou do calor do verão, beber bastante água torna-se ainda mais importante. Como sugerem os médicos, pense em seu corpo como um ar condicionado.

Sempre que seu corpo se aquece por causa da atividade física ou do clima quente lá fora, o ar condicionado interno liga e você começa a suar. E lembre-se, agora que seu ar condicionado está usando sua água (seu suor), é importante reabastecer o tanque, se hidratando muito com H2O.

2. Use roupas que respiram

Outra forma eficaz de amenizar o calor no verão é a roupa que vestimos. A umidade que induz o suor é a pior parte do verão. Mesmo que você não tenha problemas de suor excessivo, pode controlar o suor com alguns truques, como aplicar antitranspirante à noite para que funcione com mais eficácia e usar roupas que respiram, como algodão.

3. Otimize seus ventiladores e ar condicionados

Você sabia que deixar seu ventilador ligado em seu quarto durante um tempo, também ficará mais fresco e você poderá dormir com mais conforto? Claro que há cômodos em que o ar quase nem circula e o uso do ventilador pode ser obsoleto. De dia ou de noite, você pode usar um controlador de temperatura para ligar ou desligar o ventilador automaticamente com base na temperatura e economizar energia. Você já viu a calculadora de BTU da 3TC Isolamento? Utilizando o sistema de isolamento térmico 3TC, você poderá ligar seu ar condicionado em uma frequência muito menor!

4. Exercite-se confortavelmente, mesmo no calor

Só porque está calor não significa que você precisa parar de se exercitar. Você pode se acostumar a se exercitar no calor e usar estratégias, como esportes aquáticos, evitar o sol quando ele está mais forte e praticar exercícios rápidos. As técnicas de pré-resfriamento também podem evitar o superaquecimento ao se exercitar em climas quentes.

5. Otimize suas janelas

Você pode não precisar ligar o ar condicionado sempre, pois se prestar um pouco mais de atenção nas janelas no verão, verá que elas podem ajudar muito. Feche as janelas e use cortinas isoladas para proteger o sol durante o dia e abra-as à noite quando o sol se põe. 

amenizar o calor

6. Permaneça frio enquanto dorme

O calor do verão é pior quando você está tentando dormir, porque com a temperatura corporal alta, é mais difícil adormecer. Se você tiver insônia no verão, resfrie sua cabeça com um travesseiro especial, se refresque com um banho antes e beba água.

Como deixar a casa mais fresca para amenizar o calor no verão

O design de uma casa tem papel fundamental no frescor dela. Se ele responde ao clima local e às condições, pode maximizar o conforto e a saúde dos moradores, minimizando o uso de energia e para amenizar o calor no verão.

A chave para projetar uma construção é aproveitar ao máximo o clima local. Por exemplo, a tecnologia de resfriamento passivo é o recurso usado para reduzir a temperatura sem a necessidade de consumo de energia. A aplicação de estratégias de resfriamento melhoram o desempenho térmico e reduzem muito o consumo de energia em ambientes de clima quente. Veja aqui 3 dicas de como diminuir a energia em casa!

Desempenhos de sombreamento solar também podem ser aplicados, devido ao aproveitamento da ventilação natural e à minimização do ganho de calor em linha com a aplicação de sombreamento, juntamente com o uso de vidros duplos.

Além disso, coberturas verdes provam seu potencial atuando como um isolamento de telhado eficaz. Vejamos a seguir.

1. Vidros duplos

Para reduzir a energia e obter conforto térmico em uma casa ou edifício, há parâmetros que devem ser considerados, como umidade, ruído, iluminação e temperatura. Em edifícios, a maior parte do ganho ou das perdas de calor vem de aberturas, como as janelas. É claro que as janelas são o principal elemento na transferência de grandes quantidades de calor entre um edifício e o ambiente externo.

2. Ventilação natural

Coletores de vento são projetos que antes eram usados ​​para introduzir ar frio em uma edificação. Mas hoje, a ventilação natural é uma forma eficiente de reduzir o consumo de energia, além de proporcionar um ambiente interno saudável.

Por exemplo, torres eólicas fornecem um sistema de ventilação que podem fornecer ar fresco aos ocupantes sem o uso de qualquer tipo de sistema mecânico.

É claro que as diferenças de temperatura, velocidade e direção do vento podem ser consideradas como os principais elementos que envolvem a ventilação natural. Elas também podem ajudar a retirar o ar quente.

3. Isolamento térmico com a 3TC

O projeto deve incluir isolamento térmico para reduzir a perda ou ganho de calor em toda a parte envolvente do edifício. O isolamento atua como uma barreira ao fluxo de calor, reduzindo a perda de calor no inverno para manter a casa aquecida e ajuda a amenizar o calor no verão, mantendo a casa mais fria.

Isolamentos inadequados e vazamentos de ar são as principais causas da perda de calor em edifícios. O isolamento é, portanto, utilizado em paredes, tetos e pisos. Entre as funcionalidades que o 3TC Isolamento, por exemplo, garante, em questão de tecnologia, são focadas no isolamento térmico mais versátil, como o isolante 3TC que serve como complemento entre o teto e o forro para garantir uma construção mais confortável termicamente.

Para ambientes internos, faça uso de isolantes termoacústicos, placas de isolante térmico que o 3TC faz uso de poliestireno expandido.

4. Resfriamento indireto radiante

O resfriamento radiante ocorre por meio da emissão líquida de ondas eletromagnéticas de objetos quentes para objetos frios. O processo continua até que ambos os objetos atinjam a mesma temperatura. Isso envolve o resfriamento por um radiador especializado feito de uma placa metálica com um espaço de ar acima dela.

5. Revestimentos de cor clara com alto reflexo

As paredes externas expostas à radiação solar podem transferir uma grande quantidade de calor para um edifício. E isso, afeta a temperatura dos espaços internos e também pode diminuir a temperatura, do nível de conforto. Para reduzir a transmissão de calor, o revestimento reflexivo solar pode ser usado para reduzir a temperatura do interior, além do resfriamento.

Além disso, cores mais frias produzirão mais radiação infravermelha do que outras. O revestimento das cores claras depende do clima e do tipo de material usado.  

Mantenha o calor fora

Viu como é importante poder amenizar o calor no verão? A próxima etapa é manter o calor fora de sua casa. Cubra as janelas com persianas de cores mais claras ajuda. Outra fonte de calor frequentemente esquecida, vem dos aparelhos eletrônicos dentro de sua casa. Desligar a TV ou o interruptor da luz ajuda muito a manter o calor mais baixo.

Tenhas plantas e árvores de sombra ajudam muito a amenizar o calor no verão. Solicite sempre a manutenção da unidade de ar condicionado a um profissional para garanta que está funcionando perfeitamente.

Também gostaríamos de saber suas maneiras favoritas de vencer o calor de forma eficaz, e ajudar a amenizar o calor no verão, então compartilhe suas ideias nos comentários abaixo!

Investir na segurança do trabalho é fundamental para garantir que os trabalhadores da construção civil exerçam as suas atividades sem correr riscos e para que a construção se desenvolva sem interrupções. Assim, evitam-se acidentes na construção civil.

A redução de acidentes na construção civil também fará com que os colaboradores se sintam mais valorizados e trabalhem com mais eficiência, eliminando erros.

Quer garantir que o canteiro de obras da sua construção seja um lugar seguro e produtivo? Confira os principais acidentes e como evitá-los:

Principais acidentes na construção civil

Os responsáveis pelo canteiro de obras devem zelar pela limpeza do terreno, pela organização das máquinas e equipamentos e pela montagem do barracão. Além disso, precisam garantir que pregos, estacas e tábuas não sejam abandonados nas áreas comuns da edificação o que pode causar graves acidentes.

Confira os principais acidentes na construção civil, listados abaixo.

Alergias e complicações

Em um canteiro de obra os funcionários estão permanentemente expostos à poeira e ao cimento, material que apresenta em sua composição substâncias químicas como o Calcário, Sílica, Óxido de ferro e Alumina.

O maior risco de acidentes na construção civil relacionados ao cimento ocorre quando as partículas são inaladas ou entram em contato com a pele e com os olhos. Nesse caso, o material pode causar dermatites, conjuntivites e até lesões mais graves como a cegueira. 

Outros agentes químicos presentes no canteiro de obras que oferecem riscos aos trabalhadores são o carba-mix e o dicromato de potássio. Segundo a NR 9 — Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) — os riscos causados por esses compostos depende do tempo de exposição, natureza, concentração e intensidade.

Como evitar acidentes na construção civil com alergias e complicações?

Para evitar exposições a esses materiais, os funcionários devem usar corretamente os EPIs, equipamentos de proteção individual, como máscara, luvas, botas, capacetes e roupas especiais. Além disso, é preciso orientar os funcionários sobre os riscos associados a manipulação desses produtos.

acidentes na construção civil; EPI

Deslocamentos

Ao se deslocarem no canteiro de obras, os colaboradores devem prestar especial atenção aos obstáculos e aos veículos que estão transportando equipamentos ou levantado cargas. Também devem estar atentos a pregos, ripas e as irregularidades do terreno.

Um exemplo muito comum de acidentes na construção civil por deslocamentos ocorre quando o colaborador se corta com um prego ou parafuso não rebatido. Esse tipo de lesão que ocorre em decorrência da atividade laboral classificada como “Acidente Típico” no artigo 19 da Lei nº 8.213/91.

Como evitar acidentes com deslocamentos?

A solução é oferecer treinamento aos funcionários e orientá-los de modo a garantir que o canteiro de obra se torne adequado e seguro para o desenvolvimento das atividades laborais. 

Choque elétrico

Ocorre, principalmente, quando os trabalhadores operam equipamentos elétricos de forma incorreta ou tentam soluções temporárias para resolver um problema.

Como evitar acidentes na construção civil de choques elétricos

Para evitar acidentes elétricos é preciso eliminar extensões muito longas para ligar equipamentos ou usar mais de uma extensão. Além disso, os trabalhadores devem usar EPIs como botas e roupas isolantes e se manter afastados da rede elétrica. 

ORT e LER

LER (Lesão por Esforço Repetitivo) e DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho) são acidentes que ocorrem com certa frequência em canteiros de obras onde os funcionários  repetem os mesmos movimentos repetidamente durante o dia. 

Posturas inadequadas, jornada dupla de trabalho e o estresse são outras causas  comuns de DORT.

Como evitar acidentes na construção civil relacionados a DORT e LER?

Esses problemas podem ser minimizados ao adotar programas de melhoria da qualidade de vida, que atuam na prevenção do estresse e na redução de doenças ocupacionais. 

As empresas também podem ministrar palestras e fiscalizar as operações realizadas de modo a reduzir a sobrecarga física dos trabalhadores. Além disso, o ambiente deve ser ajustado ergonomicamente as atividades que ali serão desempenhadas. 

Vale destacar que essas políticas fazem com que o colaborador se sinta mais valorizado, o que impacta positivamente no ambiente de trabalho. 

Ruídos altos e intensos

O ruído pode ser classificado em três categorias: contínuo, intermitente e de impacto. Os dois primeiros podem ser colocados no mesmo patamar, entretanto, alguns autores defendem que o ruído contínuo varie de 3dB num período de mais de 15 minutos.

Já o intermitente varia de 3 dB em períodos de 2 segundos a 15 minutos. 

Como evitar acidentes na construção civil relacionados a ruídos e sons intensos?

Para controlar os ruídos indesejáveis é preciso remover os trabalhadores do local onde as máquinas estão sendo operadas, isolar as cabines de trabalho e reduzir a reverberação dos ambientes fechados.

Além disso, é preciso promover mudanças no layout do canteiro de obras e promover cursos de conscientização dos danos causados pelos ruídos, de modo que o trabalhador conheça dos riscos associados as atividades que exerce. 

Também é preciso usar protetores auriculares ou auditivos de qualidade. Sons que ultrapassem o limite máximo de 85 decibéis podem causar perdas auditivas permanentes ou temporárias. Por fim, os espaços de trabalho devem ser isolados e o ruído excessivo deve ser removido de modo a não prejudicar os funcionários.

 

acidentes na construção civil

Como a segurança do trabalho atua na prevenção de acidentes?

Ao focar na segurança do trabalho uma empresa que atua na construção civil deve investir na saúde ocupacional dos funcionários e investir em normas e treinamentos para conscientizar os funcionários a usaram Equipamentos de Proteção Individual.

Além disso, é preciso investir em um ambiente seguro para que máquinas, equipamento e funcionários operem de forma harmônica. Também é recomendável implantar a metodologia 5S  (ordenação, arrumação, limpeza, higiene e autodisciplina) para manter o ambiente sempre limpo e organizado.

Por fim, a empresa deve atender as Normas Regulamentadoras — NR — de grande importância na prevenção de acidentes e para garantir a segurança dos trabalhadores no desempenho das atividades ligadas a construção civil. 

Curtiu este artigo sobre acidentes na construção civil? Lembrou de outros exemplos? Então deixe seu comentário abaixo  e compartilhe, com a gente e com os nossos demais leitores, a sua opinião sobre o assunto!

O telhado colonial integra a fachada de uma casa, garantindo a beleza e a funcionalidade do projeto. Composto por uma estrutura de madeira, pela cobertura de telhas e por condutores pluviais alia beleza e funcionalidade, conferindo um visual elegante e, ao mesmo tempo, acolhedor a obra.

A estrutura oferece apoio à cobertura, distribuindo o peso das telhas de forma adequada. Em geral, ela é construída de madeira ou de metais como alumínio ou ferro.

As telhas, elementos que protegem e vedam a construção, podem ser de cerâmica, ardósia ou fibrocimento. A estrutura conta ainda com condutores fluviais que evitam que água da chuva se infiltre na construção e é composta por calhas, rufos e coletores.

Dentre os tipos de telhado colonial pode-se destacar o japonês, utilizado em construções orientais, o telhado duas águas, muito comum no sul do país, o sobreposto, composto por uma estrutura sobre a outra e o estilo borboleta invertida, que se assemelha as asas desse inseto.

O que é o telhado colonial?

O telhado colonial surgiu por volta de 1600, mas se tornou popular no país no final do século XVIII.

Casas estilo colonial variam muito entre si, no entanto, a maioria apresenta um ou dois andares e exterior de alvenaria, madeira ou pedra.

É o tipo de cobertura mais utilizada nas casas brasileiras — possui uma estrutura de madeira que apoia as telhas cerâmicas. Nos projetos tradicionais é construído com uma ou mais superfícies inclinadas, conhecidas como águas, unidas por uma linha horizontal, a cumeeira. Em geral, o fechamento é feito com o auxílio de oitões, utilizado no limite entre o telhado e as paredes.

As telhas usadas em um telhado colonial são de cerâmica, mas também é possível construí-lo de ardósia, asfalto ou de materiais sintéticos como o acrílico.

Quais as vantagens do telhado colonial?

O telhado colonial é considerado um “amigo” do meio ambiente já que a madeira usada na construção da estrutura e a argila aplicada na fabricação das telhas são materiais naturais.

Além disso, seu formato e inclinação garantem a boa vazão da água, o que o torna ideal para cidades de climas chuvosos. Pode ser construído em diferentes níveis, sendo utilizado em projetos residenciais de estilos arquitetônicos bastante variados.

É durável, exigindo pouca manutenção e é bem resistente as ações do tempo e as variações climáticas. Vale destacar, ainda, que esse tipo de telhado fornece bom isolamento térmico a uma construção, o que ajuda a reduzir os gastos com ar-condicionado e com aquecedores.

Entre as desvantagens pode-se apontar o alto custo da energia gasta para a fabricação das telhas cerâmicas e a baixa resistência desse material aos impactos.

Quais são os tipos de telha?

As telhas usadas na construção de um telhado colonial podem ser cerâmicas, metálicas, de pedra ou de madeira.

A escolha do material está diretamente ligada ao orçamento disponível e a inclinação do telhado, uma vez que a estrutura que suportará todo o peso e a fixação devem ser planejadas de acordo com o projeto de cada construção.

Os principais tipos de telha usados em um telhado colonial são:

Telha cerâmica

Também conhecida como canal ou meia-calha, as telhas cerâmicas têm um formato côncavo bastante característico. A montagem é feita de forma alternada, ou seja, uma telha par para cima e outra para baixo.

Podem ser fabricadas em escala industrial ou de forma artesanal. As telhas industriais são encaixadas umas as outras e possuem dois formatos: bolsa e ponta. Já as artesanais devem ser fixadas com argamassa, areia, cimento ou cal. É um material de construção impermeável e um excelente isolante termoacústico.

Telha de madeira

Material de grande beleza e flexibilidade, a madeira permite a construção de telhados curvos ou planos. Garante o conforto termoacústico das construções.

O telhado de madeira é pouco usado no Brasil, devido, principalmente, ao alto custo da matéria-prima. O material é pouco durável — ao ser exposta às mudanças climáticas, passa a apresentar fissuras, exigindo a manutenção com produtos que a protejam do sol.

Além disso, a madeira pode sofrer ataque de insetos, como cupins, e de fungos que acabam comprometendo a estrutura. Outra desvantagem é que a madeira é um material comburente, o que aumenta o risco de incêndios.

Telha de ardósia

A ardósia é um material bonito, durável e bastante resistente às variações climáticas. Exige baixa manutenção, não é inflamável e é resistente a variações climáticas severas.

No entanto, possui preço bastante elevado e exige mão de obra especializada para a instalação. Além disso, exige uma estrutura de madeira robusta para suportar o peso do material de modo a garantir que o telhado não ceda com o passar do tempo.

A ardósia retém umidade, o que facilita a proliferação de fungos e oferece baixo conforto térmico, o que aumenta os gastos com ar-condicionado e aquecedor, resultando em contas de energia mais caras.

Telha sintética

Telhas sintéticas podem ser fabricadas de PET ou PVC. São duráveis, resistentes a ação do tempo e são fáceis de instalar. Além disso, não propagam o fogo.

É um material de construção bastante leve, exigindo uma estrutura mais simples de madeiramento — assim, o custo da construção é reduzido. Para evitar que as telhas voem em dias de vento forte, é preciso calcular a inclinação e o espaçamento entre as vigas com especial atenção.

Telha de concreto

As telhas de concreto são fabricadas de cimento e areia, o que resulta em um material bastante durável e resistente. Devem ser utilizadas em telhados com inclinação mínima de 30 graus.

Podem ser encontradas em diferentes cores e, assim como as telhas cerâmicas, são impermeáveis. Exigem uma estrutura reforçada, pois são bastante pesadas. Além disso, são resistentes as mudanças climáticas. 

Telha esmaltada

As telhas esmaltadas são feitas de argila e recebem uma camada de tinta vítrea na fase de acabamento. Pode ser encontrada em diferentes cores e é bastante resistente e durável.

Alguns modelos exibem colorações diferentes em cada um dos lados. Assim, é possível combinar a cor da superfície interna com a decoração da casa e a cor da superfície externa com a fachada. Vale destacar, no entanto, que esse material é mais caro que a telha cerâmica tradicional.

Telha de vidro

Telhas de vidro permitem a entrada da luz natural nos diferentes ambientes, tornando-os mais acolhedores e aconchegantes. Essa solução também garante contas de energia mais baratas.

Normalmente, são utilizadas com as telhas cerâmicas, por isso possui o mesmo formato dessa telha. A maior desvantagem do material é que ele pode se quebrar com facilidade.

Telha de fibra vegetal

As telhas ecológicas são ideais para construções sustentáveis. Fabricadas de fibra vegetal e papel reciclado estão disponíveis em diferentes cores e tamanhos. São leves e fáceis de instalar.

Assim como a de fibrocimento, esse tipo de telha vem sendo utilizada para substituir as coberturas de amianto que não podem mais ser comercializadas.

Telha gravilhada

É uma telha metálica revestida com acabamento cerâmico. São visualmente semelhantes as telhas cerâmicas e as de concreto e são muito eficientes do ponto de vista acústico.

São leves, o que elimina a necessidade de um madeiramento reforçado, e são bastante resistente as intempéries climáticas como tempestades e ventos fortes. Exibem três modelos diferentes: romanas, shake e francesa, no entanto, precisam ser parafusadas à estrutura do telhado.

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Quais são os modelos de telhado colonial?

É possível criar diferentes projetos de casas com telhado colonial. Entre eles, podemos citar.

Telhado meia água

O telhado meia água é um dos tipos mais simples de telhado colonial e é comumente utilizado em edículas ou em pequenas construções. É ideal para projetos que necessitam reduzir custos já que exige uma estrutura pouco robusta.

Apresenta uma única inclinação, delimitada por um muro ou por outra estrutura de alvenaria. Popularmente, é conhecido como telhado de alpendre.

Telhado duas águas

O telhado colonial duas quedas é composto por duas estruturas de inclinações opostas, unidas por uma linha horizontal chamada de cumeeira, formando uma empena — a parte superior das paredes externas que ficam acima do forro – em cada extremidade.

Também conhecido como dois panos ou duas fases é ideal para regiões chuvosas. Alguns projetos adotam o estilo americano, no qual uma parte do telhado é mais elevada que a outra. Essa estrutura adicional é construída de madeira ou alvenaria.

Telhado quatro águas

O telhado quatro águas garante o rápido escoamento das águas fluviais. É composto por quatro estruturas triangulares, exibindo um formato de pirâmide. Não apresenta, portanto, a cumeeira. Também é chamado de telhado de pavilhão ou de copiar.

Projetos com esse tipo de telhado podem exibir as quatro quedas ou escondê-las com uma platibanda, estrutura muito usada em construções contemporâneas, cujo objetivo é esconder o telhado.

Quanto custa um telhado colonial?

As telhas coloniais de cerâmica  custam entre R$0,90 e R$2,00. Já a mão de obra varia muito de região para região, no entanto, o valor cobrado costuma variar entre R$30,00 e R$50,00 reais por metro quadrado.

O custo total do telhado deve levar em conta, ainda, os gastos com a madeira, com parafusos e com porcas.

Como construir um telhado colonial?

O primeiro passo para a construção de  um telhado colonial é observar o projeto e o estilo arquitetônico da residência. Nessa etapa, a função do imóvel também deve ser analisada.

Para calcular o número de telhas que serão usadas no projeto é preciso verificar a inclinação e o tamanho total da construção. Em geral, são usadas 24 unidades por metro quadrado.

Quanto mais inclinada a estrutura, mais madeira será utilizada para reforçar o telhado. O projeto deve utilizar madeiras certificadas pelo IPT (Instituto de Pesquisa e Tecnologia) que conta com uma lista de materiais indicados para esse fim.

A inclinação do telhado deve facilitar o escoamento da água da chuva, e as vigas devem ser montadas de cima para baixo. O espaçamento entre os caibros deve ser de 50 cm e entre as ripas de 38 cm. Isso garantirá que a estrutura consiga suportar o peso das telhas.

As telhas também devem ser assentadas de cima para baixo, encaixando-as umas sobre as outras. Para evitar que a água molhe as paredes externas é preciso instalar o beiral, fileira de telhas que avançam sobre a construção.

Antes de instalar as telhas, pinte-as com tinta impermeabilizante para evitar que a umidade e o sol danifiquem o material.

Como contratar um profissional para construir o telhado colonial?

Com o detalhamento do projeto em mãos, é hora de contratar um telhadeiro para a construção da cobertura da casa. O ideal é realizar pelo menos três orçamentos: assim será possível comparar os preços e o tempo de conclusão estimado para a finalização da obra.

Peça algumas referências do profissional que deseja contratar e visite uma obra onde ele já tenha trabalhado. Ao elaborar o contrato, regre o preço por metro quadrado e não por hora ou por dia.

Além disso, acompanhe a obra todos os dias e cobre que todas as especificações sejam cumpridas no prazo.

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Qual material deve ser utilizado como isolante térmico?

Um dos maiores desafios das construções localizadas em cidades tropicais é proporcionar conforto térmico aos moradores sem aumentar excessivamente os custos com energia elétrica.

Para isso, o ideal é utilizar soluções como a manta térmica e o 3TC.

Manta térmica

A manta térmica é composta por uma membrana reflexiva de alumínio reforçado e por uma malha mecânica de alta resistência. O material evita que o calor do sol seja absorvido pela edificação e bloqueia o excesso de calor.

O produto também é indicado para construções localizadas em cidades muito frias — nesse caso, o material impede que o calor gerado no interior do imóvel seja dissipado com facilidade.

3TC

O 3TC é um isolante termoacústico composto por um núcleo de EPS antichamas e duas películas reflexivas de alta eficiência e durabilidade. Além de telhados, pode ser instalado em pisos, paredes e tetos e se destaca por reduzir a transferência de calor entre a área externa e interna da construção.

Essa cobertura altamente eficiente veda o ambiente e impede a entrada de vapores, o que inibe a transmissão de calor por convecção. Além disso, diminui a radiação, como as tintas reflexivas e mantas térmicas.

É um material flexível e impermeável que pode ser usado em construções residenciais, comerciais, industriais e agrícolas. Além de isolar as três formas de calor, o 3TC é mais leve e econômico que a lã de vidro.

A eficiência térmica do material torna os ambientes muito mais agradáveis tanto no verão quanto no inverno o que pode gerar uma economia de até 35% no consumo de energia. Além disso, o 3TC é muito mais leve que os materiais isolantes tradicionais, reduzindo o custo com transporte para o cliente final. Confira, na imagem seguinte, a aplicação do 3TC em um telhado colonial.

telhado colonial 3TC

telhado colonial 3TC

16 Projetos de telhado colonial para se inspirar

1. Casa de madeira com varandacasa telhado colonial

Imagem: Pinterest

O projeto exibe um telhado duas águas e uma ampla varanda que se projeta a parte da frente da casa. O charme da construção é amplificado pelo uso das telhas negras, pelos detalhes em madeira escura e pelo projeto paisagístico primoroso.

2. Área de lazer com telhado duas águas

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

O projeto dessa área de lazer incluiu um lindo telhado colonial duas águas com madeiras e tijolos aparentes. As bancadas e a ilha em tons terrosos contrastam com a mesa e as telhas de cores claras e com o piso de pedra, dando charme extra ao espaço.

3. Casa branca com telhas azuis

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa cheia de estilo utiliza telhas coloniais azuis em todo o telhado, que se divide em diferentes níveis. Na entrada, uma pequena varanda recepciona os moradores e visantes, oferecendo charme adicional ao projeto. As cores claras e vibrantes da fachada e a textura da madeira dão ainda mais personalidade a essa casa.

4. Pequena casa com múltiplos telhados

casa telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa pequena casa com varanda de piso de concreto exibe telhado colonial uma água dividido em três partes, o que dá charme adicional a construção. Na frente da casa, a cobertura proporciona sombra e conforto adicional aos moradores. As cores claras usadas cobertura oferecem ainda mais beleza à construção.

5. Casa duas águas, três águas e quatro águas em um só projeto

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa de arquitetura moderna apresenta múltiplos tipos de telhado colonial distribuídos de forma inusitada. A cor da fachada contrasta com os tons escolhidos para a cobertura e oferece charme adicional ao projeto. As pedras das varandas dialogam com o calçamento, tornando o espaço mais acolhedor.

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa bonita casa de praia utiliza o telhado colonial divido em uma, duas e três águas. As cores claras usadas na fachada e na cobertura ajudam a dissipar o calor e garantem a beleza do projeto. Além disso, a casa conta com amplos espaços sombreados, como varandas, sacadas e áreas de lazer, o que garante o conforto dos moradores mesmo nos períodos mais quentes do dia.

6. Casa branca com gramado e jardim

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa ampla residência com fachada de pedras exibe telhado duas águas que sombreia toda a extensão da casa. As cores claras tornam o espaço bonito e elegante. O amplo gramado e o projeto paisagístico dão charme extra ao projeto.

7. Casa com diferentes estilos de telhado

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa com fachada de pedra combina um telhado colonial que exibe vários recortes, com um amplo telhado embutido. O resultado é um espaço cheio de beleza, charme e autenticidade.

8. Casa rústica com telhados uma queda

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa com fachada de pedra exibe telhado colonial uma água dividido em dois segmentos. As amplas varandas funcionam como sala de estar e área de lazer. As cores sóbrias da cobertura dão charme adicional ao piso de tijolos e aos detalhes da varanda. O paisagismo e a ampla lareira de pedra oferecem um toque de sofisticação a residência.

9. Casa com telhado colonial de madeira

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa bela casa combina um amplo telhado colonial duas águas com vigas de madeira de demolição e detalhes de aço fundido. Todo o espaço usa detalhes em pedra e madeira, de modo a garantir o conforto dos moradores e visitantes. O pé direito amplo amplia o conforto térmico e dá um toque de elegância ao projeto.

10. Casa tradicional com telhado colonial uma água

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa combina diferentes estilos de telhado colonial, o que torna o projeto mais moderno. As cores terrosas e as pedras da fachada, combinadas ao projeto paisagístico, garantem a autentidade da casa e destacam os detalhes em madeira de demolição usados no projeto.

11. Casa branca com cercas de bambu

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Esta casa se tornou mais acolhedora ao receber o telhado colonial. Misturando as opções de meia-água, duas águas e quatro águas, a casa conta ainda com uma ampla varanda que contorna toda a sua extensão. Os tons claros dão um toque de glamour a fachada onde o maior destaque são as amplas janelas que garantem o maior aproveitamento da luz natural.

12. Casa com vigas metálicas aparentes

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Aqui, o telhado colonial exibe forro de madeira e vigas aparentes de aço, o que torna o ambiente sofisticado e elegante. Todo o espaço combina diferentes texturas e materiais para garantir o conforto dos moradores e torna todo ambiente mais minimalista e cheia de personalidade.

13. Área de lazer ao ar livre

casa telhado colonial

Imagem: Pinterest

Aqui, o telhado uma água serve para sombrear a área de lazer com pia e churrasqueira. Além de aproveitar os pequenos espaços, essa solução garante momentos agradáveis perto da churrasqueira.

14. Casa branca com telhado com vários recortes

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Esse projeto ousado, exibe um telhado colonial estilizado que cobre o segundo, o térreo e a garagem, com coberturas de tamanhos e modelos diferentes. A cor escolhida para as telhas torna essa construção de esquina ainda mais ampla e sofisticada.

15. E por que não adicionar um toque de ousadia?

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

ssa pequena casa moderna ganhou um toque de sofisticação ao exibir telhados de tamanhos diferentes um acima do outro. As cores neutras contrastam com a fachada de pedra e tornam o projeto atraente e elegante.

16. Casa com telhado colonial sobreposto

varanda telhado colonial duas águas

Imagem: Pinterest

Essa casa de telhado embutido ganha charme e beleza com o acréscimo de várias varandas de telha colonial por toda a sua extensão. O concreto e o aço forjado garantem um visual mais harmonioso a fachada ao combinar tons escuros com o branco, o creme e o salmão.

Quer saber mais sobre reforma e construção? Aproveite a visita para assinar a nossa newsletter e receba as nossas atualizações diretamente na sua caixa de entrada!