A utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil é de fundamental importância para o crescimento sustentável do setor que consome um volume exagerado de matéria-prima e de energia na produção de seus produtos.

Algumas áreas, no entanto, já se destacam na reciclagem de resíduos. A indústria cerâmica, por exemplo, recicla grandes quantidades de resíduos industriais e urbanos. Isso é facilitado pela produção em larga escala que consome uma quantidade expressiva de rejeitos.

Utilização de resíduos industriais para cimento e argila na indústria cerâmica

Curtume e resíduos sólidos galvânicos

As características mecânicas dos produtos cerâmicos utilizados na construção civil, como o tijolo e os pisos, e as condições únicas de processamento permite que essa indústria recicle volumes consideráveis de resíduos urbanos.

Essa opção garante inúmeros benefícios como a economia de matéria-prima, a redução do consumo de energia e a melhoria da pegada ecológica dos produtos fabricados. Um estudo de 1997, citado no artigo: utilização de resíduos industriais para a produção de artefatos cimentícios e argilosos empregados na construção civil verificou que a adição de resíduos de curtumes na fabricação de tijolos tornou o produto mais resistente e durável.

Outro estudo do mesmo artigo focou na incorporação de resíduos sólidos galvânicos em massas de cerâmica vermelha. Observou-se que a adição de até 2% do resíduo na massa não causou alterações no produto final. Porcentagens maiores, causaram eflorescência da superfície. No entanto, o problema pode ser facilmente solucionado após a lavagem do produto.

Essa eflorescência, no entanto, não interfere nas características físico-químicas do produto, o que significa que os metais presentes nos tijolos permanecerão inertes. Os resultados mostraram, portanto, que a incorporação do resíduo galvânico na massa de cerâmica vermelha estrutural é uma boa alternativa para a inertização dos metais pesados ali presentes.

Um artigo científico publicado em 2002 sobre a utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil verificou que a incorporação de até 10% de dos resíduos de curtumes não alteram as características do material no que diz respeito a absorção de água, retração, lixiviação e emissões gasosas durante a queima.

Utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil

Lodo gerado em estações de tratamento de esgoto

Um estudo de 2003, estudou a utilização de lodo gerado em estação de tratamento de esgoto na fabricação de tijolos.

Nesse caso, a utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil utilizou duas matérias-primas: o primeiro lodo foi coletado em um sistema de filtragem tradicional ativado e condicionado com cal e cloreto férrico. O segundo, oriundo de um reator anaeróbio de secagem rápida e sem tratamento químico.

Os lodos foram misturados a massa cerâmica e o produto final não apresentou alterações significativas quanto a absorção de água e resistência à compressão. O estudo concluiu, portanto, que a utilização de resíduos industriais para cimento e argila permite a fabricação de produtos cerâmicos cuja qualidade final não é alterada.

Já o lodo proveniente da indústria têxtil deve ser tratado antes de ser acrescentado a massa cerâmica. Nesse caso, é preciso observar a proporção máxima de 5% para não alterar as propriedades do produto.

Borra de fosfato

A utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil também focar no reaproveitamento da borra de fosfato, derivado de indústrias que pintam superfícies metálicas com produtos químicos.

Nesse caso, até 20% de resíduo deve ser misturado a argila – o produto final mantem a qualidade estabelecida pela norma NBR 7171/92 quanto as suas características físico-químicas.

Já a incorporação de resíduo oleoso inerte proveniente do setor petrolífero na cerâmica argilosa permitiu obter um produto de qualidade superior, mais denso e que absorve menor quantidade de água.

CuSO4

O material pode ser incorporado a argamassa na construção de escolas e outros prédios comunitários. Ao incorporar 0,5%, verificou-se uma boa resistência e porosidade. Essa proporção equivale a adicionar 5 kg de CuSO4 em cada tonelada de massa.

Tal proporção deve ser usada para preparo de objetos não estruturais, como calçadas e outros acabamentos. Segundo o estudo, a taxa de lixiviação do resíduo incorporado foi desprezível em relação ao cobre que se desejava imobilizar.

Tendências da construção civil

A utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil é uma tendência que veio para ficar. Como a responsabilidade de descarte dos insumos é das empresas, o setor apoia soluções capazes de evitar que esses resíduos sejam descartados de forma incorreta, poluindo o solo, a água e o ar.

Por outro lado, reúso e a reciclagem de resíduos têm grande potencial de crescimento, principalmente nos países em desenvolvimento que precisam reduzir custos produtivos.

O setor da construção civil, sendo um grande consumidor de recursos naturais, representa uma boa alternativa para a eliminação de resíduos que podem ser facilmente incorporados em materiais cerâmicos e cimentícios, promovendo o desenvolvimento sustentável.

No entanto, é de extrema importância considerar como os produtos reciclados afetarão o meio ambiente, os trabalhadores da construção civil e os processos produtivos.

3TC

Assim como a utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil, o 3TC pode ser apontado como uma tendência do setor. O produto é inspirado nos trajes dos astronautas e garante o conforto térmico de galpões, estufas, casas, apartamentos e outras construções, reduzindo o consumo de energia e garantindo contas mais baratas.

O 3TC controla as três formas de transferência térmica, a radiação, a convecção e a condução, ao contrário dos produtos mais tradicionais, como a manta térmica, que lidam apenas com a condução, o que corresponde a 10% da perda de calor de uma construção.

Assim, o isolamento mantém a construção em uma condição climática perfeita durante todo o ano.  Além disso, o revestimento elimina os ruídos externos, o que aumenta o bem-estar dos moradores.

Agora você que já sabe mais sobre a utilização de resíduos industriais para cimento e argila na construção civil, aproveite para conhecer a página da 3TC e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto! Aproveite também e confira nosso vídeo “Instalação Manta Térmica 3TC Isolamento – Melhor e mais barata que Telha Sanduíche!”

Um projeto arquitetônico permite que cada construção: casa, escola, escritório, hospital ou supermercado seja projetada para atender a um propósito específico.

É de vital importância que esses edifícios, e por sua vez os ambientes que eles formam e as cidades de que fazem parte, sejam projetados para serem os melhores possíveis para seu contexto específico, uso e pessoas que os utilizam.

Vale observar que todas essas construções exigem o  planejamento cuidadoso para não desperdiçar recursos e garantir que a obra seja executada no tempo previamente estabelecido.

Assim, o projeto tem o objetivo de orientar e solucionar qualquer dúvida que possa surgir durante a construção ou reforma. Esse documento, portanto, é fundamental para garantir que a obra saia conforme o esperado.

Quer entender melhor o que é o projeto arquitetônico e para que ele serve? Continue a leitura!

O que é o projeto arquitetônico?

O projeto arquitetônico é a representação técnica do empreendimento que deverá ser executado, seja esse uma construção ou uma reforma.

Alia design, entendido como um processo criativo, e arquitetura, que se baseia na criação e na execução de soluções técnicas. Ao alinhar as duas disciplinas, o projeto arquitetônico oferece valores e qualidades formais a um empreendimento, por meio de soluções que agregam valor ao projeto e estão relacionados a geometria, espaço e estética.

Além disso, o documento serve para orientar o andamento da obra e solucionar qualquer dúvida que possa surgir durante a construção, seja essa grande ou pequena.

projeto arquitetônico

Por que o projeto arquitetônico é importante?

O projeto arquitetônico facilita a visualização da obra que será executada, garantindo que as mudanças sejam executadas de forma simples e rápida.

Claro, contratar um arquiteto gera custos. No entanto, elaborar um projeto é fundamental para que a construção não esbarre em imprevistos ou seja paralisada devido a problemas técnicos. Além disso, esse documento é fundamental para garantir espaços funcionais e adequados a necessidade de cada morador.

projeto arquitetônico

Foto: architizer.com

Quais são as etapas de um projeto arquitetônico?

Um planejamento adequado é fundamental para que um projeto de construção ou reforma ocorra conforme o combinado. Isso significa que o projeto deve seguir algumas etapas para evitar erros e garantir que a obra termine no prazo:

1. Visita ao local da construção

Nessa etapa o arquiteto e a sua equipe visitam o terreno onde será construído a casa ou o local onde a reforma será feita. Isso é fundamental para que o espaço seja bem aproveitado e o projeto utilize a luz natural da melhor forma possível.

Também são feitas pesquisas para entender melhor como o local se relaciona com a área circundante, o clima, as pessoas e quais regulamentos devem ser observados.

Além disso, essa etapa ajudará o profissional a determinar os materiais que serão utilizados na obra e o processo construtivo, reduzindo custos desnecessários, otimizando o processo de construção e o tempo da obra.

2. Definição das necessidades

Após visitar ao local da construção, o arquiteto se reunirá com o cliente para entender as suas necessidades e definir o tipo de obra que será executada. Essa conversa também definirá as características da construção e as limitações impostas pelo clima ou pela dificuldade de acesso ao local.

Além disso, nessa fase todos os documentos necessários para que a obra seja liberada serão providenciados.

projeto arquitetônico

Foto: archdaily.com.br

3. Pré-projeto

No pré-projeto todas as informações coletadas na visita técnica e na reunião com os clientes serão organizadas, o que permitirá definir os pontos principais da construção.

Essa etapa também é marcado pela apresentação do esboço do projeto ao cliente, que poderá ter uma ideia da construção e solicitar mudanças e adequações. Sempre é possível fazer alterações posteriores, mas é mais fácil durante esta fase, quando o design é mais fluido.

A fase do pré-projeto inclui ainda várias reuniões nas quais as ideias do arquiteto são apresentadas ao cliente. Isso é feito por meio de imagens de outros projetos, esboços manuais e modelos para ajudar a visualizar o tamanho, a forma e a relação dos espaços entre si.

Após a troca de informações as ideias são refinadas de acordo com o feedback até chegar a uma direção de design que será desenvolvido nas fases seguintes.

4. Planta e projeto 3D

Na quarta fase o arquiteto finaliza e apresenta ao cliente a planta arquitetônica do projeto que pode ser entendido como a representação gráfica da construção. Nessa etapa o cliente também deve analisar o projeto executivo, hidráulico, elétrico e o paisagístico.

A planta baixa exibe todos os elementos que estarão presentes na edificação, assim como a disposição dos cômodos para atender a todas as necessidades do cliente.

O layout deve ser funcional e esteticamente agradável. O projeto exibe ainda o corte, representação gráfica que ajuda na visualização da estrutura de todos os elementos da construção. Já o projeto 3D ajuda a visualizar em detalhes como será a edificação e como cada espaço da casa ficará depois que os acabamentos estiverem definidos e o projeto de decoração tenha sido concluído.

Todos esses documentos serão usados na construção e para garantir a liberação da obra junto a prefeitura de cada cidade.

5. Documentação de liberação

Na última etapa, o profissional providenciará os documentos para a liberação da obra. Geralmente, demanda muito tempo, no entanto, esta é uma fase crítica no processo de construção.

Após reunir todos os documentos, o pedido será solicitado junto aos órgãos responsáveis, dando origem ao projeto legal.

Agora que você conhece todas as etapas de um projeto arquitetônico e por que ele é tão importante aproveite para descobrir os cuidados e as particularidades na instalação do forro de gesso!

Não de é de hoje que as tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio vêm revolucionando o setor.

O 3TC, por exemplo, é um revestimento inspirado nos trajes espaciais e é ideal para a construção de espaços adequados para a plantação de mudas ou para armazenagem de sementes. Claro, o material também pode ser usado em residências e escritórios.

Já o alumínio transparente é resistente e durável e pode ser usado na construção de grandes janelas de galpões e silos. São tantas novidades que você pode estar se perguntando quais ajudariam a tornar o seu projeto de construção agrícola ainda melhor.

Para te ajudar, mostraremos as tecnologias que estão transformando alguns projetos pelo mundo. Acompanhe!

10 tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio

1. 3TC Isolamento

O 3TC Isolamento garante o perfeito isolamento termo-acústico da construção agrícola. Atende a todas as normas de segurança exigidas pela legislação e é mais eficiente e durável que os produtos mais tradicionais do mercado.

O material é composto por um núcleo de EPS anti-chamas e por duas películas refletivas que não conduzem eletricidade. Pode ser instalado em pisos, paredes, telhados, containers, dutos de ar-condicionado ou em veículos de transporte como vans e kombis, que assim se tornam adequados para o transporte de mudas, sementes e até mesmo de animais.

Com tecnologia inspirada nos trajes dos astronautas, o 3TC controla as três formas de calor: condução, convecção e radiação, o que garante que as construções do agronegócio permaneçam agradáveis durante todo o ano.

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo.

2. Aerogel

O aerogel é uma das tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio menos conhecidas dos empresários. É leve e resistente e pode ser usado para a confecção de tecidos isolantes, que impedem a passagem do calor ou do frio em galpões, estufas e outros espaços agrícolas.

A malha feita com o aerogel tem capacidade de isolamento até quatro vezes superior à espuma ou fibra de vidro.

tecnologia inovadora para o agronegócio

3. Alumínio Transparente

Também conhecido como ALON, o produto é fabricado de oxinitrato de alumínio e utiliza tecnologia laser de última geração. Forte como o aço, é usado na fabricação de lentes ópticas e na construção de grandes janelas, que dão um toque modernista a construção.

Entre as tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio, o alumínio transparente deve ser usado em projetos onde se deseja aproveitar a luz natural com mais eficiência.

4. Construções modulares

Essas edificações pré-fabricadas de aço, concreto ou madeira são montadas longe do canteiro de obras e podem ser usadas para guardar sementes, mudas, alimentação animal e claro, como escritório ou residência. A tecnologia possibilita controlar mais atentamente todas as especificações do projeto.

Têm preço bastante atrativo, portanto, são ideais para quem deseja reduzir custos. O tempo de construção também é bastante reduzido – a conclusão da obra leva menos de 1/3 do previsto para a finalizar de um projeto tradicional.

5. CO2

Entre as tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio que estão na fase de teste, temos essa solução que captura o CO2 do ambiente e transforma em carbonato de sódio, que pode ser misturado ao cimento ou ao concreto, tornando a construção mais resistente e durável.

Os pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) se inspiraram em alguns moluscos marinhos que captam CO2 do oceano para construir suas conchas.

6. Concreto auto reparável

O concreto é um material resistente e durável, no entanto, com o tempo precisa ser restaurado – o que pode consumir grandes quantias de dinheiro.

Por outro lado, o concreto auto reparável elimina esse problema: o material tem na sua composição algumas bactérias que ao entrarem em contato com a água excretam calcita, que fecha todas as fissuras e buracos da construção. O resultado? Muros e pisos novos para sempre!

7. Contrapiso autonivelante

O contrapiso autonivelante é leve e fluido, se espalhando naturalmente por toda a construção. É indicado para espaços com fluxo moderado e onde não há tráfego de veículos pesados.

O material foi adotado com sucesso na construção das arquibancadas do estádio do Maracanã, tornando a aplicação e o processo de cura muito mais rápidos.

8. Nanotubos de Carbono

Os nanotubos de carbono estão entre as tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio mais recentes. São infinitamente pequenos – têm cerca de 1 nanômetro de espessura – no entanto, podem ser esticados até um milhão de vezes o seu tamanho.

Podem ser misturados a madeira, ferro, vidro e ao concreto para torná-los mais resistentes, elásticos e duráveis.

9. Telha Térmica TopConfort 

Entre as tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio também podemos destacar a Telha Térmica TopConfort, cobertura com propriedades térmicas.

O material tem três camadas de cimento branco e tecnologia CRFS, que facilita a reflexão da luz, diminuindo a troca de calor entre o ambiente interno e externo – a solução diminui a temperatura interna em até 8 °C. Fácil de montar, a telha exige a mesma estrutura de madeiramento da cobertura de fibrocimento.

10. Tintas solares

Tintas solares absorvem vapor d’água e produzem oxigênio, formando óxido de titânio e sulfeto de molibdênio sintético. Todos esses elementos presentes em paredes, portas, telhados e janelas permitirão a captação de energia limpa, substituindo os painéis solares fotovoltaicos.

O CSEM – Centro de Inovação e Tecnologia CIT SENAI – também criou uma tinta orgânica que capta a energia solar e a transforma em energia elétrica. Impressa na forma de uma fita plástica, pode ser instalada em portas, janelas, paredes e muros.

Algumas dessas novas tecnologias inovadoras da construção para o agronegócio já estão sendo aplicadas em muitos projetos, outras, no entanto, estão sendo aprimoradas e, em breve, poderão ser testadas.

Quer saber mais sobre tecnologias inovadoras de construção para o agronegócio? Então compartilhe esse texto nas suas redes sociais e descubra o que os seus amigos têm a dizer sobre o assunto!