A proteção à segurança e à saúde do trabalhador é obrigatória para todos os empregadores. Por isso, é preciso mapear os riscos existentes no ambiente de trabalho e definir formas de reduzi-los ou eliminá-los. Entre os fatores, está o ruído ocupacional.

De forma simples, ele corresponde a qualquer som indesejável que acontece no local de trabalho, durante a jornada. O problema é que a exposição prolongada e/ou a níveis muito elevados prejudica a saúde e pode levar à perda de audição por parte do colaborador. Além disso, afeta a comunicação, diminui a produtividade e pode gerar outros problemas de saúde relacionados.

Pensando nesse assunto, elaboramos um artigo com todas as informações necessárias sobre o ruído ocupacional e seus riscos para os colaboradores. Confira!

Quais são as normas trabalhistas aplicáveis ao assunto?

Como a segurança do trabalho é uma obrigação do empregador, há normas que estabelecem atuação sobre diversos assuntos. Quando falamos de ruído ocupacional a Norma Regulamentadora 15 (NR-15) é a mais importante. Ela trata de atividades e operações insalubres e inclui a tolerância aos ruídos.

A NR-17 é igualmente relevante, pois envolve a ergonomia no ambiente de trabalho, o que está ligado ao bem-estar dos colaboradores. Já a NR-6 fala sobre o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), que também estão ligados ao ruído ocupacional.

Outra forma de saber como proceder é seguir a Norma de Higiene Ocupacional (NHO-01), definida pelo Fundacentro. Ela aborda a avaliação de riscos e de exposição e estipula a melhor maneira de agir.

Já a NBR 10152 demonstra como medir os níveis de ruídos e qual é a tolerância para diversos ambientes. Com isso, é possível obter o chamado conforto acústico.

Há outras normas e regulamentações, de acordo com o setor ou com o nível de qualidade pretendido. Portanto, é crucial considerar as orientações para atender a todas as demandas da lei e garantir uma atuação consistente e de qualidade.

Quais são os limites de decibéis? Por que são importantes?

Antes de entender os limites, vale conhecer os tipos de ruído ocupacional. O ruído de impacto é aquele que dura apenas alguns segundos e acontece como fruto de uma ação específica, como o contato de uma ferramenta com uma superfície.

Já o ruído contínuo ou intermitente tem uma duração prolongada. Ele é o que apresenta maior risco, pois causa danos progressivos à audição e à saúde dos colaboradores. Pensando nisso, há limites de decibéis (dB), em relação ao tempo de exposição. Veja quais são as regras:

  • 85 dB: 8 horas;
  • 86 dB: 7 horas;
  • 87 dB: 6 horas;
  • 88 dB: 5 horas;
  • 89 dB: 4 horas e 30 minutos;
  • 90 dB: 4 horas;
  • 91 dB: 3 horas e 30 minutos;
  • 92 dB: 3 horas;
  • 93 dB: 2 horas e 40 minutos;
  • 94 dB: 2 horas e 15 minutos;
  • 95 dB: 2 horas;
  • 96 dB: 1 hora e 45 minutos;
  • 98 dB: 1 hora e 15 minutos;
  • 100 dB: 1 hora;
  • 102 dB: 45 minutos;
  • 104 dB: 35 minutos;
  • 105 dB: 30 minutos;
  • 106 dB: 25 minutos;
  • 108 dB: 20 minutos;
  • 110 dB: 15 minutos;
  • 112 dB: 10 minutos;
  • 114 dB: 8 minutos;
  • 115 dB: 7 minutos.

Não é permitida a exposição acima de 115 dB, por nenhum período, se o trabalhador não estiver protegido. Por isso, recomendamos fazer a medição com aparelhos adequados, que poderão indicar processos ou aparelhos que não atendem às especificações.

Como reduzir o ruído ocupacional?

A boa notícia é que há como diminuir o ruído ocupacional e, assim, aliviar os riscos de segurança associados. Com medidas estratégicas, será possível conquistar resultados melhores e um ambiente saudável para os colaboradores. A seguir, apresentamos dicas essenciais para ter o melhor resultado. Confira!

Utilize maquinário moderno e com a manutenção em dia

As máquinas e os aparelhos eletrônicos são grandes responsáveis pelos ruídos. Quanto maior o porte e/ou mais a quantidade, mais intensos serão os impactos sobre a audição.

Para reduzir essas consequências, uma das orientações é utilizar equipamentos modernos e com tecnologia inovadora. Na maioria das vezes, eles contam com recursos de alívio sobre vibrações e ruídos, o que garante uma atuação dentro das regras.

Além do mais, é preciso ter cuidado com a manutenção. A falta de lubrificação ou o desalinhamento de componentes podem ser vilões causadores de ruído ocupacional. Por isso, vale garantir que todos os elementos estejam otimizados.

Forneça EPIs de qualidade

Outro ponto importante envolve fornecer EPIs para os colaboradores — especialmente, para aqueles que atuam em um ambiente com um volume maior de decibéis. Embora essa seja uma obrigação prevista pela lei, considere se isso tem sido adotado em seu negócio.

Principalmente, é essencial que o EPI seja de alta qualidade. Um protetor auricular, por exemplo, deve ser eficiente para reduzir ou mesmo isolar os ruídos, dependendo do modelo.

Além disso, indicamos conscientizar os colaboradores sobre a importância do uso adequado. Assim, todas as pessoas passam a aproveitar os equipamentos de proteção da melhor maneira.

Instale um isolamento acústico

Além de medidas paliativas, é interessante pensar em alternativas definitivas. Nesse caso, vale a pena recorrer ao isolamento acústico. Ele é especialmente relevante para certas áreas, como escritórios próximos à linha de produção ou locais cercados por ruídos intensos.

O ideal apostar em mantas ou placas acústicas, que são responsáveis por criar uma “barreira” que evita a propagação das ondas sonoras. O melhor de tudo é que uma boa solução ajudará a resolver outros problemas.

Com o 3TC, por exemplo, o isolamento acústico é associado ao isolamento térmico. O produto é eficiente em evitar as três formas de transferência de calor e ainda ajuda a diminuir o impacto do ruído ocupacional. De fácil instalação e com ótimo custo-benefício, é essencial para garantir conforto térmico e acústico.

O ruído ocupacional afeta a saúde dos trabalhadores e deve ser reduzido por meio das medidas certas. Com os cuidados recomendados, é possível melhorar a segurança do trabalho, além de atender a exigências legais e aliviar os custos em médio e longo prazo.

Se quiser conferir mais dicas para a sua empresa e conhecer boas soluções, curta nossa página no Facebook e nos siga no Instagram!

A qualidade do ar interior é avaliada por meio de um estudo que começou a ser implementado nos anos 70. A partir de 1983, a Organização Mundial da Saúde — OMS — passou a reconhecer uma síndrome nomeada “Edifícios Doentes”, em decorrência da baixa qualidade do ar, princialmente nos ambientes comerciais.

Sendo assim, observar as características do ar interior passou a ser de extrema importância, justamente para prevenir doenças, proporcionar condições mínimas adequadas aos usuários, assim como maior conforto. Quer saber mais sobre esse assunto? Então, continue a leitura!

O que é qualidade do ar interior

A qualidade do ar interior está diretamente relacionada com a presença de contaminantes, ou seja, de partículas e substâncias que não fazem parte da composição normal e adequada do ar atmosférico.

Entretanto, um ar de boa qualidade não se limita apenas a não possuir concentração de contaminantes acima do limite adequado. Também é essencial que a umidade e temperatura sejam adequadas, assim como o fato de ocorrer a troca de ar.

Para definir se um ambiente apresenta ar de boa qualidade, é necessário analisar os seguintes aspectos:

  • concentração de dióxido de carbono — CO2;
  • velocidade do ar nas áreas internas;
  • temperatura e umidade do ar;
  • calor irradiado;
  • nível de conforto;
  • intensidade luminosa — natural e artificial;
  • nível de ruído.

Como a qualidade do ar interior pode interferir na saúde das pessoas

A má qualidade do ar interior pode proporcionar diversos problemas, como redução de produtividade, desconforto, falta de atenção, dificuldade de aprendizado e problemas respiratórios — que foram denominados como Doenças Pulmonares Ocasionais.

Exemplos desses problemas são: irritações no sistema respiratório, nos olhos e também na garganta, além de reações alérgicas, dores articulares e de cabeça. No mais, estão incluídas crises de tosse, congestão, sinusite, rinite alérgica, falta de ar, asma, fadiga, dermatites e sonolência.

Essas situações resultam em ausências frequentes no trabalho, ou seja, elevado índice de absenteísmo. Portanto, é evidente que a má qualidade do ar é prejudicial, tanto no aspecto da saúde e do bem-estar, como também no quesito econômico das organizações.

Como melhorar a qualidade do ar interior

Como podemos perceber, melhorar a qualidade do ar interior é importante e essencial em diversos aspectos. Por isso, em edificações comerciais, essa questão têm sido cada vez mais valorizada, uma vez que impacta direta e positivamente na produtividade dos colaboradores, bem como na redução de taxas de absenteísmo por problemas de saúde.

Essa valorização da qualidade do ar se dá porque essas mudanças proporcionam maior lucratividade e retorno financeiro para as empresas. Os ambientes educacionais como escolas também estão valorizando a melhoria da qualidade do ar interno, devido à comprovação de que a inadequação da qualidade do ar afeta negativamente, comprometendo a capacidade cognitiva e de aprendizagem dos alunos.

Veja, abaixo, algumas dicas de como é possível implementar essas melhorias!

Levar a qualidade do ar em consideração durante o projeto

A qualidade do ar deve ser levada em consideração já na etapa de projeto, para que, tanto a localização quanto a orientação da edificação, sejam feitas de forma a proporcionar uma troca eficiente. Isso possibilitará mais conforto térmico e adequação da umidade em excesso. Além disso, é essencial pensar em locais para a entrada de ar externo e também a descarga.

Atentar-se ao nível de umidade

A umidade em excesso é extremamente prejudicial para a qualidade do ar, aumentando os problemas respiratórios e, inclusive, podendo afetar a saúde e segurança da edificação.

Os problemas mais frequentes são relacionados ao acúmulo de vapor, vazamentos, entrada de água das chuvas por falta de estanqueidade, defeitos construtivos — principalmente nos revestimentos e também ausência ou dificuldades na impermeabilização.

Esses contratempos podem ser reduzidos por meio de uma boa solução de isolamento, associadas a outras soluções construtivas e técnicas.

Reduzir os índices de contaminantes por meio de ventilação e filtragem

A qualidade do ar exterior nos grandes centros urbanos têm estado extremamente ruim, devido à poluição gerada pela presença de várias indústrias, bem como pela elevada circulação de automóveis. Com isso, é essencial renovar e controlar esse ar exterior por meio de ventilação e filtragem.

A ventilação, por exemplo, proporciona a retirada do ar carregado de poluentes do interior de um ambiente fechado. Dessa forma, a concentração de contaminantes gerados no ambiente é reduzida, assim como gases e odores. É importante destacar também que o sistema de ventilação precisa ser limpo e passar por manutenção, periodicamente.

Associado à ventilação, deve-se investir em um sistema de filtragem eficiente, a fim de garantir que os contaminantes, tanto no ar externo como no interno, sejam contidos. Esses filtros podem ser utilizados nos dutos e também nos equipamentos. O ideal é que existam filtros destinados ao ar externo e ao ar de recirculação.

Realizar manutenções periódicas e adequadas

A manutenção precisa ser preventiva e não corretiva — assim será possível garantir o bom funcionamento do sistema, obtendo eficiência em todos os aspectos citados. Para isso, é importante que as casas de máquinas sejam projetadas de forma que facilitem o acesso, a inspeção e a manutenção.

Também é importante contratar uma equipe ou, dependendo da dimensão da empresa, definir e treinar profissionais responsáveis pelas manutenções. Afinal, sem que sejam feitas periodicamente e de maneira adequada, tanto a vazão, a filtragem, a renovação e, até mesmo, o consumo de energia serão prejudicados, afetando a saúde, o bem-estar, o conforto e a segurança de todos.

Controlar a temperatura interna dos ambientes

A temperatura interna apresenta grande relevância na qualidade do ar interior, pois a produção de gases e demais contaminantes no ambiente interno, como: partículas, gases, micro-organismos, poeiras, mofo, ácaros, vírus, fungos e bactérias — tende a ser diretamente proporcional à temperatura, assim como a umidade e o desconforto.

Dessa forma, é essencial investir em um isolamento adequado, reduzindo a troca de calor por meio da radiação, convecção e condução, bem como reduzindo a interferência da temperatura externa no ambiente interno. Entretanto, para que isso seja feito adequadamente, é essencial contar com um especialista em isolamento e um sistema de qualidade.

Qual a importância de especialistas no processo de melhoria da qualidade do ar interior

É importante destacar que, em geral, as condições mínimas previstas nas normas técnicas não são suficientes para se obter uma qualidade do ar interior realmente adequada.

Desse modo, normalmente, é necessário contar com especialistas, tanto para avaliar a necessidade de cada ambiente como para realizar os estudos pertinentes, propondo as alterações necessárias e garantindo um ambiente saudável.

Sendo assim, é essencial que seja realizado um estudo por meio de medições e análises, bem como posterior projeto por parte de especialistas em qualidade do ar, climatização para empresas e isolamento.

Como se vê, além de todos os itens que interferem na qualidade do ar, como a climatização e a concentração de contaminantes, o isolamento adequado dos ambientes é imprescindível para proporcionar conforto, qualidade e bem-estar. Assim, é possível obter maior produtividade, melhoria da capacidade cognitiva e controle da umidade mais eficiente.

Agora que você já compreendeu a importância de todos esses aspectos relacionados à qualidade do ar interiorentre em contato com a 3TC! Assim, você poderá conhecer os sistemas mais avançados e eficientes de isolamento, que proporcionam o controle das 3 formas de transferência de calor. Consulte um de nossos especialistas para obter um ambiente eficiente, saudável e confortável!

Os containers são soluções muito práticas quando falamos sobre transporte aéreo ou marítimo de cargas pesadas. Nos últimos anos, eles se tornaram popular graças à existência da casa container. Essa nova opção de moradia apresenta características únicas e diversos benefícios.

Para vencer o ceticismo sobre essa alternativa, o melhor é entender quais são as qualidades do ambiente e como é possível torná-lo confortável e conveniente. Assim, você compreenderá quais são os motivos para a popularização dessa escolha em todo o mundo.

A seguir, preparamos um guia com tudo o que precisa saber sobre a casa container e suas qualidades. Confira!

O que é uma casa container?

Quando falamos em casa, é comum associar à ideia construtiva padrão, que envolve alvenaria e soluções semelhantes. No entanto, hoje existe a casa container. Como o próprio nome diz, trata-se de um projeto de moradia que se baseia na transformação e no aproveitamento de um espaço de container.

De transportador metálico de cargas, o item passa a oferecer as bases para as paredes, o teto e o piso de um lar. Então, estamos falando de uma casa que é construída de maneira inovadora, com técnicas diferentes, mas que gera uma experiência final similar.

Quais são os tipos de casa container?

Como cada morador tem uma necessidade, há distintos modelos de casa container. Eles variam tanto em relação ao tamanho quanto à execução do projeto. Ao conhecer as alternativas, é possível definir o que faz mais sentido para a sua realidade.

Pensando nisso, veja quais são os tipos ligados a essas residências e conheça suas principais características.

Simples

Uma casa container simples utiliza, normalmente, apenas uma estrutura metálica. Trata-se de uma moradia compacta, mas que pode conter todos os cômodos normais, como banheiro, quarto e cozinha. Se o container for um pouco maior, há espaço separado para a sala.

É a opção ideal para quem deseja ter um estilo de vida minimalista, mas que ainda garante conforto e muita segurança.

Dois andares

Ao pensar nas dimensões de um container, o teto é relativamente baixo, pois não passa de 3 metros. A casa container de dois andares envolve duas estruturas empilhadas e que ganham altura. Isso é ótimo para driblar a dificuldade quanto ao tamanho do teto, além de garantir espaço.

A alternativa pode incluir a existência de um mezanino, por exemplo. O projeto pode ganhar a cara de loft ou, então, apresentar um visual que se assemelhe a uma casa maior e mais robusta.

Vão livre

Apesar de o empilhamento ser uma característica comum nas versões com mais de um andar, ele não precisa ocorrer totalmente alinhado. É possível usar as peças em posições perpendiculares e mesmo criar uma casa com vão livre.

O projeto arquitetônico requer especial cuidado para equilibrar os pesos, mas é uma alternativa que garante modernidade. Em geral, é uma opção para aproveitar melhor o terreno e a área ao ar livre.

Quais as características da casa container?

Esqueça-se da ideia de uma casa container tem aquele aspecto puramente metálico, com as indicações da carga sobre um fundo laranja ou azul. A verdade é que esses projetos são cada vez mais robustos e modernos, com características que os tornam especiais.

Cada residência tem suas particularidades, como acontece na alvenaria, mas temos a chance de identificar alguns pontos que aparecem com frequência. Veja quais são eles!

Construção modular

Toda casa container funciona com base na construção do tipo modular. Como os containers têm medidas padronizadas, nem sempre eles atendem fielmente a uma necessidade. Para reverter a situação, é interessante pensar no “encaixe” de diversas peças, de acordo com o projeto.

Os containers podem ser empilhados, justapostos ou interligados e cada um funciona como um módulo. Assim, as moradias ganham geometrias únicas, embora algumas se aproximem de modelos “tradicionais”.

Otimização de espaço

Outro ponto crucial para um projeto dar certo envolve a otimização de toda a área disponível. Em uma casa como essa, não existe cantinho que seja deixado de lado ou ponto que fique esquecido entre os cômodos.

A ideia é maximizar o uso do ambiente, inclusive ao criar espaços multifuncionais. Isso adiciona um toque importante de modernidade e torna o ambiente mais agradável. É uma maneira de, até mesmo, atender às principais necessidades.

Layout aberto e integrado

Como os containers são módulos abertos, é muito comum que essa característica seja aproveitada. O layout costuma ser altamente integrado, com vários ambientes dividindo o mesmo lugar. Isso serve para aproveitar a iluminação e para dar a sensação de amplitude — o que combate a ideia de local confinado.

Dependendo do caso, é possível utilizar divisórias para criar certos ambientes, como quartos ou banheiro. Por outro lado, é comum que haja integração com a área externa, como por meio de grandes janelas e portas de correr.

Ventilação potencializada

Para tornar o ambiente ainda mais agradável, muitas construções desse tipo consideram a necessidade de potencializar a capacidade de ventilação. Isso é possível, principalmente, graças à continuidade oferecida por um layout aberto.

Várias opções de casa container também contam com uma grande quantidade de janelas e portas, o que adiciona versatilidade e permite uma circulação de ar que torne a efetividade ainda maior.

Cômodos unitários

Para quem busca uma alternativa muito mais moderna, é possível investir em uma residência baseada em cômodos unitários feitos de containers. A ideia é criar espaços individuais e divididos, embora tenham algum tipo de interligação.

É uma ótima opção para locais menores ou quando há um desejo reforçado quanto à privacidade. Nesse caso, é comum usar mais de 3 containers, com diferentes dimensões e características.

Como funciona esse projeto?

Não há mistérios ao falar no “funcionamento” de uma casa container. Morar nela é como na maioria das residências tradicionais, mas a construção e a implementação merecem destaque.

Em termos de projeto, é interessante conhecer o que o aguarda caso escolha essa modalidade. Veja mais sobre o funcionamento!

Levantamento das necessidades e preferências

Assim como em um imóvel de alvenaria, é crucial considerar quais são as principais exigências e escolhas. A ideia é entender o que faz sentido para tornar o ambiente interessante e adaptado à sua realidade.

Uma família com dois filhos, por exemplo, precisará de mais espaço que alguém que vive sozinho. Também há definições para manter o equilíbrio entre vantagens e desvantagens do container, de acordo com cada morador.

Escolha das soluções construtivas

A partir disso, são selecionadas as técnicas e os processos construtivos que ajudarão o projeto. É o caso de pensar em questões como a criação da fundação para a residência, o design arquitetônico e os acabamentos que serão adotados.

É muito importante ter um escopo definido com tudo o que precisa ser feito e em qual ordem, até mesmo para obter um projeto eficiente. A escolha das soluções também pode variar segundo os desafios encarados.

Aquisição dos containers e demais materiais

Com as principais decisões tomadas, é o momento de comprar os containers com as dimensões, a área e as características desejadas. Eles podem ser novos ou usados, mas é preciso ter atenção com o que foi transportado. Em geral, a única restrição é sobre as cargas tóxicas, mesmo após higienização.

Também há a compra de outros materiais, como os itens de acabamento e até de isolamento térmico. Vale considerar as necessidades específicas quanto a esse tipo de estrutura, além de pensar em características pontuais do projeto.

Utilização plena do espaço

O funcionamento, em si, envolve o máximo aproveitamento do lar, de acordo com o cotidiano de seus moradores. Em uma casa container, você poderá aproveitar todas as comodidades que existem em um imóvel tradicional, como energia elétrica e serviços associados.

Algumas dessas casas funcionam de maneira móvel e, para isso, são construídas sobre uma plataforma que pode ser transportada. Mesmo que não seja o caso do seu projeto, é uma alternativa muito prática e repleta de boas características.

Quanto custa?

O custo de uma casa container depende do tipo de projeto escolhido e das características. Ele pode custar algumas dezenas de milhares de reais a valores maiores. Tudo depende do tamanho do projeto e da quantidade de containers utilizados.

No entanto, é possível ter uma ideia dos preços, de acordo com o tamanho e com as qualidades das peças estruturais. No geral, podemos definir que um container de 14m², sem revestimento, custa de R$ 10 mil a R$ 12 mil. A versão com revestimento varia de R$ 15 mil a 17 mil.

Opções maiores, naturalmente, custam mais. O container de 28m², sem revestimento, custa de R$ 16 a R$ 18 mil. Com revestimento, o valor sobe para R$ 22 mil a R$ 24 mil. Na maioria dos casos, containers um pouco mais antigos custam menos, sendo que podem ser recuperados com diversos processos.

Como é a montagem?

Outra dúvida muito frequente sobre a casa container trata da montagem desse lar. O processo é bem interessante e é dividido em etapas, como em uma obra “comum”. A diferença é que algumas etapas são exclusivas desse modelo e, por isso, exigem atenção especial.

Na sequência, vamos mostrar quais são as principais características e fases ligadas à montagem dessa casa. Confira!

Elaboração e regulamentação do projeto

Para começar, é importante montar um projeto com todas as características técnicas e indicações necessárias. O ideal é contratar profissionais especializados nesse tipo de solução — e hoje já é possível achar escritórios de arquitetura que constroem apenas com containers.

Também é essencial ter cuidado com a regularização da obra junto aos órgãos públicos. Uma casa container paga imposto como qualquer opção de alvenaria e é preciso ter a autorização adequada da Prefeitura para que tudo seja executado. Como cada município tem suas regras, os profissionais contratados devem se preocupar com a etapa.

Preparação dos containers

Em seguida, há um processo de preparação. Se for necessário, ocorre a terraplanagem do terreno e a consolidação de uma estrutura para garantir total segurança e estabilidade à residência.

Depois, o container é preparado para se transformar em lar. É comum que eles sejam lixados e revestidos por uma tinta especial antiferrugem. Se houver mais de um, há o corte das peças segundo o projeto e o encaixe por engate. Ao final, temos o layout pronto para ser trabalhado.

Instalações elétricas e hidrossanitárias

Com o container posicionado e capaz de receber as próximas etapas, há a execução de instalações elétricas e hidrossanitárias. Isso significa que toda a fiação é puxada de acordo com as necessidades, como pontos de iluminação ou tomadas.

Também são planejados os canos e componentes hidráulicos para tratamento de esgoto e fornecimento de água. Dependendo do projeto, é possível investir em aquecimento solar e reuso da água, com a estrutura totalmente adaptada ao espaço.

Elaboração dos revestimentos

Na sequência, são realizados os revestimentos no container, para deixar a casa com um aspecto semelhante aos lares tradicionais. Há a instalação do piso e do revestimento de teto e das paredes. É comum utilizar o Drywall, mas também há forros minerais, produtos de PVC e outras possibilidades.

Não podemos nos esquecer de que, em alguns casos, há uma preferência por deixar o projeto mais “cru” e sem tanto revestimento.

Finalização do projeto

Com essas etapas realizadas, é hora de se preocupar com o acabamento e com a entrega do local. Basicamente, são adicionados os móveis e os elementos de decoração, além de quaisquer outras características desejadas.

Com tudo concluído, o projeto está pronto para ser entregue e garantir que os seus moradores possam aproveitá-lo ao máximo!

Quais são as vantagens da casa container?

Você sabe por que essa alternativa tem se tornado tão popular? Nós explicamos: essa é uma opção repleta de benefícios e que pode transformar o seu conceito de lar. Com um bom projeto, a qualidade de vida é priorizada em todas as etapas e isso se reflete na experiência de moradia.

Além desse ponto, quer descobrir o que a casa container tem a oferecer? Veja, a seguir, quais são as suas maiores vantagens!

Maior sustentabilidade

Podemos dizer que esse tipo de construção aproveita materiais que ficariam parados ou seriam descartados. Afinal, muitos containers deixam de ser usados após algum tempo e param no lixo. Com esse tipo de lar, há um novo uso para essa “matéria-prima”.

Além disso, a construção é mais limpa, rápida e eficiente, o que gera menos gastos e desperdícios de recursos. Portanto, essa é uma alternativa que eleva o nível de sustentabilidade do projeto e que dá origem, até mesmo, a propostas verdes. É uma ótima saída para ajudar o meio ambiente e diminuir o impacto negativo nos recursos naturais.

Personalização completa

Outro ponto positivo é que uma casa container pode ser totalmente customizada. Ou seja, você tem a chance de criar um projeto do zero, de acordo com as suas preferências e com as necessidades.

Os containers são especialmente fáceis de trabalhar e podem ser cortados e encaixados com relativa simplicidade. Com isso, é possível ter um lar com a sua cara, sem ter que gastar tanto dinheiro quanto em uma alternativa de alvenaria.

Alta resistência

Pensa só: os containers são capazes de transportar cargas com várias toneladas, em diversas condições, durante anos. Então, é justo dizer que a matéria-prima é muito resistente e oferece grande durabilidade.

Além de tudo, há a realização de processos especiais de proteção, como a aplicação de tinta contra a ferrugem. Isso auxilia a manter o visual sempre interessante, com menos necessidade de manutenção ao longo do tempo.

Custos reduzidos

Dissemos que os gastos com um projeto desse tipo variam com as características, como tamanho e demandas específicas. No entanto, essa é uma alternativa mais barata que a alvenaria, nas mesmas condições.

Ou seja: construir uma residência de tijolo e cimento com as mesmas características de uma casa container gasta mais. Também é possível planejar o projeto para otimizar o consumo de energia e de água, o que reduz os gastos associados.

Conforto garantido

Não menos importante, você precisa saber que uma casa container é confortável quando o projeto é realizado corretamente. Com a atuação de profissionais especializados e com os recursos necessários, o lar fica muito agradável e não deve em nada para qualquer outro tipo de ambiente.

Além disso, é versátil e pode, até mesmo, adaptar-se às novas demandas. Se tiver espaço disponível no terreno escolhido, há como ampliar o ambiente de acordo com as demandas.

Qual é o papel e como fazer o isolamento térmico e acústico?

Um dos desafios de um projeto de casa container é a composição desse elemento. Como ele é totalmente feito de aço, tem uma elevada capacidade de conduzir calor. Para manter as boas características no ambiente, é essencial pensar no isolamento térmico e acústico.

O processo é feito com a instalação de uma manta ou de placas térmicas no que seriam as “paredes” do ambiente. Como consequência, é possível evitar a passagem de calor do ambiente externo ou a perda para o lado de fora. A seguir, mostramos a importância dessa decisão e como acertar na instalação!

Por que recorrer ao isolamento térmico e acústico?

Adotar uma solução do tipo é indispensável se você quiser deixar a sua casa container ainda melhor. Com um bom isolamento térmico e acústico, é possível aproveitar diversos benefícios. Veja quais são!

Maior conforto térmico

Com a solução certa, você evita passar muito calor no verão ou frio no inverno. Climatizando containers, há uma experiência melhor e com muito mais conforto térmico em relação ao ambiente.

Aumento da eficiência energética

Já que o ambiente ficará agradável, não será preciso gastar tanto com ar-condicionado ou ventiladores. Isso ajuda a melhorar a eficiência energética, o que reduz os gastos com a conta de luz e até aumenta a sustentabilidade.

Garantia de privacidade

Com o isolamento acústico, há uma elevação no nível de privacidade. Além de os sons do seu lar não se propagarem com intensidade para o lado de fora, você não será incomodado pelos barulhos externos.

Por que escolher a 3TC?

Depois de reconhecer a importância do isolamento térmico na casa container, é essencial recorrer à solução adequada. Assim, é possível obter o máximo potencial e garantir máximo desempenho.

Na hora de escolher uma empresa de isolamento térmico, a 3TC se destaca — e merece a sua atenção. Quer saber os motivos? Descubra!

Única no mercado a proteger de todos os tipos de transmissão de calor

Quando falamos nos tipos de isolamento térmico, é possível notar que alguns protegem contra condução, outros contra convecção e outros contra radiação. A 3TC, entretanto, oferece uma solução única e que evita a transmissão de calor pelas três formas. Assim, há muito mais eficiência para tornar sua casa container agradável e climatizada.

Proteção térmica e acústica em um só produto

Outro diferencial é que o revestimento da 3TC garante proteção térmica e acústica ao mesmo tempo. Então, não será preciso recorrer a duas soluções distintas para fazer com que o espaço fique confortável e realmente privativo.

Propriedades anti-chamas

Manter a segurança também é essencial para aproveitar ao máximo a sua casa container. O nosso revestimento para isolamento térmico e acústico não propaga fogo graças às propriedades anti-chamas. Com isso, é possível atender às obrigações da legislação e ficar mais protegido.

Atua como impermeabilizante

Além de tudo, o produto serve para proteger o telhado do seu lar, evitando a entrada de água, de pequenos insetos e de animais e a formação de goteiras. Com isso, evita problemas com o mofo e ajuda até a proteger a saúde.

Facilidade de instalação

Ao escolher a nossa solução, você notará que a instalação é segura, rápida e muito simples. Além de tudo, contamos com profissionais altamente capacitados e prontos para ajudar. Com isso, a obra não sofre com atrasos e perdas e é possível conquistar os resultados desejados mais facilmente.

Excelente custo-benefício

Apesar de oferecer vários benefícios e diferenciais, a 3TC mantém uma excelente relação de custo-benefício. Afinal, trata-se de uma opção durável, muito eficiente e que gera conforto e economia. Longe da necessidade de manutenção e com consistência na conquista de boa performance.

Uma casa container é um novo jeito de viver e até de desempenhar mais sustentabilidade. Com um bom projeto e todos os cuidados necessários na etapa de montagem, é possível ter máxima qualidade de vida.

Para garantir o conforto, não se esqueça do isolamento térmico. Se quiser ter a melhor solução do mercado, entre em contato conosco da 3TC e peça o seu orçamento!

Com a ideia de incentivar a sustentabilidade, alguns municípios criaram projetos de preservação ambiental considerando a provável redução do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para aqueles que praticam ações benéficas ao meio ambiente e conseguem comprová-las, sendo que um desses incentivos é o IPTU Verde.

Esse programa foi implantado para tornar a ideia em realidade, é um exemplo de decisão que incentiva novos empreendimentos imobiliários residenciais, comerciais, ou institucionais a realizarem ações e práticas de sustentabilidade na construção civil, por exemplo, a gestão de resíduos e a redução do consumo de água.

Quer entender melhor o programa IPTU Verde e suas vantagens? Continue com a leitura!

Construção sustentável

A construção civil é, sem sombra de dúvida, o maior gerador de resíduos, como também é o setor da economia que mais utiliza recursos naturais e energia. Portanto, seu impacto no meio ambiente é consideravelmente alto. Para mudar essa imagem, os novos empreendimentos já são pensados com o conceito de sustentabilidade. Seus principais benefícios são:

  • redução nos custos de operação;
  • valorização do imóvel;
  • surgimento de novas oportunidades de negócios;
  • redução no desperdício;
  • menos deslocamentos, menos emissões de CO2.

A adoção de práticas sustentáveis durante a jornada construtiva passa pela redução de resíduos gerados, menor desperdício de materiais e diminuição no consumo de energia, água e outros recursos naturais. Tudo isso constitui em grandes vantagens tanto para o construtor como também para o morador da edificação.

Pensando em como reduzir esses impactos ambientais provocados pela construção civil surge o programa de IPTU Verde. Tendo como estímulo, descontos de 5% a 10% para novas construções ou para reformas que implementem soluções sustentáveis.

O programa IPTU Verde

O programa consiste na aplicação de um percentual de desconto sobre o valor do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para os novos empreendimentos que adotam medidas sustentáveis que visam a preservação, proteção ou regeneração do meio ambiente. O desconto é gradativo e cumulativo, sendo que para cada regra é concedido um percentual de desconto.

No entanto, quanto mais soluções forem utilizadas, maior será de desconto no IPTU. Entretanto, ele não é igual para todas as ações, quanto maior for a relevância para a cidade, maior será sua pontuação. Por isso, têm cidades em que os contribuintes obtêm até 100 pontos em uma determinação ação e o desconto no imposto também é maior.

Objetivos do IPTU Verde

O IPTU Verde ou Ecológico, tem como objetivo reduzir a taxa de contribuição para aqueles que adotam ações e práticas consideradas sustentáveis em seus empreendimentos. O tripé da sustentabilidade também é aplicado e, nada mais justo do que incentivar a sociedade por meio de seus imóveis.

Por isso, cada cidade tem a liberdade de aderir ou não ao programa IPTU Verde como também de estabelecer a forma como será aplicada. Infelizmente, com as dificuldades de receitas das prefeituras, as iniciativas ainda são muito tímidas e em poucas localidades.

Equilibrar o meio ambiente e meio urbano é uma meta fundamental para preservar não somente recursos naturais, mas também a qualidade da vida humana. Afinal, ambos os espaços estão diretamente relacionados.

Principais contribuições para sustentabilidade das cidades

A edificação sustentável começa desde sua concepção, ou seja, na planta. Sua materialização gera inovações para seus moradores e contribuem para o meio ambiente como também em um melhor aproveitamento dos recursos naturais.

É importante lembrar que as ações, além de desconto para seus moradores, trazem melhorias para a vida do cidadão e para toda a cidade. A seguir, apresentaremos algumas contribuições que são pontuadas onde a implantação do IPTU Verde já foi aprovada e as vantagens em sua aplicação.

Aquecimento solar

O maior benefício da utilização do sistema de aquecimento solar é o alto índice de economia de energia. Confira outros benefícios:

  • utilização de energia renovável;
  • sem impacto ambiental;
  • preservação do meio ambiente;
  • redução da utilização do chuveiro elétrico (alto consumo energético);
  • economia na conta de energia

Além dos benefícios diretos que um usuário pode ter, quem utiliza o aquecimento solar contribui fortemente para a diminuição da demanda de outros sistemas, como as hidrelétricas e termelétricas, colaborando assim com a preservação do meio ambiente.

Calçadas ecológicas

A calçada ecológica consiste em evitar a impermeabilização dos passeios públicos e privados. Isso é feito por meio da implantação de material permeável, como os concregramas, intertravados e faixas de gramados ou jardins, juntamente de uma arborização adequada no calçamento.

Essas medidas melhoram a drenagem da cidade, evitando assim as inundações e ainda diminuem o hábito de varrer as calçadas com a mangueira.

Captação de água da chuva e sua utilização

São vários os benefícios, além do meio ambiente, com a captação, sua conta de água pode diminuir em até 55% no final do mês. Lembrando que a água recolhida é para serviços que utilizam um grande volume, como descarga de vasos sanitários, limpar a casa, o carro, regar o jardim e outras atividades que a água potável pode ser dispensada. Outros benefícios importantes são:

  • diminuição no alto volume de água que vai para as redes pluviais durante as fortes chuvas, evitando assim, alagamentos e enchentes;
  • redução na utilização da água potável, que já está escassa no mundo;
  • diminuição da escassez de recursos hídricos, além de trazer economia para o bolso do consumidor;
  • instalação versátil, pois pode ser colocada em qualquer ambiente (rural ou urbano, casa ou apartamento);
  • auxilia em tempos de crise hídrica e é utilizada até em áreas do sertão nordestino como forma de combate às secas;

Coleta seletiva de lixo

A coleta seletiva tem como objetivo reduzir o lixo produzido pelas cidades, dando uma destinação mais nobre e assim, reprimir o impacto ambiental com o reaproveitamento ou descarte adequado.

Também evita a proliferação de doenças, economia no consumo de água e luz, reduz os gastos com a limpeza urbana e ainda colabora com a geração de emprego e renda por meio da comercialização dos recicláveis. A seguir, alguns benefícios da coleta seletiva:

  • limita a extração dos recursos naturais;
  • reduz a poluição do solo, água e do ar;
  • reciclagem de materiais;
  • prevenção de enchentes;
  • minimiza os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis;
  • diminui o desperdício;
  • formação de cooperativas fortes.

Portanto, a coleta seletiva é fundamental para o desenvolvimento sustentável do nosso planeta.

Energia fotovoltaica

Diferentemente de outros lugares, o Brasil tem bons índices de irradiação solar e seu uso é uma das atitudes mais promissoras na luta contra a degradação do meio ambiente, pois ela é renovável e limpa. As cidades são responsáveis por mais de 70% do consumo mundial de energia elétrica e do lançamento de gases do efeito estufa.

A energia solar é a mais eficiente entre os tipos renováveis, podendo ser utilizada facilmente em diversas partes de uma edificação:

  • iluminação de garagens;
  • postes solares para iluminação externa;
  • tomadas para abastecer carros elétricos;
  • fornecer energia para imóveis.

Além disso, a perda de carga na energia é muito baixa, pois o sistema tem sua instalação muito próxima ao seu ponto de utilização.

Lâmpadas de LED

Na iluminação pública o uso de lâmpadas LED, representa uma economia de energia de mais de 80% para as prefeituras. Os principais benefícios são: a eficiência energética e a redução de emissões de carbono. A iluminação pública é responsável por mais de 15% do consumo das cidades.

Manutenção das áreas permeáveis

Cada município tem seu Código de Obras, mas, de modo geral, todos contemplam a necessidade de se manter uma taxa mínima de permeabilidade do solo. Essa ação visa reduzir o volume de água decorrente de fortes chuvas para a rede de água pluvial, ou o agravamento das enchentes.

Além da drenagem, também buscam minimizar as elevadas temperaturas em alguns pontos da cidade, como as ilhas de calor. Esse fenômeno é causado pela alta concentração de concreto e asfalto ou pela concentração de poluição que não deixa o calor dispersar.

Com a criação de jardins, plantio de mudas ou com a instalação de pisos permeáveis, se promove a recarga do lençol freático como também a diminuição ou eliminação das ilhas de calor.

Controle dos resíduos da construção civil

A construção civil é uma grande geradora de lixo, portanto, o aproveitamento dos resíduos também contribui para a redução dos riscos de assoreamentos dos rios, contaminação de mananciais e o acúmulo de entulhos, sendo que todos esses fatores estão relacionados à proliferação de vetores de várias doenças.

Entre as formas de aproveitamento, tem a produção de pedrisco, britas e areia a partir de entulhos de construção civil, que preservam o ambiente e contribuem para produção de construções de moradias de baixo custo.

Telhado verde

Reduz o gasto com a energia e colabora com climatização de ambiente. Dessa forma, a conveniência da utilização de ar-condicionado é reduzida. O telhado verde permite que as espécies vegetais se reproduzam na área urbana, atraindo insetos e pássaros e isso amplia a biodiversidade.

As cidades representam um grande produtor de gases de efeito estufa. Em compensação, as plantas do telhado verde auxiliarão a absorção do gás carbônico para a realização do processo de fotossíntese. Já a infiltração da água da chuva pela cobertura vegetal contribui de modo a reprimir a sobrecarga das redes pluviais.

Além da opção do telhado verde que tem os benefícios acima é importante utilizar de manta térmica. Isto porque a eficiência no controle da temperatura interna utilizando esse tipo de isolamento térmico é bem superior ao telhado verde.

As vantagens do IPTU Verde

De maneira geral, o IPTU Verde incentiva o cidadão a adotar hábitos sustentáveis, oferecendo, em contrapartida, descontos nas alíquotas do imposto. No entanto, cada município tem suas regras, procedimentos e percentuais de abatimento. Ao participar do programa, você tem outras compensações. Confira alguma dessas vantagens.

Dedução no imposto

A dedução no IPTU é o principal estímulo para a adesão desse programa. Analisando como esse desconto, em médio e longo prazo, pode influenciar o seu orçamento, não é surpresa que muitos ficam interessados nesse programa. Logo, o cidadão realizará um investimento que beneficia toda a sociedade, nada mais justo do que compensá-lo por isso.

Diminuição das despesas gerais

Além do desconto no imposto, tem todos os benefícios de uma residência ecologicamente correta. Economia de água e energia, por exemplo, sempre tem um efeito positivo no seu orçamento ao longo do tempo. Principalmente para quem busca melhorar as próprias despesas.

Marketing verde

As empresas e os empreiteiros que praticam as ações para assegurar o IPTU Verde, além do desconto no valor da alíquota do imposto, lucram com o destaque e com a publicidade das ações ecologicamente corretas.

Redução dos efeitos da ilha de calor

Ilha de calor é um episódio muito recorrente nos centros urbanos muito adensados, em que a falta de vegetação, impermeabilização do solo e a quantidade de asfalto e concreto produz uma zona de temperatura muito alta. É prejudicial para a saúde e para o conforto da população que ali reside ou trabalha.

Conservação dos recursos naturais hídricos

A água é o bem mais valioso para a humanidade, pois sem ela não há vida. Apesar disso, a taxa de desperdício é muito alta. Para a manutenção dos recursos é preciso aplicar os três Rs: reduzir, reutilizar e reciclar.

Por isso, o IPTU Verde é uma política pública transformadora que incentiva investidores e proprietários a adotarem soluções sustentáveis nos seus empreendimentos e a cidade também é beneficiada com a prática dessas ações.

Ações de como se adequar

No decreto 29.100/2017 do IPTU Verde, no Anexo I são listadas 37 práticas e ações para uma edificação pleitear a certificação perante o órgão responsável na prefeitura do município. Então, vejamos algumas.

Equipamentos economizadores

A utilização de arejador e restritor de pressão nas torneiras e chuveiros proporcionam economia no consumo de água potável e evita também o desperdício.

Vaso sanitário com caixa acoplada com duplo acionamento

O sistema com duplo acionamento permite controlar a quantidade de água que é utilizada a cada descarga.

Medição individualizada nas edificações multifamiliares, comerciais, mistas

Com a medição individualizada, cada morador paga o seu próprio consumo e passa a conhecer seu padrão de utilização, sendo que isso evita o desperdício de água potável.

Sistema de reuso de água de máquina de lavar roupa

O recolhimento da água proveniente do esgotamento da máquina de lavar, após passar por tratamento, pode ser reutilizada na limpeza de garagens, rega de jardins como também abastecer os vasos sanitários.

Sistema de aproveitamento da água da chuva

Consiste no recolhimento da água dos telhados por meio de calhas, dos ralos das varandas e direcioná-las para um reservatório para uso em lavagens de passeio, garagens, regas de jardim, também pode ser reutilizada para abastecer os vasos sanitários.

Telhado verde

Sua instalação oferece vários benefícios, veja alguns:

  • minimiza o calor, proporcionando maior conforto térmico;
  • retém a água da chuva para o sistema de reuso;
  • garante o isolamento acústico, diminui os barulhos externos;
  • atua como isolamento térmico residencial;
  • preserva o telhado contra intempéries, reduz a necessidade de manutenção.
  • auxilia na filtragem do ar, ameniza, um pouco a poluição;
  • regula a umidade do ar ao redor do edifício;

Diminuição da temperatura interna

Na impossibilidade de instalação do telhado verde, uma boa opção é a utilização de manta térmica para o telhado. Esses produtos são isolantes e deixam o ambiente com uma temperatura mais agradável. No mercado há vários tipos de manta térmica para utilizar no telhado e, assim a redução no uso do ar-condicionado se faz presente, principalmente na conta de energia no final do mês.

Aproveitamento da água proveniente da condensação do ar-condicionado

Após o recolhimento por tubulações que vão até o reservatório de águas servidas, pode ser reaproveitada para regar plantas e limpeza de garagens e passeios.

Sistema de aquecimento de água

A utilização dos sistemas de produção de água quente solar, promove uma economia substancial ao sistema elétrico, tanto da edificação como do município. Pois, o consumo de energia de cada chuveiro é muito alto. Promove também, economia para a construtora, pois os cabos elétricos podem ser dimensionados com bitolas menores e, mais baratos.

Tubulação de água quente com isolamento térmico

Para não haver perda de calor, a tubulação de água quente deve ter isolação em todo o seu trajeto, desde o boiler até o ponto de atendimento.

Utilização de sensor de presença para comando de iluminação de áreas comuns

Para evitar o uso desnecessário da iluminação, principalmente em garagens e corredores, utilizar o sensor de presença para o controle.

Implantação de sistema de energia fotovoltaica

Esse é um sistema de produção de energia pelo sol e armazenada em baterias para ser utilizada e o excedente da produção é injetado na rede da concessionária local.

Pavimentação permeável do passeio

O passeio ou calçada, pode utilizar pavimentação drenante, permitindo que um mínimo de 60% de sua área seja permeável.

Piso permeável, mínimo de 80% de permeabilidade

Revestir o piso de áreas de estacionamento e pátios de manobras com pisos drenantes, pois isso evita enchentes e alagamentos.

Instalar caixa de retardo para águas pluviais

A caixa de retardo, como o próprio nome diz, retarda o lançamento da água pluvial na rede pública. Afinal, dependendo do volume, isso pode provocar os alagamentos e enchentes. Assim, atrasando o seu lançamento, essas situações são minimizadas ou, até mesmo, eliminadas.

São várias as ações e práticas que podem ser adotadas, sendo que todas têm a intenção de reduzir ou amenizar seus efeitos. Vale lembrar que, para cada prática ou ação que for incorporada ao empreendimento corresponde a uma pontuação, de 2 até 100 pontos.

Portanto, para atingir a maior porcentagem de desconto, integre o máximo de ações no seu projeto de construção ou reforma.

Cidades que já implantaram o IPTU Verde

Quanto ao processo para a solicitação do benefício, o contribuinte interessado deve dar entrada com o pedido no órgão responsável, que analisará e dará aval ou não para a incidência do IPTU Verde. Algumas cidades já incorporaram o benefício, portanto, a população pode, conforme a legislação municipal, fazer jus ao desconto. Veja:

  • Araraquara-SP;
  • Americana-SP;
  • Barretos-SP;
  • Camboriú-PR;
  • Campos do Jordão-SP;
  • Colatina-ES;
  • Curitiba-PR;
  • Goiânia-GO;
  • Guarulhos-SP;
  • Ipatinga-MG;
  • Maringá-PR;
  • Manaus-AM;
  • Rio de Janeiro-RJ;
  • Salvador-BA;
  • São Carlos-SP;
  • São Vicente-SP;
  • São Bernardo do Campo-SP;
  • Seropédica-RJ;
  • Tietê-SP.

A certificação IPTU Verde e como ela funciona

A adesão ao programa é opcional, no entanto, para obter a certificação é preciso seguir o que estabelece o Anexo I do decreto 29.100 (Salvador-BA). Portanto, é aplicável aos novos empreendimentos como também às ampliações e reformas nas edificações existentes.

A certificação é alcançada quando o empreendimento adotar ações e práticas constantes no Anexo I (ver item 5), cada ação corresponde a uma pontuação.

  • bronze — mínimo de 50 pontos, desconto de 5%;
  • prata — mínimo de 70 pontos, desconto de 7%;
  • ouro — mínimo 100 pontos, desconto de 10%.

No caso de descumprimento das ações e práticas sustentáveis que justificaram a liberação da certificação, ela será cancelada, como também todos os benefícios. Portanto, a anulação se estende a todas as unidades da edificação, mesmo que apenas uma tenha sido a causadora do cancelamento. Pois, a certificação é dada ao empreendimento como um todo e não para cada unidade.

Requisitos para obtenção da certificação

Primeiramente é feito o pré-certificação, quando deverá ser apresentado com o processo de construção, ampliação ou reforma, o projeto com as modificações como também a substituição de projetos. Deverão ser acompanhados dos seguintes documentos:

  • formulários constantes dos Anexos I e II;
  • projeto arquitetônico e o memorial descritivo;
  • apresentar controle de qualidade da água;
  • plano de gerenciamento dos resíduos sólidos.

O requerimento será analisado no prazo de 60 dias pelo órgão licenciador. Vale lembrar que, o empreendimento não pode ter nenhuma pendência relativa a licenciamentos ou fiscalização ambiental, sendo necessário a apresentação de declaração do órgão responsável.

Concessão da certificação

Quanto à solicitação do alvará de habite-se, será verificado se as ações e as práticas de sustentabilidade declaradas foram efetivamente cumpridas. Após isso, será emitida a certificação IPTU Verde. No entanto, a emissão fica condicionada à apresentação:

  • certidão negativa de débitos imobiliários;
  • inexistência de registro no cadastro de informações municipais.

Fica registrado no habite-se que a edificação foi construída de acordo com a certificação IPTU Verde, que tem validade de três anos, podendo ser renovado para mais três anos enquanto for do interesse do requerente.

Além de estimular o uso inteligente da água e de outros recursos, garantindo assim a continuidade e o bem-estar das futuras gerações, o IPTU Verde joga luz sobre um até então desconhecida função social da propriedade particular. Atribuição ligada à construção de uma nova consciência sobre a estabilidade saudável do meio ambiente.

Com tudo que vimos, o IPTU Verde será o propulsor do desenvolvimento sustentável para as cidades nos próximos anos. Afinal, a população está cada vez mais exigente em relação à proteção do planeta.

Falando em construção sustentável, uma das preocupações é se o ambiente será arejado e confortável. Para entender mais sobre o assunto, confira o nosso guia sobre conforto térmico nas edificações e entenda como promovê-lo.

O isolamento pode ser executado com uma série de estratégias diferentes, como a instalação de mantas térmicas. Em primeiro lugar, é preciso ter uma preocupação com os materiais utilizados e a eficiência deles em relação aos processos de transmissão de calor. Com isso, você consegue atingir todos os objetivos de redução de custos na empresa.

Além disso, é importante observar propriedades adicionais, como isolamento acústico, proteção contra o fogo, resistência mecânica e química, além da impermeabilidade. Assim, você garante a compra de um produto que atenda a todas as suas necessidades. Quer saber mais sobre o tema? Acompanhe!

O que é manta térmica?

Um mesmo material pode vir em diferentes apresentações. Isso garante que ele pode ser aplicado em diferentes superfícies e se adaptar a diversas demandas. Aqui, algumas características que você deve focar são: flexibilidade, facilidade de instalação, armazenamento durante a execução da obra, compressibilidade, entre outras.

As principais apresentações comerciais atualmente são:

  • mantas;
  • placas;
  • espumas;
  • tintas;
  • sprays.

As duas últimas são soluções líquidas, então não há muita confusão com as anteriores. No entanto, é preciso saber diferenciar as três primeiras a fim de garantir que sua escolha seja adequada para a finalidade que você deseja.

As placas são estruturas rígidas com variáveis capacidades de compressibilidade. A falta de flexibilidade impede sua utilização em superfícies e estruturas que precisam de uma conformação perfeita pelo isolante. Um exemplo são os grandes dutos circulares. No entanto, isso permite que ela apresente uma diversidade maior de espessuras. Na 3TC, as placas podem ir de 10 milímetros a 100 milímetros.

Suas propriedades vão depender da espessura e dos materiais utilizados. Quanto mais grossa, mais rígidas elas serão. Um cuidado que as pessoas devem ter é não confundir a “grossura” ou a densidade de uma placa com o desempenho do isolamento. Nem sempre uma placa mais grossa vai isolar melhor, é preciso avaliar o material como um todo. Assim, uma peça que só impede um processo de transmissão de calor (a condução), por mais grossa que seja, não será mais eficiente do que uma que trabalha nos três. Essa mesma lógica pode ser utilizada nas mantas.

No entanto, dentro de uma mesma linha de produto, as placas mais espessas controlarão melhor a condução de calor. Por essa razão, as placas também são indicadas quando é preciso ter um isolamento mais intenso, como no caso da proteção de aparelhos de resfriamento e congelamento.

Já as mantas, para manter a flexibilidade, a facilidade de instalação e a versatilidade, geralmente apresentam apenas uma espessura. Na 3TC, por exemplo, trabalhamos com 10 milímetros, o que é suficiente para todos os locais onde as mantas são instaladas.

Em relação às propriedades e características, as mantas são diferentes, pois elas passam por um processamento que permite uma maior flexibilidade e compressibilidade. Elas são trabalhadas para apresentar textura mais fibrosa, que lembra a lã animal. Assim, pode se adaptar aos estresses físicos vindos nas três dimensões, além de se conformar completamente às superfícies em que são aplicadas.

Desse modo, podem ser empregadas nos mais diversos ambientes e estruturas de uma construção, como dutos circulares, o telhado, os pisos, entre outros. Além disso, são bem fáceis de armazenar. Como podem ser enroladas, é possível armazená-la em rolos de até 24 metros quadrados. Elas vão se encaixar em espaços mais apertados sem se danificar, desde que todas as recomendações do fabricante sejam seguidas.

Outra grande vantagem das mantas é a facilidade de instalação, pois podem ser fixas por vários métodos diferentes. No caso dos produtos da 3TC, é possível utilizar os seguintes:

  • fixação por pressão das próprias estruturas ou de barras;
  • parafusadas com buchas e proteções especiais para garantir a vedação;
  • coladas com a maioria das substâncias encontradas no mercado, como a cola PU;
  • amarradas, o que é perfeito para a fixação em estruturas cilíndricas e tubulares.

Devido à flexibilidade, uma das poucas limitações na instalação é o encaixe sempre pressão.

Por fim, vamos falar um pouco das espumas. Esses materiais têm sido cada vez menos utilizados para o isolamento termoacústico devido às suas desvantagens:

  • normalmente, apresentam baixa resistência mecânica e podem ser rompidas com o atrito, cortes superficiais leves, impacto, entre outros estresses comuns na maioria das empresas por causa do transporte de cargas e trânsito de pessoas;
  • por serem porosas, acumulam ácaros, poeira e mofo com facilidade;
  • a instalação é muito limitada e depende de colas especiais na maioria dos casos. Além disso, pode haver o comprometimento das peças durante a instalação, aumentando a demanda de material.

Como funciona a manta térmica?

O funcionamento da manta isolante depende dos materiais de sua composição. Isso vai determinar seu comportamento diante do calor, assim como suas características complementares. A seguir, vamos falar das principais mantas disponíveis no mercado.

Contudo, antes disso, você precisará entender melhor os processos de transmissão de calor em uma construção, que são basicamente três.

Condução

É o fenômeno mais intuitivo para as pessoas, pois estamos constantemente percebendo-o com nossos sentidos. Quando tocamos em um objeto e o classificamos como quente ou frio, é a condução que está acontecendo.

Seu mecanismo é relativamente simples: o corpo com maior temperatura transfere energia calorífica para o mais frio até que eles entrem em equilíbrio térmico — isto é, fiquem na mesma temperatura. Se um deles for fonte de calor, o aquecimento será constante até o outro fique na temperatura do outro. Se nenhum for, vão entrar em um meio termo de acordo com a dimensão e a massa de cada um.

Para a condução ocorrer, eles precisam estar em contato físico direto ou indireto um com o outro. No primeiro caso, o calor é transferido pelo contato superfície a superfície. No segundo, o piso, as paredes e outras estruturas da construção transmitem a energia calorífica.

Para evitar esses processos, são instalados os isolantes. Eles funcionam da seguinte forma: o material deles é ineficaz para transmitir a energia de uma face a outra, pois a organização molecular não permite uma boa movimentação das partículas. Então, apenas a área em contato com a fonte de calor se aquece, afetando muito pouco o resto da estrutura.

Poucos tipos de isolantes não atuam sobre a condução, como os foils e os sprays de material reflexivo. Por sua vez, todas as mantas atuam sobre ela. Na verdade, a maioria atua apenas sobre ela — o que reduz a eficiência.

Radiação

Nós também percebemos a radiação no nosso dia a dia quando os raios de sol queimam a nossa pele. Ao contrário da condução que exige o contato dos objetos, neste caso, o efeito ocorre à distância. Exige um determinado tipo de onda de energia que é responsável pelo aquecimento — os raios infravermelhos.

Eles atingem a estrutura molecular dos materiais, causando a agitação das partículas e consequentemente o aquecimento. Desse modo, a principal forma de evitá-los é fazer com que eles sejam refletidos antes de afetar a estrutura.

Não é apenas o sol que emite o infravermelho, praticamente todos os objetos têm essa capacidade — especialmente as fontes de produção calor.

A radiação precisa ser tratada com bastante atenção, pois é a principal responsável pelo aumento de temperatura dos objetos. Estima-se que cerca de 90% da energia calorífica que é transmitida para as construções venha justamente dessa forma. Mas usualmente não a associamos com o aquecimento, então é um erro muito comum escolher mantas que só agem sobre a condução e ignoremos os efeitos intensos dos raios infravermelhos.

Convecção

O último processo é o mais complexo para nós, pois não é nada intuitivo. Entretanto. ele acontece o tempo todo nos ambientes internos e na atmosfera. Todos os gases mudam o volume de forma muito intensa ao calor, expandindo-se no aquecimento e retraindo-se no resfriamento. Com isso, a densidade deles se altera constantemente.

Dentro de um mesmo ambiente, formam-se várias massas de ar de diferentes densidades. Isso acontece, pois eles entram em contato com superfícies com diferentes temperaturas. Pelas leis da física, aquela massa com maior densidade é direcionada para baixo, enquanto aquela com menor densidade (mais quente) vai para cima. Como as variações são constantes, é como se o ar ficasse circulando constantemente.

Geralmente, o ar se aquece quando fica próximo ao solo ou ao piso, pois essas áreas se aquecem devido à incidência dos raios do sol ou pela atividade humana com equipamentos que produzem energia calorífica.

A eficiência do ar-condicionado, por exemplo, depende diretamente de esse processo ocorrer corretamente. Por esse motivo, eles são instalados próximo ao teto. O ar frio que sai do equipamento vai em direção ao chão e, no trajeto, resfria todo o ambiente.

No entanto, vários fatores podem alterar o processo de convecção e piorar o conforto térmico de um ambiente:

  • a falta de isolamento térmico no telhado vai fazer com que a massa de ar superior esteja sempre mais aquecida do que aquela próxima ao solo, reduzindo a circulação de ar e aquecendo toda a atmosfera do ambiente. Mantas ineficientes para combater a radiação consequentemente também são ruins para a convecção;
  • uma vedação inadequada das frestas do telhado e das saídas de ar vai fazer com que os gases externos entrem na construção e modifiquem a dinâmica. Isso é especialmente negativo quando sua construção utiliza ar-condicionado ou aquecedores. Algumas mantas também podem não agir adequadamente sobre esse processo, pois são permeáveis. Desse modo, não impedem a passagem de ar.

Quais são os principais tipos de mantas térmicas disponíveis no mercado?

Agora que você já sabe como o calor age sobre a construção, você poderá entender a diferença entre os materiais.

Manta de lã de vidro

Esse material surgiu para substituir as espumas de polímeros plásticos. Elas são fabricadas com a mesma matéria-prima do vidro, a sílica. Ela é aquecida a altas temperaturas e gradientes de pressão. Com isso, o material adquire um formato de fio e forma uma manta fibrosa.

Ela já foi considerada um dos materiais mais eficientes, porque ela é capaz de impedir grande parte da condução. Porém, os avanços na tecnologia dos materiais fizeram opções melhores e com melhor custo-benefício surgirem. Em relação aos outros processos, ela não tem quase nenhum efeito. Ela não apresenta uma refletividade de radiação significativa e, por ser permeável, não atua sobre a convecção.

Manta de lã de rocha

A lã de rocha apresenta propriedades muito semelhantes à lã de vidro. Inclusive, o processo de fabricação é muito semelhante. A principal diferença é a matéria-prima, a diábase. Ela é uma rocha vulcânica com excelente capacidade de evitar a condução, porém também não atua de modo significativo nos demais processos.

Manta de PET

A manta de PET também é fibrosa, mas é fabricado com um polímero plástico chamado de politereftalato de etila. É o mesmo utilizado nas garrafas de refrigerante e na maioria das embalagens. Por essa razão, apresenta o diferencial de ser sustentável para o meio ambiente, visto que pode ser fabricado com material reciclado e ser reciclada. É resistente à deterioração físico-química, mas só age na redução da condução.

Manta térmica 3TC

Já a manta 3TC representa o ápice dos avanços na tecnologia dos materiais isolantes. Sua estrutura foi elaborada pela NASA para proteger os astronautas e as estações espaciais das bruscas mudanças de temperatura fora da Terra. Durante o dia, os termômetros podem marcar até 121 graus celsius e, à noite, — 157 graus Celsius, de acordo com os dados da Agência Espacial. Desse modo, era preciso um sistema que atuasse sobre todos os processos para manter a segurança.

Depois de testar vários materiais, eles chegaram na solução ideal:

  • para reduzir a condução foi utilizado um núcleo de poliestireno estendido (EPS), o qual é um dos materiais com menor capacidade de transmissão de calor (coeficiente de condutibilidade) utilizados pelo homem;
  • já a radiação é combatida pela utilização de uma camada dupla de polímeros refletivos. Essa tecnologia controla a radiação devido ao espaço de ar contido no núcleo de Poliestireno Expandido (EPS) que resulta na refletância dos raios infravermelhos devido à baixa emissividade dos polímeros refletivos;
  • por fim, a convecção é controlada devido à impermeabilidade de todas as três camadas. Assim, funciona como uma barreira contra o ar e o vapor.

Ademais, a manta térmica 3TC é ideal para melhorar a eficiência da circulação de ar nas construções. Afinal, impede que as estruturas da laje ou do telhado se aqueçam demais e comprometam a convecção dentro das construções. Como apresentam resistência mecânica aliada à compressibilidade, podem vedar bem cada fresta e impedir o contato com gases do meio externo.

Para que serve?

As mantas térmicas são utilizadas principalmente para resolver problemas tradicionalmente ligados às construções empresariais e aos equipamentos.

  • otimização a eficiência da climatização — esse é o principal motivo que os gestores procuram o isolamento térmico. Assim, podem economizar na compra de ares-condicionados e utilizá-los em potência menor sem comprometer a temperatura efetiva;
  • Melhorar o conforto térmico da construção — os processos fisiológicos de frio e calor são muito incômodos para as pessoas. Então, manter temperaturas estáveis é essencial para agradar os clientes e os colaboradores;
  • Isolamento de sistemas de refrigeração ou resfriamento — as máquinas térmicas consomem bastante energia. Uma forma de otimizar essa situação é reduzindo a temperatura do ambiente em que elas estão. Assim, precisam fazer menos trabalho para chegar aos números desejados;
  • Proteção de salas de equipamentos e de estoque de produtos sensíveis ao calor — os dispositivos eletrônicos geralmente não podem se expor ao superaquecimento. Assim, ficam em ambientes refrigerados, cuja proteção é mais eficiente com as mantas;
  • nos veículos com baú frigorífico, melhoram a eficiência do sistema de refrigeração das cargas. Nos baús normais, evitam o aquecimento excessivo que pode resultar na perda de qualidade das cargas.

Onde e como ela pode ser aplicada?

Já falamos bastante sobre a aplicação no telhado e na cobertura de objetos. Agora, vamos explicar como fazer em relação a outras estruturas:

  • paredes — em geral, as mantas são utilizadas dentro das lâminas de drywall ou outros tipos de divisórias;
  • piso — a manta pode ser usada logo abaixo de pisos laminados, de PVC e outros revestimentos instalados por encaixe. Além do isolamento térmico, impede a propagação do som entre pisos de um mesmo edifício;
  • dutos de ar-condicionado — na proteção dessas estruturas, a ação impede que o ar se aqueça antes de chegar ao destino final.

Quando deve usar a manta térmica?

As mantas térmicas apresentam diversos benefícios, mas o principal motiva que leva as empresas a procurá-las é a redução de custos. Inicialmente, os gestores acreditam que o impacto vai ser somente na economia de energia elétrica, mas logo veem que os benefícios vêm de várias outras fontes.

5 vantagens da manta térmica para os funcionários e seu impacto na redução de custos da empresa

Ergonomia e bem-estar

A Norma Regulamentadora 17 do antigo Ministério do Trabalho ainda está em vigor e estabelece que, para respeitar a ergonomia do trabalhador, a temperatura do ambiente deve estar entre 20º e 23º. Com isso, é possível manter a saúde e o bem-estar — físico e mental — e evitar custos relacionados à baixa eficiência devido ao desconforto, afastamentos, faltas e processos trabalhistas.

Concentração e atenção

A capacidade cognitiva do cérebro humano se reduz quando há algum estímulo negativo que o corpo interpreta como ameaçador. Esse é o caso do calor e do frio. Assim, diversos processos fisiológicos para regular a temperatura corporal são ativados e parte da atenção da mente é desviada das tarefas. Com isso, erros e falhas se tornam mais frequentes, gerando mais gastos devido à necessidade de refação e ao desperdício de insumos.

Produtividade

Por essa razão, o conforto térmico aumenta a produtividade ao permitir que os trabalhadores executem suas atividades com o máximo de atenção. Além disso, eles ficam mais satisfeitos com a empresa, pois sentem que há uma preocupação com o seu bem-estar. Eles devolvem isso na forma de uma trabalho melhor e mais ágil. Assim, você pode reduzir sua necessidade de contratações futuras e evitar novos custos.

Ares-condicionados em menor potência

Além de reduzir a necessidade de trabalho do ar-condicionado, o isolamento traz outro benefício, agora para o trabalhador. Quanto maior a potência que o equipamento estiver ligado, mais umidade o motor retirará do ambiente. Assim, a qualidade do ar ficará ruim, provocando desconforto nas vias aéreas. Isso pode provocar problemas de saúde, como desencadeamento de crises de rinite alérgica, e levar ao absenteísmo.

Possibilidade de aumento salarial e oferta de benefícios

O ar-condicionado é o grande vilão da conta de luz da empresa, podendo representar cerca de 55% do valor relacionado ao consumo. Dependendo do porte e das atividades da empresa, isso pode representar milhares de reais. Com um isolamento eficiente, parte desse dinheiro poderá ser aplicado em ações para motivar funcionários. Assim, você tirará dinheiro de algo que era apenas um gasto para aplicar em uma ação que poderá trazer um importante retorno sobre o investimento.

4 cuidados necessários com a manta térmica

No entanto, não basta instalar um isolamento qualquer. É preciso instalar o isolamento do material certo e com um fornecedor confiável.

Escolha do material mais eficiente

Como explicamos, o 3TC é realmente a melhor opção no mercado atual, sendo uma tecnologia tão eficiente e segura que é utilizada pela NASA nas missões espaciais. Ele vai atuar sobre todos os processos de transmissão de calor e ainda oferecer outros benefícios, como

  • isolamento acústico;
  • resistência ao fogo;
  • resistência mecânica;
  • resistência química;
  • impermeabilidade;
  • vedação, entre outros.

Isso trará o máximo de economia com energia e fará com que o investimento em isolamento compense na prática.

Contratação de profissionais especializados

As mantas precisam ser instaladas por empresas que têm experiência especializada no assunto. Esses profissionais saberão qual é o melhor método de instalação para cada superfície, garantirão produtos originais, farão os cálculos de área corretos e minimizarão as perdas de material. Além de tudo, ainda haverá uma garantia pelo fornecedor por vários anos, se o uso for feito adequadamente.

Uso adequado

Só utilize as mantas para aquelas atividades que você detalhou para o instalador. Mesmo que as mantas 3TC sejam versáteis para instalar, o método utilizado dependerá da superfície de aplicação. Então, não adianta transferir de um local para o outro por conta própria. Essa aparente economia pode provocar a perda do material.

Manutenção correta

A manutenção deve ser feita de forma preventiva preferencialmente. Para isso, verifique constantemente eventuais defeitos nas estruturas próximas ao isolamento, como as telhas e os pisos. Em caso de qualquer dano, solicite a reposição da peça em vez de tentar fazer um conserto por conta própria ou ignorar o problema. É muito mais em conta fazer uma ação preventiva do que corretiva.

Com tudo isso que vimos, certamente o isolamento é uma das medidas mais efetivas para a redução de custos na empresa. Além de atingir um ponto crucial e caro, o consumo energético, traz benefícios para os funcionários e equipamentos. Assim, a produtividade geral aumenta e os custos não escalam.

Quer saber tudo sobre a manta térmica e seus benefícios para a empresa, para os funcionários e os clientes? Então, não deixe de baixar nosso e-book!

A poluição sonora é considerada um problema importante para a saúde pública, pois está relacionada a diversas doenças físicas e mentais. Em dezembro de 2018, a Organização Mundial de Saúde divulgou um relatório sobre as principais causas ambientais de doenças. O excesso de ruídos ficou em terceiro lugar na lista, ficando atrás apenas da poluição do ar e da água. Nesse sentido, o isolamento acústico se torna uma estratégia essencial.

Ele impede que o barulho reverbere e propague nas salas de aula. Assim, ele reduz o excesso de ruídos libera hormônios e neurotransmissores relacionados ao estresse. Nas crianças e adolescentes, isso pode trazer consequências, pois o corpo deles ainda está em desenvolvimento. Quer entender melhor? Acompanhe!

Quais são as consequências dos ruídos nas salas de aula?

A poluição sonora é uma inimiga silenciosa e, muitas vezes, subestimada. Como não podemos enxergar o que está acontecendo dentro do nosso organismo. Nós achamos que o excesso de ruídos trará, no máximo, uma dor de cabeça ou uma mal-estar. Entretanto, o grande problema está a um nível microscópico, nas substâncias liberadas em reação a ele.

Em quase todos os animais, inclusive o homem, o barulho é um sinal de perigo e uma reação rápida a ele era importante para impedir ataques de predadores. Basta reparar os animais domésticos: os cães e os gatos correm ou se assustam diante de qualquer barulho mais alta. É o instinto de sobrevivência. Assim, todo corpo se prepara para correr da ameaça.

Vivendo nas em sociedade nas cidades, o homem não precisa mais se preocupar tanto com ameaças. No entanto, nossos sistemas sensorial e nervo ainda apresentam todos esses mecanismos.

Vamos explicar de forma resumida os dois principais processos fisiológicos para que você entenda a gravidade do problema da poluição sonora nas escolas.

Mecanismo de luta e fuga

Imagine que um predador acabasse de pular perto de você, seu corpo precisaria estar rapidamente preparado para correr muito rápido por longas distâncias. Para isso, existem duas substâncias: a adrenalina e a noradrenalina. Elas são liberadas no sangue e no cérebro com os seguintes efeitos:

  • liberar carboidratos (açúcares) no sangue;
  • tirar parte do sangue de órgãos desnecessários para a fuga e desviar para aqueles mais importantes;
  • portanto, dar mais energia para os músculos, coração e cérebro;
  • restringir toda a atenção e concentração do cérebro para os sons e outras áreas relacionadas com a sobrevivência. Todo o corpo fica em estado de alerta.

Daí, surgem alguns dos problemas relacionados ao estresse, como diabetes mellitus tipo II (excesso de açúcar no sangue) e doenças cardíacas.

Hiperatividade hormonal

Há um mecanismo hormonal muito importante para nós, o eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal. Os barulhos estimulam uma região do cérebro chamada de hipotálamo para ativar uma glândula chamada de hipófise. Ela libera um hormônio que atua sobre a outra glândula — a suprarrenal, que fica acima dos rins.

A supra renal libera o famoso hormônio do estresse, o cortisol. Ele é responsável por nos fazer sentir uma série de sensações desagradáveis, como aflição e ansiedade. Além disso, também causa a liberação de açúcar no sangue e reduzem a imunidade. Assim, além de maior risco para diabetes e doenças cardiovasculares, todas as faixas etárias ficam mais vulneráveis a doenças infecciosas.

Ademais, o cortisol facilita o desenvolvimento de doenças mentais, como a ansiedade e a depressão. A sensação de estresse e angústia faz com que a pessoa veja as situações de forma negativa, deixando-as mais propensas aos transtornos do humor.

Por que a poluição sonora compromete o desempenho do professor?

Essa longa explicação sobre os efeitos dos ruídos é essencial para que você entenda que não é frescura dos professores e alunos esse tipo de reclamação. Pelo contrário, as pessoas tendem a subestimar o impacto do som. Quando elas reclama, é porque algo sério já está acontecendo.

No caso dos professores, isso é especialmente importante, pois eles são submetidos a situações com alto nível de som pela própria natureza do ensino — especialmente, o infantil. Desse modo, não pode o ambiente físico ser mais uma fonte de barulho, pois isso sobrecarregará o profissional.

Comprometimento da fala

Se o barulho dentro e fora da sala de aula for intenso, o professor precisará competir com ele para ser ouvido pelos alunos. Esse esforço repetitivo pode provocar uma condição multifatorial chamada de fadiga vocal — uma síndrome com vários sintomas, como rouquidão, dor na garganta, tensão no pescoço, entre outros.

Ademais, falando cada vez mais alto, haverá uma agressão das cordas vocais e da garganta pelo excesso de atrito do ar. Isso causa processos inflamatórios repetidos, que fazem as patologias das cordas vocais surgirem.

À medida que essas lesões cicatrizam, o aparelho fonador perde uma parte da sua funcionalidade. Em alguns casos, o processo é tão intenso que os professores podem ser aposentado por invalidez.

Nervosismo

A adrenalina, a noradrenalina e o cortisol são substâncias que estimulam as regiões de agressividade no nosso cérebro. À medida que elas aumentam e o estresse se intensifica, o professor fica mais nervoso. Com isso, ele pode discutir, brigar com um aluno ou colega de trabalho.

Doenças crônicas

Todas essas substâncias também estão ligadas a diversas doenças crônicas. Por exemplo, o excesso de estímulo da noradrenalina é um dos principais fatores causais da hipertensão arterial sistêmica. Já os corticoides estão ligados à liberação das reservas de glicose sanguínea e ao aumento da resistência das células à insulina — dois mecanismos que provocam e agravam a diabetes mellitus tipo 2.

Então, a poluição sonora pode acelerar o desenvolvimento dessas doenças. Como muitos professores também já têm mais de 50 anos, a situação pode ser ainda mais preocupante, visto que alguns deles podem ter essas doenças crônicas já instaladas. A condição pode se agravar com o estímulo negativo do ambiente, tornando-se difícil de tratar.

Como isso impacta a qualidade das escolas?

Produtividade

A produtividade de qualquer profissional depende de boas condições de trabalho. Assim, ele pode focar toda a sua atenção nas tarefas em vez de desviá-la em estímulos externos. Os sons estão entre as principais distrações e podem interromper a linha de raciocínio nas exposições. Então, as explicações dele perdem a qualidade e levam mais tempo. Isso traz prejuízos para os alunos e consequentemente para as escolas.

Vários estudos indicam essa relação negativa, como:

  • um artigo da revista científica “Noise and Health” (Barulho e Saúde) mostrou que, em diversos ambientes de trabalho, o barulho trazia impactos, como redução da performance, aumento do número de erros e um tempo de resposta maior aos estímulos. Ademais, houve um maior nível de estresse, desconforto e de incômodo. O estudo também mostrou que o comprometimento atencional não estava relacionado a essas sensações, mas ao som em si;
  • já a Revista Britânica de Psicologia mostrou que o barulho compromete diversas habilidades cognitivas, principalmente a atenção seletiva para tarefas. Esse problema independia de outros fatores, como hora do dia e ansiedade.

Absenteísmo e afastamento

Em uma pesquisa divulgada pela Revista Brasileira de Saúde do trabalho, 153 professores nas escolas públicas do Distrito Federal entre 2009 e 2010 pediram o afastamento do trabalho por disfonia (dificuldade para falar).

Os nódulos (calos) vocais foram o principal diagnóstico: cerca de 40% das lesões nas cordas vocais e levam, em média, a um afastamento de 166 dias. Dessa porcentagem, 25,5% dos professores foram afastados definitivamente da sala de aula e realocados em outras funções.

Em outro estudo, feito na Bahia, o relato de ambiente de trabalho desfavorável teve uma relação importante com o surgimento da doença, aumentando o risco em 25%. Entre os fatores citados pelos professores entrevistados, estavam:

  • barulho externo excessivo;
  • ruído interno excessivo;
  • acústica inadequada.

Desse modo, ter uma boa infraestrutura física para proteger os professores é imprescindível.

Alto turnout

Um ambiente insalubre e estressante pela poluição sonora atrapalha a retenção de talentos. Com isso, a rotatividade de profissionais se torna um grande problema. As escolas são especialmente sensíveis a ele. Afinal, os alunos criam uma relação afetiva com os professores e podem ficar muito insatisfeitos com a saída deles.

Indenizações

Se o professor conseguir provar que sua escola não tomou as medidas necessárias para manter os níveis de ruído dentro dos limites da regulamentação, ele poderá ter direito à indenização por acidente de trabalho.

Em um único processo, os custos judiciais poderão ser maiores que um investimento em um isolamento adequado. Portanto, sempre pense no custo-benefício a longo prazo.

Por que a poluição sonora afeta o desempenho dos alunos?

As razões pelas quais isso acontece são bem semelhantes às dos professores: uma série de mecanismos neuro hormonais mudam o comportamento do corpo frente aos estímulos. Com isso, diversas habilidades importantes para a sala de aula podem ficar comprometidas.

A maior diferença é que as crianças e os adolescentes estão em desenvolvimento, então os efeitos podem comprometê-los de forma mais intensa. Vamos falar das principais a seguir.

Escrita e leitura

A poluição sonora tem um impacto negativo significativo nessas competências. O principal motivo é a queda da atenção sustentada (AS), isto é, a capacidade de manter o foco ao longo do tempo. Em um estudo realizado em Porto Alegre, as crianças expostas a um maior nível de barulho apresentaram uma pontuação menor nos testes de AS.

Consequentemente, houve impactos em outras áreas:

  • na escrita, eles cometeram mais erros durante uma tarefa de ditado;
  • na leitura, eles se mantiveram menos tempo focados em um texto.

Portanto, o excesso de ruídos pode comprometer o desenvolvimento de habilidades importantíssimas para o desempenho escolar. As crianças que naturalmente já sofrem com dificuldade de se concentrar podem sofrer ainda mais e se tornar agitadas na sala, atrapalhando o rendimento dos colegas.

Náuseas, desconforto físico e emocional

Já um estudo feito na Indonésia com criança do ensino fundamental demonstrou que as crianças expostas à poluição sonora relatavam uma grande gama de queixas:

  • enjoo e náuseas — 23%;
  • desconforto físico e emocional — 21%;
  • dificuldades em compreender a explicação do professor — 22%;
  • redução da capacidade de aprendizado — 22%.

Esses sintomas físicos frequentemente incapacitam a criança ao aprendizado e ela apresenta queixas frequentes de desconforto. Com o tempo, podem até se recusar a ir para a escola.

Nesse sentido, os autores do estudo propuseram uma série de intervenções que poderiam melhorar a acústica das salas e reduzir o barulho:

  • troca das janelas, portas e vidros comuns por opções isolantes de som;
  • instalação de isolamento acústico nas paredes, piso e paredes;
  • barreiras físicas verdes ao redor da escola, como árvores e bambus.

Vamos falar sobre cada uma dessas medidas a seguir.

Como fazer com que o isolamento ocorra completamente?

As barreiras físicas são as principais formas de impedir que o barulho do ambiente externo entre para as salas de aula. Nesse sentido, é preciso pensar em formas de isolar todas as estruturas da construção, como janelas, portas, paredes e pisos.

Além disso, deve-se investir em materiais capazes de mitigar a reverberação dos sons produzidos dentro da escola. Afinal, as conversas de alunos e professores ecoam nas paredes, aumentando o desconforto auditivo.

Isso pode ser feito com diversas estratégias diferentes, como reforço dos materiais e instalação de isolantes termoacústicos. Vamos falar sobre as principais a seguir.

Janelas acústicas com vidros mais grossos

Esse tipo de janela apresenta uma vedação muito superior e materiais que transmitem menos ondas sonoras. Desse modo, parte do som vindo do exterior é refletido em vez de reverberar pelas estruturas.

Além disso, opte por vidros mais grossos, pois a capacidade de bloquear a transmissão é proporcional à espessura. Apesar de ser uma das principais medidas a ser adotada, mas não é a única. Um dos principais erros nos projetos de isolamento acústico é focar nas janelas e se esquecer das outras estruturas.

Portas acústicas

Nas escolas, o barulho vindo dos corredores e das áreas comuns é significativo. Para evitar que ele entre nas salas de aula, existem as portas acústicas. Essas peças contêm um material que dificulta a passagem do som devido às maiores densidade e espessura, além de uma melhor vedação das frestas.

Áreas verdes ao redor da construção

Outra medida bem interessante é o plantio de bambus e árvores ao redor do edifício. Eles vão funcionar como barreiras físicas para refletir as ondas sonoras. Além disso, sua escola ganha mais sustentabilidade e uma área verdade para os alunos relaxarem.

Revestimento de paredes com material isolante acústico

Por fim, não podemos deixar de citar a ação mais importante no contexto das escolas, o isolamento acústico das paredes. Por quê? Durante o horário das aulas os corredores ficam vazios. Então, a principal fonte de ruídos são as salas vizinhas, principalmente utilizam paredes de drywall ou divisórias para separar as salas. Desse modo, torna-se essencial reforçá-las com uma camada de placas ou mantas isolantes.

Somente o isolamento acústico basta para melhorar o conforto dos alunos?

O isolamento acústico nas escolas é uma medida imprescindível para melhorar a satisfação e a segurança dos alunos, mas há outros pontos importantes.

Os melhores isolantes acústicos do mercado também podem vir com funcionalidades adicionais, como isolamento térmico, impermeabilização, vedação e resistência ao fogo. Então, em vez de utilizar uma estratégia para cada um delas, você terá tudo no mesmo produto.

Como escolher o melhor isolamento?

Para avaliar um isolamento, é preciso observar quais vantagens ele apresenta. Desse modo, além de melhorar o desempenho acústico, você mitiga outros problemas frequentes em escolas. Confira a seguir algumas propriedades essenciais para o material escolhido.

Isolamento térmico

Entre elas, está o conforto térmico. É extremamente difícil concentrar quando se está sentindo frio ou calor. Assim como os ruídos, essas sensações desencadeiam uma série de reações fisiológicas no corpo que atrapalham a concentração, o foco e a capacidade de aprendizado.

No entanto, muitas escolas têm receio de instalar ares-condicionados para as crianças e jovens. Afinal, os pais podem relacionar uma temperatura muito baixa no ambiente com o adoecimento dos filhos. Também, as crianças apresentam uma maior sensibilidade alérgica do que os adultos devido ao sistema imunológico imaturo. Então, o ar seco provocado pelo ar-condicionado pode desencadear crises de rinite e outras doenças respiratórias.

Por essa razão, o isolamento térmico é tão importante nas escolas. As barreiras físicas contra trocas de calor, como as mantas térmicas e as placas, são capazes de amenizar o filme dentro da sala de aula com muita eficiência. Elas atuam tanto sobre o calor quanto o frio, pois impedem a transmissão de energia nos dois sentidos — de dentro para fora e de fora para dentro. Assim, a temperatura fica mais estável nas quatro estações.

Impermeabilização

A umidade também é outro problema que compromete o conforto dos alunos. O surgimento de infiltrações, mesmo que não visíveis, facilita o surgimento do mofo. Esse é um dos principais desencadeantes de crises alérgicas na infância. Os fungos têm uma substância chamada de glicoproteína na superfície da sua célula que desencadeiam reações intensas.

Nesse sentido, a escolha de um revestimento acústico impermeável pode fazer toda a diferença. Ele pode ser instalado no teto, nas paredes e nos pisos. Isso reduz os riscos relacionados a todos os tipos de umidade, como por capilaridade e por intempéries.

Resistência ao fogo

Uma das principais resistências que os administradores de escola têm em relação aos isolantes acústicos é o seu papel na propagação de incêndios que tiveram bastante comoção no Brasil. Todavia esse tipo de ocorrência está ligada a um material específico, chamado de poliuretano. Ele forma uma espuma que é combustível a altas temperaturas e libera gases tóxicos.

Qual o melhor isolante termoacústico do mercado atualmente?

Nos últimos 20 anos, dezenas de isolantes diferentes surgiram no mercado. No entanto, nada se equipara a uma tecnologia desenvolvida pela NASA — o 3TC. Ele foi desenvolvido utilizando o que há de mais avançado na engenharia de materiais e apresenta três camadas:

  • duas lâminas de polímero refletivo, que reflete grande parte da radiação infravermelha e impede que ela aqueça as estruturas;
  • um núcleo de EPS, disponível em variáveis espessuras, o qual é responsável por impedir a condução do calor e do som.

A eficiência do EPS é comprovada por vários estudos técnicos. Neles, analisa-se o coeficiente de absorção acústica, que vai de 0 a 1. Quanto maior ele for, maior a capacidade do material de abafar o som.

No caso do isolamento acústico, é preciso avaliar a capacidade do material de isolar as mais diferentes frequências de som — do mais grave (maior frequência) ao mais agudo (menor). Nesse critério, o EPS também se destaca em relação a outros materiais construtivos.

De acordo com esse estudo sobre os diferentes isolantes, o EPS pode chegar a um isolamento máximo de 0,92 para sons agudos e de 0,11 para sons graves. Em uma comparação com outro material muito utilizado, a lã de rocha apresenta uma eficiência um pouco maior para os graves 0,2, mas perde nos sons agudos com valores entre 0,4 e 0,6. Essa desvantagem também é encontrada no caso da borracha e do polipropileno.

Como na maioria dos casos, os sons mais incômodos para os seres humanos se encontram na faixa aguda, é fundamental contar com um material eficiente para toda essa frequência. São eles os principais responsáveis pela falta de atenção, dores de cabeça e náuseas nos estudantes e nos professores.

4.3. Vedação, impermeabilização e resistência ao mofo

Aqui, temos outro grande diferencial do 3TC em relação a outros isolantes do mercado. A lã de vidro, a lã de rocha, a lã de PET e as espumas são todas permeáveis. Portanto, não atuam sobre a impermeabilização das estruturas. Desse modo, você pode ter de contratar um projeto auxiliar para garantir a resistência à umidade da escola.

No caso do 3TC, tanto o EPS quanto os polímeros refletivos são altamente impermeáveis e não vão deixar a umidade danificar as estruturas. Além disso, no telhado, você pode utilizar as mantas flexíveis, as quais são capazes de se conformar a cada fresta para impedir a entrada de água, animais e sujeira. É uma vedação completa! Com isso, evitam-se o surgimento de mofo, infiltrações e outras patologias da construção.

Resistência ao fogo

Além disso, o 3TC é comprovadamente resistente ao fogo. Submetemos os produtos à certificação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Eles passaram por vários testes em conformidade com todas as normas de segurança. O comportamento ao fogo é muito importante na hora de selecionar a tecnologia adequada à sua utilização, por isso temos este conteúdo que pode esclarecer mais sobre o assunto.

Resistência mecânica

Por fim, não podemos deixar de falar da resistência mecânica. O polímero que recobre a 3TC é muito resistente ao estresse físico aplicado sob diversas formas, como atrito, risco, corte, pressão, laminação, impacto, entre outros. Então, a manta acústica pode ser utilizada sobre estruturas mais frágeis como proteção. Isso é muito interessante para as escolas, visto que crianças e adolescentes se movimentam bastante.

O isolamento acústico em escolas pode ser um desafio e é exatamente por isso que você precisa contar com a melhor tecnologia de materiais. Há várias opções no mercado, mas certamente o 3TC está na liderança.

Ficou com alguma dúvida? Quer compartilhar alguma opinião? Então, comente aqui no nosso post!

O isolamento térmico para galpões é um conjunto de técnicas com o objetivo de reduzir a transmissão de energia calorífica entre as estruturas de uma construção. Desse modo, é possível manter a estabilidade da temperatura em um ambiente mesmo diante de alterações climáticas ou atividades geradoras de calor em outros locais, como caldeiras industriais. Se você quiser saber como instalar, veja nossos manuais para reformas e novas construções de galpões.

Com isso, conquista-se vários benefícios, como manutenção de insumos e equipamentos, menor consumo de energia elétrica, mais conforto térmico para clientes e colaboradores, entre tantos outros. Ficou interessado? Acompanhe!

O que é isolamento térmico?

Antes de falar do isolamento, precisamos entender que a temperatura de um objeto é proporcional à agitação das suas partículas dos seus materiais. Quanto mais movimentos ela for, mais altos serão os valores registrados no termômetro. Então, quando fornecemos energia na forma de calor, na verdade, estamos aumentando o movimento das moléculas, dos íons e das nuvens de elétrons.

Atualmente, conhecemos três processos de transmissão de calor. Todos eles atuam nos edifícios e precisam ser mitigados para trazer um maior conforto térmico.

Condução

É a forma de transmissão de energia calorífica que mais conseguimos perceber no nosso dia a dia, visto que nossos sentidos estão adaptados para percebê-la rapidamente. Ocorre quando dois objetos entram em contato físico um com o outro. Com isso, o que estiver mais quente vai transmitir energia até que ambos estejam na mesma temperatura. Nesse momento, dizemos o equilíbrio térmico foi atingido.

Os isolantes térmicos não deixam que a agitação seja conduzida entre as partículas dos corpos em contato. Portanto, não há a transmissão de calor. Apesar de a percebemos mais frequentemente quando encostamos em algo, a condução é responsável apenas por uma pequena parte do calor que uma construção recebe.

Em relação ao frio, a condução é a principal forma de perda de calor pelas estruturas. Então, em locais com variações muito amplas de temperatura, como o Sul do país, o isolante deve apresentar um excelente potencial de bloqueio da condução.

Tecnicamente, a capacidade de isolamento da condução de material é medida por um parâmetro chamado de coeficiente de condutibilidade, que é uma escala de 0 a 1. O valor máximo significa que o material transmite o calor com facilidade, sendo os metais são os materiais com mais elevado coeficiente. Nesse sentido, os bons isolantes devem apresentar números mais próximos de 0 quanto possível.

Convecção

A convecção é o fenômeno de transmissão de entendimento mais complexo, mas pode influenciar bastante no conforto térmico das construções — principalmente os galpões. Os gases, quando se aquecem, aumentam bastante o seu volume e ficam menos densos. Quando resfriados, o processo inverso ocorre.

Nas construções, o piso é uma das regiões mais quentes. Afinal, o próprio calor dos nossos corpos e a energia gerada pela atividade industrial/comercial aquecem a massa de ar superficial. Consequentemente, ela se torna menos densa e se direciona para o teto. Assim, a massa de ar superior — mais fria — ocupa o espaço até se aquecer. Essas trocas acontecem constantemente e podem contribuir para deixar o ambiente menos abafado.

Os maiores problemas ocorrem quando o teto não apresenta uma boa capacidade de isolamento e de vedação. A radiação solar incide constantemente sobre as telhas, deixando-as muito mais aquecidas que as mais estruturas da construção. Então, toda a massa de ar próxima ao teto fica muito mais aquecida e menos densa do que a próxima ao piso, não havendo trocas eficientes pela convecção. Isso deixa o ambiente mais abafado.

Ademais, é preciso oferecer uma boa vedação contra o contato com o meio externo. Caso contrário, é impossível uma temperatura estável, pois o ar atmosférico interagirá constantemente com o ambiente interno e provocando alterações na temperatura.

Radiação

Nesse último processo, há a transmissão de energia por meio da incidência de radiação infravermelha em um objeto. Essa onda eletromagnética está presente em alta concentração nos raios solares e é emitida pelos corpos aquecidos.

Quando ela atinge uma superfície, causa a agitação das partículas e aumenta a temperatura. Portanto, não depende do contato físico e tem seus efeitos à distância. É assim que o sol, a milhões de quilômetros da terra, ainda aquece o planeta com tanta intensidade. No verão, a incidência da radiação solar é muito maior e, por esse motivo, a estação é mais quente.

Esse processo é o responsável por mais de 80% do aquecimento das estruturas. Por essa razão, para proteger um ambiente temperaturas altas, é preciso investir em um isolante com alta capacidade de reflexão da radiação infravermelha.

Aqui, há um grande desafio, visto que a maioria dos materiais refletores não são capazes de proporcionar um bloqueio eficiente da condução. Como veremos a seguir, esse é o caso dos foils de alumínio.

Como funciona o isolamento térmico para galpões?

Cada tipo de construção apresenta uma especificidade em relação ao isolamento. Um dos maiores erros que as pessoas cometem é pensar que uma mesma estratégia vai funcionar para todos os tipos de projeto. Em relação aos galpões, temos os seguintes desafios:

  • são construções com o pé direito altíssimo em que os processos de convecção têm uma influência muito significativa;
  • geralmente, o telhado e as paredes são construídos com materiais altamente condutores de energia, como as chapas metálicas;
  • há uma menor proporção e uma pior distribuição das saídas de ar;
  • frequentemente, utilizam equipamentos para a exaustão;
  • o movimento de cargas pode provocar o estresse mecânico da estrutura de isolamento;
  • as atividades executadas podem gerar um maior aquecimento. Por exemplo, galpões industriais recebem muita energia liberadas pelas motores e caldeiras, entre outras.

Portanto, o isolamento térmico deles deve ser capaz de lidar com essas especificidades. Por esse motivo, os seguintes critérios devem ser levados em consideração:

  • combate à condução, à convecção e à radiação;
  • redução do nível de ruídos (isolamento acústico);
  • comportamento ao fogo;
  • resistência à umidade;
  • resistência mecânica;
  • durabilidade.

Quais são os materiais utilizados nesse processo?

Há diversos materiais que podem ser empregados para a fabricação dos isolamentos. Aqui, vamos explicar as características dos mais utilizados no mercado. Confira!

Lã de vidro

Esse material é fabricado com a mesma matéria-prima do vidro — a sílica. Ela passa pelo aquecimento em altíssimas temperaturas e, depois, é submetida a um resfriamento rápido com alta diferença de pressão. Com isso, forma-se um material fibroso em forma de aglomerados de fios, parecido com a lã animal.

Esse material apresenta uma estrutura molecular que dificulta a condução do calor

  • condução — apresenta um coeficiente de condutibilidade de 0,05. Desse modo, ajuda a melhorar o isolamento de materiais, como o tijolo (0,09) e o concreto (0,07), mas é mais ineficiente do que muitos outros isolantes disponíveis no mercado;
  • convecção — como todo o isolante do tipo fibroso (lãs), não apresenta uma boa capacidade de vedação. Ademais, não age no bloqueio da radiação sobre as telhas. Então, não tem baixíssima ação sobre a convecção;
  • radiação — não apresenta capacidade reflexiva das ondas infravermelhas;
  • isolamento acústico — funciona como um bom isolante acústico;
  • comportamento ao fogo — não é inflamável nem combustível nas temperaturas dos incêndios;
  • resistência à umidade — não é impermeável, visto que a água pode passar pelos vãos das fibras. No entanto, não se deteriora facilmente pela umidade;
  • resistência mecânica — consegue lidar bem com impactos. No entanto, suas fibras podem ficar comprometidas diante de trações em duas ou três direções;
  • durabilidade — alta e sem necessidades de manutenção mais frequente e complexa.

Lã de rocha

A lã de rocha tem um processo de fabricação muito semelhante à anterior, porém a matéria-prima é a diábase. Com isso, apresenta algumas melhorias, como um melhor isolamento da condução com um coeficiente de 0,04 e maior custo-benefício. As demais propriedades também são bastante semelhantes.

Lã de PET

A lã de PET pode ser fabricada com matéria-prima-reciclada das garrafas e recipientes plásticos — o que representa uma vantagem quando o objetivo é a sustentabilidade.

  • a ação isolante térmica e acústica é parecida com as anteriores;
  • comportamento ao fogo — é inflamável a altas temperaturas, mas não é combustível;
  • resistência mecânica — intermediária;
  • durabilidade — alta.

Foil de alumínio

Os foils de alumínio são lâminas bem finas de alumínio que ajudam a aumentar a capacidade reflexiva de radiação nas superfícies que são aplicadas. Geralmente, são utilizadas sobre os telhados devido à sua facilidade de instalação, visto que podem ser coladas. No entanto, apresentam muitas desvantagens:

  • condução — não são capazes de reduzir a condução de calor;
  • convecção — quando aplicadas nos telhados, pode melhorar o fluxo de ar dentro das construções. Entretanto não apresenta uma vedação boa;
  • radiação — reflete uma boa parcela da radiação infravermelha ambiental;
  • isolamento acústico — não atua sobre esse ponto;
  • comportamento ao fogo — é não-inflamável e incombustível;
  • resistência à umidade — impermeável e não corrosiva;
  • resistência mecânica — lida bem com o estresse mecânico, mas não ajuda a amortecer o impacto que chega às superfícies;
  • durabilidade — intermediária, pois podem sofrer delaminações. Com isso, algumas ações de manutenção podem ser necessárias.

Espuma de poliuretano

As espumas de poliuretano já foram os materiais mais populares para o isolamento térmico industrial, porém seu uso está cada vez mais limitado. Seu comportamento combustível diante do fogo — com a liberação de fumaças tóxicas — esteve relacionado a diversos incêndios graves. Ademais, apresenta uma manutenção difícil, visto que está sujeita à deterioração pelo mofo e tem uma baixa resistência mecânica. Veja a seguir as suas características:

  • condução — é um dos materiais mais eficientes em relação ao bloqueio da transmissão do calor pelo contato e pode ser aplicado em diversas espessuras, o que aumenta o seu poder isolante;
  • convecção — por ser permeável, não é capaz de vedar as superfícies;
  • radiação — não apresenta capacidade refletiva;
  • isolamento acústico — conta com uma boa capacidade de amortecer as ondas sonoras, tendo sido o principal material nesses projetos por muitos anos. No entanto, o surgimento de novas tecnologias reduziu sua popularidade;
  • comportamento ao fogo — esse é o principal ponto fraco da espuma de poliuretano. A menos que recebam aditivos retardantes do fogo, são muito combustíveis e contribuem para a propagação das chamas durante os incêndios;
  • resistência à umidade — outra desvantagem da espuma de poliuretano é sua permeabilidade à água. Além disso, se a manutenção adequada não for feita periodicamente, há o surgimento de mofo e o acúmulo de ácaros. Isso prejudica a salubridade do ambiente, causando problemas respiratórios nos colaboradores;
  • resistência mecânica — em geral, todas as espumas se desagregam facilmente com o estresse mecânico superficial. Nos galpões, muitas cargas são transportadas constantemente, então é necessário proteger o PU com uma superfície protetora resistente;
  • durabilidade — devido aos vários riscos a que está sujeita, a espuma de PU é um dos isolantes com menor durabilidade. Exige, portanto, uma manutenção constante.

Spray de poliuretano

O spray de PU apresenta as mesmas características físicas e químicas do item anterior. A maior diferença está na aplicação. Em vez de placas e mantas, é utilizado um spray cujo conteúdo se fixa rapidamente às superfícies. Por esse motivo, não é possível empregar esse método em espessuras mais grossas.

Poliestireno estendido

Também conhecido como EPS, esse material é um polímero derivado do petróleo muito utilizado em diversas indústrias. Durante o seu processo de fabricação, injeta-se ar para formar células de baixíssima densidade. Com isso, é possível evitar a propagação de energia calorífica pela estrutura.

Em uma comparação com os materiais anteriores, o EPS foi o que demonstrou um menor coeficiente de condução:

  • concreto — 0,07;
  • tijolo — 0,09;
  • a fibra de vidro — 0,05;
  • a lã de rocha — 0,04;
  • EPS — entre 0,033 e 0,046 conforme a espessura;
  • espumas sintéticas — 0,35.

Portanto, é o ideal quando o objetivo é mitigar os processos relacionados com a condução de calor. Além disso, ele também apresenta muitas outras vantagens e algumas poucas desvantagens:

  • condução — é um dos materiais mais eficientes em relação ao bloqueio da transmissão do calor pelo contato e pode ser aplicado em diversas espessuras, o que aumenta o seu poder isolante;
  • convecção — é impermeável, permitindo uma vedação potente contra a convecção;
  • radiação — não apresenta uma capacidade refletiva muito ampla, porém o ar armazenado dentro das células pode refletir uma pequena parcela da radiação infravermelha;
  • isolamento acústico — também é um dos materiais com a melhor capacidade de abafar as ondas sonoras. Este estudo comparou os principais isolantes disponíveis no mercado e demonstrou que o EPS é o que apresenta a melhor capacidade de impedir a propagação de sons agudos e um dos líderes em relação às frequências graves;
  • comportamento ao fogo — o poliestireno tradicional apresenta um comportamento combustível. Entretanto a versão estendida é muito mais segura;
  • resistência à umidade — é impermeável e muito resistente à umidade. Desse modo, pode servir também como impermeabilizador de estruturas. Não está sujeito ao mofo e ao acúmulo de ácaros;
  • resistência mecânica — o EPS apresenta uma baixa resistência mecânica superficial, desintegrando-se facilmente diante de atritos mais fortes. No entanto, é muito resistente ao impacto;
  • durabilidade — alta, pois não sofre a maioria dos processos de degeneração físicos e químicos.

3TC

O 3TC foi uma tecnologia desenvolvida pela NASA para trazer o máximo de isolamento para os astronautas nas estações especiais. No Espaço, as variações de temperatura são muito intensas, atingindo dezenas de graus Celsius durante o dia e temperaturas negativas à noite. Então, foi preciso desenvolver um material com excelente capacidade de bloqueio de todas as formas de transmissão de calor.

Assim, surgiu o 3TC, que é formado por um núcleo de EPS coberto por duas lâminas de polímero refletor. Desse modo, é capaz de devolver mais de 90% da radiação infravermelha para o meio externo e ainda impedir a propagação física do calor. Com isso, destaca-se em todos os critérios utilizados para avaliar um bom isolante:

  • condução — devido ao núcleo de EPS, é um dos materiais mais eficientes em relação ao bloqueio da transmissão do calor pelo contato e pode ser aplicado em diversas espessuras, o que aumenta o seu poder isolante;
  • convecção — é impermeável, permitindo uma vedação potente contra a convecção. Ademais, quando aplicados nas lajes e nos telhados, melhora a circulação de ar ao evitar o aquecimento excessivo das massas de gás próximas ao teto;
  • radiação — o 3TC conta com duas lâminas de polímeros refletores de alta eficiência, os quais podem bloquear cerca de 97% das ondas infravermelhas. Nenhum outro isolante disponível no mercado é tão eficiente;
  • isolamento acústico — o núcleo de EPS é um dos materiais com a melhor capacidade de abafar as ondas sonoras de todas as frequências, do grave ao agudo;
  • comportamento ao fogo — a manta 3TC é comprovadamente resistente ao fogo. Nós submetemos os produtos à certificação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Eles passaram por vários testes em conformidade com todas as normas de segurança. Nos galpões industriais, o risco de incêndio é elevado e, portanto, esse é um dos critérios de escolha mais importante. Para que você entenda o comportamento do 3TC ao fogo, disponibilizamos este conteúdo completo;
  • resistência à umidade — é impermeável e muito resistente à umidade. Desse modo, pode servir também como impermeabilizador de estruturas. Não está sujeito ao mofo e ao acúmulo de ácaros;
  • resistência mecânica — as lâminas de 3TC são altamente resistentes ao estresse mecânico de diversos tipos, como cortes, atritos e impactos. Dessa forma, oferecem uma proteção muito grande ao núcleo de EPS;
  • durabilidade — alta, pois todo o sistema é altamente resistente à maioria dos processos de degeneração físicos e químicos. Aqui, na 3TC, oferecemos 10 anos de garantia caso os clientes sigam todas as medidas de conservação.

Nos galpões, portanto, o 3TC se destaca. Aqui, na 3TC Isolamento, você vai encontrar o material em duas versões, as mantas e as placas. Assim, elas podem se adaptar às mais diferentes estruturas, como o teto, dutos de ar-condicionado, as paredes, na cobertura de equipamentos, entre outras.

Quais os benefícios do isolamento térmico para galpões?

Com isso, é possível obter benefícios em diversos pontos desde o financeiro até um melhor rendimento dos colaboradores e a conservação adequada dos insumos.

Conforto térmico

A Norma Regulamentadora 17 exige medidas de climatização para manter uma temperatura ambiental efetiva entre 20º e 23º Celsius. Já os parâmetros internacionais da ISO 9241 recomendam as seguintes:

  • durante o inverno, deve-se manter os termômetros entre 23º a 26º Celsius;
  • no verão, eles devem estar entre 20º a 24º Celsius.

É extremamente difícil manter essas faixas somente com o ar-condicionado, visto que isso demandaria um consumo muito grande de energia e aparelhos extremamente potentes. O isolamento térmico é imprescindível, ainda mais quando o material é capaz de reduzir todos os processos de transmissão de energia calorífica. Com isso, seus colaboradores poderão trabalhar em um clima muito mais ergonômico, conquistando o máximo de produtividade.

Conforto acústico

Outra medida muito importante para a ergonomia é o conforto acústico. A poluição sonora é um dos principais fatores de estresse psíquico no ambiente de trabalho. Além disso, alguns estudos a associam com doenças cardiovasculares e o aumento da pressão arterial.

Conservação do estoque

Os galpões são muito utilizados para o estoque de insumos e mercadorias. Em alguns casos, é preciso manter um controle rígido da temperatura para evitar a degradação do conteúdo armazenado. O isolamento térmico tem como objetivo aumentar a estabilidade da climatização, atuando juntamente com aparelhos de refrigeração e resfriamento.

Quando os materiais podem ser mantidos a temperatura ambiente, um bom isolamento dispensa o uso de equipamentos elétricos para a climatização.

Maior durabilidade de equipamentos

As máquinas com componentes eletrônicos são muito sensíveis ao calor. Por esse motivo, alguns sensores e processadores precisam ser mantidos a temperaturas amenas. Senão, pode haver a queima dos circuitos, causando a incapacitação permanente, ou uma queda da eficiência.

Economia de energia

O ar-condicionado é o principal vilão do consumo energético nas empresas. Estima-se que cerca de 50% do valor da conta de luz se deva a esses equipamentos. Com um isolante adequado, em muitos casos, é possível dispensar o uso deles. Quando isso não for possível, o 3TC ajuda a reduzir a necessidade de equipamentos de alta potência ligados na máxima capacidade.

Neste link, você pode calcular a melhoria da eficiência trazida pelo 3TC de acordo com o número de usuários do ambiente e o de equipamentos.

A 3TC é a empresa certa quando o assunto é o isolamento térmico para galpões. Nossos materiais são capazes de proteger todas as estruturas dessas construções: podem ser instaladas entre as telhas, acima ou baixo da laje, nas paredes, em contêineres, em divisórias internas, entre tantos outros locais. Nossa equipe é altamente experiente e já trabalhou em dezenas de projetos com diferentes escopos.

Quer saber mais como podemos ajudar o seu negócio a conquistar os melhores resultados em relação ao isolamento térmico? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

 

Análise de Resultado – Instalação de Isolamento Térmico

A 3TC Isolamento é uma empresa que tem compromisso com o resultado de sua tecnologia de manta térmica. Desta forma, buscamos sempre elaborar casos de clientes para demonstrar o resultado após a instalação de manta térmico isolamento térmico 3TC em um galpão. Independentemente do método de aplicação, conseguimos avaliar o resultado térmico e de ergonomia. Vale lembrar que seguimos metodologia indicada por órgãos reguladores competentes para cálculo de eficiência energética, bem como alguns métodos desenvolvidos pelo nosso corpo técnico.  Os métodos estão de acordo com as normas técnicas de cada especificidade: Acústica, térmica, ergonomia, etc. Nossa metodologia consiste em 3 etapas para análise de cada projeto e vamos apresentá-las a seguir.

Etapa 1: Análise Primária

Nesta etapa, a equipe técnica da 3TC Isolamento faz uma análise detalhada da estrutura de engenharia do local de instalação do isolamento térmico. Avalia-se as potenciais dificuldades, tais como acesso, altura de instalação, tipo de estrutura, obstáculos do local, necessidade de isolamento, característica bioclimática da região. Além disso, utilizamos de termômetro e câmera térmica para medir a temperatura de superfície do telhado, paredes e do chão do local. Para avaliar o conforto térmico e ergonomia, seguimos as diretrizes da NR-15. Desta forma, são utilizados aparelhos de medição de acordo com a norma técnica.

Etapa 2: Avaliação de Resultados

Após realizada a instalação do isolamento térmico 3TC Isolamento, uma nova medição térmica é feita. Portanto, mede-se os mesmos locais aferindo a temperatura pós instalação. Avalia-se a diferença tanto na análise térmica do telhado, paredes e do chão, bem como da ergonomia conforme a NR-15. Os dados são todos planilhados, lançados no sistema, e feita uma análise para averiguar as diferenças entre as medições térmicas antes e depois da instalação de isolamento térmico 3TC Isolamento.

Etapa 3: Emissão de Laudo Técnico

Depois de analisar, instalar e averiguar os resultados térmicos antes e depois da instalação de isolamento térmico 3TC, apresentamos o laudo ao cliente. Com os dados, vem a corroboração dos mesmos, com fotos, vídeos, e informações das medições realizadas. O impacto da instalação de isolamento térmico 3TC Isolamento é demonstrado em números, tanto do ponto de vista da engenharia como da ergonomia. Laudos ambientais e de segurança do trabalho são emitidos por empresas terceirizadas, mas a 3TC Isolamento possui parceria com a Exxcelência Soluções Empresariais, empresa especialista nesse tipo de serviço. O laudo completo da 3TC Isolamento inclui também características térmica e técnicas de acordo com as normas cabíveis para cada especificidade.

Case BioHosp – Instalação de Isolamento Térmico

A empresa BioHosp foi fundada em 1998. Sediada em Belo Horizonte, a empresa hoje com mais de 20 anos de mercado tornou-se uma das mais importantes distribuidoras de medicamentos e materiais médico-hospitalares do mercado brasileiro. Com a expansão dos negócios, foi instalada uma filial na capital do estado do Rio de Janeiro. Atuando em várias regiões do país, a empresa busca, cada vez mais atender suas demandas com segurança e rapidez.

Análise:

Esta é uma descrição da análise técnica referente à instalação e ao fornecimento do sistema de isolamento 3TC para o novo centro de logística da BioHosp situado no parque industrial em Contagem (MG). A cidade de Contagem está situada na região metropolitana de Belo Horizonte. O município, considerado o polo industrial desta região, fica situado em uma área que pode chegar à altas temperaturas durante o período de verão, conforme o gráfico abaixo retirado do site Weather Channel:

O gráfico acima demonstra a necessidade da utilização de sistemas de isolamento térmico nas estruturas de construção devido à média de temperatura da região. Estas condições climáticas fizeram a empresa BioHosp investir na tecnologia 3TC para climatizar todo o centro de logística. O investimento em um sistema de isolamento térmico teve como objetivo reduzir os impactos do calor nos materiais em estoque e atender com excelência todas as normas de segurança e regulamentação do setor. O investimento resultou em economia de energia e consequentemente impacto positivo em sustentabilidade com diminuição de resíduos além de proporcionar ainda mais conforto térmico para todos seus clientes e colaboradores.

Análise técnica:

A instalação do sistema de isolamento 3TC foi realizada abaixo da cobertura em uma área de 3600 m2 do novo centro de logística em Contagem. Para entendermos o funcionamento do sistema de isolamento 3TC devemos analisar como a transmissão de calor ocorre em coberturas. A transmissão de calor ocorre por 3 formas de transferência, condução, convecção e radiação.


Condu
ção – transferência de calor por meio do contato de materiais que conduzem calor. Há materiais que oferecem maior condutividade (como por exemplo, metais), e outros com menor condutividade (algumas cerâmicas, poliestireno expandido, fibra de vidro, etc).


Convecção
‐ transferência de calor por meio do movimento do ar e fluidos que levam calor à medida que se movimentam. A convecção pode ser natural (ar quente tende a subir, ar frio a descer, por exemplo), ou forçada (mediante aparelhos de climatização, ventiladores, etc).

Radiação (irradiação) ‐ transferência de calor por meio do transporte de calor por radiação eletromagnética. Esta é a forma pela qual o calor do sol chega até nós. Aproximadamente 93% do calor que chega no telhado vêm por meio da transferência de calor via irradiação solar. Com isso, o sol aquece o telhado e o telhado quente passa a transmitir grande parte desse calor para o ambiente interno por meio da radiação.

O sistema 3TC Isolamento é a única tecnologia no mercado que trabalha com o controle destas 3 formas de transferência de calor. Esta característica proporciona um desempenho térmico superior a outros isolantes disponíveis no mercado, como por exemplo: pintura com tinta refletiva, aplicação de poliuretano, forro de lã de vidro ou lã mineral.

Características Estruturais para a instalação de isolamento térmico:

A cobertura da área de instalação era composta por telhas metálicas que transmitiam calor excessivo para o ambiente interno. As telhas metálicas costumam chegar em temperaturas de até 75 graus ao ser expostas ao sol constante, tendo um ganho e perda de temperatura rápido. Isto acontece principalmente para a parte interna da construção, potencializando a transferência de calor, primariamente por meio da radiação.

A aplicação da tecnologia 3TC foi realizada de acordo com o manual de instalação da empresa fixando o produto nas terças. Desta forma a própria estrutura do galpão foi utilizada para fixação aumentando o aproveitamento do espaço interno, reduzindo o tempo de execução e gastos com estruturas adicionais. A instalação de isolamento térmico foi realizada em conjunto com outras obras estruturais na unidade que ocorreram simultaneamente. Entretanto, mesmo com este cronograma, a instalação foi realizada em apenas 20 dias. Atendendo assim as expectativas do cliente quanto ao prazo de execução do serviço.

 

Medições 

A equipe da 3TC realizou aferições de temperaturas de superfície, de conforto térmico, e ergonomia durante a execução da obra. Para isso, foram utilizados termômetros de alta precisão, câmera térmica e um medidor de stress térmico que mensura a variação térmica de bulbo seco, bulbo úmido e dentro do globo de acordo com os índices da NR-15 em conformidade com as normas de Segurança do Trabalho.

Com os instrumentos de medição, a equipe da 3TC realizou as seguintes medições de temperatura.

  • Temperatura Externa (Aplicativo Weather Chanel)
  • Diferença de temperatura entre o 3TC e o Telhado Metálico (Câmera Térmica)
  • Aferição de sensação térmica (Medidor de Stress Térmico TGD-200)

Resultados 

Antes da avaliação técnica e instalação do sistema de isolamento térmico 3TC, era possível perceber o desconforto térmico relatado por colaboradores e prestadores de serviço no local. Depois da instalação do sistema de isolamento 3TC o conforto térmico proporcionado pelo sistema foi nítido. A comparação das medições realizadas antes e após a aplicação do isolamento térmico 3TC mostra claramente uma melhora significativa na temperatura do ambiente.

As medições no local corroboram a percepção dos colaboradores. A comparação das medições realizadas antes e após a aplicação do isolamento térmico 3TC apresenta uma melhora significativa na temperatura do ambiente. O sistema de isolamento 3TC conseguiu reduzir significativamente a temperatura incidente da cobertura de 46,6 graus para 28,7 graus. A redução foi de 17,9 graus na superfície do telhado comparado a superfície após a instalação do sistema de isolamento 3TC.

As medições de acordo com a NR-15 também demonstraram uma melhora significativa. Os resultados das medições que comprovam a redução de temperatura e o conforto térmico proporcionado pelo sistema de isolamento 3TC pode ser utilizado como laudo trabalhista referente à ergonomia no ambiente de trabalho. Após a instalação do sistema houve um delta médio de diferença de 6,2 graus em sensação térmica.

Conclusão 

A instalação do sistema de isolamento 3TC alcançou todos os objetivos propostos, rapidez, eficiência e adaptabilidade:

  • Rapidez de instalação: A obra foi realizada dentro do cronograma proposto de 30 dias. A obra foi entregue em apenas 20 dias, obtendo uma média de instalação acima de 180m2 por dia.
  • Eficiência térmica: Os resultados obtidos demonstraram a qualidade do sistema que proporcionou uma redução de temperatura de 17,9 graus de superfície e obteve um delta de diferença de 6,2 graus em sensação térmica.
  • Versatilidade: A versatilidade do sistema 3TC permitiu que o produto fosse instalado utilizando apenas a estrutura existente no galpão. Desta forma o espaço de armazenamento foi otimizado e não houve custos adicionais com estruturas auxiliares.

Gostou da instalação e do resultado do 3TC Isolamento na Biohosp? Entre em contato conosco, e peça já seu orçamento! Atendemos todo o Brasil. Tenha já o melhor sistema de isolamento e manta térmica do mercado em sua loja, escritório, galpão, barracão.

Nos climas de verão e de primavera em países tropicais, as pessoas buscam soluções de como amenizar o calor o tempo todo. Afinal, as altas temperaturas se tornam desconfortáveis e, em alguns casos, insalubres. Isso compromete a saúde, o bem-estar e a produtividade das pessoas.

Felizmente, há diversas estratégias para reduzir o efeito das altas temperaturas nas edificações e, assim, melhorar o conforto térmico de seus usuários. Quer saber mais? Acompanhe!

Efeitos do excesso de calor e por que devemos amenizá-lo?

Quem viveu as últimas décadas já deve ter notado que a temperatura nas cidades fica cada vez mais alta, isso não é apenas uma impressão, realmente alguns fenômenos climáticos atuaram para deixar o clima ainda mais quente, como a impermeabilização do solo e as ilhas de calor.

As ilhas de calor ocorrem quando as cidades começam a perder seus espaços verdes, que são importantes reguladores térmicos. Além de impedir a incidência direta dos raios de sol, que aquecem o solo, as árvores apresentam processos fisiológicos capazes de mitigar o calor.

A transpiração traz vapores resfriados das camadas mais profundas do solo para a superfície, reduzindo a temperatura local. A fotossíntese pega parte da energia calorífica e transforma em energia química.

Soma-se a isso a impermeabilização do solo com materiais asfálticos, que refletem grande parte da radiação solar de volta para o meio. O solo natural, por sua vez, absorve grande parte dessa energia e a utiliza para controlar a umidade. Com isso, a energia calorífica se dissipa em outros processos em vez de aquecer o ambiente.

Tudo isso faz com que as cidades fiquem com uma temperatura média muito elevada em comparação ao seu entorno. Isso dificulta a circulação do ar, provocando as famosas ilhas de calor. Portanto, à medida que as plantas forem eliminadas das cidades, a tendência é que a temperatura só aumente.

No entanto, a correção desses problemas fica por conta do poder público ― que pode ser muito lento. Então, é imprescindível que você invista em estratégias dentro das suas construções, como a inserção de áreas verdes, a instalação de isolantes termoacústicos eficientes, entre outras.

Tudo isso tem um impacto econômico muito grande, pois o excesso de calor tem efeitos negativos em diversas áreas da vida e da atividade humana. Vamos falar mais disso a seguir!

Comprometimento da saúde

O nosso organismo necessita de uma regulação térmica muito eficiente, pois todos os processos somente ocorrem com eficiência em uma faixa estreita de temperatura interna ― entre 35º e 37º. Fora disso, ele interpreta que estamos sob risco e tomará medidas para regular a temperatura.

Para isso, temos diversos “termômetros” internos para analisar a temperatura do meio. Geralmente, eles ficam estáveis quando o ambiente está entre 20º e 28º. Assim, todos os nossos processos fisiológicos normais dão conta de manter a temperatura interna. No entanto, fora dessa faixa, eles enviam uma mensagem para o nosso cérebro de que há um risco eminente.

Então, diversas respostas começam a ser ativadas para manter a temperatura interna estável. No frio, as reações mais comuns são os calafrios. No excesso de calor, ocorrem a dilatação dos vasos sanguíneos da pele, o suor, a inquietação e a aceleração do ritmo da respiração. São tentativas do nosso corpo de dissipar a energia.

Então, quando uma pessoa fica mais agitada e desconcentrada por conta do calor, não é algo que ela possa controlar racionalmente. Diversos eventos hormonais e neurais estão afetando sua cognição.

Em casos mais graves, o excesso de calor pode causar desidratação grave e a hipertermia. Essas situações são extremamente perigosas para idosos, crianças e pessoas doentes, podendo levar ao óbito. Por essa razão, hospitais, escolas, creches e casas de repouso precisam ter um controle da temperatura ambiental muito severo.

No ambiente de trabalho, há efeitos igualmente negativos. De acordo com o Manual MSD para Profissionais de Saúde, os problemas causados pelo calor tem gerado uma alta taxa de adoecimento na população jovem e adulta nos Estados Unidos, como distúrbios musculares e neurológicos.

Um problema muito comum é a fadiga por calor, que ocorre após a realização de trabalhos pesados em um ambiente quente. Com isso, os colaboradores podem apresentar sinais de exaustão, aceleração dos batimentos cardíacos, respiração ofegante e tontura.

Portanto, o que temos percebido atualmente é um aumento do absenteísmo devido a patologias relacionadas ao calor. Assim, investir em regulação térmica se torna uma medida importante para reduzir custos com o afastamento do trabalho.

Desconforto

Entretanto, a situação mais comum gerada pelo calor é o desconforto. Como explicamos, os processos fisiológicos são incontroláveis pela pessoa e eles demandam que ela tome medidas para regular a temperatura. Assim, surge a sensação de desconforto de estar naquele ambiente.

O suor impregna na pele e na roupa, sendo preciso ficar abanando ou utilizar ventiladores para fazê-lo evaporar. A respiração acelerada gera uma sensação de ansiedade por um espaço aberto. Enfim, todo o nosso corpo nos convida a sair do local. Consequentemente, a nossa mente racional associa valores negativos àquela experiência.

Desse modo, uma empresa que não mantém um bom controle da temperatura apresenta um risco elevado de insatisfação dos colaboradores. Com isso, mesmo que o salário seja bom, eles podem considerar o ambiente insalubre e procurar outro empregador. Assim, sua empresa pode perder os melhores talentos.

Ademais, tudo isso compromete a sua relação com o cliente. Imerso em sensações negativas e em um senso de urgência para sair do local, as chances de ele fechar um negócio são mínimas, ainda que as condições sejam boas. Por isso, você precisa pensar na experiência do cliente de forma holística, incluindo as condições ambientais.

Menor produtividade

A produtividade humana está intimamente ligada às funções executivas da nossa cognição, como:

  • foco: capacidade de ignorar os estímulos externos e internos;
  • atenção: capacidade de perceber os mínimos detalhes de uma tarefa;
  • inteligência: capacidade de associar e interpretar dados para produzir informações novas;
  • resolução de problemas e planejamento: capacidade de reconhecer os recursos disponíveis para resolver desafios;
  • memória de trabalho: capacidade de reter informações a curto prazo para utilizá-las em tarefas, entre outras.

Diante do estímulo do calor, o nosso cérebro sequestra grande parte da energia disponível para tarefas e a direciona para os centros de regulação de temperatura. Afinal, ele está interpretando que a nossa sobrevivência está em risco. Então, as consequências para a produtividade são enormes:

  • uma menor atenção provoca mais erros e aumenta a necessidade de retrabalho;
  • a falta de foco e uma memória de trabalho reduzida aumentam o tempo de execução de uma tarefa;
  • a redução temporária da inteligência e do planejamento gera resultados medíocres.

Então, o conforto térmico não é apenas uma questão de deixar os colaboradores mais satisfeitos. Ele tem um impacto direto sobre a eficiência.

Inconformidade com a lei

Além disso, no Brasil, temos diversas regras de ergonomia no ambiente de trabalho que devem ser seguidas pelas empresas. Caso contrário, elas estão sujeitas a multas e outras penalidades. Para evitar isso, é importante seguir as recomendações das Normas Regulamentadoras da Secretaria do Trabalho e da Previdência.

A NR17 regula todo o trabalho que é realizado dentro de ambientes fechados, como escritórios, consultórios e manufaturas. Entre as medidas mais importantes, está a manutenção da temperatura efetiva entre 20º e 23º. Ou seja, não basta que o ar-condicionado esteja ligado nessa potência, é preciso que os termômetros registrem esse valor em todos os pontos do cômodo uniformemente.

Já as normas internacionais da ISO, essenciais para quem quer conquistar um selo de qualidade, recomendam que a temperatura efetiva esteja entre 20º e 24ºC no verão e entre 23º e 26ºC no inverno.

No entanto, em algumas atividades mais específicas, como manuseio de caldeiras e fornalhas, é difícil manter essa faixa. Por isso, a NR15 considera a temperatura ambiental para definir a insalubridade de um trabalho.

No caso de trabalhos contínuos leves, a temperatura não pode ultrapassar 30ºC. Já no caso de atividades moderadas, o limite é 26,7ºC e, nas pesadas, 25ºC. Em tarefas que apresentam um tempo de descanso, o teto de aceitação é maior.

Por exemplo, as atividades pesadas que alternam 15 minutos de ação com 45 minutos de descanso podem ser executadas em temperaturas entre 28º e 30ºC. Confira o anexo III da NR15 para conhecer todos os casos.

Diante disso, se você não mantiver um bom controle de temperatura, será preciso aumentar o tempo de descanso dos colaboradores. Senão, o trabalho será considerado insalubre com todas as repercussões para a folha de pagamento, indenizações e tempo de trabalho para aposentadoria.

Em qualquer situação, porém, é totalmente proibido o trabalho nas seguintes faixas de temperatura:

  • atividades leves: acima de 32,2ºC;
  • moderadas: acima de 31,1ºC;
  • pesadas: acima de 30ºC.

Nesses casos, é imprescindível investir em medidas de controle de temperatura. Senão, as operações deverão ser suspensas.

Redução da vida útil de equipamentos

Além de prejudicar a mão de obra humana, o excesso de calor é extremamente danoso para os equipamentos ― especialmente, os eletrônicos. Então, se você mantém computadores, servidores ou máquinas com controle computadorizado, é preciso controlar a temperatura a fim de aumentar a suas vidas úteis.

Afinal, esses equipamentos trabalham com circuitos elétricos muito sensíveis e processadores que geram muito calor. Quando eles atingem determinadas temperaturas, a peça literalmente queima e perde toda sua funcionalidade.

Como amenizar o calor das edificações sem ar-condicionado?

Na maioria das vezes, é possível manter a temperatura dos ambientes em níveis saudáveis sem a utilização de equipamentos de ar-condicionado. Para isso, é necessário aumentar a eficiência térmica da construção com técnicas arquitetônicas, uso de materiais adequados e isolantes térmicos.

Isso traz muita economia a longo prazo, mesmo que o investimento inicial seja mais alto. Afinal, o ar-condicionado é o principal vilão do consumo de energia elétrica em todas as empresas.

Criar áreas verdes internas e externas

Hoje em dia, a arquitetura verde tem ganhado muito espaço. Como explicamos acima, as plantas e a terra apresentam processos que ajudam na regulação da temperatura ambiente. Com as técnicas atuais, é possível criar áreas verdes mesmo em pisos sem contato com o solo.

Então, quando você implementa jardins internos, é possível reduzir, em alguns décimos, o calor interno. Outra medida interessante é a utilização de canteiros externos com árvores com copas maiores. Além dos benefícios acima, elas funcionam como uma barreira física para a incidência de raios solares sobre a construção.

Utilizar uma decoração mais clara

As cores escuras apresentam uma maior capacidade de absorção da radiação solar. Consequentemente, esses objetos se aquecem com mais facilidade e provocam o aumento da temperatura do ambiente. Já os claros refletem as ondas de calor e devolvem parte delas para o meio externo.

Assim, o ideal é que as fachadas, os telhados industriais e as paredes sejam todas pintadas de cores claras, preferencialmente, o branco.

Melhorar a ventilação do ambiente

Um dos processos relacionados à transmissão de calor é a convecção. A partir dela, o ar mais quente fica mais leve e é direcionado para cima. Por sua vez, o ar mais frio — mais denso — desce em direção ao piso. Isso garante o conforto de quem está nas estações de trabalho.

No entanto, quando não há a ventilação adequada, não há a vazão do ar quente para fora do ambiente e a temperatura fica cada vez mais alta. Por isso, o ambiente deve ser bem dimensionado nesse sentido.

As janelas devem ficar sempre mais altas para aproveitar o movimento natural do ar aquecido. Em indústrias e comércios, também pode ser necessária a instalação de exaustores no teto.

Todavia, neste caso, o telhado deve receber um bom sistema de isolamento para evitar que a radiação do sol aqueça o constantemente o ar mais alto, evitando que a convecção seja utilizada em benefício do conforto térmico. Assim, ela acaba se tornando também um vilão.

Ademais, a sensação individual de calor não está ligada somente à temperatura em si, mas também à ventilação. A circulação de ar permite que o suor evapore e reduza a temperatura corporal.

Investir em isolamento térmico

Por fim, não podemos deixar de falar de uma das medidas mais eficientes para o conforto térmico no design de interiores ― o isolamento térmico. Esses materiais são capazes de atuar sobre os processos de transmissão de energia calorífica e impedir que eles aqueçam a construção.

A grande vantagem é que ele não atua somente sobre o excesso de calor, mas mantém temperaturas agradáveis independentemente do clima. Por serem tão importantes, falaremos mais sobre eles mais adiante.

Cuidados com o corpo para amenizar altas temperaturas

Além das medidas ambientais, há outras ações essenciais para reduzir os efeitos do calor sobre o nosso corpo. Nesse sentido, todas as pessoas deverão tomá-las individualmente e o papel da gestão da empresa será oferecer todas as condições para os colaboradores as efetivem.

Roupas mais frescas

Caso sua empresa exija o uso de uniformes, é importante escolher tecidos adequados para o calor ambiental. Nesse caso, as malhas mais finas, feitas com fibras de algodão, são uma excelente opção.

Esse material absorve o suor e ajuda na evaporação dele. Devem-se evitar tecidos sintéticos pouco permeáveis, pois eles impedem a evaporação da transpiração e aumentam o desconforto. Em relação à cor, dê preferência aos tons claros, pois eles absorvem menos radiação.

Hidratação

A desidratação é a principal doença relacionada ao calor, sendo uma causa frequente de absenteísmo. Em locais quentes, a necessidade de hidratação pode chegar a 3 litros de água todos os dias. Por isso, é importante deixar bebedouros disponíveis em todos os locais de trabalho e fornecedor garrafinhas para que os colaboradores possam tomar líquidos durante a execução das tarefas.

Como proteger-se do clima em qualquer temperatura

Para compreender o funcionamento de um isolante térmico, é preciso também conhecer as diferentes formas de transmissão da energia calorífica:

  • condução: esse é o mais intuitivo para nós. Ocorre quando os objetos entram em contato físico e aquele com maior temperatura transfere energia para o de menor temperatura. Ocorre, por exemplo, quando o motor de um equipamento aquece o solo ao redor, quando as estruturas de uma construção transmitem a energia recebida do sol ou pelo contato das massas de ar com os edifícios;
  • convecção: o ar muda de volume rapidamente de acordo com a temperatura. Quando recebe calor, ele se expande e fica menos denso. Então, se direciona para cima. A massa de ar mais fria, por sua vez, vai para baixo;
  • radiação: esse processo acontece à distância, isto é, não é preciso que a fonte de calor esteja próxima aos objetos. Ela emana radiação infravermelha, que aumenta a agitação das partículas das estruturas, gerando um aumento de temperatura. O caso mais clássico é o aquecimento provocado pela radiação solar. No entanto, também pode ocorrer internamente devido às lâmpadas, fornos e aos motores.

Os isolantes térmicos são materiais ou equipamentos capazes de reduzir um ou mais desses três processos. Tudo dependerá do tipo escolhido. Falaremos dos principais a seguir.

Lã de vidro

Essa lã é fabricada a partir da sílica ― a mesma matéria-prima utilizada para o vidro. No entanto, ela passa por um processo de produção diferenciado em que é submetida a altas diferenças de pressão e temperatura. Com isso, é possível formar fibras altamente maleáveis, resistentes ao estresse mecânico e ao fogo.

Ela apresenta uma alta capacidade de impedir a condução de calor. No entanto, não atua sobre a radiação ― que representa 90% da energia calorífica que incide sobre uma construção. Por essa razão, é relativamente ineficiente em comparação a materiais mais modernos.

Lã de rocha

A lã de rocha é muito semelhante à lã de vidro tanto em relação às vantagens quanto as desvantagens. No entanto, a matéria-prima utilizada é a diábase, um tipo de pedra vulcânica, que é submetida a altas diferenças de temperatura e pressão.

Lã de PET

A lã de PET é diferente dos modelos anteriores, pois é fabricada com material plástico ― usualmente reciclado. Apresenta a desvantagem de não ser tão potente no combate ao fogo e também não age sobre a radiação.

Isopor

Conhecido tecnicamente como poliestireno expandido (EPS), foi um dos primeiros materiais a ser utilizado no isolamento térmico industrial, pois era barato e eficiente. No entanto, apresentava o inconveniente de ser combustível para o fogo. Desse modo, pode ajudar na propagação de incêndios.

Felizmente, nos últimos anos, foram desenvolvidos processos de fabricação muito eficientes. Com isso, foi possível criar EPS altamente resistentes ao fogo, suportando temperaturas superiores a 800ºC. Apesar de isso ter feito o preço subir, tornou o material uma opção viável para todo o tipo de projeto.

Espumas de poliuretano

As espumas de isolamento são um material muito polêmico. Afinal, estiveram envolvidas em vários acidentes, como o da Boate Kiss em Santa Catarina. Sem o tratamento adequado, elas entram rapidamente em combustão e liberam um gás muito tóxico.

Além desse problema importante, não são tão resistentes mecanicamente. Então, diante de qualquer atrito ou risco, podem se romper. Como todos os casos acima, também só age sobre os processos de condução de calor.

Foils

Os foils funcionam de forma bem diferente dos isolantes anteriores, pois não agem sobre a condução, e sim sobre a radiação. São capazes de refletir grande parte da radiação calorífica de volta para o meio externo, evitando que os raios solares aqueçam as estruturas da construção. Como não agem sobre os outros processos de transmissão, não são tão eficientes quanto poderia.

3TC

Essa é uma tecnologia desenvolvida pela NASA com a finalidade de proteger os astronautas das diversas variações de temperatura do espaço. Por exemplo, as roupas espaciais são feitas com mantas de 3TC.

Para conseguir a máxima eficiência, a NASA uniu os melhores materiais que atuam sobre a radiação e a condução. Então, desenvolve um processo em que eles são aplicados juntos, na mesma peça.

Desse modo, o 3TC apresenta um núcleo de EPS, responsável por reduzir a condução de calor ao passo que há duas lâminas metálicas capazes de refletir grande parte da radiação. Então, atua sobre dois processos de transmissão, conquistando mais eficiência. Ele é versátil e pode ser instalado como manta térmica para paredes, pisos e telhados.

Quando utilizada no teto de ambientes fechados, as placas e as mantas de 3TC apresentam um grande diferencial de atuar também sobre a convecção. Por reduzirem o contato da massa de ar com o calor externo, elas impedem o seu aquecimento. Com isso, o ar quente pode ser eliminado pelas janelas e exaustores enquanto o ar mais frio é direcionado ao solo.

Agora que você já sabe como amenizar o calor, não deixe de aplicar essas medidas quanto antes. Os benefícios são variados: os colaboradores ficam mais produtivos e mais satisfeitos, os equipamentos duram mais e os problemas com a legislação de ergonomia térmica são eliminados.

Quer saber tudo sobre o conforto térmico nas edificações? Então, não deixe de conferir nosso guia completo sobre o tema! Com ele, você aprenderá mais sobre os tipos de isolantes térmicos e as diferentes aplicações nos mais diversos tipos de projeto!

A construção no litoral apresenta diversos desafios. Afinal, nessas regiões, os edifícios estão sujeitos a mais riscos, como a maresia, ventos mais fortes e a maresia. Então, é preciso montar uma estrutura de proteção especial para evitar danos e a necessidade de reformas constantes.

Além disso, as altas temperaturas e a incidência do sol reduzem o conforto térmico dos ambientes interiores. Isso pode prejudicar a saúde e o bem―estar dos moradores. Quer saber como melhorar o seu projeto litorâneo? Acompanhe!

1. Quais são os cuidados essenciais em construções no litoral?

O sucesso de uma obra no litoral começa na escolha do terro e vai até a manutenção!

1.1 Terreno

Sem os cuidados adequados na hora de escolher um terreno, a construção no litoral pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça para o comprador. O primeiro passo para garantir o sucesso do seu projeto arquitetônico é exigir a apresentação de um estudo do solo, pois, em faixas litorâneas, podem haver solos muito úmidos e arenosos ― que são facilmente conformáveis.

Desse modo, é preciso fazer um projeto auxiliar para o adensamento do solo. Ele deverá ser executado com muita técnica, trazendo uniformidade em toda a área. Caso contrário, uma região pode ficar menos densa e mais permeável à água. Com o tempo, haverá um desnível entre dois pontos da construção ― o que compromete as estruturas, causando rachaduras, trincas e outras patologias.

Além disso, especialmente em locais mais ermos, é muito comum que não haja a infraestrutura de serviços necessários para uma família ou para um negócio. Por exemplo, pode não haver fornecimento de luz, de água encanada ou recolhimento de esgoto. Consequentemente, será preciso investir muito dinheiro para tornar o empreendimento viável.

Por exemplo, é necessário pagar altas taxas para a instalação de luz elétrica, construir poços para o consumo de água e investir em cisternas para o esgoto. Ou seja, os custos do projeto inicial podem dobrar somente para trazer uma infraestrutura mínima. Em alguns casos, como redes de internet e de telefonia, as operadoras não ofertam a instalação desse serviço nem mesmo mediante o pagamento de taxas elevadas.

Por fim, ainda há diversas questões legais nesses casos. A regulamentação e a legislação brasileira são bastante restritivas quanto ao uso do solo próximo a praias. Em geral, essas áreas são protegidas e é preciso pedir uma autorização da prefeitura para a construção. Nesses casos, as exigências podem ser tão grandes que tornam o projeto inviável.

Ademais, não deixe de conferir toda a documentação ― especialmente em regiões mais afastadas. Exija sempre a escritura e confira toda ela no cartório em que foi feito o registro. Afinal, a ação de grileiros é muito comum e você pode ocupar um terreno que pertencia a outra pessoa ou a União.

1.2 Estrutura de construção no litoral

Este certamente é o ponto de maior atenção, pois o clima das praias não permite o uso de qualquer material nas construções. Isso se deve a dois principais motivos: as altas variações de temperatura e a maresia.

No primeiro caso, pode haver mudanças bruscas de temperatura muito rapidamente. Isso provoca a dilatação e a retração das estruturas ― que podem desenvolver fissuras. Nesse caso, é importantíssimo escolher materiais com maior capacidade de resistir ao estresse mecânico.

O outro ponto importante é a maresia. As ondas do mar, quando se chocam, liberam partículas de água com sal para a atmosfera. Elas são levadas até as construções e se acumulam nos materiais. Essa é uma das razões por que os vidros em regiões litorâneas estão sempre úmidos.

No entanto, em contato com estruturas metálicas, o dano pode ser muito grande. O sal apresenta partículas com cargas elétricas capazes de interagir com metais oxidáveis na presença de água. Então, surge a ferrugem, cujos danos vão muito além da estética e atingem, também, a sustentação da casa. A maioria dos pilares e das lajes apresentam armaduras metálicas de aço comum, o qual é facilmente corrosível.

Nesse sentido, é imprescindível fazer um tratamento especial nas vigas com uma camada maior de concreto para a proteção da armadura ou com a aplicação de uma camada extra impermeável. O ideal é utilizar aditivos plastificantes de impermeabilização semiflexível. Nesse caso, as vigas devem estar sempre em locais protegidos da ação da radiação solar.

Caso você utilize telhas metálicas na construção, é importante também selecionar um material resistente à corrosão. Entre os mais utilizados, estão o Galvalume, o alumínio e o aço inox. Hoje em dia, eles podem ser integrados a sistemas de isolamento termoacústico, que compensam a baixa eficiência em bloqueio do calor.

1.3 Acabamentos

Aqui, é preciso estar muito atento sobre o efeito da maresia sobre os materiais. Como explicamos, os metais oxidáveis sofrerão com a ação contínua da umidade salina. Então, ficarão com a aparência enferrujada, comprometendo a estética dos acabamentos. Isso deve ser levado em consideração na hora da escolha de diversas peças, como:

  • janelas, portas e fechaduras;
  • pias e registros;
  • acessórios, entre outros.

Muitas pessoas acabam subestimando o poder da maresia. Afinal, é um vilão que ninguém vê. Aparentemente, o ar é normal ― exceto pelo cheio de praia. No entanto, microscopicamente, há partículas nocivas para as construções.

Além disso, a própria umidade aumentada também causa danos significativos. Por exemplo, pisos em madeira sem uma camada de impermeabilizante não lidam muito bem com a umidade alta das praias. Nesses casos, eles estufam e comprometem a estética dos pisos.

Por fim, não podemos deixar de falar do próprio clima. As zonas litorâneas estão mais sujeitas a chuvas intensas devido à maior umidade da atmosfera local e a ação de massas de ar marítimas. Portanto, é preciso reforçar a impermeabilização e reforçar as estruturas para resistir a ventos fortes.

1.4 Paisagismo em construção no litoral

O clima também oferece desafios importantes na hora de selecionar a vegetação utilizada para o paisagismo. A ação muito intensa do sol durante o dia exige que as plantas resistam à evaporação da água pelas folhas e sejam capazes de captar a umidade de regiões mais fundas do solo.

Além disso, a menos que você queira investir em um sistema automatizado, dê preferência a plantas que exijam uma menor frequência de irrigação. Também, as casas de praia podem ficar muitos meses fechadas sem nenhuma manutenção. Assim, é melhor escolher espécies que sobrevivem nessas condições.

1.5 Manutenção

O clima hostil e a areia tornam a manutenção das casas de praia mais complexa. Por essa razão, é imprescindível escolher materiais mais práticos para limpeza. Elas deverão apresentar uma maior resistência a riscos, pois pode ser necessário usar vassouras de cerdas rígidas ou jatos de água retirar os resíduos de areia.

Outro desafio é a manutenção da própria construção. A ação dos ventos pode causar danos significativos, especialmente no telhado. Se as telhas não forem bem fixadas, elas podem se soltar facilmente e, então, será preciso fazer trocas frequentes.

2. Quais são os materiais mais indicados para construção no litoral?

Há materiais que, por sua resistência à umidade e capacidade de isolamento térmico, são mais adequadas para o litoral. Conheça alguns deles nos tópicos a seguir.

2.1 Madeira

Não é todo o tipo de madeira que é adequado para a construção próxima à praia, pois há opções mais ou menos permeáveis. Por exemplo, o eucalipto é uma madeira extremamente permeável e absorve com facilidade a umidade. Então, dilata―se facilmente e perde a resistência no clima litorâneo.

Outra contraindicação são as madeiras de baixa densidade, independentemente da estrutura em que são aplicadas. O principal exemplo são os compensados. Elas apresentam uma porosidade maior e, portanto, alta permeabilidade.

Já madeiras mais maciças, como o ipê, a maçaranduba e a teca, são muito mais seguras. No entanto, devem receber o tratamento adequado com o lixamento da superfície e aplicação de resinas impermeáveis, como o verniz. Com isso, não se sujeitam aos danos estruturais causados pela umidade.

A grande vantagem da madeira é a sua maior capacidade de isolamento térmico, o que é essencial diante do calor das praias. Para ampliar o conforto, ela pode ser integrada a mantas térmicas com ação reflexiva da radiação solar nas áreas mais expostas.

2.2 Alumínio

O alumínio se apresenta como um dos principais metais para o uso em construções no litoral, pois é muito mais resistente à corrosão. Mesmo quando oxida, pode ser facilmente recuperado, pois, forma apenas uma fina camada de oxidação branca ― removível com uma lixa fina.

Ademais, é um material extremamente versátil. Ele pode ser pintado com diversos esmaltes sintéticos para melhorar a resistência e mudar sua aparência estética. Portanto, pode ser utilizado em diversos locais de uma construção, como as janelas, as maçanetas, entre outros.

No entanto, por ser muito maleável, não pode ser empregado em estruturas de sustentação, como as vigas e os pilares.

2.3. Aço inoxidável

O aço inoxidável é uma liga de ferro com a adição de carbono e cromo. Com isso, pode―se reduzir a interação com as moléculas de oxigênio que geram a ferrugem. Como apresenta uma excelente resistência mecânica, pode ser facilmente integrado às estruturas de sustentação tanto sozinho quanto com o concreto.

2.4. Galvalume

O Galvalume é um liga metálica constituída por zinco, alumínio e silício. Foi criada para aumentar a resistência desses metais à corrosão, sendo um dos materiais mais resistentes nesse sentido.

Por ser extremamente maleável, é utilizado principalmente na fabricação de telhas e chapas. Entretanto, está contraindicado nas estruturas de sustentação.

2.5. Concreto

O concreto é outro material muito importante para as construções litorâneas, pois pode ser utilizado para fabricar as mais diversas estruturas desde as vigas da fundação até as telhas. No entanto, há diferentes tipos de concreto no mercado e é importante estar atento à porosidade de cada opção. Quanto maior ela for, mais susceptível a estrutura estará à ação da umidade.

Assim, o concreto mais poroso pode ser utilizado em locais onde ele não está associado a estruturas metálicas, como as telhas. Entretanto, quando ligado a armaduras metálicas, será preciso protegê―las e, assim, o concreto deve ser o mais impermeável quanto possível. Para isso, eles podem ser associados a aditivos ou materiais impermeabilizantes. Falaremos mais deles a seguir.

2.6. Impermeabilizantes

Com o isolamento térmico, a impermeabilização é uma das ações mais importantes nas construções no litoral. Afinal, devido à maior umidade do ar e à maresia, as estruturas estão sob maior risco de danos químicos. Nesse sentido, é importante fazer um projeto detalhado. A seguir, explicaremos os principais tipos e sistemas.

Atualmente, existem três tipos de impermeabilização no mercado: a rígida a semiflexível e a flexível. Elas devem ser escolhidas de acordo com a exposição da superfície ao calor e ao estresse mecânico.

Rígida

A impermeabilização rígida geralmente é feita com o acréscimo de aditivos aos materiais tradicionais da construção, como o gesso, o cimento e a argamassa. Assim, diversos efeitos podem ser conquistados, como:

  • aumento da tensão superficial do material, fazendo com que a água seja repelida ao entrar em contato com a estrutura. Esse é o caso dos aditivos hidrofugantes;
  • redução da porosidade do material. Desse modo, as moléculas interagem mais fortemente entre si, impedindo a penetração da água.

No entanto, isso apresenta um lado negativo. Quando expostos à variação de calor, as estruturas ficam mais susceptíveis a fissuras, comprometendo a eficiência da impermeabilização. Desse modo, não podem ser utilizados em superfícies em contato direto com o sol.

Flexível

Esses impermeabilizantes são chamados de flexíveis, pois contam com maiores elasticidade e conformidade. Ou seja, quando as estruturas se dilatam devido à ação do calor, o impermeabilizante é capaz de se adaptar e proteger a superfície mesmo diante do surgimento de fissuras.

Eles funcionam de modo diferente das anteriores, pois não são aditivos aos aglomerantes da construção civil. Em vez disso, eles são aplicados em camadas sobre as superfícies já prontas. Nesse sentido, apresentam―se em dois subtipos principais, as mantas e as membranas.

As mantas devem ser aplicadas a quente para aderir às superfícies. Talvez, seja o tipo mais conhecido devido às mantas asfálticas ― um dos impermeabilizantes mais populares no mercado e que são utilizados nas vias rodoviárias.

Em espessuras menores e com armaduras especiais, podem ser empregados na construção civil para as áreas que entram em contato direto com o sol e necessitam de alta capacidade de vedação, como as lajes.

Já as membranas são instaladas a frio por diferentes processos. Devem ser aplicadas em diversas camadas a fim de apresentar a eficiência máxima. Por serem mais práticas, têm se tornado mais populares. Podem ser utilizadas em áreas externas, lajes etc.

Semiflexível

Por fim, temos o tipo semiflexível, que nada mais são do que aditivos que suportam uma maior variação de temperatura. Apesar dessa vantagem, ainda não podem ser utilizados em estruturas submetidas a uma dilatação térmica mais intensa. Entretanto, são opções mais seguras para reforçar a proteção de vigas e de fundações.

No litoral, portanto, a elaboração de um projeto de impermeabilização adequado é essencial para evitar os danos causados pela umidade.

3. Como garantir conforto térmico e isolamento na casa?

Por fim, vem o assunto mais importante quando falamos de construções no litoral ― o isolamento térmico. Ele é responsável por manter a qualidade das estruturas e trazer mais conforto aos usuários.

3.1 Isolamento térmico

O isolamento térmico é uma técnica utilizada para evitar as trocas de temperatura entre o meio interno e o externo. Desse modo, é possível manter uma temperatura estável dentro das construções no litoral e reduzir a dependência de equipamentos elétricos para a manutenção do conforto.

Esses materiais agem sobre um ou mais dos seguintes processos de transmissão de calor:

  • condução: ocorre quando dois materiais com temperaturas diferentes entram em contato físico. A energia do movimento das moléculas do mais quente é transmitida para o mais frio, aumentando os valores de temperatura. É o que ocorre quando um motor aquece a parede que está apoiado;
  • convecção: acontece devido à movimentação das massas de ar. Quando o ar é aquecido no solo, ele fica menos denso e é direcionado para cima. Por sua vez, a massa de ar mais fria é direcionada para baixo. Quando o telhado não é isolado termicamente, ele aquece constantemente as massas de ar superiores dentro do edifício e gera um fluxo de ar cada vez mais quente;
  • radiação: essa é a principal causa do aquecimento das estruturas de uma construção. As fontes de calor liberam ondas de energia que não dependem do contato físico para aquecer outros objetos. Ou seja, a transmissão de calor ocorre à distância. O principal exemplo nesse sentido é o sol. Por essa razão, cerca de 90% do calor absorvido por um edifício chega por meio da radiação.

A eficiência de um isolante depende diretamente de quão eficiente ele age sobre os três processos.

3.2. Sprays

Os sprays são feitos a partir de polímeros plásticos aplicados com bombas a jato. Assim, eles formam uma fina camada sobre as superfícies e podem impedir parte da condução de calor. Portanto, não agem sobre os processos de convecção e de radiação.

3.3. Espumas Expansivas (PU)

As espumas também são produzidas com polímeros plásticos, porém elas são pré-fabricadas. O principal material utilizado é o poliuretano, que já esteve envolvido em diversos incêndios devido à alta capacidade de combustão. Fique atento à ficha técnica do fabricante na hora de escolher essa tecnologia para sua construção no litoral.

3.5. Foils (Duralfoil)

Já os foils contam com uma ação bem diferente dos modelos anteriores, pois não agem sobre a condução, mas sobre a radiação. São lâminas altamente reflexivas que devolvem parte da radiação solar de volta para o meio ambiente. Isso impede que a energia seja transmitida para as estruturas da construção.

3.6. Mantas térmicas

As mantas térmicas podem ser feitas a partir de diversos materiais, cada qual com propriedades específicas. Em comum, eles apresentam uma maior flexibilidade e conformidade. A seguir falaremos dos principais tipos:

  • lã de vidro: fabricada a partir da sílica submetida a altas pressões, esse é um isolante fibroso com boa eficiência para bloquear processos de condução de calor, porém não atua na radiação;
  • lã de rocha: muito semelhante à anterior com a diferença de ser produzida a partir da diábase, uma rocha vulcânica;
  • Manta lã de PET: usualmente feita com garrafas recicladas, também só age sobre a condução de calor;
  • 3TC: além de um núcleo de poliestireno estendido maleável, que reduz grande parte da condução de calor, o 3 TC conta com duas camadas de lâmina reflexiva. Desse modo, pode atuar sobre todos os processos de transmissão de energia térmica. Por isso, falaremos dele, no final do post.

Por serem maleáveis, as mantas são utilizadas nas superfícies que exigem maior flexibilidade do material, como as quinas dos pisos e das paredes.

3.7. Placas térmicas

As placas térmicas costumam ser fabricadas com os mesmos apresentados acima. A grande diferença está nas técnicas de produção. Aqui, há um adensamento muito maior dos materiais ou um aumento na espessura. Com isso, se formam estruturas rígidas. São essenciais para regiões que não podem oferecer sustentação para as mantas ou que precisam de um reforço, que é o caso de construção no litoral.

3.8. O 3TC

O 3TC é baseado nas tecnologias desenvolvidas pela NASA para os trajes espaciais dos astronautas, uma vez que o Espaço está sujeito a amplas variações de energia. Seu principal diferencial é atuar sobre os três processos de transmissão de calor.

O seu núcleo de poliestireno estendido é altamente eficiente para impedir a condução de calor. Então, toda a energia vinda do contato com as massas de ar e com o solo pode ser mitigada.

Já as lâminas refletivas são capazes de devolver mais de 90% da energia solar para o meio ambiente e impedir que ela aqueça a construção. Com isso, temos um sistema completo de isolamento com a máxima eficiência.

Outro grande benefício desse sistema de isolamento térmico é que ele permite a utilização de outras técnicas construtivas que não eram tão eficientes para as regiões litorâneas. Por exemplo, as telhas metálicas seriam as opções ideais para evitar que as peças se soltem com a ação do vento, uma vez que elas são pregadas diretamente nas terças.

Contudo, elas transmitiam todo o calor da radiação solar para o ambiente interno. Com o isolamento, esse problema é eliminado, visto que as mantas podem ser integradas às telhas e trazer a máxima eficiência térmica para o ambiente.

Ademais, o 3TC é um material totalmente impermeável e pode reforçar ― ou mesmo substituir ― os sistemas de impermeabilização necessários para as construções litorâneas. Por conseguinte, ao utilizá-lo, você garante o conforto térmico mesmo diante do calor mais intenso e protege sua construção contra os potenciais danos ambientais.

Portanto, o sucesso da sua construção no litoral depende da escolha dos materiais e dos métodos construtivos certos. É imprescindível investir bastante a fim de prevenir os mais diversos riscos, como ventos fortes, temperaturas elevadas e alta umidade. Assim, é possível manter o conforto térmico e aumentar a vida útil de cada estrutura.

Você conhecia todos esses cuidados essenciais para as construções no litoral? Não?! Provavelmente muita gente também não conhece! Então, não deixe de compartilhar nosso post nas redes sociais!