O comportamento ao fogo de um revestimento é um dos critérios mais importantes para uma obra. Afinal, há inúmeras normas técnicas que exigem a segurança contra incêndio, nos mais diversos tipos de construção.

Nenhuma empresa quer ser associada a eventos fatídicos com possibilidade de ferimentos e óbitos. A segurança ao incêndio é um fator crucial e indispensável na escolha correta de materiais de acabamento e revestimento. Por isso, é importante que você conheça a resistência dos isolantes térmicos utilizados nos seus projetos. Durante o projeto, é preciso escolher produtos que atendam as normas de segurança e tenham certificação de laboratórios especializados na área.

A tecnologia 3TC atende todas as normas nacionais e internacionais relacionadas ao comportamento ao fogo, incluindo a instrução técnica do Corpo de Bombeiros IT 10/2011, sendo certificada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP) como material que não propaga fogo com a classificação II-A0.

Quer saber mais sobre as classificações de comportamento ao fogo dos materiais de revestimento para o seu projeto e sobre a proteção trazida pelos produtos da 3TC? Então, acompanhe a leitura!

O que são materiais não combustíveis, semi-combustíveis, e retardantes/não propagantes?

Muitas pessoas se confundem com as classificações de materiais no que tange o comportamento ao fogo.

Os materiais não-combustíveis ou incombustíveis são aqueles que, quando submetidos a uma fonte de combustão, não se deformam excessivamente, não apresentam derretimento e não produzem grande emissão de fumaça e gases. Estes materiais geralmente são inorgânicos. Tais como: concreto, tijolo, cobertura para telhado, placa de amianto, aço, alumínio, vidro, argamassas e outros similares. Dessa forma, estes materiais são considerados estruturais.

Os materiais semi-combustíveis são aqueles que, apresentam pouco desenvolvimento de chamas, fumaça ou gases durante o processo de combustão. Similares aos materiais não combustíveis, os materiais semi-combustíveis também não apresentam grandes deformações ou derretimentos. Materiais como painéis de gesso e os revestimentos metálicos que contêm quantidade mínima de madeira, papel ou plástico podem ser enquadrados nesta categoria.

Os materiais retardantes ao fogo ou não propagante à chamas são aqueles que, possuem tratamentos químicos para melhorar suas características de reação ao fogo, ou aqueles protegidos com superfícies incombustíveis ou com produtos que apresentem dificuldade de queima, quando expostos a um processo de combustão. Estes materiais apresentam pequenas deformações e derretimento quando expostos a combustão, podendo pegar fogo em parte do material até que as chamas sejam controladas, extinguidas e dissipadas, não representando assim riscos à segurança. Os materiais de revestimento e isolamento térmico e acústico devem se enquadrar nesta categoria para serem certificados e assim poderem ser utilizados com segurança em projetos construtivos.

Como ocorrem os incêndios?

 Os incêndios podem ser categorizados em por três etapas: a etapa inicial (primeira fase), a etapa de inflamação (segunda fase) e a etapa de extinção/dissipação (terceira fase).

Na fase inicial, o incêndio está restrito apenas a um foco. Este foco é identificado pelo primeiro material que tenha sofrido o processo de ignição e pelos possíveis materiais ao redor. Nesta fase a temperatura do ambiente aumenta gradualmente. A seguir, tem-se a fase da inflamação ou queima generalizada, caracterizada pelo envolvimento de grande parte do(s) material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente. A temperatura aumenta drasticamente, não sendo possível assim a sobrevivência humana no recinto. A fase de extinção/dissipação ocorre quando grande parte do material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente já foi consumido e a temperatura entra em decréscimo.

Uma vez que o material que esteja em contato com a fonte de ignição das chamas se decomponha pelo calor, gases que sofrem ignição serão liberados. Assim que a ignição é estabelecida, o(s) material(s) alimenta(m) a combustão, liberando gases/fumaça e desenvolvendo calor. Dessa forma o ambiente, então, sofrerá uma elevação gradativa de temperatura, e fumaça e gases quentes serão acumulados no teto.

Através das 3 formas de transferência de calor, condução, radiação e convecção, poderá ocorrer a propagação do fogo para materiais combustíveis que estejam nas adjacências do local.

Cabe ressaltar que a maioria dos incêndios ocorre a partir de uma fonte de ignição nos materiais contidos no edifício como papéis, móveis, cortinas, e não nos materiais incorporados ao sistema construtivo, como materiais de revestimento e isolantes térmicos.

Quem determina o desempenho dos produtos?

 Para se certificar de que determinado produto é não propagante a chamas, resistente ao fogo, é necessária uma série de testes em laboratórios confiáveis. Os materiais são submetidos a condições que simulam um incêndio. Se resistirem à combustão, são considerados à prova de fogo. A determinação do desempenho dos produtos é aferida por normas nacionais como as normas NBR ABNT 16626, NBR 9442, NBR11948, e internacionais como a norma ASTM E 662 e ASTM E 84. Além disso existe a normativa do Corpo de Bombeiros com instrução técnica para controle de materiais de acabamento e de revestimento. Portanto, os materiais de revestimento devem atender todas as normas e instruções dos órgãos vigentes para que, na ocorrência de incêndio, restrinjam a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça.

Porque existem classificações de comportamento ao fogo e como elas são elaboradas?

 A classificação dos materiais que são utilizados como revestimentos e/ou acabamentos existem para se providenciar a segurança contra incêndio. A proteção contra o risco do crescimento e da propagação do incêndio, contra o risco à vida humana e à propriedade, são mensuradas por meio dessas classificações que garantem a eficácia do Sistema Global de Segurança contra Incêndio

Estas classificações são elaboradas utilizando os índices estabelecidos nas normas recomendadas para avaliar a Reação ao Fogo onde os índices são categorizados em letras, de A ao E, e em subdivisões com numerais I e II — sendo A o mais seguro e o E o menos seguro.

Qual classificação um produto deve ter para ser considerado seguro?

 Os materiais com mais qualidade e que apresentam maior segurança em relação ao comportamento ao fogo recebem classificação I-A e II-A. Materiais de revestimento e isolantes térmicos considerados não propagadores de chamas devem necessariamente obter classificação A para poderem ser utilizados com segurança. Contudo, existem empresas que vendem produtos para o mesmo segmento com classificações diferente, por exemplos, mantas com classificação A e outras com classificação E. Considerar a utilização de materiais com classificação inferior a classe A ou não resistentes ao fogo coloca em risco a segurança de toda a estrutura. Para não se confundir ou utilizar um produto que não é adequado ao projeto é importante solicitar laudos de reação ao fogo aos fornecedores, a fim de ter certeza da classificação final do produto.

Quais os testes de comportamento ao fogo foram feitos na manta térmica 3TC?

A 3TC testou os materiais com uma das referências em segurança contra fogo e explosões. Trata-se do Centro Tecnológico do Ambiente Construído, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, mais conhecido pela sigla CETAC-IPT. A instituição segue as principais regras internacionais de padronização e a legislação nacional referente ao assunto.

Os ensaios técnicos seguem metodologias internacionais para determinar os índices de propagação de fogo, densidade de fumaça, toxidade, desprendimento de partículas, etc.

A tecnologia 3TC foi submetido aos métodos de ensaio:

– BS EN ISO 13823: 2002 – Reaction to fire tests for building products – Building products excluding floorings exposed to the thermal attack by a single burning item.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-109 – “Ensaios de reação ao fogo – Produtos utilizados em construção civil, exceto pisos. Método SBI”.

– BS EN ISO 11925-2:2010 – Reaction to fire tests – Ignitability of building products subjected to direct impingement of flame – Part 2: Single-flame source test.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-107 – “Ensaios de reação ao fogo – Ignitabilidade de produtos utilizados na construção civil sujeitos ao contato direto com chama – BS EN ISO 11925-2: 2010”.

– ABNT NBR 16626: 2017 – Classificação da reação ao fogo de produtos da construção.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-188 – “Classificação dos materiais de acabamento e revestimento empregados nas edificações”.

Os índices obtidos por estes ensaios são utilizados como referência para classificação do Corpo de Bombeiros no âmbito do controle de materiais de acabamento e revestimento.

Como foi o comportamento ao fogo dos materiais da 3TC?

 De acordo com o laudo do IPT, a tecnologia 3TC classifica-se como II-A de acordo com a Instrução Técnica nº 10 do Decreto Estadual de São Paulo nº 63.911 e como II-A-d0 conforme a norma ABNT NBR 16626.

CLIQUE AQUI ACESSE O LAUDO COMPLETO

Nos testes de ignição, nenhuma das bordas do material enviado entrou em ignição, mostrando a sua resistência ao fogo. Não ocorreu o gotejamento das partículas em chamas e foi verificada a retração do material durante a aplicação da chama do queimador.

Em relação ao teste BS EN ISO 11925-2, o material se mostrou incombustível, não liberou uma quantidade significativa de fumaça e não apresentou gotejamento. Desse modo, duas avaliações convergiram para a segurança do material diante do fogo.

Portanto, ao escolher produtos da 3TC, além de ter um excelente isolamento térmico, você poderá ter a segurança sobre o comportamento ao fogo. Nossos materiais foram submetidos aos principais testes de segurança e foram devidamente aprovados!

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua empresa? Então, entre em contato conosco!

Quando o assunto é indústria, um dos termos que mais se ouve falar no ramo é a eficiência industrial. Toda organização deseja trazer ao máximo de eficiência para os seus processos, resultando em produtividade, lucro e o crescimento da empresa.

Muitas vezes, essa conquista vem por meio de um investimento em inovação e na modernização de equipamentos, ferramentas e, também, da mão de obra. Todos esses fatores contribuem e impactam bastante na eficiência industrial, juntamente de uma implementação de uma boa prática de gestão de recursos e acompanhamento de alta performance.

Em muitos casos, mesmo quando a indústria está sendo bem gerenciada, existem casos de desperdício de tempo, recursos, materiais, entre outros. Portanto, é muito importante que os responsáveis por uma indústria estejam sempre atentos, de modo a aplicar práticas que favoreçam o negócio, aumentem a gestão da eficiência e, consequentemente, o desempenho industrial.

Para entender um pouco mais sobre o assunto, preparamos para você um conteúdo super completo, falando tudo sobre a eficiência industrial, a sua importância para o mercado, bem como as principais formas para conseguir alcançar essa eficiência e os benefícios que essas práticas podem trazer para a sua fábrica. Vamos lá?

1. O que é a eficiência industrial?

Primeiramente, é importante destacar o que é a eficiência industrial. Esse parâmetro é o que define o quão bem uma fábrica está operando quando em produção. O seu principal objetivo é evitar desperdícios nas empresas, prejuízos financeiros e atraso nos processos de fabricação, afinal é necessário que eles tenham o máximo de eficiência.

Quando se fala de eficiência, o principal foco que está sendo tratado é a competência e a realização dos processos da maneira correta. Qualquer fábrica no ramo industrial tem a intenção de obter sucesso em seu segmento de atuação e, por isso, elas buscam a eficiência.

A eficiência industrial pode ser vista como uma preocupação vinculada à otimização de processos, considerando tudo o que a empresa produz, divulga e vende. O foco dessa eficiência é voltado para a qualidade e produtividade no ambiente de uma indústria.

Esse aspecto não é uma habilidade natural ou algo que se tem da noite para o dia. A eficiência é um aspecto desenvolvido ao longo do tempo, quando há comprometimento, organização e criatividade da empresa.

Porém, é necessário analisar todo o contexto em que a indústria está inserida, considerando os fatores internos, de organização, monitoramento e cronogramas da fábrica, bem como os fatores externos, como o espaço físico da indústria, se o ambiente está adequado para o fluxo de trabalho que ele recebe, se traz conforto para os trabalhadores, etc.

2. Qual a importância da eficiência industrial?

O setor industrial é um dos maiores do país, que impacta muito na economia e também é responsável por um consumo muito grande de energia e também e mão de obra. Para um bom funcionamento do fluxo de trabalho, assim como o bem-estar dos trabalhadores e a produtividade, é necessário prezar pela eficiência na indústria.

Portanto, é muito importante que a empresa faça investimentos em práticas que melhorem essa eficiência, os resultados serão sempre satisfatórios. Fique atento à linha de produção e faça a otimização de processos relacionados a ela, visto que isso impacta bastante para uma melhor eficiência.

3. Como aumentar a eficiência industrial?

Agora, para melhor essa eficiência industrial na sua empresa, existem alguns passos que se colocados em prática, podem trazer bons resultados.

3.1. Faça um bom planejamento

O primeiro passo de todos é fazer um bom planejamento. Você deve fazer uma análise bem ampla sobre a sua fábrica, verificando todos os setores, como eles estão funcionando e o que pode ser melhorado. Tome nota sobre todos os detalhes, pois em muitos casos, a perfeição mora nos detalhes.

Durante esse planejamento, é necessário que seja analisado também o funcionamento do ambiente de trabalho, se há algo que atrapalhe a produtividade e desempenho dos funcionários. Muitas vezes esse aspecto está ligado ao conforto do espaço e a ergonomia no trabalho.

Depois de tomar nota sobre tudo o que precisa ser alterado, se planeje financeiramente para realizar essas mudanças. Em muitos casos é preciso fazer um investimento em fatores que tragam essa eficiência industrial e melhore o desempenho da fábrica.

Mesmo que seja necessário fazer esse investimento, pense no custo-benefício. Quando se tem uma eficiência industrial, o resultado é sempre a redução de gastos, melhora na produtividade e lucratividade, dentre outros fatores. Então, de certa forma, o retorno após esse investimento será muito bom, fazendo valer muito à pena essas mudanças em prol da eficiência industrial.

3.2. Ofereça boas condições para o trabalho

As condições ergométricas de trabalho impactam bastante na produtividade dos funcionários em uma fábrica, visto que situações de desconforto e que impactam no bem-estar dos trabalhadores impedem com que eles desempenhem suas funções com todo o seu comprometimento.

Por exemplo, um ambiente industrial que não tem uma boa iluminação, interfere bastante nas atividades exercidas ali, já que a falta de luz faz as pessoas forçarem a visão e também compromete a concentração dos trabalhadores.

Portanto, é importante sempre pensar em um bom projeto luminotécnico, onde o foco é o bem-estar dos funcionários, com a iluminação necessária para que eles exerçam suas atividades. As lâmpadas devem ter uma iluminância adequada e que seja bastante ampla para todo o espaço de trabalho.

Outro aspecto que interfere muito nas condições de trabalho no chão de fábrica é a transferência de calor provocada por máquinas ou equipamentos. Quando você trabalha em um ambiente com a temperatura desregulada, com certeza o desempenho e a produtividade serão comprometidos.

Sendo assim, é importante pensar em formas de isolar essas máquinas e equipamentos que transmitem calor, para que elas não tragam impactos para a temperatura de um ambiente. Hoje em dia no mercado existem muitos tipos de isolantes térmicos que contribuem bastante para impedir que essas ferramentas de trabalho transfiram calor para dentro dos espaços onde elas estão localizadas.

Os ruídos também atrapalham bastante no desempenho e produtividade no espaço, portanto também é necessário pensar um algum tipo de isolamento acústico. Muito barulho provoca perda de concentração, aumentam o stress no ambiente e os funcionários ficam mais agitados. Sem contar que ruídos muito altos em excesso acabam prejudicando a audição das pessoas.

De um modo geral, é importante também que independentemente do segmento de trabalho que a sua indústria exerça, faz-se necessário disponibilizar para todos os trabalhadores o EPIs adequados para o tipo de função que ele trabalha. Desde roupas, óculos de proteção e, até mesmo, capacetes e protetores auriculares.

Tendo um espaço confortável e agradável para se trabalhar, bem como equipamentos de proteção que garantam a integridade física, a segurança e a saúde do trabalhador, os resultados serão uma fábrica que preza pela eficiência industrial. Uma vez que todos esses aspectos sobre as condições de trabalho interferem diretamente no desempenho e produtividade de uma empresa.

3.3. Estabeleça metas de produção

Também é muito importante que a indústria trabalhe com metas, pois tendo esse foco na produção fica muito mais fácil aumentar a eficiência e também ter a lucratividade desejada. Uma empresa que trabalha com metas tem muito mais organização e controle do que está sendo feito.

Comece essa tarefa estabelecendo quais são os períodos de maior saída da produção. Isso porque, independentemente do seu produto ou serviço, sempre vai ter uma época do ano em que ele vai estar mais em alta e com mais procura por parte dos clientes. Porém, em vários casos, como a indústria da construção civil, por exemplo, a demanda por materiais é sempre durante o ano todo.

Sendo assim, faça essas metas de acordo com o seu tipo de produção. Estabeleça esses objetivos de uma forma mais focada, como metas para dias e semanas de produção, bem como para uma visão mais ampla no futuro, com metas mensais, semestrais e até mesmo anuais.

Quando o trabalho é feito para garantir que essas metas sejam alcançadas, a produção aumenta bastante, o que gera também uma eficiência industrial adequada para a fábrica. Portanto, faça uma análise completa sobre todos os setores da sua indústria, principalmente a produção, para saber quais tipos de metas você pode estabelecer para o fluxo de trabalho.

3.4. Use água e energia de maneira consciente

Muito tem se falado atualmente sobre a importância da sustentabilidade, a preocupação com reduzir ao máximo o impacto que as indústrias trazem para o meio ambiente. É muito importante sempre trazer práticas e projetos que tenham esse objetivo de reduzir esse impacto negativo e trazer a preservação dos recursos naturais.

Essas práticas podem começar com o uso consciente da água e da energia. Esses dois recursos são disponibilizados pelo meio ambiente, e o consumo exagerado deles compromete bastante o planeta, se for considerada uma escala geral das indústrias — o que interfere também na eficiência industrial.

Portanto, tente economizar no gasto com energia, utilize sempre as máquinas e equipamentos que consomem menos desse recurso, mas que não atrapalhem a sua produção. Faça uma revisão nas suas instalações elétricas, pois se houver algum defeito na fiação, o gasto com energia vai ser desregular e você acaba consumindo bem mais do que o realmente necessário para as atividades da fábrica.

Com relação à água, o consumo também deve ser muito consciente para evitar ao máximo os desperdícios. Utilize apenas o necessário desse recurso para as atividades da sua empresa. Fique atento ao registro e as tubulações, por qualquer vazamento pode interferir bastante no seu gasto com água.

Você pode investir em algum projeto de captação de água da chuva. Essa alternativa pode ser bastante benéfica, pois você aproveitará da água em períodos chuvosos, reduzindo ainda mais o consumo desse recurso.

Ficando atento a esses fatores e consumindo a água e a energia de forma consciente, você vai conseguir bons resultados e também reduzir custos, pois terá uma redução considerável no valor das contas de água e de luz, e isso de certa forma, é uma vantagem muito grande para a sua indústria e favorece a eficiência industrial como um todo.

3.5. Opte por soluções renováveis

Para ter uma boa eficiência industrial, é importante pensar também no uso de soluções renováveis, visto que isso também é uma maneira de contribuir para sustentabilidade e reduzir os impactos que são causados no meio ambiente, como foi citado no tópico anterior.

As fontes energéticas mais utilizadas atualmente trazem muito impacto negativo para o meio ambiente, já que elas são retiradas diretamente da natureza, como o petróleo, as hidrelétricas, entre outros.

Por isso, sempre temos que pensar em maneiras de usar de fontes renováveis, que provoca perdas ambientais quando são utilizadas. A energia solar e eólica são exemplos muito bons disso. Você pode apostar em placas de energia solar em sua indústria, para minimizar o uso de energias não renováveis, e de certa forma contribuir para a preservação do meio ambiente.

3.6. Aposte na tecnologia

Nos dias de hoje, podemos contar com a tecnologia como um grande recurso que vem para facilitar diversas atividades do nosso cotidiano.Ela pode ser aplicada também para aumentar a eficiência na indústria, por conta de diversas ferramentas e softwares que servem para melhorar a gestão da produção industrial.

Em muitos casos, quando a produção toma proporções demasiadamente grandes, percebe-se que o número de variáveis aumenta bastante e a gestão fica bastante complexa, até mesmo para quem já está acostumado com o ritmo de trabalho em um chão de fábrica e tem experiência no assunto.

Quando isso acontece é necessário fazer uma análise manual e mais detalhada. Portanto, a tecnologia é uma excelente ferramenta para evitar problemas desse tipo, em que o foco é na produtividade e eficiência industrial.

Existem diversos programas que podem ser utilizados que estão associados a essa automação industrial, que tornam possível a detecção de problemas durante o fluxo de trabalho e facilitam a procura por uma solução. Eles podem ser amplamente utilizados em diversas operações, determinando bons prazos para a produção.

Algumas ferramentas lidam com o cálculo das variáveis durante a produção, considerando os períodos em que os equipamentos de fato produziram na fábrica.

Esse cálculo é feito com base nos períodos planejados, realizando uma comparação com a velocidade real da produção com a que foi idealizada, bem como o índice de qualidades dos produtos relacionados com tudo o que foi produzido.

Portanto, pode-se notar que a tecnologia veio também para facilitar a vida em uma fábrica, e ela deve ser amplamente utilizada com finalidade de aumentar a eficiência na indústria.

3.7. Outros meios de aumentar a eficiência

Existem também meios bastante tradicionais de se aumentar a eficiência industrial, como a gestão de ativos encontrada na NBR ISO 55000. Essa norma se trata de um fluxograma para tomada de decisões sobre ativos, bem como equipamentos utilizados na fábrica, que considera a vida útil e a caducidade, independentemente se for por idade ou até mesmo obsolescência.

Essa gestão de ativos feita pela maximização dos períodos funcionais na fábrica é denominada MPT, Manutenção da Produtividade Total. Ela traz as manutenções preventivas e corretivas, bem como a preditiva, sendo muito eficaz para a conservação dos equipamentos.

Quando os meios oferecidos pela NBR são realizados corretamente, é possível detectar tendências e defeitos enquanto ainda não incipientes, virtualmente inaudíveis ou indetectáveis pelos profissionais responsáveis.

Essa manutenção pode ser programada antecipadamente, de forma a reduzir os impactos sob a produção da fábrica e também os prazos estipulados. O resultado disso é uma melhora considerável na eficiência industrial.

4. Qual a importância de ter uma temperatura de ambiente adequada para a eficiência da produção?

Como foi falado em um dos tópicos anteriores, é necessário proporcionar boas condições de trabalho dentro de uma fábrica. Uma dessas formas está ligada a temperatura do ambiente e como ela pode impactar diretamente na produtividade e desempenhos dos funcionários, resultando na eficiência da indústria.

Quando se trabalha em um local muito quente, isso pode comprometer bastante o humor, a disposição e até mesmo a segurança dos funcionários. Isso além de ser prejudicial para saúde traz impactos negativos para a empresa. Isso também vale quando o assunto é as temperaturas muito baixas.

A empresa deve investir em soluções que proporcionem um ambiente agradável para todos trabalharem. Afinal de contas, existem muitos equipamentos e máquinas que, durante o seu funcionamento, aquecem bastante e se torna até perigoso para o funcionário manusear e trabalhar com elas.

Você pode apostar em diversos tipos de isolantes, mas deve sempre ficar atento aos meios de transmissão de calor que as máquinas trabalham, pois, muitas vezes, o tipo de material que você está utilizando não será suficiente para o isolamento térmico naquele determinado espaço.

E foi pensando exatamente nisso que a nossa empresa criou o tipo de isolamento 3TC, que trabalha para combater os 3 tipos de transmissão de calor: condução, por meio de fluidos e materiais, convecção, por gases, vapores e infiltração e ar, e a radiação, que vem de raios infravermelhos.

Como os tipos de isolamento tradicionais conseguem impedir apenas a transmissão de calor por condução, nunca é feito um isolamento completo, visto que esse tipo de transmissão corresponde a apenas 10% do calor em construções, e muitas vezes não oferecem o conforto térmico necessário.

Você pode utilizar também em tipos de exaustores que tragam mais conforto e ajudam a resolver o problema do calor no chão de fábrica. Porém, o essencial é investir em um projeto de isolamento térmico industrial completo, que capte as 3 transmissões de calor, proporcionando um conforto muito maior no ambiente de trabalho e impedindo que as máquinas e equipamentos alterem a temperatura do local quando estiverem em funcionamento.

5. Como calcular a eficiência industrial?

Existe um conceito criado por Seiichi Nakajima que visa aumentar a eficiência de qualquer produção, e ela traz três pilares para boas práticas produtivas, onde é feita uma avaliação da produção da empresa, das máquinas em funcionamento e também das pessoas envolvidas no trabalho. Esse conceito pode ser utilizado tanto individualmente quanto para a fábrica inteira.

O primeiro pilar é a Disponibilidade ou Utilização, ela considera as paradas não planejadas durante o processo produtivo. Essa disponibilidade é calculada pelo tempo de produção dividido pela soma desse tempo mais as paradas não planejadas. Pode ser visto nessa fórmula abaixo:

Disponibilidade = Tempo em produção/(Tempo em produção + Paradas não planejadas).

Essas paradas não planejadas podem ocorrer por conta da falta de mão de obra, matéria-prima, ordem de produção, bem como manutenção corretiva e falta de energia para funcionamento dos equipamentos.

E para o controle dessas paradas, você pode fazer um cálculo por meio da seguinte fórmula:

Disponibilidade = Capacidade utilizada/capacidade disponível.

O segundo pilar é o Desempenho ou Performance, ele considera a perda de velocidade que pode ocorrer durante o processo produtivo, podendo ser encontrado pela fórmula:

Desempenho = Tempo produtivo ideal/Tempo produtivo real.

Esse tempo ideal é aquele determinado para a fabricação dos produtos em circunstâncias ideais, em que nada pode atrapalhar a produtividade. E o tempo real é aquele que considera as interferências externas e o período em que realmente foi feita a produção.

Por fim, o terceiro pilar é a Qualidade, que vai trazer uma garantia sobre a perfeição em que os produtos estão saindo do chão de fábrica. A fórmula para esse cálculo é

Qualidade = (Quantidade produzida – Quantidade refugada – Quantidade retrabalhada)/Quantidade produzida

Toda essa análise dos três pilares proporciona diversos relatórios que possibilitam uma análise completa sobre a eficiência na indústria, sendo úteis para tomada de decisões tanto a curto quanto a longo prazo. É possível resolver problemas muito facilmente, que estejam relacionados às máquinas, aos operadores, bem como o produto.

6. Quais os benefícios de aumentar a eficiência industrial?

É importante também mencionar quais são os benefícios de aumentar a eficiência industrial, afinal de contas, é algo extremamente vantajoso para a empresa e, por conta disso, muitas organizações tentam alcançar esse parâmetro.

Essas vantagens podem ser:

  • aumento da produtividade;
  • produtos feitos com qualidade garantida;
  • estrutura organizacional adequada na fábrica;
  • ambiente propício e em boas condições para o trabalho;
  • aumento da lucratividade da fábrica;
  • controle maior sobre tudo o que é produzido;
  • monitoramento do trabalho dos colaboradores.

Por fim, vale ressaltar que para atingir a eficiência industrial, basta seguir todas as dicas que foram dadas neste conteúdo. Pode parecer complicado, mas traz um custo-benefício muito grande para a sua fábrica.

Se você gostou de entender um pouco mais sobre a eficiência industrial e a sua importância, siga as nossas redes sociais para continuar nos acompanhando e ver mais assuntos como este. Estamos no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn.

Muitas pessoas já ouviram falar de conforto térmico nas edificações, mas não compreendem bem o conceito. Afinal, há muito confusão com o senso comum. No entanto, essa medida tem se tornado cada vez mais importante na construção civil, pois grande parte das regulamentações já preveem a sua obrigação nos mais diversos ambientes.

Por essa razão, preparamos um guia completo para que você não perca nenhuma informação sobre o assunto. Nós abordaremos o que é o conforto térmico do ponto de vista técnico, como ele pode ser alcançado, quais são seus benefícios e os principais ambientes que se beneficiam dele. Esperamos que você aproveite a leitura. Então, acompanhe!

1. O que é conforto térmico nas edificações

O conforto térmico é um conceito muito subjetivo, o qual pode ter significados diferentes para duas pessoas distintas. Há quem se sente bem em um ambiente mais quente, enquanto outros preferem o frio. Por essa razão, é preciso adotar um critério mais objetivo para definir o conforto térmico.

Nesse sentido, a Organização Internacional de Padronização, conhecida popularmente como ISO, criou a seguinte definição na norma 7730: “conforto térmico é o estado da mente que expressa satisfação com o ambiente térmico”. Ou seja, independentemente das preferências pessoais, ela não relata sentir nem, frio nem calor.

As sensações de incômodo pela temperatura são causadas por uma série de fatores:

  • fisiológicos, os quais representam as reações normais do nosso corpo aos estímulos;
  • físicos, como a umidade e a circulação de ar;
  • psicossociais. que sofre influência das nossas emoções e da nossa cultura.

Para que você entenda tudo sobre a importância do tema, vamos explicar cada um desses pontos.

1.1. Aspectos fisiológicos

Nosso corpo tenta sempre manter a temperatura estável entre 35º e 37,4º, podendo variar de acordo com a hora do dia. Então, diante de mudanças no clima, nossos sistemas de regulação começam a agir para entrar em equilíbrio com o ambiente. Há vários mecanismos para isso, como:

  • calafrios e movimentos musculares para provocar aquecimento;
  • aceleração e desaceleração dos batimentos cardíacos;
  • dilatação dos vasos sanguíneos da pele;
  • produção de suor etc.

Apesar de contribuir para a manutenção das funções mais nobres do organismo, todos esses processos acabam gerando bastante desconforto nas pessoas. Em alguns casos, provocam até mesmo doenças.

1.2. O aspecto físico

Há basicamente três processos de transferência de energia térmica, os quais intensificam as reações do nosso corpo:

  • condução — é o fluxo de temperatura de dois corpos quando entram em contato;
  • convecção — é a transmissão de energia por meio de fluidos. As regiões mais quentes ficam menos densas e se direcionam para cima enquanto as frias descem;
  • radiação — é a agitação das partículas provocadas pelos raios do sol ou outras fontes de calor. Ocorre à distância sem a necessidade de contato entre os objetos.

Um bom sistema de isolamento térmico é capaz de agir sobre todos essas três formas.

1.3. O aspecto sociopsicológico

Especialmente no ambiente de trabalho, o estado de espírito das pessoas pode influenciar a percepção que elas têm do calor. Por exemplo, se alguém estiver estressado com tarefas acumuladas ou cansados, provavelmente sentirão mais calor. Afinal, o nervosismo deixa nosso sistema nervoso mais sensível a estímulos.

Além disso, não podemos negar a influência cultura e regional. Um finlandês poderia achar a temperatura de 18º alta, enquanto um brasileiro estaria agasalhado nessa situação. Se alguém vivem em uma comunidade que celebra vários eventos no verão, as pessoas crescerão fazendo um vínculo positivo com ele.

Portanto, a temperatura perfeita varia bastante para cada um, porém, várias pesquisas mostram que há uma faixa agradável para a maioria da população, isto é, entre 20 e 24 graus. Por essa razão, todas as normas de ergonomia têm como base esses valores.

2. Qual a relação do conforto térmico com a saúde?

O desconforto térmico pode ter consequências negativas para a nossa saúde, especialmente nos limites de idade. As crianças não têm um sistema de regulação bem desenvolvido e pode ter variações muito grandes da temperatura corporal diante de variações rápidas do clima. Da mesma forma, ele também não funciona adequadamente. Por isso, nas ondas de calor intenso, muitos idosos acabam falecendo.

No ambiente de trabalho, os efeitos do desconforto são cumulativos. O empregado perde sua produtividade e concentração. Com isso, começam a ficar cada vez mais estressados até entrar em estágios preocupantes de fadiga. Essa é uma situação conhecida popularmente como síndrome de burnout. Executar as tarefas em um ambiente termicamente ergonômico pode melhorar bastante o humor e a motivação deles.

3. Como o conforto térmico pode ser feito?

Há várias estratégias para o isolamento termoacústico de uma construção. As próprias estruturas das paredes, do teto e dos pisos vedam a entrada de correntes de ar e a incidência direta dos raios solares. No entanto, vamos explicar como melhorar esse sistema com alguns equipamentos e materiais.

3.1. Telhas cerâmicas e metálicas

As telhas podem ser construídas com muitos materiais distintos, o que pode determinar o conforto térmico do ambiente. Por exemplo, as peças metálicas sem mantas de isolamento e lâminas refletoras acabam se aquecendo bastante com a radiação solar. Devido aos processos de convecção, o ar do ambiente interno fica mais quente e se movimenta constantemente, provocando bastante desconforto nos trabalhadores ou nos moradores. Popularmente, as pessoas chamam isso de “mormaço”. Por outro lado, com o tratamento adequado, a cobertura de metal pode apresentar uma performance superior às opções tradicionais.

Já as cerâmicas e o concreto são naturalmente bons isolantes térmicos, mas apresentam problemas para a instalação e a manutenção. Em regiões muito frias ou em ambientes com sistemas de ares-condicionados mais amplos, as mantas devem ser utilizadas para melhorar ainda mais a eficiência global da cobertura.

3.2. Drywall

Os drywalls são aquelas divisórias feitas com lâminas duplas de gesso em uma armadura metálica para facilitar a criação de cômodos dentro de um ambiente mais amplo. Além de garantir a privacidade das pessoas, eles também têm um efeito razoável no isolamento térmico. Mesmo assim, na maioria dos projetos, ainda não é suficiente para permitir um alto nível de conforto nesse sentido.

Por essa razão, os drywalls são facilmente integráveis a outros materiais isolantes térmicos como as mantas. É possível criar um sistema “sanduíche”, no qual elas são instaladas entre as lâminas de gesso. Frequentemente, esse encaixe é feito sem a necessidade de nenhum tipo de fixação ou precisa somente de uma cola especializada. Assim, evitam-se os furos que podem prejudicar a estética das paredes.

3.3. Madeira

A madeira é outro material muito utilizado para o isolamento térmico, pois tem um baixo potencial de condução de calor. No entanto, exceto em algumas partes do Sul do país, não é muito utilizada nas construções de forma geral. Isso se deve principalmente ao fato de ela se adaptar melhor em regiões mais secas.

Apesar dessas propriedades, ela não é capaz de isolar adequadamente o calor quando estamos diante de extremos de temperatura. Assim, em locais onde a máxima e a mínima variarem bastante, será imprescindível instalar também um isolante térmico especializado.

3.4. Espumas

Durante muito tempo, as espumas foram os principais materiais utilizados nas construções para o conforto térmico. Todavia suas importantes desvantagens acabaram fazendo com que sua popularidade tenha caído bastante. O principal inconveniente é o seu alto poder combustível. Então, quando entra em contato com o fogo, ela se inflama rapidamente e ajuda a propagá-lo.

Ademais, muitos gases tóxicos são liberados nesse processo. Por essa razão, em caso de incêndios, houve muitos casos em que os óbitos ocorriam não por causa de queimaduras ou de asfixia pelo gás carbônico, mas pela intoxicação causada por partículas liberadas pela espuma.

Outro problema grande era sua baixa resistência a riscos. Qualquer impacto ou atrito poderia causar uma quebra da estrutura. Isso demandava várias manutenções, além de prejudicar a estética do ambiente. Também, eram muito sensíveis à umidade e, muitas vezes, a infestação por mofo e ácaros deteriorava a estrutura e exigia uma troca completa. Por essa razão, a indústria investiu bastante na superação das espumas até desenvolver as mantas e placas térmicas.

3.5. Manta térmica

Atualmente, o principal material isolante térmico são as mantas, pois elas apresentam muitas vantagens em relação às demais. Elas funcionam de uma forma bem simples: por meio de processos industriais, as empresas melhoram a eficiência de materiais isolantes tradicionais, como a rocha, o vidro, os polímeros de carbono etc. Também, são transformados em lâminas maleáveis facilmente compactáveis e transportáveis, melhorando o seu frete e seu armazenamento nos estoques.

Com isso, pode-se também atingir o máximo grau de conforto que eles podem oferecer, pois a fabricação melhora o isolamento gerado pelo arranjo molecular das substâncias. As tecnologias mais avançadas, hoje em dia, também acoplam as mantas com lâminas refletoras, as quais reduzem significativamente a irradiação de calor para dentro do ambiente.

Um de seus principais diferenciais é a facilidade de instalação, podendo ser implementada em construções prontas ou em andamento com poucos dias. Praticamente, não é feita nenhuma mudança estrutural nessa etapa e os resultados são muito satisfatórios para os clientes. Para colher esses benefícios, por outro lado, é imprescindível contar com a ajuda de uma empresa especializada no assunto, a qual indicará as melhores tecnologias disponíveis no mercado.

A seguir, vamos falar dos principais tipos de manta térmica para que você entenda a linguagem dos vendedores!

3.5.1. Rocha

A lã de rocha, quando foi inventada, foi muito empregada em várias construções. Afinal, apresentava um excelente potencial isolante térmico e acústico, aliada a um custo relativamente barato, alta resistência e capacidade de cortar chamas. Elas são produzidas por meio de processos complexos de derretimento de rochas adiabáticas, que, então, são submetidas a altas pressões e temperaturas para formar um aspecto de trama.

Porém, ainda não era o sistema mais eficiente, pois não ele não intervia nos processos de irradiação do calor. Assim, não refletia as ondas emanadas pelo sol durante o dia e por equipamentos que produziam altas temperaturas.

3.5.2. Vidro

As lãs de vidro são bastante semelhantes as lãs de rocha e, portanto, apresentam as mesmas vantagens e desvantagens. Elas também são submetidas a altas temperaturas e pressões. Não são produzidas com os vidros diretamente, mas com a sílica, o mesmo material utilizado para fabricá-los. Por isso, são um pouco mais baratas do que as opções de rocha, mas ligeiramente menos eficientes.

3.5.3. PET

As lãs de PET são materiais mais modernos, fabricados a partir da reciclagem do plástico. Isso a torna uma opção mais sustentável, apesar de contar com algumas desvantagens importantes para serem consideradas antes da escolha. Primeiramente, não são tão eficientes em relação às lãs tradicionais nem aos novos polímeros de plástico.

Desse modo, você pode estar contribuindo com o meio ambiente por um lado, mas prejudicando em outro. Afinal, um isolamento pior significa um maior gasto energético com ares-condicionados ou aquecedores, pois haverá mais troca de calor com o ambiente externo.

Além disso, não apresentam vantagens adicionais que as demais têm, como resistência elevada ao fogo, reflexão das ondas de calor, versatilidade etc.

3.5.4. 3TC

O 3TC é uma obra da engenharia de materiais moderna, pois podemos ver como os técnicos podem analisar os principais determinantes fisicoquímicos ambientais para criar uma estrutura. Nesse caso, eles perceberam a falha das mantas tradicionais em lidar com a radiação de calor e, baseando-se nas propriedades das substâncias, conseguiram criar um sistema muito mais eficiente.

Ou seja, é a eficácia da tecnologia comprovada em pesquisas com bases em conceitos de Arquitetura, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e termodinâmica. Em outras palavras, é uma manta feita sob medida para transformar o mercado, pois age sobre todos os três processos de transmissão de temperaturas.

Ela funciona de uma forma simples: há um núcleo de um polímero plástico avançado, o EPS, aliado a películas refletivas de ligas metálicas. O EPS cuida da condução, a qual representa somente 10% das trocas de calor, e as lâminas agem sobre a radiação (responsável por até 90% do aquecimento).

Como vantagens adicionais, o 3TC também é um potente isolante acústico, podendo reduzir grande parte das formas de propagação de ruídos nos ambientes. É altamente resistente ao fogo e não produz nenhum gás tóxico nas situações de incêndios.

Também, são facilmente instaláveis, pois vêm tanto na forma de lâminas quanto de mantas. Então, são bastante práticos para as obras em andamento, pois facilitam o armazenamento e podem ser rapidamente colocados após a conclusão das principais etapas estruturais, entrando nas etapas de acabamento.

Assim, apresenta também altíssima versatilidade, podendo ser instalado em várias estruturas de construções, como paredes, pisos, tetos, e telhados. Além disso, pode ser empregada de forma inovadora nos contêineres, nas vans, nas kombis, nos food-trucks, dutos de ar-condicionado, estúdios itinerantes de música etc.

4. Quais são as vantagens de investir no conforto térmico nas construções?

O conforto térmico não é apenas uma questão secundária em um projeto, pois ele define o bem-estar das pessoas de forma determinante. Ninguém consegue permanecer produtivo ou relaxado quando está tendo problemas com calor.

Nos ambientes comerciais e industriais, por exemplo, ele faz parte das medidas de ergonomia exigidas pelas mais diversas Normas Regulamentadoras do antigo Ministério do Trabalho e Emprego. Por exemplo, a NR-17 exige que a temperatura efetiva dentro das empresas se mantenha entre 20 e 23 graus centígrados.

Além do ponto de vista humano, um bom controle de temperatura será muito importante para auxiliar na preservação de muitas materiais, peças e equipamentos de máquinas. Em algumas indústrias, por exemplo, o controle da temperatura é importantíssimo para evitar a deterioração de insumos.

Nos projetos residenciais, por outro lado, ele é imprescindível para a satisfação do cliente. Ninguém consegue habitar um local onde as variações de temperatura são muito intensas e todos querem que as moradias sejam perfeitas. Afinal, é lá que relaxamos e descansamos das nossas rotinas agitadas. Assim, é uma verdadeira medida de bem-estar, pois as reações fisiológicas, como explicamos, são realmente muito fortes e podem prejudicar a saúde

4.1. Reduz custos com manutenções

Os sistemas de climatização elétricos, como os ares-condicionados e os aquecedores, necessitam de manutenções periódicas. Caso os seus motores trabalhem sempre com uma potência muito elevada, haverá uma deterioração maior e isso demandará uma troca mais frequente de peças. Para evitar esse problema, inclusive, os isolantes podem ser utilizados nos ductos para evitar a perda de calor e manter o equipamento trabalhando em uma potência mais moderada.

Além disso, há várias máquinas que perdem a eficiência quando estão submetidas a temperaturas mais elevadas ou que não podem trabalhar sob essas condições. Esse é o caso dos computadores e dos servidores. Por mais que eles contem com sistemas próprios de resfriamento dos processadores, há um limite e o ambiente influencia bastante. Já reparou como os softwares ficam muito mais lentos nos dias quentes?

4.2. Proporciona mais bem-estar no ambiente

Esse talvez seja o ponto mais determinante, não é mesmo? A temperatura tem uma influência muito grande sob nosso humor. Quando somos submetidos a um calor muito forte, ficamos nervosos e estressados. Por outro lado, um frio muito intenso nos deixa mais quietos.

Então, o conforto térmico deve trabalhar sempre em uma zona de equilíbrio, que, de acordo com especialistas, é encontrado nas temperaturas entre 20 a 26 graus. Com isso, não são desencadeadas reações fisiológicas de suor ou calafrios. Os moradores de uma casa e os funcionários de uma empresa poderão utilizar roupas leves e muito mais confortáveis.

4.3. Aumenta a performance da equipe

A ergonomia é o estudo das condições ideais para evitar ambientes insalubres e otimizar todos os aspectos do trabalho, como conforto, produtividade, eficiência etc. Quando falamos do assunto, pensamos em cadeiras, mesas e móveis. No entanto, há outros fatores igualmente importantes, como o conforto termoacústico.

Sem ele, não há como manter equipes de alta performance. A temperatura é um grande estímulo para o nosso cérebro, pois já esteve envolvida com a nossa sobrevivência no ambiente. Então, as sensações de frio e calor “sequestram” nossa capacidade cognitiva, reduzindo vários parâmetros, como atenção, concentração, agilidade mental, sociabilidade etc.

Isso tem uma explicação médica, chamada de “descarga adrenérgica”. Literalmente, uma boa quantidade de adrenalina é liberada no nosso organismo para exigir que a gente faça algo para controlar a corporal e o foco do nosso cérebro passa a ser essa medida.

5. Onde o conforto térmico pode ser aplicado?

5.1. Indústria

Nesse setor, o conforto térmico envolve diversas questões muito importantes, como:

  • desempenho de máquinas;
  • conservação de suprimentos;
  • conformidade com as normas do trabalho;
  • bem-estar dos funcionários submetidos a tarefas extenuantes etc.

Assim, ele deve incluir medidas circulação de ar, equipamentos de aquecimento ou resfriamento, isolamento térmico etc. Ou seja, um projeto completo.

5.2. Residências

Nas residências, as pessoas devem aplicar o conforto térmico de acordo com as preferências dos moradores. Há quem prefira um ambiente mais frio enquanto outros preferem o calor. Então, aquecedores e ares-condicionados não são essenciais. No entanto, é imprescindível contar com um bom isolamento térmico em todos os casos. Isso vai impedir que os extremos de temperatura externa sejam internalizados.

5.3. Comércio

Além de todas as preocupações com equipamentos e ergonomia das indústrias, os comerciantes precisam pensar em um fator adicional, o conforto dos seus clientes. Afinal, ninguém vai ficar muito tempo em uma loja muito quente. Isso atrapalha completamente a experiência de compra.

5.4. Igrejas

Os momentos de louvor e adoração exigem muita concentração dos fiéis. Caso eles não estejam confortáveis, isso pode se tornar muito difícil, comprometendo um momento muito importante para grande parte deles.

5.5. Academias

A prática esportiva, por si só, já aumenta a temperatura do nosso corpo. Então, oferecer um espaço climatizado melhora bastante a experiência do treinamento. Isso melhora a performance dos atletas profissionais e amadores, além de ser um ponto importante de satisfação.

Portanto, você não pode negligenciar a importância do conforto térmico nas edificações, pois eles são determinantes para o bem-estar de quem as utilizará por boa parte do tempo. No comércio e na indústria, esse ponto pode ser essencial para o sucesso da sua estratégia, garantindo o máximo de produtividade dos funcionários, de eficiência das máquinas e de satisfação dos clientes. Na residência, é um fator primordial para o relaxamento após um dia cansativo de trabalho.

Quer saber como a nossa empresa pode proporcionar as melhores soluções para todos os tipos de projeto? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

Não dá para negar que houve um crescimento considerável no número de academias, e também nas modalidades de exercícios oferecidos nesses lugares. Como as pessoas estão mais conscientes sobre o sedentarismo e a necessidade de ser exercitar, é necessário que o local esteja preparado para receber os clientes, e uma das formas de se preparar é realizando a climatização da academia.

Além de se preocupar com a qualidade dos equipamentos e na qualificação dos profissionais, uma academia também deve ser um local confortável e agradável para que motive ainda mais as pessoas que estão ali se exercitando. A climatização impacta diretamente nessa questão de conforto no ambiente, e pode ter certeza que faz uma grande diferença em um mercado tão competitivo.

Se você não sabe como funciona essa climatização da academia, continue por aqui e veja um pouco mais sobre a importância do conforto térmico nesse local e quais são as vantagens que isso traz. Além de aprender também como é feito o isolamento térmico e quais equipamentos favorecem para a climatização. Vamos lá?

Por que é importante ter conforto térmico na academia?

Quando uma academia está climatizada entre 22 e 25 °C, que é considerada a temperatura ambiente, é possível perceber um desgaste menor do corpo dos clientes. Isso se deve ao fato de que, em lugares muito quentes e sem nenhuma ventilação, as pessoas cansam mais rápido e acabam não queimando a quantidade de calorias necessária no exercício.

E ao cansar mais rápido, muitas vezes os músculos não se exercitam no tempo previsto. Ou seja, o calor atrapalha bastante na prática de atividades em uma academia, desregulando o organismo dos alunos, o que impacta no desempenho deles e pode até provocar mal-estar nas pessoas.

O excesso calor também atrapalha bastante a nossa respiração, deixando-a bem difícil, impactando na recuperação dos alunos após as séries de exercícios. Por isso, é muito importante que os donos das academias pensem em um projeto de climatização, mantendo a temperatura amena para contribuir no desempenho dos clientes.

Quais os benefícios da climatização de academia?

Maior bem-estar para os alunos

Quando o usuário está em um ambiente climatizado, ele se sente mais confortável para a realização da sua série de exercícios, de um modo geral, isso vai impactar bastante em seu desempenho e resultará em melhores resultados. Isso porque, o bem-estar da pessoa interfere bastante no conforto físico.

Melhor aproveitamento dos exercícios

O aluno da academia também vai obter um maior aproveitamento dos exercícios, uma vez que ele não cansará com facilidade e conseguirá fazer toda a sua série conforme foi determinado pelo professor ou personal trainer.

Maior resistência física de menor desgaste

Quando uma pessoa se exercita em um local muito quente, ela acaba perdendo a resistência física muito mais rápido, promovendo um desgaste maior. Os músculos não conseguem se exercitar no tempo necessário, e isso não é benéfico para ninguém. Agora, em um ambiente climatizado, o aluno consegue aumentar sua resistência física, e diminuir os desgastes causados pelo exercício.

Ambiente adequado para os profissionais

O ambiente climatizado também se torna adequado para os profissionais desempenharem suas funções com os alunos. Porque, passar o dia trabalhando em um local muito quente também trará desgaste físico para eles.

Limpeza do ar

Existem sistemas bem modernos de climatização do ambiente que são bastante eficazes no combate de fungos e micro-organismos que fazem mal à saúde, visto que muitos deles se proliferam em locais muito quentes.

Então um ambiente climatizado terá um ar mais puro e limpo, reduzindo os sintomas de coceiras, espirros, irritação e desconforto dos usuários. Esse tipo de coisa acaba atrapalhando os treinos e compromete a saúde da pessoa.

Como fazer essa climatização em academias?

Um projeto para climatização de academia não é muito complicado de ser feito, mas é importante você pesquisar bastante para utilizar os materiais mais adequados e de qualidade, que serão garantia do combate ao calor dentro do local.

Equipamentos de climatização

Você pode também utilizar equipamentos para climatização, que ajudam a manter uma temperatura agradável dentro do ambiente, como ar-condicionado, ventiladores, cortinas de ar, umidificadores, dentre outros.

Porém, é necessário sempre verificar a manutenção desses equipamentos, para não ter problemas de desempenho e atrapalhar na climatização da academia.

Isolamento térmico

O isolamento térmico é um tipo de alternativa que visa impedir a transferência de calor de um lugar para o outro, para que não aconteça alteração na temperatura daquele local. É muito comum ver esse tipo de isolamento em construções com paredes de dry-wall, visto que esse tipo de material não age na transferência de calor como as de alvenaria tradicionais.

Porém, o isolamento também pode ser feito em academias, com a finalidade de manter uma temperatura agradável dentro do local. Porém, o isolamento térmico tradicional lida apenas com uma forma de transferência de calor, que é a condução, feita por meio de materiais ou fluidos.

Isso acaba não sendo suficiente, pois o calor pode ser transmitido por mais duas formas, a convecção, por gases, vapores e infiltração do ar, e também a radiação, que vem de raios infravermelhos. E as duas juntas são responsáveis por 90% da transferência de calor, e a condução é apenas 10%.

Foi pensando nisso, que nossa empresa criou a 3TC que é uma solução de isolamento térmico que lida com as 3 formas de Transferência de Calor. O material é composto por poliestireno expandido, que pode ser amplamente aplicado em academias.

Para a instalação desse material 3TC, você pode adquirir o formato em manta térmica, placas ou rolos, uma vez que é muito versátil. Ele será usado para cobrir a área interna da academia, com a finalidade de impedir que fatores externos alterem a temperatura do local. Você pode aplicar nas paredes, como um revestimento e até mesmo no teto como um forro térmico.

Por fim, vale ressaltar que o 3TC tem um excelente custo-benefício, o que quer dizer que o seu bom desempenho não significa um valor elevado para instalação e manutenção. Ele proporciona uma alta eficiência térmica e traz conforto tanto no calor quanto no frio, gerando uma economia de até 35% no consumo de energia como outros equipamentos.

O que achou desse conteúdo? Gostou de entender um pouco mais sobre a importância da climatização de academia? Se quiser conhecer mais sobre nosso produto, entre em contato com a nossa empresa e invista em um bom isolamento térmico!

Quando se trata de um isolamento, seja térmico ou acústico, existem muitas dúvidas a respeito dos tipos de materiais que compõem os produtos, bem como, qual a função deles no isolamento. Afinal de contas, todo mundo quer aquele que for mais eficaz. Dentre as variedades, existem a manta de lã de vidro e o 3TC, que é um produto que vem conquistando bastante o mercado.

A lã de vidro é um material já muito conhecido e pode ser usado para diversos segmentos, sendo considerado um dos isolantes térmicos e acústicos, presente em inúmeros projetos da construção civil. Porém, com o avanço da tecnologia, vão surgindo outros materiais que superam os já conhecidos e que podem trazer muitas vantagens, como o 3TC.

Se você não conhece muito sobre esses dois produtos, continue por aqui para entender um pouco mais as diferenças entre eles, bem como quais as vantagens de um e do outro. Vamos lá?

Afinal, o que é uma manta de lã de vidro?

O nome lã de vidro às vezes pode soar um pouco estranho, porém ela vai muito além disso. Essa manta, nada mais é do que um isolante térmico e acústico produzido à base de fibra de vidro e areia. Essa combinação, de ambos os materiais, é capaz de absorver o som de um ambiente e também impedir a transferência de calor.

Ela é amplamente utilizada em construções de residências e edificações comerciais. Os sistemas construtivos de estruturas metálicas, que são compostos por paredes de drywall, usam dessa manta de lã de vidro para isolar o som e o calor, já que essas paredes não têm as mesmas características de uma alvenaria.

Sendo assim, esse material é capaz de evitar que o som e outros ruídos sejam transmitidos para fora do ambiente ou que entrem no espaço, bem como a transferência de calor. Esse isolamento só acontece por conta das características físicas e químicas da manta de lã de vidros. Sua composição é fibrosa feita de sílica e sódio, sendo altamente resistente ao fogo.

Geralmente a manta de lã de vidro é vendida em rolos ou painéis, sendo utilizadas também em telhas metálicas, forros, telhados distintos, e lajes, além das paredes de drywall, como já foi citado. Vale lembrar, que a densidade e espessura do material pode variar de acordo com o projeto e a finalidade para qual está sendo usado.

E o 3TC, o que é?

O 3TC é um tipo de isolante térmico muito eficiente, pois ele lida com todas as formas de transmissão de calor. Isso porque, a energia térmica pode ser transmitida por três formas diferentes: condução, que é por meio de materiais ou fluidos; convecção, por gases, vapores e infiltração do ar; e a radiação, derivada de raios infravermelhos.

Ele é muito mais eficiente porque os produtos para isolamento térmico convencionais conseguem impedir a passagem de calor apenas da condução, que é responsável por apenas 10% da transferência de temperatura em construções. Isso quer dizer que os outros 90% conseguem passar tranquilamente.

E foi pensando nisso que a nossa empresa pensou no 3TC como uma excelente solução, e o seu nome já diz tudo. Três formas de Transferência de Calor.

Esse material é feito a partir do poliestireno expandido (EPS) que já é amplamente utilizado no mundo da construção civil, atuando na condução térmica de fluidos. O EPS é vinculado a duas lâminas de um polímero reflexivo que é responsável por barrar 97% dos raios infravermelhos. Com isso, o resultado é o 3TC.

A combinação desses dois materiais é feita por meio de uma técnica bastante avançada, que combina camadas de ambos os produtos. A cobertura final é flexível, impermeável e contínua, vedando totalmente o ambiente de qualquer interferência térmica. É por esse motivo que o 3TC tem conquistando tanto o mercado. Ele atende tanto o ramo da construção civil de residências, como de edifícios comerciais, indústrias e agropecuária.

Esse material se diferencia da lã de vidro, primeiramente por isolar as três formas de calor, como mencionado, e também por ser um pouco mais leve e econômico. O 3TC tem uma eficiência térmica muito grande, mantendo o conforto tanto no calor quanto no frio.

E na hora de escolher, qual manta é melhor?

Tanto o 3TC quanto a manta de lã de vidro têm os seus benefícios, porém, um deles acaba sendo mais eficiente do que o outro para o tipo de projeto que você pretende fazer.

A manta de lã de vidro tem como principais benefícios:

  • amplo uso no mercado da construção civil;
  • segurança total para o usuário do material;
  • bastante resistente;
  • leve e fácil de manusear;
  • não propaga chamas ou alimenta focos de incêndio;

Já o 3TC tem com vantagens:

  • facilidade de instalação em comparação a qualquer outro material do mercado;
  • elevada durabilidade, aumentando a vida útil da construção e evitando muitas manutenções periódicas;
  • bom retorno sobre o investimento, por conta da economia que ele proporciona para o gasto de energia;
  • excelente custo benefício;
  • experiência positiva de todos os clientes;
  • atuação bastante versátil, sendo eficaz em outros seguimentos, além da construção civil.
  • Testado pelo IPT com classificação A-II

Vale ressaltar que o 3TC é um produto altamente inovador que se adapta a qualquer tipo de ambiente. Isso se dá pela sua característica de dispensar qualquer estrutura extra. Dessa forma, ele pode ser uma solução adequada para casas, apartamentos, lojas, galpões, igrejas, laboratórios, hospitais, dentre outros. Inclusive, a linha de produtos é bastante extensa, você pode encontrar o 3TC de diversas formas diferentes.

Por fim, independentemente do tipo de projeto de isolamento que você quer fazer, se for procurar por um isolante térmico, aposte no 3TC. Você não vai se arrepender e ainda poderá contar com as diversas vantagens desse produto!

O que achou do nosso conteúdo? Gostou de conhecer um pouco mais sobre o 3TC e a manta de lã de vidro? Achou interessante as diferenças entre os dois e todos os benefícios que proporcionam? Se quiser ver mais assuntos como esse, continue aqui e entenda o que é uma manta térmica e como ela funciona!

O telhado é uma das partes mais importantes de qualquer construção. Trata-se do ponto mais alto de um imóvel, responsável por proteger os interiores de diversas condições. Portanto, a reforma de telhados industriais exige máxima atenção.

Ela deve ser feita com certa periodicidade, em caráter de manutenção. Se as medidas não forem executadas ao longo do tempo, os problemas passam a se acumular e demandam um cuidado ainda maior. Por isso, o processo adequado gera benefícios, como ao evitar prejuízos, corrigir goteiras e vazamentos, e aumentar a segurança.

Na sequência, mostramos como deve ser realizada a reforma de telhados industriais e quais são os aspectos essenciais!

A avaliação da cobertura e da sua estrutura

O procedimento tem que começar, necessariamente, com uma avaliação das condições apresentadas pelo telhado. Esta é a única maneira de planejar o que será feito em seguida, bem como quais são os pontos de atenção.

Análise estrutural

Nesse momento, os profissionais capacitados devem alcançar a área de interesse e fazer uma análise da estrutura. Em plantas industriais, é comum que o telhado seja de metal, com componentes galvanizados e protegidos.

Ainda é preciso pensar na geometria da estrutura, em especial na presença de treliças e junções, pois isso ajuda a definir em quais pontos é possível atuar.

Estudo de outros elementos

Além de verificar a estrutura, há uma análise das telhas e da cobertura em geral. Também são verificados outros componentes, como as calhas para escoamento de água da chuva.

Os problemas estruturais são menos comuns, então o provável é que as dificuldades estejam nessas áreas. É por isso que a identificação por parte dos profissionais é tão importante.

Conclusões sobre o estado

Depois desse estudo completo, é possível definir quais são os principais problemas e quais situações exigem maior atenção. É o caso de reconhecer que há corrosão na estrutura ou deformações por erros de projeto.

Nos outros pontos, podemos imaginar a necessidade de substituir as telhas ou de adicionar um novo material. Então, cria-se um plano para executar a manutenção.

A preparação para a reforma de telhados industriais

Depois da identificação dos aspectos, há uma etapa de preparação para que tudo aconteça. É o caso de montar a estrutura que permitirá que os profissionais alcancem a área a ser reparada, por exemplo.

Também deve haver uma preocupação com a segurança do trabalho em altura, com o uso de cintos e outros equipamentos de proteção. Isso evita problemas maiores no caso de acidentes e faz com que tudo seja realizado com eficiência.

Além do mais, é o momento em que são definidas as etapas, como o que vai ser feito e em qual ordem. Quanto maior for a organização nesse sentido, melhores são as probabilidades de conquistar bons resultados com a reforma de telhados industriais.

A importância do isolamento térmico e acústico

O telhado, normalmente, é uma área pouco prática de ser acessada e trabalhada. Quando existe a oportunidade de mexer nesse ambiente, mesmo que para corrigir um problema específico, vale aproveitar a chance. Então, a hora da reforma é o momento ideal para pensar no uso de soluções para garantir o conforto no interior do imóvel.

Isolamento térmico

O isolamento térmico é muito importante. Por meio de um componente, como uma manta térmica, é possível diminuir ou até impedir a transmissão de calor.

O processo é simples e eficiente. A manta é instalada na estrutura e passa a refletir o calor que chega por meio da radiação solar. Se o componente for diferenciado e de qualidade, também vai prevenir o aumento da temperatura causado pela condução e convecção.

Isso é muito importante porque, como a estrutura costuma ser metálica, o calor se propaga rapidamente. Já com o isolamento, podemos dizer que há melhorias na climatização, na ergonomia e até na qualidade de vida e saúde dos profissionais.

Isolamento acústico

A outra alteração que pode ser feita durante uma reforma de telhados industriais é o isolamento acústico. Ele prevê que os ruídos externos não atrapalhem o ambiente interno, e que os gerados na parte de dentro não afetem o lado de fora.

Em vez de recorrer a produtos específicos e adicionar outro componente à estrutura, uma manta térmica de alta qualidade também é capaz de realizar a função de isolante acústico. Assim, é mais fácil atender aos parâmetros e garantir um alto nível de conforto.

A realização da reforma e da manutenção

Com o devido planejamento e preparo para o início das tarefas, ocorre a reforma propriamente dita. O objetivo é corrigir os problemas levantados e aumentar a segurança de toda a planta industrial.

Quando as mudanças são pontuais, são feitas de maneira rápida e localizada. Já se houver um comprometimento intenso da estrutura ou uma etapa complexa, pode ser mais em conta refazer o telhado por completo.

Nesse momento, o processo mais simples é o de isolamento térmico. Na forma de manta ou de placas, o produto é posicionado na estrutura, sob as telhas. É fundamental que toda a área seja coberta, com a devida fixação. O procedimento não é difícil, mas exige atenção e a segurança em altura.

Finalizadas as modificações e as instalações dos novos elementos, a rotina da indústria pode voltar ao normal.

As dicas para encontrar empresas qualificadas

Para que a reforma de telhados industriais seja um sucesso, uma das nossas recomendações é ter o apoio de negócios especializados em cada processo. Com isso, você tem a certeza de obter os melhores resultados.

No caso da manutenção e das alterações, confirme se a empresa está regularizada e tem a capacidade para realizar as etapas. Veja se os profissionais são especializados e se existe uma preocupação com a segurança. Além disso, ateste a experiência do negócio, fale com outros clientes e veja se tudo é seguido como mandam as regras. A atenção aos detalhes desde o começo permite fazer uma boa escolha.

Quanto ao isolamento térmico e acústico, prefira um fornecedor com tecnologia inovadora e única no mercado. Pondere o custo-benefício da compra e avalie, ainda, a facilidade de instalação. Assim, fica mais fácil ter o apoio de quem realmente está preparado.

A reforma de telhados industriais garante proteção e eficiência para a empresa. Ao aliar essa manutenção à instalação de soluções para o isolamento térmico e acústico, os resultados no ambiente interno são ainda melhores.

Para fazer a melhor aquisição, conheça a manta térmica da 3TC e descubra quais são os diferenciais do nosso produto!

Criar um espaço adequado exige o uso de técnicas, materiais e itens específicos para cada ambiente. Além da estética, é essencial garantir o conforto térmico no design de interiores.

Ao levar isso em consideração, é possível obter a melhor utilização da área. Para tanto, é preciso adotar as soluções adequadas para cada necessidade quanto ao controle de temperatura.

Na sequência, vamos mostrar como obter o conforto térmico no design de interiores e alcançar um bom desempenho. Confira!

Por que o conforto ambiental é importante?

Primeiramente, é necessário entender que um espaço se torna confortável graças a diversos fatores. Inclusive, há vários tipos de conforto que podem ser conquistados, e todos são relevantes. Especialmente em ambientes comerciais, industriais ou de produção, essa atenção garante o cumprimento da legislação trabalhista e melhora a produtividade do time.

O conforto luminoso está ligado ao nível de iluminação de um local. O equilíbrio quanto à disponibilidade de luz é essencial para evitar ofuscamentos ou sombras indesejadas. Além disso, há o conforto acústico, relacionado aos sons e ruídos, que devem estar em níveis adequados. O visual, por outro lado, busca alcançar a harmonia dos elementos visuais e estéticos, bem como sua boa disposição.

Outro fator muito importante é o conforto térmico. Este está ligado à temperatura e garante a sensação de bem-estar para quem utiliza o ambiente.

O que é o conforto térmico?

A necessidade de obter o conforto térmico no design de interiores tem a ver com a importância dessa condição para um espaço. Essencialmente, ele é atingido quando há fatores agradáveis e saudáveis de temperatura em um ambiente. Está relacionado à satisfação que as pessoas sentem, quanto à temperatura, em um determinado local.

O ideal é que ele não seja muito frio ou, como é ainda mais relevante no Brasil, muito quente. Para tal, o projeto de interiores deve incluir medidas para garantir essas configurações, tanto em ambientes comerciais quanto residenciais.

No caso das empresas, fábricas e outros locais de caráter comercial, há vantagens especiais ao desenvolver o conforto térmico. Veja quais são as principais:

  • redução do consumo de energia elétrica;
  • melhor desempenho e maior produtividade na execução de tarefas;
  • maior satisfação por parte dos colaboradores;
  • cumprimento das exigências trabalhistas;
  • proteção da saúde, prevenindo problemas como a desidratação;
  • manutenção da temperatura corporal adequada.

Em outros espaços, como granjas, o conforto térmico protege os animais e evita a morte por calor excessivo. Em ramos específicos, como de medicamentos ou alimentos, a correta regulação da temperatura é necessária para manter a qualidade.

Como incluir o conforto térmico no design de interiores?

Já que o controle e a manutenção da temperatura adequada são tão importantes, é essencial entender como incluí-los nos ambientes. Com as medidas certas, é possível criar as condições exigidas para obter a melhor sensação térmica.

Nesse sentido, é preciso saber quais são as técnicas mais adequadas. A seguir, veja como adicionar o conforto térmico no design de interiores!

Conheça os parâmetros ideais

No caso dos ambientes empresariais, a obediência às regras trabalhistas é obrigatória. A Norma Regulamentadora 17 (NR17) é uma das mais importantes e aborda a ergonomia e os parâmetros obrigatórios.

Para adicionar conforto térmico ao design de interiores, a recomendação é que o termômetro marque de 20 ºC a 23 ºC. O número é válido para escritórios, salas de controle e ambientes relacionados.

No entanto, há várias divisões do interior e variações com cada setor. Na parte de criação de animais, por exemplo, é preciso respeitar os valores previstos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e outros órgãos competentes.

O mesmo vale para um laboratório de análises delicadas ou para um estoque de alimentos refrigerados. Nossa dica é ficar de olho nesses parâmetros para que eles sejam respeitados.

Recorra às soluções de climatização

Se o local for muito quente ou frio, é quase impossível manter a temperatura na faixa correta sem a ajuda dos componentes certos. Para facilitar a tarefa, o design de interiores deve incluir um projeto de climatização.

O uso de ventiladores, aparelhos de ar-condicionado e climatizadores é bastante comum e atende desde escritórios a galpões e plantas industriais. Também vale pensar no uso de exaustores, aspersão fina de água e alternativas semelhantes.

Se o espaço, por outro lado, for muito frio, indicamos utilizar aquecedores para elevar a temperatura e garantir que tudo seja devidamente respeitado.

Aposte na automação

Para ter conforto térmico no design de interiores, vale planejar o uso de elementos de tecnologia. Por meio da automação de processos, fica fácil acompanhar os resultados e saber quais são as medidas que devem ser colocadas em prática.

Pense, por exemplo, em sensores automáticos de temperatura. Configurados corretamente, fazem com que o sistema de climatização seja acionado se o ambiente ficar mais quente que o desejado.

Também é possível utilizar outras alternativas de controle e de uso automático das ferramentas. Como consequência, todo o espaço se torna eficiente e agradável.

Invista no isolamento térmico

Por mais que todas essas soluções sejam importantes, elas não são tão efetivas sem um componente essencial: o isolamento térmico. Esse processo é responsável por deixar o ambiente “separado” e impedir a perda ou ganho de calor externo. Em termos simples, é o mesmo princípio de uma garrafa térmica.

Nesse sentido, nossa recomendação é recorrer às mantas térmicas de isolamento. Com a seleção e a aplicação adequadas, o conforto térmico no design de interiores se torna uma realidade.

Paralelamente, convém entender que o calor não é transferido somente por um método, e sim por três deles: condução, convecção e radiação. Apesar de a radiação ter o maior impacto, considerar apenas esse fator impede que a máxima eficiência seja alcançada.

Por isso, o ideal é escolher um produto desenvolvido para atuar contra todas as formas de transmissão de calor. Os materiais corretos e a arquitetura da manta permitem que o calor fique isolado do lado de fora. Assim, o interior nem perde muita temperatura no frio e nem ganha no calor.

Além de elevar o nível de conforto térmico, o isolamento reduz a necessidade de climatização. Com isso, é possível conquistar mais bem-estar, assim como economia por meio da diminuição do uso da energia elétrica.

Integrar o conforto térmico no design de interiores é essencial para garantir produtividade e uma sensação agradável de estar no ambiente. Com as nossas dicas, fica fácil criar as condições necessárias.

Já que o isolamento térmico é tão importante, entre em contato conosco da 3TC e conheça nosso produto único no mercado!

Você sabia que é muito importante pensar em um projeto de isolamento térmico industrial? Em muitos casos, quando não há esse tipo de isolamento, a empresa pode estar colocando em risco os seus equipamentos e o bem-estar dos funcionários.

O isolamento térmico industrial funciona como uma solução que minimiza o consumo de energia elétrica e evita perdas devido à alteração da temperatura dentro da indústria. Ele também traz muito benefícios para o usuário, como conforto e segurança.

Caso você não conheça muito o isolamento térmico industrial, continue por aqui para ver mais sobre o assunto. A seguir, vamos demonstrar como funciona esse tipo de isolamento e os seus principais benefícios. Vamos lá?

Afinal, o que é um isolamento térmico industrial?

O isolamento térmico é uma barreira feita por materiais e produtos específicos que servem para impedir a transferência de calor de um lugar para o outro ou de algum equipamento para o ambiente, como é o caso da indústria.

O isolamento térmico tem duas funções principais em qualquer construção: proteger os ambientes contra incêndios e manter uma temperatura adequada. No caso de indústrias, esse tipo de isolamento também tem a finalidade de impedir acidentes ou perdas de materiais decorrentes da alteração da temperatura interna.

Portanto, o isolamento é muito importante para a segurança das pessoas que frequentam o local de trabalho. É essencial que as pessoas conheçam bem como funciona esse processo e quais as formas adequadas de executá-lo na empresa.

Esse tipo de isolamento industrial deve ser feito em equipamentos que tem uma diferença de temperatura considerável em relação ao clima do ambiente ao seu redor. Essa variação pode ser dentro de -50 °C e +750 °C. O projeto atende tubulações de vapor, seja de água quente ou de água gelada, ar condicionado, caldeiras, injetoras, tanques de armazenamento, entre outros equipamentos que fazem parte de uma indústria.

O isolamento térmico industrial impede que o equipamento esquente ou esfrie o ambiente e não sofra interações com o clima externo, conservando a energia na planta industrial, o que gera uma redução de custos operacionais.

Quais são os benefícios desse tipo de isolamento térmico?

Os efeitos promovidos pelo isolamento térmico industrial fazem valer a pena esse tipo de investimento. Veja quais são a seguir!

Redução do consumo de energia

Quando há instalações industriais compostas por um isolamento térmico, o uso da energia é bem menor, visto que não há perda de temperatura e não é necessário um gasto maior para manter a temperatura dos processos industriais.

Diminuição dos custos

A redução no consumo de energia acaba afetando os custos na indústria, ao provoca uma economia total da edificação. Ela abrange diversos aspectos, como o combustível utilizado, o local da instalação industrial, as condições ambientais e os impostos inclusos nos custos da empresa.

Redução de perdas por alteração de temperatura

Outro efeito do isolamento térmico nos custos operacionais da indústria é a minimização das perdas. O transporte dos materiais passa a ser feito em dutos e instalações industriais que são isoladas termicamente, o que é muito mais seguro, afinal, o processo acontece sem alteração de temperatura.

Sem um isolamento térmico adequado, muitos materiais e produtos industriais acabam sendo desperdiçados por conta da perda de temperatura no seu transporte. No final, eles acabam ficando inutilizáveis, como é o caso da indústria de medicamentos (nesse caso, se o produto for alterado, ele não pode mais ser usado).

Conforto para os trabalhadores

Muitas indústrias trabalham com temperaturas elevadas que podem gerar acidentes de trabalhados com vários níveis de gravidade, caso não haja um isolamento adequado. Isso porque muitos equipamentos dissipam calor para o ambiente, que pode ser impactante e prejudicial para a saúde dos trabalhadores.

Para aumentar a segurança das pessoas transitam pelo ambiente industrial, é muito importante fazer um isolamento térmico nos principais equipamentos e tubulações. Isso também contribui para o aumento do conforto térmico, pois os espaços ficam mais agradáveis com a baixa variação de temperatura, mantendo um clima mais ameno.

Aumento da produtividade

Um ambiente com alto índice de alterações de temperatura causa desconforto em todos os trabalhadores, além da perda de concentração, irritabilidade, stress e, em casos mais extremos, problemas de saúde.

Portanto, é necessário pensar em um isolamento térmico adequado para deixar o ambiente de trabalho o mais agradável possível. Dessa forma, a indústria pode contar com a produtividade dos seus trabalhadores.

Como é feito o isolamento?

É importante ressaltar que a temperatura de um local pode oscilar de três formas: a condução (por meio de materiais e fluidos), a convecção (gases e vapores) e a radiação (raios infravermelhos).

A única forma de transmissão de calor que o isolamento térmico tradicional combate é a condução, responsável por apenas 10% da variação de temperatura em um ambiente industrial. Mas e o restante? Como fazer para isolar?

Para isso, você pode contar com o 3TC Isolamento, uma solução completa para todos os tipos de transmissão de calor. Utilizamos dos benefícios do poliestireno expandido (EPS) para atuar na condução térmica de materiais e fluidos oriundos de processos industriais, além de duas lâminas de polímero refletivo para barrar 97% dos raios infravermelhos.

O isolamento térmico industrial visa a trazer as soluções mais eficientes para cada tipo de empresa. O projeto é pensado de acordo com o tipo de segmento que a empresa atua, bem como quais os equipamentos e instalações fazem parte do seu ambiente industrial.

É importante focar nesses tipos de isolamento, pois cada um apresenta graus de condução de calor e aplicação distintas. A 3TC ainda trabalha com isolantes convencionais, como lã de vidro, lã de rocha, espuma de PU (Poliuretano) e de Isopor, além de tintas refletivas e mantas térmicas que lidam com a radiação. Você consegue achar os nossos produtos em formas de rolo, mantas, placa, painel etc.

Vale a pena destacar que se você ainda não tem um isolamento térmico industrial na sua empresa, foque nos principais benefícios que esse tipo de produto traz para o ambiente da fábrica e invista em um projeto. Além de melhor as condições de temperatura na empresa, vai trazer melhorias na produtividade, por exemplo.

Gostou de conhecer mais sobre como funciona um isolamento térmico industrial? Quer conhecer um pouco mais sobre os nossos produtos e serviços? Então, entre em contato com a nossa empresa para que possamos te ajudar!

O isolamento térmico em igrejas é uma das medidas mais importantes para manter a comodidade dos seus fiéis durante os cultos. Afinal, nesses momentos, eles precisam de muita atenção para não perder nenhum detalhe das palavras do pregador, sendo o desconforto físico um fator muito importante de desconcentração.

Por essa razão, preparamos este post para que você entenda melhor o papel do isolamento térmico na climatização e quais são seus principais benefícios. Ficou interessado? Então, não deixe de acompanhar até o final!

Por que investir no isolamento térmico é essencial para uma boa climatização?

Muitos usuários frequentemente reclamam da falta de eficiência dos seus sistemas de climatização. Relatam que contam com vários equipamentos de ar-condicionado e de aquecedores, mas eles nunca são suficientes para gerar um ambiente com uma temperatura confortável.

Eles se sentem como se estivessem jogando dinheiro fora, colocando a culpa na qualidade das máquinas. Assim, acabam realizando trocas ou compras em vez de diagnosticar adequadamente o problema ― que na maioria das vezes é outro: a inexistência de um sistema de isolamento térmico adequado. Consequentemente, não importa a potência dos climatizadores, pois haverá tantos pontos de troca com o meio, que a temperatura nunca vai se igualar àquelas mostradas nos termostatos.

Toda parte interna de uma construção busca ficar na mesma temperatura do meio ambiente, em um fato conhecido, tecnicamente, como equilíbrio térmico. É um processo físico natural, que precisa de intervenção humana para ser desacelerado. Todavia os materiais utilizados nas construções tradicionais, como a madeira e os metais, não são capazes de reduzir essa “comunicação” entre o interno e o externo.

É aí que entram os isolantes térmicos. A temperatura é um reflexo do grau de agitação das partículas de cada estrutura, que quanto maior for, mais quente ficará o ambiente. Os isolantes são feitos com substâncias que dificultam os processos de transmissão de calor, que são basicamente três:

  • a condução ocorre quando duas superfícies que entram em contato transferem calor uma para a outra até que fiquem com a mesma temperatura;
  • a radiação acontece quando as ondas de calor emitidas por uma fonte, como o sol, agitam as partículas das estruturas;
  • a convecção é o processo em que o ar mais quente fica mais “leve” e sobe enquanto o mais frio desce, gerando correntes.

Como é feito o isolamento térmico?

O primeiro passo da instalação de um isolamento térmico é a escolha de um bom material. Há várias opções no mercado, como espumas, lãs de vidro, de rocha etc. Todas elas, geralmente, agem sobre um desses três processos citados anteriormente, geralmente a condução. Isso os torna, relativamente, ineficientes, pois ainda sofrem bastante com a ação dos demais.

Recentemente, foi desenvolvido um material tecnológico, o 3TC. Seu grande diferencial é ser muito eficiente tanto sobre a condução quanto a radiação. Ele é capaz de devolver para o ambiente externo mais de 90% da energia produzida pela radiação solar por meio de suas lâminas refletivas. No seu núcleo, existe um polímero orgânico muitíssimo eficiente em impedir a condução do calor. Consequentemente, ajudam a manter um grande conforto térmico mesmo nos dias mais quentes do verão.

Depois dessa etapa, é o momento de fazer um bom projeto de isolamento. Isso demanda uma equipe especializada e experiente. Ela vai visitar as instalações da sua igreja e identificar todos os pontos de vulnerabilidade, nos quais ocorrem maiores trocas de calor.

Geralmente, eles se localizam no teto, nas frestas das portas e das janelas e nos ductos dos aparelhos de ar condicionado. Em construções com paredes de madeira e de drywall, é preciso também ter uma atenção especial.

No projeto, os técnicos buscarão fazer uma cobertura completa com os itens corretos. Alguns lugares, por exemplo, serão mais eficientes termicamente com a instalação de placas, enquanto outros precisam de mantas. Portanto, é imprescindível o conhecimento das melhores práticas para o sucesso.

Quais são os benefícios do isolamento térmico em igrejas?

As igrejas são um dos tipos de construções que mais se beneficiam de uma boa climatização. Confira alguns benefícios a seguir!

Maior conforto para os fiéis durante o culto

Os cultos são momentos muito importantes para as pessoas. Lá, elas entram em contato com a sua espiritualidade e conseguem recuperar o bem-estar perdido em suas rotinas agitadas. Portanto, proporcionar conforto a eles, é essencial.

Além disso, as celebrações religiosas também aglomeram muitas pessoas em um ambiente fechado. Em muitos momentos, elas se movimentam durante os louvores, dançam durante as canções e conversam. Todos esses processos geram bastante calor, e os condicionadores de ar, sozinhos, não “darão conta do recado”. Sem um sistema de isolamento térmico, a igreja ficará bastante abafada.

Nos dias de frio, por outro lado, o calor humano também poderá ser utilizado em benefício do aconchego dos fiéis, evitando, inclusive, o uso de aquecedores. Entretanto, o isolamento será imprescindível para evitar que esse aquecimento vaze para o ambiente externo.

Redução de custos com energia

Ao dispensar o uso de aquecedores e aproveitar toda a potência dos aparelhos de ar-condicionados é possível utilizar menos equipamentos elétricos para manter o conforto térmico. Eles são os grandes vilões das contas de luz, pois seus processos demandam bastante uso de energia.

Mais facilidade de concentração

Durante os cultos, há momentos que exigem atenção integral dos fiéis nas palavras do orador, pois ele falará suas principais mensagens. O desconforto é um dos principais fatores de perda de foco, pois sobrecarrega o corpo da pessoa com sensações muito fortes.

Isolamento acústico

Um bom isolante térmico também age sobre a condução dos sons. As igrejas estão sujeitas a regulamentações governamentais muito rígidas a respeito da emissão de sons, não podendo causar perturbação à vizinhança. O 3TC é, também, muito utilizado em projetos de isolamento acústico, oferecendo, portanto, um benefício duplo.

Proteção contra incêndios

Por fim, não podemos deixar de falar da importância de alguns materiais nos projetos de proteção contra incêndios. Eles são capazes de cortar parte das chamas, reduzindo a velocidade de propagação do fogo.

Como você deve ter percebido, a escolha de um bom isolamento térmico em igrejas pode resolver muitos problemas comuns nesse tipo de estabelecimento. Além de proporcionar mais conforto para os fiéis, ele ajudará no processo de adequação da sua construção às normas governamentais para a proteção de pessoas em construções de uso coletivo.

Nós da 3TC trabalhamos com os materiais mais modernos do mercado e com uma equipe de profissionais extremamente capacitados, que já trabalharam em dezenas de projetos importantes, inclusive de isolamento térmico em igrejas.

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua igreja? Então, entre em contato com os nossos consultores! Eles estarão prontos para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto!

O desempenho acústico das edificações já foi relegado a segundo plano, no entanto, níveis de ruído excessivo geram stress e problemas aos moradores. A norma regulamentadora do desempenho das edificações passou a vigorar em 2013.

A NR15575: 2013 – Desempenho de Edificações Habitacionais versa sobre os parâmetros máximos e mínimos aceitáveis para sistemas acústicos e térmicos. Acompanhe aqui maiores informações sobre o desempenho acústico das edificações e sistemas avaliados na normativa.

A preocupação com o desempenho acústico

Primeiramente, vamos entender porque o desempenho acústico deve ser observado. A verticalização das cidades é uma boa solução para aproveitamento dos terrenos, mas traz consigo muitas outras questões.

As maiores causas de atritos e stress nos condomínios é o nível de ruído gerado por alguns vizinhos. Para evitar maiores problemas, as edificações devem ser projetadas e executadas atendendo aos requisitos de desempenho.

Além dos sons emitidos por arrastar de móveis, caminhar no apartamento e conversas, por exemplo, as edificações devem ser isoladas de fontes externas de ruído, como barulho de carros na rua, aviões, etc.

Se outrora a preocupação com o desempenho acústico era realidade apenas para edificações de alto padrão, hoje é necessário que todas as edificações adotem medidas para assegurar o conforto do usuário. Outra tendência é a observação do desempenho térmico.

Edificações com melhor isolamento térmico utilizarão menos condicionadores de ar e consequentemente consumirão menos energia durante sua vida útil. Associe sistemas eficientes tanto para instalações acústicas, quanto térmicas!

Sistemas abordados na NBR 155575:2013

A normativa é dividida em seis partes, que considera todos os sistemas da edificação, são elas:

  1. requisitos gerais;
  2. requisitos para os sistemas estruturais;
  3. requisitos para os sistemas de pisos;
  4. requisitos para os sistemas de vedações verticais;
  5. requisitos para os sistemas de coberturas;
  6. requisitos para os sistemas hidrossanitários.

Os níveis de desempenho

A normativa estabelece os padrões de desempenho aceitáveis, mas não é aplicável a edificações já concluídas, ou com a construção em andamento quando da implantação da mesma. As construções provisórias e para fins específicos também não são abordadas na normativa. São verificados os parâmetros de habitabilidade, segurança e sustentabilidade.

Quanto aos níveis de desempenho, a NBR 15575:2013 estabelece que as edificações podem ser enquadradas em três níveis distintos, os quais:

  • mínimo obrigatório (m): é o desempenho que deve ser alcançado pelos sistemas da edificação;
  • indicativos intermediários (i): sistemas com desempenho superior ao mínimo, mas de padrão mediano;
  • superior (s): melhor desempenho segundo a normativa, assegurado pelo uso de sistemas altamente eficientes.

Classificação dos ruídos

Para encontrar as soluções adequadas ao problema de desempenho acústico é necessário compreender a origem dos ruídos. Lembre que é sempre mais fácil e barato considerar os sistemas de isolamento já na fase de projeto.

Ruído de impacto

Sabe o famoso barulho de salto alto da vizinha do piso de cima? Esse é o tipo de ruído de impacto, ele é propagado pela solicitação direta dos elementos construtivos. A transmissão se dá especificamente por meios rígidos, como as lajes da edificação, por exemplo.

O impacto desse tipo de ruído pode ser amenizado com a instalação de mantas de isolamento entre a laje e o piso, colocação de pisos flutuantes e aumento da espessura das lajes. Falaremos melhor sobre as soluções mais adiante!

Segundo a NBR 155575: 2013 os valores para ruídos de impacto são:

  • mínimo obrigatório: na faixa de 66 a 80 dB;
  • intermediário: na faixa de 56 a 65 dB;
  • superior: na faixa abaixo de 55 dB.

Ruído aéreo

Como o próprio nome já diz, o ruído aéreo é aquele propagado pelo ar, portanto é toda fonte de barulho como som dos carros na rua, aviões voando no céu, conversa entre pessoas.

A NBR 155575:2013 estabelece os valores de referência para ruídos aéreos nas seguintes faixas:

  • mínimo obrigatório: na faixa de 45 a 49 dB;
  • intermediário: na faixa de 50 a 54 dB;
  • superior: na faixa acima de 55 dB.

Sistemas da edificação

A normativa estabelece também parâmetros para as instalações como prumadas hidrossanitárias, por exemplo. Todos os sistemas da edificação deverão ser pensados com foco na eficiência e melhor desempenho para o usuário.

Vamos conhecer algumas soluções construtivas para melhorar o desempenho acústico das suas obras!

Sistemas estruturais

Os calculistas de estrutura pensam na otimização dos sistemas, redução de peso e muitas vezes redução de espessura dos elementos, mas, qual é o impacto no desempenho acústico?

As lajes cada vez mais esbeltas tendem a propagar mais os ruídos, por isso, é válido adotar soluções mistas como mantas de isolamento acústico, ou aumentar a espessura da capa de concreto.

Vale ressaltar que o aumento do desempenho acústico não será proporcional ao aumento da espessura do elemento estrutural, por isso, vale avaliar o benefício para o projeto como um todo.

Outra boa ideia é associar o uso de pisos acústicos com lajes de maior espessura.

Sistemas de pisos

Como já mencionamos, o ruído de impacto é um dos principais problemas em prédios, por isso, os sistemas de piso devem trabalhar associados aos sistemas estruturais. Já considere em projeto soluções como mantas de isolamento e pisos flutuantes.

Vedações verticais internas e externas

Nos condomínios horizontais, de casas geminadas, a principal reclamação é o barulho das paredes compartilhadas. Muitas vezes são usadas alvenarias em blocos cerâmicos sem qualquer adicional de isolamento.

Neste caso também é possível mesclar soluções, como parede em alvenaria, manta de isolamento e acabamento interno da parede em gesso acartonado, por exemplo. Ao aumentar a espessura da divisória ganha-se em desempenho acústico.

Os sistemas de esquadrias também impactam na vedação das edificações, por isso, verifique opções com soluções de melhor desempenho acústico. Um exemplo são as esquadrias produzidas com vidro duplo e borrachas de isolamento.

Testes de desempenho acústico

A avaliação de desempenho acústico pode ser realizada in loco ou por cálculos para determinação da faixa de ruído exercido e aceitável. Muitos produtos como esquadrias e mantas de isolamento já chegam ao cliente com os resultados de desempenho atestados em laboratório.

Procure maiores informações e veja qual é a melhor opção para sua construção.

Como vimos, a preocupação com o desempenho acústico das edificações é justificável e deixou de ser algo específico para imóveis de alto padrão. Hoje é possível encontrar muitas soluções e sistemas no mercado.

Nosso conteúdo foi útil para você? Curta nossa página no Facebook e veja mais conteúdos sobre isolamento e desempenho acústico das edificações!