Não são apenas as pessoas que necessitam de conforto térmico. Os animais também necessitam! Instalações muito quentes ou muito frias podem causar problemas de saúde no gado.

Para evitar esses transtornos ou, pelo menos, reduzir a possibilidade de que venham a ocorrer, uma solução muito estratégica e bastante eficaz é a climatização de ambientes por meio de técnicas como ventilação ou resfriamento artificial e natural, isolamento térmico e outras opções.

Vamos tratar, neste post, sobre o isolamento térmico em granjas e na suinocultura. O conforto térmico de porcos e aves tem impacto positivo sobre a qualidade da carne. Isso significa que o nível de produtividade da criação se associa diretamente à qualidade térmica do ambiente em que vivem os animais.

1. O que é bem-estar animal?

O bem-estar animal é um conceito muito divulgado nos sistemas de criação animal. No entanto, se trata de um conceito relativamente novo, nem sempre houve preocupação dos criadores em manter uma boa qualidade de vida para os animais.

Logo quando o conceito se desenvolveu, não existiam especificações científicas suficientes e, consequentemente, não era muito adotado. Primeiramente, a ideia foi aplicada pela França e pelas nações escandinavas. Seguindo o exemplo delas, outros países começaram a adotar métodos de criação que priorizavam o bem-estar dos animais. Dessa forma, ficava mais fácil penetrar em novos mercados.

O bem-estar animal é o modo como o animal se relaciona com o ambiente em que vive, as dificuldades e as facilidades dele para se adaptar e revelar conforto no espaço em que ele habita. Nesse sentido, o bem-estar envolve tanto o estado físico quanto o mental. Ele deve garantir que o animal ficará protegido contra sofrimentos desnecessários em seu ambiente.

1.1. As 5 liberdades do bem-estar animal

Há cinco liberdades que são fundamentais para o bem-estar animal:

  • Primeiro, livre de sede e de fome: ele precisa ter acesso à alimentação e à água;
  • Segundo, livre de desconforto: o animal precisa de um ambiente confortável, com abrigo e espaço para descansar;
  • Terceiro, livre de dor, ferimentos e doenças: é necessário aplicar medidas preventivas, diagnósticos e tratamentos rápidos;
  • Quarto, livre para exprimir seu comportamento natural: ele precisa de instalações apropriadas e espaçosas;
  • Quinto, livre de medo e angústia: as condições e o tratamento devem evitar o sofrimento mental do animal.

1.2. O parecer do MAPA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) afirma que “a legislação de bem-estar animal no Brasil teve início com o Decreto nº 24.645 de julho de 1934, que estabelece medidas de proteção animal. A atual Constituição Federal (1988), no seu artigo nº 225, dota o poder público de competência para proteger a fauna e a flora, vedando práticas que submetam os animais a crueldade. Nesta lógica a Comissão Técnica Permanente de Bem-Estar Animal do Mapa, instituída através da Portaria nº 185 de março de 2008 (atualizada pela Portaria nº 524 de 2011), tem o objetivo de coordenar as diversas ações de bem-estar animal do Ministério e fomentar a adoção das boas práticas para o bem-estar animal pelos produtores rurais, sempre embasadas na legislação vigente e no conhecimento técnico-científico disponível”

2. Qual a relação entre bem-estar animal e a temperatura do meio ambiente?

Os animais de produção, como aves e porcos, são homeotérmicos, ou seja, mantêm a temperatura corporal interna, ainda que a temperatura do meio externo varie. Essa capacidade de controle está associada ao equilíbrio que ocorre entre o calor resultante do metabolismo e o ganho ou perda de calor para o ambiente.

Por esse motivo, os animais homeotérmicos conseguem ajustar suas funções metabólicas e fisiológicas aos ambientes em que vivem. Eles apresentam metabolismo (menor ou maior ingestão de alimentos), fisiologia (vasodilatação e vasoconstrição) e comportamentos (dispersão e aglomeração de indivíduos) para a produção ou perda de calor para o meio e, dessa maneira, permanecem com a temperatura interna do corpo constante.

A temperatura constante da maior parte dos mamíferos é de 39º C e das aves gira em torno de 41º C. A temperatura muda de acordo com diferentes critérios, como idade, raça, nível produtivo, nível de energia da dieta, estação do ano, hora do dia, ciclo estral, atividade do animal.

O ambiente que o animal ocupa tem muita influência na capacidade homeotérmica dele. A produção, a perda de calor ou até a neutralidade dependem de fatores do próprio meio:

  • a umidade relativa do ar;
  • a temperatura;
  • a existência ou não de abrigos para os animais;
  • a velocidade do vento.

2.1. A zona de termoneutralidade

O ambiente envolve, enfim, tudo que provoca impactos físicos e biológicos nas proximidades. Há uma zona de termoneutralidade, cuja faixa de temperatura é a mais adequada para os animais. É uma zona primordial porque o estresse não é gerado nem por frio, nem por calor. O gasto fisiológico será o menor possível.

Dessa forma, o animal consegue aproveitar melhor os nutrientes de sua dieta que garantem o desenvolvimento e a produção de carne e ovos.

Na zona de termoneutralidade, há dois limites definidos:

  • Temperatura Crítica Superior (TCS): acima dela, o animal sofre vasodilatação pelo estresse de calor, bem como aumento da frequência respiratória, fastio (ingere menos alimentos), aumento da ingestão de água e suor em excesso (sudorese);
  • Temperatura Crítica Inferior (TCI): abaixo dela, os animais sofrem estresse pelo frio e, como consequência, ocorrem vasoconstrição, redução na frequência respiratória, aumento na ingestão de alimentos e piloereção (arrepios).

O isolamento térmico em granjas, aviários e dark houses, é uma solução para alcançar essa zona especial. Mais adiante, falaremos sobre esse ponto.

3. O que interfere na criação de aves e suínos?

Aves e suínos apresentam características bem diferentes, mas o calor e o frio podem exercer impactos negativos tanto sobre uns quanto sobre outros. Vamos considerar alguns aspectos relacionados a como o calor interfere na criação de aves e porcos.

3.1. O estresse por calor em aves

A umidade relativa do ar está associada com a capacidade das aves em aguentar o estresse térmico. Quando a umidade relativa do ar é elevada, a ave sente mais dificuldades na dissipação do calor pelas vias aéreas.

Quando há estresse por calor, as aves buscam consumir mais água fria. Essa água desempenha um papel relevante no controle da temperatura corporal dos animais. Na medida em que aumenta a ingestão da água, aumenta também a produção de excrementos e a perda de calor de maneira não evaporativa aumenta. Outra reação ao calor extremo é a vasodilatação periférica que aumenta a circulação periférica.

As aves se comportam de forma diferente durante o calor excessivo: afastam as asas dos corpos, ficam com as penas eriçadas, se deitam em cima do piso expondo o máximo possível de seus corpos e também aumentam sua frequência respiratória. Passam a comer menos com a intenção de diminuir a produção de calor corporal.

A temperatura do corpo das aves está em torno de 41,7º C. Conforme estudo conduzido por pesquisadores, vamos mostrar os valores de TCS e TCI em diferentes fases da vida delas, bem como a zona de conforto térmico (ZCT), de termoneutralidade. Vamos lá:

3.1.1. Fase de recém-nascido

Nessa fase, temos:

  • TCI: 34º C;
  • TCS: 39º C;
  • ZCT: 35º C.

3.1.2. Fase adulta

Nessa fase, foram identificados os valores:

  • TCI: 15º C;
  • TCS: 32º C;
  • ZCT: 18º C a 28º C.

3.2. Estresse por calor em suínos

O porco só consegue apresentar seu potencial produtivo quando está dentro de um ambiente salutar em relação ao calor.

A temperatura corporal dos suínos fica em torno de 38,6º C e 39,3º C, mas são valores sujeitos à variação. Para os machos, a temperatura do ambiente mais adequada está em torno de 12º C e 21º C. A TCI é 12º C e a TCS é 26º C.

Em um ambiente onde exista conforto térmico para o animal, ele costuma utilizar os nutrientes de sua dieta para se desenvolver, para realizar suas atividades físicas. Quando o suíno passa por estresse térmico, ele despende energia e elimina o calor para o ambiente.

Quando há estresse pelo calor, os porcos, devido ao elevado metabolismo, sentem dificuldades de se ajustar ao ambiente. Eles não têm um sistema termorregulador mais desenvolvido, apresentam uma capa de gordura sob a pele e as glândulas que eliminam suor têm queratina (o que impede a dissipação de calor por sudorese).

Quando juntamos todos esses pontos, percebemos por que o suíno tem mais dificuldades em se ajustar aos ambientes muito quentes. A solução que o organismo do animal encontra para enfrentar essa situação e conservar constante a temperatura interna é o aumento na frequência respiratória para que se perca mais calor por evaporação.

Para se ajustar à temperatura ambiente, os porcos também aumentam a temperatura da pele, os batimentos do coração e diminuem o metabolismo, ingerindo uma quantidade menor de alimentos. Em relação ao comportamento, eles procuram lugares sombreados, entram na água, deitam na lama.

4. Por que pensar no conforto térmico?

O que é conforto térmico? Esse conceito está muito relacionado ao de bem-estar animal. O conforto térmico se refere a um estado em que o indivíduo (pessoa, animal) se sente bem ajustado em relação à temperatura do ambiente em que está inserido. Enfim, o ambiente não pode ficar muito quente, nem muito frio: é importante alcançar a zona de termoneutralidade.

Investir no conforto térmico de animais é investir na produtividade do negócio. Há diferentes motivos para isso.

4.1. Tratamento adequado dos animais

A ética na criação de animais é um assunto em pauta no mundo do agronegócio. Mesmo os animais destinados ao abate, como porcos e aves, merecem levar uma vida confortável.

Por isso, convém criar um ambiente onde os animais tenham conforto, uma estrutura com todos os elementos que garantam boa qualidade de vida para eles.

4.2. Melhoria na qualidade dos produtos de origem animal

O conforto térmico proporciona resultados diretos na qualidade de diferentes produtos de origem animal. No caso de suínos e aves, estamos falando da carne e dos ovos. Assim, garantir o conforto térmico dos animais é um ótimo investimento para a indústria alimentícia.

As condições adequadas contribuem para que o animal ganhe mais peso e gere mais produtos. É fundamental dispor de um espaço especial para os animais descansarem e manterem a temperatura ambiente sob controle, já que isso interfere diretamente no metabolismo deles.

4.3. Ausência de distúrbios de comportamento

A boa infraestrutura contribui para a manutenção da ordem nas granjas e nos abrigos. Determinados comportamentos podem causar transtornos no trabalho e na convivência dos animais entre si.

O estresse e a agressividade são nocivos na pecuária. Nas granjas, as aves podem brigar e provocar ferimentos umas nas outras, além da perda de peso. No caso dos suínos, o estresse gera problemas de socialização e as brigas também podem ocorrer. É fundamental que exista um ambiente que propicie um desenvolvimento mais saudável.

Em muitos casos, a morte pode ser o resultado de um comportamento mais hostil entre os animais. O próprio calor ou frio em excesso pode contribuir para que aves e suínos venham a morrer. No caso das aves, por serem espécies mais vulneráveis, esse triste fato ainda é mais comum.

5. Como proporcionar um bom conforto térmico?

Para assegurar o conforto térmico de animais, um bom projeto de engenharia e arquitetura é importante. As instalações que vão acomodar as aves e os suínos devem ser bem elaboradas.

Para o conforto térmico, o controle da temperatura, como já mencionamos, é fundamental. Quando há muitos animais alojados, essa necessidade é ainda mais prioritária.

Ao contrário das pessoas, os animais não podem trocar de roupa diante de uma temperatura indesejável do ambiente. Nós, os seres humanos, podemos procurar o conforto térmico a partir de nossas próprias iniciativas, mesmo quando nossa casa não foi devidamente projetada para garantir esse conforto.

Os animais de porte menor, como as aves, costumam sentir mais frio e necessitam de um ambiente com aquecimento adequado, principalmente no inverno.

A engenharia civil permite diversas formas de trabalhar o isolamento térmico em granjas, aviários, dark house e pocilgas. O EPS (poliestireno expandido, mais conhecido como isopor), por exemplo, é um material com elevado potencial de isolamento térmico. Apoiado em um bom planejamento, é possível investir no isolamento sem consumir muitos recursos.

Há alguns anos, o isolamento térmico em granjas não era tão considerado quanto os meios de proporcionar a climatização do ambiente (uso de ventiladores e exaustores, principalmente).

Claro que investir em estruturas com mais eficiência térmica é muito melhor. O clima brasileiro fica cada vez menos estável e já se verificaram oscilações de temperatura de até 20º C em um único dia. Por isso, a não ser que seja possível contar com um isolamento que garanta elevada resistência térmica, a inversão térmica acontecerá de forma brutal.

A resistência térmica está relacionada com a condutibilidade térmica dos materiais e sua espessura. Existe a seguinte relação: quanto menor for a condutibilidade térmica e maior a espessura do material, maior será a resistência térmica oferecida.

Materiais metálicos apresentam, em geral, elevada condutibilidade térmica (prata, cobre, ferro, alumínio). Produtos e materiais com baixa condutibilidade térmica são: madeira, poliestireno, polietileno, lã de rocha e outros.

6. Como ter isolamento térmico em granjas?

Primeiro, vamos mostrar como fazer um bom isolamento térmico em granjas, aviários e dark house. As paredes laterais e a cobertura exigem uma avaliação adequada. Devido às temperaturas muito altas e à radiação solar intensa existentes no Brasil, os materiais usados nos telhados das granjas devem ser bons isolantes térmicos para que a temperatura dentro da construção fique mais amena que a temperatura externa

A cobertura deve, portanto, oferecer um elevado poder de reflexão da radiação solar, além do potencial de isolamento térmico adequado. Muitas experiências apresentam resultados que servem como referencial para futuros projetos. Foi constatado, por exemplo, que o uso de telhas de barro é mais eficaz que o de telhas de cimento amianto.

A associação do forro adequado com a cobertura proporciona resultados mais relevantes, pois o forro favorece a formação de uma camada de ar perto da cobertura, o que reduz a transferência do calor para as aves.

O uso de materiais para isolamento térmico em granjas é diversificado. Entre os materiais mais simples, destacam-se folhas de palmeira, plásticos, cerâmica, cimentados, forros suspensos com plástico, plástico com alumínio. Entre os materiais mais novos, destacam-se fibra de vidro insuflada estabilizada, poliuretano (PU), poliestireno expandido (EPS), celulose insuflada.

Veja a lista com alguns materiais que oferecem bom isolamento térmico:

Manta de fibra de vidro;

  • fibra de vidro insuflada (forro e parede);
  • manta de lã de rocha;
  • lã de rocha insuflada (forro e parede);
  • celulose insuflada (forro e parede);
  • vermiculita;
  • concreto celular;
  • fibra de vidro rígida;
  • poliestireno expandido;
  • poliestireno extrudado;
  • espuma de poliestireno (instalada no lugar);
  • poliisocianurato (com revestimento em alumínio).

7. Como ter isolamento térmico na suinocultura?

Depois de analisar como conseguir isolamento térmico em granjas, vamos dar algumas orientações sobre o isolamento térmico em galpões para porcos ou pocilgas. Além de usar os materiais corretos para garantir o isolamento térmico, vale a pena utilizar umidificadores e nebulizadores, que vão lançar gotículas de água sobre o corpo dos porcos. A umidificação, em conjunto com a ventilação artificial, aumenta a velocidade com que acontece a evaporação.

O piso revestido com material apropriado é muito importante para garantir o resfriamento do corpo dos animais quando eles se deitarem. O sombreamento nas imediações contribui para minimizar a incidência da radiação solar (só não é recomendado a utilização de árvores frutíferas).

Para a cobertura, um material com elevada resistência térmica é a telha cerâmica. Outra opção é a telha sanduíche, que é composta por duas camadas externas de material de metal e que, em seu interior, apresenta materiais que proporcionam isolamento térmico, como: EPS, PU, vidro e lã de rocha.

De modo geral, podem ser aplicados no forro e nas paredes das pocilgas os mesmos materiais usados no forro e nas paredes das granjas.

8. Como contratar o serviço de isolamento térmico?

Para assegurar o isolamento térmico em granjas, aviários, dark house e pocilgas, é importante procurar uma empresa especializada na área, que tenha boa reputação e seja inovadora em suas soluções. É o caso da 3TC, uma empresa que há anos desenvolve um trabalho sério que culminou com a tecnologia 3TC.

A 3TC é uma tecnologia inspirada nas garrafas térmicas e nos trajes dos astronautas. É, portanto, um isolante térmico bem diferenciado, pois controla os três modos de transferência de calor:

  • condução, por meio do contato com a superfície aquecida (agitação das moléculas);
  • convecção, que é a forma de transferência de calor dos líquidos e gases;
  • radiação, ou irradiação, por meio das ondas eletromagnéticas (radiação solar, por exemplo).

A lã de vidro, a lã de rocha, o poliuretano em espuma, o poliestireno expandido e outros isolantes trabalham somente com a condução, responsável por cerca de 10% da transferência de calor nas construções. Alguns isolantes trabalham apenas com a radiação (como tintas refletivas e foils, mantas térmicas).

Ao atuar sobre as três formas de transferência de calor, o 3TC se transforma na solução mais eficaz, a que oferece o melhor custo-benefício do mercado.

Além disso, o 3TC contribui para o isolamento acústico. Ruídos indesejáveis também prejudicam a saúde dos animais. A audição mais apurada dos animais deixa-os ainda mais sensíveis a barulhos que os seres humanos.

O estresse e a agressividade são possíveis consequências dos ruídos altos e desagradáveis. É comum que animais menos resistentes, como as aves, possam até morrer de susto expostos a barulhos muito altos. Para ter uma noção de como os animais em geral reagem diante de sons barulhentos, basta observá-los quando as pessoas soltam fogos de artifício. Geralmente, eles correm e tentam se esconder.

O isolamento acústico não precisa ser total. Com o tempo, os animais costumam a se habituar a determinados sons. Mas a redução da intensidade de ruídos nos criatórios é uma forma de melhorar a qualidade de vida das aves e dos suínos.

Cuidar do bem-estar animal, proporcionando conforto térmico por meio do isolamento térmico em granjas e de outras soluções (ventilação mecânica e umidificação, por exemplo) é um investimento necessário para o pecuarista que deseja ter sucesso em seu negócio. Revela também que se preocupa com a qualidade de vida dos animais, um ponto importante a considerar atualmente.

Nos dias de hoje, a sustentabilidade e a defesa dos direitos dos animais são assuntos relevantes e tratados em todo o mundo. E você, já utiliza algum material como isolante térmico? Gostou da solução que acabou de conhecer? Então, entre em contato com a 3TC Isolamento e fique por dentro de mais detalhes!

Muito comum em postos de trabalho industriais, a atuação em um ambiente insalubre faz parte da rotina ocupacional de milhões de colaboradores em todo o Brasil. Contudo, mesmo sendo bastante conhecido no meio trabalhista, muitas pessoas (tanto os empregadores quanto os funcionários) ainda não sabem definir bem se um local é ou não insalubre.

Além disso, também há algumas dúvidas em relação à procedência após a identificação de um posto de trabalho classificado como insalubre. Perguntas do tipo: como controlar o risco; quais parâmetros avaliar na hora de considerar o pagamento adicional e qual o tempo máximo permitido de exposição ao risco ainda persistem entre a equipe de trabalho.

Em vista disso, destacaremos abaixo o que são ambientes insalubres, quais os parâmetros necessários para essa análise e 6 fatores que tornam um ambiente ocupacional insalubre.

O conceito de ambiente insalubre

Um posto de trabalho é insalubre quando ele de alguma maneira representa riscos à saúde da equipe de forma intensiva e frequente. Em outras palavras, é quando há situações na empresa onde os colaboradores ficam expostos aos riscos em um patamar acima dos limites toleráveis.

Sendo assim, confira abaixo algumas características presentes em ambientes de trabalho insalubre:

  • excesso de radiação não ionizante;
  • intensidade sonora acima de 85 dB;
  • alteração na pressão absoluta;
  • variações térmicas (frio demasiado e calor intenso);
  • elevada umidade relativa do ar;
  • vibrações mecânicas;
  • presença de agentes biológicos e químicos.

Definição dos parâmetros toleráveis

Para não ficar subjetivo a definição se um posto de trabalho está ou não dentro dos níveis tolerados pelo corpo humano, foi criada uma norma regulamentadora específica para ambientes insalubres, a NR 15.

Deste modo, esse regimento classifica com exatidão quais são os níveis (de todos os riscos) que caracterizam um ambiente insalubre.

As consequências da insalubridade no trabalho

Ao trabalhar em um ambiente insalubre o colaborador tem o direito de receber um adicional financeiro sobre o salário já concedido. Como há diferentes níveis de exposição, a NR 15 estabelece:

  • 40% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau máximo;
  • 20% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau médio;
  • 10% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau mínimo.

Cabe destacar que a norma deixa bem claro não haver possibilidade de acúmulo de benefícios, isto é, no caso de uma equipe atuar em um ambiente que contém 2 fatores de insalubridade, prevalecerá o adicional referente ao grau mais elevado.

5 fatores que tornam um ambiente insalubre

Veja abaixo 6 fatores de risco que um ambiente ocupacional insalubre pode oferecer para a equipe de trabalho.

1. Temperaturas extremas

A temperatura pode ser um fator de insalubridade tanto em ambientes frios, quanto em locais onde o calor é intenso.

1.1 Intenso calor

Segundo a NR 15 não há uma temperatura limite padrão, isso porque ela considera qual é a intensidade das tarefas que estão sendo realizadas nesse ambiente de calor. Entretanto, dependendo das características das atividades desempenhadas, acima de 25°C já podemos ter locais de trabalho insalubres.

Atuar em um local de calor intenso pode remeter a:

  • perda de água no corpo e consequente quadros de desidratação;
  • dores e espasmos musculares, prejudicando assim a locomoção;
  • fraqueza muscular;
  • irritabilidade na pele e nos olhos.

1.2 Intenso frio

Já para as temperaturas reduzidas, a Norma Regulamentadora 15 basicamente direciona sua análise para todas as atividades executadas no interior de câmaras frigoríficas, ou em ambientes que oferecem condições similares. Porém, a definição de insalubridade será mediante laudo expedido após uma inspeção técnica realizada no local.

Trabalhar em ambientes de frio intenso podem causar:

  • confusão mental;
  • perda gradual dos movimentos;
  • quadros de hipotermia;
  • dificuldades de respiração.

2. Agentes químicos

Segundo a NR 15, trabalhar em um local na presença de: arsênio (e seus compostos); chumbo; cromo; carvão; fósforo; hidrocarbonetos; mercúrio; silicatos e qualquer outra substância cancerígena já é o suficiente para defini-lo como insalubre.

Desempenhar atividades na presença de agentes químicos pode causar:

  • irritação nos olhos e na pele;
  • asfixia e sensação de sufocamento;
  • lesões na pele;
  • dificuldades respiratórias;
  • lesões irreparáveis nas vias respiratórias (essencialmente o cromo).

3. Vibrações mecânicas

O critério para avaliar se um posto de trabalho contém vibração mecânica acima do aceitável ou não é bastante técnico, sendo criteriosamente definido na NR 15.

Atuar em locais onde há excessivas vibrações pode levar o colaborador a:

  • ter irritação nos ouvidos e incômodos auditivos;
  • confusão mental (vibrações emitidas a uma específica faixa de frequência);
  • dificuldades de locomoção.

4. Ruídos excessivos

O som intenso é um dos riscos de trabalho mais encontrado na indústria. Presente em diferentes níveis de intensidade e de exposição, a NR 15 também utiliza uma série de parâmetros técnicos para classificar um posto de trabalho insalubre quanto ao ruído.

Permanecer em uma área de som intenso pode causar:

  • perda gradual da audição;
  • desenvolvimento de doenças auditivas;
  • falta de concentração.

Vale pautar aqui o revestimento acústico nas áreas de ruído intenso como sendo uma ótima alternativa para o controle/redução desse risco de trabalho, prática esta que é largamente aplicada na indústria e em outros ambientes ocupacionais, como escritórios e laboratórios.

5. Umidade excessiva

A umidade excessiva está presente basicamente nos locais alagados e encharcados, além daqueles onde o colaborador inevitavelmente entra em contato com a água para o desempenho das tarefas.

Por ser um parâmetro um pouco subjetivo, para ser classificado como insalubre o ambiente em questão precisa receber um laudo técnico após ser inspecionado.

A umidade excessiva leva a:

  • queda da temperatura do corpo, ocasionando desconforto térmico;
  • resfriados e outras enfermidades causadas pelo frio.

Portanto, ambiente insalubre é algo muito sério e que precisa ser detalhadamente considerado na hora de delegar tarefas para a equipe de trabalho. Vale destacar também que seja qual for o risco de trabalho presente na indústria, o empregador é obrigado a buscar ferramentas para o seu controle, garantindo assim a saúde ocupacional de todos os colaboradores.

O conteúdo foi válido para você? Então leia também, em mais um de nossos posts, sobre quais os danos do excesso de calor na saúde.

O isolamento térmico e acústico nas construções é um recurso utilizado pela engenharia com a finalidade de trazer conforto aos usuários das edificações. Isso porque mantêm a temperatura agradável e reduz o barulho indesejado. No mercado há vários materiais que cumprem bem com essa função, dentre eles a telha sanduíche.

Pensando nisso, criamos este texto com o objetivo de mostrar para você as vantagens de usar um revestimento térmico e acústico na construção, explicando como escolher a melhor solução entre telha sanduíche ou 3TC isolamento.

Então, continue com a leitura e conheça um pouco mais sobre esses materiais!

Porque é importante o isolamento térmico e acústico?

A exposição a ruídos por muito tempo pode acarretar perda auditiva. Os primeiros sintomas a aparecer são os zumbidos, uma percepção de estar com os ouvidos obstruídos e ouvir sons abafados. Os danos auditivos que ocorrem progressivamente são muito difíceis de serem revertidos.

No calor em excesso, o indivíduo apresenta um aumento da excitabilidade, astenia, depressão, inquietação e incapacidade para se concentrar. Nas ocorrências mais graves podem ocorrer modificações físicas, como a desidratação.

Portanto, o isolamento térmico e acústico isola temperatura e ruídos. Um bom projeto deve focar nessa questão, e para isso a utilização de um isolante térmico e acústico se torna essencial. O isolamento é como se fosse feito um envelopamento, que no inverno mantém o calor do lado de dentro e no verão deixa o interior com temperatura mais agradável.

O que é telha sanduíche?

É chamada de sanduíche por apresentar duas camadas externas de material metálico com seu interior constituído por um recheio com propriedades isolantes, que podem ser:

  • poliestireno expandido (EPS);
  • poliuretano (PU);
  • lã de rocha;
  • vidro.

A seguir, destacaremos alguns benefícios da sua utilização como isolamento térmico e acústico na construção.

Redução considerável do ruído externo

Geralmente, reduz em média de 20 a 40 dB da absorção do barulho externo. A característica de barrar o som se deve às particularidades físicas do isolante, como à sua densidade.

Excelente isolamento térmico

Por possuir baixa condutividade térmica, a troca de calor entre o ambiente interno e externo é reduzido em até 90%. Além do mais, se destaca pela excelente resistência à dissipação do calor. Em locais com altas temperaturas, é uma vantagem bastante interessante.

Redução dos custos com a energia elétrica

Por proporcionar um ambiente com temperatura mais amena, é possível economizar energia quando se reduz a utilização de ar-condicionado e ventiladores.

Retardante de chamas

Muito importante para a prevenção e combate a incêndios, principalmente em locais de armazenamento de produtos que facilitam a propagação do fogo.

Telha Sanduíche podem absorver umidade

Problemas como infiltração são evitados com a instalação das telhas, pois dificultam a absorção de água. O controle térmico também evita a condensação e o gotejamento de água. Porém as telhas sanduíches são propícias a absorver a umidade, ganhar peso e criar problemas com o tempo.

Instalação de Telha Sanduíche

As telhas sanduíches podem ser utilizadas em diversos tipos de construção. Por conta do seu peso elevado, ela se mostra complicada em quesitos estruturais, e muitos projetos vão gastar mais por conta disso. Em muitos locais já construídos ela se mostra uma opção mais cara e mais complexa justamente por conta disso. Tenha CERTEZA que o local aonde serão instaladas as telhas possuem estruturação adequada para suportar o peso inicial e o peso depois da absorção de umidade com o tempo.

Material leve

Possui baixo peso em comparação a outro tipo de telha, seu peso varia de 12 a 14 kg por metro quadrado. O investimento influencia positivamente no resultado, fazendo com que a estrutura suporte um peso 70% menor.

Manutenção de Telha Sanduíche

Por se tratar de um material de difícil instalação, a manutenção também é bem complicada. Trocar 1 telha é uma tarefa dificílima, pois uma sequência inteira deverá ser trocada. Além disso, ela é bem suscetível a danos e problemas com o tempo de utilização, além de perder eficiência térmica.

Alta durabilidade e resistência

A telha sanduíche é extremamente resistente a impactos intensos, chuvas fortes e ventania. Sendo que, a manutenção é muito simples, bastando realizar inspeções preventivas nas fixações das telhas.

O que é o 3TC isolamento?

O 3TC é o desfecho de anos de pesquisa e melhoramento em diversas universidades e obras de construção civil no país e no exterior. O desenvolvimento originou um produto muito simples, fácil de aplicar e barato, correspondendo às exigências do mercado brasileiro.

3TC é um isolamento térmico e acústico que apresenta eficiência e durabilidade superiores aos isolamentos tradicionais. Permite o isolamento de até 97% da radiação, além da isolação por convecção e condução.

Utiliza a eficiência do poliestireno expandido (EPS) e possui duas lâminas refletivas que barram os raios infravermelhos. Isso torna o 3TC uma estrutura flexível, impermeável e contínua. É apresentado em duas versões:

  • rolo ou manta térmica;
  • placa ou painel.

Tanto a telha sanduíche como o 3TC isolamento atuam no controle da temperatura, reduzem o desconforto térmico além de proporcionar atenuação acústica. A seguir, apresentaremos algumas vantagens que tornam esse material superior:

  • controle da condução, da convenção e da radiação;
  • versátil;
  • elimina pontes térmicas;
  • vedação;
  • resistente a água e ao mofo;
  • reciclável;
  • durável;
  • isolante acústico;
  • eficiência energética;
  • atóxico;
  • fácil de instalar (Baixe aqui o nosso manual de instalação)

Lembrando que, a instalação do 3TC isolamento não significa aumento nos custos. Sua eficiência térmica proporciona bem-estar tanto no calor quanto no frio, e ainda, gera uma economia de até 35% no consumo de energia. Outra vantagem é que dispensa a instalação de estrutura extra, e por conta dessa característica, se adapta a qualquer ambiente e construção.

Suas características são:

  • isolamento térmico rígido de alta performance;
  • controle das três formas de transferência de calor;
  • produzido com EPS e laminação com películas refletivas;
  • produto certificado.

Pode ser aplicado em:

  • edificações residenciais e comerciais;
  • galpões industriais;
  • agropecuária;
  • construções novas e reformas;
  • pode ser instalado no interior ou exterior das estruturas;
  • embaixo ou sobre o concreto;
  • contêineres, veículos;
  • câmaras frigoríficas;
  • dutos de ar condicionado.

Telha sanduíche ou 3TC isolamento qual utilizar?

Ao analisar as duas opções, é importante compreender os diferenciais de cada material, é isso que garante a melhor escolha para o seu projeto, assim como, seu custo-benefício. Nessa perspectiva, 3TC se destaca como uma solução ideal para coberturas em locais que precisam de conforto térmico e acústico, versátil, durável e com um ótimo retorno financeiro.

Além das vantagens já enumeradas, o produto conta com espessuras de 10 a 100 milímetros. São encontrados na cor branca com forro térmico atendendo à maioria dos casos. Não podemos deixar de destacar que, a instalação do isolamento 3TC evita o rebaixamento do teto. Por ser muito leve não exige cálculos estruturais e seu custo de execução é menor que o da telha sanduíche.

Gostou do assunto? Caso ainda tenha ficado alguma dúvida faça contato conosco. A nossa equipe técnica terá o maior prazer em atendê-lo e solucionar os seus questionamentos. Até breve!

A manta térmica para parede tem sido um dos materiais mais utilizados nas edificações modernas. Afinal, trata-se de um material ecologicamente sustentável, que apresenta um custo-benefício elevado. A maioria das mantas pode ser empregadas nos mais diferentes tipos de projetos. Como são versáteis, podem ser utilizadas em edifícios corporativos, residenciais, industriais e agrícolas.

O seu principal objetivo é garantir o conforto térmico de construções, mesmo as que contam com sistemas de climatização. Do mesmo modo, na indústria as mantas têm sido uma aliada essencial, pois são muito versáteis. Nesse contexto elas podem ser instaladas em praticamente todos os ambientes, como armazéns, escritórios e linha de montagem.

Para que você entender melhor os benefícios que ela pode trazer para o seu negócio, preparamos este post com algumas dicas indispensáveis. Confira!

Como funciona uma manta térmica para parede?

O funcionamento exato de uma manta térmica depende muito do seu tipo. Mas, no geral, ela busca interferir nos três processos de transmissão de calor entre os ambientes: a condução, a convecção e a irradiação.

A seguir, veja como a manta age em cada um dos processos.

Isolamento da radiação

Você já ouviu falar das ondas infravermelhas? Trata-se da radiação emitida pelo sol, responsáveis pela transferência de calor para o nosso planeta, que recebe o nome de irradiação.

Ao entrar em contato com os objetos, as ondas agitam as suas moléculas e geram um aumento de temperatura. Quanto mais ondas infravermelhas um objeto absorve, mais “quente” ele fica.

Os melhores materiais para mantas térmicas conseguem refletir essas ondas. Elas não são absorvidas pelas estruturas da edificação, são, na verdade, enviadas de volta para o ambiente. Com isso, há uma redução da temperatura de superfície que pode chegar a 20º Celsius.

Diminuição da condução

Quando dois corpos entram em contato, eles buscam ficar em equilíbrio térmico, ou seja, na mesma temperatura (o objeto mais quente transfere energia calorífica para o mais frio). As mantas são chamadas de isolantes térmicos: os seus materiais têm uma estrutura molecular que dificulta a transmissão de energia de uma partícula para a outra, impedindo o aquecimento do ambiente.

Quando você insere uma camada de isolante térmico entre as paredes de drywall, por exemplo, isso impede que uma camada de gesso transfira energia para a outra. Nas paredes que ficam próximas a equipamento que emitem calor, uma camada adicional de manta pode ser adicionada para evitar o aquecimento de outros cômodos.

Redução da convecção

A convecção é o processo de transmissão do calor por meio de líquidos e gases, e o responsável pelas principais trocas entre a atmosfera e as edificações. As mantas térmicas atuam nesse processo da seguinte forma: elas evitam a vazão de energia térmica do ambiente interno para o externo, mantendo a temperatura do local estável.

Isso é especialmente útil se você utiliza algum sistema de ar-condicionado, já que a manta isola bem o ambiente e aumenta a eficiência do equipamento.

Quais são os principais tipos de manta térmica?

Os tipos de manta térmica for wall são a lã animal, as lãs sintéticas, sprays e espumas de poliuretano e a manta 3TC. A seguir, entenda os detalhes de cada uma delas.

Lã animal

A lã animal foi o primeiro tipo de isolamento térmico criado pelo homem. Ela não necessita de alta tecnologia e é fornecida em rolos, além de ser facilmente instalada. As suas desvantagens são: não atua sobre a irradiação do calor e apresenta uma manutenção complicada, devido à sua sensibilidade à umidade.

Lãs sintéticas

São vários os tipos de materiais que podem ser empregados com as lãs sintéticas: vidro, acrílico, PVC e até mesmo rochas. Cada um deles oferece uma vantagem particular, como funcionalidades adicionais, isolamento acústico e proteção contra incêndio. No entanto, em relação ao isolamento térmico, esse tipo de manta não é tão eficiente, pois ele também não reflete a radiação infravermelha.

Sprays e espumas de poliuretano

O spray é uma opção de aplicação mais cara e mais difícil de executar. Além disso, precisa de manutenção de tempos em tempos. Por lidar apenas com a condução, em densidades pequenas são as menos eficientes em relação ao isolamento. A sua principal substância empregada é o poliuretano, que também é utilizado nas espumas tradicionais. Ele é inflamável e, na combustão, libera uma fumaça tóxica que pode aumentar o número de óbitos durante um incêndio.

Manta 3TC

A manta 3TC trabalha com uma tecnologia exclusiva e patenteada. Por meio de um processo industrial de alta tecnologia, que combina o poliestireno com lâminas refletivas, o produto é capaz de agir sobre os três processos de transmissão de calor.

De acordo com estudos científicos da Nasa, esse processo produz a reflexão de até 97% dos raios infravermelhos — o que pode gerar uma proteção de até 20º Celsius da temperatura interna em relação ao ambiente.

A manta 3TC também é excelente para reduzir o processo de convecção, devido à sua impermeabilidade a líquidos e gases. Isso é muito interessante em ambientes artificialmente climatizados.

Como vantagens adicionais, as mantas 3TC são muito duráveis, facilmente instaláveis e resistentes a mofo e à umidade. Além disso, podem promover atenuação acústica e são não propagantes à chama, classe II-A, conforme teste realizado pelo IPT (Ensaio Técnico de Comportamento ao fogo — IPT).

As mantas 3TC são bastante versáteis e podem ser utilizadas entre lâminas de drywall, para a confecção de divisórias de madeira e PVC, na cobertura de paredes de alvenaria e de concreto, entre outros. Portanto, adaptam-se bem aos projetos arquitetônicos industriais, assim como aos comerciais, residenciais e agrícolas.

Como escolher a manta térmica for wall ideal?

Vamos dar agora algumas dicas de como escolher a melhor manta térmica for wall. Assim, você não correrá o risco de fazer uma compra errada, adquirindo um produto que não atende às suas necessidades.

Saiba qual o grau de isolamento necessário

Nesse caso, é preciso consultar as tabelas e as orientações especializadas que oferecem os níveis mínimos de isolamento requeridos pelo clima da região. Nos Estados Unidos, por exemplo, e em países da Europa, os invernos muito frios exigem que as edificações contem com isolamento térmico.

Alguns profissionais acreditam que o isolamento adicional tende a otimizar mais ainda a performance da edificação.

Portanto, é recomendado analisar o material e a estrutura para que não seja instalado um isolamento térmico inadequado. Há materiais cujo grau de isolamento pode ser alto demais para suas necessidades ou, por outro lado, ser insuficiente para proporcionar um isolamento satisfatório.

Embora o isolamento não seja destinado somente para regiões frias, nessas regiões provavelmente será necessário aplicar um nível que corresponde a uma temperatura mais alta. Em regiões quentes, é uma solução que ajuda a manter o calor fora do interior da construção.

Não é difícil encontrar tabelas disponíveis na internet sobre os níveis de isolamento térmico de acordo com cada material, apresentando inclusive a temperatura de pico, ou seja, a máxima temperatura que ele pode alcançar. É importante verificar esse valor também para evitar comprar um produto que, em certas situações, se torna inviável.

Seja como for, não tome decisões somente a partir de suas conclusões. É recomendado consultar a opinião de um profissional especialista, capaz de analisar o seu caso e sugerir as melhores opções.

Verifique a qualidade do material

Deve-se ter certeza de que o material, seja qual for, é de boa qualidade. Isso é importante porque podem existir materiais mais bem elaborados que outros.

Para ter certeza de que está comprando um bom produto, que será eficaz, vale a pena pesquisar a reputação do fornecedor, da empresa que fabrica ou comercializa o produto.

Se ela realmente é bem reputada entre os consumidores, se já está consolidada no mercado, então é uma empresa confiável, que vende mercadorias de boa qualidade.

Escolha o material que será aplicado

Essa dica está relacionada às anteriores. Como falamos, há muitos tipos de materiais que podem ser aplicados em manta térmica for wall: lã sintética, lã animal, espumas de poliuretano e sprays, 3TC. Cada um tem suas propriedades, suas limitações e vantagens.

Mas é importante escolher um material mais versátil, que possa preencher lacunas que outros materiais deixam. Quanto mais completo ele for, será melhor, pois oferecerá um custo-benefício vantajoso. Você pode até pagar mais caro pelo produto, mas também contará com uma manta térmica for wall de ótimo desempenho.

Como aplicar essas mantas?

A aplicação da manta térmica depende do tipo de projeto e da manta também. Vamos utilizar drywalls e divisórias como exemplo. Normalmente, as mantas fibrosas são aplicadas entre os montantes de metal ou de madeira. Isso causa uma patologia chamada ponte térmica nos locais sem isolamento térmico. Mantas térmicas contínuas tais como o 3TC Isolamento resolvem esse problema: a instalação é feita sem lacunas.

Dessa forma, várias camadas de mantas podem ser utilizadas. Isso depende também das demandas de isolamento do seu projeto. No caso das paredes tradicionais, a fixação pode ser feita com colas especiais ou por meio de processos mecânicos.

Em cada ponto metálico, um faixa de ponte térmica.

Quais são os benefícios da manta térmica?

O uso desse material nas edificações proporciona vantagens importantes. Confira!

Sustentabilidade

Os materiais das mantas 3TC são fabricados com processos sustentáveis. Na fábrica são utilizados materiais sustentáveis que impactam muito pouco o ambiente. Tudo 100% reciclável. Além disso, por melhorarem o isolamento do ambiente diminuindo a temperatura, reduzem a necessidade de uso de ar-condicionado e aquecedores. Da mesma forma, em locais que utilizam de climatizadores, pode aumentar consideravelmente a eficiência desses equipamentos, diminuindo o consumo energético. Sendo assim, a emissão de CO2 tanto na produção, utilização e instalação do 3TC é muito baixa.

Custo-benefício

Os projetos de isolamento são relativamente baratos em comparação aos custos que eles ajudam a diminuir. Consequentemente, em poucos meses, você verá um retorno de praticamente todo o investimento, pois ele gera vários benefícios:

  • melhoram o conforto térmico, trazendo ergonomia, o que aumenta a produtividade das equipes;
  • reduzem a necessidade de compra de novos equipamentos de climatização à medida que um negócio cresce;
  • diminuem os gastos com a conta de energia, visto que é possível utilizar os ares-condicionados e aquecedores em uma potência menor.

Consumo menor de energia

Aplicando o conceito de isolamento térmico, você pode economizar energia elétrica em qualquer estação do ano. Nas estações mais frias, não será necessário consumir muita energia com um sistema de aquecimento elétrico ou deixando luzes acesas por um período maior (já que alguns modelos também irradiam energia térmica).

Nas estações mais quentes, não será preciso viver com o ar-condicionado ligado ou fazer uso de ventiladores para refrigerar o ambiente interno, pois ele estará isolado termicamente do ambiente externo.

A manta pode diminuir o calor em até 5º C no ambiente interno das edificações. Ela impede que as irradiações alcancem o ambiente interno, promovendo uma temperatura mais aconchegante.

Mesmo quando esses aparelhos são ligados, não é necessário usá-los em intensidade máxima, reduzindo assim seu esforço e, consequentemente, o consumo de eletricidade.

A redução no consumo de energia pode ser apontada como um dos principais benefícios da manta térmica. Todos procuram economizar gastos e a energia elétrica representa um relevante percentual das contas recorrentes, mensais.

Possibilidade de evitar infiltrações

A manta térmica for wall ainda protege contra a umidade e contra a infiltração de água e goteiras, que costumam acontecer nos dias chuvosos e frios em paredes com pouca ou nenhuma impermeabilização.

Dessa forma, ela se torna uma opção que vai além das expectativas do consumidor, conferindo não apenas o isolamento térmico da construção, mas promovendo melhorias em outras áreas. Como ela é impermeabilizante, ajuda a prolongar a vida útil da construção.

A umidade e as infiltrações comprometem, em médio ou longo prazo, a confiabilidade da estrutura e a segurança dos moradores. Além disso, interferem em aspectos estéticos, causando mofo e deixando manchas nas paredes, criando, às vezes, um ambiente insalubre.

Obstáculo à entrada de sujeira e à propagação do fogo

Outra vantagem no isolamento térmico é que a manta também impede a penetração de sujeira no imóvel porque funciona como uma barreira entre o espaço interno e o ambiente externo. Assim, a edificação fica mais higienizada, facilitando o trabalho de limpeza diário.

Além de ajudar na redução de sujeira, a manta também é à prova de bactérias e de fungos, agentes causadores de doenças e problemas de saúde. Também resiste à ação de animais roedores, como os ratos e camundongos.

Também impede a propagação do fogo, aumentando a segurança dos usuários contra sinistros. Como vimos, a manta 3TC é não propagadora de chamas, sendo Classe II-A.

Redução dos ruídos externos

Algumas mantas, como a 3TC, têm camada de material acústico, ou seja, reduzem a entrada dos ruídos externos no ambiente interno. Assim, além de atender ao conceito de conforto térmico, elas proporcionam ainda conforto acústico.

Em alguns lugares, os ruídos externos realmente atrapalham a rotina dos usuários da edificação. Barulho de veículos que transitam pelas ruas, buzinas, vozes, equipamentos e ferramentas trabalhando, som de música estrondosa podem incomodar bastante, atrapalhando uma conversa mais fluida, a concentração no trabalho, impedindo de assistir a um programa de TV e assim por diante.

A poluição sonora é um dos principais problemas das cidades, principalmente as maiores. Ela também é nociva à saúde quando excede a 80 decibéis (o limite máximo recomendado pelos especialistas), ou seja, pode provocar problemas auditivos e até induzir à surdez.

Leveza e flexibilidade

A manta térmica também é leve, flexível e oferece facilidade em sua instalação. Isso economiza tempo e torna mais prático seu uso. Não exige uma reforma completa na casa. É uma solução para quem tem pressa ou não pode gastar muito com reformas.

Portanto, a manta térmica for wall é uma opção bastante interessante para a sua empresa. No entanto, você deve prestar bastante atenção na hora da escolha de um fornecedor: opte por materiais mais eficientes e multifuncionais e por um suporte ponta a ponta. Ou seja, desde o orçamento, explicação técnica, até a instalação e manutenção das mantas. É justamente isso que a 3TC Isolamento consegue entregar para você!

Gostou de conhecer as mantas térmicas e quer implementar esse material? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar.

Para garantir um ambiente agradável de trabalho, é fundamental desenvolver meios que proporcionam mais segurança e conforto aos colaboradores de uma indústria. Além disso, é preciso controlar a temperatura dos equipamentos para que eles funcionem de maneira adequada. Sendo assim, o modo mais viável para alcançar esses objetivos é investir em uma solução de isolamento térmico industrial.

Para ser eficiente, cada indústria apresenta necessidades diferentes, o que exige uma correta análise das condições existentes na empresa. Apesar de muitas companhias conhecerem as vantagens do isolamento térmico — sobretudo no que diz respeito à economia de energia —, ainda é comum utilizarem essa solução de maneira inadequada, o que proporciona resultados abaixo do esperado.

Sabendo disso, reunimos neste pequeno guia algumas informações valiosas sobre a importância e como fazer corretamente o isolamento térmico em uma indústria. Tenha uma boa leitura!

Qual é a função do isolamento térmico industrial?

Conceitualmente, o isolamento térmico é a capacidade que um determinado material apresenta de evitar a troca de energia térmica entre dois meios distintos. Assim, ao aplicar essa solução em uma indústria, é utilizado um composto que apresenta baixa condutividade de calor em uma superfície. O que impede a dissipação de energia e resulta na manutenção da temperatura ambiente.

Logo, ao ser utilizado esse mecanismo, se mantém o conforto térmico local, o que garante um ambiente adequado para o trabalho dos colaboradores. Além disso, para ocorrer o seu bom funcionamento, os equipamentos precisam ser utilizados em uma temperatura adequada, o que garante maior eficiência e menor consumo de energia.

Quais são os principais cuidados?

Para garantir maior eficiência de um sistema de isolamento térmico industrial, é preciso tomar alguns cuidados durante o desenvolvimento e a execução dessa solução. Sendo assim, reunimos a seguir uma pequena lista com 5 dicas do que é preciso fazer para garantir bons resultados. Confira!

Tenha um bom projeto

Como é possível perceber, o isolamento térmico propicia diversas vantagens a uma indústria. Entretanto, para que esse sistema seja eficiente, é preciso que haja um bom planejamento. Para isso, o primeiro passo é desenvolver um bom projeto, que determinará todas as diretrizes que deverão ser seguidas.

Assim, o projetista conseguirá definir quais são as soluções mais eficazes para cada tipo de empresa. De modo a proporcionar o resultado esperado pelos gestores. Afinal, devido a grande variedade de isolantes térmicos existentes no mercado — os quais apresentam os mais diferentes níveis de condutividade térmica —, o profissional deve escolher aqueles que proporcionam o melhor custo-benefício.

Baixe aqui nosso manual de instalação da manta térmica de subcobertura em estruturas metálicas!

Considerar as características da indústria

Conforme já explicamos, existe uma grande variedade de isolantes térmicos no mercado, os quais são indicados para determinadas situações. Assim, é preciso considerar as particularidades da indústria para escolher o composto mais eficiente e que trará os melhores resultados.

Além de escolher o material mais adequado, alguns tipos de indústria necessitam da realização de algumas técnicas especiais para estabilizar a temperatura dos equipamentos. Com isso, é preciso ficar atento, caso seja necessário associar o sistema de isolamento térmico com alguma metodologia específica e que garanta uma maior eficiência do sistema.

Conhecer os principais tipos de isolamentos

Além de considerar as particularidades existentes nos processos industriais, para garantir mais eficiência no isolamento térmico, é preciso avaliar as características de cada material. Cada solução apresenta graus de condução de calor e aplicação distintas, que devem ser consideradas durante o desenvolvimento do projeto e a escolha das soluções.

Além de levar em conta a capacidade do material de manter o conforto ambiental, também é preciso analisar os outros benefícios que ele oferece, como o isolamento acústico. Assim, dentre as várias opções encontradas no mercado nacional, é possível avaliar qual delas proporcionará as maiores vantagens e o melhor custo-benefício.

Procurar as soluções mais eficientes

Para garantir um melhor isolamento térmico industrial, conforme já explicamos, é preciso analisar diversos fatores das soluções existentes no mercado. Assim, ao considerar as necessidades específicas da empresa, em conjunto com as vantagens oferecidas pelo material, é possível escolher aquela que será mais eficiente em garantir um melhor controle sobre a temperatura.

Além disso, é preciso considerar a fonte que origina o calor. Afinal, como ele pode ser transmitido por 3 formas distintas é preciso escolher uma solução que impeça essa troca de temperatura. AS 3 formas de transferência de calor são a condução, a convecção e a radiação.

Apesar de a grande maioria dos produtos encontrados no mercado lidar apenas com a condução, o que corresponde a 10% da transferência de calor em uma edificação, é possível encontrar um produto que combate todas as três formas de transmissão.

Realizar uma instalação correta do isolamento térmico industrial

Um dos segredos para garantir a eficiência e a qualidade de um sistema de isolamento térmico é a correta instalação dessa solução. Para isso, é recomendado a contratação de uma equipe especializada, com referências. Dessa forma contarão com profissionais que estão acostumados e saibam como trabalhar corretamente com esse produto.

Caso contrário, é possível que ocorram falhas durante a execução do serviço, o que prejudicará o desempenho do produto. Com isso, além de não proporcionar os resultados esperados, para resolver o problema será necessário fazer reparos. Reparos não programados configuram como novos custos e retrabalho. Dessa forma uma solução definitiva, bem planejada, e bem executada é um investimento de retorno rápido.

Qual é a importância do isolamento térmico industrial?

Uma das principais vantagens proporcionadas pelo isolamento térmico industrial é a redução do consumo de energia. Afinal, pelo fato dessa solução evitar a emissão de calor, uma indústria gastará menos com combustíveis para manter um fluido em uma determinada temperatura — seja ela alta ou baixa. Além disso, pelo fato de o ambiente ficar mais fresco, serão necessárias soluções mais econômicas para manter o conforto térmico.

Outra vantagem do isolamento térmico é a possibilidade de manter controlada a temperatura dos equipamentos. Com isso, evita-se o desgaste precoce desse maquinários, além de garantir o seu bom funcionamento.

Ao fazer esse investimento, também se consegue benefícios relativos à segurança e ao conforto térmico do trabalhador. Com o isolamento, o colaborador fica protegido de queimaduras causadas devido às baixas e altas temperaturas. Logo trabalhará em um ambiente com uma sensação térmica mais adequada.

De qualquer forma, é muito importante considerar as diversas questões relacionadas ao isolamento térmico industrial. Isso proporciona os resultados esperados pelos gestores, além de garantir uma maior eficiência desse sistema.

Caso você tenha gostado dessas dicas e queira aprender um pouco mais, que tal descobrir como melhorar o conforto térmico segundo as regras de ergonomia? Até o nosso próximo artigo!

 

A criação de animais inclui diversos fatores. É preciso se preocupar com aspectos como o espaço disponibilizado, o tipo de produção, a alimentação e assim por diante. Além desses pontos, entretanto, não dá para ignorar a necessária atenção ao ambiente. É nesse sentido em que surge o conforto térmico animal.

O conceito tem sido cada vez mais difundido e tem que ser aplicado do jeito certo para garantir o bem-estar dos animais. Com as técnicas adequadas, fica fácil obter os resultados necessários para uma criação segura e eficiente.

Para que não restem dúvidas, mostraremos qual é a importância do conforto térmico animal e quais são os pontos que exigem a sua atenção. Continue a leitura!

O que é conforto térmico animal?

O conforto térmico, de maneira geral, consiste em garantir as condições adequadas de temperatura para os seres em determinado ambiente. Ou seja, é necessário disponibilizar um espaço que não seja quente ou frio demais, de modo a não causar o que é conhecimento como estresse térmico.

Se para humanos essa questão já é importante, para animais é especialmente necessário. Em ambientes de produção animal, os bichos precisam estar dentro das condições corretas para a sua espécie e faixa de vida. Ao saber o que é conforto térmico animal, portanto, fica mais fácil entender o seu papel.

É importante notar que cada um tem uma exigência. Mamíferos normalmente conseguem regular a temperatura do organismo. No entanto, não significa que devam ser deixados em situações de frio ou calor extremo. No caso das aves, é ainda mais importante considerar essa questão.

Então, é fundamental executar ações que permitam que os animais estejam em condições realmente confortáveis durante toda a sua vida.

Qual a importância do conforto térmico para os animais?

Os animais também sentem desconfortos relacionados ao ambiente. A falta de um espaço correto para descansar, por exemplo, pode deixar uma espécie irritada. Já a escassez de limpeza compromete a saúde da maioria dos bichos.

No caso da temperatura, valores muito altos ou baixos atrapalham o funcionamento dos sistemas. Por isso, pensar nas medidas para controlar essa questão é muito vantajoso. A seguir, explicamos por que o conforto térmico animal é tão importante.

Manter a temperatura ideal

Para alcançar essa sensação de conforto, é preciso acompanhar o nível da temperatura em cada ambiente. Ou seja, isso significa fazer com que o espaço esteja com os valores adequados para cada animal.

Vale notar, inclusive, que esse é um processo individual, de acordo com cada espécie e estágio da vida. Aves, como os frangos de corte, podem necessitar de uma temperatura que varia de 32º C, após o nascimento, até 24º C, a partir da quarta semana. No entanto, os valores também podem mudar com a quantidade de animais por metro quadrado e até com a ventilação, de modo a não diminuir muito a sensação térmica.

O mesmo acontece com suínos, bovinos e outras espécies. Portanto, o conforto térmico animal é essencial para ter controle sobre a temperatura percebida pelo ser, o que garante um bom funcionamento do organismo de cada um deles.

Reduzir o estresse do animal

Quando elas não são adequadas, os bichos procuram meios de se “defender” das condições ambientais. O instinto faz com que eles busquem novas formas de regular a temperatura, em busca da sobrevivência.

Frangos em temperatura baixa, por exemplo, ficam aglomerados na tentativa de gerar calor. Porcos em ambientes muito quentes se tornam agitados e sofrem problemas de circulação.

O estresse térmico prejudica a saúde dos animais, bem como compromete diversas funções corporais. De forma prolongada, pode afetar todo o desempenho e o bem-estar. Evitar o quadro, portanto, é essencial para garantir o bom tratamento às espécies e para oferecer um cuidado humanizado na criação.

Preservar a oxigenação

A temperatura corporal está ligada à capacidade de diversos sistemas do organismo. Os órgãos dos animais funcionam de maneira diferente de acordo com cada situação, então é preciso ficar atento.

A oxigenação está ligada à capacidade de carregar os nutrientes para as células e fazer as trocas gasosas. No entanto, fora das condições ideais de temperatura, há problemas nesse processo.

Se o ambiente é muito quente, o animal pode sofrer com uma respiração mais rápida e uma oxigenação que não é suficiente. Já em temperaturas baixas, problemas respiratórios podem ocorrer. Portanto, podemos dizer que o conforto térmico animal também está ligado à preservação da oxigenação, de modo a otimizar o funcionamento do organismo.

Garantir a produtividade

A criação de animal, qualquer que seja, visa a obter produtividade. Animais de corte, por exemplo, devem alcançar pesos específicos para que atinjam os padrões esperados. Outros estão ligados a quanto produzem diretamente, como galinhas e ovos e vacas e leite.

De qualquer forma, a temperatura tem grande influência sobre o desenvolvimento e a atuação dos animais. Uma vaca com estresse térmico, por exemplo, não vai produzir tanto leite, o que afeta os resultados almejados. Frangos com frio não se desenvolvem como deveriam, o que também gera perdas.

As respostas fisiológicas incluem perda de massa, alterações na circulação, mudanças na alimentação, modificações no nível de atividade e assim por diante. Já com as condições ideais, os animais têm tudo o que é necessário para fortalecer a produção.

Aumentar a sustentabilidade

A sustentabilidade é uma preocupação cada vez mais latente na sociedade. As pessoas desejam ajudar o meio ambiente, bem como esperam que as marcas se engajem nesse sentido. Com isso, empresas de todos os setores devem se atentar a tal questão — inclusive as de produção animal.

Ao cuidar do controle da temperatura do ambiente onde ficam os animais, em primeiro lugar, há uma produção mais humana e adequada. Isso se encaixa com os preceitos de desenvolvimento sustentável e respeito à natureza.

Além do que, é um jeito de otimizar o consumo de diversos recursos, como ração, água, energia e assim por diante. Desse modo, a produção se torna sustentável e relevante.

Como reduzir o desconforto térmico?

O cuidado com a temperatura é o principal jeito de garantir que os animais não passem pelo estresse térmico. Para que o desconforto seja reduzido ao menor nível possível, portanto, essa preocupação deve ser colocada em prática por meio de diversas técnicas.

O uso dos recursos certos faz toda a diferença para ser bem-sucedido na empreitada, então é preciso ficar atento. Venha ver nossas sugestões sobre como reduzir o desconforto térmico e entenda quais são os pontos que merecem a sua atenção.

Manter os animais na sombra

A radiação é a maior vilã do calor e do aumento da temperatura. Os raios solares trazem o calor que cruza a atmosfera terrestre e impacta todo o espaço. Ou seja, tanto o solo quanto as construções são afetados pelo aquecimento. Se os animais ficarem em uma área de sol, a tendência é que a temperatura seja ainda maior.

Portanto, o ideal é que os animais sejam deixados em ambientes à sombra. No caso do gado criado solto, por exemplo, é preciso que o local tenha pontos de descanso sem sol direto. Na granja ou em áreas de criação de suínos, é fundamental que os animais não sejam afetados diretamente pelos raios solares.

Embora seja apenas a primeira ação recomendada nesse sentido, já é capaz de ajudar a garantir um ambiente mais salubre.

Fazer uso da ventilação natural

Não apenas a temperatura é importante, como também a questão da ventilação. Oferecer correntes adequadas de ar é indispensável quando o objetivo é diminuir o desconforto e evitar o estresse térmico.

Uma das maneiras de conseguir isso é por meio da ventilação natural. Um dos fatores determinantes é a altura do espaço, então um pé direito elevado torna o lugar mais arejado por causa da diferença de pressão, melhorando os resultados.

Também é viável pensar na ventilação cruzada. Nesse caso, é comum criar aberturas paralelas no imóvel onde ficam os animais, de modo a aproveitar o fluxo de passagem do ar. Assim, é possível diminuir a temperatura ambiente sem precisar gastar nada nesse sentido.

Utilizar nebulizadores e ventiladores

Ao mesmo tempo, não é interessante depender apenas da ventilação natural. Em certos períodos do ano, por exemplo, isso significa ter um baixo nível de umidade na atmosfera, o que também pode prejudicar os animais.

Então, é essencial pensar no uso de ventiladores. Há os condensadores e climatizadores — inclusive, os que auxiliam a trocar e renovar o ar.

Em relação à umidade do ambiente, a nebulização é essencial. Isso significa usar microaspersores, ou seja, equipamentos que ajudam a pulverizar pequenas gotículas de água. Elas evaporam antes que atinjam os animais, mas permitem umidificar e a diminuir a temperatura do ar.

Planejar a construção dos alojamentos

Como deu para ver, a maioria das soluções está relacionada ao ambiente de alojamento. Sem cuidar desse ponto é impossível garantir de forma completa a atenção necessária em relação ao controle de temperatura.

Portanto, é fundamental partir do cuidado com a construção dos alojamentos. Eles devem ser planejados de maneira integral para que apresentem as melhores condições e toda a capacidade de conforto.

Além de tudo, ter atenção nesse momento é determinante para otimizar o uso dos recursos. Basicamente, a melhoria ainda no planejamento evita a necessidade de gastos e consumos em excesso posteriormente, de modo a melhorar o desempenho nesse sentido.

Quais os cuidados envolvidos na construção dos alojamentos?

Como visto, a área construída onde ficam os animais é um dos fatores essenciais para o conforto térmico. Erguer um ambiente já com o pé direito alto ou com ventilação cruzada, por exemplo, diminui as exigências em relação ao uso de ventiladores de grande potência.

Mais que apenas pensar no tamanho ou na disposição, é fundamental considerar alguns outros aspectos. Na sequência, apresentaremos os pontos que exigem mais atenção e o que levar em conta para obter bons resultados.

Localização

Primeiramente, é preciso escolher uma localização adequada. A intenção é identificar um ponto que reúna as melhores características, de acordo com a necessidade de cada animal.

Se o local tiver um clima naturalmente muito quente, vale pensar em espaços com um pouco mais de sombra e que sejam arejados. No entanto, é preciso tomar cuidado para que ele não seja frio demais, por exemplo.

Em relação à umidade, convém evitar os chamados terrenos de baixa. Eles têm um grande nível de umidade — principalmente à noite. No inverno, não recebem tanta radiação e isso pode gerar o desconforto térmico e até a necessidade de aquecimento.

Outro ponto importante é que o local deve ter uma área suficiente para abrigar todos os animais e a estrutura necessária para dar conta de todos. Não adianta achar um lugar adequado se os animais ficarão aglomerados e desconfortáveis, por exemplo. Então, verifique se a instalação realmente se adapta ao ponto.

Disposição

Em relação à planta baixa, é muito importante pensar em toda a disposição do imóvel, de modo a facilitar e favorecer a utilização do espaço. É preciso avaliar a instalação de recursos para a ventilação natural cruzada, por exemplo. Então, devem-se planejar as janelas ou pontos de passagem de ar.

Também é necessário considerar onde ficarão elementos como berçários, comedouros, áreas de descanso e assim por diante. É natural que cada ambiente precise de um nível de climatização e controle, então isso deve ser considerado para o conforto térmico animal.

Além de tudo, não dá para desconsiderar a possibilidade de expansão. Se existe o planejamento de crescimento da produção animal, deve-se considerar esse aspecto no planejamento do espaço.

Telhado

Como visto, a radiação é uma das maiores vilãs quando o assunto é a temperatura. Em um alojamento, o telhado é um dos pontos que mais sofre com a incidência dos raios solares e, portanto, desse processo. Sem o cuidado adequado, ocorre a transferência de calor e o estresse térmico.

O melhor é escolher um material com bom índice de reflexão solar, em vez de um que absorva os raios. Também vale pensar em um projeto de isolamento térmico, que será tratado adiante.

Outros aspectos incluem, por exemplo, a inclinação. O ângulo ideal fica entre 20 e 30 graus e é interessante ter uma passagem para a saída do ar quente.

Em relação à altura, ele deve ser mais elevado para impedir a transferência excessiva de calor. Completar a estrutura com ventiladores e microaspersores é um jeito de dissipar parte do calor.

Laje e piso

Especialmente em alojamentos com mais de um andar, a laje é essencial. Além de dar sustentação, ela também evita a transferência de calor entre pontos, o que garante maior proteção e conforto térmico animal.

O melhor é construir uma versão com materiais que ajudem no isolamento térmico, como um concreto com características especiais. A segurança também está em jogo, então recomendamos ter atenção sobre essa questão.

Quanto ao piso, a escolha depende do animal e do seu comportamento. Por exemplo, os suínos passam até 19 horas deitados e, portanto, têm um grande contato com esse ponto. Se o piso for muito quente ou frio, há desconto térmico. Nesses casos, é possível optar pelos ripados ou maciços, de acordo com cada exigência.

Em todos os cenários, é preciso tomar cuidado com o nível de calor que o material consegue absorver. Ele deve ter a temperatura ótima, justamente para evitar a perda de produtividade. Além de tudo, o contrapiso tem que ser regular para prevenir que parte do revestimento cause algum tipo de dano ou escape de calor indesejável.

Manta térmica

Os vários tipos de isolamento térmico são excelentes soluções para garantir o conforto térmico animal. Eles protegem o ambiente das diferentes formas de transmissão de calor — condução, convecção e radiação — e ainda ajudam a economizar recursos.

A manta térmica é uma solução muito utilizada e que serve para impedir a passagem do calor de maneira indesejada. Ela pode ser aplicada tanto no telhado quanto nas paredes — e é daí que surge a necessidade de fazer um bom planejamento quanto ao espaço.

Mas se há tantos tipos, qual é a melhor opção? A seguir, mostramos as principais alternativas e as suas características!

Fibra

A versão de fibra pode ser feita com vários materiais, como a cerâmica. Nesse caso, formam-se fios aglomerados que ajudam a conter o calor, conforme a transferência ocorre de um ponto a outro.

Dependendo do tipo que é aplicado na fabricação, é um modelo que permite conter a condução ou a convecção. Essa alternativa, entretanto, não resiste muito bem à umidade e, em alguns casos, à temperatura elevada. Com isso, pode não ser a escolha ideal para garantir o conforto térmico animal.

Spray

A versão em spray consiste em um material que é pulverizado no local de interesse — normalmente o telhado. O mais comum é que ela seja feita de poliuretano, que funciona como um péssimo condutor térmico e, portanto, como um bom isolante.

A cor é clara para evitar a absorção dos raios solares, o que ajuda a conter parte do problema ligado à radiação. Paralelamente, exige uma aplicação muito profissional e que nem sempre atende aos interesses do alojamento. Como normalmente não é usado nas paredes do mesmo modo que no telhado, o problema da temperatura talvez permaneça.

Alumínio

A manta térmica de alumínio ou foil, como também é conhecida, tem o papel principal de ajudar a conter a radiação. Ela funciona como uma espécie de forro no telhado ou até entre as paredes.

Quando os raios solares batem na superfície espelhada, são refletidos e dissipados. Isso permite evitar a absorção de calor por radiação, o que diminui consideravelmente a temperatura do espaço interior.

Contudo, o produto pode não ser eficiente contra a condução, já que ela está associada ao contato. Como o alumínio não funciona como uma barreira para a transferência, o aquecimento se torna inevitável em muitos casos.

Espuma

A manta térmica de espuma é feita de poliuretano, na maioria das vezes. O material não permite a condução térmica e, com isso, evita que a temperatura seja transmitida do exterior para a parte de dentro.

Também pode se tratar de uma versão com espuma expansiva, que ajuda a preencher vários espaços e, portanto, impede a circulação do ar quente.

No entanto, é tóxica e não é ideal em altas temperaturas. Um princípio de incêndio, por exemplo, pode ganhar força rapidamente e comprometer a integridade dos animais.

Mista

Já a versão mista combina diversos materiais para chegar a um resultado mais completo. Uma opção exclusiva é a que aparece no estilo “sanduíche”, com camadas especiais para cada tipo de transferência de calor.

No revestimento externo, o material altamente reflexivo combate a radiação, que é a grande vilã. Como visto, os raios são refletidos e o calor é dissipado, o que já ajuda a diminuir boa parte do impacto.

No meio, há um preenchimento com poliestireno expandido, o qual impede a passagem do calor. Juntos, os dois componentes são essenciais para também combater a condução, o que favorece o controle de temperatura.

Além disso, a estrutura é feita para “vedar” o alojamento, o que impede a passagem de vapores. Desse jeito, é possível combater a convecção, o que gera um cuidado extra e possibilita o conforto térmico animal.

Um dos maiores benefícios de um material do tipo é que há uma proteção reforçada contra umidade e mofo, além de não ser tóxica e nem gerar problemas diante de temperaturas muito elevadas. Nesse caso, é uma solução robusta para garantir máximo controle no ambiente.

A instalação é simplificada e, com um bom planejamento, torna-se ainda mais fácil. Como resultado, é possível fazer com que os animais, de qualquer que seja a espécie, tenham tudo o que é necessário para que possam se desenvolver.

O ideal é escolher uma empresa capacitada, experiente e com uma solução que realmente cumpra esses pontos. Somente desse jeito é possível obter o melhor isolamento, dentre os disponíveis.

Como dissemos, o conforto térmico animal é indispensável para a produtividade, sustentabilidade e humanização. Nesse caso, o controle de temperatura é fundamental, o que exige medidas específicas. Além do bom planejamento, o uso de mantas térmicas garante o isolamento necessário para que o espaço seja muito bem aproveitado.

Para não perder nenhuma dica e saber como conseguir o melhor desempenho, assine nossa newsletter e fique por dentro sobre as questões de temperatura!