O comportamento ao fogo de um revestimento é um dos critérios mais importantes para uma obra. Afinal, há inúmeras normas técnicas que exigem a segurança contra incêndio, nos mais diversos tipos de construção.

Nenhuma empresa quer ser associada a eventos fatídicos com possibilidade de ferimentos e óbitos. A segurança ao incêndio é um fator crucial e indispensável na escolha correta de materiais de acabamento e revestimento. Por isso, é importante que você conheça a resistência dos isolantes térmicos utilizados nos seus projetos. Durante o projeto, é preciso escolher produtos que atendam as normas de segurança e tenham certificação de laboratórios especializados na área.

A tecnologia 3TC atende todas as normas nacionais e internacionais relacionadas ao comportamento ao fogo, incluindo a instrução técnica do Corpo de Bombeiros IT 10/2011, sendo certificada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP) como material que não propaga fogo com a classificação II-A0.

Quer saber mais sobre as classificações de comportamento ao fogo dos materiais de revestimento para o seu projeto e sobre a proteção trazida pelos produtos da 3TC? Então, acompanhe a leitura!

O que são materiais não combustíveis, semi-combustíveis, e retardantes/não propagantes?

Muitas pessoas se confundem com as classificações de materiais no que tange o comportamento ao fogo.

Os materiais não-combustíveis ou incombustíveis são aqueles que, quando submetidos a uma fonte de combustão, não se deformam excessivamente, não apresentam derretimento e não produzem grande emissão de fumaça e gases. Estes materiais geralmente são inorgânicos. Tais como: concreto, tijolo, cobertura para telhado, placa de amianto, aço, alumínio, vidro, argamassas e outros similares. Dessa forma, estes materiais são considerados estruturais.

Os materiais semi-combustíveis são aqueles que, apresentam pouco desenvolvimento de chamas, fumaça ou gases durante o processo de combustão. Similares aos materiais não combustíveis, os materiais semi-combustíveis também não apresentam grandes deformações ou derretimentos. Materiais como painéis de gesso e os revestimentos metálicos que contêm quantidade mínima de madeira, papel ou plástico podem ser enquadrados nesta categoria.

Os materiais retardantes ao fogo ou não propagante à chamas são aqueles que, possuem tratamentos químicos para melhorar suas características de reação ao fogo, ou aqueles protegidos com superfícies incombustíveis ou com produtos que apresentem dificuldade de queima, quando expostos a um processo de combustão. Estes materiais apresentam pequenas deformações e derretimento quando expostos a combustão, podendo pegar fogo em parte do material até que as chamas sejam controladas, extinguidas e dissipadas, não representando assim riscos à segurança. Os materiais de revestimento e isolamento térmico e acústico devem se enquadrar nesta categoria para serem certificados e assim poderem ser utilizados com segurança em projetos construtivos.

Como ocorrem os incêndios?

 Os incêndios podem ser categorizados em por três etapas: a etapa inicial (primeira fase), a etapa de inflamação (segunda fase) e a etapa de extinção/dissipação (terceira fase).

Na fase inicial, o incêndio está restrito apenas a um foco. Este foco é identificado pelo primeiro material que tenha sofrido o processo de ignição e pelos possíveis materiais ao redor. Nesta fase a temperatura do ambiente aumenta gradualmente. A seguir, tem-se a fase da inflamação ou queima generalizada, caracterizada pelo envolvimento de grande parte do(s) material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente. A temperatura aumenta drasticamente, não sendo possível assim a sobrevivência humana no recinto. A fase de extinção/dissipação ocorre quando grande parte do material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente já foi consumido e a temperatura entra em decréscimo.

Uma vez que o material que esteja em contato com a fonte de ignição das chamas se decomponha pelo calor, gases que sofrem ignição serão liberados. Assim que a ignição é estabelecida, o(s) material(s) alimenta(m) a combustão, liberando gases/fumaça e desenvolvendo calor. Dessa forma o ambiente, então, sofrerá uma elevação gradativa de temperatura, e fumaça e gases quentes serão acumulados no teto.

Através das 3 formas de transferência de calor, condução, radiação e convecção, poderá ocorrer a propagação do fogo para materiais combustíveis que estejam nas adjacências do local.

Cabe ressaltar que a maioria dos incêndios ocorre a partir de uma fonte de ignição nos materiais contidos no edifício como papéis, móveis, cortinas, e não nos materiais incorporados ao sistema construtivo, como materiais de revestimento e isolantes térmicos.

Quem determina o desempenho dos produtos?

 Para se certificar de que determinado produto é não propagante a chamas, resistente ao fogo, é necessária uma série de testes em laboratórios confiáveis. Os materiais são submetidos a condições que simulam um incêndio. Se resistirem à combustão, são considerados à prova de fogo. A determinação do desempenho dos produtos é aferida por normas nacionais como as normas NBR ABNT 16626, NBR 9442, NBR11948, e internacionais como a norma ASTM E 662 e ASTM E 84. Além disso existe a normativa do Corpo de Bombeiros com instrução técnica para controle de materiais de acabamento e de revestimento. Portanto, os materiais de revestimento devem atender todas as normas e instruções dos órgãos vigentes para que, na ocorrência de incêndio, restrinjam a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça.

Porque existem classificações de comportamento ao fogo e como elas são elaboradas?

 A classificação dos materiais que são utilizados como revestimentos e/ou acabamentos existem para se providenciar a segurança contra incêndio. A proteção contra o risco do crescimento e da propagação do incêndio, contra o risco à vida humana e à propriedade, são mensuradas por meio dessas classificações que garantem a eficácia do Sistema Global de Segurança contra Incêndio

Estas classificações são elaboradas utilizando os índices estabelecidos nas normas recomendadas para avaliar a Reação ao Fogo onde os índices são categorizados em letras, de A ao E, e em subdivisões com numerais I e II — sendo A o mais seguro e o E o menos seguro.

Qual classificação um produto deve ter para ser considerado seguro?

 Os materiais com mais qualidade e que apresentam maior segurança em relação ao comportamento ao fogo recebem classificação I-A e II-A. Materiais de revestimento e isolantes térmicos considerados não propagadores de chamas devem necessariamente obter classificação A para poderem ser utilizados com segurança. Contudo, existem empresas que vendem produtos para o mesmo segmento com classificações diferente, por exemplos, mantas com classificação A e outras com classificação E. Considerar a utilização de materiais com classificação inferior a classe A ou não resistentes ao fogo coloca em risco a segurança de toda a estrutura. Para não se confundir ou utilizar um produto que não é adequado ao projeto é importante solicitar laudos de reação ao fogo aos fornecedores, a fim de ter certeza da classificação final do produto.

Quais os testes de comportamento ao fogo foram feitos na manta térmica 3TC?

A 3TC testou os materiais com uma das referências em segurança contra fogo e explosões. Trata-se do Centro Tecnológico do Ambiente Construído, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, mais conhecido pela sigla CETAC-IPT. A instituição segue as principais regras internacionais de padronização e a legislação nacional referente ao assunto.

Os ensaios técnicos seguem metodologias internacionais para determinar os índices de propagação de fogo, densidade de fumaça, toxidade, desprendimento de partículas, etc.

A tecnologia 3TC foi submetido aos métodos de ensaio:

– BS EN ISO 13823: 2002 – Reaction to fire tests for building products – Building products excluding floorings exposed to the thermal attack by a single burning item.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-109 – “Ensaios de reação ao fogo – Produtos utilizados em construção civil, exceto pisos. Método SBI”.

– BS EN ISO 11925-2:2010 – Reaction to fire tests – Ignitability of building products subjected to direct impingement of flame – Part 2: Single-flame source test.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-107 – “Ensaios de reação ao fogo – Ignitabilidade de produtos utilizados na construção civil sujeitos ao contato direto com chama – BS EN ISO 11925-2: 2010”.

– ABNT NBR 16626: 2017 – Classificação da reação ao fogo de produtos da construção.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-188 – “Classificação dos materiais de acabamento e revestimento empregados nas edificações”.

Os índices obtidos por estes ensaios são utilizados como referência para classificação do Corpo de Bombeiros no âmbito do controle de materiais de acabamento e revestimento.

Como foi o comportamento ao fogo dos materiais da 3TC?

 De acordo com o laudo do IPT, a tecnologia 3TC classifica-se como II-A de acordo com a Instrução Técnica nº 10 do Decreto Estadual de São Paulo nº 63.911 e como II-A-d0 conforme a norma ABNT NBR 16626.

CLIQUE AQUI ACESSE O LAUDO COMPLETO

Nos testes de ignição, nenhuma das bordas do material enviado entrou em ignição, mostrando a sua resistência ao fogo. Não ocorreu o gotejamento das partículas em chamas e foi verificada a retração do material durante a aplicação da chama do queimador.

Em relação ao teste BS EN ISO 11925-2, o material se mostrou incombustível, não liberou uma quantidade significativa de fumaça e não apresentou gotejamento. Desse modo, duas avaliações convergiram para a segurança do material diante do fogo.

Portanto, ao escolher produtos da 3TC, além de ter um excelente isolamento térmico, você poderá ter a segurança sobre o comportamento ao fogo. Nossos materiais foram submetidos aos principais testes de segurança e foram devidamente aprovados!

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua empresa? Então, entre em contato conosco!

A manta térmica para parede tem sido um dos materiais mais utilizados nas edificações modernas. Afinal, trata-se de um material ecologicamente sustentável, que apresenta um custo-benefício elevado. A maioria das mantas podem ser empregadas nos mais diferentes tipos de projetos. Como são versáteis, podem ser utilizadas em edifícios corporativos, residenciais, industriais e agrícolas.

O seu principal objetivo é garantir o conforto térmico de construções, mesmo as que contam com sistemas de climatização. do mesmo modo, na indústria as mantas têm sido uma aliada essencial, pois são muito versáteis. Neste contexto elas podem ser instaladas em praticamente todos os ambientes, como armazéns, escritórios e linha de montagem.

Para que você entender melhor os benefícios que ela pode trazer para o seu negócio, preparamos este post com algumas dicas indispensáveis. Confira!

Como funciona uma manta térmica para parede?

O funcionamento exato de uma manta térmica depende muito do seu tipo. Mas, no geral, ela busca interferir nos três processos de transmissão de calor entre os ambientes: a condução, a convecção e a irradiação.

A seguir, veja como a manta age em cada um dos processos:

Isolamento da radiação

Você já ouviu falar das ondas infravermelhas? Trata-se da radiação emitida pelo sol, responsáveis pela transferência de calor para o nosso planeta, que recebe o nome de irradiação.

Ao entrar em contato com os objetos, as ondas agitam as suas moléculas e geram um aumento de temperatura. Quanto mais ondas infravermelhas um objeto absorve, mais “quente” ele fica.

Os melhores materiais para mantas térmicas conseguem refletir essas ondas. Elas não são absorvidas pelas estruturas da edificação; são, na verdade, enviadas de volta para o ambiente. Com isso, há uma redução da temperatura de superfície que pode chegar a 20º Celsius.

Diminuição da condução

Quando dois corpos entram em contato, eles buscam ficar em equilíbrio térmico, ou seja, na mesma temperatura (o objeto mais quente transfere energia calorífica para o mais frio). As mantas são chamadas de isolantes térmicos: os seus materiais têm uma estrutura molecular que dificulta a transmissão de energia de uma partícula para a outra, impedindo o aquecimento do ambiente.

Quando você insere uma camada de isolante térmico entre as paredes de drywall, por exemplo, isso impede que uma camada de gesso transfira energia para a outra. Nas paredes que ficam próximas a equipamento que emitem calor, uma camada adicional de manta pode ser adicionada para evitar o aquecimento de outros cômodos.

Redução da convecção

A convecção é o processo de transmissão do calor por meio de líquidos e gases e o responsável pelas principais trocas entre a atmosfera e as edificações. As mantas térmicas atuam nesse processo da seguinte forma: elas evitam a vazão de energia térmica do ambiente interno para o externo, mantendo a temperatura do local estável.

Isso é especialmente útil se você utiliza algum sistema de ar-condicionado, já que a manta isola bem o ambiente e aumenta a eficiência do equipamento.

Quais são os principais tipos de manta térmica?

Os tipos de manta térmica para parede são a lã animal, as lãs sintéticas, sprays e espumas de poliuretano e a manta 3TC. A seguir, entenda os detalhes de cada uma delas.

Lã animal

A lã animal foi o primeiro tipo de isolamento térmico criado pelo homem. Ela não necessita de alta tecnologia e é fornecida em rolos, além de ser facilmente instalada. As suas desvantagens são: não atua sobre a irradiação do calor e apresenta uma manutenção complicada, devido à sua sensibilidade à umidade.

Lãs sintéticas

São vários os tipos de materiais que podem ser empregados com as lãs sintéticas: vidro, acrílico, PVC e até mesmo rochas. Cada um deles oferece uma vantagem particular, como funcionalidades adicionais, isolamento acústico e proteção contra incêndio. No entanto, em relação ao isolamento térmico, esse tipo de manta não é tão eficiente, pois ele também não reflete a radiação infravermelha.

Sprays e espumas de poliuretano

O spray é uma opção de aplicação mais cara e mais difícil de executar. Além disso precisa de manutenções de tempos em tempos. Por lidar apenas com a condução, em densidades pequenas são as menos eficiente em relação ao isolamento. A sua principal substância empregada é o poliuretano, que também é utilizado nas espumas tradicionais. Ele é inflamável e, na combustão, libera uma fumaça tóxica que pode aumentar o número de óbitos durante um incêndio.

Manta 3TC

A manta 3TC trabalha com uma tecnologia exclusiva e patenteada. Por meio de um processo industrial de alta tecnologia, que combina o poliestireno com lâminas refletivas, o produto é capaz de agir sobre os três processos de transmissão de calor.

De acordo com estudos científicos da Nasa, esse processo produz a reflexão de até 97% dos raios infravermelhos — o que pode gerar uma proteção de até 20º Celsius da temperatura interna em relação ao ambiente.

A manta 3TC também é excelente para reduzir o processo de convecção, devido à sua impermeabilidade a líquidos e gases. Isso é muito interessante em ambientes artificialmente climatizados.

Como vantagens adicionais, as mantas 3TC são muito duráveis, facilmente instaláveis e resistentes a mofo e à umidade. Além disso podem promover atenuação acústica e são não-propagantes à chama, classe II-A, conforme teste realizado pelo IPT (Ensaio Técnico de Comportamento ao fogo – IPT).

As mantas 3TC são bastante versáveis e podem ser utilizadas entre lâminas de drywall, para a confecção de divisórias de madeira e PVC, na cobertura de paredes de alvenaria e de concreto, entre outros. Portanto, adaptam-se bem aos projetos arquitetônicos industriais, assim como aos comerciais, residenciais e agrícolas.

Como aplicar essas mantas?

A aplicação da manta térmica depende do tipo de projeto e da manta também. Vamos utilizar drywalls e divisórias como exemplo. Normalmente, as mantas fibrosas são aplicadas entre os montantes de metal ou de madeira. Isso causa uma patologia chamada ponte térmica nos locais sem isolamento térmico. Mantas térmicas contínuas tais como o 3TC Isolamento resolvem esse problema: a instalação é feita sem lacunas.

Dessa forma, várias camadas de mantas podem ser utilizadas. Isso depende também das demandas de isolamento do seu projeto. No caso das paredes tradicionais, a fixação pode ser feita com colas especiais ou por meio de processos mecânicos.

Em cada ponto metálico, um faixa de ponte térmica.

Quais são os benefícios da manta térmica?

O uso desse material nas edificações proporciona vantagens importantes. Confira!

Sustentabilidade

Os materiais das mantas 3TC são fabricados com processos sustentáveis. Na fábrica são utilizados materiais sustentáveis que impactam muito pouco o ambiente. Tudo 100% reciclável. além disso, por melhorarem o isolamento do ambiente diminuindo a temperatura, reduzem a necessidade de uso de ar-condicionado e aquecedores. Da mesma forma, em locais que utilizam de climatizadores, pode aumentar consideravelmente  a eficiência desses equipamentos, diminuindo o consumo energético. Sendo assim, a emissão de CO2 tanto na produção, utilização e instalação do 3TC é muito baixa.

Custo-benefício

Os projetos de isolamento são relativamente baratos em comparação aos custos que eles ajudam a diminuir. Consequentemente, em poucos meses, você verá um retorno de praticamente todo o investimento, pois ele gera vários benefícios:

  • melhoram o conforto térmico, trazendo ergonomia, o que aumenta a produtividade das equipes;
  • reduzem a necessidade de compra de novos equipamentos de climatização à medida que um negócio cresce;
  • diminuem os gastos com a conta de energia, visto que é possível utilizar os ares-condicionados e aquecedores em um potência menor.

Portanto, a manta térmica para parede é uma opção bastante interessante para a sua empresa. Mas você deve prestar bastante atenção na hora da escolha de um fornecedor: opte por materiais mais eficientes e multifuncionais e por um suporte ponta a ponta. Ou seja, desde ao orçamento, explicação técnica, até a instalação e manutenção das mantas. É justamente isso que a 3TC Isolamento consegue entregar para você!

Gostou de conhecer as mantas térmicas e quer implementar esse material? Entre em contato conosco e saiba como podemos te ajudar.

A construção em contêiner tem sido cada vez mais utilizada, devido ao maior interesse das pessoas em conservar o meio ambiente, tornou-se uma tendência — além de ser uma necessidade — fazer com que a atividade da construção civil possa ser mais sustentável. 

Com vida útil extensa, esse material proporciona economia e velocidade de execução a uma obra. Por isso, não é por acaso que a construção em contêiner tem se tornado cada vez mais comum. Entretanto, existem alguns pontos que precisam ser considerados antes de utilizá-lo na construção.

Ao continuar a leitura deste artigo, você vai descobrir as vantagens e desvantagens de utilizar o contêiner na construção civil.

Quais são as vantagens da construção em contêiner?

Sustentabilidade

Uma das principais vantagens da construção em contêiner é a sustentabilidade. Normalmente, esse material é descartado após anos de uso no mercado marítimo, então há a chance de reutilizá-lo. Além disso,  durante a execução do processo construtivo reduz-se o uso de alguns recursos naturais,  como tijolo, areia, brita e aço, que são utilizados no tradicional método do concreto armado com fechamento em alvenaria.

Outro ponto importante é a possibilidade de manter a permeabilidade em até 90% do solo, já que o contêiner não necessita de uma grande área. Com isso, é possível manter intacta parte da geografia do terreno.

Praticidade e versatilidade

O uso de contêineres na construção civil é uma ótima solução para quem deseja uma obra ágil e com o mínimo de produção de resíduos. Por se tratar de um processo construtivo modular, é possível que a estrutura da edificação chegue completamente pronta até o terreno, bastando apenas realizar a sua instalação.

Após a conclusão da obra, caso seja preciso expandir a área construída, basta acoplar aos contêineres existentes outros módulos, os quais podem ser entregues prontos.

Baixo custo

Por se tratar de um material reutilizado, quando a obra é bem planejada e administrada é possível que o metro de área construída seja até 40% mais barato que o método tradicional de alvenaria. Além disso, pelo fato de a construção em contêiner ser um processo construtivo modular, o tempo da empreitada é menor, o que garante maior economia na mão de obra.

Aproveitamento do terreno

Os contêineres são projetados para suportar uma elevada carga, pois normalmente ocorre o empilhamento das unidades durante o seu armazenamento ou transporte. Dessa forma, é possível criar uma coluna de até nove peças, o que proporciona melhor aproveitamento do terreno.

Durabilidade

Apesar de o contêiner ter vida útil de apenas 10 anos como compartimento de transporte marítimo, em terra firme esse material pode ser utilizado por quase um século. Por ser construído em uma estrutura de aço, ele suporta grandes cargas e resiste a diversas intempéries.

Quais são as desvantagens da construção em contêiner?

Necessita de terreno amplo

Apesar de o contêiner utilizar pequena área do lote, é preciso que esse terreno tenha um espaço que permita a manobra das máquinas que farão a instalação dos módulos. Logo, não é recomendado o uso desse material em pequenos espaços e que apresentam difícil acesso.

Espaço

Por se tratar da reutilização de um compartimento de transporte, os contêineres apresentam um espaço pequeno e limitado, o qual não proporciona o conforto necessário para determinados usos. Além disso, essa área reduzida dificulta a elaboração do projeto e a distribuição dos módulos usados.

Uso de mão de obra especializada

Pelo fato de ser um processo construtivo modular, é preciso que haja mão de obra especializada na produção e instalação das unidades. Caso contrário, além de ter uma construção de baixa qualidade, é possível cometer erros que comprometam a estrutura da caixa. Em toda obra erros acarretam em novos custos.

Por exemplo, é necessário que a edificação seja projetada por alguém que conheça as limitações do material. Além disso, se o corte das esquadrias for feito de forma errada, deve-se fazer um reforço no contêiner.

Manutenção

Por se tratar de um material que passava parte considerável do tempo em contato com a maresia, é preciso ficar atento quanto a sua manutenção. Como é comum o contêiner ser adquirido com ferrugem, será preciso fazer um tratamento adequado para combater esse problema.

Além disso, é fundamental saber qual era a carga que esse compartimento transportava, pois existe o risco de contaminação devido à existência de algum vestígio.

Conforto térmico e acústico

Uma das principais desvantagens de utilizar a construção em contêiner é o seu baixo isolamento acústico e térmico. Afinal, dependendo da carga a ser transportada, não há necessidade de que esse compartimento apresente essas características. Assim, para ser usado como edificação, é preciso fazer adaptações, uma vez que o aço é péssimo isolante de sons e ótimo condutor de calor.

construção em contêiner

O que se deve saber para usar contêiner na construção civil?

Para garantir a sustentabilidade de uma construção em contêiner, é preciso que haja a reutilização do material. Caso o proprietário adquira um compartimento novo, a edificação provocará o mesmo impacto que aquela que utiliza o processo construtivo tradicional. Caso haja reaproveitamento do material, é preciso tomar alguns cuidados. Esse cuidados visam evitar o surgimento de patologias na edificação e a contaminação dos usuários.

Para poder reaproveitar um contêiner, o primeiro passo é analisar a documentação desse compartimento. Para isso, é preciso verificar se essa unidade pode ser usada para outros fins além do transporte de carga. Também é recomendado descobrir qual tipo de material foi transportado por essa caixa. Lembre-se que existe a possibilidade de haver contaminações em alguns casos. Outro ponto a ser considerado é a estrutura, pois não deve existir nenhuma avaria que a comprometa.

Finalmente, por se tratar de uma edificação, é fundamental que haja projeto. Dessa forma, será possível identificar quais soluções deverão ser usadas para melhorar o uso da construção e para proporcionar mais conforto térmico e acústico. Não se pode esquecer dos projetos complementares, pois é preciso saber a forma mais eficiente de fazer as instalações hidrossanitárias e elétricas desse edifício.

Como é possível perceber, apesar de existirem algumas desvantagens, a construção em contêiner é uma ótima alternativa. Eles permitem construir com velocidade, economia e sustentabilidade. Contudo, é preciso tomar alguns cuidados para que essa alternativa construtiva traga os benefícios desejados.

Caso você queira ficar sempre por dentro das últimas novidades da construção civil, não deixe de seguir nossa página no Facebook e o nosso perfil no Instagram e no LinkedIn.