O impacto do aquecimento global na avicultura é preocupante, uma vez que as mudanças climáticas em curso podem causar muitos prejuízos aos produtores. Temperaturas acima de 38ºC geram a morte de aves adultas, que são muito sensíveis ao calor.

Além disso, o estresse causado pelas altas temperaturas pode causar perda no rendimento da granja devido à diminuição de peso corporal e aumento da mortalidade.

As aves se desenvolvem melhor com temperaturas entre 18 e 20ºC. Nessas condições, o calor superficial da pele é de cerca de 33ºC e o interno é de 41ºC. Com isso, além da melhoria genética, tecnologias de aclimatação como o 3TC são fundamentais para garantir o aumento da produtividade.

Impacto do aquecimento global na avicultura

O impacto do aquecimento global na avicultural é facilmente observado, uma vez que algumas localidades brasileiras passaram a observar temperaturas diárias extremas, o que dificulta a atividade avícula.

Segundo um estudo publicado pela Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas (Feagri/Unicamp) temperaturas acima de 32ºC são consideradas extremas enquanto temperaturas em torno de 20ºC permitem o crescimento adequado das aves.

Ao analisar esse quadro é possível prever o desenvolvimento dos animais caso o calor aumente ou diminua.

 

→ VEJA AQUI TUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DO 3TC ISOLAMENTO NO AGRONEGÓCIO!

 

O aquecimento global afeta, portanto, o comportamento dos animais de granja o que inclui a diminuição do apetite, da performance das poedeiras e até da fertilidade. Além disso, mudanças climáticas podem fazer com que as aves reduzam as suas atividades, o que pode causar o surgimento de doenças e o aumento da mortalidade.

Vale observar ainda que o aquecimento global pode reduzir a produção agrícola de grãos que compõe a dieta das aves, fazendo com que os animais adoeçam e percam peso caso seja preciso substituir a sua alimentação repentinamente.

impacto do aquecimento global na avicultura, granja usando 3TC

Imagem: Granja no Pará de Minas usando 3TC

O papel de novas tecnologias para minimizar os problemas 

Novas tecnologias são essenciais para evitar os problemas causados pelo aquecimento global. Assim, a termotolerância visa garantir que aves recém-nascidas se adaptem melhor ao estresse causado pelo calor e animais com menos penas possam resistir melhor as altas temperaturas.

Além disso, pesquisas da Embrapa Meio Ambiente (SP) buscam identificar espécies de aves mais adaptadas as altas temperaturas. Galinhas-africanas de pescoço pelado, por exemplo, poderiam participar de cruzamentos para aprimorar as linhagens existentes no Brasil.

Investimento em granjas mais eficientes

Para minimizar os efeitos do aquecimento global também é importante investir em granjas que evitem que as altas temperaturas afetem os animais. De fato, o setor precisa se adaptar as mudanças climáticas e investir em novas tecnologias de infraestrutura para eliminar riscos de eventuais perdas.

Aqui, o Isolante Térmico 3TC merece destaque – disponível em rolo e em placa, o material é fabricado com EPS e polímero reflexivo, o que garante eficiência e durabilidade superior aos isolamentos tradicionais.

Além disso, o 3TC é baseado no sistema de isolamento utilizado pela Nasa e controla três formas de transferência de calor: condução, convecção e radiação. Isolantes térmicos como a lã de vidro, a Espuma de Poliuretano (PU) e o isopor (EPS), eliminam apenas a condução, o que corresponde a menos de 10% da transferência de calor dos galpões.

Outros isolamentos térmicos como as mantas térmicas eliminam apenas a radiação. O 3TC é o único revestimento térmico capaz de garantir que o produtor não sofra com o impacto do aquecimento global na avicultura, garantindo que as aves cresçam e se desenvolvam com saúde e vigor. Saiba mais no vídeo abaixo:

Outros fatores a considerar no impacto do aquecimento global na avicultura

Gases de efeito estufa

No Brasil, os maiores emissores de GEEs são os setores de agropecuária e energia.

Dejetos dos ruminantes correspondem a 55,9% das emissões, o solo agrícola a 35,9%, o manejo de dejetos animais a 4,8%, o cultivo de arroz em áreas alagadas a 1,9% e a queima da cana-de-açúcar a 1,5% – tudo isso é responsável pelo impacto do aquecimento global na avicultura.

Só a criação de gado emite cerca de 11,5 mil toneladas de metano na atmosfera, gás que contribui para o aquecimento global 25 vezes mais que o dióxido de carbono.

Uma linha de pesquisa do Embrapa tenta garantir que as granjas emitam menos gases de efeito estufa (GEEs).

Aqui, as maiores emissões ocorrem devido à queima de combustível fóssil para o aquecimento dos galpões. Também há geração de gás na produção de grãos para a geração de ração. Avaliações preliminares observaram que granjas têm menores emissões de gases de efeito estufa que a criação de bovinos.

A diminuição das emissões pode ser obtida pela eliminação do uso de combustíveis fósseis ou pela adoção de medidas que garantam a conservação do calor, como a utilização do 3TC na construção de galpões.

Também é preciso observar a eliminação dos dejetos. Eles devem ser manejados de modo a evitar a produção de metano. Para a produção de biogás, o esterco das aves precisa ser diluído em água o que, assim como a alta concentração de amônia, representa um grande desafio para os produtores.

 

Biogás

Produzir biogás a partir dos dejetos da criação de animais confinados pode diminuir o impacto do aquecimento global na avicultura. Além disso, promove benefícios sociais e econômicos significativos.

A mitigação de gases e a consequente diminuição do impacto do aquecimento global na avicultura ocorre, principalmente, quando o biogás passa a substituir os combustíveis fósseis ou vegetais. Claro, para isso é preciso gerir de forma eficiente os sistemas de tratamento de dejetos e ampliar os investimentos no setor.

O impacto do aquecimento global na avicultura precisa ser observado de perto. Esse setor da economia é afetado de várias formas: o preço e a disponibilidade dos grãos, assim como a diminuição das pastagens podem causar o emagrecimento, a diminuição do crescimento e causar problemas de saúde ao rebanho. Além disso, pode ser preciso deslocar o rebanho para outras regiões geográficas.

Esses impactos podem ser menores em rebanhos confinados, uma vez que, nesse caso, os animais vivem sob abrigos e são pouco expostos ao calor excessivo, uma vez que esses espaços são climatizados.

Agora que você já conhece o impacto do aquecimento global na avicultura, aproveite para saber mais sobre o isolamento térmico em granjas! E saiba mais sobre a aplicação e os benefícios da tecnologia 3TC no agronegócio clicando aqui.

Não são apenas as pessoas que necessitam de conforto térmico. Os animais também necessitam! Instalações muito quentes ou muito frias podem causar problemas de saúde no gado.

Para evitar esses transtornos ou, pelo menos, reduzir a possibilidade de que venham a ocorrer, uma solução muito estratégica e bastante eficaz é a climatização de ambientes por meio de técnicas como ventilação ou resfriamento artificial e natural, isolamento térmico e outras opções.

Vamos tratar, neste post, sobre o isolamento térmico em granjas e na suinocultura. O conforto térmico de porcos e aves tem impacto positivo sobre a qualidade da carne. Isso significa que o nível de produtividade da criação se associa diretamente à qualidade térmica do ambiente em que vivem os animais.

1. O que é bem-estar animal?

O bem-estar animal é um conceito muito divulgado nos sistemas de criação animal. No entanto, se trata de um conceito relativamente novo, nem sempre houve preocupação dos criadores em manter uma boa qualidade de vida para os animais.

Logo quando o conceito se desenvolveu, não existiam especificações científicas suficientes e, consequentemente, não era muito adotado. Primeiramente, a ideia foi aplicada pela França e pelas nações escandinavas. Seguindo o exemplo delas, outros países começaram a adotar métodos de criação que priorizavam o bem-estar dos animais. Dessa forma, ficava mais fácil penetrar em novos mercados.

O bem-estar animal é o modo como o animal se relaciona com o ambiente em que vive, as dificuldades e as facilidades dele para se adaptar e revelar conforto no espaço em que ele habita. Nesse sentido, o bem-estar envolve tanto o estado físico quanto o mental. Ele deve garantir que o animal ficará protegido contra sofrimentos desnecessários em seu ambiente.

1.1. As 5 liberdades do bem-estar animal

Há cinco liberdades que são fundamentais para o bem-estar animal:

  • Primeiro, livre de sede e de fome: ele precisa ter acesso à alimentação e à água;
  • Segundo, livre de desconforto: o animal precisa de um ambiente confortável, com abrigo e espaço para descansar;
  • Terceiro, livre de dor, ferimentos e doenças: é necessário aplicar medidas preventivas, diagnósticos e tratamentos rápidos;
  • Quarto, livre para exprimir seu comportamento natural: ele precisa de instalações apropriadas e espaçosas;
  • Quinto, livre de medo e angústia: as condições e o tratamento devem evitar o sofrimento mental do animal.

1.2. O parecer do MAPA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) afirma que “a legislação de bem-estar animal no Brasil teve início com o Decreto nº 24.645 de julho de 1934, que estabelece medidas de proteção animal. A atual Constituição Federal (1988), no seu artigo nº 225, dota o poder público de competência para proteger a fauna e a flora, vedando práticas que submetam os animais a crueldade. Nesta lógica a Comissão Técnica Permanente de Bem-Estar Animal do Mapa, instituída através da Portaria nº 185 de março de 2008 (atualizada pela Portaria nº 524 de 2011), tem o objetivo de coordenar as diversas ações de bem-estar animal do Ministério e fomentar a adoção das boas práticas para o bem-estar animal pelos produtores rurais, sempre embasadas na legislação vigente e no conhecimento técnico-científico disponível”

2. Qual a relação entre bem-estar animal e a temperatura do meio ambiente?

Os animais de produção, como aves e porcos, são homeotérmicos, ou seja, mantêm a temperatura corporal interna, ainda que a temperatura do meio externo varie. Essa capacidade de controle está associada ao equilíbrio que ocorre entre o calor resultante do metabolismo e o ganho ou perda de calor para o ambiente.

Por esse motivo, os animais homeotérmicos conseguem ajustar suas funções metabólicas e fisiológicas aos ambientes em que vivem. Eles apresentam metabolismo (menor ou maior ingestão de alimentos), fisiologia (vasodilatação e vasoconstrição) e comportamentos (dispersão e aglomeração de indivíduos) para a produção ou perda de calor para o meio e, dessa maneira, permanecem com a temperatura interna do corpo constante.

A temperatura constante da maior parte dos mamíferos é de 39º C e das aves gira em torno de 41º C. A temperatura muda de acordo com diferentes critérios, como idade, raça, nível produtivo, nível de energia da dieta, estação do ano, hora do dia, ciclo estral, atividade do animal.

O ambiente que o animal ocupa tem muita influência na capacidade homeotérmica dele. A produção, a perda de calor ou até a neutralidade dependem de fatores do próprio meio:

  • a umidade relativa do ar;
  • a temperatura;
  • a existência ou não de abrigos para os animais;
  • a velocidade do vento.

2.1. A zona de termoneutralidade

O ambiente envolve, enfim, tudo que provoca impactos físicos e biológicos nas proximidades. Há uma zona de termoneutralidade, cuja faixa de temperatura é a mais adequada para os animais. É uma zona primordial porque o estresse não é gerado nem por frio, nem por calor. O gasto fisiológico será o menor possível.

Dessa forma, o animal consegue aproveitar melhor os nutrientes de sua dieta que garantem o desenvolvimento e a produção de carne e ovos.

Na zona de termoneutralidade, há dois limites definidos:

  • Temperatura Crítica Superior (TCS): acima dela, o animal sofre vasodilatação pelo estresse de calor, bem como aumento da frequência respiratória, fastio (ingere menos alimentos), aumento da ingestão de água e suor em excesso (sudorese);
  • Temperatura Crítica Inferior (TCI): abaixo dela, os animais sofrem estresse pelo frio e, como consequência, ocorrem vasoconstrição, redução na frequência respiratória, aumento na ingestão de alimentos e piloereção (arrepios).

O isolamento térmico em granjas é uma solução para alcançar essa zona especial. Mais adiante, falaremos sobre esse ponto.

3. O que interfere na criação de aves e suínos?

Aves e suínos apresentam características bem diferentes, mas o calor e o frio podem exercer impactos negativos tanto sobre uns quanto sobre outros. Vamos considerar alguns aspectos relacionados a como o calor interfere na criação de aves e porcos.

3.1. O estresse por calor em aves

A umidade relativa do ar está associada com a capacidade das aves em aguentar o estresse térmico. Quando a umidade relativa do ar é elevada, a ave sente mais dificuldades na dissipação do calor pelas vias aéreas.

Quando há estresse por calor, as aves buscam consumir mais água fria. Essa água desempenha um papel relevante no controle da temperatura corporal dos animais. Na medida em que aumenta a ingestão da água, aumenta também a produção de excrementos e a perda de calor de maneira não evaporativa aumenta. Outra reação ao calor extremo é a vasodilatação periférica que aumenta a circulação periférica.

As aves se comportam de forma diferente durante o calor excessivo: afastam as asas dos corpos, ficam com as penas eriçadas, se deitam em cima do piso expondo o máximo possível de seus corpos e também aumentam sua frequência respiratória. Passam a comer menos com a intenção de diminuir a produção de calor corporal.

A temperatura do corpo das aves está em torno de 41,7º C. Conforme estudo conduzido por pesquisadores, vamos mostrar os valores de TCS e TCI em diferentes fases da vida delas, bem como a zona de conforto térmico (ZCT), de termoneutralidade. Vamos lá:

3.1.1. Fase de recém-nascido

Nessa fase, temos:

  • TCI: 34º C;
  • TCS: 39º C;
  • ZCT: 35º C.

3.1.2. Fase adulta

Nessa fase, foram identificados os valores:

  • TCI: 15º C;
  • TCS: 32º C;
  • ZCT: 18º C a 28º C.

3.2. Estresse por calor em suínos

O porco só consegue apresentar seu potencial produtivo quando está dentro de um ambiente salutar em relação ao calor.

A temperatura corporal dos suínos fica em torno de 38,6º C e 39,3º C, mas são valores sujeitos à variação. Para os machos, a temperatura do ambiente mais adequada está em torno de 12º C e 21º C. A TCI é 12º C e a TCS é 26º C.

Em um ambiente onde exista conforto térmico para o animal, ele costuma utilizar os nutrientes de sua dieta para se desenvolver, para realizar suas atividades físicas. Quando o suíno passa por estresse térmico, ele despende energia e elimina o calor para o ambiente.

Quando há estresse pelo calor, os porcos, devido ao elevado metabolismo, sentem dificuldades de se ajustar ao ambiente. Eles não têm um sistema termorregulador mais desenvolvido, apresentam uma capa de gordura sob a pele e as glândulas que eliminam suor têm queratina (o que impede a dissipação de calor por sudorese).

Quando juntamos todos esses pontos, percebemos por que o suíno tem mais dificuldades em se ajustar aos ambientes muito quentes. A solução que o organismo do animal encontra para enfrentar essa situação e conservar constante a temperatura interna é o aumento na frequência respiratória para que se perca mais calor por evaporação.

Para se ajustar à temperatura ambiente, os porcos também aumentam a temperatura da pele, os batimentos do coração e diminuem o metabolismo, ingerindo uma quantidade menor de alimentos. Em relação ao comportamento, eles procuram lugares sombreados, entram na água, deitam na lama.

4. Por que pensar no conforto térmico?

O que é conforto térmico? Esse conceito está muito relacionado ao de bem-estar animal. O conforto térmico se refere a um estado em que o indivíduo (pessoa, animal) se sente bem ajustado em relação à temperatura do ambiente em que está inserido. Enfim, o ambiente não pode ficar muito quente, nem muito frio: é importante alcançar a zona de termoneutralidade.

Investir no conforto térmico de animais é investir na produtividade do negócio. Há diferentes motivos para isso.

4.1. Tratamento adequado dos animais

A ética na criação de animais é um assunto em pauta no mundo do agronegócio. Mesmo os animais destinados ao abate, como porcos e aves, merecem levar uma vida confortável.

Por isso, convém criar um ambiente onde os animais tenham conforto, uma estrutura com todos os elementos que garantam boa qualidade de vida para eles.

4.2. Melhoria na qualidade dos produtos de origem animal

O conforto térmico proporciona resultados diretos na qualidade de diferentes produtos de origem animal. No caso de suínos e aves, estamos falando da carne e dos ovos. Assim, garantir o conforto térmico dos animais é um ótimo investimento para a indústria alimentícia.

As condições adequadas contribuem para que o animal ganhe mais peso e gere mais produtos. É fundamental dispor de um espaço especial para os animais descansarem e manterem a temperatura ambiente sob controle, já que isso interfere diretamente no metabolismo deles.

4.3. Ausência de distúrbios de comportamento

A boa infraestrutura contribui para a manutenção da ordem nas granjas e nos abrigos. Determinados comportamentos podem causar transtornos no trabalho e na convivência dos animais entre si.

O estresse e a agressividade são nocivos na pecuária. Nas granjas, as aves podem brigar e provocar ferimentos umas nas outras, além da perda de peso. No caso dos suínos, o estresse gera problemas de socialização e as brigas também podem ocorrer. É fundamental que exista um ambiente que propicie um desenvolvimento mais saudável.

Em muitos casos, a morte pode ser o resultado de um comportamento mais hostil entre os animais. O próprio calor ou frio em excesso pode contribuir para que aves e suínos venham a morrer. No caso das aves, por serem espécies mais vulneráveis, esse triste fato ainda é mais comum.

5. Como proporcionar um bom conforto térmico?

Para assegurar o conforto térmico de animais, um bom projeto de engenharia e arquitetura é importante. As instalações que vão acomodar as aves e os suínos devem ser bem elaboradas.

Para o conforto térmico, o controle da temperatura, como já mencionamos, é fundamental. Quando há muitos animais alojados, essa necessidade é ainda mais prioritária.

Ao contrário das pessoas, os animais não podem trocar de roupa diante de uma temperatura indesejável do ambiente. Nós, os seres humanos, podemos procurar o conforto térmico a partir de nossas próprias iniciativas, mesmo quando nossa casa não foi devidamente projetada para garantir esse conforto.

Os animais de porte menor, como as aves, costumam sentir mais frio e necessitam de um ambiente com aquecimento adequado, principalmente no inverno.

A engenharia civil permite diversas formas de trabalhar o isolamento térmico em granjas e pocilgas. O EPS (poliestireno expandido, mais conhecido como isopor), por exemplo, é um material com elevado potencial de isolamento térmico. Apoiado em um bom planejamento, é possível investir no isolamento sem consumir muitos recursos.

Há alguns anos, o isolamento térmico em granjas não era tão considerado quanto os meios de proporcionar a climatização do ambiente (uso de ventiladores e exaustores, principalmente).

Claro que investir em estruturas com mais eficiência térmica é muito melhor. O clima brasileiro fica cada vez menos estável e já se verificaram oscilações de temperatura de até 20º C em um único dia. Por isso, a não ser que seja possível contar com um isolamento que garanta elevada resistência térmica, a inversão térmica acontecerá de forma brutal.

A resistência térmica está relacionada com a condutibilidade térmica dos materiais e sua espessura. Existe a seguinte relação: quanto menor for a condutibilidade térmica e maior a espessura do material, maior será a resistência térmica oferecida.

Materiais metálicos apresentam, em geral, elevada condutibilidade térmica (prata, cobre, ferro, alumínio). Produtos e materiais com baixa condutibilidade térmica são: madeira, poliestireno, polietileno, lã de rocha e outros.

6. Como ter isolamento térmico em granjas?

Primeiro, vamos mostrar como fazer um bom isolamento térmico em granjas. As paredes laterais e a cobertura exigem uma avaliação adequada. Devido às temperaturas muito altas e à radiação solar intensa existentes no Brasil, os materiais usados nos telhados das granjas devem ser bons isolantes térmicos para que a temperatura dentro da construção fique mais amena que a temperatura externa

A cobertura deve, portanto, oferecer um elevado poder de reflexão da radiação solar, além do potencial de isolamento térmico adequado. Muitas experiências apresentam resultados que servem como referencial para futuros projetos. Foi constatado, por exemplo, que o uso de telhas de barro é mais eficaz que o de telhas de cimento amianto.

A associação do forro adequado com a cobertura proporciona resultados mais relevantes, pois o forro favorece a formação de uma camada de ar perto da cobertura, o que reduz a transferência do calor para as aves.

O uso de materiais para isolamento térmico em granjas é diversificado. Entre os materiais mais simples, destacam-se folhas de palmeira, plásticos, cerâmica, cimentados, forros suspensos com plástico, plástico com alumínio. Entre os materiais mais novos, destacam-se fibra de vidro insuflada estabilizada, poliuretano (PU), poliestireno expandido (EPS), celulose insuflada.

Veja a lista com alguns materiais que oferecem bom isolamento térmico:

Manta de fibra de vidro;

  • fibra de vidro insuflada (forro e parede);
  • manta de lã de rocha;
  • lã de rocha insuflada (forro e parede);
  • celulose insuflada (forro e parede);
  • vermiculita;
  • concreto celular;
  • fibra de vidro rígida;
  • poliestireno expandido;
  • poliestireno extrudado;
  • espuma de poliestireno (instalada no lugar);
  • poliisocianurato (com revestimento em alumínio).

7. Como ter isolamento térmico na suinocultura?

Depois de analisar como conseguir isolamento térmico em granjas, vamos dar algumas orientações sobre o isolamento térmico em galpões para porcos ou pocilgas. Além de usar os materiais corretos para garantir o isolamento térmico, vale a pena utilizar umidificadores e nebulizadores, que vão lançar gotículas de água sobre o corpo dos porcos. A umidificação, em conjunto com a ventilação artificial, aumenta a velocidade com que acontece a evaporação.

O piso revestido com material apropriado é muito importante para garantir o resfriamento do corpo dos animais quando eles se deitarem. O sombreamento nas imediações contribui para minimizar a incidência da radiação solar (só não é recomendado a utilização de árvores frutíferas).

Para a cobertura, um material com elevada resistência térmica é a telha cerâmica. Outra opção é a telha sanduíche, que é composta por duas camadas externas de material de metal e que, em seu interior, apresenta materiais que proporcionam isolamento térmico, como: EPS, PU, vidro e lã de rocha.

De modo geral, podem ser aplicados no forro e nas paredes das pocilgas os mesmos materiais usados no forro e nas paredes das granjas.

8. Como contratar o serviço de isolamento térmico?

Para assegurar o isolamento térmico em granjas e pocilgas, é importante procurar uma empresa especializada na área, que tenha boa reputação e seja inovadora em suas soluções. É o caso da 3TC, uma empresa que há anos desenvolve um trabalho sério que culminou com a tecnologia 3TC.

 

→ VEJA AQUI TUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DO 3TC ISOLAMENTO NO AGRONEGÓCIO!

 

A 3TC é uma tecnologia inspirada nas garrafas térmicas e nos trajes dos astronautas. É, portanto, um isolante térmico bem diferenciado, pois controla os três modos de transferência de calor:

  • condução, por meio do contato com a superfície aquecida (agitação das moléculas);
  • convecção, que é a forma de transferência de calor dos líquidos e gases;
  • radiação, ou irradiação, por meio das ondas eletromagnéticas (radiação solar, por exemplo).

A lã de vidro, a lã de rocha, o poliuretano em espuma, o poliestireno expandido e outros isolantes trabalham somente com a condução, responsável por cerca de 10% da transferência de calor nas construções. Alguns isolantes trabalham apenas com a radiação (como tintas refletivas e foils, mantas térmicas).

Ao atuar sobre as três formas de transferência de calor, o 3TC se transforma na solução mais eficaz, a que oferece o melhor custo-benefício do mercado.

Além disso, o 3TC contribui para o isolamento acústico. Ruídos indesejáveis também prejudicam a saúde dos animais. A audição mais apurada dos animais deixa-os ainda mais sensíveis a barulhos que os seres humanos.

O estresse e a agressividade são possíveis consequências dos ruídos altos e desagradáveis. É comum que animais menos resistentes, como as aves, possam até morrer de susto expostos a barulhos muito altos. Para ter uma noção de como os animais em geral reagem diante de sons barulhentos, basta observá-los quando as pessoas soltam fogos de artifício. Geralmente, eles correm e tentam se esconder.

O isolamento acústico não precisa ser total. Com o tempo, os animais costumam a se habituar a determinados sons. Mas a redução da intensidade de ruídos nos criatórios é uma forma de melhorar a qualidade de vida das aves e dos suínos.

Cuidar do bem-estar animal, proporcionando conforto térmico por meio do isolamento térmico em granjas e de outras soluções (ventilação mecânica e umidificação, por exemplo) é um investimento necessário para o pecuarista que deseja ter sucesso em seu negócio. Revela também que se preocupa com a qualidade de vida dos animais, um ponto importante a considerar atualmente.

Nos dias de hoje, a sustentabilidade e a defesa dos direitos dos animais são assuntos relevantes e tratados em todo o mundo. E você, já utiliza algum material como isolante térmico? Gostou da solução que acabou de conhecer? Então, entre em contato com a 3TC Isolamento e fique por dentro de mais detalhes!