Atualmente as edificações apresentam paredes e lajes menos espessas e com isso, em geral, um menor desempenho acústico. Além disso, em prédios e casas menores é muito frequente ouvir o barulho dos vizinhos. Já em ambientes comerciais ou industriais, o ruído pode prejudicar o rendimento no trabalho e, inclusive, provocar passivos trabalhistas por insalubridade ou problemas ergonômicos. Por isso, uma dúvida muito frequente de grande parte das pessoas é: como isolar o barulho da rua?

Esse assunto se tornou ainda mais importante agora que a maioria das pessoas mora perto de regiões movimentadas e em empresas de diversos portes. Afinal, o excesso de ruído atrapalha o descanso, o rendimento nos estudos e trabalho, como também eleva o nível de estresse e ansiedade — podendo colaborar para insônia e até mesmo gerar problemas auditivos.

Pensando na importância desse assunto, neste conteúdo vamos tratar a respeito de poluição sonora, seus malefícios, além de algumas opções e dicas práticas para solucionar ou reduzir esse problema. Então, não perca!

O que é poluição sonora e quais as principais causas?

A maior parte da população mundial mora em grandes centros urbanos e com isso o ruído é muito grande — seja por conta do trânsito, por conta das indústrias, comércios, colegas de trabalho ao telefone, fluxo de clientes em um escritório ou comércio, etc.

Entretanto, além do ruído constante, a poluição sonora está muito presente no dia a dia das pessoas, sendo potencializada pelos comportamentos inapropriados adotados no dia a dia. Inclusive, ao contrário do que se pensa, o silêncio não é capricho, e sim uma questão de saúde.

Afinal, a audição pode ser extremamente prejudicada permanentemente quando as pessoas são expostas de forma prolongada a sons que são superiores a 85 decibéis. Esse tipo de intensidade de som pode ser exemplificado pelo ruído de um liquidificador. Isso porque os sons a partir desse valor provocam a morte das células auditivas e esse processo não é reversível.

Enquanto isso, de acordo com a Organização Mundial da Saúde — OMS — uma conversa normal pode representar cerca de 60 decibéis de ruído e essa intensidade já é suficiente para proporcionar danos ao organismo e ao equilíbrio emocional. Por sua vez, o ruído de um aspirador de pó apresenta em média 75 decibéis, um secador de cabelo e uma buzina cerca de 100 decibéis.

Já em boates, bares e shows, o ruído médio é de 110 a 115 decibéis. Em festas e comemorações em que fogos de artifícios são soltos, o ruído médio é de 150 decibéis. Já o volume máximo do som do celular em um fone de ouvido tem um ruído médio de 105 decibéis.

Como se vê, frequentemente você está exposto a ruídos extremamente prejudiciais à sua audição e caso você trabalhe em indústrias ou com determinados equipamentos, pode estar ainda mais exposto.

Contudo, infelizmente o ruído é um vilão invisível e, por isso, em geral, não recebe a devida atenção e cuidado por parte das pessoas. Mesmo assim, os efeitos são presentes: falta de energia, cansaço, estresse, ansiedade, falta de concentração, irritabilidade e outros tipos de doenças.

Diante disso, criou-se leis e normas que estabelecem limites e horários para o ruído. Inclusive, atualmente a pena por pertubação do sossego alheio por meio de barulho pode gerar até três meses de prisão de acordo com a Lei de Contravenções Penais e até quatro anos de prisão de acordo com a Lei de Crimes Ambientais — quando a poluição sonora for em níveis prejudiciais à saúde.

Inclusive, por esse motivo existem diversos projetos de lei e inclusive especialistas desejam que exista um mapa de poluição sonora que seja visível para a população. Nesse mesmo sentido, a ABNT definiu na NBR 10152 o nível de ruído aceitável nos ambientes externos tanto durante o dia quanto durante a noite, para ambientes rurais, escolares, hospitalares, residenciais, comerciais, industriais, entre outros.

Quais os malefícios da poluição sonora?

A poluição sonora proporciona diversos prejuízos para a saúde e bem-estar das pessoas, seja em ambientes profissionais ou residenciais.

Perturbação do sossego

Uma música pode ser extremamente agradável para uma pessoa, e pode causar um grande estresse e perturbação para um profissional que estava há algumas horas de plantão e precisa dormir. Ou então, para alguém que precisa de extrema concentração para trabalhar ou estudar.

A perturbação do sossego, inclusive, é algo tão sério que é um grande motivo de violência. Afinal, as pessoas quando privadas de sono e descanso, assim como de tranquilidade em seu ambiente de trabalho, se tornam mais agressivas e nervosas.

Lesão auditiva

Conforme citamos, a lesão auditiva pode ser irreversível quando ultrapassado um determinado número de decibéis, durante um determinado tempo. Ao contrário do que se pensa, basta ouvir com frequência o som em um volume alto, ou trabalhar próximo a equipamentos e ambientes barulhentos para que ocorra uma lesão severa.

Basta morar muito próximo a um aeroporto, ou a uma via de trânsito extremamente movimentada, ou então trabalhar com equipamentos que apresentam índices de ruído elevados como liquidificador, secador de cabelo ou uma britadeira.

Todos esses cenários exemplificados, que muitas vezes não consideramos arriscados ou negativos a saúde, podem agravar ou proporcionar uma lesão auditiva. Sendo assim, esse é um aspecto que requer grande cuidado e atenção, pois é um problema que pode ocorrer no dia a dia.

Insônia, ansiedade, depressão e estresse

Esses são problemas muito comuns em nossa sociedade, não importando a idade, ramo de atuação, poder aquisitivo ou região. Isso, porque os ruídos em níveis superiores ao permitido proporcionam desequilíbrio emocional.

E infelizmente, a maior parte das pessoas convive com ruídos excessivos diariamente pela maior parte do tempo, o que também é uma das explicações plausíveis para tantos problemas vivenciados na atualidade.

Que dicas práticas podem ajudar a reduzir os ruídos externos?

Os ruídos são tão impactantes que estão presentes em normas regulamentadoras como a NBR 15.575, NBR 10152 e até mesmo na legislação e em projetos de leis. Por exemplo, na NBR 15.575 foram estabelecidos índices mínimos quanto ao isolamento de paredes, pisos, coberturas e fachadas. Contudo, essa NBR só aborda os índices mínimos para edificações residenciais, enquanto a NBR 10152 aborda em diferentes ambientes.

Atualmente já existem diversas opções para reduzir os índices de ruído, tanto em edificações existentes como nas que estão sendo construídas, como:

Priorize materiais que auxiliam a barreira ao ruído

As portas e janelas anti ruído são uma excelente opção, assim como tapetes e cortinas de tecidos grossos também podem auxiliar a reduzir a entrada de som de uma forma mais simples e rápida — pois minimizam a propagação de som.

No caso das janelas, o ideal é que sejam de alumínio e vidro, com vidros duplos ou triplos. Já as portas, não devem ser ocas, pois quando são maciças auxiliam em uma melhor acústica para os ambientes.

Pode-se também utilizar painéis de madeira ou de gesso para proporcionam maior espessura para as paredes, atuando como uma barreira mais eficaz ao ruído. Inclusive, essa pode ser uma opção decorativa para os ambientes, além de extremamente útil.

Existem até opções com tapeçaria que são aplicadas na parede ou no piso a fim de melhorar o isolamento acústico. Um exemplo muito comum são os carpetes.

Atenção ao piso escolhido

A escolha do piso é muito importante e impactante no isolamento do ruído. Por exemplo, os pisos frios como cerâmicas e porcelanatos não proporcionam um bom isolamento acústico. Já os carpetes, pisos de madeira, mármores, granitos e pisos vinílicos apresentam melhores índices de isolamento.

Uma opção extremamente eficaz para o piso é aplicar uma manta acústica sobre a laje antes de instalar o piso escolhido. Inclusive, no caso dos pisos flutuantes — seja laminado ou de madeira — as mantas acústicas já costumam ser uma opção incluída no processo de instalação.

Entretanto, existem também opções de mantas próprias para os pisos frios do tipo cerâmicos ou porcelanatos. A cortiça aglomerada é um exemplo. Conforme já citamos, em casos em que deseja-se descartar a possibilidade de uma reforma ou a instalação de carpetes, pode-se optar por tapetes grossos e/ou felpudos.

Atente para a escolha do forro e do telhado

Já quando o assunto é telhado e forro, um erro muito comum é encontrar edificações que só apresentam telhado, descartando a laje ou o forro. Nesses casos, o ideal é instalar um forro e uma manta acústica, minimizando a passagem de som. Outra opção é utilizar forros de gesso ou madeira, que apresentam também um bom isolamento acústico por si só.

Caso seja desejado realizar o isolamento acústico mesmo com a existência prévia de uma laje no local, uma solução eficaz é aplicar revestimentos acústicos também. Existem também os de fibra mineral, assim como vários outros modelos.

Outro fator impactante é também a escolha da telha. Algumas telhas metálicas ou de fibrocimento, quando não fabricadas ou combinadas com isolamento promovem muito ruído. Sendo assim, a melhor opção são as telhas cerâmicas ou então as metálicas, ou de fibrocimento com manta para isolamento.

Invista em paisagismo como uma barreira de isolamento

A vegetação é uma excelente barreira ao ruído, além de melhorar a qualidade do ar. Quanto mais densa e em alturas variadas, melhor será a barreira acústica proporcionada pela vegetação.

Uma opção simples é colocar grama no terreno, criando níveis diferentes. Também pode-se fazer uma parede verde, conhecida como jardim vertical. Inclusive, o jardim vertical pode ser feito em diversos locais, mesmo com a ausência de um grande espaço.

Para criar uma barreira acústica por meio de paisagismo é importante escolher estruturas metálicas adequadas, podendo ser perfis para sustentação. Depois, o ideal é contar com placas de plástico e colocá-las na lateral. A fibra de coco também é uma aliada para montar uma parede verde e por fim, escolher as diversas plantas.

Essa opção, além de ser uma barreira que reduz o ruído, também reduz a concentração de gás carbônico e a necessidade de pinturas constantes nos muros e paredes.

Invista em isolamento acústico

O isolamento acústico é obtido por meio de materiais que são eficientes em bloquear o som e a passagem de ruído entre ambientes. Sendo assim, esse tipo de sistema isola ou reduz significativamente o barulho externo a um ambiente ou edificação, proporcionando maior conforto, qualidade de vida, bem-estar e, inclusive, saúde.

O isolamento pode ser a ruídos aéreos ou aos ruídos de impacto. Sendo assim, é importante compreender quais são os principais tipos de ruído que mais impactam a fim de optar por sistemas de isolamento que sejam mais eficientes.

Alguns exemplos de ruídos aéreos são os causados por vozes, construções, fábricas, música, trânsito, aviões, equipamentos, entre outras. Em geral, esses são isolados por meio de barreiras como paredes, janelas, portas e divisórias.

Já os ruídos de impacto são transmitidos pela estrutura, uma vez que o impacto gera uma vibração que caminha por meio das paredes, tetos, chegando até a pessoa que o ouve. Para esse tipo de impacto — que pode ser causado tanto por passos, como por outros tipos de ações ou equipamentos que geram impacto — o ideal é investir em sistemas de amortecimento como os pisos flutuantes.

Sendo assim, nesse tipo de ruído, o uso de forros não é tão eficaz, porque anula ou reduz a passagem de vibração por meio do teto, porém não inibe a transmissão por meio das paredes.

Escolha um sistema de isolamento eficaz e com bom custo-benefício

Após analisar a fonte principal de ruído é possível identificar quais soluções de isolamento acústico serão mais eficientes, conforme exemplificado acima. Também é importante levar em consideração qual o tipo de edificação, se já é construída ou não — a fim de escolher um sistema de isolamento que além de eficiente, seja eficaz.

Existem diversas opções para o isolamento acústico, como:

  • lãs de isolamento — que podem ser do tipo PET, de vidro ou de rocha basáltica. Elas, em geral são usadas para preencher vãos em paredes e tetos, principalmente quando utiliza-se placas de gesso no processo construtivo — entretanto, demandam um espaço “vazio”, ou seja, para o ar — dificultando a utilização em alguns casos. Por isso, são muito empregadas em teatros, auditórios, salas de reunião ou de videoconferência ou em construções a seco;
  • espuma acústica — esse é um material que apresenta diversas espessuras, cores e geometrias, podendo ser feitas em lã de PET ou poliuretano. Ela pode ser aplicada sobre paredes e lajes, porém, não permite um acabamento discreto;
  • materiais absorventes como madeira, gesso, fibras minerais — que podem ser usados como painéis e forros que absorvem as ondas sonoras, reduzindo o ruído;
  • paredes duplas — essa é uma técnica que consiste em deixar um espaço com ar entre duas paredes, assim a onda sonora ficará detida nesta câmara de ar, dificultando a propagação de som;
  • mantas térmicas e acústicas — esse é um material que além de promover um excelente isolamento térmico, reduzindo as despesas com refrigeração, também promovem um significativo isolamento acústico. Por isso, são uma opção largamente escolhida, afinal, apresenta um excelente custo-benefício.

Como a manta térmica pode ajudar no isolamento acústico e quais seus benefícios?

Existem variados sistemas de isolamento acústico, porém a manta térmica é um dos mais eficientes, sendo recomendada para diversos ambientes e locais. Ela é uma solução que proporciona melhoria do isolamento térmico e acústico de uma edificação ou ambiente, com qualidade e garantia de resultado.

Esse sistema de isolamento é usado tanto em ambientes comerciais, industriais como nos residenciais. As mantas térmicas são fabricadas com revestimento aluminizado e esse material protege da radiação solar e das três formas de transferência de calor — radiação, convecção e condução.

Além disso, também auxilia no isolamento de ruídos e apresenta uma aplicação extremamente fácil. As mantas térmicas também proporcionam maior proteção e durabilidade tanto ao sistema de cobertura como ao imóvel.

Para a instalação correta, é necessário considerar o tipo de telhado, uma vez que uns oferecem fácil acesso e outros não — tanto pelo material, como pela estrutura.

A manta térmica é instalada principalmente nos telhados, podendo ser colocada nas lajes e pisos. O processo de instalação consiste em cobrir toda a região que deseja-se isolar. No caso dos telhados, a manta é aplicada abaixo das telhas como uma subcobertura.

Existem casos em que a manta é aplicada no corpo da estrutura, visando garantir o posicionamento adequado das telhas. Já na instalação em lajes superiores é criada uma camada de proteção.

Com esse material é possível reduzir a troca e transferência de calor nos ambientes — mantendo uma temperatura interna mais agradável, porém, também é possível diminuir a entrada e saída de ondas sonoras, proporcionando isolamento de ruídos e maior conforto acústico — uma vez que essa se comporta como uma barreira.

O conforto acústico obtido por meio de mantas é proporcionado por meio do isolamento de lajes e pisos — não importando se são ambientes comerciais ou residenciais. Com isso, os ruídos externos ou de outros ambientes são atenuados.

Quais os principais benefícios do isolamento acústico?

Já falamos dos malefícios, dos impactos e até mesmo dos benefícios do isolamento acústico realizado por meio de mantas. Contudo, podemos citar alguns benefícios que são extremamente impactantes e justificam o investimento nesse tipo de sistema, como:

Maior privacidade

Como o isolamento acústico impede ou reduz que a voz seja ouvida em um outro ambiente, proporciona maior privacidade durante reuniões, em ambientes comerciais e principalmente nos residenciais.

Assim, tanto negociações como conversas passam a ter sua particularidade respeitada, e as pessoas passam a ter também sua intimidade preservada — principalmente nos ambientes familiares. Essa é uma vantagem que impacta positivamente tanto os pais, como também os filhos.

Maior conforto

Não importa se é em um ambiente residencial, comercial ou industrial — independentemente do lugar, as pessoas gostam de conseguir fazer suas atividades com a devida comodidade e sossego.

Não é atoa que um ambiente de trabalho que é completamente agitado o dia inteiro proporciona doenças ocupacionais, sendo totalmente negativo aos colaboradores.

Da mesma forma, em uma residência, poder ler, estudar, descansar ou passar um momento em família sem ruídos excessivos é extremamente importante para obter momentos de qualidade. Essa realidade positiva se torna possível por meio da adoção de um sistema de isolamento acústico.

Melhoria da qualidade de vida

A exposição prolongada e excessiva a ruídos pode provocar declínio das capacidades cognitivas, reduzindo a capacidade de comunicação, leitura, aprendizado, compreensão, raciocínio, resolução de problemas, memória, entre outros aspectos.

Na vida profissional, por si só, a redução dessas capacidades compromete significativamente o trabalho realizado e o desempenho. Entretanto, essa situação também é extremamente prejudicial nos ambientes familiares, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Sendo assim, ambientes com isolamento acústico promovem pessoas com melhor desempenho, produtividade e bem estar. Isso, impacta diretamente na qualidade de vida, afinal, boas decisões e dias produtivos são extremamente importantes.

Prevenção e redução de doenças

A poluição sonora auxilia a piora de distúrbios do sono e inclusive eleva o estresse, ansiedade, falta de concentração, depressão e outros problemas extremamente sérios e vivenciados na atualidade. A redução do ruído é extremamente positivo para promover ambientes mais saudáveis emocionalmente.

Redução de problemas e distúrbios relacionados à audição

Os problemas auditivos são cada vez mais frequentes e inclusive, existe e uma previsão de que 1,3 bilhão de pessoas terão uma redução significativa em sua capacidade auditiva no decorrer da vida. A Organização Mundial de Saúde indica que isso ocorrerá por que cerca de 10% da população no mundo convive com uma longa exposição a níveis inadequados de ruídos.

Por que escolher o material 3TC?

O material 3TC de isolamento alinha o isolamento acústico com o térmico, sendo, por isso, uma solução extremamente versátil e viável, pois além de apresentar um excelente custo benefício e tecnologia avançada, também é de fácil instalação. O sistema 3TC permite a aplicação em diversas estruturas como:

  • paredes,
  • tetos;
  • forros;
  • telhas;
  • telhados;
  • objetos e equipamentos;
  • pisos.

O sistema 3TC permite a aplicação sem a retirada de telhas, uma vez que esse sistema pode ser aplicado diretamente nas terças. Por isso, pode ser aplicada em locais que estão em funcionamento, não demandando que a produção ou trabalho seja parado.

A manta de isolamento térmico e acústico da 3TC, além da qualidade, camada dupla de faces metálicas refletivas com isopor no meio e fácil aplicação mesmo após a construção, também apresenta elevada durabilidade.

Agora que você já sabe como isolar o barulho da rua, a importância e impacto positivo da redução de ruídos na qualidade de vida, bem e estar e saúde, entre em contato com a 3TC e descubra como colher esses benefícios em seu a dia a dia com as soluções acústicas e extremamente tecnológicas da 3TC.

A construção no litoral apresenta diversos desafios. Afinal, nessas regiões, os edifícios estão sujeitos a mais riscos, como a maresia, ventos mais fortes e a maresia. Então, é preciso montar uma estrutura de proteção especial para evitar danos e a necessidade de reformas constantes.

Além disso, as altas temperaturas e a incidência do sol reduzem o conforto térmico dos ambientes interiores. Isso pode prejudicar a saúde e o bem―estar dos moradores. Quer saber como melhorar o seu projeto litorâneo? Acompanhe!

1. Quais são os cuidados essenciais em construções no litoral?

O sucesso de uma obra no litoral começa na escolha do terro e vai até a manutenção!

1.1 Terreno

Sem os cuidados adequados na hora de escolher um terreno, a construção no litoral pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça para o comprador. O primeiro passo para garantir o sucesso do seu projeto arquitetônico é exigir a apresentação de um estudo do solo, pois, em faixas litorâneas, podem haver solos muito úmidos e arenosos ― que são facilmente conformáveis.

Desse modo, é preciso fazer um projeto auxiliar para o adensamento do solo. Ele deverá ser executado com muita técnica, trazendo uniformidade em toda a área. Caso contrário, uma região pode ficar menos densa e mais permeável à água. Com o tempo, haverá um desnível entre dois pontos da construção ― o que compromete as estruturas, causando rachaduras, trincas e outras patologias.

Além disso, especialmente em locais mais ermos, é muito comum que não haja a infraestrutura de serviços necessários para uma família ou para um negócio. Por exemplo, pode não haver fornecimento de luz, de água encanada ou recolhimento de esgoto. Consequentemente, será preciso investir muito dinheiro para tornar o empreendimento viável.

Por exemplo, é necessário pagar altas taxas para a instalação de luz elétrica, construir poços para o consumo de água e investir em cisternas para o esgoto. Ou seja, os custos do projeto inicial podem dobrar somente para trazer uma infraestrutura mínima. Em alguns casos, como redes de internet e de telefonia, as operadoras não ofertam a instalação desse serviço nem mesmo mediante o pagamento de taxas elevadas.

Por fim, ainda há diversas questões legais nesses casos. A regulamentação e a legislação brasileira são bastante restritivas quanto ao uso do solo próximo a praias. Em geral, essas áreas são protegidas e é preciso pedir uma autorização da prefeitura para a construção. Nesses casos, as exigências podem ser tão grandes que tornam o projeto inviável.

Ademais, não deixe de conferir toda a documentação ― especialmente em regiões mais afastadas. Exija sempre a escritura e confira toda ela no cartório em que foi feito o registro. Afinal, a ação de grileiros é muito comum e você pode ocupar um terreno que pertencia a outra pessoa ou a União.

1.2 Estrutura de construção no litoral

Este certamente é o ponto de maior atenção, pois o clima das praias não permite o uso de qualquer material nas construções. Isso se deve a dois principais motivos: as altas variações de temperatura e a maresia.

No primeiro caso, pode haver mudanças bruscas de temperatura muito rapidamente. Isso provoca a dilatação e a retração das estruturas ― que podem desenvolver fissuras. Nesse caso, é importantíssimo escolher materiais com maior capacidade de resistir ao estresse mecânico.

O outro ponto importante é a maresia. As ondas do mar, quando se chocam, liberam partículas de água com sal para a atmosfera. Elas são levadas até as construções e se acumulam nos materiais. Essa é uma das razões por que os vidros em regiões litorâneas estão sempre úmidos.

No entanto, em contato com estruturas metálicas, o dano pode ser muito grande. O sal apresenta partículas com cargas elétricas capazes de interagir com metais oxidáveis na presença de água. Então, surge a ferrugem, cujos danos vão muito além da estética e atingem, também, a sustentação da casa. A maioria dos pilares e das lajes apresentam armaduras metálicas de aço comum, o qual é facilmente corrosível.

Nesse sentido, é imprescindível fazer um tratamento especial nas vigas com uma camada maior de concreto para a proteção da armadura ou com a aplicação de uma camada extra impermeável. O ideal é utilizar aditivos plastificantes de impermeabilização semiflexível. Nesse caso, as vigas devem estar sempre em locais protegidos da ação da radiação solar.

Caso você utilize telhas metálicas na construção, é importante também selecionar um material resistente à corrosão. Entre os mais utilizados, estão o Galvalume, o alumínio e o aço inox. Hoje em dia, eles podem ser integrados a sistemas de isolamento termoacústico, que compensam a baixa eficiência em bloqueio do calor.

1.3 Acabamentos

Aqui, é preciso estar muito atento sobre o efeito da maresia sobre os materiais. Como explicamos, os metais oxidáveis sofrerão com a ação contínua da umidade salina. Então, ficarão com a aparência enferrujada, comprometendo a estética dos acabamentos. Isso deve ser levado em consideração na hora da escolha de diversas peças, como:

  • janelas, portas e fechaduras;
  • pias e registros;
  • acessórios, entre outros.

Muitas pessoas acabam subestimando o poder da maresia. Afinal, é um vilão que ninguém vê. Aparentemente, o ar é normal ― exceto pelo cheio de praia. No entanto, microscopicamente, há partículas nocivas para as construções.

Além disso, a própria umidade aumentada também causa danos significativos. Por exemplo, pisos em madeira sem uma camada de impermeabilizante não lidam muito bem com a umidade alta das praias. Nesses casos, eles estufam e comprometem a estética dos pisos.

Por fim, não podemos deixar de falar do próprio clima. As zonas litorâneas estão mais sujeitas a chuvas intensas devido à maior umidade da atmosfera local e a ação de massas de ar marítimas. Portanto, é preciso reforçar a impermeabilização e reforçar as estruturas para resistir a ventos fortes.

1.4 Paisagismo em construção no litoral

O clima também oferece desafios importantes na hora de selecionar a vegetação utilizada para o paisagismo. A ação muito intensa do sol durante o dia exige que as plantas resistam à evaporação da água pelas folhas e sejam capazes de captar a umidade de regiões mais fundas do solo.

Além disso, a menos que você queira investir em um sistema automatizado, dê preferência a plantas que exijam uma menor frequência de irrigação. Também, as casas de praia podem ficar muitos meses fechadas sem nenhuma manutenção. Assim, é melhor escolher espécies que sobrevivem nessas condições.

1.5 Manutenção

O clima hostil e a areia tornam a manutenção das casas de praia mais complexa. Por essa razão, é imprescindível escolher materiais mais práticos para limpeza. Elas deverão apresentar uma maior resistência a riscos, pois pode ser necessário usar vassouras de cerdas rígidas ou jatos de água retirar os resíduos de areia.

Outro desafio é a manutenção da própria construção. A ação dos ventos pode causar danos significativos, especialmente no telhado. Se as telhas não forem bem fixadas, elas podem se soltar facilmente e, então, será preciso fazer trocas frequentes.

2. Quais são os materiais mais indicados para construção no litoral?

Há materiais que, por sua resistência à umidade e capacidade de isolamento térmico, são mais adequadas para o litoral. Conheça alguns deles nos tópicos a seguir.

2.1 Madeira

Não é todo o tipo de madeira que é adequado para a construção próxima à praia, pois há opções mais ou menos permeáveis. Por exemplo, o eucalipto é uma madeira extremamente permeável e absorve com facilidade a umidade. Então, dilata―se facilmente e perde a resistência no clima litorâneo.

Outra contraindicação são as madeiras de baixa densidade, independentemente da estrutura em que são aplicadas. O principal exemplo são os compensados. Elas apresentam uma porosidade maior e, portanto, alta permeabilidade.

Já madeiras mais maciças, como o ipê, a maçaranduba e a teca, são muito mais seguras. No entanto, devem receber o tratamento adequado com o lixamento da superfície e aplicação de resinas impermeáveis, como o verniz. Com isso, não se sujeitam aos danos estruturais causados pela umidade.

A grande vantagem da madeira é a sua maior capacidade de isolamento térmico, o que é essencial diante do calor das praias. Para ampliar o conforto, ela pode ser integrada a mantas térmicas com ação reflexiva da radiação solar nas áreas mais expostas.

2.2 Alumínio

O alumínio se apresenta como um dos principais metais para o uso em construções no litoral, pois é muito mais resistente à corrosão. Mesmo quando oxida, pode ser facilmente recuperado, pois, forma apenas uma fina camada de oxidação branca ― removível com uma lixa fina.

Ademais, é um material extremamente versátil. Ele pode ser pintado com diversos esmaltes sintéticos para melhorar a resistência e mudar sua aparência estética. Portanto, pode ser utilizado em diversos locais de uma construção, como as janelas, as maçanetas, entre outros.

No entanto, por ser muito maleável, não pode ser empregado em estruturas de sustentação, como as vigas e os pilares.

2.3. Aço inoxidável

O aço inoxidável é uma liga de ferro com a adição de carbono e cromo. Com isso, pode―se reduzir a interação com as moléculas de oxigênio que geram a ferrugem. Como apresenta uma excelente resistência mecânica, pode ser facilmente integrado às estruturas de sustentação tanto sozinho quanto com o concreto.

2.4. Galvalume

O Galvalume é um liga metálica constituída por zinco, alumínio e silício. Foi criada para aumentar a resistência desses metais à corrosão, sendo um dos materiais mais resistentes nesse sentido.

Por ser extremamente maleável, é utilizado principalmente na fabricação de telhas e chapas. Entretanto, está contraindicado nas estruturas de sustentação.

2.5. Concreto

O concreto é outro material muito importante para as construções litorâneas, pois pode ser utilizado para fabricar as mais diversas estruturas desde as vigas da fundação até as telhas. No entanto, há diferentes tipos de concreto no mercado e é importante estar atento à porosidade de cada opção. Quanto maior ela for, mais susceptível a estrutura estará à ação da umidade.

Assim, o concreto mais poroso pode ser utilizado em locais onde ele não está associado a estruturas metálicas, como as telhas. Entretanto, quando ligado a armaduras metálicas, será preciso protegê―las e, assim, o concreto deve ser o mais impermeável quanto possível. Para isso, eles podem ser associados a aditivos ou materiais impermeabilizantes. Falaremos mais deles a seguir.

2.6. Impermeabilizantes

Com o isolamento térmico, a impermeabilização é uma das ações mais importantes nas construções no litoral. Afinal, devido à maior umidade do ar e à maresia, as estruturas estão sob maior risco de danos químicos. Nesse sentido, é importante fazer um projeto detalhado. A seguir, explicaremos os principais tipos e sistemas.

Atualmente, existem três tipos de impermeabilização no mercado: a rígida a semiflexível e a flexível. Elas devem ser escolhidas de acordo com a exposição da superfície ao calor e ao estresse mecânico.

Rígida

A impermeabilização rígida geralmente é feita com o acréscimo de aditivos aos materiais tradicionais da construção, como o gesso, o cimento e a argamassa. Assim, diversos efeitos podem ser conquistados, como:

  • aumento da tensão superficial do material, fazendo com que a água seja repelida ao entrar em contato com a estrutura. Esse é o caso dos aditivos hidrofugantes;
  • redução da porosidade do material. Desse modo, as moléculas interagem mais fortemente entre si, impedindo a penetração da água.

No entanto, isso apresenta um lado negativo. Quando expostos à variação de calor, as estruturas ficam mais susceptíveis a fissuras, comprometendo a eficiência da impermeabilização. Desse modo, não podem ser utilizados em superfícies em contato direto com o sol.

Flexível

Esses impermeabilizantes são chamados de flexíveis, pois contam com maiores elasticidade e conformidade. Ou seja, quando as estruturas se dilatam devido à ação do calor, o impermeabilizante é capaz de se adaptar e proteger a superfície mesmo diante do surgimento de fissuras.

Eles funcionam de modo diferente das anteriores, pois não são aditivos aos aglomerantes da construção civil. Em vez disso, eles são aplicados em camadas sobre as superfícies já prontas. Nesse sentido, apresentam―se em dois subtipos principais, as mantas e as membranas.

As mantas devem ser aplicadas a quente para aderir às superfícies. Talvez, seja o tipo mais conhecido devido às mantas asfálticas ― um dos impermeabilizantes mais populares no mercado e que são utilizados nas vias rodoviárias.

Em espessuras menores e com armaduras especiais, podem ser empregados na construção civil para as áreas que entram em contato direto com o sol e necessitam de alta capacidade de vedação, como as lajes.

Já as membranas são instaladas a frio por diferentes processos. Devem ser aplicadas em diversas camadas a fim de apresentar a eficiência máxima. Por serem mais práticas, têm se tornado mais populares. Podem ser utilizadas em áreas externas, lajes etc.

Semiflexível

Por fim, temos o tipo semiflexível, que nada mais são do que aditivos que suportam uma maior variação de temperatura. Apesar dessa vantagem, ainda não podem ser utilizados em estruturas submetidas a uma dilatação térmica mais intensa. Entretanto, são opções mais seguras para reforçar a proteção de vigas e de fundações.

No litoral, portanto, a elaboração de um projeto de impermeabilização adequado é essencial para evitar os danos causados pela umidade.

3. Como garantir conforto térmico e isolamento na casa?

Por fim, vem o assunto mais importante quando falamos de construções no litoral ― o isolamento térmico. Ele é responsável por manter a qualidade das estruturas e trazer mais conforto aos usuários.

3.1 Isolamento térmico

O isolamento térmico é uma técnica utilizada para evitar as trocas de temperatura entre o meio interno e o externo. Desse modo, é possível manter uma temperatura estável dentro das construções no litoral e reduzir a dependência de equipamentos elétricos para a manutenção do conforto.

Esses materiais agem sobre um ou mais dos seguintes processos de transmissão de calor:

  • condução: ocorre quando dois materiais com temperaturas diferentes entram em contato físico. A energia do movimento das moléculas do mais quente é transmitida para o mais frio, aumentando os valores de temperatura. É o que ocorre quando um motor aquece a parede que está apoiado;
  • convecção: acontece devido à movimentação das massas de ar. Quando o ar é aquecido no solo, ele fica menos denso e é direcionado para cima. Por sua vez, a massa de ar mais fria é direcionada para baixo. Quando o telhado não é isolado termicamente, ele aquece constantemente as massas de ar superiores dentro do edifício e gera um fluxo de ar cada vez mais quente;
  • radiação: essa é a principal causa do aquecimento das estruturas de uma construção. As fontes de calor liberam ondas de energia que não dependem do contato físico para aquecer outros objetos. Ou seja, a transmissão de calor ocorre à distância. O principal exemplo nesse sentido é o sol. Por essa razão, cerca de 90% do calor absorvido por um edifício chega por meio da radiação.

A eficiência de um isolante depende diretamente de quão eficiente ele age sobre os três processos.

3.2. Sprays

Os sprays são feitos a partir de polímeros plásticos aplicados com bombas a jato. Assim, eles formam uma fina camada sobre as superfícies e podem impedir parte da condução de calor. Portanto, não agem sobre os processos de convecção e de radiação.

3.3. Espumas Expansivas (PU)

As espumas também são produzidas com polímeros plásticos, porém elas são pré-fabricadas. O principal material utilizado é o poliuretano, que já esteve envolvido em diversos incêndios devido à alta capacidade de combustão. Fique atento à ficha técnica do fabricante na hora de escolher essa tecnologia para sua construção no litoral.

3.5. Foils (Duralfoil)

Já os foils contam com uma ação bem diferente dos modelos anteriores, pois não agem sobre a condução, mas sobre a radiação. São lâminas altamente reflexivas que devolvem parte da radiação solar de volta para o meio ambiente. Isso impede que a energia seja transmitida para as estruturas da construção.

3.6. Mantas térmicas

As mantas térmicas podem ser feitas a partir de diversos materiais, cada qual com propriedades específicas. Em comum, eles apresentam uma maior flexibilidade e conformidade. A seguir falaremos dos principais tipos:

  • lã de vidro: fabricada a partir da sílica submetida a altas pressões, esse é um isolante fibroso com boa eficiência para bloquear processos de condução de calor, porém não atua na radiação;
  • lã de rocha: muito semelhante à anterior com a diferença de ser produzida a partir da diábase, uma rocha vulcânica;
  • Manta lã de PET: usualmente feita com garrafas recicladas, também só age sobre a condução de calor;
  • 3TC: além de um núcleo de poliestireno estendido maleável, que reduz grande parte da condução de calor, o 3 TC conta com duas camadas de lâmina reflexiva. Desse modo, pode atuar sobre todos os processos de transmissão de energia térmica. Por isso, falaremos dele, no final do post.

Por serem maleáveis, as mantas são utilizadas nas superfícies que exigem maior flexibilidade do material, como as quinas dos pisos e das paredes.

3.7. Placas térmicas

As placas térmicas costumam ser fabricadas com os mesmos apresentados acima. A grande diferença está nas técnicas de produção. Aqui, há um adensamento muito maior dos materiais ou um aumento na espessura. Com isso, se formam estruturas rígidas. São essenciais para regiões que não podem oferecer sustentação para as mantas ou que precisam de um reforço, que é o caso de construção no litoral.

3.8. O 3TC

O 3TC é baseado nas tecnologias desenvolvidas pela NASA para os trajes espaciais dos astronautas, uma vez que o Espaço está sujeito a amplas variações de energia. Seu principal diferencial é atuar sobre os três processos de transmissão de calor.

O seu núcleo de poliestireno estendido é altamente eficiente para impedir a condução de calor. Então, toda a energia vinda do contato com as massas de ar e com o solo pode ser mitigada.

Já as lâminas refletivas são capazes de devolver mais de 90% da energia solar para o meio ambiente e impedir que ela aqueça a construção. Com isso, temos um sistema completo de isolamento com a máxima eficiência.

Outro grande benefício desse sistema de isolamento térmico é que ele permite a utilização de outras técnicas construtivas que não eram tão eficientes para as regiões litorâneas. Por exemplo, as telhas metálicas seriam as opções ideais para evitar que as peças se soltem com a ação do vento, uma vez que elas são pregadas diretamente nas terças.

Contudo, elas transmitiam todo o calor da radiação solar para o ambiente interno. Com o isolamento, esse problema é eliminado, visto que as mantas podem ser integradas às telhas e trazer a máxima eficiência térmica para o ambiente.

Ademais, o 3TC é um material totalmente impermeável e pode reforçar ― ou mesmo substituir ― os sistemas de impermeabilização necessários para as construções litorâneas. Por conseguinte, ao utilizá-lo, você garante o conforto térmico mesmo diante do calor mais intenso e protege sua construção contra os potenciais danos ambientais.

Portanto, o sucesso da sua construção no litoral depende da escolha dos materiais e dos métodos construtivos certos. É imprescindível investir bastante a fim de prevenir os mais diversos riscos, como ventos fortes, temperaturas elevadas e alta umidade. Assim, é possível manter o conforto térmico e aumentar a vida útil de cada estrutura.

Você conhecia todos esses cuidados essenciais para as construções no litoral? Não?! Provavelmente muita gente também não conhece! Então, não deixe de compartilhar nosso post nas redes sociais!

As mantas acústicas são materiais que têm conquistado o mercado nos últimos anos. Afinal, à medida que as leis ficam mais exigentes em relação ao isolamento de sons, as pessoas e as empresas buscam estratégias cada vez mais eficientes e com um melhor custo-benefício em relação à manta acústica.

Por isso, preparamos um post bem completo sobre o assunto. Nele, vamos falar sobre o funcionamento das mantas acústicas, os principais tipos, como instalá-las, como escolher a melhor opção para seu negócio etc. Ficou interessado? Acompanhe!

Entenda o que é a manta acústica

É relativamente difícil fazer uma definição única para as mantas acústicas, uma vez que há vários tipos diferentes no mercado. Cada um deles é feito com um material muito específico, empregando técnicas bem distintas. Mesmo assim, no geral, podemos falar que todas buscam atingir o mesmo objetivo: trazer mais conforto térmico e acústico para as construções.

Em relação à aparência, são podem ser, sim, comparadas com as mantas de tecido. No entanto, são mais densas, espessas e resistentes, fabricadas com matérias-primas de alta tecnologia. Elas podem ser encontradas em formas de placas retangulares com tamanhos pré-definidos ou em rolos em diversas metragens. As primeiras são ideais para quem tem projetos com uma área menor ao passo que os últimos são muito interessantes para a construção civil em larga escala. Uma incorporadora pode comprar dezenas de rolos para aplicar em suas obras, cortando-os conforme a necessidade.

Em comparação com os materiais mais antigos, as mantas são realmente uma grande inovação e conseguem solucionar, com muito mais eficiência, todos os problemas enfrentados nas construções quando o assunto é isolamento. Por essa razão, têm sido universalmente empregadas, independentemente do clima e de outras especificidades locais.

Principais características

Algumas características das mantas acústicas variam de acordo com o material, sendo difícil comparar uma lã de PET com uma lã de rocha ou um 3TC. No entanto, alguns pontos são comuns a todas, como:

Durabilidade

A durabilidade é sempre um desafio na construção civil. Afinal, estamos falando de bens extremamente duráveis de forma que até mesmo acessórios como o isolamento acústico devem ter uma duração muito grande para não causar insatisfação dos usuários. Por isso, é imprescindível planejar bem o material a ser utilizado.

Alguns tipos de lã, como a animal, e algumas espumas estão sujeitas a processos de degradação biológica. Quando úmidas, podem ser contaminadas com fungos que geram o tão incômodo mofo. Esses micro-organismos produzem substâncias que dissolvem o material lentamente. Portanto, especialmente em projetos sujeitos a umidade, devem ser evitados.

Os materiais mais modernos, por outro lado, já foram elaborados tendo em vista esse problema. Portanto, são feitos com plásticos e ligas que não são degradáveis por substâncias biológicas. Outra vantagem, nesse sentido, é que são feitos com materiais inertes, isto é, não reagem significativamente com os gases do meio. Desse modo, também são excelentes opções para laboratórios e indústrias químicas.

Resistência

Um dos grandes problemas das espumas e dos sprays tradicionais para isolamento é a falta de resistência desses materiais. Qualquer atrito, ou impacto, pode gerar o descolamento de parte da estrutura e, ainda, desmanchá-la. Então, demandam uma manutenção constante, que acaba trazendo pouca praticidade para os usuários da construção.

As mantas, por outro lado, contam com fibras muito resistentes, com um processo de fabricação que as deixam bem resistentes a atritos, cortes e impactos. No entanto, isso não é válido para todos os materiais. As lãs de PET, por exemplo, não muito frágeis e devem ser evitadas sempre que a manta ficar exposta ao ambiente. Já a 3TC é extremamente resistente e pode ser seguramente ser aplicada nas superfícies de exposição, além de poder ser instalada entre drywalls, telhas metálicas, gessos etc.

Maleabilidade

Nem todo isolante acústico é maleável, algumas vêm em placas relativamente rígidas, o que é frequentemente um inconveniente. A maleabilidade é uma vantagem muito interessante, pois ajuda a adaptar a manta a vários projetos, como aplicação em estruturas curvas, arestas, superfícies irregulares etc.

Também, essa característica facilita bastante o armazenamento nos estoques e armazéns, pois é possível manipular o material o que ele se adapte às dimensões desses ambientes. Como não são facilmente degradáveis, também podem ficar armazenadas por muito tempo. Isso é especialmente interessante para as construtoras e incorporadoras que precisam manter grandes estoques por períodos prolongados.

Isolamento térmico e acústico combinados

As mantas acústicas são também mantas térmicas, que funcionam muito bem para isolar tanto a temperatura quanto os ruídos de um ambiente. Desse modo, os usuários contam com um conforto duplo. Isso também representa uma maior economia em relação aos ares-condicionados e aquecedores, visto que são reduzidas as trocas com o meio externo.

Materiais mais utilizados

Vários tipos de materiais podem ser utilizados para a fabricação das mantas acústicas. Atualmente, são três os principais grupos:

  • minerais: são feitas a partir de matérias-primas encontradas no solo terrestre, como a sílica e as rochas vulcânicas. Elas são submetidas a altas temperaturas e diferenças de pressões muito grandes a fim de produzir lãs extremamente resistentes;
  • sintéticas: são produzidas com matérias-primas plásticas, isto é, polímeros derivados do petróleo. Podem ser produzidas com vários processos industriais diferentes, o que gera materiais bem distintos, como o PET, o poliuretano, o poliéster etc. Com o uso de tecnologias mais avançadas, podem ser aliadas a materiais metálicos, como é o caso do 3TC;
  • biológicos: são produzidas por meio de materiais derivados de seres vivos, como a lã de carneiro. Nos últimos anos, tem caído em desuso devido aos seus diversos problemas de conservação.

Tipos de manta acústica

Agora que falamos dos principais materiais utilizados, você poderá entender um pouco melhor os principais tipos de manta acústica do mercado e suas principais características.

Lãs de vidro

Recebem esse nome, pois são fabricadas a partir da mesma matéria-prima do vidro, a sílica. Ela é submetida a altas temperaturas juntamente de algumas resinas sintéticas. Depois disso, são resfriadas com uma diferença de pressão muito grande, conferindo o aspecto de fibra para lãs. Depois disso, podem ser compactadas em várias densidades e espessuras diferentes.

Como vantagens, são incombustíveis (não pegam fogo) e uma boa resistência termoacústica. São leves e facilmente manuseáveis. Em relação às desvantagens, está a dificuldade em aplicar em paredes e o surgimento de materiais mais modernos e eficientes.

Lã de rocha

O processo de fabricação é bem semelhante às lãs de rocha, mas a matéria-prima utilizada é uma rocha vulcânica chamada de diábase. Também, é incombustível e tem uma boa performance termoacústica. São mais versáteis, podendo ser encontradas em vários formatos, como painéis, feltro, tubos e flocos.

Lãs de PET

O grande diferencial da lã de PET é o seu apelo sustentável, pois pode ser fabricada a partir da reciclagem das garrafas plásticas. No entanto, ela conta com algumas desvantagens em relação às demais, pois, apesar de resistente ao fogo, não é incombustível. Podem ser fabricadas com várias densidades e formatos diferentes. Apresentam uma eficiência de isolamento termoacústico boa, mas inferior aos demais.

Espumas acústicas

Esses são os materiais mais polêmicos em relação ao isolamento acústico, pois são fabricadas com um plástico chamado de poliuretano. Ele é combustível, isto é, funciona como “alimento” para o fogo, liberando uma fumaça tóxica que causa asfixia. Para lidar com esse inconveniente, as empresas têm utilizado alguns aditivos para retardar o fogo e reduzir a produção de fumaça, mas isso ainda não a torna a opção mais segura.

3TC

O 3TC é considerado uma tecnologia de ponta em relação ao isolamento térmico e acústico, sendo resultado de vários anos de estudo com materiais para fornecer a melhor manta do mercado. Ou seja, não é um material que era utilizado para outro fim e, depois, foi aplicado no isolamento. Ele foi desenvolvido para isso. Assim, é capaz de atender todas as normas de segurança e de qualidade da construção civil, apresentando uma eficiência e durabilidade muito maior em relação às opções anteriores.

Ele foi elaborado a partir das tecnologias utilizadas em estações espaciais e nos trajes os astronautas, que precisam protegê-los do frio, calor e da radiação solar. Consequentemente, acaba se tornando também um excelente isolante acústico.

No caso do calor, há duas principais formas de transferência: a condução e a radiação. As mantas tradicionais (rocha, vidro e poliuretano) só conseguem agir sobre a condução, isto é, a transmissão de calor quando há contato entre duas superfícies. No entanto, isso é responsável por somente 10% da transferência de calor nas construções. O principal desafio é reduzir o aquecimento pela radiação, ou seja, pela incidência dos raios solares.

Para isso, surgiram as tintas reflexivas, mas elas também não funcionavam para impedir a condução. Assim, o 3TC incorporou as lâminas reflexivas, que reduzem bastante a transmissão pela radiação. Apesar de o assunto ser o isolamento acústico, as normas atuais de construção civil também endureceram as regras de conforto térmico. Então, o ideal é procurar materiais usados no isolamento acústico que funcionam bem em relação a esses dois critérios.

No caso dos sons, há duas formas principais de transmissão: a área e a vibração em sólidos. No primeiro caso, os sons são transmitidos pelo ar e refletido pelos sólidos. No último, o contato entre dois sólidos e um deles é fonte de vibração, a qual é transmitida pelo outro. É o caso das máquinas industriais, que geram bastante ruídos pelas vibrações, que acabam sendo propagados pelas partes e pelo chão.

Tendo em vista esses mecanismos, há três formas que uma manta acústica pode fazer um bom isolamento:

  • absorção: esse é o processo no qual um material capta as ondas de som e, em vez de transmiti-lo, ela dissipa as vibrações em sua estrutura;
  • reflexão: em vez de permitir que um som entre ou saia de um meio por meio da transmissão, ela simplesmente reflete as ondas para outra direção oposta ao do ambiente que precisa ser isolado;
  • difusão: a intensidade do som depende da força da sua onda de transmissão. Assim, quanto maior a quantidade de ar que desloca, mais forte será o ruído. Ao encontrar uma superfície difusora, essa massa é desviada em várias direções, produzindo várias ondas de menor intensidade.

O 3TC também age sobre esses três processos, o que permite uma eficiência de isolamento muito maior em relação aos materiais tradicionais. O EPS é capaz de absorver e dissipar sons de altíssima intensidade, além de contar com propriedades difusoras muito elevadas. Desse modo, destaca-se como um dos materiais que alia o melhor do conforto acústico e do térmico.

Desse modo, pode ser instalado em praticamente qualquer tipo de superfície e projeto, como:

  • abaixo dos pisos, logo acima do contrapiso;
  • nas paredes, inclusive dentro das lâminas de gesso de drywall;
  • entre lâminas de divisórias de madeira e de vidro;
  • em tetos e nas lajes, podendo revestir também as vigas;
  • em telhados, sendo possível instalá-lo entre as telhas metálicas ou como um forro interno;
  • nas telhas, podendo ser acoplado com uma camada entre duas lâminas metálicas;
  • em contêineres, como revestimento interno;
  • em veículos de transporte, como vans, kombis, caminhões, melhorando o conforto e também aumentando a eficiência dos sistemas de refrigeração;
  • em tubos de revestimento de ares-condicionados etc.

Assim, adaptam-se completamente às necessidades do usuário. Por isso, encaixa-se praticamente em todos os conceitos de arquitetura, engenharia civil, engenharia mecânica etc.

Facilidades e tecnologias de instalação

Cada tipo de estrutura e de superfície demanda uma instalação diferente. Consequentemente, é preciso contar com uma manta versátil, que pode ser submetida a vários processos diferentes, como:

  • colagem: é a aplicação de resinas que fazem a adesão entre a superfície da manta e o local de aplicação. É mais utilizada nas paredes, onde a ação da gravidade dificulta outros tipos de instalação;
  • pressão: é o que ocorre no caso dos pisos, no qual o peso e o encaixe das peças acabam exercendo uma força sobre a manta para fixá-la. Para isso, é preciso que o material dela seja especialmente resistente a forças mecânicas;
  • fixação com parafusos: grande parte das telhas são fixadas nas vigas com parafusos. Para que facilitar a instalação, o ideal é que as mantas possam se submeter ao mesmo processo sem o risco de danos ou de descolamento no futuro;
  • encaixe: a manta se fixa simplesmente pelo encaixa com as demais estruturas, como os drywalls.

Assim, o ideal é escolher um material versátil o suficiente para ser aplicado junto com as principais técnicas da construção civil. Isso evita que o engenheiro e o arquiteto precisam fazer um planejamento extra para o isolamento.

O que as normas dizem sobre isolamento acústico?

No Brasil, há três principais situações legais sobre o isolamento acústico das construções. A mais conhecida é a Lei do Silêncio, que regula o barulho gerado pelos mais diversos tipos de estabelecimentos e residências. Há um limite de intensidade sonora, que é medida em decibéis, para cada horário. Durante o dia, as residências, os comércios e as indústrias não podem produzir ruídos acima de 70dB. Entre 22 h e 7 h, esse valor é reduzido para 50 dB.

Portanto, há alguns tipos de negócios que devem ficar bastante atentos aos sons que produzem, pois podem sofrer com multas e suspensões. Esse é o caso dos bares, das baladas, dos estúdios de música etc. Desse modo, o isolamento acústico deve ser reforçado, necessitando de um projeto específico para esse fim.

A segunda (NBR 15575) é voltada para a construção civil residencial e estabelece os padrões mínimos de isolamento sonoro de cada estrutura de uma unidade, como janelas, paredes, pisos e portas. A norma é bastante complexa e precisa de um estudo aprofundado. Cada ambiente e cada situação recebem limites diferentes. Por exemplo, os pisos devem garantir um isolamento no qual a transmissão de sons entre unidades não ultrapasse 55 dB.

No caso do comércio e da indústria, o caso é muito mais complexo. Afinal, há várias regras diferentes. Além de todas as normas de padronização da ABNT, será preciso também seguir as orientações das Normas Regulamentadoras sobre ergonomia no ambiente do trabalho, como é o caso da NR-17. Assim, cada setor terá suas especificidades.

Conheça os benefícios da manta acústica

As mantas acústicas são a opção mais interessante para fazer o isolamento das construções. A seguir, explicamos os principais benefícios:

Versatilidade

A versatilidade é uma das principais características a ser ressaltada em relação às mantas acústicas. Antigamente, os principais materiais utilizados eram as espumas e os sprays, que continham limitações significativas. Eles não eram muito bons para a instalação nos pisos e, nos telhados, tinham uma aplicação e uma manutenção muito mais complicada.

No caso das mantas, por outro lado, elas são facilmente instaladas em qualquer superfície da construção, como o contrapiso, o piso, as paredes, na laja, entre as folhas das telhas etc. Assim, conseguem se encaixar em praticamente todos os tipos de projetos arquitetônicos. Por exemplo, uma das aplicações mais comuns é a utilização das mantas no contrapiso de laminados de apartamentos, o que reduz os ruídos produzidos nos apartamentos vizinhos.

Esse processo praticamente não altera em nada as características do piso e o tempo de instalação. Os técnicos simplesmente aplicarão a manta antes de instalar, seja por meio da própria pressão do encaixe das peças do laminado, seja por colas especiais que as fixam no contrapiso.

Por fim, não podemos deixar de falar que elas podem ser utilizadas em pequenos projetos residenciais até grandes empreendimentos industriais. No entanto, isso só é possível quando você está utilizando um material de altíssima qualidade, feito com tecnologia de ponta para trazer versatilidade a todo tipo de construção.

Segurança da manta acústica

Além disso, outra característica muito interessante das mantas é a sua segurança. Os isolamentos mais antigos utilizavam polímeros de plástico que não eram resistentes ao fogo — em alguns casos, eram, até mesmo, inflamáveis. Esse é o caso da espuma de poliuretano, a qual entra facilmente em combustão e libera um gás extremamente tóxico, que pode ser a principal causa de mortes e doenças em um incêndio — até mais que o próprio fogo.

Outros benefícios bastante interessantes são:

  • economia de energia: como o isolamento melhora a eficiência dos ares-condicionados, eles podem manter a temperatura estável com uma potência menor. Desse modo, a conta de luz representará um impacto menor nas despesas;
  • conforto: um clima mais ameno e silencioso no ambiente traz menos estímulos negativos para os usuários da construção, promovendo o seu bem-estar;
  • conformidade com a lei: ao empregar um bom sistema de isolamento, com o material certo, você automaticamente já seguirá as principais normas regulamentadoras do Brasil.

Como escolher a melhor manta acústica?

O primeiro passo para escolher a manta acústica certa é elencar as necessidades do seu projeto. Quais são suas prioridades e seus desafios? Em residências, não é necessário o isolamento completo, deve-se manter somente um nível saudável de ruídos. Por outro lado, em estúdios, a entrada de sons ambientais deve ser praticamente zero.

Depois disso, é imprescindível pesquisar bastante sobre o assunto: ler sobre os diferentes tipos de materiais, compará-los e conversar com especialistas ou com consultores. Assim, você poderá conhecer como cada tipo de manta pode ajudá-lo a realizar os seus principais objetivos. Como há várias opções no mercado, não escolha até que você tenha bastante segurança da sua decisão.

Comparando todas as vantagens e desvantagens, acreditamos que a manta 3TC seja uma das melhores opções atualmente. Ela assume a liderança em vários critérios importantes, como:

  • alta performance de isolamento termoacústico;
  • baixa condutividade elétrica;
  • resistência ao fogo;
  • facilidade de instalação;
  • excelente custo-benefício;
  • fornecedores confiáveis, que oferecem também toda a consultoria e a instalação.

Com isso, todo o tipo de construção da residencial até as grandes indústrias se beneficiam do 3TC. Nesse último caso, há inúmeros benefícios adicionais em relação à ergonomia dos funcionários, que ganham mais produtividade e eficiência. Também, melhora-se a condição de acondicionamento de matérias-primas e dos produtos, reduzindo a deterioração e entregando um melhor resultado para os clientes.

Em qualquer caso, a manta acústica é um item imprescindível para todas as construções. Atualmente, ela é um item obrigatório na maior parte das regulamentações para o setor civil, comercial e industrial. Portanto, sua empresa precisa buscar um projeto de isolamento o quanto antes para se posicionar melhor no mercado e para evitar problemas com a fiscalização.

Quer saber mais sobre a importância do isolamento acústico e seus mecanismos? Então, confira o nosso guia completo sobre o assunto!