O comportamento ao fogo de um revestimento é um dos critérios mais importantes para uma obra. Afinal, há inúmeras normas técnicas que exigem a segurança contra incêndio, nos mais diversos tipos de construção.

Nenhuma empresa quer ser associada a eventos fatídicos com possibilidade de ferimentos e óbitos. A segurança ao incêndio é um fator crucial e indispensável na escolha correta de materiais de acabamento e revestimento. Por isso, é importante que você conheça a resistência dos isolantes térmicos utilizados nos seus projetos. Durante o projeto, é preciso escolher produtos que atendam as normas de segurança e tenham certificação de laboratórios especializados na área.

A tecnologia 3TC atende todas as normas nacionais e internacionais relacionadas ao comportamento ao fogo, incluindo a instrução técnica do Corpo de Bombeiros IT 10/2011, sendo certificada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP) como material que não propaga fogo com a classificação II-A0.

Quer saber mais sobre as classificações de comportamento ao fogo dos materiais de revestimento para o seu projeto e sobre a proteção trazida pelos produtos da 3TC? Então, acompanhe a leitura!

O que são materiais não combustíveis, semi-combustíveis, e retardantes/não propagantes?

Muitas pessoas se confundem com as classificações de materiais no que tange o comportamento ao fogo.

Os materiais não-combustíveis ou incombustíveis são aqueles que, quando submetidos a uma fonte de combustão, não se deformam excessivamente, não apresentam derretimento e não produzem grande emissão de fumaça e gases. Estes materiais geralmente são inorgânicos. Tais como: concreto, tijolo, cobertura para telhado, placa de amianto, aço, alumínio, vidro, argamassas e outros similares. Dessa forma, estes materiais são considerados estruturais.

Os materiais semi-combustíveis são aqueles que, apresentam pouco desenvolvimento de chamas, fumaça ou gases durante o processo de combustão. Similares aos materiais não combustíveis, os materiais semi-combustíveis também não apresentam grandes deformações ou derretimentos. Materiais como painéis de gesso e os revestimentos metálicos que contêm quantidade mínima de madeira, papel ou plástico podem ser enquadrados nesta categoria.

Os materiais retardantes ao fogo ou não propagante à chamas são aqueles que, possuem tratamentos químicos para melhorar suas características de reação ao fogo, ou aqueles protegidos com superfícies incombustíveis ou com produtos que apresentem dificuldade de queima, quando expostos a um processo de combustão. Estes materiais apresentam pequenas deformações e derretimento quando expostos a combustão, podendo pegar fogo em parte do material até que as chamas sejam controladas, extinguidas e dissipadas, não representando assim riscos à segurança. Os materiais de revestimento e isolamento térmico e acústico devem se enquadrar nesta categoria para serem certificados e assim poderem ser utilizados com segurança em projetos construtivos.

Como ocorrem os incêndios?

 Os incêndios podem ser categorizados em por três etapas: a etapa inicial (primeira fase), a etapa de inflamação (segunda fase) e a etapa de extinção/dissipação (terceira fase).

Na fase inicial, o incêndio está restrito apenas a um foco. Este foco é identificado pelo primeiro material que tenha sofrido o processo de ignição e pelos possíveis materiais ao redor. Nesta fase a temperatura do ambiente aumenta gradualmente. A seguir, tem-se a fase da inflamação ou queima generalizada, caracterizada pelo envolvimento de grande parte do(s) material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente. A temperatura aumenta drasticamente, não sendo possível assim a sobrevivência humana no recinto. A fase de extinção/dissipação ocorre quando grande parte do material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente já foi consumido e a temperatura entra em decréscimo.

Uma vez que o material que esteja em contato com a fonte de ignição das chamas se decomponha pelo calor, gases que sofrem ignição serão liberados. Assim que a ignição é estabelecida, o(s) material(s) alimenta(m) a combustão, liberando gases/fumaça e desenvolvendo calor. Dessa forma o ambiente, então, sofrerá uma elevação gradativa de temperatura, e fumaça e gases quentes serão acumulados no teto.

Através das 3 formas de transferência de calor, condução, radiação e convecção, poderá ocorrer a propagação do fogo para materiais combustíveis que estejam nas adjacências do local.

Cabe ressaltar que a maioria dos incêndios ocorre a partir de uma fonte de ignição nos materiais contidos no edifício como papéis, móveis, cortinas, e não nos materiais incorporados ao sistema construtivo, como materiais de revestimento e isolantes térmicos.

Quem determina o desempenho dos produtos?

 Para se certificar de que determinado produto é não propagante a chamas, resistente ao fogo, é necessária uma série de testes em laboratórios confiáveis. Os materiais são submetidos a condições que simulam um incêndio. Se resistirem à combustão, são considerados à prova de fogo. A determinação do desempenho dos produtos é aferida por normas nacionais como as normas NBR ABNT 16626, NBR 9442, NBR11948, e internacionais como a norma ASTM E 662 e ASTM E 84. Além disso existe a normativa do Corpo de Bombeiros com instrução técnica para controle de materiais de acabamento e de revestimento. Portanto, os materiais de revestimento devem atender todas as normas e instruções dos órgãos vigentes para que, na ocorrência de incêndio, restrinjam a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça.

Porque existem classificações de comportamento ao fogo e como elas são elaboradas?

 A classificação dos materiais que são utilizados como revestimentos e/ou acabamentos existem para se providenciar a segurança contra incêndio. A proteção contra o risco do crescimento e da propagação do incêndio, contra o risco à vida humana e à propriedade, são mensuradas por meio dessas classificações que garantem a eficácia do Sistema Global de Segurança contra Incêndio

Estas classificações são elaboradas utilizando os índices estabelecidos nas normas recomendadas para avaliar a Reação ao Fogo onde os índices são categorizados em letras, de A ao E, e em subdivisões com numerais I e II — sendo A o mais seguro e o E o menos seguro.

Qual classificação um produto deve ter para ser considerado seguro?

 Os materiais com mais qualidade e que apresentam maior segurança em relação ao comportamento ao fogo recebem classificação I-A e II-A. Materiais de revestimento e isolantes térmicos considerados não propagadores de chamas devem necessariamente obter classificação A para poderem ser utilizados com segurança. Contudo, existem empresas que vendem produtos para o mesmo segmento com classificações diferente, por exemplos, mantas com classificação A e outras com classificação E. Considerar a utilização de materiais com classificação inferior a classe A ou não resistentes ao fogo coloca em risco a segurança de toda a estrutura. Para não se confundir ou utilizar um produto que não é adequado ao projeto é importante solicitar laudos de reação ao fogo aos fornecedores, a fim de ter certeza da classificação final do produto.

Quais os testes de comportamento ao fogo foram feitos na manta térmica 3TC?

A 3TC testou os materiais com uma das referências em segurança contra fogo e explosões. Trata-se do Centro Tecnológico do Ambiente Construído, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, mais conhecido pela sigla CETAC-IPT. A instituição segue as principais regras internacionais de padronização e a legislação nacional referente ao assunto.

Os ensaios técnicos seguem metodologias internacionais para determinar os índices de propagação de fogo, densidade de fumaça, toxidade, desprendimento de partículas, etc.

A tecnologia 3TC foi submetido aos métodos de ensaio:

– BS EN ISO 13823: 2002 – Reaction to fire tests for building products – Building products excluding floorings exposed to the thermal attack by a single burning item.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-109 – “Ensaios de reação ao fogo – Produtos utilizados em construção civil, exceto pisos. Método SBI”.

– BS EN ISO 11925-2:2010 – Reaction to fire tests – Ignitability of building products subjected to direct impingement of flame – Part 2: Single-flame source test.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-107 – “Ensaios de reação ao fogo – Ignitabilidade de produtos utilizados na construção civil sujeitos ao contato direto com chama – BS EN ISO 11925-2: 2010”.

– ABNT NBR 16626: 2017 – Classificação da reação ao fogo de produtos da construção.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-188 – “Classificação dos materiais de acabamento e revestimento empregados nas edificações”.

Os índices obtidos por estes ensaios são utilizados como referência para classificação do Corpo de Bombeiros no âmbito do controle de materiais de acabamento e revestimento.

Como foi o comportamento ao fogo dos materiais da 3TC?

 De acordo com o laudo do IPT, a tecnologia 3TC classifica-se como II-A de acordo com a Instrução Técnica nº 10 do Decreto Estadual de São Paulo nº 63.911 e como II-A-d0 conforme a norma ABNT NBR 16626.

CLIQUE AQUI ACESSE O LAUDO COMPLETO

Nos testes de ignição, nenhuma das bordas do material enviado entrou em ignição, mostrando a sua resistência ao fogo. Não ocorreu o gotejamento das partículas em chamas e foi verificada a retração do material durante a aplicação da chama do queimador.

Em relação ao teste BS EN ISO 11925-2, o material se mostrou incombustível, não liberou uma quantidade significativa de fumaça e não apresentou gotejamento. Desse modo, duas avaliações convergiram para a segurança do material diante do fogo.

Portanto, ao escolher produtos da 3TC, além de ter um excelente isolamento térmico, você poderá ter a segurança sobre o comportamento ao fogo. Nossos materiais foram submetidos aos principais testes de segurança e foram devidamente aprovados!

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua empresa? Então, entre em contato conosco!

São vários os fatores presentes em um ambiente de trabalho capazes de interferir na produtividade de uma equipe. Dentre esses parâmetros, é fundamental destacarmos as condições ergonômicas oferecidas pelo empregador, visto que, além de se relacionarem com o conforto ocupacional, também possuem ligações com a saúde e o humor da equipe de trabalho.

Infelizmente muitas empresas não dão a devida atenção para as condições ergonômicas disponibilizadas em suas dependências, fato este que é explicado pela falta de conhecimento sobre as várias vantagens ao assegurá-las.

Sendo assim, confira tudo sobre condições ergonômicas.

Conceito de ergonomia no trabalho

A palavra ergonomia remete ao estudo entre a relação ser humano/ambiente laboral. Em outras palavras, é uma análise detalhada sobre todos os elementos de um local que estão diretamente relacionados com o conforto, bem-estar e, acima de tudo, a segurança no trabalho de uma equipe.

Vale ressaltar ainda, que não importa o risco das tarefas a serem desempenhadas, todas elas necessitam de uma análise ergonômica adequada.

Relação entre ergonomia e produtividade da equipe

Esperar que uma equipe de trabalho entregue todo o seu potencial para uma empresa vai muito além de apenas garantir a contratação de excelentes profissionais.

Como exemplo prático, é impossível exigir bons resultados de desempenho de uma equipe que trabalha em um canteiro de obras sem os devidos Equipamentos de Proteção Individua – EPIs, ou de colaboradores que atuem em um escritório com baixa luminosidade e cadeiras desconfortáveis.

Sendo assim, é possível fazer uma associação direta entre a ergonomia e a produtividade de uma equipe, ou seja, quanto melhores as condições de trabalho que um empregador possa oferecer, sem dúvida, melhores serão os resultados de produtividade que a equipe em questão entregará.

Vantagens de um ambiente ergonômico

Podemos destacar as seguintes vantagens ao assegurar a ergonomia em uma empresa:

  • garantir a saúde e segurança do trabalho para todos os membros da empresa;
  • diminuir as chances de ocorrerem acidentes de trabalho, visto que todos os riscos serão previamente analisados e posteriormente traçadas medidas para que sejam neutralizados/reduzidos;
  • melhorar o humor da equipe de trabalho, uma vez que ela será valorizada e desempenhará todas as tarefas com conforto e segurança;
  • aumentar a produtividade dos colaboradores;
  • evitar lesões consequentes de esforços repetitivos, má postura e negligência dos EPIs;
  • possibilitar que atividades laborais sejam desempenhadas seguindo os parâmetros ideais de eficiência, visto que as condições de trabalho estão adequadas.

Normas regulamentadoras

Existem algumas normas regulamentadoras que especificam como que as condições de um determinado ambiente de trabalho precisam estar. Busca-se assegurar o conforto e a segurança da equipe.

Deste modo, os parâmetros que classificam as condições ergonômicas como satisfatórias ou inadequadas não são subjetivos. Isto é, são claramente determinados segundo algumas NRs.

Norma Regulamentadora 15

Tratando das atividades e operações insalubres, a NR 15 tem como principal objetivo estabelecer padrões técnicos para classificar um ambiente ocupacional quanto ao grau de sua insalubridade. Seguir essa norma impacta diretamente na produtividade. Isso de dá por ela colocar limitações em cargas horárias, bem como relaciona-se com o bem estar do colaborador. Isto posto, vai depender de análises, medições e atividades que a própria NR regula e indica como fazer.

Além disso, essa norma prevê um adicional sobre o salário ― conforme as características do risco e a intensidade de exposição ―, para a equipe que desempenha tarefas nestes ambientes identificados como insalubres.

A NR 15 padroniza parâmetros para os seguintes locais de trabalho:

  • presença de ruídos intensos (sejam eles contínuos, sejam eles intermitentes);
  • limite de exposição ao calor;
  • limite de exposição ao frio;
  • exposição às radiações não ionizantes;
  • trabalho em ambientes com alterações na pressão;
  • atividades em áreas com umidade elevada;
  • presença de agentes químicos;
  • elevada concentração de agentes biológicos.

Norma Regulamentadora 18

a NR 18 é uma norma que detalha as condições ergonômicas adequadas para a indústria da construção. Segundo essa norma, é dever do empregador garantir algumas condições básicas em um canteiro de obras. São eles:

  • instalações sanitárias;
  • vestiários;
  • alojamentos;
  • local de refeições;
  • área de lazer;
  • ambulatório, quando se tratar de uma equipe de trabalho com 50 ou mais membros.

Por ser uma indústria com várias ramificações e englobar tarefas de diferentes naturezas, na construção civil, há várias possibilidades de um ambiente ser classificado como insalubre. Entretanto, a NR 18 detalha todas as atividades e as suas respectivas condições ergonômicas ideais.

4 dicas para melhorar a ergonomia no ambiente de trabalho

Uma vez que já sabemos o que é ergonomia, bem como as suas vantagens ao ser garantida em um local de trabalho, é interessante destacar algumas dicas que as viabilizam.

Deste modo, confira 4 orientações para melhorar a ergonomia. São elas:

1. Conheça sua equipe

Estreitar a relação empregador/equipe de trabalho é muito importante para que a comunicação interna seja feita de forma clara, rápida e sem burocracias.

Uma vez que essa comunicação é realizada com eficiência, a equipe se sente mais confortável para sugerir melhores condições ergonômicas quando necessário, viabilizando, dessa forma, ambientes de trabalho mais saudáveis e seguros.

2. Disponibilize todos os EPIs

Como vimos ao longo do conteúdo, a segurança no trabalho é extremamente importante para a garantia de ambientes ergonômicos.

Nesse contexto, vale destacar a importância de disponibilizar todos os Equipamentos de Proteção Individual – EPI para a equipe. Com pouco investimento é assegurando assim, além do conforto ao desempenhar tarefas de risco, locais de trabalho com chances reduzidas de ocorrerem acidentes. Menos acidentes impacta positivamente o passivo trabalhista e também a produtividade.

EPIs básicos

EPIs são os aliados nº 1 de empresas e funcionários para evitar acidentes de trabalho

3. Delimite tarefas

Ao delimitar tarefas, um colaborador vai saber exatamente o que deve saber fazer. Desta forma ele estará menos propício a se expor às atividades que contenham riscos para os quais ele não está protegido.

E para alcançar esse patamar de organização na empresa, é imprescindível que haja uma clara delimitação das tarefas, para que, dessa forma, cada equipe execute apenas o serviço que ela sabe que as condições ergonômicas estão favoráveis.

4. Realize avaliações de desempenho

Muitas vezes um baixo rendimento no trabalho está associado com condições ergonômicas precárias. Baixo rendimento afeta diretamente a produtividade da equipe como um todo. Portanto, é importantíssimo ficar atento a esse fator.

Por esse motivo, realizar avaliações de desempenho periodicamente ajudam a detectar baixos rendimentos de equipes. Uma das causas possíveis é da equipe não estar alocada em um ambiente ergonômico.

Portanto, após entender o conceito de condições ergonômicas e verificar todos os seus benefícios para a produtividade da equipe, é fácil perceber o quão importante esse parâmetro é para as atividades laborais.

Cabe lembrar ainda que a empresa que não garante aos seus colaboradores boas condições de trabalho está sujeita a multas e penalidades trabalhistas, conforme as NRs 15 e 18.

O conteúdo foi interessante para você? Então siga nossas páginas nas redes sociais e confira mais posts sobre ergonomia e segurança do trabalho em geral. Estamos no Facebook, Instagram e Linkedin.