As técnicas de isolamento térmico e acústico são importantes para diminuir o calor/frio e os ruídos no ambiente de trabalho. Mas, antes de pôr em prática qualquer uma delas, é importante um planejamento que defina quais vão ser os materiais usados, como por ex forros de gesso.

O gesso é um bom aliado nesse sentido, pois promove conforto térmico em ambientes residenciais e corporativos. Uma propriedade dele é a higrotermia, fenômeno que contribui para regular o nível de umidade do ambiente.

Essa propriedade é basicamente isso: se o espaço é muito úmido, o gesso remove parte de sua umidade, absorvendo-a; se existe pouca umidade, o gesso oferece parte de sua própria umidade para ele. Continue a leitura e saiba mais detalhes sobre os forros de gesso!

Os principais cuidados na instalação de forros de gesso

Podemos identificar os principais cuidados com a instalação de forros de gesso. A seguir, exploramos um pouco cada um deles.

A mão de obra

O uso de gesso no revestimento e decoração de ambientes é cada vez mais popular, pois ele oferece muitas vantagens e pode ser usado em paredes e forros. Há diferentes tipos de gesso, mas todos exigem cuidados na hora da aplicação.

No preparo do trabalho, a mão de obra é fundamental. Profissionais despreparados não oferecem um bom acabamento de serviço. Quando procurar trabalhadores, certifique-se de que são realmente competentes e podem efetivar o projeto conforme o planejado.

É necessário, por exemplo, demarcar os pontos de fixação, atentar-se para a umidade, conferir a carga suportável pela estrutura ou laje. São esses cuidados que evitam problemas posteriores no revestimento, como manchas e fungos, rachaduras e trincas.

A qualidade do produto

É fundamental também escolher gessos de boa qualidade, pois materiais de qualidade duvidosa costumam gerar problemas, como rachaduras e trincas. Há diferenças entre os gessos disponíveis no mercado.

Analise as marcas, peça referências a quem já usou e orientação aos fornecedores. Além da qualidade, o gesso deve se prestar bem à finalidade a que se destina e, muitas vezes, o tipo de cobertura também deve ser considerado.

A qualidade do acabamento

O acabamento dos forros de gesso é uma etapa final e importante para assegurar que o resultado será o mais resistente possível.

Talvez, seja preciso efetuar muitas aplicações para garantir um acabamento de boa qualidade.

A preparação do ambiente

A aplicação de gesso requer um bom planejamento, como dissemos. O local onde ele será aplicado deve ser preparado. O teto precisa se apresentar bem nivelado, sem buracos, rebarbas ou outras irregularidades. Confira se as aberturas estão prontas, como os spotlights.

Os sistemas hidráulicos devem ser testados (os de água fria, água quente e esgoto). O sistema de ar-condicionado, se houver, também demanda uma instalação correta.

A aplicação do gesso

É importante proteger o chão com uma lona, no caso de o piso já se encontrar pronto. Dessa forma, evita-se que ele se suje com os respingos do produto. A lona também pode ser usada nas paredes, sendo fixada com fita adesiva. As cantoneiras podem ser aplicadas para proteção das quinas e dos cantos depois da finalização.

Existem alguns aditivos que ajudam na instalação do gesso, mas é preferível não os usar porque, com o decorrer do tempo, eles causam mofo e deixam uma coloração amarelada.

O resultado final

O resultado deve corresponder às expectativas. A superfície deve se apresentar plana, sem rebarbas, nem ondulações. Entre o teto e as paredes, os ângulos devem ser de 90º. No entanto, variações de, no máximo, 5 milímetros são aceitáveis.

No final, o lugar deve ficar limpo a fim de que não haja mistura com outros materiais e a massa fique endurecida. O descarte do que restar deve ser realizado em separado.

A importância da manutenção dos forros de gesso

Outro ponto relevante é a manutenção. Os forros de gesso não precisam de água para limpeza, pois ela pode danificar a estrutura. A limpeza deve ser realizada com panos secos e espanadores a fim de remover umidade e poeira, para prevenção.

Outra dica é deixar o ambiente ventilado para que não surjam manchas resultantes da umidade. A água sanitária serve para alvejar manchas que já existem — mas aplique em pequena quantidade.

As tendências em materiais de construção

É importante manter-se atento às tendências e novas tecnologias no setor de construção civil, pois os produtos com a função de isolamento térmico e acústico passam por melhorias para que ofereçam o melhor desempenho possível.

Ao usar as melhores soluções em isolamento térmico e acústico, a empresa garante o conforto necessário para otimizar a produtividade da equipe.

Os tipos de forros de gesso

Há dois tipos principais de forros de gesso:

  • em placas;
  • acartonado.

O gesso em placas

No primeiro caso, ele se apresenta em placas pré-fabricadas. Elas são fixadas na cobertura por meio de pinos e fios de aço galvanizado, em uma distância de 40 a 60 centímetros. O profissional acerta uma placa na outra com a ajuda de encaixes macho e fêmea. A massa de gesso é usada como rejunte para as emendas.

O acabamento costuma ser elegante e bem liso. Mas, geralmente, é mais pesado que o gesso acartonado.

O gesso acartonado

O forro de gesso acartonado também é conhecido como “drywall”. Ele combina placas de gesso com perfis metálicos. É rápido de instalar, sendo leve e apresentando boa qualidade. As chapas de gesso são confeccionadas de maneira industrial (água + gesso + aditivos).

As placas de drywall são fixadas no teto, assentadas em perfis estruturais, estruturas de madeira ou aço, com a possibilidade de criar diferentes desenhos e formas (como as sancas, modelagens feitas entre o teto e a parede que servem principalmente para um sistema diferenciado de iluminação).

O nome “acartonado” advém do fato de que ele tem papel cartão como revestimento. A cor desse papel varia de acordo com a função:

  • cor branca: é o mais usado em ambientes secos;
  • rosa: tem fibra de vidro, resistindo melhor ao fogo;
  • verde: é o mais usado em ambientes úmidos, porque tem silicone e aditivos contra fungos.

O sistema que utiliza drywall proporciona isolamento térmico, o que garante uma temperatura interna equilibrada. Nos tempos quentes, o calor externo não penetra no ambiente. No inverno, o ambiente interno também fica protegido contra o frio, conservando o calor que já existe internamente. Em palavras simples: no tempo quente, o calor de fora não entra; no tempo frio, o calor interno não sai.

Assim, podemos citar as seguintes vantagens em relação ao drywall:

  • a instalação rápida e limpa;
  • o material encontrado facilmente em lojas do ramo;
  • as instalações ocultas e protegidas;
  • o acabamento elegante;
  • o conforto térmico e acústico;
  • o ótimo custo-benefício.

Vimos, portanto, as principais particularidades dos forros de gesso e como eles podem contribuir para criar um ambiente interno mais agradável e eficiente. Podem ser obtidos em placas ou no modelo drywall, que promove isolamento térmico e acústico.

Gostou das informações? Foram ou não esclarecedoras? Então, que tal compartilhar o post nas redes sociais para que seus amigos também leiam o conteúdo? Faça isso. Compartilhe conhecimento!

Os ambientes fechados são vulneráveis a diferentes tipos de poluição. É importante conhecer quais são os principais deles e como evitá-los. Geralmente, são os mesmos tipos de poluição que também afetam os espaços abertos, como a visual, a atmosférica (do ar) e a sonora.

O Brasil, por ser um país tropical, tem épocas ensolaradas e outras chuvosas. Outra característica é a intensa umidade relativa do ar.

Ambientes fechados com muita umidade não são saudáveis, nem para a equipe, nem para a construção. Esse também é um tipo de poluição do ar muito comum em residências e em empresas. Neste artigo, vamos detalhar melhor esse assunto e mostrar como diminuir a umidade em ambientes fechados. Confira a seguir!

Os problemas causados pela umidade em ambientes fechados

Nos meses mais frios, a retenção da umidade é mais comum porque a temperatura cai e, em ambientes fechados, com pouca ou nenhuma ventilação, a umidade começa a causar problemas nas paredes e piso dos cômodos de uma edificação.

A umidade excessiva pode gerar sérias complicações à saúde, pois promove a proliferação de bactérias e de outros microrganismos nocivos. Umidade a 65% já favorece o desenvolvimento de algumas bactérias. Se ela alcança 80%, a quantidade de bactérias pode se multiplicar, alcançando 40 vezes mais!

Em geral, o recomendado é que a umidade relativa do ar permaneça em torno de 60%. Acima disso, começam a aparecer os efeitos, como odor intenso de “coisa velha”, mofo nas paredes e móveis, sintomas em pessoas idosas, crianças e demais pessoas que sofrem com algum problema de saúde, especialmente os respiratórios (asma, por exemplo).

Os motivos que provocam a umidade em ambientes fechados

É importante conhecer as formas de captura de umidade em ambientes fechados para compreender melhor alguns mecanismos de prevenção e combate ao problema. Existem 4 formas de captura, que vamos detalhar a seguir.

A umidade por intemperismo

Nesse caso, a umidade resulta da infiltração da água pluvial em rachaduras ou fissuras nas paredes ou outra estrutura.

Também pode ser resultado de projetos de escoamento mal definidos nas coberturas e nos telhados.

A umidade por infiltração

Aqui, estamos falando da umidade originada do solo e do lençol freático e que afeta as paredes. Essa forma de captura acontece com mais frequência em adegas, subsolos, porões e outros ambientes situados abaixo do nível do solo.

A umidade por capilaridade

A capilaridade é uma propriedade física característica dos fluidos. Refere-se à capacidade deles de subir ou descer em passagens tubulares (na forma de tubos) muito finas.

Como as vigas e as paredes são porosas, elas apresentam milhares dessas passagens em sua estrutura interna. Quando vigas e paredes se encontram em contato direto com o solo, a umidade pode penetrar nelas por meio do fenômeno da capilaridade.

A umidade por condensação

Essa forma de captura é resultado do vapor que emana de certos lugares, como banheiro e cozinha. Esse vapor invade os cômodos e fica impregnado nas superfícies, causando machas nas paredes e tetos, deixando-os com coloração mais escura.

As maneiras de evitar e remover a umidade em ambientes fechados

Existem formas efetivas de retirar a umidade em ambientes fechados. Conheça quatro delas logo mais.

A ventilação e a luz solar

Uma boa solução, que deve ser previamente definida, é a concepção detalhada do projeto, considerando pontos como a entrada da luz do sol no espaço interno e o acesso à ventilação natural.

É importante analisar o posicionamento certo das janelas, de modo que seja fácil a captação da luz solar. Com boa ventilação e calor, é possível evitar o excesso de umidade.

Os materiais impermeabilizantes

Uma técnica muito comum para reduzir e evitar a umidade em ambientes fechados é aplicar materiais impermeabilizantes na estrutura. Um deles é a argamassa impermeabilizante, que resolve problemas causados por capilaridade e infiltração.

A argamassa deve penetrar na parede. Por isso, caso a umidade já esteja presente, será preciso remover o revestimento na área úmida e colocar o produto na alvenaria, seja interna ou externamente.

Outro material é a tinta impermeabilizante. Trata-se de uma solução acessível, econômica e destinada à prevenção e à solução de problemas de umidade causada por intemperismo, ou seja, quando a água da chuva penetra pelas fissuras em coberturas e fachadas.

Uma tinta impermeabilizante consegue bloquear a entrada da umidade na área coberta. Geralmente, é um produto que custa mais que a tinta premium, sendo até 4 vezes mais caro. Mas o custo-benefício compensa, porque resolve problemas de umidade sem a necessidade de derrubar paredes ou de outras intervenções mais sérias.

O desumidificador de ar

Uma solução mais definitiva é o desumidificador de ar. É um eletrodoméstico que atua como um filtro. Sua função é exatamente a oposta da função de um umidificador. O desumidificador puxa o ar úmido, remove a água desse ar e o devolve ao ambiente já desprovido de umidade. Isso permite controlar os níveis de umidade de forma constante.

É uma boa opção para os ambientes fechados, dispensando até a necessidade de abrir janelas. Outra vantagem é que o aparelho portátil não faz ruídos e pode ser levado para qualquer local com facilidade. Há diferentes modelos que atendem a necessidades diversas.

As plantas que reduzem a umidade em ambientes fechados

A NASA confirmou, em 1989, que algumas plantas podem absorver a umidade e deixar o ar purificado. Além de promover um ambiente mais saudável, elas integram o espaço corporativo à natureza e servem como elementos decorativos. Algumas dessas plantas são:

  • lírio da paz: desenvolve-se bem em espaços fechados e com pouca iluminação, onde faz a absorção da umidade do ar para garantir seu crescimento;
  • samambaia de Boston: ela não requer poda constante e pode ser pendurada em qualquer ponto. Quando absorve a umidade, ela ainda remove benzeno, xileno e outras impurezas;
  • clorofito: tem folhas longas e curvas e pode retirar até 90% das impurezas do ar;
  • hera: tem folhas pequenas e, preferencialmente, deve ficar pendurada na parede. Ela reduz a umidade em forma de vapor no ar e ainda absorve mofo, matéria fecal de animais domésticos e microrganismos;
  • palmeiras: podem ser pequenas, médias ou grandes, crescem em espaços úmidos e absorvem poluentes em ambientes fechados.

É fundamental ter cuidado com a umidade em ambientes fechados para evitar o desenvolvimento de problemas alérgicos e problemas à própria edificação. Além disso, o mofo e o bolor causam mau cheiro e comprometem a estética do lugar.

Percebeu que existem diferentes soluções para o problema da umidade? Continue aqui no blog e confira agora como é possível melhorar a qualidade do ar!

Um espaço adequado depende de diversas características e, entre elas, está a qualidade do ar. É preciso que as condições favoreçam a respiração e o uso do local, de modo a garantir o melhor desempenho em geral. Por isso, a renovação do ar no ambiente é muito importante.

Ela se relaciona à ergonomia, segurança no trabalho e otimização de condições. Para tanto, precisa ser feita corretamente, com a ajuda de um projeto e com as soluções adequadas.

Para que você não tenha mais dúvidas, apresentamos a importância da renovação do ar ambiente e como ela deve ser feita. Confira!

Quais são os benefícios de adotar esse cuidado?

Considerando que o ar que respiramos é fundamental para a execução de qualquer atividade, é justo dizer que o cuidado com a atmosfera em uma área fechada é determinante.

Com o nível adequado de atenção, é possível garantir que o espaço apresente as características ideais, o que gera diversos benefícios. A seguir, mostramos quais são as vantagens desse cuidado!

Controle de poluentes

Com o uso dos espaços, é natural que ocorra um acúmulo de substâncias poluentes. O funcionamento de equipamentos, por exemplo, pode liberar gases variados. Mesmo o contato com áreas externas e as próprias características do local levam ao aumento das partículas suspensas.

Sem a renovação, esses elementos começam a ser absorvidos pelos colaboradores, o que pode agravar quadros de alergias respiratórias. Além disso, a presença de alguns componentes pode ser tóxica, o que causa diversos problemas de saúde.

A renovação serve, justamente, para limpar o ar e garantir que ele esteja sempre dentro das condições esperadas. Isso melhora a segurança, amplia o controle e favorece o uso dos espaços.

Controle de odores

Outro ponto importante tem a ver com os odores do ambiente de trabalho. O funcionamento de certas máquinas e a execução de alguns processos industriais podem dar origem a gases com cheiros específicos. Além disso, o uso do ambiente pode acumular odores diversos.

O problema é que isso causa grande desconforto aos colaboradores, que têm o rendimento afetado. O melhor, portanto, é investir na renovação do ar para dissipar qualquer aroma indesejável.

Isso tornará o espaço confortável, bem como evitará a ocorrência de quadros de intoxicação ou dificuldade respiratória.

Diminuição na propagação de doenças

Boa parte das doenças é transmitida pelo contato com secreções infectadas e até pelo ar. Infecções virais e bacterianas de diversos níveis de gravidade são facilmente espalhadas em um local fechado, em que não há a renovação do ar ambiente.

Então, basta um funcionário doente, ainda que esteja assintomático, para contaminar a maioria das pessoas.

Com a renovação do ar, por outro lado, caem as chances de haver o contato com o agente infeccioso. Com isso, o ambiente se torna mais protegido e saudável, além de ser possível diminuir o ritmo de propagação de doenças infecciosas.

Redução dos riscos de acidentes

Quando o ar não é renovado constantemente, não há a devida oxigenação do local. Como consequência, ocorre um acúmulo de gás carbônico, que passa a entrar na corrente sanguínea dos colaboradores. A sua atuação é altamente prejudicial e causa diversos impactos, como a perda de concentração, a sonolência e as dores de cabeça.

Tudo isso faz com que o colaborador fique menos atento ao trabalho e, portanto, à segurança. Como a situação pode até causar desmaios, os riscos de acidentes de trabalho se tornam maiores e prejudicam intensamente o negócio.

A renovação do ar ambiente tem a ver com a proteção da integridade dos colaboradores. Além de evitar os acidentes causados por algum mal-estar, previne a ocorrência ou o agravamento de doenças respiratórias.

Melhoria na produtividade

A renovação do ar é importante para o desempenho do negócio em geral. Essencialmente, isso acontece porque há maior oxigenação do corpo, o que permite um funcionamento adequado das células. Evita-se, também, a sensação de sonolência, como citamos. Por causa disso, as pessoas têm rendimentos melhores, cometem menos erros, e há mais eficiência.

Além de tudo, vale a pena pensar em médio e longo prazo. Se há menor taxa de contaminação de doenças, há menos licenças médicas e afastamentos. Com a redução do absenteísmo, a produtividade aumenta.

Menos acidentes também levam a um fluxo de trabalho otimizado, o que garante a consolidação de ótimos resultados e o aumento da capacidade produtiva.

Como a renovação do ar no ambiente pode ser realizada?

Para aproveitar a importância desse cuidado com o ar, devemos planejar e executar corretamente a renovação do ar. Nesse caso, tudo começa com uma análise da qualidade atual do ar, de modo a entender quais são os principais problemas e onde estão as causas.

A partir disso, é o momento de elaborar um projeto de otimização para a renovação do ar no ambiente. Isso inclui selecionar diversas alternativas, como os ventiladores e os exaustores. Também vale considerar a necessidade de executar processos de filtragem.

Os componentes têm que ser distribuídos de acordo com as necessidades de cada área, segundo as possibilidades físicas e estruturais. Pontos com maior demanda, por exemplo, exigem uma atuação mais intensa nesse sentido.

Também é importante manter o controle sobre as condições do ar. Fazer medições periódicas e avaliar a qualidade com frequência permite saber o que tem funcionado e onde ainda há como melhorar.

Portanto, implementar a renovação do ar no ambiente é uma tarefa contínua, mediante atenção consistente. Inclusive, isso ampliará a ergonomia e impactará positivamente os resultados.

Como o isolamento térmico pode ajudar?

Quando falamos em renovar o ar, isso não significa apenas cuidar do uso de exaustores e filtros. Esses são elementos essenciais, mas também é preciso pensar em outras condições, como a temperatura do ambiente.

Um local muito quente ou com grandes variações de temperatura sofrerá impactos diferentes na umidade, na propagação de microrganismos e até na capacidade de manter poluentes em suspensão. Além de tudo, é algo que afeta o conforto térmico dos colaboradores.

Por isso, a solução de renovação do ar no ambiente deve estar conjugada ao isolamento térmico. Com o uso de uma manta específica para conter as três formas de transmissão de calor, é possível melhorar as características do local de forma completa.

Inclusive, será necessário usar menos equipamentos de climatização, como o ar-condicionado. Assim, a qualidade do ar será mantida com maior facilidade, otimizando os esforços nesse sentido.

A renovação do ar no ambiente é indispensável para a saúde, proteção e produtividade dos profissionais. Com um projeto estruturado, acompanhamento das condições e uso de isolamento térmico, podemos superar os desafios e obter um local adequado.

Já que a temperatura também tem importância, confira como garantir o conforto térmico no design de interiores.