Posts

Os diferentes tipos de forro tem uma funções essenciais na estética dos projetos de engenharia e arquitetura, especialmente residenciais. Afinal, frequentemente, a aparência da laje ou do telhado não são muito agradáveis visualmente. Então, o acabamento e a harmonização com o estilo arquitetônico ficam por conta dessa cobertura que vai logo abaixo dessas estruturas para esconder os componentes industriais e imperfeições.

No entanto, frequentemente os projetos ignoram outras funcionalidades que podem ser acrescidas na estrutura dos tipos de forro, como a impermeabilização e o isolamento acústico. Com isso, perde-se uma oportunidade valiosa para atingir ainda mais satisfação do cliente ao otimizar a climatização e o conforto ambiental.

Por esse motivo, vamos explicar aqui todas as etapas imprescindíveis no planejamento do forro. Se você estiver lendo este post, pois é responsável pela execução de uma obra, siga as dicas com bastante atenção. Se estiver procurando uma empresa para realizar o serviço, certifique-se de que suas práticas estão em conformidade com os itens a seguir.

Ficou interessado? Acompanhe o nosso post!

Analisar o tipo e o status do projeto

Este passo ocorre quase que instintivamente. Afinal, dependendo das características do projeto, não é possível utilizar algumas vantagens que alguns tipos de forro trazem. Veja algumas situações que servem de exemplo:

  • quando o projeto é iniciado do zero, você poderá utilizar o forro como uma estratégia de evitar a passagem de parte da tubulação por dentro dos tijolos das lajes de alvenaria. A tubulação passará logo abaixo da laje de forma exposta, sendo posteriormente coberta pelo forro. Isso facilita bastante a vida do usuário da construção caso ele precise fazer alguma reforma no futuro;
  • se você pegou uma construção ainda em execução, analise quais etapas já foram concluídas e suas características para verificar quais características de cada um dos tipos de forro ainda podem ser aproveitadas e compatibilizadas. Exemplificando, pode acontecer de a tubulação já estar instalada, mas o projeto de isolamento térmico ainda não ter sido executado. Assim, você poderá compatibilizá-lo com a laje para que ambos sejam feitos na mesma oportunidade;
  • por sua vez, quando estamos pensando apenas em uma reforma, será preciso fazer uma análise estrutural. Todas as escolhas de tipos de forro deverão se compatibilizar com os materiais e técnicas utilizadas na laje original. Será preciso compreender o peso que ela suporta, por exemplo.

A partir dessa análise, explique as vantagens e desvantagens de cada escolha para cliente, deixando a escolha livre. Seu papel não deve ser forçar uma opção que acha melhor, mas apenas oferecer uma consultoria para auxiliá-lo na tomada de decisão. Em qualquer etapa de um projeto, isso garante a satisfação final. Não há nada pior do que um cliente falar: “eu não gostei disso, mas o arquiteto/engenheiro insistiu”.

Verificar os objetivos do cliente

Nesse papel de suporte à escolha, verifique com o cliente quais são os principais objetivos dele com o projeto. Eles podem variar bastante e, inclusive, sobrepor-se:

  • beleza;
  • conforto ambiental;
  • baixo custo;
  • facilidade de reformar e reestruturar;
  • manutenção simples e barata;
  • eficiência energética e sustentabilidade, entre tantos outros.

Obviamente, todos esses elementos devem estar presentes em algum nível. O objetivo do cliente será apenas o foco na hora de tomar decisões quando for preciso sacrificar parcialmente algum ponto.

Elaborar e apresentar o projeto

Assim como qualquer projeto, o forro deverá ser apresentado de forma atrativa para o cliente com renderizações, utilização de materiais de excelência e descrições sobre o que se buscou atingir com cada um dos principais elementos.

A partir disso, é o momento de mostrar o projeto para o cliente e tirar todas as suas dúvidas. Caso ele demande alguma modificação, você deve fazê-la rapidamente até que sinta que ele está 100% confortável com tudo.

Funções do forro

Melhoria a estética do ambiente

Há determinados tipos de laje e de detalhes que apresentam um acabamento estético que pode não agradar os clientes. Um exemplo é a laje nervurada, cujos vãos ficam expostos, além de poderem acumular animais e sujidades que incomodam os usuários do ambiente. Mesmo as lajes bem rebocadas também podem incomodar alguns clientes mais exigentes, que demandam um acabamento diferenciado.

Harmonização da linguagem arquitetônica

O grande segredo de um projeto autoral bem-sucedido é a sua capacidade de reproduzir em todos os elementos a linguagem desejada. O forro faz parte disso e não pode deixar de ser visto como uma forma de proporcionar aquela sensação de sublime quando o cliente entra no ambiente.

Desse modo, veja como cada opção vai se compatibilizar com cada estilo:

  • em projetos rústicos ou comfy, o ideal é escolher materiais mais brutos com pouca ação do homem nos processos de industrialização. Esse é o caso da madeira, do bambu e, até mesmo, do concreto cru;
  • nos minimalistas, os forros de gesso podem oferecer entalhes geométricos que dão maior riqueza ao visual do ambiente sem proporcionar aquela sensação de exagero. Eles podem, inclusive, servir como suporte para a criação de uma iluminação diferenciada. O forro de cimento aparente também é uma boa pedida;
  • nos sustentáveis, os forros poderão ser feitos de materiais reciclados ou recicláveis, além de trazer um maior isolamento térmico para evitar o uso de ar-condicionado;
  • nos industriais, os tipos de forro de concreto ou de PVC na paleta de cor do cinza podem trazer uma mensagem crua.

Diminuição do volume do ambiente

No caso de construções sem laje e com telhados triangulares ou redondos, todo o espaço entre o plano de término das paredes e o ápice da estrutura se torna um espaço morto. O seu cliente não vai conseguir utilizá-lo para praticamente nada. Então, mais barata que montar toda uma laje, uma excelente opção é instalar alguma opção entre os tipos de forro disponíveis no mercado.

Com isso, pode-se reduzir o volume do ambiente caso essa seja uma demanda do seu cliente com um baixo custo. Ademais, você poderá aproveitar a ocasião para aproveitar a instalação a fim de conquistar outros objetivos, como:

  • aplicar uma camada de impermeabilizante;
  • instalar isolantes térmicos para melhorar o conforto ambiental;
  • otimizar a acústica da construção para isolar o barulho da rua.

Enriquecimento da iluminação

Os forros podem ser o suporte para a instalação de spots de luzes difusas ou direcionadas a fim de criar efeitos de iluminação em camadas. Nesse caso, o gesso é uma excelente opção, visto que é leve, bonito e barato. Também é muito fácil de manusear e moldar para criação de lacunas em formatos diferenciados.

Promoção da circulação cruzada

Os forros também podem ser pensados para melhorar a circulação cruzada de ar dentro de um ambiente. Eles poderão conter aberturas e vãos que distribuem o ar para melhorar o conforto térmico de um ambiente.

Suporte para esconder instalações

Outra função, utilizada frequentemente nas construções de finalidade comercial ou industrial, é a utilização de forros para esconder instalações elétricas e hidráulicas. Esses locais geralmente precisam de bastante versatilidade na distribuição de divisões internas. Por isso, em vez de usar paredes de alvenaria, são empregados drywalls e divisórias.

Desse modo, a tubulação não pode correr dentro das paredes. Por esse motivo, ficarão entre os tipos de forro e o teto. Assim, a cada reformulação do espaço, será muito mais simples modificar o caminho das tubulações sem danificá-las.

Melhoria da acústica do ambiente

Alguns dos tipos de forro disponíveis no mercado, podem trazer uma acústica muito mais eficiente para o ambiente em diversos sentidos:

  • nas construções com pé-direito alto e telhados expostos altos, evita o efeito de eco;
  • ameniza a reverberação de sons provocados pelo impacto de objetos no telhado;
  • corta grande parte dos sons vindos da rua, entre outros benefícios.

Além disso, essas vantagens poderão ser complementadas com a compatibilização com o projeto de conforto termoacústico, como explicamos.

Melhoria do conforto ambiental

Caso você escolha um isolante térmico versátil, ele mesmo poderá se tornar o forro da mesma forma que são utilizados os compensados de madeira, o isopor e as placas de PVC. Por exemplo, o isolante 3TC pode vir na apresentação de placas pré-fabricadas pintáveis, quais são encaixadas em suportes metálicos.

Mesmo que você não utilize o próprio isolante como forro, ele poderá complementá-lo ao atuar como subcobertura. Utilize-o para preencher o espaço vazio entre o teto e o forro para conquistar uma construção mais confortável termicamente.

Tipos de forro e suas características

Gesso

Certamente, essa é a cobertura mais popular nos projetos residenciais, sendo também muito frequentes nos comerciais. O material poderá ser trabalhado de diversas formas e é justamente essa versatilidade sua principal vantagem. O gesso pode:

  • ser moldado em placas para ser instalado por meio do encaixe em suportes metálicos;
  • vir pré-moldado de acordo com a forma e as dimensões requisitadas pelo cliente;
  • ser agregado a tramas de fibra de vidro ou de metal para a criação de placas grandes, que são penduradas na laje ou no telhado, entre outras opções de instalação.

As vantagens do forro de gesso, além das que citamos são:

  • é um material muito fácil de encontrar e há diversos fornecedores do serviço completo desde a criação da peça até a instalação;
  • apresenta um custo-benefício interessantíssimo sem abrir mão do acabamento estético;
  • a instalação é feita com pouca sujeira;
  • a manutenção é fácil mesmo quando é necessário quebrar algum trecho para reformas;
  • melhora o isolamento termoacústico ainda mais quando é acoplado com mantas acústicas e placas de isolantes eficientes.

No entanto, nenhum material é isento de desvantagens, e as do gesso são:

  • susceptível à umidade, o que pode ser corrigido com a utilização de uma subcobertura impermeável, a qual pode ser um isolante termoacústico impermeável;
  • acumula poeira com mais facilidade;
  • é mecanicamente menos resistente do que outras opções.

Madeira

A madeira pode vir nas apresentações:

  • compensados de baixa qualidade são restos de fibras de madeira, que são então prensados até formar uma estrutura sólida e relativamente resistente. São as opções mais baratas, apesar de esteticamente prejudicados. Serão instalados em armaduras metálicas, possivelmente em projetos comerciais e industriais;
  • MDF e MDP, também são feitos com madeira compensada, mas com qualidade superior. Recebem uma camada de estampa para simular outros tipos de madeira;
  • de demolição — outra opção cada vez mais comum é utilizar restos de demolição de madeiras maciças de qualidade baixa a intermediária;
  • nobres e de lei — são as madeiras maciças mais caras, mas extremamente bonitas. Darão a aparência de luxo e poder ao ambiente.

A instalação dos forros de madeira é relativamente simples, bastando que as peças sejam pregadas uma nas outras com o auxílio de suportes estruturais.

As vantagens da madeira variam conforme o tipo utilizado. Por exemplo, utilizar os compensados e o MDP não trarão o acabamento estético e o isolamento termoacústico ideal. Por esse motivo, será preciso reforçá-los com isolantes autônomos.

No entanto, de forma geral, seus benefícios também são:

  • simples de instalar, remover e substituir;
  • fáceis de pintar com uma tinta adequada;
  • impermeáveis quando recebem o tratamento correto.

Por sua vez, as desvantagens são a necessidade de manutenção periódico, especialmente no caso das madeiras naturais. Além disso, podem se tornar combustível para chamas.

Bambu

O uso do bambu já foi muito comum nas construções tradicionais da China e no Japão. No entanto, com a popularização dos estilos minimalistas orientais e do comfy, os forros fabricados com ele vem sendo trazidos como uma novidade sofisticada. Eles podem ser utilizados tanto nos ambientes internos quanto externos.

Sua principal vantagem é justamente a exclusividade de poucas pessoas o utilizarem, além de remeter à natureza e criar um ambiente aconchegante. Além disso, é relativamente barato. Todavia, a trama de bambu permite a passagem de luz, som e umidade. Então, nos ambientes internos, é importante instalar um isolante termoacústico eficiente, que seja também impermeável e pintado de cores semelhantes ao bambu para não prejudicar a beleza do forro.

PVC

O PVC é outro material muito popular para forro, equiparando talvez ao gesso e aos compensados de madeira. São muito demandados por um importante motivo: o custo total do investimento. Apesar de o material em si ser mais caro do que o gesso, não há necessidade praticamente nenhuma de manutenção e, nos negócios, não é preciso parar as operações até que a instalação seja concluída.

As peças são muito mais econômicas do que a maioria das opções, a instalação não demanda muitos materiais nem mão de obra especializada, a resistência mecânica e a impermeabilidade são razoáveis e a substituição, muito simples. Também, não sofrem com deterioração causada por ataques de insetos e fungos.

No entanto, não são considerados esteticamente atraentes e passam uma mensagem de pouca sofisticação. Então, são ideais quando o foco da estratégia de forramento é apenas a funcionalidade aliada ao baixo custo.

Ademais, não apresentam uma boa capacidade de isolar sons e bloquear a transmissão de calor. Então, para criar um ambiente mais eficiente nesses pontos, deverão ser complementados por isolantes.

Placas de isolante térmico

Uma alternativa é a utilização de placas de isolantes térmicos em vez de utilizar os materiais acima. Isso apresenta a vantagem de, em uma única ação, você lidar com dois problemas de uma construção: a falta de forramento e o desconforto térmico.

Hoje em dia, há dezenas de isolantes no mercado, cada qual com suas vantagens e desvantagens. Vamos falar das principais a seguir:

  • lã de vidro — material fibroso feito a partir da submissão da sílica a altos gradientes de pressão e temperatura. Tem boa eficiência no isolamento termoacústico, mas não apresenta os benefícios de impermeabilidade e bloqueio de todas as formas de transmissão de calor;
  • lã de rocha — fabricado da mesma forma que a anterior, mas utilizando como matéria-prima as rochas adiabáticas. Conta com características bem semelhantes;
  • isopor — sem uma proteção devida, apesar de extremamente eficiente e versátil, é um material frágil;
  • 3TC — constitui-se de um núcleo de poliestireno expandido coberto por duas lâminas de polímeros refletores. Além de bloquear com alta eficiência todas as formas de transmissão de calor, tem vantagens adicionais em relação à impermeabilidade, proteção contra o fogo, entre outros.

Aplicação do forro

A aplicação do forro depende bastante do tipo do material e dos métodos empregados pelo fornecedor. Em geral, as seguintes técnicas podem ser empregadas

Instalação modular

Em vez de aplicar peças inteiras para o forramento, elas são divididas em fragmentos menores, os quais serão encaixados no local. A aplicação pode ocorrer de diversas formas dentro dessa técnica:

  • cada módulo pode ser amarrado ou colado ao teto, à laje ou à subcobertura;
  • uma armação metálica pode ser pregada nas paredes e as placas de forro encaixadas na estrutura;
  • estruturas de instalação podem ser embutidas nas paredes, sendo o encaixe entre os módulos feito sob a pressão de uma peça na outra.

Instalação tradicional

Aqui, o forro pode ser construído in loco ou haver a instalação de uma peça inteiriça. Assim como no caso anterior, esta metodologia de instalação poderá ser aplicada de diversas formas de acordo com as necessidades do material escolhido para o forro, como

  • uma das técnicas mais comuns é a amarração, em que a peça do forro é amarrada a fios instalados na cobertura da construção. Isso é muito utilizado nas aplicações de grandes peças de gesso;
  • a colagem consiste na aplicação de uma substância adesiva capaz de se fixar tanto no material da construção quanto no forro. É mais comum quando as peças apresentam um peso mais leve, o que reduz a pressão da gravidade sobre a cola;
  • pregagem, em que as peças são instaladas com pregos em vigas ou diretamente no teto, ou telhado;
  • encaixe nos casos em que a superfície superior das paredes fiquem expostas e elas puderem suportar peso do forro. Então, as peças podem ser amarradas ou pregadas para evitar a movimentação.

Escolha o tipo de forro ideal

O forro deve ser sempre escolhido de acordo com os objetivos funcionais e estéticos do projeto. Então, não caia em armadilhas de que um mesmo material poderá ser empregado em toda e qualquer construção.

Por exemplo, vamos falar do 3TC que é um insumo que temos bastante propriedade para falar. Nem sempre ele poderá ser usado como forro. Caso o estilo do projeto exija materiais mais específicos, como o bambu e a madeira, ele poderá ser usado como subcobertura para complementar a eficiência termoacústica do forro, mas não vai substituí-lo.

No entanto, nas situações de forros modulares com armação metálica, acreditamos que é a melhor opção, pois se solucionam diversos problemas em um único investimento. Portanto, em qualquer caso, sempre avalie as prioridades do projeto e planeje um forramento que atinja de forma estratégica a maior parte delas.

Consequências de não ter forro

Prejuízo estético

Frequentemente, o reboco da cobertura não é suficiente para dar um acabamento estético de excelência. Então, para conquistar a excelência, é importantíssimo forrá-lo com um material bonito e harmonizado com toda a linguagem arquitetônica dos demais elementos.

Menor eficiência termoacústica da construção

Em muitas construções, o material utilizado no telhado ou na laje não apresenta uma boa capacidade de proteger as estruturas da incidência de calor. Esse é o caso das telhas metálicas, de fibrocimento ou de polímeros plásticos. Mesmos em situações em que as peças protegem razoavelmente, como os tijolos e o concreto, um forro isolante eficiente pode complementar ainda mais essa característica e trazer uma construção altamente confortável.

Acúmulo de animais e sujidades

O espaço entre o telhado e o plano superior das paredes é muito difícil de limpar. Portanto, pode acumular diversos tipos de detritos, além de hospedar insetos e parasitas. Tudo isso traz bastante transtorno para os usuários da construção.

Maior vulnerabilidade à umidade

Quando se tem um forro para proteger o ambiente interno, há uma barreira importante contra a umidade que chega do telhado. Isso ajuda a proteger tanto contra os danos dos vapores de água (os quais também comprometem a eficiência térmica) quanto pela ação das colunas de água durante as chuvas.

Portanto, agora que você sabe que há diferentes tipos de forro, estará preparado para escolher o melhor para o seu projeto ou de um cliente. Analise as vantagens e desvantagens de cada um deles para que os objetivos finais da estratégia sejam conquistados para a total satisfação de todos os usuários da construção. Em todos os casos, não deixe de pensar no conforto termoacústico que a opção certa entre os tipos de forro disponíveis, pode proporcionar.

Então, você já tem um forro na sua construção? Se sim, está pensando em substituir? Comente aqui com a gente como nossas dicas o ajudaram!

As evoluções do beneficiamento de sementes trouxeram grandes impactos no desenvolvimento da agricultura. Afinal, seus processos permitem aumentar a produtividade das lavouras.

Como se sabe, suas técnicas surgem de estudos que verificam as necessidades de conservação de cada tipo de semente, como umidade ideal, temperatura e outros pontos.

Por esse motivo, é muito importante investir em tecnologias capazes de melhorar significativamente o beneficiamento. Isso pode ser feito de várias formas, como por máquinas automatizadas e climatização de ambientes eficiente.

Quer entender melhor sobre este processo? Acompanhe este post!

O que é o beneficiamento de sementes?

O beneficiamento de sementes pode ser definido de diferentes formas. No sentido mais amplo, ele pode ser considerado como todas as etapas de processamento das sementes depois da colheita no campo até o empacotamento e armazenamento.

Isso acontece porque internacionalmente não existe um termo específico para as atividades que se dedicam exclusivamente ao aprimoramento de lotes de semente. Toda a cadeia de ações recebe o nome genérico de “seed processing”, o qual foi traduzido como “beneficiamento de sementes” em algumas situações.

No entanto, as regulações brasileiras definem o beneficiamento apenas como as etapas que ocorrem após a viabilização da semente (geralmente pela secagem) até o envio para reembalagem. Esse é o caso da principal lei sobre o tema, a nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, que define o beneficiamento, como:

operação efetuada mediante meios físicos, químicos ou mecânicos, com o objetivo de se aprimorar a qualidade de um lote de sementes;

Em diversos pontos da lei, as atividades de beneficiamento são vislumbradas em autonomia com outras, tais quais o armazenamento e a embalagem. Mas, então, o que você deve considerar como beneficiamento? De forma geral, as empresas e técnicos que oferecem serviços desse tipo não seguem uma estrutura específica, padronizada.

Então, é muito possível que você encontre alguém que execute todo o processamento, enquanto outros que fazem apenas o beneficiamento em sentido estrito ou em associação com a embalagem, armazenamento e distribuição.

Isso ocorre porque na cadeia produtiva agrícola brasileira há vários serviços especializados para a melhoria das sementes.

** Desse modo, nos seus aprofundamentos sobre o tema, não deixe de prestar atenção no contexto em que o beneficiamento está sendo usado.

Aqui, vamos falar sobre todo o processamento/beneficiamento para atingir diversos públicos:

  • o produtor que quer montar uma instalação de beneficiamento;
  • alguém que quer abrir uma beneficiadora ou melhorar seu serviço;
  • agricultores que desejam melhorar suas instalações de armazenamento etc.

Quais os tipos de beneficiamento de sementes?

Na natureza, há uma interação muito forte entre os elementos ambientais e o ciclo de vida das sementes. Afinal, para ter sucesso na reprodução, as plantas desenvolveram diversos mecanismos. Há sementes que precisam passar pela fermentação no sistema digestivo de animais, outras precisam da secagem ao sol, entre outros processos. Sem isso, elas não brotam

A atividade da agricultura, por sua vez, não conta com essa interação, pois a produção é feita em larga escala sob ação de técnicas. Então, frequentemente, é preciso viabilizar as sementes e esse processo pode acontecer antes ou durante o beneficiamento.

Sementes secas

A planta não é coletada após ter atingido o ponto de colheita para alimentação. Ela é deixada até que forme estruturas formadoras de semente. Por exemplo: podem ser colhidas as vagens, todo o galho ou a planta inteira a fim de realizar o beneficiamento sem necessidade de secá-las.

Isso acontece nos casos em que a semente coletada já apresenta a umidade suficiente para um bom brotamento. Depois, dependendo do tamanho e do tipo, pode ser feita a debulha, o esmagamento e a apanha manual. Será nesse estado que elas irão para o beneficiamento.

O beneficiamento não incluirá a secagem ou a viabilização, apenas etapas como recepção, amostragem, limpeza e embalagem. Geralmente, os lotes de sementes secas são mais fáceis de limpar e separar por meio de peneiramento, sopragem mecanizada, entre outras.

O processamento de sementes secas é realizado na produção de insumos, como:

  • leguminosas;
  • alface;
  • cebolas;
  • beterrabas;
  • cenouras etc.

Processamento de sementes úmidas

Nesse contexto a semente é colhida com uma taxa de umidade alta, sendo necessário que ela perca água para poder ser plantada. É o caso da maioria das frutas com polpa macia, como o maracujá e a melancia, e dos legumes.

Aqui, o beneficiamento geralmente começa com a separação da semente da fruta, o que pode ser feito química, manual ou mecanicamente. A partir disso, as sementes podem ser secadas com métodos artificiais e naturais até que apresentem a umidade ideal, em torno de 8%. Essa secagem deve ocorrer rapidamente após a retirada da polpa para evitar a deterioração.

Processamento por fermentação

Como explicamos, algumas plantas necessitam de processos químicos e biológicos para simular o que aconteceria na natureza. Nas superfícies das sementes há uma série de inibidores da germinação para garantir que ela brotasse apenas ao encontrar as condições mais favoráveis.

Então, a fermentação é um processo que degrada esses fatores que impedem o desenvolvimento da semente e a deixa apta para brotar. Nessa situação, portanto, será preciso induzir a fermentação ou simular sua ocorrência com substâncias químicas. Depois disso, as sementes poderão prosseguir para o beneficiamento com as várias opções que falaremos a seguir.

Quais os atributos para a qualidade no beneficiamento de sementes?

A lei do processamento de sementes brasileira estabelece que quatro critérios devem ser levados em consideração na avaliação de qualidade de um lote de sementes: o fisiológico, o físico, o sanitário e o genético.

Cada um deles será responsável por garantir a segurança das lavouras contra riscos químicos ou biológicos, garantir uma taxa de germinação adequada, padronizar nossos produtos para a exportação, entre outros.

Fisiológico

A regulação brasileira estabelece dois critérios principais para a qualidade fisiológica: a germinação e o vigor.

A primeira é analisada por meio de um indicador chamado taxa de germinação, cujo parâmetro mínimo é de 80%. Ou seja, em um lote, 80 em cada 100 das sementes amostradas devem germinar. Vamos falar um pouco sobre a amostragem nos próximos tópicos.

Por ser quantitativo foi criado um indicador qualitativo, o vigor. Assim, as plantas geradas deverão apresentar alto desempenho mesmo em condições desfavoráveis normais. Para isso, são avaliadas situações de estresse comuns, como assoreamentos e infecção por microrganismos.

Sanitário

A qualidade sanitária é um dos fatores mais fiscalizados pelos órgãos governamentais e mais exigidos pelos clientes. Afinal, além de afetar a germinação e o vigor intrínsecos das plantas, podem ser fatores de contaminação para outras colheitas e plantações.

Por esse motivo, é preciso garantir que as sementes estejam sadias em relação às infecções por patógenos biológicos. O mais comum são os fungos, que geralmente surgem devido às más condições ambientais de armazenamento ou pela manutenção de uma alta umidade dentro das sementes. Mas também podem ser bactérias, vírus, protozoários, vermes, insetos e aracnídeos.

Em alguns casos, além de deteriorar, são doenças que se alastram por toda a plantação e podem ser carregadas para os produtores vizinhos. Por fim, é preciso garantir que, no lote, não haja sementes de ervas daninhas, pois eles representam igual risco de danos às plantações.

Genético

Uma das principais técnicas, que trouxe o aumento de produtividade das plantações, foi a melhoria genética. Por meio de cruzamentos uma espécie pode adquirir características que trazem mais resistência à estressores ambientais, por exemplo.

Além disso, pode-se melhorar a produtividade e a qualidade de cada planta, fazendo com que o custo-benefício se adéque às exigências do consumidor.

No beneficiamento, além da melhoria e seleção das melhores sementes, são feitas análises para verificar se o cultivar declarado corresponde àquele recepcionado. Em alguns casos, são feitos testes adicionais para determinar o risco genético do lote.

Por exemplo, como o uso de plantas transgênicas é altamente regulado, não podem ser encontradas evidências de manipulações genéticas não autorizadas.

Físico

Refere-se a vários critérios:

  • pureza, como a presença de materiais contaminantes ou inertes, como poeira, pedras, restos de ervas daninhas e fragmentos do solo;
  • dimensões e peso das sementes;
  • danos físicos, como as quebras e abrasões;
  • umidade, sendo necessário adequá-la com a necessidade específica do cultivar da semente;
  • temperatura.

Quais são as principais etapas do beneficiamento de sementes?

Recepção

Tudo começa com a recepção das sementes nas instalações de beneficiamento. Lá, os técnicos vão avaliar o lote e executar uma série de ações essenciais para o sucesso das etapas posteriores. A primeira delas é a caracterização do lote:

  • nome do produtor ou da gleba, mesma que a operação seja feita pelo próprio produtor;
  • procedência;
  • número do lote;
  • quantidade recepcionada;
  • data;
  • espécie e cultivar;
  • umidade;
  • pureza;
  • viabilidade.

Depois disso é feita avaliação da admissão. O lote somente pode ser admitido quando ele respeitar a política de beneficiamento do local. Assim, reduz-se o risco de danos nas máquinas e contaminação de outros lotes.

Amostragem

Esta é a etapa de amostragem, a qual inclui a coleta de material para a análise do lote de sementes recepcionado. Todos os testes de qualidade, viabilidade e pureza serão realizados a partir disso. É preciso, entretanto, seguir algumas regras para uma amostra confiável:

Amostragem composta

Reúne várias amostras individuais colhidas em cada saco ou unidade de armazenamento. Se houver menos de cinco sacos, todos deverão ser amostrados.

Em números superiores a esse, colhe-se 5 mais 10% do número de sacos totais. Por exemplo, caso sejam 10 sacos, serão 5 mais 1 amostras. Mesmo assim, o número total de amostras não poderá ser maior do que 30.

Amostra média

É a que será efetivamente encaminhada para o laboratório de análises. É uma amostra feita aleatoriamente após a mistura mais homogênea possível da amostragem composta.

Pré-limpeza e operações especiais

Caso as sementes não cheguem secas para o beneficiamento, será preciso executar uma série de operações especiais para prepará-las. Aqui, acontecem a maioria dos processos de preparação que explicamos ao falar sobre os tipos de processamento de sementes.

Limpeza

Dentro de um mesmo lote de semente, podem vir várias impurezas que precisam ser eliminadas. Esses materiais indesejáveis reduzem o valor agregado dos lotes. Além disso, a limpeza busca homogeneizar o tamanho e a qualidade das sementes de acordo com o nível de qualidade esperado pelo produtor.

Para isso, podem ser estabelecidas uma série de variáveis de aceitação para o produto beneficiado. Os critérios físicos podem incluir:

  • largura;
  • espessura;
  • peso;
  • densidade;
  • comprimento;
  • forma;
  • textura superficial;
  • condutibilidade elétrica;
  • afinidade por líquidos;
  • cor.

Para selecionar as dimensões adequadas, são utilizadas peneiras, máquinas de ar e peneira (MAP), ventilação, entre outras. Com isso, separam-se os materiais bem grandes, bem pequenos, grandes e pequenos do lote de semente.

Em relação ao peso e a densidade, utilizam-se mesas de gravidade, as quais separam as sementes pesadas das leves e das intermediárias. Por fim, para retirar outras impurezas mais discretas, podem ser empregados separadores eletrostáticos.

Classificação

As sementes já estão prontas para uma avaliação dos resultados dos processos de melhoria. Para isso, elas passam por um classificador manual ou mecânico de sementes. Lá, serão retiradas as sementes que não atingiram o critério de qualidade e que precisam de um tratamento adicional.

Tratamento

São uma série de ações físicas e químicas realizadas a fim de viabilizar aquelas sementes que não se enquadraram dentro dos critérios de qualidades anteriores em relação à temperatura e à umidade. Para executar o tratamento, entretanto, é preciso tomar alguns cuidados:

  • os produtos químicos utilizados devem ser inertes no meio ambiente e não oferecer riscos à saúde humana;
  • em caso de patógenos biológicos, o tratamento deve ter uma efetividade próxima a 100%, senão as sementes devem ser incineradas.

Transporte interno das sementes e embalagem

Depois de realizado todo o processamento das sementes, é o momento de levá-las para a embalagem. Para que esse processo seja eficiente, o ideal é utilizar máquinas automatizadas, as quais garantem a continuidade das operações com agilidade. Isso também reduz as chances de erros e os custos totais da operação.

Depois disso, deverá ser feita a ação de embalagem de acordo com o método mais adequado para a semente e para o mercado. Então, elas prosseguirão para o armazenamento e a distribuição.

Quais estratégias utilizar para otimizar o beneficiamento de sementes?

A deterioração de uma semente começa desde o momento que ela é coletada da planta. Depois disso, os estressores ambientais (temperatura e umidade) e biológicos (microrganismos) deverão ser controlados para aumentar a vida útil da semente.

O processo inclui ações para controlá-los desde o transporte até a unidade de beneficiamento até o armazenamento e a distribuição.

É imprescindível manter todos os pontos da cadeia de beneficiamento estáveis em termos de temperatura e umidade. Afinal, esses fatores estarão em constante interação com as características da própria semente, otimizando ou dificultando os processos de beneficiamento:

  • os baús de transporte apresentam um aquecimento intenso, o qual pode danificar ou matar grande parte do lote;
  • galpões úmidos podem dificultar a perda de umidade nos processos de secagem, além de devolver parte da hidratação após o processo. Isso também aumentará as chances de proliferação de microrganismos;
  • temperaturas altas poderão desidratar as sementes armazenadas, causar a condensação de água dentro do recipiente de armazenamento e oferecer um meio propício para os patógenos;
  • o desempenho das máquinas também poderá ser comprometido.

Nesse sentido, o isolamento térmico é uma das melhores medidas que podem ser tomadas para garantir a excelência. Ele deverá ser instalado em todos pontos da cadeia, como instalações físicas da unidade de beneficiamento e baús dos veículos de transporte.

Quais os benefícios do isolamento térmico?

São vários os benefícios de executar um bom projeto de isolamento térmico em uma unidade de beneficiamento:

Além desses benefícios gerais, alguns isolantes poderão trazer vantagens adicionais. Vamos falar disso a seguir!

Como implementar o isolamento térmico?

O primeiro passo para uma implementar um bom isolamento térmico é saber o que procurar nas soluções disponíveis no mercado. Com isso, você poderá fazer uma escolha mais alinhada para as suas necessidades e estratégias.

Para começar, vamos explicar brevemente como o calor é transmitido dentro das estruturas de uma construção do agronegócio. Existem três formas principais:

  • condução — acontece quando dois objetos entram em contato físico. Com isso, aquele com maior temperatura transmite energia calorífica ao de menor, aquecendo-o;
  • irradiação — as ondas de energia calorífica (radiação infravermelha) agitam as moléculas dos objetos, causando o aumento da temperatura. Essa ação ocorre à distância e não depende de um meio físico. É assim que a energia do sol chega até a Terra, por exemplo. Cerca de 90% do calor que chega a uma estrutura vem dessa forma;
  • convecção — ocorre pelo movimento das massas de ar em ambientes fechados ou na atmosfera. Quando um gás está aquecido, ele fica mais “leve” e se direciona para cima. Em resposta, o ar mais frio volta para próximo do solo ou do piso. Com isso, o ar circula constantemente.

Há vários tipos de isolantes no mercado, sendo que a maioria deles atua apenas em um desses processos de transmissão de calor. Portanto, o ideal é procurar por materiais que sejam eficientes em mitigar o efeito de todos eles. Para orientá-lo nessa tarefa, vamos explicar aqui o funcionamento, as vantagens e desvantagens das principais opções.

3TC

O 3TC foi desenvolvido pela NASA a fim de proteger os astronautas e cientistas das variações de temperatura fora da Terra, que podem ir de -70º à noite e 50º durante o dia. Por esse motivo, é considerada a tecnologia mais avançada em termos de isolamento.

Ela conta com dois materiais que se complementam perfeitamente: duas lâminas refletivas de polímeros, as quais recobrem um núcleo de poliestireno expandido. As primeiras trazem uma reflexão de mais de 90% dos raios infravermelhos, enquanto o último é um dos materiais mais eficientes para evitar a condução do calor.

Devido à impermeabilidade e à flexibilidade de ambas, elas podem vedar completamente as estruturas. Assim, há um ganho adicional de maior controle da umidade, o que é essencial para o beneficiamento das plantas. Ademais, proporciona um bom isolamento acústico, melhorando o conforto ambiental para todos os trabalhadores da unidade.

Lãs

As lãs representam uma série de materiais capazes de simular a estrutura de uma malha de fios. Assim, ficam muito parecidos com as propriedades das lãs animais, porém superando suas desvantagens. Afinal, elas se deterioram facilmente devido a ação de microrganismos ou de agentes físico-químicos.

A primeira lã sintética que surgiu em escala industrial foi a de vidro. Ela é fabricada com a sílica, que é submetida a altíssimas diferenças de temperatura e pressão. Assim, quando saem das máquinas, apresentam um aspecto de fios, os quais podem ser emaranhados. Consequentemente, surge um material flexível e altamente resistente.

A lã de rocha também é feita da mesma forma, mas a matéria-prima é diferente. Ela é feita com rochas adiabáticas, que se formam depois de erupções vulcânicas. Isso permite uma maior eficiência de isolamento termoacústico em comparação à lã de sílica.

Recentemente, surgiu ainda a lã de PET, a qual é fabricada com materiais plásticos reciclados. Com isso, conquistam-se os benefícios da sustentabilidade, apesar de a eficiência se reduzir ligeiramente.

As lãs ficaram muito populares no início de sua comercialização. Anteriormente, a principal opção eram as espumas, que eram de difícil manutenção e predispostas a acidentes graves. No entanto, como atuam apenas em um único processo de transmissão de energia calorífica, a condução, perderam espaço para materiais mais eficientes.

Foils

Os foils são lâminas metálicas com capacidade reflexiva da radiação infravermelha. Assim, antes que ela atinja as estruturas de uma construção e aumentem sua temperatura, elas são devolvidas para o meio ambiente.

Como explicamos, essa é a principal forma como uma estrutura recebe calor, principalmente devido à incidência da radiação solar. Então, os foils tendem a ser mais eficientes que as opções anteriores. No entanto, não são capazes de evitar nem a convecção nem a condução de calor.

Depois de escolher o material isolante, é preciso avaliar onde eles serão instalados. Geralmente, os galpões de beneficiamento são feitos com estruturas mais econômicas e pouco eficientes termicamente, os quais transmitem bastante calor para dentro de uma construção, como:

Com isso, onde houver exposição excessiva à transmissão de calor, pode ser preciso adotar um reforço para isolamento térmico para galpões. O material e o fornecedor escolhidos deverão ser versáteis para atender às necessidades de cada estrutura.

Como fazer um bom projeto de isolamento térmico?

Entender como fazer um bom isolamento térmico não é difícil: só é preciso que o projeto seja conduzido por uma empresa experiente e renomada no mercado.

Ela precisa contar com um serviço versátil, que entenda as necessidades do cliente, possa implementar uma ampla variedade de soluções definitivas. É justamente isso que a 3TC Isolamentos, a melhor empresa de isolamento térmico do mercado oferece.

Tudo começará com um bom mapeamento das vulnerabilidades térmicas de uma construção e dos processos geradores de calor. Depois disso, ele deve buscar compatibilizar os seguintes pontos com os objetivos do projeto:

  • propriedades do material — impermeabilidade, isolamento acústico e resistência ao fogo;
  • apresentação das peças — se em mantas ou placas rígidas em diversas espessuras;
  • técnicas de instalação — colagem, pregagem, fixação por pressão, encaixe, entre outras.

Pela complexidade do beneficiamento de sementes, todas as escolhas devem ser feitas estrategicamente. Escolha sempre os melhores equipamentos, as análises laboratoriais mais confiáveis e o mais eficiente projeto de isolamento. Tudo isso refletirá na qualidade do seu serviço ou das suas sementes.

Você sabia de tudo isso sobre a influência da temperatura no beneficiamento das sementes? Não?! Então, não deixe de compartilhá-lo nas suas redes sociais!

Você sabe do que se trata a NBR 15575-3, qual sua função e objetivos? Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a finalidade principal das normas técnicas é promover qualidade, segurança e bem-estar no dia a dia das pessoas. No caso da construção civil, esses objetivos são previstos tanto no decorrer da construção quanto durante o uso e a operação de uma edificação.

Diante desse assunto, a NBR 15575 é uma das normas de maior relevância. Afinal, aborda aspectos relacionados ao desempenho de edificações habitacionais. Por isso, leva em consideração alguns requisitos, como segurança, estanqueidade, desempenho térmico, acústico e lumínico, qualidade do ar, acessibilidade etc. Quer saber mais sobre esse assunto e entender em que consiste a parte 3 dessa NBR? Então, continue a leitura!

O que é a NBR 15575

A NBR 15575 de 2013, mais conhecida como Norma de Desempenho, é dividida em 6 partes, que visam abordar diferentes níveis de desempenho para cada um dos sistemas construtivos de uma unidade habitacional. Confira as partes da NBR15575:

  • 15575-1 — requisitos gerais;
  • 15575-2 — requisitos mínimos para os sistemas estruturais;
  • 15575-3 — requisitos necessários para os sistemas de piso;
  • 15575-4 — requisitos relacionados aos sistemas de vedações tanto internas como externas;
  • 15575-5 — requisitos para os sistemas de cobertura;
  • 15575-6 — requisitos que envolvem os sistemas hidrossanitários.

Qual o objetivo da NBR 15575

A NBR 15575 tem como principal objetivo garantir e definir marcos de qualidade nos imóveis habitacionais. Isso é alcançado por meio de parâmetros, quantitativos e sistemas de medição, que possibilitam o acompanhamento e a verificação de todo o processo construtivo, reduzindo incertezas e evitando critérios que até então eram subjetivos.

Além disso, também é um grande objetivo estimular uma mudança de cultura na engenharia, tornando todos os processos e as etapas mais eficientes e elevando a durabilidade e a sustentabilidade das edificações.

Qual a aplicabilidade e a abrangência da NBR 15575

É importante salientar que essa norma não se aplica às edificações já existentes, obras em andamento, reformas ou retrofits. Também não é válida para as edificações que são temporárias ou as que estavam com os projetos protocolados nos órgãos competentes até a data em que a norma entrou em vigor.

Tirando esses casos, a NBR 15575 se aplica a todo tipo de edificação habitacional, não importando se são isoladas, geminadas, o número de pavimentos, a tecnologia construtiva ou os métodos utilizados.

O que dispõe a NBR 15575-3

Conforme o próprio nome indica, a parte 3 da NBR 15575 dispõe sobre os requisitos para os sistemas de piso. Por isso, envolve aspectos que abrangem o desempenho térmico e acústico, o conforto antropodinâmico e tátil, a durabilidade, a manutenibilidade e a segurança durante o uso.

A parte 3 da NBR 15575 dispõe que os sistemas de piso precisam contar com as seguintes camadas:

  • acabamento;
  • fixação;
  • contrapiso;
  • isolamento térmico e acústico;
  • impermeabilização (em alguns casos);
  • estrutural.

Desempenho estrutural

Na parte 3, consta que os pisos precisam apresentar desempenho estrutural por meio de resistência a impactos de corpos moles e duros. Para isso, devem-se utilizar na construção os pisos e as pedras que foram aprovados nos ensaios de impacto realizados tanto em laboratório quanto nas obras.

Segurança contra incêndio

Somado ao desempenho estrutural, é necessário que os pisos apresentem segurança contra incêndio, resistindo ao fogo e dificultando a sua propagação. Assim, é preciso evitar materiais combustíveis.

Segurança para uso e operação

A parte 3 da NBR 15575 também destaca aspectos de segurança para o uso e a operação em diferentes ambientes, como áreas molhadas, molháveis e secas. Tanto para cada uma dessas áreas quanto para terraços, escadas, rampas e áreas comuns, deve-se respeitar os coeficientes de atrito mínimos definidos, evitando quedas e acidentes.

A norma também prevê os desníveis máximos e alguns parâmetros mínimos para garantir a segurança, sendo alguns deles aplicáveis apenas aos ambientes comuns.

Estanqueidade

Os pisos também precisam ser estanques, evitando umidade ascendente. Além disso, devem atender às definições destacadas na norma para as áreas molháveis.

Durabilidade e Vida Útil de Projeto

A durabilidade está diretamente interligada à vida útil de projeto — VUP —, que é definida no momento em que a edificação foi projetada. De acordo com a norma, a VUP pode ser:

  • mínima — maior ou igual a 13 anos;
  • intermediária — maior ou igual a 17 anos;
  • superior — maior ou igual a 20 anos.

Além disso, os pisos das áreas molhadas e molháveis não devem apresentar danos por presença de umidade, de acordo com os critérios definidos na norma. Os pisos também precisam ser resistentes a agentes químicos e abrasão, conforme as normas específicas.

Funcionalidade e acessibilidade

Esse item dispõe sobre aspectos e características que os pisos precisam ter nas áreas privativas e comuns, assim como os desníveis e a superfície dos pisos para cada tipo de ambiente. Aqui também são abordadas características que proporcionam boa acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e sinalizações indicando degraus, rampas etc.

Conforto tátil, visual e antropodinâmico

É um item que trata da homogeneidade em relação à planicidade de nível dos pisos, ou seja, da camada de acabamento do sistema de pisos.

Desempenho acústico e térmico

O desempenho acústico em pisos está relacionado ao ruído de impacto entre pavimentos, indicando os níveis mínimos e máximos e também quando é necessário a existência de algum tratamento acústico.

Inclusive, o desempenho acústico em pisos também está relacionado ao ruído aéreo entre as unidades residenciais. Já em relação ao desempenho térmico, quando o sistema é bem executado, com os materiais adequados, a transmissão de calor é reduzida, tornando os ambientes mais agradáveis e adequados.

Quem são os responsáveis pela implementação

Como uma edificação apresenta diferentes fases, a NBR 15575 estabelece diversos responsáveis:

  • fornecedor — pessoa jurídica, privada ou física, que é responsável pela caracterização do desempenho do elemento ou sistema, assim como pela previsão do prazo de vida útil, cuidados no uso e operação e aspectos relacionados à manutenção;
  • incorporador — pessoa física ou jurídica, que pode ser quem comercializa a edificação ou não. Há a chance de ser tanto o proprietário como o titular de direitos, o construtor ou o corretor. Sua responsabilidade está diretamente ligada aos atos de realizar estudos técnicos e providenciar o projeto arquitetônico e os complementares, assim como as demais informações relevantes e necessárias;
  • construtor — pode ser a pessoa física ou jurídica que executa o empreendimento de acordo com os projetos e as condições preestabelecidas. Por isso, é responsabilidade do construtor elaborar manuais referentes ao uso, operação e manutenção, atendendo tanto a NBR 5674 quanto a NBR 14037. Esses manuais devem ser entregues a cada um dos proprietários e ao condomínio;
  • projetista — profissional responsável por estabelecer, elaborar e indicar propostas técnicas que visam atender a vida útil definida para cada sistema. Para isso, deve especificar os materiais e os processos adequados, a fim de atingir o desempenho definido anteriormente. O projetista também precisa seguir as normas específicas do seu tipo de sistema construtivo;
  • usuário — o usuário final da edificação, mesmo que não seja proprietário, tem como responsabilidade usá-la corretamente, não alterando cargas e destinação sem a aprovação dos órgãos competentes e da construtora. Para fazer isso, ele também deve ter o acompanhamento dos devidos profissionais.

Como você pôde ver, a NBR 15575-3 é de extrema importância para a qualidade, a segurança e a durabilidade de uma unidade residencial, abordando diversos níveis, que vão desde as características visuais e táteis até a segurança estrutural, contra incêndio, a estanqueidade e o isolamento acústico e térmico. E sim, a atenção com o sistema de pisos é muito relevante para obter um bom resultado final para o isolamento e o conforto de uma edificação.

Gostou do artigo? Aproveite a visita ao blog e entre em contato com a 3TC — uma equipe especializada em isolamento térmico e acústico que oferece consultoria para edificações residenciais e ambientes corporativos.

O isolamento é uma etapa importante na construção. Ele protege os ambientes e pode, até mesmo, aumentar o conforto das pessoas. Entre as soluções disponíveis, vale a pena conhecer o que é espuma expansiva.

Essa possibilidade oferece algumas vantagens para diversos casos, desde que seja aplicada corretamente. Além disso, é interessante descobrir qual é a solução exclusiva que traz todos esses benefícios e vários outros.

Na sequência, veja o que é espuma expansiva e entenda qual é o papel do produto na construção!

O que é espuma expansiva?

Esse produto é um polímero líquido que assume o estado sólido após passar pelo chamado processo de cura. Normalmente, a espuma expansiva é feita de poliuretano, só que em forma diferente.

Assim que ela é aplicada no local desejado, começa a passar por uma expansão de volume. Esse crescimento pode chegar a 300% do valor inicial e se mantém com o uso, ao longo do tempo.

Quando já está curada, ou seja, já está em sua forma definitiva, pode ser cortada, lixada e receber diversos tipos de acabamento.

Qual é a função desse produto?

Agora que você já sabe o que é espuma expansiva, é indispensável entender qual é a função desse material. Prioritariamente, ele é utilizado para realizar o preenchimento de elementos construtivos. A espuma pode servir para encher janelas e portas, por exemplo.

Por causa do seu “mecanismo” de funcionamento, é adequada para efetuar a vedação de espaços — mesmo de locais complexos, já que ela é capaz de se adaptar para preencher todo o espaço.

Portanto, serve tanto para ocupar espaços vazios e dar estruturação e fixação a alguns componentes construtivos (como portas) quanto para fechar frestas e outras aberturas específicas.

Como é feita a aplicação da espuma?

A aplicação da espuma expansiva começa com uma superfície totalmente limpa. É preciso retirar poeira, óleos e quaisquer sujeiras. Não é necessário que o local esteja nivelado (pois ela se adapta), mas a superfície deve favorecer a aderência.

Ao contrário de outros produtos, ela exige que a área esteja levemente úmida. Isso ajuda a manter o item no lugar e facilita a “cura”, para que tudo fique fixo conforme o desejado com seu uso.

Normalmente, o produto vem em spray e é comum que ele só possa ser usado na primeira vez, pelo funcionamento da válvula. A aplicação pode ser manual ou com máquina específica, mas a lata deve estar sempre virada para baixo. Após sacudir o suficiente, é só cortar o bico e pressionar o mecanismo.

Uma vez que a espuma expansiva esteja aplicada, é preciso aguardar cerca de 24 horas. As primeiras aparas podem ser feitas após 2 horas, mas o indicado é esperar um dia para chegar à etapa final.

Quais são as vantagens da espuma expansiva?

O uso desse produto se justifica por algumas vantagens que ele oferece. Então, tão importante quanto saber o que é espuma expansiva é entender o que torna esse material tão interessante. A seguir, veja quais são alguns dos maiores benefícios de selecioná-lo para um projeto.

Aplicação rápida

No geral, a aplicação da espuma é bem rápida e ocorre em questão de minutos. Isso é importante para garantir maior velocidade e produtividade ao projeto, inclusive diminuindo os custos.

Vedação de ambientes

Outro ponto interessante é que a espuma é eficiente para vedar ambientes. Trata-se de uma alternativa adequada para impedir a passagem de chuva ou vento, por exemplo. Embora não seja esse seu propósito, também pode ajudar no isolamento acústico, quando associada a outras soluções.

Boa resistência

Apesar de ser um “líquido” que se transforma em sólido, podemos dizer que o produto apresenta boa resistência. Depois que se expande, a espuma consegue suportar bem a pressão, assim como impactos e intempéries. Com isso, a necessidade de manutenção e de novos gastos é reduzida.

Como a 3TC pode ajudar?

Depois de descobrir o que é espuma expansiva, você notou que ela serve para vedar e até para isolar ambientes. No entanto, é possível ter ainda mais eficiência nos projetos — e vale a pena contar com a 3TC para isso.

A empresa oferece uma solução exclusiva para garantir o isolamento térmico e acústico dos ambientes, com resultados superiores a outros elementos. A seguir, veja quais são os destaques do que apresentamos!

Tecnologia diferenciada

A tecnologia usada na solução 3TC é exclusiva e altamente eficiente. Utilizamos polímeros refletivos e poliestireno expandido (como na espuma). Com isso, conseguimos impedir as três formas de transferência de calor: convecção, condução e radiação.

Isso aumenta o conforto térmico de maneira considerável, favorece a eficiência energética e também ajuda a garantir isolamento acústico. Trata-se de um produto versátil, eficiente e resistente.

O item é disponibilizado na forma de mantas ou placas, então pode ser instalado em construções já finalizadas. Com a adaptação adequada a cada espaço, permite evitar o mofo, a passagem de água e a entrada de insetos — tudo graças à atuação exclusiva.

Preço acessível

Apesar disso, tanta qualidade não tem um valor exorbitante. Na verdade, a solução que disponibilizamos tem um preço acessível e ótimo custo-benefício. Se, depois de saber o que é espuma expansiva, você se interessou, saiba que nossa alternativa é bem em conta.

A instalação também é fácil, não demora muito e não gera gastos excessivos. Portanto, o produto tem um custo atraente, especialmente em relação às vantagens exclusivas que oferece.

Atendimento altamente consultivo

Desde o seu primeiro contato, você terá a oportunidade de conversar com especialistas na solução, capacitados para dar indicações adequadas. Com isso, há como saber de quanto produto precisará e quais são as recomendações específicas.

Para melhorar, a instalação é igualmente qualificada e garante um ótimo desempenho. Assim, há a certeza de que a manta ou placa isolante de 3TC atenderá às suas necessidades de forma completa.

Depois de saber o que é espuma expansiva, você notou que esse é um produto adequado para a vedação de certas áreas, com baixo custo e alta eficiência. Quando falamos em isolamento, entretanto, é preciso pensar em algo ainda mais completo.

Por isso, fale com um de nossos especialistas na 3TC e conheça a solução exclusiva que oferecemos!

Um espaço adequado depende de diversas características e, entre elas, está a qualidade do ar. É preciso que as condições favoreçam a respiração e o uso do local, de modo a garantir o melhor desempenho em geral. Por isso, a renovação do ar no ambiente é muito importante.

Ela se relaciona à ergonomia, segurança no trabalho e otimização de condições. Para tanto, precisa ser feita corretamente, com a ajuda de um projeto e com as soluções adequadas.

Para que você não tenha mais dúvidas, apresentamos a importância da renovação do ar ambiente e como ela deve ser feita. Confira!

Quais são os benefícios de adotar esse cuidado?

Considerando que o ar que respiramos é fundamental para a execução de qualquer atividade, é justo dizer que o cuidado com a atmosfera em uma área fechada é determinante.

Com o nível adequado de atenção, é possível garantir que o espaço apresente as características ideais, o que gera diversos benefícios. A seguir, mostramos quais são as vantagens desse cuidado!

Controle de poluentes

Com o uso dos espaços, é natural que ocorra um acúmulo de substâncias poluentes. O funcionamento de equipamentos, por exemplo, pode liberar gases variados. Mesmo o contato com áreas externas e as próprias características do local levam ao aumento das partículas suspensas.

Sem a renovação, esses elementos começam a ser absorvidos pelos colaboradores, o que pode agravar quadros de alergias respiratórias. Além disso, a presença de alguns componentes pode ser tóxica, o que causa diversos problemas de saúde.

A renovação serve, justamente, para limpar o ar e garantir que ele esteja sempre dentro das condições esperadas. Isso melhora a segurança, amplia o controle e favorece o uso dos espaços.

Controle de odores

Outro ponto importante tem a ver com os odores do ambiente de trabalho. O funcionamento de certas máquinas e a execução de alguns processos industriais podem dar origem a gases com cheiros específicos. Além disso, o uso do ambiente pode acumular odores diversos.

O problema é que isso causa grande desconforto aos colaboradores, que têm o rendimento afetado. O melhor, portanto, é investir na renovação do ar para dissipar qualquer aroma indesejável.

Isso tornará o espaço confortável, bem como evitará a ocorrência de quadros de intoxicação ou dificuldade respiratória.

Diminuição na propagação de doenças

Boa parte das doenças é transmitida pelo contato com secreções infectadas e até pelo ar. Infecções virais e bacterianas de diversos níveis de gravidade são facilmente espalhadas em um local fechado, em que não há a renovação do ar ambiente.

Então, basta um funcionário doente, ainda que esteja assintomático, para contaminar a maioria das pessoas.

Com a renovação do ar, por outro lado, caem as chances de haver o contato com o agente infeccioso. Com isso, o ambiente se torna mais protegido e saudável, além de ser possível diminuir o ritmo de propagação de doenças infecciosas.

Redução dos riscos de acidentes

Quando o ar não é renovado constantemente, não há a devida oxigenação do local. Como consequência, ocorre um acúmulo de gás carbônico, que passa a entrar na corrente sanguínea dos colaboradores. A sua atuação é altamente prejudicial e causa diversos impactos, como a perda de concentração, a sonolência e as dores de cabeça.

Tudo isso faz com que o colaborador fique menos atento ao trabalho e, portanto, à segurança. Como a situação pode até causar desmaios, os riscos de acidentes de trabalho se tornam maiores e prejudicam intensamente o negócio.

A renovação do ar ambiente tem a ver com a proteção da integridade dos colaboradores. Além de evitar os acidentes causados por algum mal-estar, previne a ocorrência ou o agravamento de doenças respiratórias.

Melhoria na produtividade

A renovação do ar é importante para o desempenho do negócio em geral. Essencialmente, isso acontece porque há maior oxigenação do corpo, o que permite um funcionamento adequado das células. Evita-se, também, a sensação de sonolência, como citamos. Por causa disso, as pessoas têm rendimentos melhores, cometem menos erros, e há mais eficiência.

Além de tudo, vale a pena pensar em médio e longo prazo. Se há menor taxa de contaminação de doenças, há menos licenças médicas e afastamentos. Com a redução do absenteísmo, a produtividade aumenta.

Menos acidentes também levam a um fluxo de trabalho otimizado, o que garante a consolidação de ótimos resultados e o aumento da capacidade produtiva.

Como a renovação do ar no ambiente pode ser realizada?

Para aproveitar a importância desse cuidado com o ar, devemos planejar e executar corretamente a renovação do ar. Nesse caso, tudo começa com uma análise da qualidade atual do ar, de modo a entender quais são os principais problemas e onde estão as causas.

A partir disso, é o momento de elaborar um projeto de otimização para a renovação do ar no ambiente. Isso inclui selecionar diversas alternativas, como os ventiladores e os exaustores. Também vale considerar a necessidade de executar processos de filtragem.

Os componentes têm que ser distribuídos de acordo com as necessidades de cada área, segundo as possibilidades físicas e estruturais. Pontos com maior demanda, por exemplo, exigem uma atuação mais intensa nesse sentido.

Também é importante manter o controle sobre as condições do ar. Fazer medições periódicas e avaliar a qualidade com frequência permite saber o que tem funcionado e onde ainda há como melhorar.

Portanto, implementar a renovação do ar no ambiente é uma tarefa contínua, mediante atenção consistente. Inclusive, isso ampliará a ergonomia e impactará positivamente os resultados.

Como o isolamento térmico pode ajudar?

Quando falamos em renovar o ar, isso não significa apenas cuidar do uso de exaustores e filtros. Esses são elementos essenciais, mas também é preciso pensar em outras condições, como a temperatura do ambiente.

Um local muito quente ou com grandes variações de temperatura sofrerá impactos diferentes na umidade, na propagação de microrganismos e até na capacidade de manter poluentes em suspensão. Além de tudo, é algo que afeta o conforto térmico dos colaboradores.

Por isso, a solução de renovação do ar no ambiente deve estar conjugada ao isolamento térmico. Com o uso de uma manta específica para conter as três formas de transmissão de calor, é possível melhorar as características do local de forma completa.

Inclusive, será necessário usar menos equipamentos de climatização, como o ar-condicionado. Assim, a qualidade do ar será mantida com maior facilidade, otimizando os esforços nesse sentido.

A renovação do ar no ambiente é indispensável para a saúde, proteção e produtividade dos profissionais. Com um projeto estruturado, acompanhamento das condições e uso de isolamento térmico, podemos superar os desafios e obter um local adequado.

Já que a temperatura também tem importância, confira como garantir o conforto térmico no design de interiores.

Um monumento muito conhecido e admirado tanto no Brasil como no mundo é a Igreja São Francisco de Assis, mais conhecida como a Igrejinha da Pampulha. Ela é um dos principais cartões-postais da cidade de Belo Horizonte e inclusive leva o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, concedido pela Unesco em 2016. Além disso, também foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o IPHAN.

A igreja foi inaugurada em 1943 e foi encomendada pelo prefeito de Belo Horizonte, que na época era Juscelino Kubitschek. Ela foi um dos primeiros projetos do arquiteto Oscar Niemeyer e auxiliou em seu futuro reconhecimento nacional e internacional. Além de obras de Cândido Portinari, os jardins foram projetados pelo paisagista Roberto Burle Marx. Quer saber mais sobre esse monumento? Então, continue a leitura!

Por que foram realizadas obras na Igrejinha da Pampulha?

As obras realizadas na igrejinha da Pampulha tiveram como principal objetivo cumprir o compromisso com a Unesco e manter o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. A igreja foi fechada em dezembro de 2017, as obras começaram em junho de 2018 e terminaram no fim de 2019, podendo-se agendar casamentos na igreja a partir de janeiro de 2020.

Um fator que impulsionou as obras civis foi a existência de infiltrações que estavam colocando em risco as diversas obras de arte existentes. Sendo assim, os serviços previstos na obra incluíam recuperar juntas de dilatação, substituir os painéis de madeira, impermeabilizar, realizar novas instalações elétricas e cabeamento estruturado, além da substituição de pastilhas.

Diante da necessidade de solucionar as infiltrações de vez, o forro e teto foram refeitos, visando garantir segurança à estrutura da igrejinha da Pampulha e também às obras de arte que nela se encontram, como, por exemplo, um painel único de Portinari, assim como demais quadros de sua autoria, que recriam diversas cenas da via-sacra.

A igrejinha também contou com outros artistas em seu processo de concepção e construção, como Alfredo Ceschiatti e Paulo Werneck. Essas obras de arte estavam sendo danificadas pelas manifestações patológicas e problemas encontrados na igreja. Inclusive, por essa situação, os painéis e quadros precisaram ser retiradas e encaminhadas para restauração.

Por que foi necessário substituir o forro e aplicar o sistema de isolamento 3TC?

Durante a execução das obras civis foram encontrados pontos de infiltração resultantes da água da chuva e foi necessário desmontar todo o forro de madeira que revestia a estrutura de concreto. Diante desse cenário, o sistema de isolamento 3TC foi especificado para a obra visando resolver dois problemas principais: isolamento térmico e umidade.

A estrutura da igrejinha da Pampulha é em concreto armado, ou seja, é uma estrutura que consiste na junção de dois materiais: o concreto e o aço. Esse sistema construtivo é muito resistente e permitiu a execução das formas pensadas e projetadas por Oscar Niemeyer.

Contudo, existem alguns pontos desafiadores relacionados com o controle da temperatura devido à absorção do calor e os impactos da umidade em decorrência da característica do concreto. Como a estrutura da igreja é em arco, esses problemas foram ainda mais impactantes.

Como o sistema de isolamento 3TC resolveu os problemas de infiltração e isolamento?

Devido às diversas obras de arte presentes na igrejinha da Pampulha, é essencial controlar a temperatura e umidade para não afetá-las e danificá-las. Por isso, a igrejinha já passou por diversas restaurações desde sua inauguração e já foram utilizadas diversas técnicas de isolamento térmico, visando resolver esse mesmo problema.

Na obra realizada entre 2018 e 2019, a tecnologia de isolamento XPS foi substituída pelo sistema de isolamento térmico 3TC que apresenta controle das três formas de transferência de calor — radiação, convecção e condução — e também de impactos da umidade no ambiente interno da igreja.

A tecnologia XPS consistia em placas rígidas e, por isso, apresentava problemas no controle da umidade e também na flexibilidade, uma vez que por sua rigidez se quebravam diante da curvatura necessária e não eram capazes de proporcionar um isolamento uniforme e contínuo na estrutura em arco.

Processo de reforma e melhorias proporcionadas pelo isolamento 3TC

Ao substituir o sistema XPS pela tecnologia 3TC, foi possível controlar a transferência de calor e impactos da umidade de forma contínua, seguindo o isolamento em arco, uma vez que o material que compõe o sistema 3TC não é rígido, sendo capaz de acompanhar formatos diferenciados de maneira uniforme, como era necessário na igreja e que ainda não havia sido alcançado.

Como citamos, a estruturação interna da igreja conta com forros de madeira. A fixação destes conta com barrotes de diferentes comprimentos, resultando em uma estrutura em cone. Sendo assim, a estrutura de isolamento precisa se adaptar a esse formato diferenciado, possibilitando que o melhor isolamento térmico contínuo e que o controle de umidade e de transferência de calor sejam alcançados.

Em geral, acredita-se que quanto maior a espessura e a densidade, maior o desempenho acústico e conforto térmico, entretanto isso não é verdade quando analisa-se as 3 formas de transferência de calor. Agora, a temperatura interna não será afetada pela externa, de forma similar ao resultado proporcionado por uma garrafa térmica.

Mesmo sendo uma construção da década de quarenta, após a reforma a igrejinha passou a contar com uma tecnologia desenvolvida pela Nasa, que é aplicada tanto nas roupas dos astronautas, como nas estações espaciais. Essa tecnologia consegue controlar a temperatura e umidade, assim como alcança a manutenção da climatização e a versatilidade do formato em arco.

É muito interessante e importante destacar que mesmo sendo uma tecnologia criada pela Nasa e aplicada em uma obra tão significativa e relevante como a Igrejinha da Pampulha, o isolamento térmico 3TC é uma solução acessível e possível para qualquer obra ou pessoa.

Sendo assim, essas melhorias, benefícios e a durabilidade do sistema 3TC não estão restritos apenas às edificações como a Igrejinha da Pampulha e podem ser experimentados em qualquer local, independentemente do tamanho e das características.

Gostou desse texto? Então, agora que você sabe de todas essas informações, compartilhe em suas redes sociais para que mais pessoas conheçam a história da Igrejinha da Pampulha e sobre as melhorias e benefícios proporcionados pelo isolamento térmico 3TC.

Com a ideia de incentivar a sustentabilidade, alguns municípios criaram projetos de preservação ambiental considerando a provável redução do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para aqueles que praticam ações benéficas ao meio ambiente e conseguem comprová-las, sendo que um desses incentivos é o IPTU Verde.

Esse programa foi implantado para tornar a ideia em realidade, é um exemplo de decisão que incentiva novos empreendimentos imobiliários residenciais, comerciais, ou institucionais a realizarem ações e práticas de sustentabilidade na construção civil, por exemplo, a gestão de resíduos e a redução do consumo de água.

Quer entender melhor o programa IPTU Verde e suas vantagens? Continue com a leitura!

Construção sustentável

A construção civil é, sem sombra de dúvida, o maior gerador de resíduos, como também é o setor da economia que mais utiliza recursos naturais e energia. Portanto, seu impacto no meio ambiente é consideravelmente alto. Para mudar essa imagem, os novos empreendimentos já são pensados com o conceito de sustentabilidade. Seus principais benefícios são:

  • redução nos custos de operação;
  • valorização do imóvel;
  • surgimento de novas oportunidades de negócios;
  • redução no desperdício;
  • menos deslocamentos, menos emissões de CO2.

A adoção de práticas sustentáveis durante a jornada construtiva passa pela redução de resíduos gerados, menor desperdício de materiais e diminuição no consumo de energia, água e outros recursos naturais. Tudo isso constitui em grandes vantagens tanto para o construtor como também para o morador da edificação.

Pensando em como reduzir esses impactos ambientais provocados pela construção civil surge o programa de IPTU Verde. Tendo como estímulo, descontos de 5% a 10% para novas construções ou para reformas que implementem soluções sustentáveis.

O programa IPTU Verde

O programa consiste na aplicação de um percentual de desconto sobre o valor do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para os novos empreendimentos que adotam medidas sustentáveis que visam a preservação, proteção ou regeneração do meio ambiente. O desconto é gradativo e cumulativo, sendo que para cada regra é concedido um percentual de desconto.

No entanto, quanto mais soluções forem utilizadas, maior será de desconto no IPTU. Entretanto, ele não é igual para todas as ações, quanto maior for a relevância para a cidade, maior será sua pontuação. Por isso, têm cidades em que os contribuintes obtêm até 100 pontos em uma determinação ação e o desconto no imposto também é maior.

Objetivos do IPTU Verde

O IPTU Verde ou Ecológico, tem como objetivo reduzir a taxa de contribuição para aqueles que adotam ações e práticas consideradas sustentáveis em seus empreendimentos. O tripé da sustentabilidade também é aplicado e, nada mais justo do que incentivar a sociedade por meio de seus imóveis.

Por isso, cada cidade tem a liberdade de aderir ou não ao programa IPTU Verde como também de estabelecer a forma como será aplicada. Infelizmente, com as dificuldades de receitas das prefeituras, as iniciativas ainda são muito tímidas e em poucas localidades.

Equilibrar o meio ambiente e meio urbano é uma meta fundamental para preservar não somente recursos naturais, mas também a qualidade da vida humana. Afinal, ambos os espaços estão diretamente relacionados.

Principais contribuições para sustentabilidade das cidades

A edificação sustentável começa desde sua concepção, ou seja, na planta. Sua materialização gera inovações para seus moradores e contribuem para o meio ambiente como também em um melhor aproveitamento dos recursos naturais.

É importante lembrar que as ações, além de desconto para seus moradores, trazem melhorias para a vida do cidadão e para toda a cidade. A seguir, apresentaremos algumas contribuições que são pontuadas onde a implantação do IPTU Verde já foi aprovada e as vantagens em sua aplicação.

Aquecimento solar

O maior benefício da utilização do sistema de aquecimento solar é o alto índice de economia de energia. Confira outros benefícios:

  • utilização de energia renovável;
  • sem impacto ambiental;
  • preservação do meio ambiente;
  • redução da utilização do chuveiro elétrico (alto consumo energético);
  • economia na conta de energia

Além dos benefícios diretos que um usuário pode ter, quem utiliza o aquecimento solar contribui fortemente para a diminuição da demanda de outros sistemas, como as hidrelétricas e termelétricas, colaborando assim com a preservação do meio ambiente.

Calçadas ecológicas

A calçada ecológica consiste em evitar a impermeabilização dos passeios públicos e privados. Isso é feito por meio da implantação de material permeável, como os concregramas, intertravados e faixas de gramados ou jardins, juntamente de uma arborização adequada no calçamento.

Essas medidas melhoram a drenagem da cidade, evitando assim as inundações e ainda diminuem o hábito de varrer as calçadas com a mangueira.

Captação de água da chuva e sua utilização

São vários os benefícios, além do meio ambiente, com a captação, sua conta de água pode diminuir em até 55% no final do mês. Lembrando que a água recolhida é para serviços que utilizam um grande volume, como descarga de vasos sanitários, limpar a casa, o carro, regar o jardim e outras atividades que a água potável pode ser dispensada. Outros benefícios importantes são:

  • diminuição no alto volume de água que vai para as redes pluviais durante as fortes chuvas, evitando assim, alagamentos e enchentes;
  • redução na utilização da água potável, que já está escassa no mundo;
  • diminuição da escassez de recursos hídricos, além de trazer economia para o bolso do consumidor;
  • instalação versátil, pois pode ser colocada em qualquer ambiente (rural ou urbano, casa ou apartamento);
  • auxilia em tempos de crise hídrica e é utilizada até em áreas do sertão nordestino como forma de combate às secas;

Coleta seletiva de lixo

A coleta seletiva tem como objetivo reduzir o lixo produzido pelas cidades, dando uma destinação mais nobre e assim, reprimir o impacto ambiental com o reaproveitamento ou descarte adequado.

Também evita a proliferação de doenças, economia no consumo de água e luz, reduz os gastos com a limpeza urbana e ainda colabora com a geração de emprego e renda por meio da comercialização dos recicláveis. A seguir, alguns benefícios da coleta seletiva:

  • limita a extração dos recursos naturais;
  • reduz a poluição do solo, água e do ar;
  • reciclagem de materiais;
  • prevenção de enchentes;
  • minimiza os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis;
  • diminui o desperdício;
  • formação de cooperativas fortes.

Portanto, a coleta seletiva é fundamental para o desenvolvimento sustentável do nosso planeta.

Energia fotovoltaica

Diferentemente de outros lugares, o Brasil tem bons índices de irradiação solar e seu uso é uma das atitudes mais promissoras na luta contra a degradação do meio ambiente, pois ela é renovável e limpa. As cidades são responsáveis por mais de 70% do consumo mundial de energia elétrica e do lançamento de gases do efeito estufa.

A energia solar é a mais eficiente entre os tipos renováveis, podendo ser utilizada facilmente em diversas partes de uma edificação:

  • iluminação de garagens;
  • postes solares para iluminação externa;
  • tomadas para abastecer carros elétricos;
  • fornecer energia para imóveis.

Além disso, a perda de carga na energia é muito baixa, pois o sistema tem sua instalação muito próxima ao seu ponto de utilização.

Lâmpadas de LED

Na iluminação pública o uso de lâmpadas LED, representa uma economia de energia de mais de 80% para as prefeituras. Os principais benefícios são: a eficiência energética e a redução de emissões de carbono. A iluminação pública é responsável por mais de 15% do consumo das cidades.

Manutenção das áreas permeáveis

Cada município tem seu Código de Obras, mas, de modo geral, todos contemplam a necessidade de se manter uma taxa mínima de permeabilidade do solo. Essa ação visa reduzir o volume de água decorrente de fortes chuvas para a rede de água pluvial, ou o agravamento das enchentes.

Além da drenagem, também buscam minimizar as elevadas temperaturas em alguns pontos da cidade, como as ilhas de calor. Esse fenômeno é causado pela alta concentração de concreto e asfalto ou pela concentração de poluição que não deixa o calor dispersar.

Com a criação de jardins, plantio de mudas ou com a instalação de pisos permeáveis, se promove a recarga do lençol freático como também a diminuição ou eliminação das ilhas de calor.

Controle dos resíduos da construção civil

A construção civil é uma grande geradora de lixo, portanto, o aproveitamento dos resíduos também contribui para a redução dos riscos de assoreamentos dos rios, contaminação de mananciais e o acúmulo de entulhos, sendo que todos esses fatores estão relacionados à proliferação de vetores de várias doenças.

Entre as formas de aproveitamento, tem a produção de pedrisco, britas e areia a partir de entulhos de construção civil, que preservam o ambiente e contribuem para produção de construções de moradias de baixo custo.

Telhado verde

Reduz o gasto com a energia e colabora com climatização de ambiente. Dessa forma, a conveniência da utilização de ar-condicionado é reduzida. O telhado verde permite que as espécies vegetais se reproduzam na área urbana, atraindo insetos e pássaros e isso amplia a biodiversidade.

As cidades representam um grande produtor de gases de efeito estufa. Em compensação, as plantas do telhado verde auxiliarão a absorção do gás carbônico para a realização do processo de fotossíntese. Já a infiltração da água da chuva pela cobertura vegetal contribui de modo a reprimir a sobrecarga das redes pluviais.

Além da opção do telhado verde que tem os benefícios acima é importante utilizar de manta térmica. Isto porque a eficiência no controle da temperatura interna utilizando esse tipo de isolamento térmico é bem superior ao telhado verde.

As vantagens do IPTU Verde

De maneira geral, o IPTU Verde incentiva o cidadão a adotar hábitos sustentáveis, oferecendo, em contrapartida, descontos nas alíquotas do imposto. No entanto, cada município tem suas regras, procedimentos e percentuais de abatimento. Ao participar do programa, você tem outras compensações. Confira alguma dessas vantagens.

Dedução no imposto

A dedução no IPTU é o principal estímulo para a adesão desse programa. Analisando como esse desconto, em médio e longo prazo, pode influenciar o seu orçamento, não é surpresa que muitos ficam interessados nesse programa. Logo, o cidadão realizará um investimento que beneficia toda a sociedade, nada mais justo do que compensá-lo por isso.

Diminuição das despesas gerais

Além do desconto no imposto, tem todos os benefícios de uma residência ecologicamente correta. Economia de água e energia, por exemplo, sempre tem um efeito positivo no seu orçamento ao longo do tempo. Principalmente para quem busca melhorar as próprias despesas.

Marketing verde

As empresas e os empreiteiros que praticam as ações para assegurar o IPTU Verde, além do desconto no valor da alíquota do imposto, lucram com o destaque e com a publicidade das ações ecologicamente corretas.

Redução dos efeitos da ilha de calor

Ilha de calor é um episódio muito recorrente nos centros urbanos muito adensados, em que a falta de vegetação, impermeabilização do solo e a quantidade de asfalto e concreto produz uma zona de temperatura muito alta. É prejudicial para a saúde e para o conforto da população que ali reside ou trabalha.

Conservação dos recursos naturais hídricos

A água é o bem mais valioso para a humanidade, pois sem ela não há vida. Apesar disso, a taxa de desperdício é muito alta. Para a manutenção dos recursos é preciso aplicar os três Rs: reduzir, reutilizar e reciclar.

Por isso, o IPTU Verde é uma política pública transformadora que incentiva investidores e proprietários a adotarem soluções sustentáveis nos seus empreendimentos e a cidade também é beneficiada com a prática dessas ações.

Ações de como se adequar

No decreto 29.100/2017 do IPTU Verde, no Anexo I são listadas 37 práticas e ações para uma edificação pleitear a certificação perante o órgão responsável na prefeitura do município. Então, vejamos algumas.

Equipamentos economizadores

A utilização de arejador e restritor de pressão nas torneiras e chuveiros proporcionam economia no consumo de água potável e evita também o desperdício.

Vaso sanitário com caixa acoplada com duplo acionamento

O sistema com duplo acionamento permite controlar a quantidade de água que é utilizada a cada descarga.

Medição individualizada nas edificações multifamiliares, comerciais, mistas

Com a medição individualizada, cada morador paga o seu próprio consumo e passa a conhecer seu padrão de utilização, sendo que isso evita o desperdício de água potável.

Sistema de reuso de água de máquina de lavar roupa

O recolhimento da água proveniente do esgotamento da máquina de lavar, após passar por tratamento, pode ser reutilizada na limpeza de garagens, rega de jardins como também abastecer os vasos sanitários.

Sistema de aproveitamento da água da chuva

Consiste no recolhimento da água dos telhados por meio de calhas, dos ralos das varandas e direcioná-las para um reservatório para uso em lavagens de passeio, garagens, regas de jardim, também pode ser reutilizada para abastecer os vasos sanitários.

Telhado verde

Sua instalação oferece vários benefícios, veja alguns:

  • minimiza o calor, proporcionando maior conforto térmico;
  • retém a água da chuva para o sistema de reuso;
  • garante o isolamento acústico, diminui os barulhos externos;
  • atua como isolamento térmico residencial;
  • preserva o telhado contra intempéries, reduz a necessidade de manutenção.
  • auxilia na filtragem do ar, ameniza, um pouco a poluição;
  • regula a umidade do ar ao redor do edifício;

Diminuição da temperatura interna

Na impossibilidade de instalação do telhado verde, uma boa opção é a utilização de manta térmica para o telhado. Esses produtos são isolantes e deixam o ambiente com uma temperatura mais agradável. No mercado há vários tipos de manta térmica para utilizar no telhado e, assim a redução no uso do ar-condicionado se faz presente, principalmente na conta de energia no final do mês.

Aproveitamento da água proveniente da condensação do ar-condicionado

Após o recolhimento por tubulações que vão até o reservatório de águas servidas, pode ser reaproveitada para regar plantas e limpeza de garagens e passeios.

Sistema de aquecimento de água

A utilização dos sistemas de produção de água quente solar, promove uma economia substancial ao sistema elétrico, tanto da edificação como do município. Pois, o consumo de energia de cada chuveiro é muito alto. Promove também, economia para a construtora, pois os cabos elétricos podem ser dimensionados com bitolas menores e, mais baratos.

Tubulação de água quente com isolamento térmico

Para não haver perda de calor, a tubulação de água quente deve ter isolação em todo o seu trajeto, desde o boiler até o ponto de atendimento.

Utilização de sensor de presença para comando de iluminação de áreas comuns

Para evitar o uso desnecessário da iluminação, principalmente em garagens e corredores, utilizar o sensor de presença para o controle.

Implantação de sistema de energia fotovoltaica

Esse é um sistema de produção de energia pelo sol e armazenada em baterias para ser utilizada e o excedente da produção é injetado na rede da concessionária local.

Pavimentação permeável do passeio

O passeio ou calçada, pode utilizar pavimentação drenante, permitindo que um mínimo de 60% de sua área seja permeável.

Piso permeável, mínimo de 80% de permeabilidade

Revestir o piso de áreas de estacionamento e pátios de manobras com pisos drenantes, pois isso evita enchentes e alagamentos.

Instalar caixa de retardo para águas pluviais

A caixa de retardo, como o próprio nome diz, retarda o lançamento da água pluvial na rede pública. Afinal, dependendo do volume, isso pode provocar os alagamentos e enchentes. Assim, atrasando o seu lançamento, essas situações são minimizadas ou, até mesmo, eliminadas.

São várias as ações e práticas que podem ser adotadas, sendo que todas têm a intenção de reduzir ou amenizar seus efeitos. Vale lembrar que, para cada prática ou ação que for incorporada ao empreendimento corresponde a uma pontuação, de 2 até 100 pontos.

Portanto, para atingir a maior porcentagem de desconto, integre o máximo de ações no seu projeto de construção ou reforma.

Cidades que já implantaram o IPTU Verde

Quanto ao processo para a solicitação do benefício, o contribuinte interessado deve dar entrada com o pedido no órgão responsável, que analisará e dará aval ou não para a incidência do IPTU Verde. Algumas cidades já incorporaram o benefício, portanto, a população pode, conforme a legislação municipal, fazer jus ao desconto. Veja:

  • Araraquara-SP;
  • Americana-SP;
  • Barretos-SP;
  • Camboriú-PR;
  • Campos do Jordão-SP;
  • Colatina-ES;
  • Curitiba-PR;
  • Goiânia-GO;
  • Guarulhos-SP;
  • Ipatinga-MG;
  • Maringá-PR;
  • Manaus-AM;
  • Rio de Janeiro-RJ;
  • Salvador-BA;
  • São Carlos-SP;
  • São Vicente-SP;
  • São Bernardo do Campo-SP;
  • Seropédica-RJ;
  • Tietê-SP.

A certificação IPTU Verde e como ela funciona

A adesão ao programa é opcional, no entanto, para obter a certificação é preciso seguir o que estabelece o Anexo I do decreto 29.100 (Salvador-BA). Portanto, é aplicável aos novos empreendimentos como também às ampliações e reformas nas edificações existentes.

A certificação é alcançada quando o empreendimento adotar ações e práticas constantes no Anexo I (ver item 5), cada ação corresponde a uma pontuação.

  • bronze — mínimo de 50 pontos, desconto de 5%;
  • prata — mínimo de 70 pontos, desconto de 7%;
  • ouro — mínimo 100 pontos, desconto de 10%.

No caso de descumprimento das ações e práticas sustentáveis que justificaram a liberação da certificação, ela será cancelada, como também todos os benefícios. Portanto, a anulação se estende a todas as unidades da edificação, mesmo que apenas uma tenha sido a causadora do cancelamento. Pois, a certificação é dada ao empreendimento como um todo e não para cada unidade.

Requisitos para obtenção da certificação

Primeiramente é feito o pré-certificação, quando deverá ser apresentado com o processo de construção, ampliação ou reforma, o projeto com as modificações como também a substituição de projetos. Deverão ser acompanhados dos seguintes documentos:

  • formulários constantes dos Anexos I e II;
  • projeto arquitetônico e o memorial descritivo;
  • apresentar controle de qualidade da água;
  • plano de gerenciamento dos resíduos sólidos.

O requerimento será analisado no prazo de 60 dias pelo órgão licenciador. Vale lembrar que, o empreendimento não pode ter nenhuma pendência relativa a licenciamentos ou fiscalização ambiental, sendo necessário a apresentação de declaração do órgão responsável.

Concessão da certificação

Quanto à solicitação do alvará de habite-se, será verificado se as ações e as práticas de sustentabilidade declaradas foram efetivamente cumpridas. Após isso, será emitida a certificação IPTU Verde. No entanto, a emissão fica condicionada à apresentação:

  • certidão negativa de débitos imobiliários;
  • inexistência de registro no cadastro de informações municipais.

Fica registrado no habite-se que a edificação foi construída de acordo com a certificação IPTU Verde, que tem validade de três anos, podendo ser renovado para mais três anos enquanto for do interesse do requerente.

Além de estimular o uso inteligente da água e de outros recursos, garantindo assim a continuidade e o bem-estar das futuras gerações, o IPTU Verde joga luz sobre um até então desconhecida função social da propriedade particular. Atribuição ligada à construção de uma nova consciência sobre a estabilidade saudável do meio ambiente.

Com tudo que vimos, o IPTU Verde será o propulsor do desenvolvimento sustentável para as cidades nos próximos anos. Afinal, a população está cada vez mais exigente em relação à proteção do planeta.

Falando em construção sustentável, uma das preocupações é se o ambiente será arejado e confortável. Para entender mais sobre o assunto, confira o nosso guia sobre conforto térmico nas edificações e entenda como promovê-lo.

Análise de Resultado – Instalação de Isolamento Térmico

A 3TC Isolamento é uma empresa que tem compromisso com o resultado de sua tecnologia de manta térmica. Desta forma, buscamos sempre elaborar casos de clientes para demonstrar o resultado após a instalação de manta térmico isolamento térmico 3TC em um galpão. Independentemente do método de aplicação, conseguimos avaliar o resultado térmico e de ergonomia. Vale lembrar que seguimos metodologia indicada por órgãos reguladores competentes para cálculo de eficiência energética, bem como alguns métodos desenvolvidos pelo nosso corpo técnico.  Os métodos estão de acordo com as normas técnicas de cada especificidade: Acústica, térmica, ergonomia, etc. Nossa metodologia consiste em 3 etapas para análise de cada projeto e vamos apresentá-las a seguir.

Etapa 1: Análise Primária

Nesta etapa, a equipe técnica da 3TC Isolamento faz uma análise detalhada da estrutura de engenharia do local de instalação do isolamento térmico. Avalia-se as potenciais dificuldades, tais como acesso, altura de instalação, tipo de estrutura, obstáculos do local, necessidade de isolamento, característica bioclimática da região. Além disso, utilizamos de termômetro e câmera térmica para medir a temperatura de superfície do telhado, paredes e do chão do local. Para avaliar o conforto térmico e ergonomia, seguimos as diretrizes da NR-15. Desta forma, são utilizados aparelhos de medição de acordo com a norma técnica.

Etapa 2: Avaliação de Resultados

Após realizada a instalação do isolamento térmico 3TC Isolamento, uma nova medição térmica é feita. Portanto, mede-se os mesmos locais aferindo a temperatura pós instalação. Avalia-se a diferença tanto na análise térmica do telhado, paredes e do chão, bem como da ergonomia conforme a NR-15. Os dados são todos planilhados, lançados no sistema, e feita uma análise para averiguar as diferenças entre as medições térmicas antes e depois da instalação de isolamento térmico 3TC Isolamento.

Etapa 3: Emissão de Laudo Técnico

Depois de analisar, instalar e averiguar os resultados térmicos antes e depois da instalação de isolamento térmico 3TC, apresentamos o laudo ao cliente. Com os dados, vem a corroboração dos mesmos, com fotos, vídeos, e informações das medições realizadas. O impacto da instalação de isolamento térmico 3TC Isolamento é demonstrado em números, tanto do ponto de vista da engenharia como da ergonomia. Laudos ambientais e de segurança do trabalho são emitidos por empresas terceirizadas, mas a 3TC Isolamento possui parceria com a Exxcelência Soluções Empresariais, empresa especialista nesse tipo de serviço. O laudo completo da 3TC Isolamento inclui também características térmica e técnicas de acordo com as normas cabíveis para cada especificidade.

Case BioHosp – Instalação de Isolamento Térmico

A empresa BioHosp foi fundada em 1998. Sediada em Belo Horizonte, a empresa hoje com mais de 20 anos de mercado tornou-se uma das mais importantes distribuidoras de medicamentos e materiais médico-hospitalares do mercado brasileiro. Com a expansão dos negócios, foi instalada uma filial na capital do estado do Rio de Janeiro. Atuando em várias regiões do país, a empresa busca, cada vez mais atender suas demandas com segurança e rapidez.

Análise:

Esta é uma descrição da análise técnica referente à instalação e ao fornecimento do sistema de isolamento 3TC para o novo centro de logística da BioHosp situado no parque industrial em Contagem (MG). A cidade de Contagem está situada na região metropolitana de Belo Horizonte. O município, considerado o polo industrial desta região, fica situado em uma área que pode chegar à altas temperaturas durante o período de verão, conforme o gráfico abaixo retirado do site Weather Channel:

O gráfico acima demonstra a necessidade da utilização de sistemas de isolamento térmico nas estruturas de construção devido à média de temperatura da região. Estas condições climáticas fizeram a empresa BioHosp investir na tecnologia 3TC para climatizar todo o centro de logística. O investimento em um sistema de isolamento térmico teve como objetivo reduzir os impactos do calor nos materiais em estoque e atender com excelência todas as normas de segurança e regulamentação do setor. O investimento resultou em economia de energia e consequentemente impacto positivo em sustentabilidade com diminuição de resíduos além de proporcionar ainda mais conforto térmico para todos seus clientes e colaboradores.

Análise técnica:

A instalação do sistema de isolamento 3TC foi realizada abaixo da cobertura em uma área de 3600 m2 do novo centro de logística em Contagem. Para entendermos o funcionamento do sistema de isolamento 3TC devemos analisar como a transmissão de calor ocorre em coberturas. A transmissão de calor ocorre por 3 formas de transferência, condução, convecção e radiação.


Condu
ção – transferência de calor por meio do contato de materiais que conduzem calor. Há materiais que oferecem maior condutividade (como por exemplo, metais), e outros com menor condutividade (algumas cerâmicas, poliestireno expandido, fibra de vidro, etc).


Convecção
‐ transferência de calor por meio do movimento do ar e fluidos que levam calor à medida que se movimentam. A convecção pode ser natural (ar quente tende a subir, ar frio a descer, por exemplo), ou forçada (mediante aparelhos de climatização, ventiladores, etc).

Radiação (irradiação) ‐ transferência de calor por meio do transporte de calor por radiação eletromagnética. Esta é a forma pela qual o calor do sol chega até nós. Aproximadamente 93% do calor que chega no telhado vêm por meio da transferência de calor via irradiação solar. Com isso, o sol aquece o telhado e o telhado quente passa a transmitir grande parte desse calor para o ambiente interno por meio da radiação.

O sistema 3TC Isolamento é a única tecnologia no mercado que trabalha com o controle destas 3 formas de transferência de calor. Esta característica proporciona um desempenho térmico superior a outros isolantes disponíveis no mercado, como por exemplo: pintura com tinta refletiva, aplicação de poliuretano, forro de lã de vidro ou lã mineral.

Características Estruturais para a instalação de isolamento térmico:

A cobertura da área de instalação era composta por telhas metálicas que transmitiam calor excessivo para o ambiente interno. As telhas metálicas costumam chegar em temperaturas de até 75 graus ao ser expostas ao sol constante, tendo um ganho e perda de temperatura rápido. Isto acontece principalmente para a parte interna da construção, potencializando a transferência de calor, primariamente por meio da radiação.

A aplicação da tecnologia 3TC foi realizada de acordo com o manual de instalação da empresa fixando o produto nas terças. Desta forma a própria estrutura do galpão foi utilizada para fixação aumentando o aproveitamento do espaço interno, reduzindo o tempo de execução e gastos com estruturas adicionais. A instalação de isolamento térmico foi realizada em conjunto com outras obras estruturais na unidade que ocorreram simultaneamente. Entretanto, mesmo com este cronograma, a instalação foi realizada em apenas 20 dias. Atendendo assim as expectativas do cliente quanto ao prazo de execução do serviço.

 

Medições 

A equipe da 3TC realizou aferições de temperaturas de superfície, de conforto térmico, e ergonomia durante a execução da obra. Para isso, foram utilizados termômetros de alta precisão, câmera térmica e um medidor de stress térmico que mensura a variação térmica de bulbo seco, bulbo úmido e dentro do globo de acordo com os índices da NR-15 em conformidade com as normas de Segurança do Trabalho.

Com os instrumentos de medição, a equipe da 3TC realizou as seguintes medições de temperatura.

  • Temperatura Externa (Aplicativo Weather Chanel)
  • Diferença de temperatura entre o 3TC e o Telhado Metálico (Câmera Térmica)
  • Aferição de sensação térmica (Medidor de Stress Térmico TGD-200)

Resultados 

Antes da avaliação técnica e instalação do sistema de isolamento térmico 3TC, era possível perceber o desconforto térmico relatado por colaboradores e prestadores de serviço no local. Depois da instalação do sistema de isolamento 3TC o conforto térmico proporcionado pelo sistema foi nítido. A comparação das medições realizadas antes e após a aplicação do isolamento térmico 3TC mostra claramente uma melhora significativa na temperatura do ambiente.

As medições no local corroboram a percepção dos colaboradores. A comparação das medições realizadas antes e após a aplicação do isolamento térmico 3TC apresenta uma melhora significativa na temperatura do ambiente. O sistema de isolamento 3TC conseguiu reduzir significativamente a temperatura incidente da cobertura de 46,6 graus para 28,7 graus. A redução foi de 17,9 graus na superfície do telhado comparado a superfície após a instalação do sistema de isolamento 3TC.

As medições de acordo com a NR-15 também demonstraram uma melhora significativa. Os resultados das medições que comprovam a redução de temperatura e o conforto térmico proporcionado pelo sistema de isolamento 3TC pode ser utilizado como laudo trabalhista referente à ergonomia no ambiente de trabalho. Após a instalação do sistema houve um delta médio de diferença de 6,2 graus em sensação térmica.

Conclusão 

A instalação do sistema de isolamento 3TC alcançou todos os objetivos propostos, rapidez, eficiência e adaptabilidade:

  • Rapidez de instalação: A obra foi realizada dentro do cronograma proposto de 30 dias. A obra foi entregue em apenas 20 dias, obtendo uma média de instalação acima de 180m2 por dia.
  • Eficiência térmica: Os resultados obtidos demonstraram a qualidade do sistema que proporcionou uma redução de temperatura de 17,9 graus de superfície e obteve um delta de diferença de 6,2 graus em sensação térmica.
  • Versatilidade: A versatilidade do sistema 3TC permitiu que o produto fosse instalado utilizando apenas a estrutura existente no galpão. Desta forma o espaço de armazenamento foi otimizado e não houve custos adicionais com estruturas auxiliares.

Gostou da instalação e do resultado do 3TC Isolamento na Biohosp? Entre em contato conosco, e peça já seu orçamento! Atendemos todo o Brasil. Tenha já o melhor sistema de isolamento e manta térmica do mercado em sua loja, escritório, galpão, barracão.

A construção no litoral apresenta diversos desafios. Afinal, nessas regiões, os edifícios estão sujeitos a mais riscos, como a maresia, ventos mais fortes e a maresia. Então, é preciso montar uma estrutura de proteção especial para evitar danos e a necessidade de reformas constantes.

Além disso, as altas temperaturas e a incidência do sol reduzem o conforto térmico dos ambientes interiores. Isso pode prejudicar a saúde e o bem―estar dos moradores. Quer saber como melhorar o seu projeto litorâneo? Acompanhe!

1. Quais são os cuidados essenciais em construções no litoral?

O sucesso de uma obra no litoral começa na escolha do terro e vai até a manutenção!

1.1 Terreno

Sem os cuidados adequados na hora de escolher um terreno, a construção no litoral pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça para o comprador. O primeiro passo para garantir o sucesso do seu projeto arquitetônico é exigir a apresentação de um estudo do solo, pois, em faixas litorâneas, podem haver solos muito úmidos e arenosos ― que são facilmente conformáveis.

Desse modo, é preciso fazer um projeto auxiliar para o adensamento do solo. Ele deverá ser executado com muita técnica, trazendo uniformidade em toda a área. Caso contrário, uma região pode ficar menos densa e mais permeável à água. Com o tempo, haverá um desnível entre dois pontos da construção ― o que compromete as estruturas, causando rachaduras, trincas e outras patologias.

Além disso, especialmente em locais mais ermos, é muito comum que não haja a infraestrutura de serviços necessários para uma família ou para um negócio. Por exemplo, pode não haver fornecimento de luz, de água encanada ou recolhimento de esgoto. Consequentemente, será preciso investir muito dinheiro para tornar o empreendimento viável.

Por exemplo, é necessário pagar altas taxas para a instalação de luz elétrica, construir poços para o consumo de água e investir em cisternas para o esgoto. Ou seja, os custos do projeto inicial podem dobrar somente para trazer uma infraestrutura mínima. Em alguns casos, como redes de internet e de telefonia, as operadoras não ofertam a instalação desse serviço nem mesmo mediante o pagamento de taxas elevadas.

Por fim, ainda há diversas questões legais nesses casos. A regulamentação e a legislação brasileira são bastante restritivas quanto ao uso do solo próximo a praias. Em geral, essas áreas são protegidas e é preciso pedir uma autorização da prefeitura para a construção. Nesses casos, as exigências podem ser tão grandes que tornam o projeto inviável.

Ademais, não deixe de conferir toda a documentação ― especialmente em regiões mais afastadas. Exija sempre a escritura e confira toda ela no cartório em que foi feito o registro. Afinal, a ação de grileiros é muito comum e você pode ocupar um terreno que pertencia a outra pessoa ou a União.

1.2 Estrutura de construção no litoral

Este certamente é o ponto de maior atenção, pois o clima das praias não permite o uso de qualquer material nas construções. Isso se deve a dois principais motivos: as altas variações de temperatura e a maresia.

No primeiro caso, pode haver mudanças bruscas de temperatura muito rapidamente. Isso provoca a dilatação e a retração das estruturas ― que podem desenvolver fissuras. Nesse caso, é importantíssimo escolher materiais com maior capacidade de resistir ao estresse mecânico.

O outro ponto importante é a maresia. As ondas do mar, quando se chocam, liberam partículas de água com sal para a atmosfera. Elas são levadas até as construções e se acumulam nos materiais. Essa é uma das razões por que os vidros em regiões litorâneas estão sempre úmidos.

No entanto, em contato com estruturas metálicas, o dano pode ser muito grande. O sal apresenta partículas com cargas elétricas capazes de interagir com metais oxidáveis na presença de água. Então, surge a ferrugem, cujos danos vão muito além da estética e atingem, também, a sustentação da casa. A maioria dos pilares e das lajes apresentam armaduras metálicas de aço comum, o qual é facilmente corrosível.

Nesse sentido, é imprescindível fazer um tratamento especial nas vigas com uma camada maior de concreto para a proteção da armadura ou com a aplicação de uma camada extra impermeável. O ideal é utilizar aditivos plastificantes de impermeabilização semiflexível. Nesse caso, as vigas devem estar sempre em locais protegidos da ação da radiação solar.

Caso você utilize telhas metálicas na construção, é importante também selecionar um material resistente à corrosão. Entre os mais utilizados, estão o Galvalume, o alumínio e o aço inox. Hoje em dia, eles podem ser integrados a sistemas de isolamento termoacústico, que compensam a baixa eficiência em bloqueio do calor.

1.3 Acabamentos

Aqui, é preciso estar muito atento sobre o efeito da maresia sobre os materiais. Como explicamos, os metais oxidáveis sofrerão com a ação contínua da umidade salina. Então, ficarão com a aparência enferrujada, comprometendo a estética dos acabamentos. Isso deve ser levado em consideração na hora da escolha de diversas peças, como:

  • janelas, portas e fechaduras;
  • pias e registros;
  • acessórios, entre outros.

Muitas pessoas acabam subestimando o poder da maresia. Afinal, é um vilão que ninguém vê. Aparentemente, o ar é normal ― exceto pelo cheio de praia. No entanto, microscopicamente, há partículas nocivas para as construções.

Além disso, a própria umidade aumentada também causa danos significativos. Por exemplo, pisos em madeira sem uma camada de impermeabilizante não lidam muito bem com a umidade alta das praias. Nesses casos, eles estufam e comprometem a estética dos pisos.

Por fim, não podemos deixar de falar do próprio clima. As zonas litorâneas estão mais sujeitas a chuvas intensas devido à maior umidade da atmosfera local e a ação de massas de ar marítimas. Portanto, é preciso reforçar a impermeabilização e reforçar as estruturas para resistir a ventos fortes.

1.4 Paisagismo em construção no litoral

O clima também oferece desafios importantes na hora de selecionar a vegetação utilizada para o paisagismo. A ação muito intensa do sol durante o dia exige que as plantas resistam à evaporação da água pelas folhas e sejam capazes de captar a umidade de regiões mais fundas do solo.

Além disso, a menos que você queira investir em um sistema automatizado, dê preferência a plantas que exijam uma menor frequência de irrigação. Também, as casas de praia podem ficar muitos meses fechadas sem nenhuma manutenção. Assim, é melhor escolher espécies que sobrevivem nessas condições.

1.5 Manutenção

O clima hostil e a areia tornam a manutenção das casas de praia mais complexa. Por essa razão, é imprescindível escolher materiais mais práticos para limpeza. Elas deverão apresentar uma maior resistência a riscos, pois pode ser necessário usar vassouras de cerdas rígidas ou jatos de água retirar os resíduos de areia.

Outro desafio é a manutenção da própria construção. A ação dos ventos pode causar danos significativos, especialmente no telhado. Se as telhas não forem bem fixadas, elas podem se soltar facilmente e, então, será preciso fazer trocas frequentes.

2. Quais são os materiais mais indicados para construção no litoral?

Há materiais que, por sua resistência à umidade e capacidade de isolamento térmico, são mais adequadas para o litoral. Conheça alguns deles nos tópicos a seguir.

2.1 Madeira

Não é todo o tipo de madeira que é adequado para a construção próxima à praia, pois há opções mais ou menos permeáveis. Por exemplo, o eucalipto é uma madeira extremamente permeável e absorve com facilidade a umidade. Então, dilata―se facilmente e perde a resistência no clima litorâneo.

Outra contraindicação são as madeiras de baixa densidade, independentemente da estrutura em que são aplicadas. O principal exemplo são os compensados. Elas apresentam uma porosidade maior e, portanto, alta permeabilidade.

Já madeiras mais maciças, como o ipê, a maçaranduba e a teca, são muito mais seguras. No entanto, devem receber o tratamento adequado com o lixamento da superfície e aplicação de resinas impermeáveis, como o verniz. Com isso, não se sujeitam aos danos estruturais causados pela umidade.

A grande vantagem da madeira é a sua maior capacidade de isolamento térmico, o que é essencial diante do calor das praias. Para ampliar o conforto, ela pode ser integrada a mantas térmicas com ação reflexiva da radiação solar nas áreas mais expostas.

2.2 Alumínio

O alumínio se apresenta como um dos principais metais para o uso em construções no litoral, pois é muito mais resistente à corrosão. Mesmo quando oxida, pode ser facilmente recuperado, pois, forma apenas uma fina camada de oxidação branca ― removível com uma lixa fina.

Ademais, é um material extremamente versátil. Ele pode ser pintado com diversos esmaltes sintéticos para melhorar a resistência e mudar sua aparência estética. Portanto, pode ser utilizado em diversos locais de uma construção, como as janelas, as maçanetas, entre outros.

No entanto, por ser muito maleável, não pode ser empregado em estruturas de sustentação, como as vigas e os pilares.

2.3. Aço inoxidável

O aço inoxidável é uma liga de ferro com a adição de carbono e cromo. Com isso, pode―se reduzir a interação com as moléculas de oxigênio que geram a ferrugem. Como apresenta uma excelente resistência mecânica, pode ser facilmente integrado às estruturas de sustentação tanto sozinho quanto com o concreto.

2.4. Galvalume

O Galvalume é um liga metálica constituída por zinco, alumínio e silício. Foi criada para aumentar a resistência desses metais à corrosão, sendo um dos materiais mais resistentes nesse sentido.

Por ser extremamente maleável, é utilizado principalmente na fabricação de telhas e chapas. Entretanto, está contraindicado nas estruturas de sustentação.

2.5. Concreto

O concreto é outro material muito importante para as construções litorâneas, pois pode ser utilizado para fabricar as mais diversas estruturas desde as vigas da fundação até as telhas. No entanto, há diferentes tipos de concreto no mercado e é importante estar atento à porosidade de cada opção. Quanto maior ela for, mais susceptível a estrutura estará à ação da umidade.

Assim, o concreto mais poroso pode ser utilizado em locais onde ele não está associado a estruturas metálicas, como as telhas. Entretanto, quando ligado a armaduras metálicas, será preciso protegê―las e, assim, o concreto deve ser o mais impermeável quanto possível. Para isso, eles podem ser associados a aditivos ou materiais impermeabilizantes. Falaremos mais deles a seguir.

2.6. Impermeabilizantes

Com o isolamento térmico, a impermeabilização é uma das ações mais importantes nas construções no litoral. Afinal, devido à maior umidade do ar e à maresia, as estruturas estão sob maior risco de danos químicos. Nesse sentido, é importante fazer um projeto detalhado. A seguir, explicaremos os principais tipos e sistemas.

Atualmente, existem três tipos de impermeabilização no mercado: a rígida a semiflexível e a flexível. Elas devem ser escolhidas de acordo com a exposição da superfície ao calor e ao estresse mecânico.

Rígida

A impermeabilização rígida geralmente é feita com o acréscimo de aditivos aos materiais tradicionais da construção, como o gesso, o cimento e a argamassa. Assim, diversos efeitos podem ser conquistados, como:

  • aumento da tensão superficial do material, fazendo com que a água seja repelida ao entrar em contato com a estrutura. Esse é o caso dos aditivos hidrofugantes;
  • redução da porosidade do material. Desse modo, as moléculas interagem mais fortemente entre si, impedindo a penetração da água.

No entanto, isso apresenta um lado negativo. Quando expostos à variação de calor, as estruturas ficam mais susceptíveis a fissuras, comprometendo a eficiência da impermeabilização. Desse modo, não podem ser utilizados em superfícies em contato direto com o sol.

Flexível

Esses impermeabilizantes são chamados de flexíveis, pois contam com maiores elasticidade e conformidade. Ou seja, quando as estruturas se dilatam devido à ação do calor, o impermeabilizante é capaz de se adaptar e proteger a superfície mesmo diante do surgimento de fissuras.

Eles funcionam de modo diferente das anteriores, pois não são aditivos aos aglomerantes da construção civil. Em vez disso, eles são aplicados em camadas sobre as superfícies já prontas. Nesse sentido, apresentam―se em dois subtipos principais, as mantas e as membranas.

As mantas devem ser aplicadas a quente para aderir às superfícies. Talvez, seja o tipo mais conhecido devido às mantas asfálticas ― um dos impermeabilizantes mais populares no mercado e que são utilizados nas vias rodoviárias.

Em espessuras menores e com armaduras especiais, podem ser empregados na construção civil para as áreas que entram em contato direto com o sol e necessitam de alta capacidade de vedação, como as lajes.

Já as membranas são instaladas a frio por diferentes processos. Devem ser aplicadas em diversas camadas a fim de apresentar a eficiência máxima. Por serem mais práticas, têm se tornado mais populares. Podem ser utilizadas em áreas externas, lajes etc.

Semiflexível

Por fim, temos o tipo semiflexível, que nada mais são do que aditivos que suportam uma maior variação de temperatura. Apesar dessa vantagem, ainda não podem ser utilizados em estruturas submetidas a uma dilatação térmica mais intensa. Entretanto, são opções mais seguras para reforçar a proteção de vigas e de fundações.

No litoral, portanto, a elaboração de um projeto de impermeabilização adequado é essencial para evitar os danos causados pela umidade.

3. Como garantir conforto térmico e isolamento na casa?

Por fim, vem o assunto mais importante quando falamos de construções no litoral ― o isolamento térmico. Ele é responsável por manter a qualidade das estruturas e trazer mais conforto aos usuários.

3.1 Isolamento térmico

O isolamento térmico é uma técnica utilizada para evitar as trocas de temperatura entre o meio interno e o externo. Desse modo, é possível manter uma temperatura estável dentro das construções no litoral e reduzir a dependência de equipamentos elétricos para a manutenção do conforto.

Esses materiais agem sobre um ou mais dos seguintes processos de transmissão de calor:

  • condução: ocorre quando dois materiais com temperaturas diferentes entram em contato físico. A energia do movimento das moléculas do mais quente é transmitida para o mais frio, aumentando os valores de temperatura. É o que ocorre quando um motor aquece a parede que está apoiado;
  • convecção: acontece devido à movimentação das massas de ar. Quando o ar é aquecido no solo, ele fica menos denso e é direcionado para cima. Por sua vez, a massa de ar mais fria é direcionada para baixo. Quando o telhado não é isolado termicamente, ele aquece constantemente as massas de ar superiores dentro do edifício e gera um fluxo de ar cada vez mais quente;
  • radiação: essa é a principal causa do aquecimento das estruturas de uma construção. As fontes de calor liberam ondas de energia que não dependem do contato físico para aquecer outros objetos. Ou seja, a transmissão de calor ocorre à distância. O principal exemplo nesse sentido é o sol. Por essa razão, cerca de 90% do calor absorvido por um edifício chega por meio da radiação.

A eficiência de um isolante depende diretamente de quão eficiente ele age sobre os três processos.

3.2. Sprays

Os sprays são feitos a partir de polímeros plásticos aplicados com bombas a jato. Assim, eles formam uma fina camada sobre as superfícies e podem impedir parte da condução de calor. Portanto, não agem sobre os processos de convecção e de radiação.

3.3. Espumas Expansivas (PU)

As espumas também são produzidas com polímeros plásticos, porém elas são pré-fabricadas. O principal material utilizado é o poliuretano, que já esteve envolvido em diversos incêndios devido à alta capacidade de combustão. Fique atento à ficha técnica do fabricante na hora de escolher essa tecnologia para sua construção no litoral.

3.5. Foils (Duralfoil)

Já os foils contam com uma ação bem diferente dos modelos anteriores, pois não agem sobre a condução, mas sobre a radiação. São lâminas altamente reflexivas que devolvem parte da radiação solar de volta para o meio ambiente. Isso impede que a energia seja transmitida para as estruturas da construção.

3.6. Mantas térmicas

As mantas térmicas podem ser feitas a partir de diversos materiais, cada qual com propriedades específicas. Em comum, eles apresentam uma maior flexibilidade e conformidade. A seguir falaremos dos principais tipos:

  • lã de vidro: fabricada a partir da sílica submetida a altas pressões, esse é um isolante fibroso com boa eficiência para bloquear processos de condução de calor, porém não atua na radiação;
  • lã de rocha: muito semelhante à anterior com a diferença de ser produzida a partir da diábase, uma rocha vulcânica;
  • Manta lã de PET: usualmente feita com garrafas recicladas, também só age sobre a condução de calor;
  • 3TC: além de um núcleo de poliestireno estendido maleável, que reduz grande parte da condução de calor, o 3 TC conta com duas camadas de lâmina reflexiva. Desse modo, pode atuar sobre todos os processos de transmissão de energia térmica. Por isso, falaremos dele, no final do post.

Por serem maleáveis, as mantas são utilizadas nas superfícies que exigem maior flexibilidade do material, como as quinas dos pisos e das paredes.

3.7. Placas térmicas

As placas térmicas costumam ser fabricadas com os mesmos apresentados acima. A grande diferença está nas técnicas de produção. Aqui, há um adensamento muito maior dos materiais ou um aumento na espessura. Com isso, se formam estruturas rígidas. São essenciais para regiões que não podem oferecer sustentação para as mantas ou que precisam de um reforço, que é o caso de construção no litoral.

3.8. O 3TC

O 3TC é baseado nas tecnologias desenvolvidas pela NASA para os trajes espaciais dos astronautas, uma vez que o Espaço está sujeito a amplas variações de energia. Seu principal diferencial é atuar sobre os três processos de transmissão de calor.

O seu núcleo de poliestireno estendido é altamente eficiente para impedir a condução de calor. Então, toda a energia vinda do contato com as massas de ar e com o solo pode ser mitigada.

Já as lâminas refletivas são capazes de devolver mais de 90% da energia solar para o meio ambiente e impedir que ela aqueça a construção. Com isso, temos um sistema completo de isolamento com a máxima eficiência.

Outro grande benefício desse sistema de isolamento térmico é que ele permite a utilização de outras técnicas construtivas que não eram tão eficientes para as regiões litorâneas. Por exemplo, as telhas metálicas seriam as opções ideais para evitar que as peças se soltem com a ação do vento, uma vez que elas são pregadas diretamente nas terças.

Contudo, elas transmitiam todo o calor da radiação solar para o ambiente interno. Com o isolamento, esse problema é eliminado, visto que as mantas podem ser integradas às telhas e trazer a máxima eficiência térmica para o ambiente.

Ademais, o 3TC é um material totalmente impermeável e pode reforçar ― ou mesmo substituir ― os sistemas de impermeabilização necessários para as construções litorâneas. Por conseguinte, ao utilizá-lo, você garante o conforto térmico mesmo diante do calor mais intenso e protege sua construção contra os potenciais danos ambientais.

Portanto, o sucesso da sua construção no litoral depende da escolha dos materiais e dos métodos construtivos certos. É imprescindível investir bastante a fim de prevenir os mais diversos riscos, como ventos fortes, temperaturas elevadas e alta umidade. Assim, é possível manter o conforto térmico e aumentar a vida útil de cada estrutura.

Você conhecia todos esses cuidados essenciais para as construções no litoral? Não?! Provavelmente muita gente também não conhece! Então, não deixe de compartilhar nosso post nas redes sociais!

A sustentabilidade na construção civil é um conceito muito importante para o sucesso dos projetos de arquitetura e engenharia. Afinal, esse setor já foi visto como um dos mais danosos ao meio ambiente devido à baixa eficiência dos processos, excesso de desperdícios, utilização de materiais pouco renováveis e exploração intensa dos recursos naturais.

Com a crescente preocupação com o planeta, muitas pessoas já rejeitam viver em edifícios que não foram feitos de acordo com as melhores práticas de desenvolvimento sustentável. Para que você não perca nenhuma oportunidade, preparamos este guia completo sobre o assunto. Acompanhe!

Afina, o que é sustentabilidade?

Primeiramente, devemos conceituar tecnicamente a sustentabilidade. Temos uma visão do senso comum que não é capaz de abarcar toda a sua complexidade. De forma geral, ser sustentável significa explorar os recursos sem comprometer a vida e o bem-estar das futuras gerações. Além disso, é se preocupar com a manutenção da biodiversidade para que todas as espécies passam viver em equilíbrio no planeta.

Para isso, a sustentabilidade apresenta três pilares principais: econômico, ambiental e social. De uma forma geral, portanto, um processo de construção sustentável busca maximizar a eficiência da geração de riquezas sem comprometer os recursos do planeja e promovendo o desenvolvimento da comunidade local e dos futuros usuários. Desse modo, não é só uma preocupação que vai além do meio ambiente.

Ademais, você deverá estar ciente de que isso não é uma ação ocasional. Deve abarcar um planejamento não só em cada projeto, mas também em todo o planejamento estratégico da empresa e na sua missão. Por essa razão, muitas empresas fazem planos de metas de sustentabilidade com prazos muito variados:

  • reduzir o desperdício em X% em um ano;
  • diminuir as emissões de carbono em X% na próxima década;
  • empregar materiais renováveis, reciclados ou reaproveitados em X processos;
  • utilizar matérias-primas de iniciativas locais de preservação ambiental;
  • investir em projetos de pesquisa e desenvolvimento de materiais ecológicos em parceria com universidades e empresas da região da obra.

Com esse tipo de objetivo, seu negócio será capaz de conquistar todas as plataformas mais importantes da sustentabilidade. Assim, é possível também expressar uma imagem de responsabilidade social, a qual também é muito valorizada pelo público contemporâneo, especialmente os mais jovens.

Qual a importância da sustentabilidade na construção civil?

A sustentabilidade deveria se tornar o alicerce de todas as empresas na construção civil, visto que traz um crescimento para a própria empresa em termos de eficiência e produtividade.

Geralmente, quando pensamos nesse conceito, nós o associamos com materiais mais caros. Todavia, se você utiliza a estratégia correta, ele se torna uma oportunidade para que sua empresa melhore a eficiência dos processos e a qualidade dos projetos.

Quais as vantagens da sustentabilidade para a construção civil?

Além disso, a sustentabilidade apresenta diversas outras vantagens para o setor da construção. Esses benefícios envolvem desde uma maior eficiência nos processos até a atração de clientes. Confira!

Redução de custos

A construção civil apresenta gargalos importantes de eficiência e produtividade. De acordo com uma estimativa da empresa americana Construction Executive, a taxa de retrabalho pode chegar a 30%. Em outras palavras, praticamente um terço de todas as tarefas precisam ser refeitas devido a algum problema importante. Isso é um problema muito grave.

A implementação da política de sustentabilidade da sua empresa pode começar aí, com revisão das práticas e processos que levam a tanta ineficiência. Para isso, várias ações podem ser feitas, como:

  • adoção de materiais mais resistentes e fáceis de instalar;
  • implementação de processos e fluxos de trabalho focados em métricas e indicadores, monitorados diariamente pelo gestor;
  • uso de materiais reciclados, reaproveitados ou produzidos com tecnologia de alta eficiência;
  • aquisição de equipamentos mais modernos com maior eficiência energética;
  • utilização de metodologias de construção que demandam menos materiais, como os pré-fabricados;
  • controle rígido do estoque com monitoramento de todas as entradas e saídas;
  • criação de protocolos para a dosagem de materiais, como o cimento, a argamassa e seus aditivos;
  • incentivo do reaproveitamento da água;
  • liderança constante do gestor do canteiro, verificando constantemente o cumprimento das metas e dando feedbacks quando necessário;
  • elaboração de projetos inteligentes, os quais aproveitam, ao máximo, as características dos materiais para a funcionalidade da construção, entre várias outras medidas.

Com todas essas ações, além de atingir o escopo da sustentabilidade, você também garante uma obra com muito menos desperdício e retrabalhos. Consequentemente, mesmo que haja um certo investimento em materiais e equipamentos, certamente eles são compensados com um custo total final muito menos. Com isso, o retorno sobre o investimento é garantido.

Maior produtividade

A sustentabilidade também apresenta alguns efeitos indiretos e surpreendentes. De acordo com o jornal inglês The Guardian, os ambientes sustentáveis apresentam uma menor taxa de absenteísmo e de rotatividade de funcionários. Além disso, eles também se apresentam mais satisfeitos e uma maior eficiência.

Isso provavelmente está relacionado com o fato de, ao implantar as medidas citadas acima, cria-se um canteiro de obra mais saudável com melhor comunicação entre as pessoas e mais organização.

Menos resíduos

A indústria da construção civil é uma das mais criticadas pelos ambientalistas. Na Europa, cujas empresas já apresentam práticas mais modernas, o setor pode ser responsável por 34,7% dos resíduos. Aqui, no Brasil, apesar de não haver estatísticas sobre o tema, os valores devem ser maiores ou muito semelhantes. Isso representa um impacto muito negativo sobre o meio ambiente.

Há diversas medidas para reduzir o número de resíduos. Por exemplo, os rejeitos de demolição, como a madeira, pode fazer parte de estruturas de decoração. O concreto pode ser remanufaturado para a fabricação de tijolos reciclados.

No entanto, há algumas medidas mais tradicionais que podem também ser utilizadas. Por exemplo, pode-se substituir a alvenaria interna de um edifício pelo drywall com mantas térmicas para paredes. Com isso, é possível ter uma eficiência muito parecida, mas com muito menos materiais.

Uso de materiais mais modernos e eficientes

Sem um desafio, sua empresa pode ficar estagnada e utilizar as mesmas matérias-primas anos a fio. Assim, diversos materiais de alta tecnologia são inventados, mas não há o aproveitamento deles nos seus processos. Por sua vez, a sustentabilidade forçará suas equipes a saírem do mais do mesmo. Elas precisarão pesquisar por novas opções e, assim, modernizar sua produção.

Para citar um exemplo que conhecemos bem, nos últimos trinta anos, diversos tipos de mantas acústicas foram inventados a partir dos mais diversos materiais, como o vidro, a rocha e as espumas. Nos últimos anos, porém, surgiu o 3TC. Ele combina um polímero orgânico de alta eficiência com duas lâminas metálicas refletoras, fabricados de acordo com as melhores práticas sustentáveis.

Com isso, foi possível criar uma manta que atua sobre todos os processos de transmissão de calor, desde a radiação até a condução física. Então, as construções conquistam um maior conforto térmico, reduzindo a necessidade de uso de ares-condicionados e aquecedores em alta potência. Além disso, a instalação é muito mais simples, o que diminui o risco de retrabalho.

Prevenção de ruídos

Praticamente todos os produtos sustentáveis são oriundos de muita pesquisa para otimizar a funcionalidade dos materiais e melhorar a qualidade de vida dos usuários das construções. Então, um dos objetivos nesse sentido é a redução dos ruídos com ações simples, como:

  • utilização da construção verde para que as árvores e plantas absorvam parte do ruído ambiental. Para isso, elas podem ser instaladas em canteiros, bloqueando os sons da rua, ou dentro da construção desde que próximas às fontes de ruído;
  • aumento da distância das fontes do ruído em relação aos espaços habitados;
  • criação de isolamento acústico com materiais sustentáveis.

Proteção ambiental

Além disso, há o objetivo final de proteger nosso meio ambiente. A garantia de um planeta confortável para nossos filhos, sobrinhos e entes queridos das próximas gerações já deve ser um benefício e tanto, não acha? No entanto, como um dos pilares da sustentabilidade é a economia, não podemos deixar de falar dos benefícios para os lucros.

Primeiramente, estar ligado à causa ambiental melhora a imagem da empresa, especialmente nas classes com maior escolaridade. No entanto, não é só isso. Os edifícios sustentáveis apresentam uma maior eficiência energética, resultando em contas de luz mais baratas. As estratégias de isolamento termoacústico são mais avançadas, o que traz muito mais conforto. Com isso, seus produtos se tornam conhecidos pela excelência.

Melhor qualidade de vida

Como explicamos, a sustentabilidade não leva somente em consideração o meio ambiente, mas também os indivíduos que o habitam. Então, a qualidade de vida se torna uma preocupação em cada detalhe. Todo o projeto deve ser feito com muita atenção para a funcionalidade.

Outro aspecto interessante é a incorporação da arquitetura verde. Com isso, busca-se trazer parte da natureza para dentro dos espaços humanos. Esse contato apresenta o potencial de trazer mais bem-estar e reduzir o estresse.

Quais soluções sustentáveis podem ser usadas nas construções?

Principalmente no mercado de edifícios corporativos, um dos principais apelos da construção sustentável é a redução do uso de ares-condicionados e aquecedores. Esses equipamentos são os que mais gastam energia elétrica, contribuindo para a destruição de ecossistemas para hidroelétricas e para a emissão de gases do efeito estufa nas termoelétricas. Por essa razão, grande parte dos esforços está focada na melhoria da eficiência térmica das construções.

Além disso, outra preocupação importante tem sido a exploração de recursos minerais para a produção de insumos do concreto. Então, muitas alternativas têm sido pesquisadas para substituí-los ou minimizar seu uso.

Tinta térmica

Você sabia que grande parte das tecnologias revolucionários vem da NASA? Esse é justamente o caso da tinta térmica! Pesquisando alternativas para melhorar o conforto térmico das estações espaciais e dos foguetes, a agência espacial desenvolveu uma resina capaz de refletir grande parte da radiação solar, evitando que ela aqueça os componentes de uma construção. Assim, pode-se reduzir significativamente o uso de ares-condicionados.

Telhado verde

Essa estratégia envolve a utilização de coberturas com plantas nos telhados. No entanto, foi preciso desenvolver uma tecnologia avançadas para que ela não provocasse infiltração. Para isso, várias camadas precisam ser aplicadas:

  • camada vegetal;
  • camada de terra orgânica;
  • camada de filtração;
  • camada drenante;
  • manta geotêxtil;
  • manta impermeável;
  • manta de isolamento térmico;
  • camada de controle de vapor;
  • base.

As plantas absorverão grande parte do calor para a transpiração e para a fotossíntese. Além disso, as camadas inferiores auxiliarão ainda mais no controle térmico.

Mantas isolantes

Novamente, vamos falar de outra tecnologia desenvolvida pela NASA. No Espaço, os astronautas estão sujeitos à intensa radiação solar e a grandes variações de temperatura. Então, a agência procurou materiais isolantes altamente eficientes para criar os trajes de astronauta.

Assim, surgiu o 3TC, que apresenta uma superioridade significativa em relação aos isolantes tradicionais, como a lã de vidro, a lã de rocha e as espumas de poliuretano. Afinal, elas não foram pensadas para lidar com a energia da radiação de calor, a qual corresponde a 90% da transferência em construções.

Ademais, difere-se das foils tradicionais, os quais lidam somente com a radiação e não agem sobre a condução. Portanto, o 3TC é completo, lidando com todas as formas de transmissão de energia calorífica.

Alternativas ao concreto

O concreto é um dos materiais que mais geram preocupação na construção civil. Afinal, até pouco tempo, ele não era passível de reaproveitamento. Também, devido a seu baixo custo, os processos de dosagem eram altamente ineficazes. Os trabalhadores do canteiro produziam muito todos os dias, pois não valorizavam o produto e desperdiçam grande parte.

Atualmente, muitos processos industriais foram desenvolvidos para o beneficiamento do concreto. Com isso, é possível reduzir a quantidade de recursos explorados do meio ambiente. Também, há materiais alternativos, como o concreto verde, que é fabricado a partir de musgos.

Estruturas metálicas recicladas

Com os desastres ambientais nas barragens de rejeitos minerais, os metais têm se tornado o centro das atenções sustentáveis. Felizmente, é um material muito simples de reciclar com métodos já bem estabelecidos há décadas.

Milhões de toneladas de ferro podem deixar de ser extraídas se aproveitarmos todas as estruturas da demolição de edifícios, dos equipamentos obsoletos etc. Então, dê sempre preferência às estruturas recicladas.

Quais práticas sustentáveis podem ser aplicadas durante a obra?

São inúmeras as ações para trazer mais sustentabilidade as obras. A seguir, vamos falar de algumas medidas simples e prioritárias. Acompanhe!

Materiais pré-fabricados em ambientes controlados

Os pré-fabricados representam uma importante medida para a redução de desperdícios nas obras. As estruturas são feitas em ambiente industrial e cada peça é feita sob medida, utilizando estritamente a quantidade de material necessário para cada peça.

Além disso, como elas são feitas de acordo com as necessidades de cada projeto, encaixam-se melhor umas nas outras. Isso reduz a quantidade de argamassa ou de cimento para a união das peças. É possível fazer estruturas pré-fabricadas de madeira, concreto e aço atualmente.

Gerenciamento de resíduos

Manejar os resíduos é um grande desafio dos gestores das obras. Afinal, o setor ainda não consolidou estratégias de coleta seletiva para a reciclagem industrial ou outras técnicas de reaproveitamento. Frequentemente, os rejeitos são descartados inadequadamente em leitos de água, campos abertos etc.

Porém, há alternativas completamente sustentáveis, capazes de gerar riqueza e desenvolvimento social. Por exemplo, sua empresa pode estabelecer parcerias com associações de catadores locais para que eles possam revender peças metálicas, plásticos e papéis.

Além disso, há estratégias de reuso do concreto dentro das próprias obras. Com os equipamentos específicos, você pode triturá-lo e empregá-lo nas fundações das construções ou como agregado nas mais diversas estruturas.

Quais os exemplos de sustentabilidade na construção civil

Antes de apresentar alguns edifícios sustentáveis, vamos resumir alguns critérios que vimos até agora:

  • uso de energia sustentável ou de práticas para redução do consumo;
  • emprego de materiais renováveis, reciclados ou reutilizados;
  • gestão de resíduos com métodos ecológicos;
  • aumento da eficiência dos processos de forma geral;
  • geração de riqueza e desenvolvimento social.

As construções que reúnem grande parte deles geralmente são vistas como exemplos de sustentabilidade. Vamos falar das principais no Brasil e no mundo!

Ninho do Pássaro em Pequim

Para mostrar o poder da sua economia e do compromisso com o futuro, a China vem desenvolvendo diversas construções amigáveis ao meio ambiente. O principal palco das Olimpíadas, o Estádio Olímpico Nacional, é uma referência internacional.

Grande parte das suas estruturas foi elaborada para coletar a água da chuva e, no topo, diversos painéis solares garante um consumo mínimo de energia oriunda de termelétricas, a principal fonte da China.

Além disso, a fachada em forma de ninho de pássaro não é só estética, ela tem a função de melhorar a ventilação do estádio e contribuir para o conforto térmico.

Centro Sebrae de Sustentabilidade

O Brasil tem um dos edifícios agraciados em 2018 pelo principal prêmio de arquitetura sustentável, o BREEAM Awards. Para isso, o arquiteto José Portocarrero aproveitou o saber das técnicas construtivas das populações indígenas, cujas ocas são elaboradas para oferecer o máximo de conforto térmico em edificações.

Além disso, o projeto aproveita a iluminação natural com janelas amplas e claraboias e capta a água da chuva para o reaproveitamento na lavagem de pisos. Por fim, arremata com painéis fotovoltaicos, os quais reduzem o consumo de energia hidroelétrica.

Como isolamentos térmicos e acústicos podem ajudar na sustentabilidade da obra?

Muitas das soluções que falamos ainda não estão acessíveis para obras de todos os portes e orçamentos. Por serem muito novas, o custo ainda é elevado e restrito aos padrões AA e AAA. Por sua vez, há outras que se apresentam bastante disponíveis para todo o tipo de projeto, além de serem facilmente encontradas no mercado.

Alternativa para materiais não-renováveis

Os isolamentos térmicos modernos, como o 3TC, adequam-se perfeitamente às técnicas mais sustentáveis de construção. Nos telhados, eles podem se integrar perfeitamente às telhas metálicas para trazer mais proteção termoacústica. A grande vantagem dessa cobertura é a facilidade de reciclagem.

As ligas de metal não precisam passar por um beneficiamento muito intenso e caro. Ela pode simplesmente ser limpa e derretida para voltar para o ciclo produtivo. Além disso, é também possível reaproveitar estruturas, como os contêineres, para ambientes de lazer e áreas comuns. Com um forro interno de 3TC, eles oferecerão o conforto térmico de uma construção em alvenaria.

Facilidade de instalação

Essa vantagem é essencial para reduzir os prazos da obra, deixando muito mais ágil. Ao cortar alguns dias de trabalho, sua empresa poupa muita energia dos equipamentos e recursos naturais.

Menor desperdício de materiais

A manta de 3TC não precisa de muitos materiais para ser instalada, bastam alguns parafusos, porcas e outras ferramentas para fixação. Em alguns casos, uma cola especial pode também ser empregada.

Isso evita que recursos poluidores ou não-renováveis sejam utilizados durante a instalação. Além disso, há uma redução das refações, o que reduz significativamente a quantidade de material inutilizado.

Maior eficiência energética

Os maiores vilões da eficiência energética são os sistemas de ares-condicionados e os chuveiros. Afinal, a conversão de eletricidade em calor é muito pouco eficiente e precisa de altas quantidades de energia. Por essa razão, todas as estratégias para melhorar o conforto do ambiente são interessantíssimas.

As mantas termoacústicas de 3TC agem sobre todos os processos de transmissão de calor. Então, torna-se possível manter temperaturas amenas no ambiente interno mesmo diante de variações no clima. Assim, o uso de ar-condicionado pode ser minimizado.

Ademais, o isolante pode ser aplicado em tubulações para evitar as trocas com o meio. Com isso, pode-se obter uma maior eficiência do chuveiro e dos ares-condicionados.

Alta tecnologia

O 3TC é fabricado a partir dos mais avançados processos industriais que não poluem o meio ambiente. Além disso, é elaborado com o polímero de EPS, o qual pode ser facilmente reciclado. Assim, torna-se uma opção muito mais sustentável do que as mantas de lã e de rocha, as quais não podem ser reaproveitadas e acabam sendo destinadas a aterros e lixões.

Com tudo que vimos, a sustentabilidade na construção civil será um dos motores do setor nos próximos anos. Afinal, o seu público está cada vez mais exigente em relação à proteção do planeta. As empresas que se diferenciarem agora poderão conquistar um enorme mercado na próxima década. Então, não perca tempo!

Quer saber mais sobre as diversas aplicações das mantas de 3TC nos seus projetos? Então, não deixe de entrar em contato com a gente neste link!