Posts

Forrar a casa é uma das melhores maneiras de reduzir a sujeira que costuma cair do telhado. Algumas vezes, essa é uma solução também para o conforto térmico e até para o isolamento acústico.

A laje convencional, por exemplo, é um tipo de forro bastante conhecido. Consiste em uma estrutura de concreto, bem sólida. Porém, com o advento do forro modular, as coisas mudaram. Além do produto se tornar mais acessível do ponto de vista financeiro, ele é mais prático de instalar.

Neste guia, vamos falar sobre o forro em módulos, as características dele, que materiais podem ser usados e os custos envolvidos. Faça a leitura completa do artigo e tire suas dúvidas!

1. O que é forro modular?

Forro modular significa forro vendido em módulos, ou seja, em placas apoiadas em grids de perfil metálico, na forma de um T invertido. São blocos pré-moldados de um determinado material. Há muitos tipos de forro em placas disponíveis no mercado.

Os forros modulares podem ter formas, bordas e espessuras diferentes e contar com aplicações bactericidas e fungicidas. São bem personalizáveis, o que permite que atendam a necessidades variadas, conforme o perfil da construção.

É um tipo de forro reconhecido com facilidade porque os perfis de metal podem ficar aparentes e formar um quadriculado. É possível enumerar as características gerais do forro em módulos, como:

  • disponibilidade em cores e modelos variados;
  • acabamento liso, texturizado ou perfurado;
  • leveza, limpeza, sem cortes e sem umidade (seco);
  • conforto acústico e térmico;
  • possibilidade de remoção;
  • resistência a fissuras e trincas;
  • resistência às chamas;
  • montagem rápida por meio do sistema de encaixes (baixo percentual de desperdício e geração de resíduos).

→ VEJA AQUI TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A UTILIZAÇÃO DO 3TC ISOLAMENTO EM FORROS MODULARES

2. Como surgiu?

Sempre é interessante compreender como as soluções surgiram. As invenções dos homens são sempre uma resposta, uma reação a uma situação específica, geralmente problemática.

O forro no Brasil começou a ser usado no período colonial pelos portugueses. Os modelos mais baratos eram feitos de uma planta chamada “taquara”. A partir dela, faziam-se esteiras grandes para forrar o teto. Também havia os forros de tábuas de madeira, que eram assentados direto no telhado ou em barrotes complementares.

A proposta de módulos também é antiga. No início eram chamados de painéis, mais pesados e de custo mais alto. Os painéis mais requintados eram elementos arquitetônicos usados nos salões e nos grandes ambientes, onde o teto assumia um formato denominado de caixão, esquife ou gamela.

Vale dizer que a gamela é feita a partir da ligação de cinco planos de tábuas encaixadas, em que quatro deles estão em ângulo de 45º e há um paralelo ao piso.

O formato de uma abóbada era mais usado nos templos católicos, e os painéis podiam formar grandes molduras bem elaboradas.

Os painéis moldurados eram fabricados a partir de grandes caixotes de madeira. Podiam receber pintura ou ter temas decorativos, como os forros frisados de hoje. Eram muito comuns os desenhos abstratos ou figurativos, bem como a pintura que imitava madeira ou pedra (pintura faiscada) — confira o forro modular de PVC, que também pode imitar madeira em seu design.

Porém, ao contrário de nossos forros modulares, eles eram construídos para permanecer intactos. Mexer neles significava mexer na própria estrutura do teto. Na verdade, eles não eram nada práticos quando comparados ao forro modular moderno.

Podem ser considerados precursores, mas não se equiparam, já que certas características dos módulos atuais são a maior praticidade e a presença de perfis metálicos.

Os forros em módulos com perfil de metal surgiram como uma solução para conferir leveza e tornar mais rápida a instalação. Não requerem cortes (não é preciso cortar as placas durante o trabalho para fazer os ajustes necessários) e não causam sujeira nem desperdícios (não há perda de materiais).

Trata-se de uma proposta que tem tudo a ver com a sociedade atual, que defende a sustentabilidade, a economia enxuta (clean) e a não geração de resíduos. Surgiu em um contexto completamente propício a estratégias eficazes e, ao mesmo tempo, não agressivas ao meio ambiente.

3. Quais são as funções?

As funções do forro modular são praticamente as mesmas dos forros em geral, como isolar o barulho da rua, melhorar o conforto térmico e esconder instalações da energia elétrica, da água, do ar-condicionado, do telefone, da internet e assim por diante. Ele contribui também para reduzir o volume interno em uma construção.

Outra função importante dos forros modulares é a estética, ou seja, ajudam a deixar o ambiente mais bonito, mais requintado e elegante. Então, podemos resumir da seguinte maneira as funções desse tipo de forro:

  • redução no volume interno da construção;
  • ocultar instalações;
  • aprimorar a estética;
  • conforto térmico;
  • isolamento acústico;
  • facilidade para manutenção de aparelhos, como sprinklers e detectores de fumaça;
  • ação antibacteriana (em alguns casos).

4. Quais os tipos de materiais?

Diferentes materiais podem ser utilizados na produção de forros modulares. Confira a seguir.

4.1. Gesso

O gesso já é um material consolidado na confecção de forros. O forro de gesso também é comercializado na forma modular, com perfis de metal. É um material facilmente encontrado nas lojas. É um dos preferidos pelos consumidores para aplicar em suas residências, devido ao seu design enxuto e às suas qualidades decorativas.

Trata-se de uma opção versátil, com tipos variados de espessuras, recortes, níveis de isolamento acústico e térmico, resistência à umidade e ao fogo. Pode ser usado em casas, apartamentos, escritórios, hospitais, clínicas e casas de shows. É possível encontrar módulos lisos ou com frisos formando desenhos diversos.

O forro modular de gesso pode ser aproveitado para montar um sistema de iluminação bem caprichado. Ele permite explorar diferentes efeitos visuais e cores, bem como embutir luminárias. Ainda, pode receber pintura e revestimento com papel de parede ou outro material.

Além das placas comuns, há as placas de drywall, que recebem papel acartonado como revestimento. Elas têm ampla variedade estética, o que permite escolher um modelo que mais se ajuste ao ambiente.

Não ficam manchadas com o tempo e proporcionam um melhor conforto acústico e térmico que o gesso comum. Os forros em drywall são usados em diversos locais, como residências, escritórios, salões de beleza e assim por diante.

4.2. PVC

O PVC é um material plástico formado por eteno (um dos subprodutos do petróleo) e cloro (extraído do sal). É um material de alta durabilidade, impermeável e leve. Também é muito sustentável, já que é totalmente reciclável. Os resíduos que gera durante a instalação são nulos, o que é ainda mais positivo para o meio ambiente.

Também não é inflamável, e o custo-benefício compensa, pois é um dos materiais mais acessíveis financeiramente. Dura muitos anos (40 anos, aproximadamente) e há muitos modelos e cores disponíveis — inclusive, modelos que imitam madeira. Eles oferecem um espaço mais confortável e requintado.

Os forros de PVC são comercializados lisos ou com frisos, da mesma forma que os módulos de gesso. É um produto antichamas, higiênico, que não requer pintura nem é consumido por cupins. É indicado para as indústrias alimentícias, escolas, hospitais, clínicas médicas e veterinárias, banheiros, shoppings, lojas, postos de gasolina, academias, laboratórios, estacionamentos e outros lugares.

4.3. Lã de vidro

Outra opção de forro modular é aquele confeccionado com lã de vidro. Essa é uma das melhores soluções para conferir tratamento acústico e térmico eficaz. É ideal para edificações comerciais, residenciais e industriais.

Tem um filme de PVC microperfurado como revestimento, característica que assegura à lã de vidro resistência mecânica de boa qualidade por causa do entrelaçamento das fibras. Também resiste ao fogo, e sua eficiência permanece durante o decorrer dos anos.

Outro detalhe relevante é que esse material reduz bastante o consumo de energia em espaços climatizados. Existem modelos das mais diferentes espessuras, formas e densidades.

4.4. Isopor

O isopor é mais recomendado para ambientes industriais, pois apresenta uma estética mais equilibrada. Ele também otimiza o conforto térmico e acústico.

Também conhecido como poliestireno, esse é um material sustentável, totalmente reciclável e que não provoca nenhuma agressão ao meio ambiente. Geralmente, o revestimento é feito com massa acrílica, e o acabamento é feito com pintura acrílica texturizada. Não podemos deixar de mencionar a leveza do produto e a qualidade do acabamento final.

4.5. Madeira

O forro de madeira modular também é uma opção. A madeira é atraente e certamente contribui para melhorar as qualidades estéticas de qualquer ambiente, tanto na parte externa quanto no interior da edificação.

Trata-se de um material biodegradável e renovável. Muitos tipos de madeira podem ser usados no forro modular, pois a maior parte usa vernizes em cores. São muito aplicados em varandas e coberturas para piscinas.

Também existem forros modulares em MDF, que é um produto derivado da madeira. Trata-se de uma chapa de madeira de fibra de média densidade, que recebe resinas sintéticas e aditivos especiais. O resultado é uma placa homogênea e com suave textura.

4.6. AMF

São forros produzidos em fibra mineral, madeira ou metal. Eles podem ser removidos com facilidade. Oferecem diversos tipos de textura e acabamento — o que é ótimo para aprimorar a estética do ambiente.

São mais resistentes que outros tipos de forros modulares. Apresentam bordas com acabamento HDE e oferecem isolamento acústico de boa qualidade. Indicados principalmente para residências e escritórios.

A fibra mineral, por absorver vibrações e movimentações na estrutura, não permite a ocorrência de fissuras ou rachaduras. Ela pode apresentar funções bactericidas e fungicidas, sendo ótima para estabelecimentos de saúde.

4.7. Lã de rocha

A lã de rocha é fabricada a partir de uma rocha de origem vulcânica chamada “diábase”. É um ótimo isolante térmico. Consegue suportar temperaturas muitos altas, que vão de 50 ºC a 600 ºC. A condutibilidade térmica é baixa, e o índice de absorção sonora é bem elevado. Por esse motivo, muitas indústrias adotam esse material como isolante acústico.

O forro modular de lã de rocha diminui o fluxo de calor e frio. Outra característica é que apresenta um revestimento de PVC, no lado visível, o que ajuda a impedir a propagação de fogo.

4.8. Colmeia

O forro modular colmeia é formado por grelhas de um só bloco, em quadrículos. Os perfis de metal são do tipo U, e não do tipo T, como nos outros forros. A base do perfil é de 10 milímetros, o que possibilita o aproveitamento máximo do pé direito, já que consiste em um forro vazado.

Os efeitos estéticos do forro colmeia valorizam muito o ambiente. Em relação à iluminação, ele é tão dinâmico quanto o gesso, pois permite a instalação de luminárias cilíndricas embutidas ou sobrepostas e lâmpadas modulares

Além de otimizar o sistema de iluminação, permite o uso de manta, como a manta acústica, que pode seguir a mesma modulação do forro.

5. É possível remover o forro modular?

Sim. Essa é considerada uma de suas vantagens. Os perfis metálicos facilitam as manutenções e a remoção das placas. Fica menos complicado para o técnico acessar as instalações ocultas para fazer os devidos reparos ou acertos.

De qualquer maneira, vale lembrar que essa remoção deve ser feita, de preferência, por profissionais capacitados. Eles percebem imediatamente que é muito mais prático remover um módulo de um forro de gesso, por exemplo, que mexer em uma laje ou acessar outro tipo de forro, que não foi pré-moldado e corre maiores riscos de quebrar.

Na verdade, em alguns casos, nos forros de outros tipos, realmente é necessário quebrar a pedra para poder removê-la. Nesses momentos, percebemos claramente o quanto compensa investir em forros modulares — menos gastos e menos trabalho.

O forro modular torna-se uma excelente opção para grandes vãos, que são comuns em praticamente todas as construções: casas, galpões, estabelecimentos comerciais, supermercados, indústrias, lojas e assim por diante.

A remoção do módulo dá acesso fácil ao que chamamos de “entreforro”, o espaço situado sobre o forro e que recebe também o nome de “plenum”. A manutenção fica mais econômica e rápida.

6. Quais são as vantagens e desvantagens?

Vamos explicar melhor as vantagens e as desvantagens do forro modular. Você verá que muitas dessas vantagens/desvantagens estão relacionadas às características do produto, que viemos citando ao longo do texto.

6.1. As vantagens

Vamos começar pelos benefícios!

6.1.1 Facilidade na instalação

Toda obra exige atenção e cuidado, pois são efetivadas diferentes operações ao mesmo tempo, como pintura de paredes, acabamentos dos pisos e assim por diante. É importante seguir um determinado cronograma. Do mesmo modo se dá com a instalação dos módulos de um forro. A vantagem é que é uma solução fácil de ser realizada, desde que se respeitem as características deles.

Depois de pintadas (caso seja necessário), as placas devem ser instaladas no final da obra, em conjunto com a finalização do sistema de iluminação e das grelhas do sistema de refrigeração, garantindo um serviço rápido e limpo.

É necessário montar uma grade no teto com os perfis de metal. Você deve decidir se pretende mostrar esses perfis ou ocultá-los. Nos espaços em que a manutenção das instalações é muito requisitada, os modelos de remoção mais fácil devem ser instalados. Neles, os perfis ficam visíveis.

Em outros espaços mais nobres (como auditórios e salas de reunião), onde a manutenção não é muito exigida, os modelos em que os perfis ficam ocultos podem ser aplicados, o que vai conferir um visual mais sofisticado ao ambiente.

Antes da compra e da instalação, fique alerta para o uso dos perfis em T que sejam apropriados para cada ocasião. Utilizar um perfil com menos resistência do que a necessária pode representar perigo tanto para os instaladores como para as pessoas que ocupam o imóvel.

Uma recomendação é pedir os laudos de carga dos perfis. Além disso, nunca deixe de solicitar orientações do fabricante para a instalação de forros com mais peso. Se, futuramente, o ambiente for desativado, a remoção, como já dissemos, será simples.

6.1.2. Segurança contra o fogo

Um dos grandes problemas relacionados às edificações é a possibilidade de incêndios. Por isso, toda solução que minimizar esses riscos é estratégica e pode ser adotada. Os materiais usados em uma obra precisam ser compatíveis com o que determina a legislação para garantir a proteção dos usuários e do patrimônio.

A maioria dos tipos de forro modular são incombustíveis e evitam a propagação de chamas. Por esse motivo, eles são mais seguros tanto para a parte interna da construção quanto para lugares em que há muita aglomeração.

6.1.3. Isolamento termoacústico

Esse é um ponto que estamos sempre repetindo. Em relação à temperatura, é importante que, em qualquer estação do ano, a construção permita que os usuários usufruam de conforto térmico.

O forro modular evita a passagem do calor do ambiente externo para dentro da edificação no verão e impede, no inverno, que o calor interno se dissipe para fora. Claro que, para maior eficiência, outros fatores também são importantes. Um bom projeto construtivo analisa todos esses pontos.

Já o conforto sonoro é outro critério relevante. A reflexão sonora ou a reverberação, por exemplo, podem causar transtornos durante uma videoconferência, especialmente para a pessoa que se encontra do outro lado. O forro modular é um excelente minimizador de ruídos internos, ou seja, ele absorve e diminui o barulho em uma construção.

Ruídos externos também atrapalham os usuários de uma residência ou empresa. Se o trabalho exige concentração, a produtividade pode ser altamente comprometida.

6.1.4. Sustentabilidade

Os forros modulares costumam ser recicláveis e com baixa emissão de voláteis. Os materiais contribuem para o controle da temperatura e reduzem a necessidade de usar ar-condicionado, além de refletirem bem a luz, o que ajuda no melhor aproveitamento da iluminação natural.

6.1.5. Outras vantagens

Outras vantagens que podemos citar são:

  • durabilidade elevada;
  • remoção fácil;
  • diferentes opções de acabamento;
  • pouca mão de obra para instalação;
  • resistência a pragas;
  • facilidade de manutenção e na instalação de dispositivos de segurança (sprinklers, alarmes, detectores de incêndio e outros).

6.2. As desvantagens

Quanto às desvantagens, podemos citar:

  • limpeza difícil;
  • sensibilidade à umidade (alguns modelos);
  • depois da instalação, não se permite a mudança no acabamento (massa e pintura).

7. Quanto custa?

É necessário identificar logo as principais características do forro para adquirir o produto correto. Se, na hora de cotar, você não compreender com exatidão o que será necessário, falhas possivelmente aparecerão. Portanto, vale a pena seguir as dicas abaixo:

  • mensure, em metros quadrados, a área completa de aplicação;
  • determine os itens necessários: é importante saber se as placas serão quadradas ou retangulares (as primeiras geralmente medem 625 mm x 625 mm, e as outras 625 mm x 1250 mm);
  • verifique os itens que já foram comprados e os que faltam, como sistemas de iluminação e suspensão (avalie se devem ou não ser cotados em conjunto, se o acabamento será ou não oculto);
  • considere os espaços para as luminárias que substituirão os módulos de forro e determine quantos são;
  • avalie os prazos de execução do forro desde a entrega dos itens (não são todos os fornecedores que dispõem de produtos estocados, principalmente em grande quantidade. Sem um prazo de entrega determinado, os atrasos tendem a ocorrer e o cronograma da obra será prejudicado).

Vamos mostrar uma fórmula eficaz para o orçamento na compra de forro modular: metragem da área de aplicação (m2) / metragem da placa (m2). Para exemplificar, considere um espaço com 6 mil metros quadrados e placas quadradas (pequenas, 625 x 625, ou 0,39 m2). Então:

  • 6.000 / 0,39 = 15.384 placas (considere 0,8 mm do sistema de suspensão);
  • 770 caixas de placas (considerando que cada caixa tem 20 unidades de placas quadradas).

Para calcular o valor por metro quadrado, divida o valor unitário da placa por seu metro quadrado (placas pequenas 0,39 m2 e placas grandes 0,78 m2).

Com o orçamento mais preciso, você diminui gastos com excesso ou falta de material, obtém mais rapidez e precisão na cotação e também aumenta seu poder de negociação com os fornecedores.

8. Como instalar?

É necessário definir a localização certa das luminárias e fazer marcações nas próprias placas. A instalação delas inicia-se pelos cantos. Deve-se cortar os cantos em meia esquadrilha e colocar os módulos, a primeira lâmina precisa ficar com, pelo menos, um centímetro a menos que o canto em que será instalada.

Um lado, chamado “macho”, da lâmina da placa se encaixa na cantoneira, e as outras lâminas seguem desde o lado “fêmea”, em que outra placa será fixada até completar o espaço.

Na última lâmina, faz-se um recorte para que ela tenha dimensões inferiores ao vão de instalação. Recorta-se ainda a largura em um centímetro da cantoneira para que o melhor encaixe seja alcançado. Como já dissemos, após a instalação, alterações no acabamento não são possíveis.

Esperamos que, com a ajuda deste guia, suas principais dúvidas sobre forro modular tenham sido sanadas. Lembre-se de que o processo de instalação só pode ser feito por profissionais. Conte também com o apoio de um profissional para efetuar o orçamento com segurança. Se persistirem dúvidas, informe-se com o fornecedor para não fazer compras erradas.

O que você pensa sobre esse tipo de forro? Ele é bastante atrativo, concorda? O que acha de nos fazer uma visita nas redes sociais? Então, aproveite e curta nossa página no Facebook!

Você sabe do que se trata a NBR 15575-3, qual sua função e objetivos? Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a finalidade principal das normas técnicas é promover qualidade, segurança e bem-estar no dia a dia das pessoas. No caso da construção civil, esses objetivos são previstos tanto no decorrer da construção quanto durante o uso e a operação de uma edificação.

Diante desse assunto, a NBR 15575 é uma das normas de maior relevância. Afinal, aborda aspectos relacionados ao desempenho de edificações habitacionais. Por isso, leva em consideração alguns requisitos, como segurança, estanqueidade, desempenho térmico, acústico e lumínico, qualidade do ar, acessibilidade etc. Quer saber mais sobre esse assunto e entender em que consiste a parte 3 dessa NBR? Então, continue a leitura!

O que é a NBR 15575

A NBR 15575 de 2013, mais conhecida como Norma de Desempenho, é dividida em 6 partes, que visam abordar diferentes níveis de desempenho para cada um dos sistemas construtivos de uma unidade habitacional. Confira as partes da NBR15575:

  • 15575-1 — requisitos gerais;
  • 15575-2 — requisitos mínimos para os sistemas estruturais;
  • 15575-3 — requisitos necessários para os sistemas de piso;
  • 15575-4 — requisitos relacionados aos sistemas de vedações tanto internas como externas;
  • 15575-5 — requisitos para os sistemas de cobertura;
  • 15575-6 — requisitos que envolvem os sistemas hidrossanitários.

Qual o objetivo da NBR 15575

A NBR 15575 tem como principal objetivo garantir e definir marcos de qualidade nos imóveis habitacionais. Isso é alcançado por meio de parâmetros, quantitativos e sistemas de medição, que possibilitam o acompanhamento e a verificação de todo o processo construtivo, reduzindo incertezas e evitando critérios que até então eram subjetivos.

Além disso, também é um grande objetivo estimular uma mudança de cultura na engenharia, tornando todos os processos e as etapas mais eficientes e elevando a durabilidade e a sustentabilidade das edificações.

Qual a aplicabilidade e a abrangência da NBR 15575

É importante salientar que essa norma não se aplica às edificações já existentes, obras em andamento, reformas ou retrofits. Também não é válida para as edificações que são temporárias ou as que estavam com os projetos protocolados nos órgãos competentes até a data em que a norma entrou em vigor.

Tirando esses casos, a NBR 15575 se aplica a todo tipo de edificação habitacional, não importando se são isoladas, geminadas, o número de pavimentos, a tecnologia construtiva ou os métodos utilizados.

O que dispõe a NBR 15575-3

Conforme o próprio nome indica, a parte 3 da NBR 15575 dispõe sobre os requisitos para os sistemas de piso. Por isso, envolve aspectos que abrangem o desempenho térmico e acústico, o conforto antropodinâmico e tátil, a durabilidade, a manutenibilidade e a segurança durante o uso.

A parte 3 da NBR 15575 dispõe que os sistemas de piso precisam contar com as seguintes camadas:

  • acabamento;
  • fixação;
  • contrapiso;
  • isolamento térmico e acústico;
  • impermeabilização (em alguns casos);
  • estrutural.

Desempenho estrutural

Na parte 3, consta que os pisos precisam apresentar desempenho estrutural por meio de resistência a impactos de corpos moles e duros. Para isso, devem-se utilizar na construção os pisos e as pedras que foram aprovados nos ensaios de impacto realizados tanto em laboratório quanto nas obras.

Segurança contra incêndio

Somado ao desempenho estrutural, é necessário que os pisos apresentem segurança contra incêndio, resistindo ao fogo e dificultando a sua propagação. Assim, é preciso evitar materiais combustíveis.

Segurança para uso e operação

A parte 3 da NBR 15575 também destaca aspectos de segurança para o uso e a operação em diferentes ambientes, como áreas molhadas, molháveis e secas. Tanto para cada uma dessas áreas quanto para terraços, escadas, rampas e áreas comuns, deve-se respeitar os coeficientes de atrito mínimos definidos, evitando quedas e acidentes.

A norma também prevê os desníveis máximos e alguns parâmetros mínimos para garantir a segurança, sendo alguns deles aplicáveis apenas aos ambientes comuns.

Estanqueidade

Os pisos também precisam ser estanques, evitando umidade ascendente. Além disso, devem atender às definições destacadas na norma para as áreas molháveis.

Durabilidade e Vida Útil de Projeto

A durabilidade está diretamente interligada à vida útil de projeto — VUP —, que é definida no momento em que a edificação foi projetada. De acordo com a norma, a VUP pode ser:

  • mínima — maior ou igual a 13 anos;
  • intermediária — maior ou igual a 17 anos;
  • superior — maior ou igual a 20 anos.

Além disso, os pisos das áreas molhadas e molháveis não devem apresentar danos por presença de umidade, de acordo com os critérios definidos na norma. Os pisos também precisam ser resistentes a agentes químicos e abrasão, conforme as normas específicas.

Funcionalidade e acessibilidade

Esse item dispõe sobre aspectos e características que os pisos precisam ter nas áreas privativas e comuns, assim como os desníveis e a superfície dos pisos para cada tipo de ambiente. Aqui também são abordadas características que proporcionam boa acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e sinalizações indicando degraus, rampas etc.

Conforto tátil, visual e antropodinâmico

É um item que trata da homogeneidade em relação à planicidade de nível dos pisos, ou seja, da camada de acabamento do sistema de pisos.

Desempenho acústico e térmico

O desempenho acústico em pisos está relacionado ao ruído de impacto entre pavimentos, indicando os níveis mínimos e máximos e também quando é necessário a existência de algum tratamento acústico.

Inclusive, o desempenho acústico em pisos também está relacionado ao ruído aéreo entre as unidades residenciais. Já em relação ao desempenho térmico, quando o sistema é bem executado, com os materiais adequados, a transmissão de calor é reduzida, tornando os ambientes mais agradáveis e adequados.

Quem são os responsáveis pela implementação

Como uma edificação apresenta diferentes fases, a NBR 15575 estabelece diversos responsáveis:

  • fornecedor — pessoa jurídica, privada ou física, que é responsável pela caracterização do desempenho do elemento ou sistema, assim como pela previsão do prazo de vida útil, cuidados no uso e operação e aspectos relacionados à manutenção;
  • incorporador — pessoa física ou jurídica, que pode ser quem comercializa a edificação ou não. Há a chance de ser tanto o proprietário como o titular de direitos, o construtor ou o corretor. Sua responsabilidade está diretamente ligada aos atos de realizar estudos técnicos e providenciar o projeto arquitetônico e os complementares, assim como as demais informações relevantes e necessárias;
  • construtor — pode ser a pessoa física ou jurídica que executa o empreendimento de acordo com os projetos e as condições preestabelecidas. Por isso, é responsabilidade do construtor elaborar manuais referentes ao uso, operação e manutenção, atendendo tanto a NBR 5674 quanto a NBR 14037. Esses manuais devem ser entregues a cada um dos proprietários e ao condomínio;
  • projetista — profissional responsável por estabelecer, elaborar e indicar propostas técnicas que visam atender a vida útil definida para cada sistema. Para isso, deve especificar os materiais e os processos adequados, a fim de atingir o desempenho definido anteriormente. O projetista também precisa seguir as normas específicas do seu tipo de sistema construtivo;
  • usuário — o usuário final da edificação, mesmo que não seja proprietário, tem como responsabilidade usá-la corretamente, não alterando cargas e destinação sem a aprovação dos órgãos competentes e da construtora. Para fazer isso, ele também deve ter o acompanhamento dos devidos profissionais.

Como você pôde ver, a NBR 15575-3 é de extrema importância para a qualidade, a segurança e a durabilidade de uma unidade residencial, abordando diversos níveis, que vão desde as características visuais e táteis até a segurança estrutural, contra incêndio, a estanqueidade e o isolamento acústico e térmico. E sim, a atenção com o sistema de pisos é muito relevante para obter um bom resultado final para o isolamento e o conforto de uma edificação.

Gostou do artigo? Aproveite a visita ao blog e entre em contato com a 3TC — uma equipe especializada em isolamento térmico e acústico que oferece consultoria para edificações residenciais e ambientes corporativos.

As técnicas de isolamento térmico e acústico são importantes para diminuir o calor/frio e os ruídos no ambiente de trabalho. Mas, antes de pôr em prática qualquer uma delas, é importante um planejamento que defina quais vão ser os materiais usados, como por ex forros de gesso.

O gesso é um bom aliado nesse sentido, pois promove conforto térmico em ambientes residenciais e corporativos. Uma propriedade dele é a higrotermia, fenômeno que contribui para regular o nível de umidade do ambiente.

Essa propriedade é basicamente isso: se o espaço é muito úmido, o gesso remove parte de sua umidade, absorvendo-a; se existe pouca umidade, o gesso oferece parte de sua própria umidade para ele. Continue a leitura e saiba mais detalhes sobre os forros de gesso!

Os principais cuidados na instalação de forros de gesso

Podemos identificar os principais cuidados com a instalação de forros de gesso. A seguir, exploramos um pouco cada um deles.

A mão de obra

O uso de gesso no revestimento e decoração de ambientes é cada vez mais popular, pois ele oferece muitas vantagens e pode ser usado em paredes e forros. Há diferentes tipos de gesso, mas todos exigem cuidados na hora da aplicação.

No preparo do trabalho, a mão de obra é fundamental. Profissionais despreparados não oferecem um bom acabamento de serviço. Quando procurar trabalhadores, certifique-se de que são realmente competentes e podem efetivar o projeto conforme o planejado.

É necessário, por exemplo, demarcar os pontos de fixação, atentar-se para a umidade, conferir a carga suportável pela estrutura ou laje. São esses cuidados que evitam problemas posteriores no revestimento, como manchas e fungos, rachaduras e trincas.

A qualidade do produto

É fundamental também escolher gessos de boa qualidade, pois materiais de qualidade duvidosa costumam gerar problemas, como rachaduras e trincas. Há diferenças entre os gessos disponíveis no mercado.

Analise as marcas, peça referências a quem já usou e orientação aos fornecedores. Além da qualidade, o gesso deve se prestar bem à finalidade a que se destina e, muitas vezes, o tipo de cobertura também deve ser considerado.

A qualidade do acabamento

O acabamento dos forros de gesso é uma etapa final e importante para assegurar que o resultado será o mais resistente possível.

Talvez, seja preciso efetuar muitas aplicações para garantir um acabamento de boa qualidade.

A preparação do ambiente

A aplicação de gesso requer um bom planejamento, como dissemos. O local onde ele será aplicado deve ser preparado. O teto precisa se apresentar bem nivelado, sem buracos, rebarbas ou outras irregularidades. Confira se as aberturas estão prontas, como os spotlights.

Os sistemas hidráulicos devem ser testados (os de água fria, água quente e esgoto). O sistema de ar-condicionado, se houver, também demanda uma instalação correta.

A aplicação do gesso

É importante proteger o chão com uma lona, no caso de o piso já se encontrar pronto. Dessa forma, evita-se que ele se suje com os respingos do produto. A lona também pode ser usada nas paredes, sendo fixada com fita adesiva. As cantoneiras podem ser aplicadas para proteção das quinas e dos cantos depois da finalização.

Existem alguns aditivos que ajudam na instalação do gesso, mas é preferível não os usar porque, com o decorrer do tempo, eles causam mofo e deixam uma coloração amarelada.

O resultado final

O resultado deve corresponder às expectativas. A superfície deve se apresentar plana, sem rebarbas, nem ondulações. Entre o teto e as paredes, os ângulos devem ser de 90º. No entanto, variações de, no máximo, 5 milímetros são aceitáveis.

No final, o lugar deve ficar limpo a fim de que não haja mistura com outros materiais e a massa fique endurecida. O descarte do que restar deve ser realizado em separado.

A importância da manutenção dos forros de gesso

Outro ponto relevante é a manutenção. Os forros de gesso não precisam de água para limpeza, pois ela pode danificar a estrutura. A limpeza deve ser realizada com panos secos e espanadores a fim de remover umidade e poeira, para prevenção.

Outra dica é deixar o ambiente ventilado para que não surjam manchas resultantes da umidade. A água sanitária serve para alvejar manchas que já existem — mas aplique em pequena quantidade.

As tendências em materiais de construção

É importante manter-se atento às tendências e novas tecnologias no setor de construção civil, pois os produtos com a função de isolamento térmico e acústico passam por melhorias para que ofereçam o melhor desempenho possível.

Ao usar as melhores soluções em isolamento térmico e acústico, a empresa garante o conforto necessário para otimizar a produtividade da equipe.

Os tipos de forros de gesso

Há dois tipos principais de forros de gesso:

  • em placas;
  • acartonado.

O gesso em placas

No primeiro caso, ele se apresenta em placas pré-fabricadas. Elas são fixadas na cobertura por meio de pinos e fios de aço galvanizado, em uma distância de 40 a 60 centímetros. O profissional acerta uma placa na outra com a ajuda de encaixes macho e fêmea. A massa de gesso é usada como rejunte para as emendas.

O acabamento costuma ser elegante e bem liso. Mas, geralmente, é mais pesado que o gesso acartonado.

O gesso acartonado

O forro de gesso acartonado também é conhecido como “drywall”. Ele combina placas de gesso com perfis metálicos. É rápido de instalar, sendo leve e apresentando boa qualidade. As chapas de gesso são confeccionadas de maneira industrial (água + gesso + aditivos).

As placas de drywall são fixadas no teto, assentadas em perfis estruturais, estruturas de madeira ou aço, com a possibilidade de criar diferentes desenhos e formas (como as sancas, modelagens feitas entre o teto e a parede que servem principalmente para um sistema diferenciado de iluminação).

O nome “acartonado” advém do fato de que ele tem papel cartão como revestimento. A cor desse papel varia de acordo com a função:

  • cor branca: é o mais usado em ambientes secos;
  • rosa: tem fibra de vidro, resistindo melhor ao fogo;
  • verde: é o mais usado em ambientes úmidos, porque tem silicone e aditivos contra fungos.

O sistema que utiliza drywall proporciona isolamento térmico, o que garante uma temperatura interna equilibrada. Nos tempos quentes, o calor externo não penetra no ambiente. No inverno, o ambiente interno também fica protegido contra o frio, conservando o calor que já existe internamente. Em palavras simples: no tempo quente, o calor de fora não entra; no tempo frio, o calor interno não sai.

Assim, podemos citar as seguintes vantagens em relação ao drywall:

  • a instalação rápida e limpa;
  • o material encontrado facilmente em lojas do ramo;
  • as instalações ocultas e protegidas;
  • o acabamento elegante;
  • o conforto térmico e acústico;
  • o ótimo custo-benefício.

Vimos, portanto, as principais particularidades dos forros de gesso e como eles podem contribuir para criar um ambiente interno mais agradável e eficiente. Podem ser obtidos em placas ou no modelo drywall, que promove isolamento térmico e acústico.

Gostou das informações? Foram ou não esclarecedoras? Então, que tal compartilhar o post nas redes sociais para que seus amigos também leiam o conteúdo? Faça isso. Compartilhe conhecimento!

Os ambientes fechados são vulneráveis a diferentes tipos de poluição. É importante conhecer quais são os principais deles e como evitá-los. Geralmente, são os mesmos tipos de poluição que também afetam os espaços abertos, como a visual, a atmosférica (do ar) e a sonora.

O Brasil, por ser um país tropical, tem épocas ensolaradas e outras chuvosas. Outra característica é a intensa umidade relativa do ar.

Ambientes fechados com muita umidade não são saudáveis, nem para a equipe, nem para a construção. Esse também é um tipo de poluição do ar muito comum em residências e em empresas. Neste artigo, vamos detalhar melhor esse assunto e mostrar como diminuir a umidade em ambientes fechados. Confira a seguir!

Os problemas causados pela umidade em ambientes fechados

Nos meses mais frios, a retenção da umidade é mais comum porque a temperatura cai e, em ambientes fechados, com pouca ou nenhuma ventilação, a umidade começa a causar problemas nas paredes e piso dos cômodos de uma edificação.

A umidade excessiva pode gerar sérias complicações à saúde, pois promove a proliferação de bactérias e de outros microrganismos nocivos. Umidade a 65% já favorece o desenvolvimento de algumas bactérias. Se ela alcança 80%, a quantidade de bactérias pode se multiplicar, alcançando 40 vezes mais!

Em geral, o recomendado é que a umidade relativa do ar permaneça em torno de 60%. Acima disso, começam a aparecer os efeitos, como odor intenso de “coisa velha”, mofo nas paredes e móveis, sintomas em pessoas idosas, crianças e demais pessoas que sofrem com algum problema de saúde, especialmente os respiratórios (asma, por exemplo).

Os motivos que provocam a umidade em ambientes fechados

É importante conhecer as formas de captura de umidade em ambientes fechados para compreender melhor alguns mecanismos de prevenção e combate ao problema. Existem 4 formas de captura, que vamos detalhar a seguir.

A umidade por intemperismo

Nesse caso, a umidade resulta da infiltração da água pluvial em rachaduras ou fissuras nas paredes ou outra estrutura.

Também pode ser resultado de projetos de escoamento mal definidos nas coberturas e nos telhados.

A umidade por infiltração

Aqui, estamos falando da umidade originada do solo e do lençol freático e que afeta as paredes. Essa forma de captura acontece com mais frequência em adegas, subsolos, porões e outros ambientes situados abaixo do nível do solo.

A umidade por capilaridade

A capilaridade é uma propriedade física característica dos fluidos. Refere-se à capacidade deles de subir ou descer em passagens tubulares (na forma de tubos) muito finas.

Como as vigas e as paredes são porosas, elas apresentam milhares dessas passagens em sua estrutura interna. Quando vigas e paredes se encontram em contato direto com o solo, a umidade pode penetrar nelas por meio do fenômeno da capilaridade.

A umidade por condensação

Essa forma de captura é resultado do vapor que emana de certos lugares, como banheiro e cozinha. Esse vapor invade os cômodos e fica impregnado nas superfícies, causando machas nas paredes e tetos, deixando-os com coloração mais escura.

As maneiras de evitar e remover a umidade em ambientes fechados

Existem formas efetivas de retirar a umidade em ambientes fechados. Conheça quatro delas logo mais.

A ventilação e a luz solar

Uma boa solução, que deve ser previamente definida, é a concepção detalhada do projeto, considerando pontos como a entrada da luz do sol no espaço interno e o acesso à ventilação natural.

É importante analisar o posicionamento certo das janelas, de modo que seja fácil a captação da luz solar. Com boa ventilação e calor, é possível evitar o excesso de umidade.

Os materiais impermeabilizantes

Uma técnica muito comum para reduzir e evitar a umidade em ambientes fechados é aplicar materiais impermeabilizantes na estrutura. Um deles é a argamassa impermeabilizante, que resolve problemas causados por capilaridade e infiltração.

A argamassa deve penetrar na parede. Por isso, caso a umidade já esteja presente, será preciso remover o revestimento na área úmida e colocar o produto na alvenaria, seja interna ou externamente.

Outro material é a tinta impermeabilizante. Trata-se de uma solução acessível, econômica e destinada à prevenção e à solução de problemas de umidade causada por intemperismo, ou seja, quando a água da chuva penetra pelas fissuras em coberturas e fachadas.

Uma tinta impermeabilizante consegue bloquear a entrada da umidade na área coberta. Geralmente, é um produto que custa mais que a tinta premium, sendo até 4 vezes mais caro. Mas o custo-benefício compensa, porque resolve problemas de umidade sem a necessidade de derrubar paredes ou de outras intervenções mais sérias.

O desumidificador de ar

Uma solução mais definitiva é o desumidificador de ar. É um eletrodoméstico que atua como um filtro. Sua função é exatamente a oposta da função de um umidificador. O desumidificador puxa o ar úmido, remove a água desse ar e o devolve ao ambiente já desprovido de umidade. Isso permite controlar os níveis de umidade de forma constante.

É uma boa opção para os ambientes fechados, dispensando até a necessidade de abrir janelas. Outra vantagem é que o aparelho portátil não faz ruídos e pode ser levado para qualquer local com facilidade. Há diferentes modelos que atendem a necessidades diversas.

As plantas que reduzem a umidade em ambientes fechados

A NASA confirmou, em 1989, que algumas plantas podem absorver a umidade e deixar o ar purificado. Além de promover um ambiente mais saudável, elas integram o espaço corporativo à natureza e servem como elementos decorativos. Algumas dessas plantas são:

  • lírio da paz: desenvolve-se bem em espaços fechados e com pouca iluminação, onde faz a absorção da umidade do ar para garantir seu crescimento;
  • samambaia de Boston: ela não requer poda constante e pode ser pendurada em qualquer ponto. Quando absorve a umidade, ela ainda remove benzeno, xileno e outras impurezas;
  • clorofito: tem folhas longas e curvas e pode retirar até 90% das impurezas do ar;
  • hera: tem folhas pequenas e, preferencialmente, deve ficar pendurada na parede. Ela reduz a umidade em forma de vapor no ar e ainda absorve mofo, matéria fecal de animais domésticos e microrganismos;
  • palmeiras: podem ser pequenas, médias ou grandes, crescem em espaços úmidos e absorvem poluentes em ambientes fechados.

É fundamental ter cuidado com a umidade em ambientes fechados para evitar o desenvolvimento de problemas alérgicos e problemas à própria edificação. Além disso, o mofo e o bolor causam mau cheiro e comprometem a estética do lugar.

Percebeu que existem diferentes soluções para o problema da umidade? Continue aqui no blog e confira agora como é possível melhorar a qualidade do ar!

Os containers são soluções muito práticas quando falamos sobre transporte aéreo ou marítimo de cargas pesadas. Nos últimos anos, eles se tornaram popular graças à existência da casa container. Essa nova opção de moradia apresenta características únicas e diversos benefícios.

Para vencer o ceticismo sobre essa alternativa, o melhor é entender quais são as qualidades do ambiente e como é possível torná-lo confortável e conveniente. Assim, você compreenderá quais são os motivos para a popularização dessa escolha em todo o mundo.

A seguir, preparamos um guia com tudo o que precisa saber sobre a casa container e suas qualidades. Confira!

O que é uma casa container?

Quando falamos em casa, é comum associar à ideia construtiva padrão, que envolve alvenaria e soluções semelhantes. No entanto, hoje existe a casa container. Como o próprio nome diz, trata-se de um projeto de moradia que se baseia na transformação e no aproveitamento de um espaço de container.

De transportador metálico de cargas, o item passa a oferecer as bases para as paredes, o teto e o piso de um lar. Então, estamos falando de uma casa que é construída de maneira inovadora, com técnicas diferentes, mas que gera uma experiência final similar.

Quais são os tipos de casa container?

Como cada morador tem uma necessidade, há distintos modelos de casa container. Eles variam tanto em relação ao tamanho quanto à execução do projeto. Ao conhecer as alternativas, é possível definir o que faz mais sentido para a sua realidade.

Pensando nisso, veja quais são os tipos ligados a essas residências e conheça suas principais características.

Simples

Uma casa container simples utiliza, normalmente, apenas uma estrutura metálica. Trata-se de uma moradia compacta, mas que pode conter todos os cômodos normais, como banheiro, quarto e cozinha. Se o container for um pouco maior, há espaço separado para a sala.

É a opção ideal para quem deseja ter um estilo de vida minimalista, mas que ainda garante conforto e muita segurança.

Dois andares

Ao pensar nas dimensões de um container, o teto é relativamente baixo, pois não passa de 3 metros. A casa container de dois andares envolve duas estruturas empilhadas e que ganham altura. Isso é ótimo para driblar a dificuldade quanto ao tamanho do teto, além de garantir espaço.

A alternativa pode incluir a existência de um mezanino, por exemplo. O projeto pode ganhar a cara de loft ou, então, apresentar um visual que se assemelhe a uma casa maior e mais robusta.

Vão livre

Apesar de o empilhamento ser uma característica comum nas versões com mais de um andar, ele não precisa ocorrer totalmente alinhado. É possível usar as peças em posições perpendiculares e mesmo criar uma casa com vão livre.

O projeto arquitetônico requer especial cuidado para equilibrar os pesos, mas é uma alternativa que garante modernidade. Em geral, é uma opção para aproveitar melhor o terreno e a área ao ar livre.

Quais as características da casa container?

Esqueça-se da ideia de uma casa container tem aquele aspecto puramente metálico, com as indicações da carga sobre um fundo laranja ou azul. A verdade é que esses projetos são cada vez mais robustos e modernos, com características que os tornam especiais.

Cada residência tem suas particularidades, como acontece na alvenaria, mas temos a chance de identificar alguns pontos que aparecem com frequência. Veja quais são eles!

Construção modular

Toda casa container funciona com base na construção do tipo modular. Como os containers têm medidas padronizadas, nem sempre eles atendem fielmente a uma necessidade. Para reverter a situação, é interessante pensar no “encaixe” de diversas peças, de acordo com o projeto.

Os containers podem ser empilhados, justapostos ou interligados e cada um funciona como um módulo. Assim, as moradias ganham geometrias únicas, embora algumas se aproximem de modelos “tradicionais”.

Otimização de espaço

Outro ponto crucial para um projeto dar certo envolve a otimização de toda a área disponível. Em uma casa como essa, não existe cantinho que seja deixado de lado ou ponto que fique esquecido entre os cômodos.

A ideia é maximizar o uso do ambiente, inclusive ao criar espaços multifuncionais. Isso adiciona um toque importante de modernidade e torna o ambiente mais agradável. É uma maneira de, até mesmo, atender às principais necessidades.

Layout aberto e integrado

Como os containers são módulos abertos, é muito comum que essa característica seja aproveitada. O layout costuma ser altamente integrado, com vários ambientes dividindo o mesmo lugar. Isso serve para aproveitar a iluminação e para dar a sensação de amplitude — o que combate a ideia de local confinado.

Dependendo do caso, é possível utilizar divisórias para criar certos ambientes, como quartos ou banheiro. Por outro lado, é comum que haja integração com a área externa, como por meio de grandes janelas e portas de correr.

Ventilação potencializada

Para tornar o ambiente ainda mais agradável, muitas construções desse tipo consideram a necessidade de potencializar a capacidade de ventilação. Isso é possível, principalmente, graças à continuidade oferecida por um layout aberto.

Várias opções de casa container também contam com uma grande quantidade de janelas e portas, o que adiciona versatilidade e permite uma circulação de ar que torne a efetividade ainda maior.

Cômodos unitários

Para quem busca uma alternativa muito mais moderna, é possível investir em uma residência baseada em cômodos unitários feitos de containers. A ideia é criar espaços individuais e divididos, embora tenham algum tipo de interligação.

É uma ótima opção para locais menores ou quando há um desejo reforçado quanto à privacidade. Nesse caso, é comum usar mais de 3 containers, com diferentes dimensões e características.

Como funciona esse projeto?

Não há mistérios ao falar no “funcionamento” de uma casa container. Morar nela é como na maioria das residências tradicionais, mas a construção e a implementação merecem destaque.

Em termos de projeto, é interessante conhecer o que o aguarda caso escolha essa modalidade. Veja mais sobre o funcionamento!

Levantamento das necessidades e preferências

Assim como em um imóvel de alvenaria, é crucial considerar quais são as principais exigências e escolhas. A ideia é entender o que faz sentido para tornar o ambiente interessante e adaptado à sua realidade.

Uma família com dois filhos, por exemplo, precisará de mais espaço que alguém que vive sozinho. Também há definições para manter o equilíbrio entre vantagens e desvantagens do container, de acordo com cada morador.

Escolha das soluções construtivas

A partir disso, são selecionadas as técnicas e os processos construtivos que ajudarão o projeto. É o caso de pensar em questões como a criação da fundação para a residência, o design arquitetônico e os acabamentos que serão adotados.

É muito importante ter um escopo definido com tudo o que precisa ser feito e em qual ordem, até mesmo para obter um projeto eficiente. A escolha das soluções também pode variar segundo os desafios encarados.

Aquisição dos containers e demais materiais

Com as principais decisões tomadas, é o momento de comprar os containers com as dimensões, a área e as características desejadas. Eles podem ser novos ou usados, mas é preciso ter atenção com o que foi transportado. Em geral, a única restrição é sobre as cargas tóxicas, mesmo após higienização.

Também há a compra de outros materiais, como os itens de acabamento e até de isolamento térmico. Vale considerar as necessidades específicas quanto a esse tipo de estrutura, além de pensar em características pontuais do projeto.

Utilização plena do espaço

O funcionamento, em si, envolve o máximo aproveitamento do lar, de acordo com o cotidiano de seus moradores. Em uma casa container, você poderá aproveitar todas as comodidades que existem em um imóvel tradicional, como energia elétrica e serviços associados.

Algumas dessas casas funcionam de maneira móvel e, para isso, são construídas sobre uma plataforma que pode ser transportada. Mesmo que não seja o caso do seu projeto, é uma alternativa muito prática e repleta de boas características.

Quanto custa?

O custo de uma casa container depende do tipo de projeto escolhido e das características. Ele pode custar algumas dezenas de milhares de reais a valores maiores. Tudo depende do tamanho do projeto e da quantidade de containers utilizados.

No entanto, é possível ter uma ideia dos preços, de acordo com o tamanho e com as qualidades das peças estruturais. No geral, podemos definir que um container de 14m², sem revestimento, custa de R$ 10 mil a R$ 12 mil. A versão com revestimento varia de R$ 15 mil a 17 mil.

Opções maiores, naturalmente, custam mais. O container de 28m², sem revestimento, custa de R$ 16 a R$ 18 mil. Com revestimento, o valor sobe para R$ 22 mil a R$ 24 mil. Na maioria dos casos, containers um pouco mais antigos custam menos, sendo que podem ser recuperados com diversos processos.

Como é a montagem?

Outra dúvida muito frequente sobre a casa container trata da montagem desse lar. O processo é bem interessante e é dividido em etapas, como em uma obra “comum”. A diferença é que algumas etapas são exclusivas desse modelo e, por isso, exigem atenção especial.

Na sequência, vamos mostrar quais são as principais características e fases ligadas à montagem dessa casa. Confira!

Elaboração e regulamentação do projeto

Para começar, é importante montar um projeto com todas as características técnicas e indicações necessárias. O ideal é contratar profissionais especializados nesse tipo de solução — e hoje já é possível achar escritórios de arquitetura que constroem apenas com containers.

Também é essencial ter cuidado com a regularização da obra junto aos órgãos públicos. Uma casa container paga imposto como qualquer opção de alvenaria e é preciso ter a autorização adequada da Prefeitura para que tudo seja executado. Como cada município tem suas regras, os profissionais contratados devem se preocupar com a etapa.

Preparação dos containers

Em seguida, há um processo de preparação. Se for necessário, ocorre a terraplanagem do terreno e a consolidação de uma estrutura para garantir total segurança e estabilidade à residência.

Depois, o container é preparado para se transformar em lar. É comum que eles sejam lixados e revestidos por uma tinta especial antiferrugem. Se houver mais de um, há o corte das peças segundo o projeto e o encaixe por engate. Ao final, temos o layout pronto para ser trabalhado.

Instalações elétricas e hidrossanitárias

Com o container posicionado e capaz de receber as próximas etapas, há a execução de instalações elétricas e hidrossanitárias. Isso significa que toda a fiação é puxada de acordo com as necessidades, como pontos de iluminação ou tomadas.

Também são planejados os canos e componentes hidráulicos para tratamento de esgoto e fornecimento de água. Dependendo do projeto, é possível investir em aquecimento solar e reuso da água, com a estrutura totalmente adaptada ao espaço.

Elaboração dos revestimentos

Na sequência, são realizados os revestimentos no container, para deixar a casa com um aspecto semelhante aos lares tradicionais. Há a instalação do piso e do revestimento de teto e das paredes. É comum utilizar o Drywall, mas também há forros minerais, produtos de PVC e outras possibilidades.

Não podemos nos esquecer de que, em alguns casos, há uma preferência por deixar o projeto mais “cru” e sem tanto revestimento.

Finalização do projeto

Com essas etapas realizadas, é hora de se preocupar com o acabamento e com a entrega do local. Basicamente, são adicionados os móveis e os elementos de decoração, além de quaisquer outras características desejadas.

Com tudo concluído, o projeto está pronto para ser entregue e garantir que os seus moradores possam aproveitá-lo ao máximo!

Quais são as vantagens da casa container?

Você sabe por que essa alternativa tem se tornado tão popular? Nós explicamos: essa é uma opção repleta de benefícios e que pode transformar o seu conceito de lar. Com um bom projeto, a qualidade de vida é priorizada em todas as etapas e isso se reflete na experiência de moradia.

Além desse ponto, quer descobrir o que a casa container tem a oferecer? Veja, a seguir, quais são as suas maiores vantagens!

Maior sustentabilidade

Podemos dizer que esse tipo de construção aproveita materiais que ficariam parados ou seriam descartados. Afinal, muitos containers deixam de ser usados após algum tempo e param no lixo. Com esse tipo de lar, há um novo uso para essa “matéria-prima”.

Além disso, a construção é mais limpa, rápida e eficiente, o que gera menos gastos e desperdícios de recursos. Portanto, essa é uma alternativa que eleva o nível de sustentabilidade do projeto e que dá origem, até mesmo, a propostas verdes. É uma ótima saída para ajudar o meio ambiente e diminuir o impacto negativo nos recursos naturais.

Personalização completa

Outro ponto positivo é que uma casa container pode ser totalmente customizada. Ou seja, você tem a chance de criar um projeto do zero, de acordo com as suas preferências e com as necessidades.

Os containers são especialmente fáceis de trabalhar e podem ser cortados e encaixados com relativa simplicidade. Com isso, é possível ter um lar com a sua cara, sem ter que gastar tanto dinheiro quanto em uma alternativa de alvenaria.

Alta resistência

Pensa só: os containers são capazes de transportar cargas com várias toneladas, em diversas condições, durante anos. Então, é justo dizer que a matéria-prima é muito resistente e oferece grande durabilidade.

Além de tudo, há a realização de processos especiais de proteção, como a aplicação de tinta contra a ferrugem. Isso auxilia a manter o visual sempre interessante, com menos necessidade de manutenção ao longo do tempo.

Custos reduzidos

Dissemos que os gastos com um projeto desse tipo variam com as características, como tamanho e demandas específicas. No entanto, essa é uma alternativa mais barata que a alvenaria, nas mesmas condições.

Ou seja: construir uma residência de tijolo e cimento com as mesmas características de uma casa container gasta mais. Também é possível planejar o projeto para otimizar o consumo de energia e de água, o que reduz os gastos associados.

Conforto garantido

Não menos importante, você precisa saber que uma casa container é confortável quando o projeto é realizado corretamente. Com a atuação de profissionais especializados e com os recursos necessários, o lar fica muito agradável e não deve em nada para qualquer outro tipo de ambiente.

Além disso, é versátil e pode, até mesmo, adaptar-se às novas demandas. Se tiver espaço disponível no terreno escolhido, há como ampliar o ambiente de acordo com as demandas.

Qual é o papel e como fazer o isolamento térmico e acústico?

Um dos desafios de um projeto de casa container é a composição desse elemento. Como ele é totalmente feito de aço, tem uma elevada capacidade de conduzir calor. Para manter as boas características no ambiente, é essencial pensar no isolamento térmico e acústico.

O processo é feito com a instalação de uma manta ou de placas térmicas no que seriam as “paredes” do ambiente. Como consequência, é possível evitar a passagem de calor do ambiente externo ou a perda para o lado de fora. A seguir, mostramos a importância dessa decisão e como acertar na instalação!

Por que recorrer ao isolamento térmico e acústico?

Adotar uma solução do tipo é indispensável se você quiser deixar a sua casa container ainda melhor. Com um bom isolamento térmico e acústico, é possível aproveitar diversos benefícios. Veja quais são!

Maior conforto térmico

Com a solução certa, você evita passar muito calor no verão ou frio no inverno. Climatizando containers, há uma experiência melhor e com muito mais conforto térmico em relação ao ambiente.

Aumento da eficiência energética

Já que o ambiente ficará agradável, não será preciso gastar tanto com ar-condicionado ou ventiladores. Isso ajuda a melhorar a eficiência energética, o que reduz os gastos com a conta de luz e até aumenta a sustentabilidade.

Garantia de privacidade

Com o isolamento acústico, há uma elevação no nível de privacidade. Além de os sons do seu lar não se propagarem com intensidade para o lado de fora, você não será incomodado pelos barulhos externos.

Por que escolher a 3TC?

Depois de reconhecer a importância do isolamento térmico na casa container, é essencial recorrer à solução adequada. Assim, é possível obter o máximo potencial e garantir máximo desempenho.

Na hora de escolher uma empresa de isolamento térmico, a 3TC se destaca — e merece a sua atenção. Quer saber os motivos? Descubra!

Única no mercado a proteger de todos os tipos de transmissão de calor

Quando falamos nos tipos de isolamento térmico, é possível notar que alguns protegem contra condução, outros contra convecção e outros contra radiação. A 3TC, entretanto, oferece uma solução única e que evita a transmissão de calor pelas três formas. Assim, há muito mais eficiência para tornar sua casa container agradável e climatizada.

Proteção térmica e acústica em um só produto

Outro diferencial é que o revestimento da 3TC garante proteção térmica e acústica ao mesmo tempo. Então, não será preciso recorrer a duas soluções distintas para fazer com que o espaço fique confortável e realmente privativo.

Propriedades anti-chamas

Manter a segurança também é essencial para aproveitar ao máximo a sua casa container. O nosso revestimento para isolamento térmico e acústico não propaga fogo graças às propriedades anti-chamas. Com isso, é possível atender às obrigações da legislação e ficar mais protegido.

Atua como impermeabilizante

Além de tudo, o produto serve para proteger o telhado do seu lar, evitando a entrada de água, de pequenos insetos e de animais e a formação de goteiras. Com isso, evita problemas com o mofo e ajuda até a proteger a saúde.

Facilidade de instalação

Ao escolher a nossa solução, você notará que a instalação é segura, rápida e muito simples. Além de tudo, contamos com profissionais altamente capacitados e prontos para ajudar. Com isso, a obra não sofre com atrasos e perdas e é possível conquistar os resultados desejados mais facilmente.

Excelente custo-benefício

Apesar de oferecer vários benefícios e diferenciais, a 3TC mantém uma excelente relação de custo-benefício. Afinal, trata-se de uma opção durável, muito eficiente e que gera conforto e economia. Longe da necessidade de manutenção e com consistência na conquista de boa performance.

Uma casa container é um novo jeito de viver e até de desempenhar mais sustentabilidade. Com um bom projeto e todos os cuidados necessários na etapa de montagem, é possível ter máxima qualidade de vida.

Para garantir o conforto, não se esqueça do isolamento térmico. Se quiser ter a melhor solução do mercado, entre em contato conosco da 3TC e peça o seu orçamento!

As empresas de isolamento térmico são aliadas imprescindíveis do comércio e da indústria. Com uma conta de luz cada vez mais cara, é preciso pensar em estratégias para reduzir o desperdício de energia elétrica. Os grandes vilões, nesse sentido, são os equipamentos de resfriamento e refrigeração.

Eles têm motores muito fortes que precisam trabalhar a uma potência altíssima para reduzir a temperatura ambiental. No entanto, é possível aumentar a eficiência eles com a instalação de isolantes térmicos. Quer saber mais? Acompanhe!

Qual a importância do isolamento térmico?

O isolamento térmico é uma medida imprescindível em todos os tipos de projetos de construção, desde o residencial mais simples até as mais complexas plantas industriais. Por quê? A humanidade começou a construir casas e edifícios justamente com a finalidade de se proteger das agressões ambientes, especialmente o clima.

Nosso conforto está diretamente ligado às sensações de frio e calor. Toda a regulação do nosso corpo é feita com base nesse parâmetro. Se está quente, nós transpiramos e nossos vasos sanguíneos dilatam para tentar liberar mais energia, essa reação é muito incômoda e tira toda a nossa concentração. Da mesma forma, no frio, os músculos tremem

Então, esse ponto acaba se tornando um desafio para as indústrias e para os comércios. Seus funcionários necessitam de conforto térmico para se manter produtivas. As Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho, inclusive, estabelecem inclusive uma faixa de temperatura ideal para a ergonomia, entre 20º e 23º celsius.

No entanto, para atingir esse patamar, frequentemente, você terá de lançar mão de sistemas de ar-condicionado e ventilação elétrica. Todos esses equipamentos são caros e ainda consomem bastante energia, drenando recursos importantes que você poderia investir em outras áreas. Para que você entenda melhor os benefícios de contratar uma empresa de isolamento térmico, confira esses 5 benefícios a seguir.

Maior produtividade

Como explicamos, o conforto térmico faz parte das medidas de ergonomia. As sensações de calor ou de frio provocam respostas fisiológicas fortes para a regulação da temperatura do organismo. Afinal, todas as reações químicas para a nossa sobrevivência ocorrem em uma faixa muito estreita, entre 34,5º e 37,7º. Fora disso, nosso corpo interpreta que está acontecendo uma ameaça à sobrevivência.

Então, ele monta diversas estratégias para lidar com isso e, geralmente, todas elas desconcentram bastante o colaborador. Por exemplo, o suor é realmente insuportável e exige que nos movimentemos para ajudar na tentativa de evaporar a água da pele e liberar calor.

Ou seja, não se trata de um capricho do funcionário, é realmente uma necessidade. Grande parte da sua capacidade cognitiva está sendo desviada para resolver as demandas de regulação de temperatura.

Portanto, quando as suas equipes reclamam de que não dá para trabalhar direito por causa de frio ou calor, você deve prestar bastante atenção. Isso possivelmente está corroendo a produtividade.

Além disso, há a própria questão motivacional. Quem quer trabalhar e dar seu melhor para uma empresa que não se preocupa com o conforto do funcionário? Hoje em dia, está muito difícil reter os verdadeiros talentos, pois eles são disputados no mercado. Você quer perder seus melhores ativos de recursos humanos por falta de investimento em satisfação no trabalho?

Conformidade

Há diversas regulações que exigem medidas de conforto térmico para os trabalhadores. O maior exemplo é a Norma Reguladora 17 do antigo Ministério do Trabalho e Emprego, a qual continua válida mesmo após a transferência do órgão para o Ministério da Economia.

Ela estabelece a faixa de temperatura efetiva de 20º a 23º para a ergonomia do trabalhador. Desse modo, não basta o ar-condicionado estar ligado na potência 23º se o ambiente não corresponder a essa medida.

Nesse sentido, você deve dimensionar adequadamente o seu sistema de refrigeração para garantir que esses valores sejam atingidos durante uma eventual fiscalização. A melhor forma de garantir isso é investindo em sistemas de isolamento, pois eles garantem que grande parte da potência nominal do aparelho chegue efetivamente ao ambiente. Para isso, a instalação de mantas ao redor dos dutos de transmissão de ar é essencial.

Além disso, nas paredes e nos telhados, elas impedem as trocas com o meio externo. Desse modo, variações bruscas do clima não afetarão significativamente as demandas dos equipamentos. Assim, há muito menos trabalho em manter a temperatura efetiva entre 20º e 23º.

Maior vida útil dos equipamentos

A variação de energia pode ser um estímulo importante para a deterioração de equipamentos, especialmente componentes eletrônicos de alta tecnologia. Afinal, os materiais se dilatam com o aumento da temperatura e se contraem com a redução. Esse “vaivém” pode acabar danificando a estrutura interna dos materiais, o que reduz a vida útil.

Sustentabilidade

No cenário do mercado atual, a responsabilidade ambiental se tornou um valor muito importante para muitos consumidores. Afinal, com o Efeito Estufa e a agressão acelerada aos recursos naturais, tornou-se necessário olhar para um modelo de desenvolvimento sustentável, que garanta o bem-estar e a riqueza das futuras gerações.

O isolamento térmico ajuda muito a melhorar a qualidade das construções nesse quesito, visto que apresenta diversas vantagens, como:

Nos últimos anos, vem crescendo o papel das termoelétricas na matriz energética do Brasil. Nelas, a eletricidade é produzida utilizando a energia liberada pela reação de combustão de gases, diesel e de carvão mineral, todos produtos fósseis não-renováveis. Eles, portanto, liberam uma quantidade de gás carbônico muito grande no meio ambiente, contribuindo para o Efeito Estufa.

Além disso, mesmo que contemos com a energia hidroelétrica, que é considerada limpa, ela ainda causa um impacto importante no meio ambiente. Para sua construção, geralmente é necessário destruir parte do ecossistema nativo com danos à biodiversidade local.

Boa parte do consumo energético vem da indústria e do comércio. Os sistemas de ar-condicionado e de refrigeração são um dos principais vilões, pois necessitam de potências elevadas para funcionar adequadamente. Felizmente, é possível melhorar a eficiência desses equipamentos com medidas simples, como o isolamento térmico.

Para isso, as mantas e placas podem ser instaladas de várias formas a fim de otimizar, ao máximo, a proteção contra as trocas de calor. A seguir, vamos ilustrar alguns exemplos:

  • nos dutos de ar-condicionado, elas impedem que o ar se aquece durante o trajeto para o ambiente;
  • nas paredes e no telhado, reduzem a transferência de calor com o meio externo, o que diminui o trabalho dos motores do ar-condicionado.

Tudo isso ajuda a reduzir a energia consumida. Consequentemente, é possível contribuir para a redução dos danos causados pela produção de eletricidade.

Como ele ajuda na economia?

Você deve ter percebido que grande parte dos benefícios do isolamento está relacionada com a sua capacidade de melhorar a eficiência dos equipamentos de aquecimento e de resfriamento. Em todos os setores, eles são parte significativa da conta de luz.

De acordo com uma estimativa da Cushman & Wakefield, eles podem chegar a representar 15% do consumo corporativo. No caso da indústria, esses valores podem ser ainda mais significativos, visto que o controle da temperatura dos processos produtivos é muito mais intenso.

Além disso, muitos deles apresentam uma maior sensibilidade ao calor, que pode comprometer o funcionamento ou deteriorar as peças. Por exemplo, os servidores de computador devem ser mantidos em temperaturas abaixo da ambiental para que funcionem na máxima capacidade. No setor de alimento, praticamente todas as etapas dos processos produtivos exigem medidas de resfriamento do ambiente da linha de produção.

Por sua vez, há também equipamentos que produzem calor e, para atingir um ambiente salubre para os colaboradores, é preciso investir ainda mais em exaustão, ventilação e em refrigeração.

Por essa razão, é essencial compreender como a energia se distribui dentro das construções e planejar um sistema de isolamento compatível. De acordo com a TeknoPanel, 50% das trocas de calor nos edifícios acontece nas paredes, pois elas apresentam uma superfície de contato maior. Outros 20% ocorrem nos telhados, 20% nas janelas e 10% pela fundação. Isso em prédios, pois em galpões e casas a incidência é maior nos telhados.

BAIXE AQUI NOSSO MANUAL DE INSTALAÇÃO PARA SUBCOBERTURAS 

Desse modo, quando você protege as paredes e o telhado com um isolante térmico, você consegue melhorar 70% da eficiência térmica do ambiente. Isso representa uma menor necessidade de trabalho pelos motores do ar-condicionado, reduzindo o consumo energético.

Nos ambientes com intensa produção de calor, como as casas de máquinas, você pode isolar as suas paredes dos demais espaços para evitar o aquecimento pelas paredes e pelo teto. Isso também vai proporcionar uma temperatura mais amena, o que pode dispensar o uso de ar-condicionado em alguns casos.

No comércio e no setor de serviços, esse benefício também é sentido. O isolamento eficiente das estruturas permite sistemas de refrigeração menores. No Brasil, grande parte das contas das contas de luz de escritórios e lojas trabalha com o sistema de faixas de consumo. Ou seja, quanto mais você consome, mais caro será o seu quilowatt hora. Desse modo, qualquer variação pode representar uma grande economia.

O funcionamento de um ar-condicionado

Dentro dos ares-condicionados, há um equipamento chamado de termostato. Ele é responsável por medir a temperatura do ambiente, calcular a quantidade de trabalho necessária para atingir o nível desejado pelo usuário e, assim, regular o trabalho do equipamento. Nos modelos eletrônicos, geralmente tudo isso é feito automaticamente.

Vamos supor que há dois ambientes com as mesmas dimensões, um deles com a temperatura de 25º e outro de 30º. Em ambos, deseja-se atingir o valor efetivo de 24º. Certamente, o termostato vai exigir do segundo motor uma potência muito mais alta para pegar todo o volume de ar e dissipar seu calor.

Nos sistemas de ar-condicionado central, o mais utilizado no comércio e na indústria, essa tarefa pode ser ainda mais complicada. Afinal, os equipamentos geralmente ficam do lado de fora do edifício e o ar resfriado precisa ser transportado através de dutos. Durante esse trajeto, há diversas trocas de energia que podem aumentar a temperatura do ar transportado.

Os diferentes tipos de troca de calor

três formas de transmissão de calor, que podem prejudicar bastante a eficiência de um ar-condicionado, aquecedor ou outro tipo de máquina térmica. Vamos falar de cada um a seguir.

Condução

Ocorre quando há contato físico entre dois corpos. O calor vai fluir daquele mais quente para o mais frio. Há materiais com uma estrutura molecular mais rígida, a qual impede a transmissão de energia de um lado para o outro.

Por exemplo, ocorre quando um motor aquecido entra em contato com uma parede ou o solo. Desse modo, o ar-condicionado perde eficiência, pois há um corpo alimentando o ambiente constantemente com mais energia térmica.

Radiação

É a forma de transmissão mais comum e ocorre quando os dois corpos não estão em contato um com os outros. Assim, o mais quente emite ondas de energia que agitam as moléculas do outro. É a forma pela qual o sol aquece os objetos.

Então, sem controlá-la, haverá um estímulo direto e permanente para o aquecimento da construção. Deve-se, portanto, buscar refletir o máximo de raios solares de volta para a atmosfera.

Convecção

Quando o ar fica mais quente, ele fica menos denso e se direciona para o teto das construções. O ar frio, por sua vez, tende a ficar estacionado próximo ao solo. É por esse motivo que os ares-condicionados são sempre instalados no teto, pois, assim, há um constante fluxo entre o ar quente e o ar frio, refrigerando o ambiente.

No entanto, se o teto não for vedado por um material isolante térmico, o ar resfriado se aquecerá rapidamente com a energia vinda do meio externo.

Quais são os tipos de isolamento térmico?

Foils de alumínio

Os foils de alumínio são lâminas de alumínio com uma camada adesiva, que podem ser facilmente instalados em diversas superfícies. Seu principal mecanismo é impedir a transmissão de energia por meio da radiação solar.

Para isso, eles apresentam uma superfície altamente reflexiva, a qual manda os raios solares de volta para o ambiente. Assim, eles não são capazes de aquecer as estruturas da edificação.

Como 90% do calor absorvido do meio externo por uma construção vem da radiação, ele pode ajudar razoavelmente na tarefa de evitar o aquecimento. No entanto, ele apresenta desvantagens significativas.

Primeiramente, ele não age sobre a condução de calor, a qual ocorre pelo contato de dois objetivos. Portanto, não é muito efetivo para controlar os processos de troca dentro do ambiente interno.

Além disso, não conferem nenhum nível de abafamento acústico. Desse modo, ao contrário da maioria dos tipos, só são usados para o isolamento térmico. Atualmente, é relativamente raro que uma empresa tenha uma demanda tão específica.

Lã de ovelha

A lã de ovelha é um dos materiais mais tradicionais, sendo utilizada há décadas. No entanto, nos últimos anos, tem sido abandonada por suas várias desvantagens, como:

  • é combustível, isto é, durante os incêndios pode servir de alimento para o fogo;
  • é facilmente deteriorável ao contato com umidade, o que permite o acúmulo de ácaros e mofo;
  • não oferece a proteção adicional da impermeabilidade;
  • é ecologicamente incorreta, pois exige processos de tosa com muito sofrimento animal e, além disso, os pastos contribuem para o desmatamento e o Efeito Estufa;
  • apresenta baixa eficiência para o isolamento na construção civil.

Como é muito barata, muitas pessoas podem acabar a utilizando. Na maioria das vezes, o custo de manutenção elevado acaba prejudicando qualquer economia inicial.

Lã de vidro

A lã de vidro é um dos materiais modernos mais tradicionais para o isolamento térmico. Apesar do nome, ela geralmente não é produzida diretamente do vidro. Na verdade, a única semelhança é a matéria-prima em comum, a sílica.

Na lã, ela é submetida a altas temperaturas e variações de pressão. Com isso, é possível criar o aspecto de fio utilizado para as mantas, que precisam ser maleáveis e compressíveis. A principal vantagem do vidro é que ele é um material muito inerte, isto é, não reage quimicamente com o meio.

Desse modo, ele raramente apresenta mofo ou se deteriora com a umidade, sendo extremamente duráveis. Também, não entram facilmente em combustão em contato, sendo, portanto, um corta-chamas.

Contudo apresenta também desvantagens significativas, principalmente em relação à eficiência. Como só lidam com a energia transmitida pela condução, deixam passar grande parte do calor da radiação, que é o principal fator para o aquecimento dos cômodos.

Lã de rocha

A lã de rocha apresenta um processo de produção e características muito semelhantes à anterior. A grande diferença é a matéria-prima utilizada, a diábase. Essa rocha vulcânica é muito abundante no planeta, o que a torna muito barata. Assim, em relação ao preço, esse tipo de lã costuma ser um dos mais em conta.

No entanto, também tem alguns problemas importantes. Ela não lida com a radiação de calor, não é passível de reciclagem e é dependente da mineração, uma indústria ainda muito pouco sustentável.

Lã de PET

O PET é um plástico presente em diversos processos produtivos, principalmente nas embalagens. Geralmente, é descartado no meio ambiente, mas pode ser reciclado. As lãs de PET ecológicas reaproveitam o material descartado. Por isso, são tidas como uma modelo sustentável.

Porém não devemos analisar somente um critério na hora de avaliar o impacto ambiental de um produto. Esse tipo de isolamento é ineficiente quando comparado a materiais capazes de lidar também com a transmissão de calor por radiação. Além disso, elas não oferecem nenhuma proteção adicional contra o fogo nos incêndios.

Sprays

Os sprays se apresentam como uma solução de fácil e barata aplicação, mas, junto com as espumas, sejam a pior opção. Afinal, comparados a todos os outros materiais, são uma das opções de menor eficiência.

Além disso, eles são feitos a partir de um polímero chamado de poliuretano. Quando ele entra em contato com o fogo, libera um gás tóxico que provoca asfixia. Lembra da tragédia da Boate Kiss em Santa Maria? Muitos especialistas avaliam que o material foi o principal fator para agravar o acidente. Apesar de serem anti-chamas na mesma classificação do 3TC Isolamento, eles emitem essa fumaça tóxica, que o 3TC não emite, sendo assim mais seguro.

Espumas

As espumas podem ser fabricadas a partir de uma grande diversidade de polímeros orgânicos, inclusive o poliuretano. Quando não recebem o tratamento certo, também são altamente inflamáveis, contribuindo para o alastramento do fogo em incêndios. Também, podem liberar fumaças tóxicas para o homem.

Às vezes, são escolhidas pela velocidade de aplicação, mas novamente os riscos não compensam a economia. Ademais, são muito frágeis, podem ser rompidas com pequenos atritos, acumulam mofo, poeira e ácaros.

EPS anti-chamas

O EPS é um polímero orgânico altamente seguro e eficiente para o isolamento térmico. Ele consegue impedir grande parte da condução física de calor, apesar de não agir muito sobre a radiação.

Ao contrário do isopor tradicional, também feito com EPS, ele recebe uma série de aditivos químicos e passa por um processo industrial diferenciado. Ao final, temos um material capaz de cortar as chamas durante o início de um incêndio, assim como as lãs de rocha e de vidro. Assim, ganha-se tempo para que ele seja controlado.

Também, apesar de impermeáveis, as lãs não apresentam a vantagem da impermeabilidade. Ou seja, deixam a água passar por a estrutura em vez de escoá-la. Já o EPS também é totalmente inerte e também impermeável. Dessa forma, é mais uma estrutura para proteger a construção de infiltrações.

Quais soluções a 3TC utiliza?

Para desenvolver o melhor produto, a 3TC oferece uma lâmina moderna com tecnologia desenvolvida na NASA para as roupas dos astronautas. Essa técnica foi desenvolvida para obter um bom isolamento térmico, resistente às variações bruscas de temperatura no Espaço.

Para isso, dois dos tipos de isolamento citados acima foram combinados, as lâminas refletivas e o EPS. Assim, é possível atuar sobre as três formas de transferência de calor em um ambiente. Daí, vem o nome do material 3TC.

Um dos grandes diferenciais do 3TC são é aplicação de duas faces flexivas, é possível desviar até 90% da radiação e também oferecer mais resistência às mantas. Já o EPS vai agir eficientemente na condução de calor e trazer alguns benefícios adicionais, como proteção acústica e resistência a chamas.

Quais vantagens de contratar uma empresa de isolamento térmico especializada?

Primeiramente, temos ampla experiência na aplicação da 3TC em diversos contextos residenciais, comerciais e industriais. Então, certamente você terá um parceiro excelente em todas as etapas do seu projeto.

Ademais, nosso objetivo não é só fornecer e instalar o 3TC, buscamos oferecer uma consultoria completa para que você possa ter o máximo de sucesso na sua estratégia de isolamento. Nós vamos à sua empresa e vemos todos os pontos que geram ineficiência térmica e propomos correções.

Uma empresa não especializada tem grandes chances de oferecer um serviço de má qualidade, pois elas têm de focar em diversos produtos diferentes. Assim, dificilmente, oferecem a melhor solução para você.

Outro grande diferencial da 3TC é o próprio produto, o único no mercado capaz de agir sobre as três formas de transmissão de calor com eficiência. Então, garantimos que você não estará pensando em trocar o seu sistema nos próximos anos, como acontece frequentemente com as espumas e as lãs. Portanto, somos a melhor empresa de isolamento térmico, pois temos os melhores serviços e utilizamos os materiais mais modernos.

Quer saber mais sobre como podemos auxiliá-lo no seu projeto? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

 

Para permitir o progresso, a ciência desenvolve componentes e materiais que viabilizam diversas soluções. Ao falar em exploração do espaço, o Mylar é um dos itens relevantes. Em forma de película, é esse elemento que ajuda a resolver vários problemas de equipamentos que estão fora da atmosfera terrestre.

Muita gente não o conhece, mas ele se baseia em uma aplicação simples. Inclusive pode ser adotado no cotidiano e é capaz de gerar grandes benefícios quanto ao conforto térmico. Ao saber mais sobre ele, você tem a chance de explorar um dos recursos importantes para a ciência.

Para não ter dúvidas sobre esse elemento, vamos apresentar o que é o Mylar e por que ele tem tanta relevância. Confira!

O que e como essa película funciona?

Entender a composição dessa película é essencial para descobrir de que se trata. De forma simples, podemos dizer que o Mylar é uma espécie de filme de poliéster. Suas fibras de alta tecnologia são produzidas com polímero estirado. É, portanto, uma película feita com plástico trabalhado para criar fibras de baixa espessura e que se arranjam de um jeito específico.

Apesar de sua espessura bem fina, ele apresenta atuação diferenciada. Além de suportar grandes tensões, tem elevada estabilidade e boa resistência química. No entanto, sua maior característica é a refletividade.

O tratamento dado a essa película faz com que ela receba um aspecto metalizado. Isso garante a reflexão dos raios solares, que não conseguem penetrar nas fibras do material. Então, é uma forma de obter isolamento térmico.

Como foi o Mylar foi desenvolvido ?

O desenvolvimento do Mylar aconteceu após a consolidação do uso de polímeros na economia. Com a popularização dos polímeros, novas formas e soluções foram buscadas.

Na década de 1950, diversas indústrias norte-americanas começaram a trabalhar com o material. Após o estiramento das fibras plásticas, foi possível conquistar um resultado inicial em relação ao que existe hoje.

Em 1955, a película passou a ser usada em filmes fotográficos de escala comercial. Porém, foi nos anos seguintes que ganhou aplicações inovadoras — principalmente por conta da espessura finíssima em que foi empregada.

Qual a importância do Mylar para a Nasa?

O uso do Mylar ganhou força a partir da década 1960. Foi em 1964 que a Nasa utilizou o material com apenas micrômetros de espessura. O processo possibilitou o lançamento de um grande balão metálico que serviu como satélite.

Desde então, a película tem sido aprimorada e usada na agência. Foi diante desse cenário que surgiu o isolamento multicamadas (multi-layer insulation ou MLI, em inglês). Podemos dizer que é uma solução no estilo sanduíche: o Mylar é aplicado nas camadas externas e, no meio dele, há outros materiais que ajudam a garantir os bons resultados.

Esse conjunto é usado, principalmente, nas estações espaciais e nos satélites. A seguir, veja quais são os maiores benefícios da adoção da película na Nasa.

Isolamento térmico das estações espaciais

O objetivo do uso desse material é gerar isolamento térmico dos diversos componentes em órbita. Com a alta capacidade de reflexão, o Mylar impede o ganho de calor por conta da radiação solar. Graças à adoção da tecnologia MLI, ainda consegue prevenir processos de condução e convecção.

Como o ambiente pode ser um tanto hostil por causa das baixas temperaturas, o isolamento também é essencial para evitar a perda excessiva de calor. Além de garantir o funcionamento dos componentes em condições ótimas, é um jeito de manter o conforto dos astronautas.

Facilidade de manutenção

Outra razão para a utilização do Mylar é que ele tem facilidade elevada de aplicação e, portanto, de reparação. Caso ocorra alguma dificuldade ou um processo de perda ou ganho de calor, os próprios astronautas podem fazer os consertos necessários para manter a integridade da estrutura.

Em condições normais, ele não exige manutenção justamente por ser capaz de suportar grandes tensões. Mais que diminuir os custos, é um meio de obter máxima confiabilidade no projeto, o que também amplia a segurança.

Aumento de eficiência energética

Diante do isolamento térmico, a troca de calor pode ser impedida ou, ao menos, reduzida a níveis mínimos. Isso favorece o sistema de regulação de temperatura, o que permite manter a operação dentro dos níveis esperados.

É um jeito de aumentar o nível de eficiência energética, o que é importante para as estruturas espaciais. Com menor exigência de controle de temperatura, há menos riscos de sobreaquecimento ou congelamento de componentes ou de sobrecarga do sistema. Não é à toa que a Nasa utiliza esse componente como uma maneira de obter resultados melhores.

Excelente custo-benefício

A maior parte dos componentes de satélites e estações espaciais custa milhares ou até milhões de reais. Então, buscar soluções que contemplem as necessidades de maneira menos onerosa faz parte do desenvolvimento da Nasa.

Embora envolva muita tecnologia, a película feita com fibras de polímero pode ser considerada econômica — principalmente se avaliarmos o seu bom desempenho. Então, ela se transforma em uma alternativa especialmente atraente, eficiente e capaz de atender às necessidades.

E qual é a aplicação cotidiana?

Embora o Mylar seja essencial para a ciência e tenha empregos que vão ao espaço, ele também pode ser utilizado no cotidiano. Com uma aplicação comercial simplificada, oferece resultados tão positivos quanto aqueles obtidos em satélites e em estações espaciais.

É o caso de uma solução de isolamento térmico. Tanto em casos de mantas térmicas quanto de placas, o conceito se baseia no uso de camadas. Do lado de fora, o Mylar é aplicado para garantir a reflexão dos raios solares. Assim, é possível impedir o aquecimento por radiação, que é a maior vilã da transferência de calor.

Entre as camadas da película refletiva são adicionados componentes como o EPS, o qual forma uma barreira de ar. Isso impede a convecção e a condução, de modo a garantir o isolamento completo. De maneira simples, é como utilizar a proposta de uma garrafa térmica para deixar ambientes protegidos.

O Mylar é uma película refletiva de alta eficiência e que é essencial para a ciência. Otimizado e aplicado em grande escala pela Nasa, também pode fazer parte do seu cotidiano. Com um bom produto de isolamento térmico, podemos afirmar que surge a chance de explorar os resultados desse item.

Ainda tem alguma dúvida sobre o componente? Conte em nossos comentários e participe!

Quando o tema é o conforto térmico, é comum que surjam muitas dúvidas. Tanto em ambientes industriais quanto dentro de casa, não são poucas as questões sobre as soluções e os melhores meios de obter um espaço agradável. Quando a discussão aparece é quase impossível não citar os tipos de exaustores.

Com um funcionamento diferenciado em relação a ventiladores e outros componentes, os exaustores trazem uma promessa específica. Ao mesmo tempo, é preciso se preocupar se essa é, de fato, a alternativa mais efetiva para o problema do calor.

Para tirar as suas dúvidas, mostraremos quais são os principais tipos de exaustores, como cada um atua e se realmente resolvem o problema do calor. Entenda!

O que são e como funcionam os exaustores?

Esses são equipamentos instalados no teto ou em uma parte alta do ambiente. Com o uso de hélices, coifas e outros componentes, ajudam a garantir a ventilação no espaço.

O processo é feito por meio da eliminação do ar quente que fica em cima e que é substituído pelo que está no lado de fora. Isso renova as correntes de ar e oferece uma troca para deixar o local mais agradável. Também são muito utilizados para expelir gases, odores e outras impurezas que podem contaminar o ar.

Os exaustores são diferentes dos ventiladores porque o processo que eles executam não é percebido por quem está no lugar. Para completar, não criam correntes direcionadas — em vez disso, distribuem o “novo” ar pelo ambiente.

Quais são os principais tipos de exaustores?

Embora o funcionamento seja semelhante em todas as opções, há diversas possibilidades quanto ao seu uso.  Voltados para variados usos, é preciso entender qual é item certo para cada necessidade. Conheça os tipos de exaustores disponíveis no mercado:

Domésticos

Como o próprio nome indica, os exaustores domésticos são voltados para a utilização em ambientes residenciais, em que a exigência de troca de ar tende a ser menor. Normalmente, são posicionados no ponto mais alto de uma parede do local e promovem a movimentação das massas de ar.

Podem ser adotados em garagens, galpões, sótãos e até porões. O uso em cômodos como sala de estar e quarto não é impossível — apenas não é tão comum por causa da aparência do equipamento.

Exaustor de cozinha

Um exaustor de cozinha tem o objetivo específico de ajudar a dissipar gases próprios da culinária, bem como a gordura e outras impurezas. É especialmente necessário para impedir que a fumaça formada por frituras se espalhe e suje o ambiente ou outros cômodos. Também expulsa o cheiro.

Uma coifa colocada para fogão pode ser considerada um tipo de exaustor de cozinha. O mesmo vale para os elementos posicionados no topo da parede equivalente.

Exaustor para banheiro

Já o exaustor de banheiro ajuda a eliminar odores e, principalmente, o vapor produzido pelo banho. O grande objetivo é impedir que a umidade se propague no cômodo, pois é algo com potencial para causar mofo.

É uma opção especialmente utilizada em suítes, já que a umidade pode danificar roupas no quarto ou no closet, por exemplo.

Exaustor industrial

A versão industrial é bem mais potente, por causa do tamanho da área a ser coberta. Se for do tipo “tradicional”, visa garantir a expulsão de algumas impurezas e, principalmente, a diminuição de temperatura.

Normalmente, vários exaustores são utilizados em fileiras e colunas, de modo a reduzir parcialmente o calor e obter condições ergonômicas de trabalho.

Exaustor centrifugo

Em tipos de exaustores avançados, não podemos deixar de citar os centrífugos. Eles têm uma capacidade de “vazão” muito grande e conseguem eliminar um volume intenso de gases.

São usados em certas indústrias, como siderúrgicas, petroquímicas e demais opções de transformação. Além de evitar a contaminação do ambiente, impedem acidentes diversos.

Exaustor axial

Os axiais também têm grande capacidade, mas não servem para liberar gases. Em vez disso, fazem trocas intensas e rápidas da quantidade de ar. Exaustores axiais são aplicados, normalmente, em espaços de elevada circulação.

Locais movimentados, como os de carga e descarga de uma loja multimarcas podem explorar essa possibilidade.

Exaustor Eólico

Muito usados em indústrias, comércios de grandes proporções e clubes, os eólicos movimentam-se com a força do vento. Conforme as correntes de ar batem na estrutura, fazem as hélices girar e promovem a troca.

Vários desses exaustores têm funcionamento misto, para que fiquem em atividade mesmo quando não há vento o bastante.

Afinal, os exautores resolvem o problema do calor?

Embora os diferentes tipos de exaustores busquem a substituição do ar de dentro com o de fora, não podemos afirmar que são efetivos contra o calor. O motivo é bem simples: eles não são responsáveis por fazer uma refrigeração do ar. Como apenas trocam o de dentro com o do exterior, não ocorre uma queda real de sensação térmica.

Vamos pensar em um dia de verão: quando os exaustores são acionados, eles podem até oferecer alguma ventilação. No entanto, o ar que “puxam” de fora e que jogam para dentro também está quente, por causa das altas temperaturas. Então, por mais que tragam um alívio, é algo limitado.

Frequentemente, inclusive, os exaustores têm que ser conjugados a outras opções de climatização. Com isso, são muito úteis para garantir a qualidade do ar, mas não para reduzir a temperatura de forma efetiva.

Como conquistar efetividade para solucionar a questão?

Se, por um lado, os tipos de exaustores não resolvem o problema do calor, por outro lado há outras alternativas mais convenientes, como o ventilador, o ar-condicionado ou o revestimento térmico. O isolamento térmico tem a grande vantagem de impedir que o calor penetre no ambiente, em primeiro lugar.

O funcionamento é como o de uma garrafa térmica. Com o uso de mantas e/ou placas especiais, o telhado e/ou as paredes são revestidas, como consequência não ocorre um aumento tão intenso da temperatura.

Para que a solução seja efetiva, entretanto, é necessário combater todas as formas de transmissão de calor. A condução acontece por contato e é importante, assim como a convecção. No entanto, a radiação é a grande vilã. Então, é preciso ter um material que também sirva para refletir os raios solares e impeça o aquecimento excessivo.

Os tipos de exaustores atuam em diversos locais e são boas soluções para eliminar gases, impurezas e odores. Quanto ao conforto de temperatura, entretanto, uma solução que impeça a entrada do calor excessivo ao ambiente deve ser considerada.

Que tal ter muitas outras dicas para conquistar os ambientes climatizados? Acompanhe nossas publicações no Facebook, LinkedIn e YouTube para não perder nada!

Quem trabalha com construção civil sabe o quanto é importante diminuir as imprevisibilidades. Tudo isso para conseguir concluir a obra dentro de um prazo e de um orçamento predeterminados. Diante desse desafio, é fundamental encontrar meios que facilitem o trabalho no canteiro de obras sem que prejudique a qualidade da edificação a ser construída. Uma das que se destacam é a utilização do steel frame.

Dentre as várias soluções existentes no mercado, o steel frame vem ganhando espaço na construção civil brasileira. A popularidade vem aumentando devido às várias vantagens que esta tecnologia proporciona. Bastante utilizado nos países mais desenvolvidos, como Estados Unidos, Japão e grande parte do continente europeu, esse método construtivo consegue ser ecologicamente sustentável e de alto desempenho.

Ao ler este artigo, você descobrirá o que é o steel frame e as suas principais vantagens e desvantagens. Confira!

O que é steel frame?

O steel frame é um sistema construtivo caracterizado pelos materiais que utiliza. É comum a utilização de perfis de aço galvanizado na estrutura de paredes, vigas e outros elementos que suportam as cargas de uma edificação. Também conhecida como construção a seco, essa tecnologia praticamente não utiliza água no canteiro de obras. A exceção à essa regra é a etapa de fundação que ainda necessita de água no processo.

Historicamente, o steel frame surgiu como uma evolução do wood frame (estrutura de madeira). Isso se deve ao fato de ambos os sistemas utilizarem o mesmo princípio, sendo que o mais antigo utiliza a madeira como componente estrutural. Esse sistema utiliza perfis de aço leve com alguns revestimentos. Alguns exemplos são o OSB e o drywall. Para garantir melhor eficiência térmica e acústica, é imprescindível a utilização de material isolante.

Além disso, esse método construtivo é amplamente industrializado, o que garante um canteiro de obras sem resíduos. Ou seja,  Sustentabilidade garantida. Ademais, o steel frame possui o mínimo de desperdício e total previsibilidade dos custos, uma vez que os quantitativos são totalmente precisos.

→ SAIBA TUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DO 3TC ISOLAMENTO EM STEEL FRAME!

 

Como funciona esse elemento construtivo?

Muitos profissionais da construção civil têm desconfiança e desconhecimento sobre tecnologias novas. Isso se deve pelo fato de o concreto armado com fechamento de alvenaria ainda ser o principal método construtivo utilizado no Brasil. Por isso, é importante saber como o steel frame funciona. Afinal, esse sistema proporciona mais qualidade e economia, além de apresentar um resultado visual semelhante, num cronograma mais curto.

Paredes externas

Um dos maiores preconceitos existentes no Brasil em relação ao steel frame é a baixa qualidade das paredes, que se acredita serem facilmente destruídas. Entretanto, isso não passa de um falso mito, pois é possível utilizar uma combinação de diversos elementos para proporcionar mais resistência a esse componente.

Os elementos mais utilizados como fechamento das obras em steel frame são:

Oriented Strand Board (OSB)

OSB é a sigla em inglês para painel de tiras de madeira orientada. Como o próprio nome já explica, esse material é constituído por tiras sobrepostas de madeira de reflorestamento, organizadas em uma mesma direção. A cada camada ocorre a alteração do sentido das lascas, de modo a gerar um produto resistente, com ótima propriedade de isolamento.

Placa cimentícia

Produzida por meio de uma mistura homogênea de cimento Portland e fibras sintéticas, a placa cimentícia é um material que apresenta grande durabilidade, versatilidade e facilidade no manuseio. Além disso, ela permite o revestimento com grande variedade de acabamentos.

OSB + placa cimentícia

Além do fato de essa combinação aproveitar as vantagens dos dois materiais, ela proporciona uma resistência ainda maior à estrutura do steel frame. Afim de descrever, separamos este vídeo da 3TC Isolamento de uma entrevista com um de nossos clientes. Além do relato, ele também aborda esse método construtivo:

 

Painéis de alumínio composto (ACM)

Produzido a partir de um núcleo de polietileno colado a duas placas de alumínio, o ACM é um material leve e durável. Por conta de suas características, é muito utilizado no acabamento de fachadas.

Paredes internas

Com uma estrutura semelhante à usada no fechamento externo, as paredes internas de steel frame recebem o nome de drywall pelo fato de serem constituídas por placas de gesso cartonado.

Ao utilizar uma fita niveladora para eliminar as emendas existentes entre as placas, cria-se uma parede totalmente plana, a qual pode receber qualquer tipo de acabamento — inclusive cerâmica, porcelanato, pedra e madeira.

Ao contrário das divisórias de drywall, as paredes de steel frame que utilizam esse material são mais robustas e resistentes devido ao contraventamento dos perfis de aço leve.

Lajes

É possível utilizar o steel frame como componente estrutural de uma edificação. Para isso, será preciso reforçar esse elemento para suportar os esforços que serão exercidos sobre ele.

Assim, uma laje construída utilizando esse processo construtivo é constituída por uma estrutura de aço galvanizado, reforçado com um contrapiso armado. Além disso, o fechamento é feito utilizando placas de OSB e o acabamento desejado. Normalmente, utiliza-se lã de vidro para fazer o isolamento acústico.

Cobertura

Nos últimos anos, houve aumento considerável do uso do steel frame nas coberturas. Afinal, esse método construtivo proporciona algumas vantagens em relação à madeira, como imunidade a parasitas, maior leveza e melhor resistência estrutural. Além disso, os perfis de aço galvanizado apresentam mais facilidade para vencer grandes vãos.

Quais são as vantagens do steel frame?

Como é possível perceber, o uso do steel frame proporciona diversas vantagens em um canteiro de obras. Pelo fato de ser um método construtivo industrializado, ocorre diminuição das imprevisibilidades da construção, uma vez que se aumenta a precisão dos processos e diminui-se o tempo para que a empreitada seja concluída.

Além disso, há economia no uso da água, pois utiliza um processo construtivo a seco. Este método é diferente do tradicional método do concreto armado com fechamento de alvenaria. Outro ponto positivo é a redução de desperdícios e entulhos produzidos no canteiro de obra.

Pelo fato de a estrutura do steel frame ser modular, a manutenção é facilitada. Caso ocorra um problema nas instalações hidráulicas ou elétricas, apenas é necessário retirar a placa para fazer conserto. Finalizado o trabalho, basta recolocá-la em seu lugar.

Esse tipo de edificação também apresenta elevada vida útil, a qual pode chegar a 300 anos.

Quais são as desvantagens do steel frame?

Apesar de o uso do steel frame proporcionar diversas vantagens à construção de uma edificação, existem alguns pontos negativos que atrapalham a disseminação de seu uso em nosso país. Uma das principais desvantagens é o custo, pois ele ainda é superior ao observado nas obras tradicionais. Por isso, o seu uso é recomendado apenas quando se tem pressa para que a construção fique concluída rapidamente.

Outro ponto a ser considerado é a escassez de mão de obra especializada. Como tal processo construtivo não permite erros em seu planejamento e execução, é preciso que a equipe de obras seja treinada para executar esse tipo de instalação.

No entanto, o que mais atrapalha a propagação do uso desse método construtivo é a barreira cultural existente no Brasil. Afinal, devido à desconfiança de muitos profissionais e clientes, ainda é comum priorizar o uso dos métodos tradicionais da construção civil.

Apesar disso tudo, o uso do steel frame ainda é uma ótima solução para a construção civil brasileira. Por meio dele, é possível obter obras organizadas, previsíveis, com menos desperdícios e céleres.

Agora que você sabe o que é o steel frame, que tal aprender um pouco mais sobre mantas e isolantes térmicos? Até mais!

Ter privacidade domiciliar é um bem almejado por muitas pessoas. Principalmente para aquelas que se incomodam com ruídos e sons externos intensos. Nesse contexto, aprender sobre o que é isolamento acústico e quais as formas de realizá-lo torna-se essencial, uma vez que é a partir dessa técnica que se consegue diminuir a intensidade com que o som propaga para um ambiente.

Deste modo, isolamento acústico nada mais é do que a capacidade que certos materiais possuem de bloquearem o som entre ambientes diferentes. Em outras palavras, é o isolamento do som externo a partir de uma barreira física composta por materiais densos. Cabe destacar também que quanto maior o peso do componente dessa barreira, maior será o seu nível de isolamento acústico.

Sendo assim, entenda mais sobre como se faz o isolamento sonoro e quais são as suas vantagens.

Os malefícios de sons intensos

Sons com intensidade acima de 65 dB já podem ser prejudiciais à saúde. Além disso podem acarretar em perda gradual auditiva e irritações no ouvido quando a exposição é excessiva. Para essas ocasiões, essencialmente se a fonte sonora for externa ao ambiente, o isolamento acústico passa a ser uma boa solução.

Vantagens do isolamento acústico

Providenciar a utilização dessa técnica traz diversas vantagens, seja para ambientes residenciais, seja para empresas e laboratórios de pesquisa. Conheça algumas delas a seguir.

Privacidade

Como já mencionado, um ambiente com boa privacidade necessariamente precisa ter um conforto sonoro satisfatório. Isso porque ruídos externos quando intensos atrapalham a convivência e alteram a rotina natural de uma casa.

Qualidade de vida

Sons de alta intensidade além de incomodarem (inclusive ocasionando mudanças repentinas de humor) são prejudiciais à saúde, pois, podem causar doenças no sistema auditivo.

Qualidade do som ambiente

Competir com ruídos externos para tentar manter uma conversa em casa, ou até mesmo escutar uma música, é extremamente desagradável. Dessa forma, o isolamento acústico de fato potencializa a qualidade do som ambiente, evitando assim poluição sonora.

Diferença entre absorção sonora e isolamento acústico

A absorção sonora é o processo feito por materiais que transformam a energia sonora em térmica e mecânica. Exemplificando, absorvedores não isolam o som, eles têm a capacidade de atenuarem diferentes fontes sonoras inseridas num mesmo ambiente, melhorando dessa forma a qualidade do som local.

Diferentemente dos materiais que realizam o isolamento, os absorvedores são mais eficientes quanto menor for a sua massa e densidade. Deste modo, outra característica importante a se destacar nos absorvedores é a presença de poros em sua composição, justamente para que as ondas sonoras passem sem serem refletidas.

Materiais

São as características físicas dos materiais que determinam qual será o comportamento da onda sonora ao incidir sobre a sua superfície. Consequentemente, diferentes materiais originam em diferentes processos sonoros.

Isolantes

Devem ter muita massa, duros e de superfície lisa. O aço, concreto, gesso, tijolo maciço, madeira e chumbo são bons exemplos de materiais para isolamento acústico, já que impedem a transferência sonora devido à dificuldade de propagação do som nesse meio.

Refletores

Minimizam a reverberação sonora (quando as ondas são refletidas de forma reiterativa) e ainda podem ser isolantes. Sua propriedade principal é a superfície lisa, encontrada em pisos de cerâmica, algumas madeiras, massa corrida.

Difusores

Materiais difusores conseguem espalhar as ondas sonoras, sendo usados sob específicas angulações para que não ocorra eco ou reverberação. Lambris, forros com poros, 3TC e pedras são exemplos de difusores.

Absorventes

Os materiais classificados como absorventes recebem o som e dissipam sua energia de vibração. Vale lembrar que estes materiais transformam a energia sonora em energia térmica (calor). Componentes que realizam a absorção acústica devem ser leves, de baixa densidade e espessos, como as espumas, lã de vidro, lã de rocha, feltros ou outros semelhantes que possuem poros e muita espessura.

Formas de aplicação do isolamento acústico

Existem diversas maneiras de se realizar o isolamento acústico, que são determinadas a partir de parâmetros financeiros, nível de isolamento e intensidade do som a ser isolado.

Parede dupla

A técnica de duplicar uma parede e deixar um espaço com ar entre elas é antiga e muito utilizada na hora de realizar o isolamento acústico. A explicação para a sua eficácia está no fato da onda sonora ficar aprisionada nessa câmara de ar existente. Essa característica garante que o som terá dificuldades para se propagar, criando o efeito de isolamento acústico.

Parede de gesso

Bastante utilizada em hospitais e hotéis, a parede de gesso também é uma boa medida para isolar ruídos externos, já que é de fácil instalação, pode ser montada por meio de perfis mais largos e ainda ser preenchida com lã de vidro.

Manta acústica

A manta acústica é um componente autoadesivo aplicada nas regiões onde há maior propagação sonora oriunda de ambientes externos. Sua grande vantagem é a versatilidade, pois, pode ser customizada e instalada em diversos ambientes, inclusive no interior de automóveis. Os materiais mais comuns para a fabricação de uma manta acústica são: lã de rocha; lã de vidro e espuma de poliuretano.

Como identificar o melhor tipo de isolamento acústico

Para especificar qual será a melhor maneira de realizar o isolamento sonoro de uma determinada localidade é preciso levar em conta vários fatores. Como mencionado, é preciso analisar a área que receberá o isolamento, a frequência e a intensidade do som externo a ser minimizado e a disposição física do ambiente; estes são os principais parâmetros que devem ser analisados.

Vale ressaltar que esse estudo só é feito com qualidade por um especialista da área. Ou seja, ao necessitar de um isolamento acústico, é prudente a busca de ajuda profissional, para que assim todos as questões técnicas sejam devidamente averiguadas.

Sendo assim, depois de entender com clareza o que é isolamento acústico e como ele é feito (destacando sua simplicidade e rapidez na instalação), é fácil perceber o quão vantajosa essa técnica é, seja para residências, seja para empresas. Principalmente porque garante privacidade, conforto sonoro ambiente e qualidade de vida, tudo isso a partir de um acessível investimento financeiro.

ABNT 15575

A norma técnica da ABNT fala de desempenho térmico e acústico em relação aos materiais e às técnicas construtivas adotadas na construção, afim de assegurar a qualidade do produto final. Ou seja, a norma vem para proteger consumidores e investidores do ramo imobiliário na hora de comprar ou alugar uma casa, apartamento, escritório, e outros tipos de edificações. Se quiser saber mais, fizemos um post bem explicativo, dedicado a essa norma, que impacta a todos os projetos aprovados depois de Julho de 2013.

Qual a melhor opção para minha necessidade?

Primeiramente, vale lembrar que cada tipo de projeto acústico é único. Esta característica é importante pois cada tipo de construção, cada ambiente,e especificação de necessidade vai precisar de tecnologias e intervenções diferentes. Como por exemplo, o isolamento de um estúdio de gravação é bem diferente de uma parede ou sótão de uma casa. Da mesma forma, também é diferente para um local que quer impedir que o som saia daquele ambiente, para um local que a necessidade é não deixar o som entrar. Outro ponto importante é se o ambiente está na fase de projeto ou se é uma reforma. São muitas variáveis a serem consideradas na hora de especificar em projetos e intervenções. Caso queira ver isolamento acústico ao extremo, conheça o quarto mais silencioso do mundo:

Insonorização

Algumas pessoas também chamam o isolamento acústico de insonorizarão. Resumidamente, significam a mesma coisa. O isolamento ou insonorizarão ideal vai sempre unir diferentes tipos de tecnologias construtivas e também de isolamento. Ou seja, cada um vai desempenhar um papel diferente no processo da atenuação acústica ou isolamento acústico. O ideal é sempre criar uma sequência de obstáculos para o som ter mais dificuldade de se propagar. Pelo modo que o som se propaga, é necessário que o espaço fique confinado. É importante eliminar frestas entre os fechamentos, pois isso pode prejudicar todo o isolamento/tratamento acústico.

Em estúdios de gravação, teatros, e outros locais similares, o ambiente em si é modificado, pois precisam da otimização sonora. Ou seja, melhorar o alcance do som sem perder a qualidade, diminuindo a formação de eco. Entretanto, alguns desses lugares precisam conter o som também. Por isso alguns lugares possuem estruturas anguladas que dissipam a onda sonora afim de não deixá-la passar adiante.

Gostou de saber mais sobre isolamento acústico? Então, comente no post e compartilhe a sua experiência em relação a esse assunto.