Posts

Os containers são soluções muito práticas quando falamos sobre transporte aéreo ou marítimo de cargas pesadas. Nos últimos anos, eles se tornaram popular graças à existência da casa container. Essa nova opção de moradia apresenta características únicas e diversos benefícios.

Para vencer o ceticismo sobre essa alternativa, o melhor é entender quais são as qualidades do ambiente e como é possível torná-lo confortável e conveniente. Assim, você compreenderá quais são os motivos para a popularização dessa escolha em todo o mundo.

A seguir, preparamos um guia com tudo o que precisa saber sobre a casa container e suas qualidades. Confira!

O que é uma casa container?

Quando falamos em casa, é comum associar à ideia construtiva padrão, que envolve alvenaria e soluções semelhantes. No entanto, hoje existe a casa container. Como o próprio nome diz, trata-se de um projeto de moradia que se baseia na transformação e no aproveitamento de um espaço de container.

De transportador metálico de cargas, o item passa a oferecer as bases para as paredes, o teto e o piso de um lar. Então, estamos falando de uma casa que é construída de maneira inovadora, com técnicas diferentes, mas que gera uma experiência final similar.

Quais são os tipos de casa container?

Como cada morador tem uma necessidade, há distintos modelos de casa container. Eles variam tanto em relação ao tamanho quanto à execução do projeto. Ao conhecer as alternativas, é possível definir o que faz mais sentido para a sua realidade.

Pensando nisso, veja quais são os tipos ligados a essas residências e conheça suas principais características.

Simples

Uma casa container simples utiliza, normalmente, apenas uma estrutura metálica. Trata-se de uma moradia compacta, mas que pode conter todos os cômodos normais, como banheiro, quarto e cozinha. Se o container for um pouco maior, há espaço separado para a sala.

É a opção ideal para quem deseja ter um estilo de vida minimalista, mas que ainda garante conforto e muita segurança.

Dois andares

Ao pensar nas dimensões de um container, o teto é relativamente baixo, pois não passa de 3 metros. A casa container de dois andares envolve duas estruturas empilhadas e que ganham altura. Isso é ótimo para driblar a dificuldade quanto ao tamanho do teto, além de garantir espaço.

A alternativa pode incluir a existência de um mezanino, por exemplo. O projeto pode ganhar a cara de loft ou, então, apresentar um visual que se assemelhe a uma casa maior e mais robusta.

Vão livre

Apesar de o empilhamento ser uma característica comum nas versões com mais de um andar, ele não precisa ocorrer totalmente alinhado. É possível usar as peças em posições perpendiculares e mesmo criar uma casa com vão livre.

O projeto arquitetônico requer especial cuidado para equilibrar os pesos, mas é uma alternativa que garante modernidade. Em geral, é uma opção para aproveitar melhor o terreno e a área ao ar livre.

Quais as características da casa container?

Esqueça-se da ideia de uma casa container tem aquele aspecto puramente metálico, com as indicações da carga sobre um fundo laranja ou azul. A verdade é que esses projetos são cada vez mais robustos e modernos, com características que os tornam especiais.

Cada residência tem suas particularidades, como acontece na alvenaria, mas temos a chance de identificar alguns pontos que aparecem com frequência. Veja quais são eles!

Construção modular

Toda casa container funciona com base na construção do tipo modular. Como os containers têm medidas padronizadas, nem sempre eles atendem fielmente a uma necessidade. Para reverter a situação, é interessante pensar no “encaixe” de diversas peças, de acordo com o projeto.

Os containers podem ser empilhados, justapostos ou interligados e cada um funciona como um módulo. Assim, as moradias ganham geometrias únicas, embora algumas se aproximem de modelos “tradicionais”.

Otimização de espaço

Outro ponto crucial para um projeto dar certo envolve a otimização de toda a área disponível. Em uma casa como essa, não existe cantinho que seja deixado de lado ou ponto que fique esquecido entre os cômodos.

A ideia é maximizar o uso do ambiente, inclusive ao criar espaços multifuncionais. Isso adiciona um toque importante de modernidade e torna o ambiente mais agradável. É uma maneira de, até mesmo, atender às principais necessidades.

Layout aberto e integrado

Como os containers são módulos abertos, é muito comum que essa característica seja aproveitada. O layout costuma ser altamente integrado, com vários ambientes dividindo o mesmo lugar. Isso serve para aproveitar a iluminação e para dar a sensação de amplitude — o que combate a ideia de local confinado.

Dependendo do caso, é possível utilizar divisórias para criar certos ambientes, como quartos ou banheiro. Por outro lado, é comum que haja integração com a área externa, como por meio de grandes janelas e portas de correr.

Ventilação potencializada

Para tornar o ambiente ainda mais agradável, muitas construções desse tipo consideram a necessidade de potencializar a capacidade de ventilação. Isso é possível, principalmente, graças à continuidade oferecida por um layout aberto.

Várias opções de casa container também contam com uma grande quantidade de janelas e portas, o que adiciona versatilidade e permite uma circulação de ar que torne a efetividade ainda maior.

Cômodos unitários

Para quem busca uma alternativa muito mais moderna, é possível investir em uma residência baseada em cômodos unitários feitos de containers. A ideia é criar espaços individuais e divididos, embora tenham algum tipo de interligação.

É uma ótima opção para locais menores ou quando há um desejo reforçado quanto à privacidade. Nesse caso, é comum usar mais de 3 containers, com diferentes dimensões e características.

Como funciona esse projeto?

Não há mistérios ao falar no “funcionamento” de uma casa container. Morar nela é como na maioria das residências tradicionais, mas a construção e a implementação merecem destaque.

Em termos de projeto, é interessante conhecer o que o aguarda caso escolha essa modalidade. Veja mais sobre o funcionamento!

Levantamento das necessidades e preferências

Assim como em um imóvel de alvenaria, é crucial considerar quais são as principais exigências e escolhas. A ideia é entender o que faz sentido para tornar o ambiente interessante e adaptado à sua realidade.

Uma família com dois filhos, por exemplo, precisará de mais espaço que alguém que vive sozinho. Também há definições para manter o equilíbrio entre vantagens e desvantagens do container, de acordo com cada morador.

Escolha das soluções construtivas

A partir disso, são selecionadas as técnicas e os processos construtivos que ajudarão o projeto. É o caso de pensar em questões como a criação da fundação para a residência, o design arquitetônico e os acabamentos que serão adotados.

É muito importante ter um escopo definido com tudo o que precisa ser feito e em qual ordem, até mesmo para obter um projeto eficiente. A escolha das soluções também pode variar segundo os desafios encarados.

Aquisição dos containers e demais materiais

Com as principais decisões tomadas, é o momento de comprar os containers com as dimensões, a área e as características desejadas. Eles podem ser novos ou usados, mas é preciso ter atenção com o que foi transportado. Em geral, a única restrição é sobre as cargas tóxicas, mesmo após higienização.

Também há a compra de outros materiais, como os itens de acabamento e até de isolamento térmico. Vale considerar as necessidades específicas quanto a esse tipo de estrutura, além de pensar em características pontuais do projeto.

Utilização plena do espaço

O funcionamento, em si, envolve o máximo aproveitamento do lar, de acordo com o cotidiano de seus moradores. Em uma casa container, você poderá aproveitar todas as comodidades que existem em um imóvel tradicional, como energia elétrica e serviços associados.

Algumas dessas casas funcionam de maneira móvel e, para isso, são construídas sobre uma plataforma que pode ser transportada. Mesmo que não seja o caso do seu projeto, é uma alternativa muito prática e repleta de boas características.

Quanto custa?

O custo de uma casa container depende do tipo de projeto escolhido e das características. Ele pode custar algumas dezenas de milhares de reais a valores maiores. Tudo depende do tamanho do projeto e da quantidade de containers utilizados.

No entanto, é possível ter uma ideia dos preços, de acordo com o tamanho e com as qualidades das peças estruturais. No geral, podemos definir que um container de 14m², sem revestimento, custa de R$ 10 mil a R$ 12 mil. A versão com revestimento varia de R$ 15 mil a 17 mil.

Opções maiores, naturalmente, custam mais. O container de 28m², sem revestimento, custa de R$ 16 a R$ 18 mil. Com revestimento, o valor sobe para R$ 22 mil a R$ 24 mil. Na maioria dos casos, containers um pouco mais antigos custam menos, sendo que podem ser recuperados com diversos processos.

Como é a montagem?

Outra dúvida muito frequente sobre a casa container trata da montagem desse lar. O processo é bem interessante e é dividido em etapas, como em uma obra “comum”. A diferença é que algumas etapas são exclusivas desse modelo e, por isso, exigem atenção especial.

Na sequência, vamos mostrar quais são as principais características e fases ligadas à montagem dessa casa. Confira!

Elaboração e regulamentação do projeto

Para começar, é importante montar um projeto com todas as características técnicas e indicações necessárias. O ideal é contratar profissionais especializados nesse tipo de solução — e hoje já é possível achar escritórios de arquitetura que constroem apenas com containers.

Também é essencial ter cuidado com a regularização da obra junto aos órgãos públicos. Uma casa container paga imposto como qualquer opção de alvenaria e é preciso ter a autorização adequada da Prefeitura para que tudo seja executado. Como cada município tem suas regras, os profissionais contratados devem se preocupar com a etapa.

Preparação dos containers

Em seguida, há um processo de preparação. Se for necessário, ocorre a terraplanagem do terreno e a consolidação de uma estrutura para garantir total segurança e estabilidade à residência.

Depois, o container é preparado para se transformar em lar. É comum que eles sejam lixados e revestidos por uma tinta especial antiferrugem. Se houver mais de um, há o corte das peças segundo o projeto e o encaixe por engate. Ao final, temos o layout pronto para ser trabalhado.

Instalações elétricas e hidrossanitárias

Com o container posicionado e capaz de receber as próximas etapas, há a execução de instalações elétricas e hidrossanitárias. Isso significa que toda a fiação é puxada de acordo com as necessidades, como pontos de iluminação ou tomadas.

Também são planejados os canos e componentes hidráulicos para tratamento de esgoto e fornecimento de água. Dependendo do projeto, é possível investir em aquecimento solar e reuso da água, com a estrutura totalmente adaptada ao espaço.

Elaboração dos revestimentos

Na sequência, são realizados os revestimentos no container, para deixar a casa com um aspecto semelhante aos lares tradicionais. Há a instalação do piso e do revestimento de teto e das paredes. É comum utilizar o Drywall, mas também há forros minerais, produtos de PVC e outras possibilidades.

Não podemos nos esquecer de que, em alguns casos, há uma preferência por deixar o projeto mais “cru” e sem tanto revestimento.

Finalização do projeto

Com essas etapas realizadas, é hora de se preocupar com o acabamento e com a entrega do local. Basicamente, são adicionados os móveis e os elementos de decoração, além de quaisquer outras características desejadas.

Com tudo concluído, o projeto está pronto para ser entregue e garantir que os seus moradores possam aproveitá-lo ao máximo!

Quais são as vantagens da casa container?

Você sabe por que essa alternativa tem se tornado tão popular? Nós explicamos: essa é uma opção repleta de benefícios e que pode transformar o seu conceito de lar. Com um bom projeto, a qualidade de vida é priorizada em todas as etapas e isso se reflete na experiência de moradia.

Além desse ponto, quer descobrir o que a casa container tem a oferecer? Veja, a seguir, quais são as suas maiores vantagens!

Maior sustentabilidade

Podemos dizer que esse tipo de construção aproveita materiais que ficariam parados ou seriam descartados. Afinal, muitos containers deixam de ser usados após algum tempo e param no lixo. Com esse tipo de lar, há um novo uso para essa “matéria-prima”.

Além disso, a construção é mais limpa, rápida e eficiente, o que gera menos gastos e desperdícios de recursos. Portanto, essa é uma alternativa que eleva o nível de sustentabilidade do projeto e que dá origem, até mesmo, a propostas verdes. É uma ótima saída para ajudar o meio ambiente e diminuir o impacto negativo nos recursos naturais.

Personalização completa

Outro ponto positivo é que uma casa container pode ser totalmente customizada. Ou seja, você tem a chance de criar um projeto do zero, de acordo com as suas preferências e com as necessidades.

Os containers são especialmente fáceis de trabalhar e podem ser cortados e encaixados com relativa simplicidade. Com isso, é possível ter um lar com a sua cara, sem ter que gastar tanto dinheiro quanto em uma alternativa de alvenaria.

Alta resistência

Pensa só: os containers são capazes de transportar cargas com várias toneladas, em diversas condições, durante anos. Então, é justo dizer que a matéria-prima é muito resistente e oferece grande durabilidade.

Além de tudo, há a realização de processos especiais de proteção, como a aplicação de tinta contra a ferrugem. Isso auxilia a manter o visual sempre interessante, com menos necessidade de manutenção ao longo do tempo.

Custos reduzidos

Dissemos que os gastos com um projeto desse tipo variam com as características, como tamanho e demandas específicas. No entanto, essa é uma alternativa mais barata que a alvenaria, nas mesmas condições.

Ou seja: construir uma residência de tijolo e cimento com as mesmas características de uma casa container gasta mais. Também é possível planejar o projeto para otimizar o consumo de energia e de água, o que reduz os gastos associados.

Conforto garantido

Não menos importante, você precisa saber que uma casa container é confortável quando o projeto é realizado corretamente. Com a atuação de profissionais especializados e com os recursos necessários, o lar fica muito agradável e não deve em nada para qualquer outro tipo de ambiente.

Além disso, é versátil e pode, até mesmo, adaptar-se às novas demandas. Se tiver espaço disponível no terreno escolhido, há como ampliar o ambiente de acordo com as demandas.

Qual é o papel e como fazer o isolamento térmico e acústico?

Um dos desafios de um projeto de casa container é a composição desse elemento. Como ele é totalmente feito de aço, tem uma elevada capacidade de conduzir calor. Para manter as boas características no ambiente, é essencial pensar no isolamento térmico e acústico.

O processo é feito com a instalação de uma manta ou de placas térmicas no que seriam as “paredes” do ambiente. Como consequência, é possível evitar a passagem de calor do ambiente externo ou a perda para o lado de fora. A seguir, mostramos a importância dessa decisão e como acertar na instalação!

Por que recorrer ao isolamento térmico e acústico?

Adotar uma solução do tipo é indispensável se você quiser deixar a sua casa container ainda melhor. Com um bom isolamento térmico e acústico, é possível aproveitar diversos benefícios. Veja quais são!

Maior conforto térmico

Com a solução certa, você evita passar muito calor no verão ou frio no inverno. Climatizando containers, há uma experiência melhor e com muito mais conforto térmico em relação ao ambiente.

Aumento da eficiência energética

Já que o ambiente ficará agradável, não será preciso gastar tanto com ar-condicionado ou ventiladores. Isso ajuda a melhorar a eficiência energética, o que reduz os gastos com a conta de luz e até aumenta a sustentabilidade.

Garantia de privacidade

Com o isolamento acústico, há uma elevação no nível de privacidade. Além de os sons do seu lar não se propagarem com intensidade para o lado de fora, você não será incomodado pelos barulhos externos.

Por que escolher a 3TC?

Depois de reconhecer a importância do isolamento térmico na casa container, é essencial recorrer à solução adequada. Assim, é possível obter o máximo potencial e garantir máximo desempenho.

Na hora de escolher uma empresa de isolamento térmico, a 3TC se destaca — e merece a sua atenção. Quer saber os motivos? Descubra!

Única no mercado a proteger de todos os tipos de transmissão de calor

Quando falamos nos tipos de isolamento térmico, é possível notar que alguns protegem contra condução, outros contra convecção e outros contra radiação. A 3TC, entretanto, oferece uma solução única e que evita a transmissão de calor pelas três formas. Assim, há muito mais eficiência para tornar sua casa container agradável e climatizada.

Proteção térmica e acústica em um só produto

Outro diferencial é que o revestimento da 3TC garante proteção térmica e acústica ao mesmo tempo. Então, não será preciso recorrer a duas soluções distintas para fazer com que o espaço fique confortável e realmente privativo.

Propriedades anti-chamas

Manter a segurança também é essencial para aproveitar ao máximo a sua casa container. O nosso revestimento para isolamento térmico e acústico não propaga fogo graças às propriedades anti-chamas. Com isso, é possível atender às obrigações da legislação e ficar mais protegido.

Atua como impermeabilizante

Além de tudo, o produto serve para proteger o telhado do seu lar, evitando a entrada de água, de pequenos insetos e de animais e a formação de goteiras. Com isso, evita problemas com o mofo e ajuda até a proteger a saúde.

Facilidade de instalação

Ao escolher a nossa solução, você notará que a instalação é segura, rápida e muito simples. Além de tudo, contamos com profissionais altamente capacitados e prontos para ajudar. Com isso, a obra não sofre com atrasos e perdas e é possível conquistar os resultados desejados mais facilmente.

Excelente custo-benefício

Apesar de oferecer vários benefícios e diferenciais, a 3TC mantém uma excelente relação de custo-benefício. Afinal, trata-se de uma opção durável, muito eficiente e que gera conforto e economia. Longe da necessidade de manutenção e com consistência na conquista de boa performance.

Uma casa container é um novo jeito de viver e até de desempenhar mais sustentabilidade. Com um bom projeto e todos os cuidados necessários na etapa de montagem, é possível ter máxima qualidade de vida.

Para garantir o conforto, não se esqueça do isolamento térmico. Se quiser ter a melhor solução do mercado, entre em contato conosco da 3TC e peça o seu orçamento!

A construção no litoral apresenta diversos desafios. Afinal, nessas regiões, os edifícios estão sujeitos a mais riscos, como a maresia, ventos mais fortes e a maresia. Então, é preciso montar uma estrutura de proteção especial para evitar danos e a necessidade de reformas constantes.

Além disso, as altas temperaturas e a incidência do sol reduzem o conforto térmico dos ambientes interiores. Isso pode prejudicar a saúde e o bem―estar dos moradores. Quer saber como melhorar o seu projeto litorâneo? Acompanhe!

1. Quais são os cuidados essenciais em construções no litoral?

O sucesso de uma obra no litoral começa na escolha do terro e vai até a manutenção!

1.1 Terreno

Sem os cuidados adequados na hora de escolher um terreno, a construção no litoral pode se tornar uma verdadeira dor de cabeça para o comprador. O primeiro passo para garantir o sucesso do seu projeto arquitetônico é exigir a apresentação de um estudo do solo, pois, em faixas litorâneas, podem haver solos muito úmidos e arenosos ― que são facilmente conformáveis.

Desse modo, é preciso fazer um projeto auxiliar para o adensamento do solo. Ele deverá ser executado com muita técnica, trazendo uniformidade em toda a área. Caso contrário, uma região pode ficar menos densa e mais permeável à água. Com o tempo, haverá um desnível entre dois pontos da construção ― o que compromete as estruturas, causando rachaduras, trincas e outras patologias.

Além disso, especialmente em locais mais ermos, é muito comum que não haja a infraestrutura de serviços necessários para uma família ou para um negócio. Por exemplo, pode não haver fornecimento de luz, de água encanada ou recolhimento de esgoto. Consequentemente, será preciso investir muito dinheiro para tornar o empreendimento viável.

Por exemplo, é necessário pagar altas taxas para a instalação de luz elétrica, construir poços para o consumo de água e investir em cisternas para o esgoto. Ou seja, os custos do projeto inicial podem dobrar somente para trazer uma infraestrutura mínima. Em alguns casos, como redes de internet e de telefonia, as operadoras não ofertam a instalação desse serviço nem mesmo mediante o pagamento de taxas elevadas.

Por fim, ainda há diversas questões legais nesses casos. A regulamentação e a legislação brasileira são bastante restritivas quanto ao uso do solo próximo a praias. Em geral, essas áreas são protegidas e é preciso pedir uma autorização da prefeitura para a construção. Nesses casos, as exigências podem ser tão grandes que tornam o projeto inviável.

Ademais, não deixe de conferir toda a documentação ― especialmente em regiões mais afastadas. Exija sempre a escritura e confira toda ela no cartório em que foi feito o registro. Afinal, a ação de grileiros é muito comum e você pode ocupar um terreno que pertencia a outra pessoa ou a União.

1.2 Estrutura de construção no litoral

Este certamente é o ponto de maior atenção, pois o clima das praias não permite o uso de qualquer material nas construções. Isso se deve a dois principais motivos: as altas variações de temperatura e a maresia.

No primeiro caso, pode haver mudanças bruscas de temperatura muito rapidamente. Isso provoca a dilatação e a retração das estruturas ― que podem desenvolver fissuras. Nesse caso, é importantíssimo escolher materiais com maior capacidade de resistir ao estresse mecânico.

O outro ponto importante é a maresia. As ondas do mar, quando se chocam, liberam partículas de água com sal para a atmosfera. Elas são levadas até as construções e se acumulam nos materiais. Essa é uma das razões por que os vidros em regiões litorâneas estão sempre úmidos.

No entanto, em contato com estruturas metálicas, o dano pode ser muito grande. O sal apresenta partículas com cargas elétricas capazes de interagir com metais oxidáveis na presença de água. Então, surge a ferrugem, cujos danos vão muito além da estética e atingem, também, a sustentação da casa. A maioria dos pilares e das lajes apresentam armaduras metálicas de aço comum, o qual é facilmente corrosível.

Nesse sentido, é imprescindível fazer um tratamento especial nas vigas com uma camada maior de concreto para a proteção da armadura ou com a aplicação de uma camada extra impermeável. O ideal é utilizar aditivos plastificantes de impermeabilização semiflexível. Nesse caso, as vigas devem estar sempre em locais protegidos da ação da radiação solar.

Caso você utilize telhas metálicas na construção, é importante também selecionar um material resistente à corrosão. Entre os mais utilizados, estão o Galvalume, o alumínio e o aço inox. Hoje em dia, eles podem ser integrados a sistemas de isolamento termoacústico, que compensam a baixa eficiência em bloqueio do calor.

1.3 Acabamentos

Aqui, é preciso estar muito atento sobre o efeito da maresia sobre os materiais. Como explicamos, os metais oxidáveis sofrerão com a ação contínua da umidade salina. Então, ficarão com a aparência enferrujada, comprometendo a estética dos acabamentos. Isso deve ser levado em consideração na hora da escolha de diversas peças, como:

  • janelas, portas e fechaduras;
  • pias e registros;
  • acessórios, entre outros.

Muitas pessoas acabam subestimando o poder da maresia. Afinal, é um vilão que ninguém vê. Aparentemente, o ar é normal ― exceto pelo cheio de praia. No entanto, microscopicamente, há partículas nocivas para as construções.

Além disso, a própria umidade aumentada também causa danos significativos. Por exemplo, pisos em madeira sem uma camada de impermeabilizante não lidam muito bem com a umidade alta das praias. Nesses casos, eles estufam e comprometem a estética dos pisos.

Por fim, não podemos deixar de falar do próprio clima. As zonas litorâneas estão mais sujeitas a chuvas intensas devido à maior umidade da atmosfera local e a ação de massas de ar marítimas. Portanto, é preciso reforçar a impermeabilização e reforçar as estruturas para resistir a ventos fortes.

1.4 Paisagismo em construção no litoral

O clima também oferece desafios importantes na hora de selecionar a vegetação utilizada para o paisagismo. A ação muito intensa do sol durante o dia exige que as plantas resistam à evaporação da água pelas folhas e sejam capazes de captar a umidade de regiões mais fundas do solo.

Além disso, a menos que você queira investir em um sistema automatizado, dê preferência a plantas que exijam uma menor frequência de irrigação. Também, as casas de praia podem ficar muitos meses fechadas sem nenhuma manutenção. Assim, é melhor escolher espécies que sobrevivem nessas condições.

1.5 Manutenção

O clima hostil e a areia tornam a manutenção das casas de praia mais complexa. Por essa razão, é imprescindível escolher materiais mais práticos para limpeza. Elas deverão apresentar uma maior resistência a riscos, pois pode ser necessário usar vassouras de cerdas rígidas ou jatos de água retirar os resíduos de areia.

Outro desafio é a manutenção da própria construção. A ação dos ventos pode causar danos significativos, especialmente no telhado. Se as telhas não forem bem fixadas, elas podem se soltar facilmente e, então, será preciso fazer trocas frequentes.

2. Quais são os materiais mais indicados para construção no litoral?

Há materiais que, por sua resistência à umidade e capacidade de isolamento térmico, são mais adequadas para o litoral. Conheça alguns deles nos tópicos a seguir.

2.1 Madeira

Não é todo o tipo de madeira que é adequado para a construção próxima à praia, pois há opções mais ou menos permeáveis. Por exemplo, o eucalipto é uma madeira extremamente permeável e absorve com facilidade a umidade. Então, dilata―se facilmente e perde a resistência no clima litorâneo.

Outra contraindicação são as madeiras de baixa densidade, independentemente da estrutura em que são aplicadas. O principal exemplo são os compensados. Elas apresentam uma porosidade maior e, portanto, alta permeabilidade.

Já madeiras mais maciças, como o ipê, a maçaranduba e a teca, são muito mais seguras. No entanto, devem receber o tratamento adequado com o lixamento da superfície e aplicação de resinas impermeáveis, como o verniz. Com isso, não se sujeitam aos danos estruturais causados pela umidade.

A grande vantagem da madeira é a sua maior capacidade de isolamento térmico, o que é essencial diante do calor das praias. Para ampliar o conforto, ela pode ser integrada a mantas térmicas com ação reflexiva da radiação solar nas áreas mais expostas.

2.2 Alumínio

O alumínio se apresenta como um dos principais metais para o uso em construções no litoral, pois é muito mais resistente à corrosão. Mesmo quando oxida, pode ser facilmente recuperado, pois, forma apenas uma fina camada de oxidação branca ― removível com uma lixa fina.

Ademais, é um material extremamente versátil. Ele pode ser pintado com diversos esmaltes sintéticos para melhorar a resistência e mudar sua aparência estética. Portanto, pode ser utilizado em diversos locais de uma construção, como as janelas, as maçanetas, entre outros.

No entanto, por ser muito maleável, não pode ser empregado em estruturas de sustentação, como as vigas e os pilares.

2.3. Aço inoxidável

O aço inoxidável é uma liga de ferro com a adição de carbono e cromo. Com isso, pode―se reduzir a interação com as moléculas de oxigênio que geram a ferrugem. Como apresenta uma excelente resistência mecânica, pode ser facilmente integrado às estruturas de sustentação tanto sozinho quanto com o concreto.

2.4. Galvalume

O Galvalume é um liga metálica constituída por zinco, alumínio e silício. Foi criada para aumentar a resistência desses metais à corrosão, sendo um dos materiais mais resistentes nesse sentido.

Por ser extremamente maleável, é utilizado principalmente na fabricação de telhas e chapas. Entretanto, está contraindicado nas estruturas de sustentação.

2.5. Concreto

O concreto é outro material muito importante para as construções litorâneas, pois pode ser utilizado para fabricar as mais diversas estruturas desde as vigas da fundação até as telhas. No entanto, há diferentes tipos de concreto no mercado e é importante estar atento à porosidade de cada opção. Quanto maior ela for, mais susceptível a estrutura estará à ação da umidade.

Assim, o concreto mais poroso pode ser utilizado em locais onde ele não está associado a estruturas metálicas, como as telhas. Entretanto, quando ligado a armaduras metálicas, será preciso protegê―las e, assim, o concreto deve ser o mais impermeável quanto possível. Para isso, eles podem ser associados a aditivos ou materiais impermeabilizantes. Falaremos mais deles a seguir.

2.6. Impermeabilizantes

Com o isolamento térmico, a impermeabilização é uma das ações mais importantes nas construções no litoral. Afinal, devido à maior umidade do ar e à maresia, as estruturas estão sob maior risco de danos químicos. Nesse sentido, é importante fazer um projeto detalhado. A seguir, explicaremos os principais tipos e sistemas.

Atualmente, existem três tipos de impermeabilização no mercado: a rígida a semiflexível e a flexível. Elas devem ser escolhidas de acordo com a exposição da superfície ao calor e ao estresse mecânico.

Rígida

A impermeabilização rígida geralmente é feita com o acréscimo de aditivos aos materiais tradicionais da construção, como o gesso, o cimento e a argamassa. Assim, diversos efeitos podem ser conquistados, como:

  • aumento da tensão superficial do material, fazendo com que a água seja repelida ao entrar em contato com a estrutura. Esse é o caso dos aditivos hidrofugantes;
  • redução da porosidade do material. Desse modo, as moléculas interagem mais fortemente entre si, impedindo a penetração da água.

No entanto, isso apresenta um lado negativo. Quando expostos à variação de calor, as estruturas ficam mais susceptíveis a fissuras, comprometendo a eficiência da impermeabilização. Desse modo, não podem ser utilizados em superfícies em contato direto com o sol.

Flexível

Esses impermeabilizantes são chamados de flexíveis, pois contam com maiores elasticidade e conformidade. Ou seja, quando as estruturas se dilatam devido à ação do calor, o impermeabilizante é capaz de se adaptar e proteger a superfície mesmo diante do surgimento de fissuras.

Eles funcionam de modo diferente das anteriores, pois não são aditivos aos aglomerantes da construção civil. Em vez disso, eles são aplicados em camadas sobre as superfícies já prontas. Nesse sentido, apresentam―se em dois subtipos principais, as mantas e as membranas.

As mantas devem ser aplicadas a quente para aderir às superfícies. Talvez, seja o tipo mais conhecido devido às mantas asfálticas ― um dos impermeabilizantes mais populares no mercado e que são utilizados nas vias rodoviárias.

Em espessuras menores e com armaduras especiais, podem ser empregados na construção civil para as áreas que entram em contato direto com o sol e necessitam de alta capacidade de vedação, como as lajes.

Já as membranas são instaladas a frio por diferentes processos. Devem ser aplicadas em diversas camadas a fim de apresentar a eficiência máxima. Por serem mais práticas, têm se tornado mais populares. Podem ser utilizadas em áreas externas, lajes etc.

Semiflexível

Por fim, temos o tipo semiflexível, que nada mais são do que aditivos que suportam uma maior variação de temperatura. Apesar dessa vantagem, ainda não podem ser utilizados em estruturas submetidas a uma dilatação térmica mais intensa. Entretanto, são opções mais seguras para reforçar a proteção de vigas e de fundações.

No litoral, portanto, a elaboração de um projeto de impermeabilização adequado é essencial para evitar os danos causados pela umidade.

3. Como garantir conforto térmico e isolamento na casa?

Por fim, vem o assunto mais importante quando falamos de construções no litoral ― o isolamento térmico. Ele é responsável por manter a qualidade das estruturas e trazer mais conforto aos usuários.

3.1 Isolamento térmico

O isolamento térmico é uma técnica utilizada para evitar as trocas de temperatura entre o meio interno e o externo. Desse modo, é possível manter uma temperatura estável dentro das construções no litoral e reduzir a dependência de equipamentos elétricos para a manutenção do conforto.

Esses materiais agem sobre um ou mais dos seguintes processos de transmissão de calor:

  • condução: ocorre quando dois materiais com temperaturas diferentes entram em contato físico. A energia do movimento das moléculas do mais quente é transmitida para o mais frio, aumentando os valores de temperatura. É o que ocorre quando um motor aquece a parede que está apoiado;
  • convecção: acontece devido à movimentação das massas de ar. Quando o ar é aquecido no solo, ele fica menos denso e é direcionado para cima. Por sua vez, a massa de ar mais fria é direcionada para baixo. Quando o telhado não é isolado termicamente, ele aquece constantemente as massas de ar superiores dentro do edifício e gera um fluxo de ar cada vez mais quente;
  • radiação: essa é a principal causa do aquecimento das estruturas de uma construção. As fontes de calor liberam ondas de energia que não dependem do contato físico para aquecer outros objetos. Ou seja, a transmissão de calor ocorre à distância. O principal exemplo nesse sentido é o sol. Por essa razão, cerca de 90% do calor absorvido por um edifício chega por meio da radiação.

A eficiência de um isolante depende diretamente de quão eficiente ele age sobre os três processos.

3.2. Sprays

Os sprays são feitos a partir de polímeros plásticos aplicados com bombas a jato. Assim, eles formam uma fina camada sobre as superfícies e podem impedir parte da condução de calor. Portanto, não agem sobre os processos de convecção e de radiação.

3.3. Espumas Expansivas (PU)

As espumas também são produzidas com polímeros plásticos, porém elas são pré-fabricadas. O principal material utilizado é o poliuretano, que já esteve envolvido em diversos incêndios devido à alta capacidade de combustão. Fique atento à ficha técnica do fabricante na hora de escolher essa tecnologia para sua construção no litoral.

3.5. Foils (Duralfoil)

Já os foils contam com uma ação bem diferente dos modelos anteriores, pois não agem sobre a condução, mas sobre a radiação. São lâminas altamente reflexivas que devolvem parte da radiação solar de volta para o meio ambiente. Isso impede que a energia seja transmitida para as estruturas da construção.

3.6. Mantas térmicas

As mantas térmicas podem ser feitas a partir de diversos materiais, cada qual com propriedades específicas. Em comum, eles apresentam uma maior flexibilidade e conformidade. A seguir falaremos dos principais tipos:

  • lã de vidro: fabricada a partir da sílica submetida a altas pressões, esse é um isolante fibroso com boa eficiência para bloquear processos de condução de calor, porém não atua na radiação;
  • lã de rocha: muito semelhante à anterior com a diferença de ser produzida a partir da diábase, uma rocha vulcânica;
  • Manta lã de PET: usualmente feita com garrafas recicladas, também só age sobre a condução de calor;
  • 3TC: além de um núcleo de poliestireno estendido maleável, que reduz grande parte da condução de calor, o 3 TC conta com duas camadas de lâmina reflexiva. Desse modo, pode atuar sobre todos os processos de transmissão de energia térmica. Por isso, falaremos dele, no final do post.

Por serem maleáveis, as mantas são utilizadas nas superfícies que exigem maior flexibilidade do material, como as quinas dos pisos e das paredes.

3.7. Placas térmicas

As placas térmicas costumam ser fabricadas com os mesmos apresentados acima. A grande diferença está nas técnicas de produção. Aqui, há um adensamento muito maior dos materiais ou um aumento na espessura. Com isso, se formam estruturas rígidas. São essenciais para regiões que não podem oferecer sustentação para as mantas ou que precisam de um reforço, que é o caso de construção no litoral.

3.8. O 3TC

O 3TC é baseado nas tecnologias desenvolvidas pela NASA para os trajes espaciais dos astronautas, uma vez que o Espaço está sujeito a amplas variações de energia. Seu principal diferencial é atuar sobre os três processos de transmissão de calor.

O seu núcleo de poliestireno estendido é altamente eficiente para impedir a condução de calor. Então, toda a energia vinda do contato com as massas de ar e com o solo pode ser mitigada.

Já as lâminas refletivas são capazes de devolver mais de 90% da energia solar para o meio ambiente e impedir que ela aqueça a construção. Com isso, temos um sistema completo de isolamento com a máxima eficiência.

Outro grande benefício desse sistema de isolamento térmico é que ele permite a utilização de outras técnicas construtivas que não eram tão eficientes para as regiões litorâneas. Por exemplo, as telhas metálicas seriam as opções ideais para evitar que as peças se soltem com a ação do vento, uma vez que elas são pregadas diretamente nas terças.

Contudo, elas transmitiam todo o calor da radiação solar para o ambiente interno. Com o isolamento, esse problema é eliminado, visto que as mantas podem ser integradas às telhas e trazer a máxima eficiência térmica para o ambiente.

Ademais, o 3TC é um material totalmente impermeável e pode reforçar ― ou mesmo substituir ― os sistemas de impermeabilização necessários para as construções litorâneas. Por conseguinte, ao utilizá-lo, você garante o conforto térmico mesmo diante do calor mais intenso e protege sua construção contra os potenciais danos ambientais.

Portanto, o sucesso da sua construção no litoral depende da escolha dos materiais e dos métodos construtivos certos. É imprescindível investir bastante a fim de prevenir os mais diversos riscos, como ventos fortes, temperaturas elevadas e alta umidade. Assim, é possível manter o conforto térmico e aumentar a vida útil de cada estrutura.

Você conhecia todos esses cuidados essenciais para as construções no litoral? Não?! Provavelmente muita gente também não conhece! Então, não deixe de compartilhar nosso post nas redes sociais!

As empresas de isolamento térmico são aliadas imprescindíveis do comércio e da indústria. Com uma conta de luz cada vez mais cara, é preciso pensar em estratégias para reduzir o desperdício de energia elétrica. Os grandes vilões, nesse sentido, são os equipamentos de resfriamento e refrigeração.

Eles têm motores muito fortes que precisam trabalhar a uma potência altíssima para reduzir a temperatura ambiental. No entanto, é possível aumentar a eficiência eles com a instalação de isolantes térmicos. Quer saber mais? Acompanhe!

Qual a importância do isolamento térmico?

O isolamento térmico é uma medida imprescindível em todos os tipos de projetos de construção, desde o residencial mais simples até as mais complexas plantas industriais. Por quê? A humanidade começou a construir casas e edifícios justamente com a finalidade de se proteger das agressões ambientes, especialmente o clima.

Nosso conforto está diretamente ligado às sensações de frio e calor. Toda a regulação do nosso corpo é feita com base nesse parâmetro. Se está quente, nós transpiramos e nossos vasos sanguíneos dilatam para tentar liberar mais energia, essa reação é muito incômoda e tira toda a nossa concentração. Da mesma forma, no frio, os músculos tremem

Então, esse ponto acaba se tornando um desafio para as indústrias e para os comércios. Seus funcionários necessitam de conforto térmico para se manter produtivas. As Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho, inclusive, estabelecem inclusive uma faixa de temperatura ideal para a ergonomia, entre 20º e 23º celsius.

No entanto, para atingir esse patamar, frequentemente, você terá de lançar mão de sistemas de ar-condicionado e ventilação elétrica. Todos esses equipamentos são caros e ainda consomem bastante energia, drenando recursos importantes que você poderia investir em outras áreas. Para que você entenda melhor os benefícios de contratar uma empresa de isolamento térmico, confira esses 5 benefícios a seguir.

Maior produtividade

Como explicamos, o conforto térmico faz parte das medidas de ergonomia. As sensações de calor ou de frio provocam respostas fisiológicas fortes para a regulação da temperatura do organismo. Afinal, todas as reações químicas para a nossa sobrevivência ocorrem em uma faixa muito estreita, entre 34,5º e 37,7º. Fora disso, nosso corpo interpreta que está acontecendo uma ameaça à sobrevivência.

Então, ele monta diversas estratégias para lidar com isso e, geralmente, todas elas desconcentram bastante o colaborador. Por exemplo, o suor é realmente insuportável e exige que nos movimentemos para ajudar na tentativa de evaporar a água da pele e liberar calor.

Ou seja, não se trata de um capricho do funcionário, é realmente uma necessidade. Grande parte da sua capacidade cognitiva está sendo desviada para resolver as demandas de regulação de temperatura.

Portanto, quando as suas equipes reclamam de que não dá para trabalhar direito por causa de frio ou calor, você deve prestar bastante atenção. Isso possivelmente está corroendo a produtividade.

Além disso, há a própria questão motivacional. Quem quer trabalhar e dar seu melhor para uma empresa que não se preocupa com o conforto do funcionário? Hoje em dia, está muito difícil reter os verdadeiros talentos, pois eles são disputados no mercado. Você quer perder seus melhores ativos de recursos humanos por falta de investimento em satisfação no trabalho?

Conformidade

Há diversas regulações que exigem medidas de conforto térmico para os trabalhadores. O maior exemplo é a Norma Reguladora 17 do antigo Ministério do Trabalho e Emprego, a qual continua válida mesmo após a transferência do órgão para o Ministério da Economia.

Ela estabelece a faixa de temperatura efetiva de 20º a 23º para a ergonomia do trabalhador. Desse modo, não basta o ar-condicionado estar ligado na potência 23º se o ambiente não corresponder a essa medida.

Nesse sentido, você deve dimensionar adequadamente o seu sistema de refrigeração para garantir que esses valores sejam atingidos durante uma eventual fiscalização. A melhor forma de garantir isso é investindo em sistemas de isolamento, pois eles garantem que grande parte da potência nominal do aparelho chegue efetivamente ao ambiente. Para isso, a instalação de mantas ao redor dos dutos de transmissão de ar é essencial.

Além disso, nas paredes e nos telhados, elas impedem as trocas com o meio externo. Desse modo, variações bruscas do clima não afetarão significativamente as demandas dos equipamentos. Assim, há muito menos trabalho em manter a temperatura efetiva entre 20º e 23º.

Maior vida útil dos equipamentos

A variação de energia pode ser um estímulo importante para a deterioração de equipamentos, especialmente componentes eletrônicos de alta tecnologia. Afinal, os materiais se dilatam com o aumento da temperatura e se contraem com a redução. Esse “vaivém” pode acabar danificando a estrutura interna dos materiais, o que reduz a vida útil.

Sustentabilidade

No cenário do mercado atual, a responsabilidade ambiental se tornou um valor muito importante para muitos consumidores. Afinal, com o Efeito Estufa e a agressão acelerada aos recursos naturais, tornou-se necessário olhar para um modelo de desenvolvimento sustentável, que garanta o bem-estar e a riqueza das futuras gerações.

O isolamento térmico ajuda muito a melhorar a qualidade das construções nesse quesito, visto que apresenta diversas vantagens, como:

Nos últimos anos, vem crescendo o papel das termoelétricas na matriz energética do Brasil. Nelas, a eletricidade é produzida utilizando a energia liberada pela reação de combustão de gases, diesel e de carvão mineral, todos produtos fósseis não-renováveis. Eles, portanto, liberam uma quantidade de gás carbônico muito grande no meio ambiente, contribuindo para o Efeito Estufa.

Além disso, mesmo que contemos com a energia hidroelétrica, que é considerada limpa, ela ainda causa um impacto importante no meio ambiente. Para sua construção, geralmente é necessário destruir parte do ecossistema nativo com danos à biodiversidade local.

Boa parte do consumo energético vem da indústria e do comércio. Os sistemas de ar-condicionado e de refrigeração são um dos principais vilões, pois necessitam de potências elevadas para funcionar adequadamente. Felizmente, é possível melhorar a eficiência desses equipamentos com medidas simples, como o isolamento térmico.

Para isso, as mantas e placas podem ser instaladas de várias formas a fim de otimizar, ao máximo, a proteção contra as trocas de calor. A seguir, vamos ilustrar alguns exemplos:

  • nos dutos de ar-condicionado, elas impedem que o ar se aquece durante o trajeto para o ambiente;
  • nas paredes e no telhado, reduzem a transferência de calor com o meio externo, o que diminui o trabalho dos motores do ar-condicionado.

Tudo isso ajuda a reduzir a energia consumida. Consequentemente, é possível contribuir para a redução dos danos causados pela produção de eletricidade.

Como ele ajuda na economia?

Você deve ter percebido que grande parte dos benefícios do isolamento está relacionada com a sua capacidade de melhorar a eficiência dos equipamentos de aquecimento e de resfriamento. Em todos os setores, eles são parte significativa da conta de luz.

De acordo com uma estimativa da Cushman & Wakefield, eles podem chegar a representar 15% do consumo corporativo. No caso da indústria, esses valores podem ser ainda mais significativos, visto que o controle da temperatura dos processos produtivos é muito mais intenso.

Além disso, muitos deles apresentam uma maior sensibilidade ao calor, que pode comprometer o funcionamento ou deteriorar as peças. Por exemplo, os servidores de computador devem ser mantidos em temperaturas abaixo da ambiental para que funcionem na máxima capacidade. No setor de alimento, praticamente todas as etapas dos processos produtivos exigem medidas de resfriamento do ambiente da linha de produção.

Por sua vez, há também equipamentos que produzem calor e, para atingir um ambiente salubre para os colaboradores, é preciso investir ainda mais em exaustão, ventilação e em refrigeração.

Por essa razão, é essencial compreender como a energia se distribui dentro das construções e planejar um sistema de isolamento compatível. De acordo com a TeknoPanel, 50% das trocas de calor nos edifícios acontece nas paredes, pois elas apresentam uma superfície de contato maior. Outros 20% ocorrem nos telhados, 20% nas janelas e 10% pela fundação. Isso em prédios, pois em galpões e casas a incidência é maior nos telhados.

BAIXE AQUI NOSSO MANUAL DE INSTALAÇÃO PARA SUBCOBERTURAS 

Desse modo, quando você protege as paredes e o telhado com um isolante térmico, você consegue melhorar 70% da eficiência térmica do ambiente. Isso representa uma menor necessidade de trabalho pelos motores do ar-condicionado, reduzindo o consumo energético.

Nos ambientes com intensa produção de calor, como as casas de máquinas, você pode isolar as suas paredes dos demais espaços para evitar o aquecimento pelas paredes e pelo teto. Isso também vai proporcionar uma temperatura mais amena, o que pode dispensar o uso de ar-condicionado em alguns casos.

No comércio e no setor de serviços, esse benefício também é sentido. O isolamento eficiente das estruturas permite sistemas de refrigeração menores. No Brasil, grande parte das contas das contas de luz de escritórios e lojas trabalha com o sistema de faixas de consumo. Ou seja, quanto mais você consome, mais caro será o seu quilowatt hora. Desse modo, qualquer variação pode representar uma grande economia.

O funcionamento de um ar-condicionado

Dentro dos ares-condicionados, há um equipamento chamado de termostato. Ele é responsável por medir a temperatura do ambiente, calcular a quantidade de trabalho necessária para atingir o nível desejado pelo usuário e, assim, regular o trabalho do equipamento. Nos modelos eletrônicos, geralmente tudo isso é feito automaticamente.

Vamos supor que há dois ambientes com as mesmas dimensões, um deles com a temperatura de 25º e outro de 30º. Em ambos, deseja-se atingir o valor efetivo de 24º. Certamente, o termostato vai exigir do segundo motor uma potência muito mais alta para pegar todo o volume de ar e dissipar seu calor.

Nos sistemas de ar-condicionado central, o mais utilizado no comércio e na indústria, essa tarefa pode ser ainda mais complicada. Afinal, os equipamentos geralmente ficam do lado de fora do edifício e o ar resfriado precisa ser transportado através de dutos. Durante esse trajeto, há diversas trocas de energia que podem aumentar a temperatura do ar transportado.

Os diferentes tipos de troca de calor

três formas de transmissão de calor, que podem prejudicar bastante a eficiência de um ar-condicionado, aquecedor ou outro tipo de máquina térmica. Vamos falar de cada um a seguir.

Condução

Ocorre quando há contato físico entre dois corpos. O calor vai fluir daquele mais quente para o mais frio. Há materiais com uma estrutura molecular mais rígida, a qual impede a transmissão de energia de um lado para o outro.

Por exemplo, ocorre quando um motor aquecido entra em contato com uma parede ou o solo. Desse modo, o ar-condicionado perde eficiência, pois há um corpo alimentando o ambiente constantemente com mais energia térmica.

Radiação

É a forma de transmissão mais comum e ocorre quando os dois corpos não estão em contato um com os outros. Assim, o mais quente emite ondas de energia que agitam as moléculas do outro. É a forma pela qual o sol aquece os objetos.

Então, sem controlá-la, haverá um estímulo direto e permanente para o aquecimento da construção. Deve-se, portanto, buscar refletir o máximo de raios solares de volta para a atmosfera.

Convecção

Quando o ar fica mais quente, ele fica menos denso e se direciona para o teto das construções. O ar frio, por sua vez, tende a ficar estacionado próximo ao solo. É por esse motivo que os ares-condicionados são sempre instalados no teto, pois, assim, há um constante fluxo entre o ar quente e o ar frio, refrigerando o ambiente.

No entanto, se o teto não for vedado por um material isolante térmico, o ar resfriado se aquecerá rapidamente com a energia vinda do meio externo.

Quais são os tipos de isolamento térmico?

Foils de alumínio

Os foils de alumínio são lâminas de alumínio com uma camada adesiva, que podem ser facilmente instalados em diversas superfícies. Seu principal mecanismo é impedir a transmissão de energia por meio da radiação solar.

Para isso, eles apresentam uma superfície altamente reflexiva, a qual manda os raios solares de volta para o ambiente. Assim, eles não são capazes de aquecer as estruturas da edificação.

Como 90% do calor absorvido do meio externo por uma construção vem da radiação, ele pode ajudar razoavelmente na tarefa de evitar o aquecimento. No entanto, ele apresenta desvantagens significativas.

Primeiramente, ele não age sobre a condução de calor, a qual ocorre pelo contato de dois objetivos. Portanto, não é muito efetivo para controlar os processos de troca dentro do ambiente interno.

Além disso, não conferem nenhum nível de abafamento acústico. Desse modo, ao contrário da maioria dos tipos, só são usados para o isolamento térmico. Atualmente, é relativamente raro que uma empresa tenha uma demanda tão específica.

Lã de ovelha

A lã de ovelha é um dos materiais mais tradicionais, sendo utilizada há décadas. No entanto, nos últimos anos, tem sido abandonada por suas várias desvantagens, como:

  • é combustível, isto é, durante os incêndios pode servir de alimento para o fogo;
  • é facilmente deteriorável ao contato com umidade, o que permite o acúmulo de ácaros e mofo;
  • não oferece a proteção adicional da impermeabilidade;
  • é ecologicamente incorreta, pois exige processos de tosa com muito sofrimento animal e, além disso, os pastos contribuem para o desmatamento e o Efeito Estufa;
  • apresenta baixa eficiência para o isolamento na construção civil.

Como é muito barata, muitas pessoas podem acabar a utilizando. Na maioria das vezes, o custo de manutenção elevado acaba prejudicando qualquer economia inicial.

Lã de vidro

A lã de vidro é um dos materiais modernos mais tradicionais para o isolamento térmico. Apesar do nome, ela geralmente não é produzida diretamente do vidro. Na verdade, a única semelhança é a matéria-prima em comum, a sílica.

Na lã, ela é submetida a altas temperaturas e variações de pressão. Com isso, é possível criar o aspecto de fio utilizado para as mantas, que precisam ser maleáveis e compressíveis. A principal vantagem do vidro é que ele é um material muito inerte, isto é, não reage quimicamente com o meio.

Desse modo, ele raramente apresenta mofo ou se deteriora com a umidade, sendo extremamente duráveis. Também, não entram facilmente em combustão em contato, sendo, portanto, um corta-chamas.

Contudo apresenta também desvantagens significativas, principalmente em relação à eficiência. Como só lidam com a energia transmitida pela condução, deixam passar grande parte do calor da radiação, que é o principal fator para o aquecimento dos cômodos.

Lã de rocha

A lã de rocha apresenta um processo de produção e características muito semelhantes à anterior. A grande diferença é a matéria-prima utilizada, a diábase. Essa rocha vulcânica é muito abundante no planeta, o que a torna muito barata. Assim, em relação ao preço, esse tipo de lã costuma ser um dos mais em conta.

No entanto, também tem alguns problemas importantes. Ela não lida com a radiação de calor, não é passível de reciclagem e é dependente da mineração, uma indústria ainda muito pouco sustentável.

Lã de PET

O PET é um plástico presente em diversos processos produtivos, principalmente nas embalagens. Geralmente, é descartado no meio ambiente, mas pode ser reciclado. As lãs de PET ecológicas reaproveitam o material descartado. Por isso, são tidas como uma modelo sustentável.

Porém não devemos analisar somente um critério na hora de avaliar o impacto ambiental de um produto. Esse tipo de isolamento é ineficiente quando comparado a materiais capazes de lidar também com a transmissão de calor por radiação. Além disso, elas não oferecem nenhuma proteção adicional contra o fogo nos incêndios.

Sprays

Os sprays se apresentam como uma solução de fácil e barata aplicação, mas, junto com as espumas, sejam a pior opção. Afinal, comparados a todos os outros materiais, são uma das opções de menor eficiência.

Além disso, eles são feitos a partir de um polímero chamado de poliuretano. Quando ele entra em contato com o fogo, libera um gás tóxico que provoca asfixia. Lembra da tragédia da Boate Kiss em Santa Maria? Muitos especialistas avaliam que o material foi o principal fator para agravar o acidente. Apesar de serem anti-chamas na mesma classificação do 3TC Isolamento, eles emitem essa fumaça tóxica, que o 3TC não emite, sendo assim mais seguro.

Espumas

As espumas podem ser fabricadas a partir de uma grande diversidade de polímeros orgânicos, inclusive o poliuretano. Quando não recebem o tratamento certo, também são altamente inflamáveis, contribuindo para o alastramento do fogo em incêndios. Também, podem liberar fumaças tóxicas para o homem.

Às vezes, são escolhidas pela velocidade de aplicação, mas novamente os riscos não compensam a economia. Ademais, são muito frágeis, podem ser rompidas com pequenos atritos, acumulam mofo, poeira e ácaros.

EPS anti-chamas

O EPS é um polímero orgânico altamente seguro e eficiente para o isolamento térmico. Ele consegue impedir grande parte da condução física de calor, apesar de não agir muito sobre a radiação.

Ao contrário do isopor tradicional, também feito com EPS, ele recebe uma série de aditivos químicos e passa por um processo industrial diferenciado. Ao final, temos um material capaz de cortar as chamas durante o início de um incêndio, assim como as lãs de rocha e de vidro. Assim, ganha-se tempo para que ele seja controlado.

Também, apesar de impermeáveis, as lãs não apresentam a vantagem da impermeabilidade. Ou seja, deixam a água passar por a estrutura em vez de escoá-la. Já o EPS também é totalmente inerte e também impermeável. Dessa forma, é mais uma estrutura para proteger a construção de infiltrações.

Quais soluções a 3TC utiliza?

Para desenvolver o melhor produto, a 3TC oferece uma lâmina moderna com tecnologia desenvolvida na NASA para as roupas dos astronautas. Essa técnica foi desenvolvida para obter um bom isolamento térmico, resistente às variações bruscas de temperatura no Espaço.

Para isso, dois dos tipos de isolamento citados acima foram combinados, as lâminas refletivas e o EPS. Assim, é possível atuar sobre as três formas de transferência de calor em um ambiente. Daí, vem o nome do material 3TC.

Um dos grandes diferenciais do 3TC são é aplicação de duas faces flexivas, é possível desviar até 90% da radiação e também oferecer mais resistência às mantas. Já o EPS vai agir eficientemente na condução de calor e trazer alguns benefícios adicionais, como proteção acústica e resistência a chamas.

Quais vantagens de contratar uma empresa de isolamento térmico especializada?

Primeiramente, temos ampla experiência na aplicação da 3TC em diversos contextos residenciais, comerciais e industriais. Então, certamente você terá um parceiro excelente em todas as etapas do seu projeto.

Ademais, nosso objetivo não é só fornecer e instalar o 3TC, buscamos oferecer uma consultoria completa para que você possa ter o máximo de sucesso na sua estratégia de isolamento. Nós vamos à sua empresa e vemos todos os pontos que geram ineficiência térmica e propomos correções.

Uma empresa não especializada tem grandes chances de oferecer um serviço de má qualidade, pois elas têm de focar em diversos produtos diferentes. Assim, dificilmente, oferecem a melhor solução para você.

Outro grande diferencial da 3TC é o próprio produto, o único no mercado capaz de agir sobre as três formas de transmissão de calor com eficiência. Então, garantimos que você não estará pensando em trocar o seu sistema nos próximos anos, como acontece frequentemente com as espumas e as lãs. Portanto, somos a melhor empresa de isolamento térmico, pois temos os melhores serviços e utilizamos os materiais mais modernos.

Quer saber mais sobre como podemos auxiliá-lo no seu projeto? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

 

O comportamento ao fogo de um revestimento é um dos critérios mais importantes para uma obra. Afinal, há inúmeras normas técnicas que exigem a segurança contra incêndio, nos mais diversos tipos de construção.

Nenhuma empresa quer ser associada a eventos fatídicos com possibilidade de ferimentos e óbitos. A segurança ao incêndio é um fator crucial e indispensável na escolha correta de materiais de acabamento e revestimento. Por isso, é importante que você conheça a resistência dos isolantes térmicos utilizados nos seus projetos. Durante o projeto, é preciso escolher produtos que atendam as normas de segurança e tenham certificação de laboratórios especializados na área.

A tecnologia 3TC atende todas as normas nacionais e internacionais relacionadas ao comportamento ao fogo, incluindo a instrução técnica do Corpo de Bombeiros IT 10/2011, sendo certificada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP) como material que não propaga fogo com a classificação II-A0.

Quer saber mais sobre as classificações de comportamento ao fogo dos materiais de revestimento para o seu projeto e sobre a proteção trazida pelos produtos da 3TC? Então, acompanhe a leitura!

O que são materiais não combustíveis, semi-combustíveis, e retardantes/não propagantes?

Muitas pessoas se confundem com as classificações de materiais no que tange o comportamento ao fogo.

Os materiais não-combustíveis ou incombustíveis são aqueles que, quando submetidos a uma fonte de combustão, não se deformam excessivamente, não apresentam derretimento e não produzem grande emissão de fumaça e gases. Estes materiais geralmente são inorgânicos. Tais como: concreto, tijolo, cobertura para telhado, placa de amianto, aço, alumínio, vidro, argamassas e outros similares. Dessa forma, estes materiais são considerados estruturais.

Os materiais semi-combustíveis são aqueles que, apresentam pouco desenvolvimento de chamas, fumaça ou gases durante o processo de combustão. Similares aos materiais não combustíveis, os materiais semi-combustíveis também não apresentam grandes deformações ou derretimentos. Materiais como painéis de gesso e os revestimentos metálicos que contêm quantidade mínima de madeira, papel ou plástico podem ser enquadrados nesta categoria.

Os materiais retardantes ao fogo ou não propagante à chamas são aqueles que, possuem tratamentos químicos para melhorar suas características de reação ao fogo, ou aqueles protegidos com superfícies incombustíveis ou com produtos que apresentem dificuldade de queima, quando expostos a um processo de combustão. Estes materiais apresentam pequenas deformações e derretimento quando expostos a combustão, podendo pegar fogo em parte do material até que as chamas sejam controladas, extinguidas e dissipadas, não representando assim riscos à segurança. Os materiais de revestimento e isolamento térmico e acústico devem se enquadrar nesta categoria para serem certificados e assim poderem ser utilizados com segurança em projetos construtivos.

Como ocorrem os incêndios?

 Os incêndios podem ser categorizados em por três etapas: a etapa inicial (primeira fase), a etapa de inflamação (segunda fase) e a etapa de extinção/dissipação (terceira fase).

Na fase inicial, o incêndio está restrito apenas a um foco. Este foco é identificado pelo primeiro material que tenha sofrido o processo de ignição e pelos possíveis materiais ao redor. Nesta fase a temperatura do ambiente aumenta gradualmente. A seguir, tem-se a fase da inflamação ou queima generalizada, caracterizada pelo envolvimento de grande parte do(s) material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente. A temperatura aumenta drasticamente, não sendo possível assim a sobrevivência humana no recinto. A fase de extinção/dissipação ocorre quando grande parte do material(s) combustível(s) existente(s) no ambiente já foi consumido e a temperatura entra em decréscimo.

Uma vez que o material que esteja em contato com a fonte de ignição das chamas se decomponha pelo calor, gases que sofrem ignição serão liberados. Assim que a ignição é estabelecida, o(s) material(s) alimenta(m) a combustão, liberando gases/fumaça e desenvolvendo calor. Dessa forma o ambiente, então, sofrerá uma elevação gradativa de temperatura, e fumaça e gases quentes serão acumulados no teto.

Através das 3 formas de transferência de calor, condução, radiação e convecção, poderá ocorrer a propagação do fogo para materiais combustíveis que estejam nas adjacências do local.

Cabe ressaltar que a maioria dos incêndios ocorre a partir de uma fonte de ignição nos materiais contidos no edifício como papéis, móveis, cortinas, e não nos materiais incorporados ao sistema construtivo, como materiais de revestimento e isolantes térmicos.

Quem determina o desempenho dos produtos?

 Para se certificar de que determinado produto é não propagante a chamas, resistente ao fogo, é necessária uma série de testes em laboratórios confiáveis. Os materiais são submetidos a condições que simulam um incêndio. Se resistirem à combustão, são considerados à prova de fogo. A determinação do desempenho dos produtos é aferida por normas nacionais como as normas NBR ABNT 16626, NBR 9442, NBR11948, e internacionais como a norma ASTM E 662 e ASTM E 84. Além disso existe a normativa do Corpo de Bombeiros com instrução técnica para controle de materiais de acabamento e de revestimento. Portanto, os materiais de revestimento devem atender todas as normas e instruções dos órgãos vigentes para que, na ocorrência de incêndio, restrinjam a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça.

Porque existem classificações de comportamento ao fogo e como elas são elaboradas?

 A classificação dos materiais que são utilizados como revestimentos e/ou acabamentos existem para se providenciar a segurança contra incêndio. A proteção contra o risco do crescimento e da propagação do incêndio, contra o risco à vida humana e à propriedade, são mensuradas por meio dessas classificações que garantem a eficácia do Sistema Global de Segurança contra Incêndio

Estas classificações são elaboradas utilizando os índices estabelecidos nas normas recomendadas para avaliar a Reação ao Fogo onde os índices são categorizados em letras, de A ao E, e em subdivisões com numerais I e II — sendo A o mais seguro e o E o menos seguro.

Qual classificação um produto deve ter para ser considerado seguro?

 Os materiais com mais qualidade e que apresentam maior segurança em relação ao comportamento ao fogo recebem classificação I-A e II-A. Materiais de revestimento e isolantes térmicos considerados não propagadores de chamas devem necessariamente obter classificação A para poderem ser utilizados com segurança. Contudo, existem empresas que vendem produtos para o mesmo segmento com classificações diferente, por exemplos, mantas com classificação A e outras com classificação E. Considerar a utilização de materiais com classificação inferior a classe A ou não resistentes ao fogo coloca em risco a segurança de toda a estrutura. Para não se confundir ou utilizar um produto que não é adequado ao projeto é importante solicitar laudos de reação ao fogo aos fornecedores, a fim de ter certeza da classificação final do produto.

Quais os testes de comportamento ao fogo foram feitos na manta térmica 3TC?

A 3TC testou os materiais com uma das referências em segurança contra fogo e explosões. Trata-se do Centro Tecnológico do Ambiente Construído, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, mais conhecido pela sigla CETAC-IPT. A instituição segue as principais regras internacionais de padronização e a legislação nacional referente ao assunto.

Os ensaios técnicos seguem metodologias internacionais para determinar os índices de propagação de fogo, densidade de fumaça, toxidade, desprendimento de partículas, etc.

A tecnologia 3TC foi submetido aos métodos de ensaio:

– BS EN ISO 13823: 2002 – Reaction to fire tests for building products – Building products excluding floorings exposed to the thermal attack by a single burning item.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-109 – “Ensaios de reação ao fogo – Produtos utilizados em construção civil, exceto pisos. Método SBI”.

– BS EN ISO 11925-2:2010 – Reaction to fire tests – Ignitability of building products subjected to direct impingement of flame – Part 2: Single-flame source test.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-107 – “Ensaios de reação ao fogo – Ignitabilidade de produtos utilizados na construção civil sujeitos ao contato direto com chama – BS EN ISO 11925-2: 2010”.

– ABNT NBR 16626: 2017 – Classificação da reação ao fogo de produtos da construção.

– Procedimento de Ensaio CETAC-LSFEx-PE-188 – “Classificação dos materiais de acabamento e revestimento empregados nas edificações”.

Os índices obtidos por estes ensaios são utilizados como referência para classificação do Corpo de Bombeiros no âmbito do controle de materiais de acabamento e revestimento.

Como foi o comportamento ao fogo dos materiais da 3TC?

 De acordo com o laudo do IPT, a tecnologia 3TC classifica-se como II-A de acordo com a Instrução Técnica nº 10 do Decreto Estadual de São Paulo nº 63.911 e como II-A-d0 conforme a norma ABNT NBR 16626.

CLIQUE AQUI ACESSE O LAUDO COMPLETO

Nos testes de ignição, nenhuma das bordas do material enviado entrou em ignição, mostrando a sua resistência ao fogo. Não ocorreu o gotejamento das partículas em chamas e foi verificada a retração do material durante a aplicação da chama do queimador.

Em relação ao teste BS EN ISO 11925-2, o material se mostrou incombustível, não liberou uma quantidade significativa de fumaça e não apresentou gotejamento. Desse modo, duas avaliações convergiram para a segurança do material diante do fogo.

Portanto, ao escolher produtos da 3TC, além de ter um excelente isolamento térmico, você poderá ter a segurança sobre o comportamento ao fogo. Nossos materiais foram submetidos aos principais testes de segurança e foram devidamente aprovados! Possuímos diversos manuais de instalação que podem facilitar na hora da instalação!

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua empresa? Então, entre em contato conosco!

O telhado é uma das partes mais importantes de qualquer construção. Trata-se do ponto mais alto de um imóvel, responsável por proteger os interiores de diversas condições. Portanto, a reforma de telhados industriais exige máxima atenção.

Ela deve ser feita com certa periodicidade, em caráter de manutenção. Se as medidas não forem executadas ao longo do tempo, os problemas passam a se acumular e demandam um cuidado ainda maior. Por isso, o processo adequado gera benefícios, como ao evitar prejuízos, corrigir goteiras e vazamentos, e aumentar a segurança.

Na sequência, mostramos como deve ser realizada a reforma de telhados industriais e quais são os aspectos essenciais!

A avaliação da cobertura e da sua estrutura

O procedimento tem que começar, necessariamente, com uma avaliação das condições apresentadas pelo telhado. Esta é a única maneira de planejar o que será feito em seguida, bem como quais são os pontos de atenção.

Análise estrutural

Nesse momento, os profissionais capacitados devem alcançar a área de interesse e fazer uma análise da estrutura. Em plantas industriais, é comum que o telhado seja de metal, com componentes galvanizados e protegidos.

Ainda é preciso pensar na geometria da estrutura, em especial na presença de treliças e junções, pois isso ajuda a definir em quais pontos é possível atuar.

Estudo de outros elementos

Além de verificar a estrutura, há uma análise das telhas e da cobertura em geral. Também são verificados outros componentes, como as calhas para escoamento de água da chuva.

Os problemas estruturais são menos comuns, então o provável é que as dificuldades estejam nessas áreas. É por isso que a identificação por parte dos profissionais é tão importante.

Conclusões sobre o estado

Depois desse estudo completo, é possível definir quais são os principais problemas e quais situações exigem maior atenção. É o caso de reconhecer que há corrosão na estrutura ou deformações por erros de projeto.

Nos outros pontos, podemos imaginar a necessidade de substituir as telhas ou de adicionar um novo material. Então, cria-se um plano para executar a manutenção.

A preparação para a reforma de telhados industriais

Depois da identificação dos aspectos, há uma etapa de preparação para que tudo aconteça. É o caso de montar a estrutura que permitirá que os profissionais alcancem a área a ser reparada, por exemplo.

Também deve haver uma preocupação com a segurança do trabalho em altura, com o uso de cintos e outros equipamentos de proteção. Isso evita problemas maiores no caso de acidentes e faz com que tudo seja realizado com eficiência.

Além do mais, é o momento em que são definidas as etapas, como o que vai ser feito e em qual ordem. Quanto maior for a organização nesse sentido, melhores são as probabilidades de conquistar bons resultados com a reforma de telhados industriais.

A importância do isolamento térmico e acústico

O telhado, normalmente, é uma área pouco prática de ser acessada e trabalhada. Quando existe a oportunidade de mexer nesse ambiente, mesmo que para corrigir um problema específico, vale aproveitar a chance. Então, a hora da reforma é o momento ideal para pensar no uso de soluções para garantir o conforto no interior do imóvel.

Isolamento térmico

O isolamento térmico é muito importante. Por meio de um componente, como uma manta térmica, é possível diminuir ou até impedir a transmissão de calor.

O processo é simples e eficiente. A manta é instalada na estrutura e passa a refletir o calor que chega por meio da radiação solar. Se o componente for diferenciado e de qualidade, também vai prevenir o aumento da temperatura causado pela condução e convecção.

Isso é muito importante porque, como a estrutura costuma ser metálica, o calor se propaga rapidamente. Já com o isolamento, podemos dizer que há melhorias na climatização, na ergonomia e até na qualidade de vida e saúde dos profissionais.

Isolamento acústico

A outra alteração que pode ser feita durante uma reforma de telhados industriais é o isolamento acústico. Ele prevê que os ruídos externos não atrapalhem o ambiente interno, e que os gerados na parte de dentro não afetem o lado de fora.

Em vez de recorrer a produtos específicos e adicionar outro componente à estrutura, uma manta térmica de alta qualidade também é capaz de realizar a função de isolante acústico. Assim, é mais fácil atender aos parâmetros e garantir um alto nível de conforto.

A realização da reforma e da manutenção

Com o devido planejamento e preparo para o início das tarefas, ocorre a reforma propriamente dita. O objetivo é corrigir os problemas levantados e aumentar a segurança de toda a planta industrial.

Quando as mudanças são pontuais, são feitas de maneira rápida e localizada. Já se houver um comprometimento intenso da estrutura ou uma etapa complexa, pode ser mais em conta refazer o telhado por completo.

Nesse momento, o processo mais simples é o de isolamento térmico. Na forma de manta ou de placas, o produto é posicionado na estrutura, sob as telhas. É fundamental que toda a área seja coberta, com a devida fixação. O procedimento não é difícil, mas exige atenção e a segurança em altura.

Finalizadas as modificações e as instalações dos novos elementos, a rotina da indústria pode voltar ao normal.

As dicas para encontrar empresas qualificadas

Para que a reforma de telhados industriais seja um sucesso, uma das nossas recomendações é ter o apoio de negócios especializados em cada processo. Com isso, você tem a certeza de obter os melhores resultados.

No caso da manutenção e das alterações, confirme se a empresa está regularizada e tem a capacidade para realizar as etapas. Veja se os profissionais são especializados e se existe uma preocupação com a segurança. Além disso, ateste a experiência do negócio, fale com outros clientes e veja se tudo é seguido como mandam as regras. A atenção aos detalhes desde o começo permite fazer uma boa escolha.

Quanto ao isolamento térmico e acústico, prefira um fornecedor com tecnologia inovadora e única no mercado. Pondere o custo-benefício da compra e avalie, ainda, a facilidade de instalação. Assim, fica mais fácil ter o apoio de quem realmente está preparado.

A reforma de telhados industriais garante proteção e eficiência para a empresa. Ao aliar essa manutenção à instalação de soluções para o isolamento térmico e acústico, os resultados no ambiente interno são ainda melhores.

Para fazer a melhor aquisição, conheça a manta térmica da 3TC e descubra quais são os diferenciais do nosso produto! Ele pode até ser instalado em novos galpões!

Criar um espaço adequado exige o uso de técnicas, materiais e itens específicos para cada ambiente. Além da estética, é essencial garantir o conforto térmico no design de interiores.

Ao levar isso em consideração, é possível obter a melhor utilização da área. Para tanto, é preciso adotar as soluções adequadas para cada necessidade quanto ao controle de temperatura.

Na sequência, vamos mostrar como obter o conforto térmico no design de interiores e alcançar um bom desempenho. Confira!

Por que o conforto ambiental é importante?

Primeiramente, é necessário entender que um espaço se torna confortável graças a diversos fatores. Inclusive, há vários tipos de conforto que podem ser conquistados, e todos são relevantes. Especialmente em ambientes comerciais, industriais ou de produção, essa atenção garante o cumprimento da legislação trabalhista e melhora a produtividade do time.

O conforto luminoso está ligado ao nível de iluminação de um local. O equilíbrio quanto à disponibilidade de luz é essencial para evitar ofuscamentos ou sombras indesejadas. Além disso, há o conforto acústico, relacionado aos sons e ruídos, que devem estar em níveis adequados. O visual, por outro lado, busca alcançar a harmonia dos elementos visuais e estéticos, bem como sua boa disposição.

Outro fator muito importante é o conforto térmico. Este está ligado à temperatura e garante a sensação de bem-estar para quem utiliza o ambiente.

O que é o conforto térmico?

A necessidade de obter o conforto térmico no design de interiores tem a ver com a importância dessa condição para um espaço. Essencialmente, ele é atingido quando há fatores agradáveis e saudáveis de temperatura em um ambiente. Está relacionado à satisfação que as pessoas sentem, quanto à temperatura, em um determinado local.

O ideal é que ele não seja muito frio ou, como é ainda mais relevante no Brasil, muito quente. Para tal, o projeto de interiores deve incluir medidas para garantir essas configurações, tanto em ambientes comerciais quanto residenciais.

No caso das empresas, fábricas e outros locais de caráter comercial, há vantagens especiais ao desenvolver o conforto térmico. Veja quais são as principais:

  • redução do consumo de energia elétrica;
  • melhor desempenho e maior produtividade na execução de tarefas;
  • maior satisfação por parte dos colaboradores;
  • cumprimento das exigências trabalhistas;
  • proteção da saúde, prevenindo problemas como a desidratação;
  • manutenção da temperatura corporal adequada.

Em outros espaços, como granjas, o conforto térmico protege os animais e evita a morte por calor excessivo. Em ramos específicos, como de medicamentos ou alimentos, a correta regulação da temperatura é necessária para manter a qualidade.

Como incluir o conforto térmico no design de interiores?

Já que o controle e a manutenção da temperatura adequada são tão importantes, é essencial entender como incluí-los nos ambientes. Com as medidas certas, é possível criar as condições exigidas para obter a melhor sensação térmica.

Nesse sentido, é preciso saber quais são as técnicas mais adequadas. A seguir, veja como adicionar o conforto térmico no design de interiores!

Conheça os parâmetros ideais

No caso dos ambientes empresariais, a obediência às regras trabalhistas é obrigatória. A Norma Regulamentadora 17 (NR17) é uma das mais importantes e aborda a ergonomia e os parâmetros obrigatórios.

Para adicionar conforto térmico ao design de interiores, a recomendação é que o termômetro marque de 20 ºC a 23 ºC. O número é válido para escritórios, salas de controle e ambientes relacionados.

No entanto, há várias divisões do interior e variações com cada setor. Na parte de criação de animais, por exemplo, é preciso respeitar os valores previstos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e outros órgãos competentes.

O mesmo vale para um laboratório de análises delicadas ou para um estoque de alimentos refrigerados. Nossa dica é ficar de olho nesses parâmetros para que eles sejam respeitados.

Recorra às soluções de climatização

Se o local for muito quente ou frio, é quase impossível manter a temperatura na faixa correta sem a ajuda dos componentes certos. Para facilitar a tarefa, o design de interiores deve incluir um projeto de climatização.

O uso de ventiladores, aparelhos de ar-condicionado e climatizadores é bastante comum e atende desde escritórios a galpões e plantas industriais. Também vale pensar no uso de exaustores, aspersão fina de água e alternativas semelhantes.

Se o espaço, por outro lado, for muito frio, indicamos utilizar aquecedores para elevar a temperatura e garantir que tudo seja devidamente respeitado.

Aposte na automação

Para ter conforto térmico no design de interiores, vale planejar o uso de elementos de tecnologia. Por meio da automação de processos, fica fácil acompanhar os resultados e saber quais são as medidas que devem ser colocadas em prática.

Pense, por exemplo, em sensores automáticos de temperatura. Configurados corretamente, fazem com que o sistema de climatização seja acionado se o ambiente ficar mais quente que o desejado.

Também é possível utilizar outras alternativas de controle e de uso automático das ferramentas. Como consequência, todo o espaço se torna eficiente e agradável.

Invista no isolamento térmico

Por mais que todas essas soluções sejam importantes, elas não são tão efetivas sem um componente essencial: o isolamento térmico. Esse processo é responsável por deixar o ambiente “separado” e impedir a perda ou ganho de calor externo. Em termos simples, é o mesmo princípio de uma garrafa térmica.

Nesse sentido, nossa recomendação é recorrer às mantas térmicas de isolamento. Com a seleção e a aplicação adequadas, o conforto térmico no design de interiores se torna uma realidade.

Paralelamente, convém entender que o calor não é transferido somente por um método, e sim por três deles: condução, convecção e radiação. Apesar de a radiação ter o maior impacto, considerar apenas esse fator impede que a máxima eficiência seja alcançada.

Por isso, o ideal é escolher um produto desenvolvido para atuar contra todas as formas de transmissão de calor. Os materiais corretos e a arquitetura da manta permitem que o calor fique isolado do lado de fora. Assim, o interior nem perde muita temperatura no frio e nem ganha no calor.

Além de elevar o nível de conforto térmico, o isolamento reduz a necessidade de climatização. Com isso, é possível conquistar mais bem-estar, assim como economia por meio da diminuição do uso da energia elétrica.

Integrar o conforto térmico no design de interiores é essencial para garantir produtividade e uma sensação agradável de estar no ambiente. Com as nossas dicas, fica fácil criar as condições necessárias.

Já que o isolamento térmico é tão importante, entre em contato conosco da 3TC e conheça nosso produto único no mercado!

O isolamento térmico em igrejas é uma das medidas mais importantes para manter a comodidade dos seus fiéis durante os cultos. Afinal, nesses momentos, eles precisam de muita atenção para não perder nenhum detalhe das palavras do pregador, sendo o desconforto físico um fator muito importante de desconcentração.

Por essa razão, preparamos este post para que você entenda melhor o papel do isolamento térmico na climatização e quais são seus principais benefícios. Ficou interessado? Então, não deixe de acompanhar até o final!

Por que investir no isolamento térmico é essencial para uma boa climatização?

Muitos usuários frequentemente reclamam da falta de eficiência dos seus sistemas de climatização. Relatam que contam com vários equipamentos de ar-condicionado e de aquecedores, mas eles nunca são suficientes para gerar um ambiente com uma temperatura confortável.

Eles se sentem como se estivessem jogando dinheiro fora, colocando a culpa na qualidade das máquinas. Assim, acabam realizando trocas ou compras em vez de diagnosticar adequadamente o problema ― que na maioria das vezes é outro: a inexistência de um sistema de isolamento térmico adequado. Consequentemente, não importa a potência dos climatizadores, pois haverá tantos pontos de troca com o meio, que a temperatura nunca vai se igualar àquelas mostradas nos termostatos.

Toda parte interna de uma construção busca ficar na mesma temperatura do meio ambiente, em um fato conhecido, tecnicamente, como equilíbrio térmico. É um processo físico natural, que precisa de intervenção humana para ser desacelerado. Todavia os materiais utilizados nas construções tradicionais, como a madeira e os metais, não são capazes de reduzir essa “comunicação” entre o interno e o externo.

É aí que entram os isolantes térmicos. A temperatura é um reflexo do grau de agitação das partículas de cada estrutura, que quanto maior for, mais quente ficará o ambiente. Os isolantes são feitos com substâncias que dificultam os processos de transmissão de calor, que são basicamente três:

  • a condução ocorre quando duas superfícies que entram em contato transferem calor uma para a outra até que fiquem com a mesma temperatura;
  • a radiação acontece quando as ondas de calor emitidas por uma fonte, como o sol, agitam as partículas das estruturas;
  • a convecção é o processo em que o ar mais quente fica mais “leve” e sobe enquanto o mais frio desce, gerando correntes.

Como é feito o isolamento térmico?

O primeiro passo da instalação de um isolamento térmico é a escolha de um bom material. Há várias opções no mercado, como espumas, lãs de vidro, de rocha etc. Todas elas, geralmente, agem sobre um desses três processos citados anteriormente, geralmente a condução. Isso os torna, relativamente, ineficientes, pois ainda sofrem bastante com a ação dos demais.

Recentemente, foi desenvolvido um material tecnológico, o 3TC. Seu grande diferencial é ser muito eficiente tanto sobre a condução quanto a radiação. Ele é capaz de devolver para o ambiente externo mais de 90% da energia produzida pela radiação solar por meio de suas lâminas refletivas. No seu núcleo, existe um polímero orgânico muitíssimo eficiente em impedir a condução do calor. Consequentemente, ajudam a manter um grande conforto térmico mesmo nos dias mais quentes do verão.

Depois dessa etapa, é o momento de fazer um bom projeto de isolamento. Isso demanda uma equipe especializada e experiente. Ela vai visitar as instalações da sua igreja e identificar todos os pontos de vulnerabilidade, nos quais ocorrem maiores trocas de calor.

Geralmente, eles se localizam no teto, nas frestas das portas e das janelas e nos ductos dos aparelhos de ar condicionado. Em construções com paredes de madeira e de drywall, é preciso também ter uma atenção especial.

No projeto, os técnicos buscarão fazer uma cobertura completa com os itens corretos. Alguns lugares, por exemplo, serão mais eficientes termicamente com a instalação de placas, enquanto outros precisam de mantas. Portanto, é imprescindível o conhecimento das melhores práticas para o sucesso.

Quais são os benefícios do isolamento térmico em igrejas?

As igrejas são um dos tipos de construções que mais se beneficiam de uma boa climatização. Confira alguns benefícios a seguir!

Maior conforto para os fiéis durante o culto

Os cultos são momentos muito importantes para as pessoas. Lá, elas entram em contato com a sua espiritualidade e conseguem recuperar o bem-estar perdido em suas rotinas agitadas. Portanto, proporcionar conforto a eles, é essencial.

Além disso, as celebrações religiosas também aglomeram muitas pessoas em um ambiente fechado. Em muitos momentos, elas se movimentam durante os louvores, dançam durante as canções e conversam. Todos esses processos geram bastante calor, e os condicionadores de ar, sozinhos, não “darão conta do recado”. Sem um sistema de isolamento térmico, a igreja ficará bastante abafada.

Nos dias de frio, por outro lado, o calor humano também poderá ser utilizado em benefício do aconchego dos fiéis, evitando, inclusive, o uso de aquecedores. Entretanto, o isolamento será imprescindível para evitar que esse aquecimento vaze para o ambiente externo.

Redução de custos com energia

Ao dispensar o uso de aquecedores e aproveitar toda a potência dos aparelhos de ar-condicionados é possível utilizar menos equipamentos elétricos para manter o conforto térmico. Eles são os grandes vilões das contas de luz, pois seus processos demandam bastante uso de energia.

Mais facilidade de concentração

Durante os cultos, há momentos que exigem atenção integral dos fiéis nas palavras do orador, pois ele falará suas principais mensagens. O desconforto é um dos principais fatores de perda de foco, pois sobrecarrega o corpo da pessoa com sensações muito fortes.

Isolamento acústico

Um bom isolante térmico também age sobre a condução dos sons. As igrejas estão sujeitas a regulamentações governamentais muito rígidas a respeito da emissão de sons, não podendo causar perturbação à vizinhança. O 3TC é, também, muito utilizado em projetos de isolamento acústico, oferecendo, portanto, um benefício duplo.

Proteção contra incêndios

Por fim, não podemos deixar de falar da importância de alguns materiais nos projetos de proteção contra incêndios. Eles são capazes de cortar parte das chamas, reduzindo a velocidade de propagação do fogo.

Como você deve ter percebido, a escolha de um bom isolamento térmico em igrejas pode resolver muitos problemas comuns nesse tipo de estabelecimento. Além de proporcionar mais conforto para os fiéis, ele ajudará no processo de adequação da sua construção às normas governamentais para a proteção de pessoas em construções de uso coletivo.

Nós da 3TC trabalhamos com os materiais mais modernos do mercado e com uma equipe de profissionais extremamente capacitados, que já trabalharam em dezenas de projetos importantes, inclusive de isolamento térmico em igrejas.

Quer saber mais sobre as nossas soluções para a sua igreja? Então, entre em contato com os nossos consultores! Eles estarão prontos para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto!

 

O conforto térmico é um conceito importante em arquitetura e engenharia civil. Em uma empresa, ele contribui para qualificar as condições de trabalho de um determinado espaço ou de todas as instalações. Ele considera diferentes parâmetros: físicos (temperatura, umidade e velocidade do ar), fisiológicos (resposta do organismo humano a determinadas condições) e psicológicos (saúde mental do colaborador em relação a esse ponto). O mau isolamento térmico pode ser prejudicial no médio e longo prazo.

Combinando esses fatores, são obtidos padrões térmicos, apropriados ou não. O setor de segurança do trabalho desenvolve um papel fundamental nesse aspecto, pois identifica e contorna os eventuais riscos de natureza térmica.

Não é tarefa simples mensurar e controlar os perigos efetivos relacionados ao assunto, pois é preciso conhecer as causas do desequilíbrio térmico, as normas regulamentadoras específicas, a utilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs) e assim por diante. No post, mostramos 8 problemas causados pelo mau isolamento térmico e o calor. Confira!

1. A falta de conforto

Desempenhar atividades em um ambiente excessivamente quente pode se tornar insuportável. Um equipamento que dissipa calor tende a manter a temperatura muito elevada, fazendo com que o profissional se desgaste mais rápido. Além disso, pode provocar choque térmico nas pessoas que não exercem atividade constante em ambientes assim.

A falta de conforto causada pelo mau isolamento térmico influi, portanto, diretamente na produtividade industrial. Muitos empregadores ainda não fazem a correta associação entre ergonomia e produtividade, que é fundamental para que as metas sejam alcançadas.

A baixa variação de temperatura permite que o ambiente interno fique mais agradável, ainda que sejam usados equipamentos muito quentes, que dissipam muito calor.

2. O gasto elevado de energia

Outro problema resultante de um mau isolamento térmico é o consumo elevado de energia para refrigerar o ambiente de forma artificial. Aparelhos de ar condicionado, por exemplo, consomem muita energia, principalmente se a finalidade for refrigerar um espaço muito amplo.

Além disso, as instalações da indústria isoladas termicamente permitem que a utilização de energia na fonte geradora seja menor, o que ajuda a reduzir os gastos com seu consumo. A economia total da construção varia conforme diferentes fatores, como o tipo de combustível que é empregado, a localização da indústria, os impostos, as condições ambientais e outras coisas.

O retorno do investimento, ou payback, de um sistema de isolamento térmico ocorre geralmente dentro de um ano.

3. A falta de segurança

Como já falamos, o isolamento térmico é de extrema importância para a segurança dos usuários. Isso porque o calor excessivo pode causar choques térmicos nos colaboradores e outros problemas de saúde. Em alguns casos, o ambiente pode ficar tão quente que torna as condições de trabalho insalubres.

A segurança dos trabalhadores deve ser uma das prioridades da gestão industrial. A preocupação com a qualidade de vida e o bem-estar da equipe contribui para criar um ambiente de trabalho salutar, que ajuda na retenção de talentos e promove melhorias no relacionamento da empresa com seus colaboradores.

Um calor muito elevado expõe os colaboradores a diversos riscos. Uma temperatura alta demais é muito nociva, podendo provocar desidratações, infertilidade masculina, queimaduras graves, câncer de pele e problemas de visão.

Esses problemas podem ser agravados pela falta de equipamentos de proteção individual (EPIs). As Normas Regulamentadores mais importantes nesse sentido são: NR 17, ISO 7730 e ISO 7243, como veremos mais adiante.

Os EPIs, por sua vez, são fundamentais para minimizar ou evitar os efeitos nocivos do calor sobre o corpo dos colaboradores. Não levar em conta os efeitos do mau isolamento térmico pode levar a acidentes de trabalho e a outros problemas de saúde muito graves. Entre os principais EPIs e medidas de segurança que reduzem os riscos da alta exposição ao calor estão:

  • Os óculos com proteção ultravioleta e infravermelho;
  • As luvas térmicas;
  • A vestimenta térmica que envolve todo o corpo (o macacão);
  • A máscara de segurança facial;
  • Os respiradores com filtros específicos;
  • As botas de couro;
  • O isolamento e a sinalização das áreas que envolvem mais riscos;
  • O enclausuramento das fontes e dos processos que emitem radiação (sempre que possível).

4. Os problemas trabalhistas

Descuidando da precaução, a empresa pode até se envolver com problemas trabalhistas. Existem normas de segurança de trabalho que devem ser seguidas sob pena de multas pesadas para quem não cumprir. Em casos mais graves, como acidentes ou doenças de trabalho, a situação pode ser ainda pior.

Os processos judiciais trabalhistas são grandes inimigos das finanças e do potencial competitivo da indústria. A reputação dela cai consideravelmente e, além disso, pode ficar sob a mira de órgãos fiscalizadores.

Esses problemas podem ser agravados pela falta de equipamentos de proteção individual (EPIs). As Normas Regulamentadores mais importantes nesse sentido são: NR 17, ISO 7730 e ISO 7243.

5. O desrespeito à Norma Regulamentadora 17

A Norma Regulamentadora 17 garante algumas condições de conforto para os colaboradores como:

  • A temperatura efetiva entre 20º C e 23º C;
  • A velocidade do ar inferior a 0,75 m/s;
  • A umidade relativa do ar igual ou maior que 40%.

6. O desrespeito à ISO 7243

A ISO 7243 faz uma estimativa do estresse por calor provocado nos colaboradores, se baseando no índice de bulbo úmido e temperatura de globo (IBUTG). Seu método oferece ótima aplicabilidade na indústria e um diagnóstico eficiente e rápido.

Porém é analisado somente o efeito do calor no organismo humano em um período específico de tempo, sem considerar a análise do estresse em períodos mais curtos de exposição ao calor.

7. O descumprimento da ISO 7730

A ISO 7730 é uma norma de abrangência internacional que combina fatores físicos com parâmetros definidos e avalia a sensação térmica do colaborador. O que se considera são roupas usadas, tarefa desempenhada e outras coisas.

8. Um alto índice de emissão de CO

Em uma indústria, a emissão de gás carbônico sempre tende a ser alta. Com um mau isolamento térmico, haverá uma liberação maior desse gás para a atmosfera, o que produzirá efeitos nocivos no meio ambiente, como o aumento da poluição e os danos à camada de ozônio.

Vemos assim que o mau isolamento térmico pode gerar consequências graves que afetam a saúde dos colaboradores, a indústria e até o meio ambiente como um todo. Por isso, convém seguir corretamente as leis relacionadas ao assunto.

Gostou do texto? Ele foi útil para você? Aproveite para ver como se faz um bom isolamento térmico!

 

Muito comum em postos de trabalho industriais, a atuação em um ambiente insalubre faz parte da rotina ocupacional de milhões de colaboradores em todo o Brasil. Contudo, mesmo sendo bastante conhecido no meio trabalhista, muitas pessoas (tanto os empregadores quanto os funcionários) ainda não sabem definir bem se um local é ou não insalubre.

Além disso, também há algumas dúvidas em relação à procedência após a identificação de um posto de trabalho classificado como insalubre. Perguntas do tipo: como controlar o risco; quais parâmetros avaliar na hora de considerar o pagamento adicional e qual o tempo máximo permitido de exposição ao risco ainda persistem entre a equipe de trabalho.

Em vista disso, destacaremos abaixo o que são ambientes insalubres, quais os parâmetros necessários para essa análise e 6 fatores que tornam um ambiente ocupacional insalubre.

O conceito de ambiente insalubre

Um posto de trabalho é insalubre quando ele de alguma maneira representa riscos à saúde da equipe de forma intensiva e frequente. Em outras palavras, é quando há situações na empresa onde os colaboradores ficam expostos aos riscos em um patamar acima dos limites toleráveis.

Sendo assim, confira abaixo algumas características presentes em ambientes de trabalho insalubre:

  • excesso de radiação não ionizante;
  • intensidade sonora acima de 85 dB;
  • alteração na pressão absoluta;
  • variações térmicas (frio demasiado e calor intenso);
  • elevada umidade relativa do ar;
  • vibrações mecânicas;
  • presença de agentes biológicos e químicos.

Definição dos parâmetros toleráveis

Para não ficar subjetivo a definição se um posto de trabalho está ou não dentro dos níveis tolerados pelo corpo humano, foi criada uma norma regulamentadora específica para ambientes insalubres, a NR 15.

Deste modo, esse regimento classifica com exatidão quais são os níveis (de todos os riscos) que caracterizam um ambiente insalubre.

As consequências da insalubridade no trabalho

Ao trabalhar em um ambiente insalubre o colaborador tem o direito de receber um adicional financeiro sobre o salário já concedido. Como há diferentes níveis de exposição, a NR 15 estabelece:

  • 40% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau máximo;
  • 20% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau médio;
  • 10% a mais sobre o salário base para insalubridade de grau mínimo.

Cabe destacar que a norma deixa bem claro não haver possibilidade de acúmulo de benefícios, isto é, no caso de uma equipe atuar em um ambiente que contém 2 fatores de insalubridade, prevalecerá o adicional referente ao grau mais elevado.

5 fatores que tornam um ambiente insalubre

Veja abaixo 6 fatores de risco que um ambiente ocupacional insalubre pode oferecer para a equipe de trabalho.

1. Temperaturas extremas

A temperatura pode ser um fator de insalubridade tanto em ambientes frios, quanto em locais onde o calor é intenso.

1.1 Intenso calor

Segundo a NR 15 não há uma temperatura limite padrão, isso porque ela considera qual é a intensidade das tarefas que estão sendo realizadas nesse ambiente de calor. Entretanto, dependendo das características das atividades desempenhadas, acima de 25°C já podemos ter locais de trabalho insalubres.

Atuar em um local de calor intenso pode remeter a:

  • perda de água no corpo e consequente quadros de desidratação;
  • dores e espasmos musculares, prejudicando assim a locomoção;
  • fraqueza muscular;
  • irritabilidade na pele e nos olhos.

1.2 Intenso frio

Já para as temperaturas reduzidas, a Norma Regulamentadora 15 basicamente direciona sua análise para todas as atividades executadas no interior de câmaras frigoríficas, ou em ambientes que oferecem condições similares. Porém, a definição de insalubridade será mediante laudo expedido após uma inspeção técnica realizada no local.

Trabalhar em ambientes de frio intenso podem causar:

  • confusão mental;
  • perda gradual dos movimentos;
  • quadros de hipotermia;
  • dificuldades de respiração.

2. Agentes químicos

Segundo a NR 15, trabalhar em um local na presença de: arsênio (e seus compostos); chumbo; cromo; carvão; fósforo; hidrocarbonetos; mercúrio; silicatos e qualquer outra substância cancerígena já é o suficiente para defini-lo como insalubre.

Desempenhar atividades na presença de agentes químicos pode causar:

  • irritação nos olhos e na pele;
  • asfixia e sensação de sufocamento;
  • lesões na pele;
  • dificuldades respiratórias;
  • lesões irreparáveis nas vias respiratórias (essencialmente o cromo).

3. Vibrações mecânicas

O critério para avaliar se um posto de trabalho contém vibração mecânica acima do aceitável ou não é bastante técnico, sendo criteriosamente definido na NR 15.

Atuar em locais onde há excessivas vibrações pode levar o colaborador a:

  • ter irritação nos ouvidos e incômodos auditivos;
  • confusão mental (vibrações emitidas a uma específica faixa de frequência);
  • dificuldades de locomoção.

4. Ruídos excessivos

O som intenso é um dos riscos de trabalho mais encontrado na indústria. Presente em diferentes níveis de intensidade e de exposição, a NR 15 também utiliza uma série de parâmetros técnicos para classificar um posto de trabalho insalubre quanto ao ruído.

Permanecer em uma área de som intenso pode causar:

  • perda gradual da audição;
  • desenvolvimento de doenças auditivas;
  • falta de concentração.

Vale pautar aqui o revestimento acústico nas áreas de ruído intenso como sendo uma ótima alternativa para o controle/redução desse risco de trabalho, prática esta que é largamente aplicada na indústria e em outros ambientes ocupacionais, como escritórios e laboratórios.

5. Umidade excessiva

A umidade excessiva está presente basicamente nos locais alagados e encharcados, além daqueles onde o colaborador inevitavelmente entra em contato com a água para o desempenho das tarefas.

Por ser um parâmetro um pouco subjetivo, para ser classificado como insalubre o ambiente em questão precisa receber um laudo técnico após ser inspecionado.

A umidade excessiva leva a:

  • queda da temperatura do corpo, ocasionando desconforto térmico;
  • resfriados e outras enfermidades causadas pelo frio.

Portanto, ambiente insalubre é algo muito sério e que precisa ser detalhadamente considerado na hora de delegar tarefas para a equipe de trabalho. Vale destacar também que seja qual for o risco de trabalho presente na indústria, o empregador é obrigado a buscar ferramentas para o seu controle, garantindo assim a saúde ocupacional de todos os colaboradores.

O conteúdo foi válido para você? Então leia também, em mais um de nossos posts, sobre quais os danos do excesso de calor na saúde.

Contar com um bom revestimento acústico é importante para praticamente todos os tipos de obra: reformas residenciais, construção de edifícios, projetos de arquitetura corporativa, entre outros. No entanto, como há várias opções no mercado, é preciso escolher o produto certo, que vai entregar os maiores benefícios com o menor preço.

Para isso, você precisa conhecer mais sobre o assunto a fim de poder fazer uma escolha precisa com base nos seus próprios conhecimentos. Então, preparamos este post especialmente para você. Acompanhe!

O que é revestimento acústico?

O isolamento acústico é um conjunto de técnicas e de materiais desenvolvidos para a supressão, a reflexão, a difusão e a absorção de ondas sonoras. Desse modo, é possível reduzir significativamente os a propagação do som de um ambiente para o outro. Assim, pode ser utilizado tanto a entrada quanto a saída de ruídos de uma determinada estrutura.

Isso pode ser feito de várias formas, mas a mais simples e econômica é o chamado revestimento acústico. Com ele, você aplica um material isolante sobre uma superfície da construção, como as paredes, o piso e o teto. Isso pode ser feito com mantas, espumas, sprays etc. Desse modo, você consegue uma instalação rápida, eficiente e barata em comparação com outras técnicas.

Além disso, o revestimento pode ser aplicado em estruturas já prontas sem a necessidade de reconstrução ou de reformas. Isso ajuda bastante nos projetos em que não é viável ou se não deseja fazer uma mudança permanente, visto que os revestimentos podem ser instalados e desinstalados a qualquer momento.

O mais interessante é que várias técnicas podem ser empregadas para conferir um melhor isolamento sonoro. Atualmente, os melhores materiais para isolamento acústico do mercado utilizam uma combinação delas para otimizar a eficiência.

Absorção sonora

É a técnica mais clássica de isolamento sonoro, e você provavelmente já deve tê-la encontrado em diversos ambientes. Nela, são utilizados materiais porosos ou ressonantes — como as espumas e as lãs — para dissipar a energia das ondas sonoras. Desse modo, elas perdem sua força antes de chegar aos nossos ouvidos. Em alguns casos, essa energia pode ser transformada em calor de forma que é importante escolher um isolante sonoro que também ofereça conforto térmico e acústico.

Quando observamos espumas revestindo paredes ou mantas entre lâminas de drywall, por exemplo, estamos observando o emprego da técnica de absorção. Se você observar bem, verá ela sendo aplicada em vários locais, como cinemas, hotéis, escolas, estúdios de música, boates etc. As paredes acolchoadas não são para melhorar o conforto do toque, mas dos nossos ouvidos.

Difusão sonora

A difusão sonora é uma técnica bastante inteligente que se aproveita das características físicas das ondas sonoras. Elas são formadas pelo impacto gerado no ar desde as nossas cordas vocais até os nossos ouvidos. Quanto maior a massa de ar descolada, maior será o som que escutamos.

No entanto, quando elas incidem sobre uma superfície, elas são refletidas em um ângulo de 90º. Assim, quando bate em uma parede lisa, por exemplo, praticamente toda onda será direcionada a uma direção — o que torna o som mais forte. Por outro lado, em uma superfície irregular, há a dissipação da onda em várias direções. Desse modo, a massa de ar deslocada em uma única direção é menor. Como resultado, a energia sonora chega aos nossos ouvidos com uma intensidade muito mais baixa.

Reflexão sonora

Por fim, temos a técnica que também utiliza o ângulo formado pela reflexão das ondas para reduzir a transmissão do som para um determinado ambiente. Nesse caso, busca-se utilizar materiais para aumentar a reflexão sonora de uma estrutura ou para direcionar a onda refletida para fora daquele local.

Por exemplo, algumas construções aproveitam alguns materiais mais densos, como o vidro temperado grosso ou o concreto, para aumentar a capacidade reflexiva das estruturas. Assim, é possível impedir que ruídos entrem ou saiam de um determinado ambiente antes de serem dissipados por múltiplas reflexões.

Desse modo, os revestimentos acústicos conseguem os seguintes objetivos.

​Reduzir os sons dentro de um cômodo

Além de impedir a entrada e a saída de som dentro de um ambiente, o revestimento acústico também auxiliam na redução de efeitos sonoros, como o eco. Desse modo, os sons produzidos internamente não reverberam dentro de um mesmo ambiente. Imagine novamente uma sala de cinema, seria muito incômodo se cada fala ou som de um filme ficassem se repetindo lá dentro.

Por isso, na hora de escolher um revestimento, não se esqueça de que ele não deve somente evitar a transmissão de som para outro ambiente. Ele deve também impedir a reverberação dos ruídos internos. Isso é imprescindível para áreas de lazer, como hotéis e baladas, quanto para corporações, como escritórios.

Reduzir o vazamento de som

Assim como a água, o ar é um fluido, isto é, uma substância que tem a facilidade de escapar por brecha. Um bom revestimento deve garantir uma cobertura completa do ambiente, pois, caso contrário, naturalmente o som encontrará um caminho para escapar. Aqui, temos a superioridade de materiais maleáveis, como as mantas, que podem ser facilmente inseridas em superfícies curvas e ângulos muito agudos.

Qual a importância do isolamento acústico?

A importância do isolamento acústico depende bastante da finalidade da construção (residencial, industrial ou comercial), do ramo do negócio, das atividades exercidas etc. Por exemplo, um estúdio de música precisa de um isolamento praticamente perfeito para obter uma boa qualidade nas gravações. Por outro lado, as residências precisam reduzir uma pequena parte do ruído para melhorar o conforto do local.

No entanto, de forma geral, em qualquer tipo de ambiente, um bom controle de ruídos é importante para a saúde e o bem-estar das pessoas. A poluição sonora aumenta o nível dos hormônios do estresse, como o cortisol e a adrenalina, de forma que isso pode gerar um desequilíbrio corporal. Isso predispõe a várias doenças cardiovasculares, como a pressão alta e o acidente vascular cerebral. Trabalhadores expostos constantemente a ruídos por muito tempo têm maior propensão ao desenvolvimento dessas condições.

Por isso, os benefícios com o isolamento acústico superam os custos em qualquer tipo de projeto. Afinal, pode ajudar prevenir despesas hospitalares ou afastamentos do trabalho no caso das empresas.

Além de serem ruins para a saúde, eles também são péssimo para os negócios. Os clientes expostos ao som ficam muito estressados, o que diminui a sua propensão a realizar uma compra com você. Basta reparar: você costuma entrar em ambientes com um mau conforto acústico. Também, eles não vão gostar de esperar que uma transação seja concluída, o que pode fazer com que eles desistam durante o processo.

A questão do isolamento acústico também vai além disso, sendo, em algumas situações uma obrigação legal. Confira o que a norma técnica da ABNT fala sobre o assunto.

NBR 15575

Essa norma se aplica às edificações habitacionais, que deverão começar a implementar recursos de abafamento de sons em sua infraestrutura. Ela versa sobre vários pontos relacionados à higiene, à salubridade e ao conforto termoacústico de construções residenciais. Agora, elas deverão atender a uma série de critérios, como:

  • conter um sistema de vedação de coberturas com o objetivo de otimizar o desempenho acústico e térmico;
  • contar com o isolamento das vedações externas;
  • implementar o isolamento entre os diferentes ambientes internos;
  • incluir o isolamento de ruídos gerados pelo impacto.

Desse modo, a norma busca proteger os moradores de uma residência tanto de ruídos provenientes do ar quanto do solo, o que é realmente uma inovação em relação à regulamentação anterior. Para garantir isso, foram criados alguns critérios de avaliação de qualidade do isolamento:

  • tempo de reverberação, que mede a propagação de ecos no ambiente;
  • equilíbrio do isolamento em várias faixas de frequência de sons, do mais agudo ao mais grave;
  • bloqueio completo dos sons tonais audíveis por seres humanos, como é o caso dos roncos e zumbidos;
  • redução do impacto das variações bruscas de som, como é o caso dos roncos de motores e aviões;
  • uniformização da distribuição do som no ambiente.

Durante uma auditoria ou uma fiscalização no seu projeto, todos esses pontos serão avaliados com instrumentos bastante sensíveis. Portanto, para evitar multas ou a interdição da obra, não deixe de garantir o conforto acústico.

Quais os benefícios de investir nesse revestimento?

Privacidade

O isolamento acústico impede vazamentos de voz de uma construção. Com isso, moradores de uma residência poderão compartilhar suas intimidades sem receio de algum vizinho ouvir. Nas empresas, isso também é essencial, pois os clientes geralmente demandam privacidade durante as negociações e conversas. Também, isso ajuda a evitar o vazamento de segredos corporativos, como estratégias de marketing e estudos de posição de mercado.

As empresas de construção civil também devem ficar atentas ao isolamento acústico, pois isso pode ser um critério que determina a escolha de uma unidade. Ninguém quer comprar um apartamento em que se ouve a conversa dos vizinhos.

Até mesmo dentro das unidades, deve haver o respeito pela privacidade. Por exemplo, um casal provavelmente não quer que os filhos ouçam determinadas conversas, assim como os filhos, em algum momento, passam a demandar por um espaço só seu. Em alguns ramos de serviço, isso é essencial. Por exemplo, as conversas médicas pressupõe sigilo — o que pode ser difícil quando não há um revestimento acústico impedindo que as pessoas na sala de espera ouçam o diálogo dentro de um consultório.

Redução de problemas auditivos

Você sabia que cerca de 1,3 bilhão de pessoas no mundo sofrerão de redução da capacidade auditiva em algum momento da sua vida? De acordo com essa estimativa da Organização Mundial de Saúde, cerca de 10% da população mundial sofrerá com essa condição devido a um histórico de longa exposição a níveis sonoros inadequados.

Prevenção de doenças

Além disso, o efeito da poluição sonora da saúde ajuda a acelerar o surgimento de vários problemas de saúde, como os distúrbios do sono, o estresse crônico, a redução da cognição, transtornos ansiosos e depressivos, entre tantos outros. Portanto, o incômodo gerado pelos sons não é uma questão de “frescura”. Pelo contrário, vários estudos científicos evidenciam o seu impacto na saúde individual e pública.

Conforto

Nas suas casas, as pessoas querem gozar de várias atividades de lazer que demandam um maior silêncio, como assistir a um filme ou a uma série, ouvir música alta etc. Além disso, tanto os adultos quanto as crianças precisam de sossego para descansar e para dormir. Então, a comodidade está diretamente ligada ao conforto sonoro. Imagine-se em um dia agitado de trabalho, tudo o que você quer não é chegar em casa e curtir o silêncio?

Nas empresas e nas indústrias, isso também é essencial para manter os funcionários motivados. As normas de ergonomia na empresa demandam um baixo nível de ruídos, pois eles podem gerar doenças ocupacionais, especialmente nos ambientes com máquinas pesadas. A Norma Regulamentadora nº 15 estabelece vários limites de tolerância para sons e as medidas de proteção adequada para o trabalhador. Nesse contexto, o uso de revestimentos acústicos ajuda sua empresa a garantir a conformidade com a legislação trabalhista.

Comunicação eficaz

Todo mundo sabe o quão difícil é se comunicar em locais ruidosos, pois os sons da fala se misturam com o do ambiente. Isso pode reduzir a eficiência dos processos comunicativos nas empresas, reduzindo a interação entre os profissionais.

Isso pode diminuir significativamente a produtividade dos seus fluxos de trabalho. Afinal, muitas informações poderão ser perdidas ou entendidas incorretamente, levando a atrasos ou à necessidade de refação de tarefas. Isso é um prejuízo facilmente evitado com medidas de isolamento — o que, por si só, já justifica a instalação de revestimentos acústicos urgentemente.

Qualidade de vida

As pessoas expostas a ruídos regularmente podem sofrer com um declínio global das suas capacidades cognitivas. Isso leva a uma redução da capacidade de leitura, aprendizado e entendimento. Por tanto, a poluição sonora afeta várias habilidades importantes no nosso dia a dia, tais como a memória, capacidade de resolução de problemas, tomada de decisões racionais etc.

No trabalho, isso pode representar uma grande perda no desempenho dos funcionários — os quais sofrerão com uma redução da inteligência e da criatividade. Desse modo, sua empresa pode ter contratado os melhores talentos do mercado, mas os riscos ambientais sonoros poderão minar toda o diferencial deles.

Nas residências familiares, esse problema pode ser ainda mais grave. Alguns estudos têm mostrado que a poluição sonora pode causar uma série de problemas no desenvolvimento cognitivo das crianças. Por exemplo, a exposição prolongada a ruídos durante fases mais precoces do crescimento podem afetar a aquisição da linguagem, assim como todas as outras habilidades linguísticas. Portanto, investir em revestimentos acústicos é uma medida de cuidado com seu filho.

Quais os tipos de revestimento acústico?

Lã de vidro

Esse é um material relativamente tradicional quando estamos falando de revestimento acústico. Para fabricá-lo, submete-se a sílica ou o vidro reciclado a altas temperaturas e, depois, são empregadas técnicas de resfriamento que formam fios parecidos com uma lã grossa e áspera.

Entre suas vantagens, está um custo intermediário em comparação a outros materiais, a sua resistência ao fogo e um leve isolamento térmico. No entanto, como atua somente na absorção dos sons, acaba tendo uma eficiência inferior em comparação com tecnologias mais modernas.

Além disso, como não é um material esteticamente bonito e que se desprende facilmente, ele não pode ser instalado nas superfícies externas da parede. Deve ser inserido entre lâminas de gesso, divisórias ou paredes de drywall.

Espumas

Até algum tempo, as espumas estavam presentes em quase todos os projetos de isolamento acústico. Isso porque seu custo era muito baixo em relação a outras tecnologias da época.

No entanto, seus vários problemas acabaram reduzindo bastante o seu uso em quase todos os tipos de ambiente. O mais grave deles é que grande parte das espumas são feitas de subprodutos do petróleo e, portanto, são facilmente inflamáveis.

Quando entram em combustão, acabam também liberando muita fumaça e alguns gases tóxicos. A principal causa de morte em incêndios não é o fogo diretamente, mas a asfixia e a intoxicação. Esse foi o caso do fatídico evento na Boate Kiss, que ocorreu há cerca de uma década.

Algumas novas espumas foram criadas para contornar esse efeito. No entanto, ainda assim, elas ainda não oferecem o conforto acústico, a durabilidade e facilidade de instalação quando comparadas a outros materiais.

Hoje em dia, há várias opções de outros materiais inovadores no mercado — o que tem reduzido bastante a procura por isolamento de espuma.

Lã de rocha

Quando pensamos na dureza das rochas, não imaginamos que elas podem ser utilizadas para fabricar algum tipo de lã. No entanto, ela é uma opção razoável de revestimento. Ela é fabricada a partir de uma pedra vulcânica chamada de diábase, a qual é derretida em fornos de 1500º celsius e reestruturada em fios.

Por esse processo complexo, ela é relativamente cara em relação aos outros materiais. Outro problema, comum a todas as lãs, é a espessura maior, a qual traz mais dificuldades em integrá-las a vários tipos de projeto. Mesmo assim, é capaz de entregar um bom isolamento acústico e térmico, além de ser resistente ao fogo.

Lã de PET

A lã de PET é outra opção cuja utilização tem crescido nos projetos devido ao grande apelo da sustentabilidade na construção civil, pois ela pode ser fabricada com plásticos reciclados. No entanto, são poucos os fabricantes que oferecem certificados de que o material é 100% reciclado. Assim, materiais novos podem acabar sendo utilizados, contribuindo com a produção de plásticos no ambiente.

Como é feita de produtos de petróleo, o PET não oferece um bloqueio às chamas. Caso não receba o tratamento adequado, pode ser inclusive considerado inflamável.

3TC

O 3TC é uma tecnologia totalmente inovadora em isolamento acústico e térmico, que atende a todas as demandas de segurança e qualidade da construção civil. Como é fabricado com materiais e processos inovadores, ele consegue apresentar uma maior eficiência e mais durabilidade quando comparado aos isolamentos tradicionais.

Ademais, conta com um reforço anti-chamas, que consiste em um núcleo de poliestireno expansível e duas películas altamente refletivas que não conduzem eletricidade. Ele é também é extremamente versátil e pode ser utilizado em várias estruturas, como:

Além disso, pode ser utilizado como forro ou manta térmico em vários objetos e equipamentos, como os contêineres, veículos de transporte de carga e de pessoas, ductos de ar-condicionado etc.

Isso é possível, pois é uma tecnologia avançadíssima baseada no funcionamento dos trajes de astronautas. Para isso, ele pensou como uma estratégia de isolamento acústico com ação em todos as técnicas de isolamento — reflexão, absorção e difusão. Isso não é encontrado em nenhum dos materiais tradicionais do mercado, como as lãs e as espumas.

Na forma de painéis ou de mantas, ele consegue ser instalado facilmente em qualquer projeto, podendo ser fixado mecanicamente ou com colas especiais. Também, pode ser inserido entre telhas de alumínio, lâminas de drywall, abaixo de pisos laminados etc.

Como escolher o melhor revestimento acústico?

Facilidade de instalação

Hoje em dia, vivemos em um paradigma de arquitetura e de construção civil simplificado. Então, quanto mais práticos forem os processos e os materiais, melhor para a obra. Assim, é possível conclui-la rapidamente com a maior qualidade possível, o que é bom para todas as partes envolvidas.

Nesse sentido, as mantas de 3TC geralmente são instaladas em poucos dias, pois não precisam de um procedimento complexo ou demorado.

Qualidade do produto

Há vários produtos medíocres no mercado, que prometem vários resultados, mas não entregam. Desse modo, é importante avaliar bastante o seu isolamento acústico. Procure avaliações no mercado e na Internet, pesquise bastante sobre o material utilizado e a reputação da empresa. Somente assim, você conseguirá garantir um produto de qualidade.

Custo-benefício

Esse é outro problema muito comum na hora de escolher um isolamento acústico. Muitas empresas oferecem bons produtos, mas com preços totalmente desproporcionais. Para solucionar isso, faça pesquisa de preços em várias empresas e verifique os benefícios de cada produto.

Quando você escolhe um revestimento acústico adequado para sua obra, com boa durabilidade e qualidade superior, você não precisará nunca mais se preocupar com o assunto. Se você é arquiteto, saberá que seus projetos agradarão os clientes. Se é empresário da construção civil, terá certeza de que está atendendo a legislação. Se você está reformando sua casa, saberá que não precisar trocar o isolamento por muitos e muitos anos.

Agora você que sabe o que é mais importante em um isolamento acústico, quer saber como nossas soluções podem ajudar no seu projeto? Então, entre em contato com a nossa empresa!