O corpo humano possui a habilidade de se adaptar em relação a diversas variações nos ambientes como intensidade sonora, quantidade de oxigênio no ar, oscilações térmicas, etc. Entretanto, mesmo se adequando a essas alterações, devemos destacar os possíveis efeitos colaterais no metabolismo humano, principalmente aqueles decorrentes das trocas de temperatura, já que, nesses casos, o conforto térmico fica consideravelmente comprometido.

É fácil perceber, por exemplo, o quão desgastante é permanecer em locais com temperaturas elevadas, bem como o desconforto contínuo (essencialmente dos pés e das mãos) ao realizar tarefas em ambientes extremamente frios. Dessa forma, seja no calor, seja no frio, é indispensável analisar as consequências da ausência de conforto térmico e entender o quão relevante esse parâmetro pode ser para o nosso cotidiano.

Lendo este post, você vai entender o que é conforto térmico e como alcançá-lo e quais são os impactos desse fator para a saúde do nosso corpo. Confira!

O conceito de conforto térmico

Para definir esse termo, é preciso considerar a combinação de critérios físicos (temperatura, umidade e velocidade do ar), psicológicos (estado mental do indivíduo após alterações ambientais) e fisiológicos (resposta padrão do corpo a uma dada condição externa).

Dessa maneira, conforto térmico nada mais é que a combinação desses fatores, resultando em indicadores térmicos, satisfatórios ou não. Exemplificando, um ambiente que oferece um conforto de temperatura adequado é aquele que se encontra numa faixa estável (geralmente entre 22° C e 24°C) e não apresenta valores extremos de velocidade e umidade do ar — ou seja, viabiliza um cenário propício tanto para a permanência humana quanto para o desempenho de tarefas.

A importância de manter a temperatura adequada

Locais que não são classificados positivamente quanto ao conforto térmico são capazes de afetar tanto a produtividade de uma equipe quanto representar sérios riscos para a saúde. Desse modo, é possível afirmar que, em ambientes onde a temperatura se encontra nos extremos, o nível de concentração de uma pessoa pode diminuir drasticamente, prejudicando a qualidade da atividade que estava sendo realizada.

Outro ponto importante que devemos ressaltar é em relação ao bem-estar, uma vez que é difícil se manter em um local onde a temperatura não está apropriada, o que pode, inclusive, gerar mudanças de humor e alterações fisiológicas mais sérias.

Em ambientes laborais, as consequências de um desconforto térmico podem ser ainda mais acentuadas, ocasionando graves acidentes de trabalho. Isto é, as condições térmicas de um local jamais devem ser negligenciadas, especialmente em espaços onde há contínua permanência humana.

O desequilíbrio térmico e as suas consequências

Como já foi dito, a saúde física e mental sofre em cenários onde há desconforto térmico. Entretanto, os sintomas não são sempre iguais, e isso depende da presença ou da ausência de calor. A seguir, entenda os diferentes casos:

Efeitos sob forte calor

O metabolismo humano é drasticamente afetado em situações em que a temperatura corporal alcança 40° C. Para que isso ocorra, é necessária uma exposição excessiva ao calor, que pode desencadear um estado de hipertermia.

Nessa possibilidade, as principais consequências são:

  • desidratação acentuada (escassez de água no organismo, o que prejudica as reações orgânicas mais básicas do corpo);
  • erupção, com vesículas roxas em áreas da pele onde a incidência de calor for maior;
  • dores e espasmos musculares, agravados no abdômen e nas extremidades;
  • desequilíbrio neurológico (o que implica sérias alterações sensoriais);
  • fraqueza muscular, a qual pode se prolongar por dias caso a exposição à alta temperatura seja extrema;
  • dificuldade de concentração, que pode levar a quadros de ansiedade e estresse.

Medidas preventivas e corretivas

Cabe destacar alguns pontos referentes ao estado de hipertermia, tanto para evitá-lo quanto para amenizá-lo. Para situações em que não há conforto térmico e a temperatura ambiente alcança patamares elevados, devemos:

  • providenciar o resfriamento rápido do corpo, com a estadia prolongada em uma área fresca e arejada;
  • intensificar a ingestão de água ou bebidas isotônicas;
  • evitar comidas pesadas e grandes intervalos de tempo entre as refeições;
  • prevenir o desenvolvimento de doenças dermatológicas em situações onde há exposição solar, através do uso de pomadas e cremes de proteção contra raios ultravioleta;
  • vestir óculos, chapéus e roupas que protegem a pele de raios solares;
  • aplicar bolsas de gelo nas articulações (no caso de início de quadros de fraqueza e dores musculares).

Efeitos sob baixa temperatura

Já em ocasiões onde há desconforto térmico, devido à temperatura baixa, o corpo humano está sujeito a um processo chamado de hipotermia (inicia-se abaixo de 35° C).

Dessa forma, os efeitos no organismo são:

  • arrepios e dormência nas mãos;
  • dificuldade de locomoção pela ausência de circulação sanguínea nas articulações;
  • cansaço excessivo;
  • perda da consciência e diminuição da frequência cardíaca em situações onde a exposição ao frio é elevada.

Medidas preventivas e corretivas

Em relação ao quadro de hipotermia, os cuidados são:

  • manter o corpo em constante movimento, beneficiando, dessa forma, a circulação sanguínea;
  • usar vestimenta adequada (especialmente para proteger a cabeça);
  • substituir roupas molhadas se a umidade do ambiente for elevada.

Os cuidados para alcançar o conforto térmico

Existem lugares (principalmente em ambientes industriais) em que há tarefas para serem realizadas, porém, inevitavelmente, apresentam temperatura fora do intervalo ideal. Para esse contexto, a utilização tanto de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) quanto de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) é indispensável.

Já para ambientes domésticos e estabelecimentos comerciais, em geral, caso haja alguma região na qual as condições térmicas não são favoráveis, uma boa solução é providenciar a instalação de um isolante térmico. Assim, por meio de mantas térmicas, o conforto térmico fica garantido de maneira simples e eficiente.

Como vimos neste conteúdo, é essencial garantir o conforto térmico, seja nos espaços de trabalho ou nos ambientes residenciais. Portanto, vale ressaltar que além de permanecer em uma área arejada e com a devida ventilação é importante providenciarmos locais que proporcionem conforto e bem-estar, pois isso reflete positivamente tanto no humor quanto na produtividade de uma pessoa, além de assegurar e preservar o seu maior patrimônio: a saúde.

Achou o assunto interessante? Então, compartilhe este post em suas redes sociais e ajude a difundir informações acerca da importância do conforto térmico!

Quando se fala em revestimento de teto, o forro de gesso é provavelmente um dos primeiros a ser avaliado como acabamento. Afinal ele é considerado versátil e pode ser utilizado como forro e também como rebaixamento de tetos, eventualmente sendo muito usado em projetos de reforma.

O gesso é um aglomerante simples, constituído basicamente de sulfatos mais ou menos hidratados e de anidros de cálcio, obtido pela calcificação da gipsita. Tem como propriedades pega e endurecimento rápido, boa aderência. Dentre os acabamentos possui bom isolamento térmico e acústico, é resistente ao fogo, e tem estabilidade volumétrica em local seco e superfície lisa.

Tipos de forro de gesso

Em se tratando de forros, dois tipos são comumente utilizados no Brasil: o tradicional e o acartonado. O primeiro é constituído por placas moldadas de gesso no tamanho de 60 x 60 cm, com encaixes do tipo macho e fêmea. As placas são fixadas no teto com arames galvanizados de conformidade com a especificação da obra.

Ademais, o gesso acartonado é composto de papel cartão e gesso, são placas maiores e mais finas. A instalação ocorre por três sistemas: o estruturado, o aramado e o removível. O estruturado é o mais utilizado, consiste em pendurais rígidos reguláveis e canaletas metálicas galvanizado. O aramado é composto de pendurais de arame galvanizado, com peças metálicas zincadas tipo “H”. Geralmente utilizado em locais menores e forros mais econômicos. Já o removível tem como principal característica a possibilidade de visitação de equipamentos instalados na parte superior. É estruturado com pendurais de arame galvanizado, perfis de aço galvanizado com pintura eletrostática.

Vantagens e desvantagens do forro de gesso

De uma forma geral, os forros e rebaixamento de gesso tem um forte apelo estético. Além disso são muito usados para embutir iluminação ou disfarçar vigas indesejáveis. Em segundo lugar ele possui boas propriedades térmicas e acústicas e sua flexibilidade possibilita a criação de diversas formas. Uma das grandes desvantagens é a baixa resistência à umidade, não podem ser instalados em áreas externas, e a utilização em áreas úmidas deve ser bem avaliada.

Porém, cada tipo de forro, o tradicional e o acartonado, possuem características distintas e cabe avaliar qual é o mais adequado para cada situação. Abaixo, reunimos os prós e contra de cada tipo de forro de gesso.

FORRO DE GESSO TRADICIONAL

Vantagens: ele ainda é mais barato que o gesso acartonado; porém é mais resistente à umidade e apropriado para ambientes menores.

Desvantagens: é mais sensível aos efeitos da variação térmica, podendo estalar ou trincar com facilidade. O processo de instalação produz muita sujeira. Possibilidade de surgir manchas amareladas e ataque de fungos. É mais pesado que o acartonado e demanda mão de obra especializada. Se precisar de manutenção, o forro tem que ser destruído.

FORRO DE GESSO ACARTONADO

Vantagens: Facilidade de instalação; produz menos sujeira que o tradicional. A manutenção é simples, se precisar remover alguma placa é possível remendar; possui menor peso; menos sujeito a manchas; há chapas que podem ser curvadas.

Desvantagens: mais oneroso que o tradicional, baixa resistência à umidade; necessita de mão de obra qualificada.

3TC ISOLAMENTO NOS FORROS DE GESSO

Anteriormente vimos que o gesso é um material que responde bem térmica e acusticamente e essa propriedade pode ser otimizada com a utilização do nosso produto. A instalação do 3TC acima do forro como manta térmica é muito simples, veja só: ele ficará por cima do forro, podendo ser parafusado em montantes metálicos. Em relação aos sistemas de instalação dos forros de gesso acartonado, os tirantes podem atravessar o 3TC, não havendo nenhum prejuízo em relação à eficiência do produto.

Sem dúvida, os forros e rebaixamentos de gesso agregam um valor estético considerável à obra, resultando em ambientes belos e aconchegantes. E então, qual o melhor forro para sua obra? Compartilhe com a gente!

 

Na construção civil, seja em novos projetos ou reformas (retrofit para os mais chegados), as preocupações de quem está realizando ou pagando pelo serviço são as mesmas: custo, tempo de instalação e benefícios. Ou seja, é uma questão de custo e controles. Sendo assim é preciso analisar minuciosamente a relação custo-benefício dos serviços acabados . Pensando nesta questão que tecnologias de instalação fácil, rápida, com um custo acessível surgem no mercado. Exemplos disso são tecnologias essas como o 3TC isolamento e o drywall. Exite um movimento para informar e treinar profissionais para capacitá-los a realizar instalações técnicas. Estas tecnologias não são tão novas assim em outros países, mas tem se tornado cada vez mais utilizadas aqui por conta dos vários benefícios.

Drywall em tradução livre significa “parede seca”, mas o mesmo método de construção pode incluir forros de gesso e de placas cimentícias. Consiste num sistema de vedação composto por uma estrutura metálica de aço galvanizado ou ripas de madeira, e placas ou chapas aparafusadas nesta estrutura. Desta forma esta tecnologia não necessita de argamassa para sua execução, reduzindo assim a quantidade de entulhos e é bem mais rápida. As paredes de Drywall fazem parte da construção a seco. Prédios inteiros estão sendo construídos desta forma hoje em dia. Por causa da praticidade, é mais utilizada em reformas, principalmente em escritórios, lojas e salas comerciais. Esta tecnologia reduz e muito o tempo de duração se comparado a um sistema de alvenaria tradicional, com menos entulho. De acordo com a Associação brasileira do Drywall o consumo do material no ano de 2013 foi de 50 milhões de metros quadrados.

Cada obra tem uma característica diferente e necessidade diferente, por isso as placas de drywall possuem algumas alternativas que podem ser priorizadas. Exatamente por isso compilamos a lista abaixo para que você saiba mais um pouco sobre cada tipo de placa:

Chapas de gesso Standard (ST) Cor branca.

A chapa Standard (ST) é recomendada para uso geral em áreas secas, emprega-se em paredes e forros do sistema drywall.

Chapas de gesso Resistentes à Umidade (RU) Cor verde.

Esta variedade é indicado para os “ambientes molhados”: ambientes sujeito a respingos ou que tenha alta taxa de umidade. Exemplos: banheiros, áreas de serviço, cozinhas, dentre outros. Nestes locais é imprescindível a utilização da chapa verde de drywall do tipo RU, que possui em sua composição química, componentes hidro fugantes, que protegem a superfície contra umidade.

A placa de gesso RU não é a prova d’água e por isso não recomenda ser usado em teto, sobre piscina ou sauna, já que o nível de água/umidade recebida pela placa nestes ambientes é constante, e resultará na deterioração do material. É recomendado apenas como fechamento vertical nas paredes.

Nota importante: é importante realizar a impermeabilização da chapa verde na maioria dos casos. Recomenda-se a impermeabilização da base da parede e revestimentos em drywall com chapas RU, evitando infiltração pelo solo ou pela parede.

Chapa verde (RU) é a recomendada para assentamento de cerâmica, pois a argamassa colante é misturada com água. No caso de uma chapa Standard, a placa absorve a água e, com o tempo, acaba descolando a cerâmica assentada. Para fixação da cerâmica utiliza-se argamassa tipo AC II ou AC III.

Chapas de Gesso Resistentes ao Fogo (RF) Cor rosa.

Esse tipo de placa de gesso possui, dentro outros componentes, a fibra de vidro em sua fórmula. A fibra de vidro é um material com muita resistência ao calor e ao fogo. Por isso, são bastante indicadas para escadas enclausuradas, saídas de emergência e áreas com risco de incêndio. Resistência ao fogo quer dizer o retardamento das chamas se comparado às chapas ST, obedecendo as normas da NBR 15575.

Chapas de Gesso Acústicas

Um grande problema da construção em drywall consiste no isolamento térmico e acústico da estrutura. Para isso existem as chapas acústicas com poder de absorção e reverberação sonora. Além disso elas também podem contribuir na renovação do ar e são indicadas para restaurantes, bares e locais que necessitam de um reforço no isolamento acústico. Para o isolamento térmico, o produto mais indicado é o 3TC Isolamento de 10mm, garantindo conforto térmico e eficiência energética. Para um reforço acústico, recomenda-se isolamento fibrosos de alta densidade.

Placas Cimentícias

As placas cimentícias costumam ser mais caras que as placas de gesso pois seu método de fabricação precisa de mais recursos. Ela é mais utilizada nas áreas externas por oferecerem mais resistência à ação do tempo que placas de gesso. Além disso o processo de instalação dela é bem parecida com o das placas de gesso. Para não ter problemas, o segredo é seguir as diretrizes técnicas de instalação de cada fabricante.

Algumas vantagens dessa tecnologia incluem a alta durabilidade e resistência ao fogo. Ademais, elas podem receber diversos tipos de acabamento ou revestimentos, como pintura, textura, cerâmica e pastilhas, podendo até mesmo ficarem aparentes.

A desvantagem das placas cimentícias é que o manuseio é bem mais difícil que das placas de gesso, por serem mais pesadas. Em segundo lugar elas também costumam ter um preço mais elevado tanto do m2 comprado como instalado, justamente por ser um material mais resistente e mais denso. Nesse sentido, na hora de escolher qual a melhor opção para sua finalidade, é importante utilizar o material correto para a finalidade correta. Desta forma consegue-se o melhor acabamento pelo custo-benefício mais adequado.

Caso tenha se interessado pela informação, encontramos um artigo científico que explora muito bem esse tema com diversas citações e com informações mais profundas e detalhadas sobre o tema, principalmente no que diz respeito ao comparativo das paredes de alvenaria e drywall: https://goo.gl/tF1c2Y. O artigo tem autoria de Jordana Tavares Santos e Ligia Eleodora Francovig Rachid.

Nesta postagem realizamos um comparativo técnico e de preços para instalar a Manta Térmica 3TC ou Telha Sanduíche em um obra. Desta forma ficará ais fácil decidir qual a melhor opção para sua necessidade.

Assim como o 3TC, a telha sanduíche é uma das opções no mercado quando o assunto é controle da temperatura interna e redução do desconforto térmico em ambientes. No entanto existem grandes diferenças entre o 3TC e a telha sanduíche que precisam ser destacadas. Nessa situação, comparamos o 3TC na espessura de 10mm com a telha sanduíche feita com o isolamento de PU (Poliuretano) nas espessuras de 30mm e 50mm.

ESPESSURA

O 3TC Isolamento utiliza menor quantidade de materiais. Enquanto podemos usar o 3TC de 10mm, a telha sanduíche geralmente utiliza 30mm ou 50mm do PU. Isso sem contar com a proteção mecânica em cima para proteger o isolamento térmico, ou seja, uma segunda camada de telha que vai resultar em um gasto ainda maior de materiais na obra. Com a telha sanduíche você compra duas telhas mais isolamento térmico quando poderia ser apenas uma.

RADIAÇÃO

O 3TC, através de sua estrutura (Mylar + Núcleo de EPS) consegue barrar as três formas de transferência de calor. A telha sanduíche, no entanto, barra apenas uma das três formas de transferência de calor, no caso a condução. Como sabemos, 70% da incidência do calor vem através da radiação solar. Por que não utilizar um isolamento que vai não só trabalhar contra a condução (como a telha sanduíche) mas também contra a convecção e radiação?

DENSIDADE

3TC têm o peso extremamente menor que o peso da telha sanduíche com PU. A estrutura fica bem mais pesada quando ela é composta por duas telhas. Falando apenas sobre a densidade dos materiais de isolamento, a do 3TC é de 16 – 18 kg/m3, enquanto a densidade do PU na telha sanduíche é de 35 kg/m3 a 39 kg/m3, ou seja, além do peso estrutural de duas camadas de telhas, o peso do PU individualmente é bem superior ao peso estrutural do 3TC.

PREÇO

O investimento por m2 do 3TC de 10mm instalado custa aproximadamente R$30,00. O m2 da Telha Sanduíche utilizando o PU como isolante custa uma média de R$ 55,00 mais os custos de instalação que podem chegar a R$20,00 o m2, totalizando assim uma média de R$ 75,00 com instalação. Ou seja, o preço do 3TC instalado é 60% menor do que o custo da telha sanduíche!

Além disso, na telha sanduíche você ainda terá um gasto maior com a estrutura para suportar o peso do metal utilizado duas vezes nas telhas, pois uma camada é utilizada para a proteção mecânica do isolamento térmico. Agora a pergunta: Para que ter o gasto com duas telhas e um isolamento térmico incompleto se você pode investir em apenas com uma telha e um isolamento térmico (3TC) de alta qualidade? Não há dúvidas, o custo benefício do 3TC é superior a telha sanduíche.

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO

O 3TC possuí películas refletivas com baixa emissividade que são primordiais no combate a radiação. Sabe-se que no caso de telhas expostas ao sol, esta é a forma de transferência de calor que mais contribui para o aumento da temperatura interna. O 3TC é extremamente eficiente na redução da temperatura interna, portanto, a necessidade de utilizar-se aparelhos de climatização de ambientes em estruturas revestidas pelo 3TC é bem menor comparado a estruturas revestidas pela telha sanduíche.

Ah!! falando nisso, temos uma calculadora de BTU em nosso site, aproveite para calcular o consumo elétrico do seu ambiente e os benefícios que você pode obter com a instalação do 3TC!

Voltando ao assunto, após um longo estudo, provamos essa eficiência do 3TC em isolar um ambiente termicamente através dos cálculos de capacidade térmica.

Q = A . ΔT . U

O parâmetro de capacidade térmica de um ambiente significa a quantidade de energia em forma de calor que se encontra em um ambiente e, a partir disso, se dimensiona, através de um sistema de refrigeração, a quantidade de calor que é necessário ser retirado, a fim de proporcionar conforto térmico.

• “Q” representa o calor transferido do ambiente externo ao ambiente interno (carga térmica).
• “U” representa o coeficiente global.
• “A” representa a área.
• ΔT representa a variação da temperatura.

Os coeficientes estão diretamente relacionados. Quanto menor for a quantidade de calor transferido do ambiente externo para o ambiente interno, menor vai ser a quantidade de calor a ser retirada. Quanto menor for a carga térmica, menor o coeficiente global.

Resumindo em outras palavras, quanto menor for a carga transferida ao ambiente interno, menor vai ser a necessidade de aparelhos de climatização, o que implica em redução de custos, e menor consumo de energia. Os cálculos demonstram que o 3TC de 10mm é três vezes mais eficiente que a telha sanduíche com PU de 30mm e duas vezes mais eficiente que o PU de 50mm.

Na hora de comprar um aparelho de ar condicionado, sempre nos deparamos com a unidade de medida conhecida como BTU. É muito importante saber o que ela significa antes de investir em um equipamento desse. Climatizadores consomem muita energia, e demandam manutenção, então todo cuidado é bem vindo.

Para escolher o ar-condicionado mais adequado às suas necessidades é necessário calcular os BTUs, pois eles indicam a área que aquele aparelho tem capacidade de refrigerar. Além disso, é importante saber quanto de energia o aparelho vai gastar, antes de comprá-lo.

O ambiente de intalação do climatizador é crucial na hora de calcular o BTU

E como saber a potência ideal para escolher o melhor ar? A gente te mostra a seguir:

1 – O que significa BTU?

BTU é a sigla para British Thermal Unit que significa Unidade Térmica Britânica. O BTU define qual a potência ideal de refrigeração ar condicionado para aquele cômodo. Em outras palavras, tecnicamente falando, para cada meio litro de água é necessário 1 BTU para reduzir a temperatura em 0,56 ºC.

A partir do cálculo dos BTU’s, é possível determinar a potência ideal e escolher o melhor modelo de ar. Aparelhos abaixo da potência indicada podem trazer problemas para o equipamento, como desgaste excessivo das peças, reduzindo sua vida útil e gerando maior gasto de energia porque o ele precisará trabalhar mais para refrigerar o local. Se a potência do ar-condicionado for maior do que o necessário, os gastos de energia também aumentarão.

2 – O que considerar na hora de investir em um climatizador?

Em resumo, detalhes como tamanho do cômodo, exposição ao sol, região do imóvel interferem diretamente na capacidade do ar condicionado. A quantidade de pessoas e de aparelhos eletrônicos – TV’s, computadores, também são considerados ao fazer o cálculo de BTU’s.

Se ambiente a ser climatizado tem outras características como pé direito alto, metragem grande, muitas pessoas ou várias divisões, é recomendado a avaliação de um profissional. Na visita ao local, o técnico irá incluir outras variantes no cálculo.

Se o cômodo ficar diretamente exposto ao sol ou fica em uma região mais quente do país, como o Nordeste, por exemplo, mais BTU’s devem ser adicionados e a potência do ar condicionado deverá ser maior. Por isso a importância de considerar todas as condições antes de adquirir seu aparelho.

3 – Como calcular a potência BTU correta para meu ambiente?

Primeiramente, não siga as tabelinhas já prontas relacionadas à apenas a metragem quadrada do espaço. Sendo assim, se você precisa fazer esse cálculo, a gente facilita sua vida. Usando a nossa calculadora você já tem o consumo de energia de acordo com os fatores necessários. Ou seja: número de pessoas, a quantidade de aparelhos e o tamanho do ambiente. Na nossa calculados indicamos também a diferença de potência e consumo se você instalar o 3TC. O 3TC é um produto isolante térmico que controla as três formas de transferência de calor, que garante eficiencia energética do seu climatizador.

Por exemplo: em um quarto de 20m² para um casal, com uma TV e um notebook, você tem um total 14800 BTU’s. Instalando o 3TC, esse número vai para 9620 BTU’s. Isto representa uma diminuição de 35%. O dimensionamento de BTU’s com nosso isolante térmico pode chegar a uma redução de até 40%.

Com essas informações você você vai conseguir escolher o melhor ar condicionado ou climatizador de acordo com a sua necessidade. Desta forma evitará desperdício financeiro e alcançará o máximo de eficiência energética.

Aproveite para consultar nosso FAQ e tirar todas as dúvidas sobre o nosso produto.