Em relação ao gasto de energia total, as indústrias respondem por 41%. Ou seja, a cada 10 quilowatts, 4 são destinados para a indústria. Isso demonstra a importância e, principalmente, o impacto da atuação industrial. Em um cenário cada vez mais competitivo e com novas necessidades, saber como reduzir o consumo de energia é essencial.

Atualmente, é possível encontrar muitas invenções sustentáveis, bem como recursos que ajudam a diminuir esses gastos. Aplicá-los é um projeto com olhos no futuro e que pode mudar a forma como os negócios se relacionam com os recursos naturais.

Para garantir que isso seja viável, trazemos dicas essenciais de como reduzir o consumo de energia. Acompanhe!

1. Por que reduzir o consumo de energia na indústria?

Para colocar esse projeto em prática, é indispensável compreender quais são as razões para realizar as mudanças necessárias. Será preciso fazer investimentos, então nada mais justo do que entender os benefícios da redução do gasto de energia elétrica.

Eles variam de acordo com a intensidade da redução e com cada negócio. No entanto, compartilham algumas características. A seguir, veja por que vale a pena implementar as práticas de redução.

1.1 Diminuição dos custos

Não poderíamos deixar de escalar como primeiro motivo aquele que é considerado o mais óbvio: a redução das despesas. A conta de energia paga por uma indústria é proporcional ao nível de consumo. Então, quanto menos recursos são utilizados, menor é a soma a ser quitada.

Além do mais, é comum que as companhias de distribuição imponham certas faixas de cobrança. Acima de determinada quantidade, o preço é maior e o total, também. Com a redução, é possível ser enquadrado em faixas menores e pagar menos. Para qualquer indústria, a diminuição dos gastos é um sinal positivo rumo ao desenvolvimento.

1.2 Otimização no direcionamento de recursos

Como o consumo de energia elétrica por parte do setor industrial é tão grande, é natural que o dinheiro gasto também seja elevado. Dentro de um orçamento limitado, contas altas impedem uma melhor distribuição financeira. Ou seja, os parques industriais precisam gastar mais com esse setor e têm menos para investir em outros.

Com os cortes nos gastos, há uma distribuição muito adequada dos recursos financeiros. A otimização do orçamento permite, por exemplo, que o negócio invista em melhorias ou novas capacitações frente à concorrência. No final, é algo que ajuda a gestão financeira a ser ainda melhor.

1.3 Redução do impacto ambiental

O consumo de energia, principalmente a gerada por hidro e termelétricas, causa grandes impactos no meio ambiente. Afinal, se todas as indústrias gastarem mais, será preciso aumentar a matriz energética. Isso leva a construções de novas usinas, maior liberação de carbono e assim sucessivamente.

Quando a indústria consegue diminuir o padrão de uso desse elemento, também reduz a exploração dos recursos naturais, ainda que de forma secundária. É, então, um jeito de assumir uma postura verde e sustentável, o que vem bem a calhar diante das necessidades atuais.

1.4 Garantia de eficiência energética

Principalmente, reduzir o consumo energético não significa comprometer a produção ou desempenho. É possível — e desejável — gastar menos e, mesmo assim, manter ou até melhorar o padrão produtivo.

Tudo isso leva a um conceito muito importante: eficiência energética. Significa que a energia passa a ser usada de forma mais inteligente, estratégica e longe de desperdícios. Com máximo aproveitamento, tanto o negócio quanto a sociedade são favorecidos.

2. Como fazer uma redução de energia eficaz?

Para conseguir os efeitos esperados com total eficiência, não basta apenas definir cortes no uso do recurso. É preciso considerar as necessidades operacionais e produtivas para não prejudicar o desempenho.

Ao mesmo tempo, a redução tem que ser significativa em relação ao que normalmente é gasto. Para conseguir chegar a esse equilíbrio, trouxemos algumas dicas para colocar em prática e obter um ótimo desempenho. Confira!

2.1 Identifique os principais focos de gastos

Antes de tomar uma decisão, qualquer que ela seja, é essencial verificar quais são as áreas que mais geram despesas. Normalmente, é o chão de fábrica o maior responsável pelo consumo, por causa dos equipamentos e maquinário pesado. Isso não é sinônimo de ignorar outros segmentos, como a parte administrativa.

Faça um levantamento de toda a fábrica, como por meio de estimativas versus tempo de operação. Se uma máquina fica ativa durante 8 horas diárias, multiplique o gasto unitário por esse tempo e some aos outros itens. Assim, é possível ter uma ideia clara dos pontos de atenção e das metas que devem ser definidas.

2.2 Oriente e conscientize os colaboradores

Após estabelecer o nível de resultados desejados, é indispensável comunicar aos colaboradores a necessidade de redução. As pessoas devem conhecer o patamar atual, onde se deseja chegar e quais serão as medidas implementadas.

Principalmente, é indispensável conscientizar os colaboradores sobre a relevância que essa redução apresenta. Indústrias que oferecem participação nos lucros, por exemplo, podem usar esse argumento como o principal. O importante é garantir o engajamento e o comprometimento com as ações voltadas para a redução.

2.3 Atualize alguns equipamentos

Máquinas antigas, naturalmente, têm tecnologias e componentes ultrapassados. Esses ativos costumam ter um baixo aproveitamento da potência e consomem bastante energia elétrica. Além disso, o desgaste elevado contribui ainda mais para o aumento desse consumo. Como solução, é interessante trocar equipamentos e máquinas muito antigos.

O melhor é buscar motores eficientes, com selos e recomendações sobre a economia de energia e que ofereçam máxima potência. Também é importante que eles sejam adaptados à produção para que não fiquem sobrecarregados ou subaproveitados. Com esse investimento, a redução gera o retorno do que foi pago em médio e longo prazo.

2.4 Faça a manutenção da rede e das máquinas

Outro ponto crucial é a manutenção dos equipamentos, de forma geral. Mesmo quando são relativamente novas, as máquinas precisam de atenção por parte de uma equipe especializada. Desse jeito, é possível garantir que todos os componentes funcionam de maneira otimizada. Por isso, a manutenção preventiva e a preditiva são tão importantes.

Para melhores resultados, nossa dica é: não pare por aí. Além dos itens do chão de fábrica e demais ambientes, cuide de toda a rede elétrica. A infraestrutura deve ser adequada, justamente, para ser capaz de garantir um consumo correto e até econômico.

É o caso de verificar se a fiação está em bom estado, se há algum superaquecimento ou se é preciso realizar substituições. É um meio de evitar a fuga de corrente e demais desperdícios, o que leva a melhores resultados.

2.5 Faça trocas inteligentes

Também é possível e recomendado realizar algumas substituições que geram pequenas economias, mas que, no total, diminuem os gastos. O principal deles é em relação à iluminação. As lâmpadas de LED podem consumir até 60% menos. Embora uma não faça tanta diferença, dezenas ou centenas delas ajudam a reduzir a conta. Também são mais duráveis, então a economia é dupla.

Outras possibilidades incluem mudar a disposição de componentes, como ao evitar que elementos de refrigeração fiquem em áreas quentes. A maioria dessas trocas não exige muito investimento, então pode ser colocada em prática para gerar melhor desempenho.

2.6 Adote a automação

No ambiente industrial, é cada vez mais comum ver os recursos de automação — principalmente, na linha de produção. Esse jeito de ganhar produtividade e eficiência também é um meio de reduzir o consumo de energia.

A instalação de sensores de presença e de iluminação automatizada, por exemplo, evita o gasto desnecessário. O mesmo vale para equipamentos que podem ser programados para operar na melhor forma, de acordo com a necessidade da rotina. Com a diminuição da interferência humana, há menos chances de erros e melhores possibilidades em relação ao desempenho.

2.7 Pense no isolamento térmico

Para garantir o conforto térmico, é fundamental que a indústria realize um controle de temperatura. Trata-se de uma obrigação trabalhista pensada na ergonomia, além de se conectar ao bem-estar. Por isso, um dos maiores custos tem a ver com a refrigeração do ambiente, tanto quanto possível.

Para diminuir essas despesas e melhorar toda a performance, indicamos o isolamento térmico como uma ótima saída na hora de determinar como reduzir o consumo de energia. Ele consiste em impedir que o calor entre no ambiente e aumente a temperatura. Assim, há um nível ampliado de conforto.

O problema é que a radiação solar é a maior vilã e boa parte das soluções atua apenas para proteger contra a condução. Nesse caso, é preciso pensar muito bem no que será utilizado.

O melhor é recorrer a placas ou a uma manta térmica pensada para combater as três formas de transferência do calor. Após a instalação, o ambiente industrial ficará mais salubre e adequado e exigirá menor necessidade de refrigeração. Como resultado, gasta-se menos com energia elétrica.

2.8 Busque fontes sustentáveis de energia

Além de tudo, é interessante pensar em consumir de um jeito diferente. Nossa ideia é não apenas avaliar a redução no gasto total, mas mudar a fonte para energias sustentáveis.

A energia solar, por exemplo, pode gerar uma ótima capacidade para certos componentes e áreas. A eólica é outra fonte totalmente limpa e ainda é possível pensar em compostos orgânicos, como o biogás. Há cada vez mais possibilidades para substituir a elétrica tradicional e os derivados do petróleo.

Nesses casos, é preciso fazer um investimento maior, mas também há um interesse com olhos no futuro. Desse jeito, é possível levar o seu empreendimento para um novo nível.

3. Redução do consumo de energia é sinônimo de economia?

É fato que a diminuição nos gastos com a conta de luz é um dos fatores preponderantes para pensar em como reduzir o consumo de energia elétrica na indústria. No entanto, o processo tem que ser bem-planejado para causar impactos positivos. Do contrário, a economia é substituída por problemas com a parte operacional ou com a qualidade de fabricação.

Para que a redução realmente gere a performance desejada nas finanças, apresentamos alguns cuidados que devem ser observados.

3.1 Identifique gargalos e pilares

Já que tomar uma decisão informada é tão importante, tudo deve começar pelo reconhecimento de quais pontos são problemáticos e quais são fundamentais. Por um lado, vale conhecer quais elementos gastam demais e até desperdiçam. Por outro, é preciso ver quais são as etapas indispensáveis e que, se forem modificadas incorretamente, prejudicarão a qualidade final.

O melhor é mexer com intensidade nos processos que não têm tantos impactos ou que não causarão prejuízos. Já os pilares exigem maior cuidado, para que a redução não saia pela culatra.

3.2 Faça mudanças controladas

No lugar de implementar todas as transformações de uma vez, a nossa indicação é realizar modificações controladas. O melhor é aplicar, aos poucos, as mudanças previstas para reduzir o consumo de energia.

Implemente as transformações de maneira progressiva para entender como a indústria tem reagido. Algumas modificações, entretanto, só trazem benefícios, como a manutenção e o isolamento térmico. Elas podem ser aplicadas juntas, com outras encarando um controle maior.

3.3 Tome cuidado com soluções alternativas

Para que a redução nos gastos seja efetiva, é essencial evitar soluções que não são consideradas completas. Explicamos: é o que acontece ao realizar uma manutenção parcial ou não manter a consistência de prevenção. Também é o caso de comprar equipamentos baratos — em vez de mais eficientes — ou de não corrigir os problemas das redes.

Se o objetivo é ter sucesso na hora de descobrir como reduzir o consumo de energia e os gastos, é preciso realizar intervenções que realmente sejam efetivas.

3.4 Acompanhe o desempenho

É difícil dizer, apenas no campo das ideias, se uma medida vai gerar redução no consumo ou nos custos de forma contundente. Para não ter dúvidas, o ideal é definir indicadores e verificar a evolução.

Com números, análises e gráficos, vai ficar claro quais são as mudanças que estão fazendo efeito e quais ainda precisam de otimização. Às vezes, a mudança de equipamentos com refrigeração só vai gerar economia real após o isolamento térmico ser implementado. Então, é importante ver como andam os resultados.

4. Como investir em sustentabilidade além do marketing verde?

O marketing verde consiste em iniciativas que demonstram o papel positivo da indústria em relação ao meio ambiente. Quando uma empresa tem ações de reflorestamento e divulga para o público, ela realiza o marketing verde.

Trata-se de um componente importante diante das demandas atuais da sociedade, mas ele não basta. Por isso, é preciso pensar em como investir na sustentabilidade de forma robusta e que vá além do marketing. Quer descobrir? Venha conosco!

4.1 Trabalhe a produtividade

Quanto mais produtiva é uma indústria, menores tendem a ser os impactos sobre o meio ambiente. Basicamente, a indústria consegue fazer mais com os mesmos recursos, o que evita explorações desnecessárias.

Então, para ir além do marketing verde, é preciso fomentar a produtividade. A automação é um caminho e a motivação do capital humano é outro. Criar um ambiente agradável e engajador faz com que as pessoas entreguem melhores resultados. Como o bem-estar é uma questão relevante, novamente o conforto térmico e a necessidade de isolamento surgem como uma das soluções.

4.2 Planeje ações realmente efetivas

O marketing tem muito a ver com comunicar uma mensagem. O problema é que nem sempre ela tem impactos práticos ou que são importantes. Para ampliar a sustentabilidade, recomendamos buscar medidas que demonstrem uma elevação no nível de eficiência.

Isso significa focar em diminuir a exploração do planeta e dar uma atenção maior a questões que fazem a diferença. Gerar resultados positivos consistentes é muito mais importante que apenas comunicá-los, então deve ser levado em conta.

4.3 Pense no longo prazo

A sustentabilidade não se estabelece da noite para o dia. Trata-se de um processo contínuo de transformação e adaptação. O desenvolvimento, considerando essa abordagem, precisa passar por várias modificações conforme ele acontece.

É por isso que todas as medidas devem ser tomadas com o pensamento no longo prazo. Entender que as decisões de agora impactam o futuro é um caminho para garantir que todos possam aproveitar os recursos sem preocupação.

5. A redução no consumo de energia pode gerar mais lucros para a empresa?

Dissemos que um dos impactos ao adotar as medidas para reduzir o consumo de energia é a redução das despesas gerais. Mas será que isso significa que existe um aumento no lucro?

Com uma margem ampliada, a indústria tem a chance de atuar de forma consistente. A princípio, diminuir os gastos é um jeito de ampliar os lucros. No entanto, outros impactos dessas medidas também podem aumentar a receita. A seguir, veja quais são os principais pontos responsáveis nesse sentido.

5.1 Aumento de produtividade

Você viu que falamos que empregar essas ações é um jeito de elevar a capacidade produtiva. A automação e o conforto térmico são dois grandes fatores que levam a esse resultado.

Se a indústria é capaz de produzir mais e com maior eficiência, também consegue lucrar mais. No final, os custos para a fabricação caem e, mantido o preço, a margem aumenta. É um jeito eficiente de capitalizar e, por exemplo, realizar o pagamento dos investimentos nas melhorias.

5.2 Melhoria na imagem do negócio

Outro ponto importante é que o marketing verde e a sustentabilidade ajudam a construir uma imagem mais positiva perante parceiros, possíveis clientes e até profissionais. Surgir com um pensamento ecológico é um jeito de atender a uma demanda crescente da sociedade, que deseja consumir com responsabilidade.

Com uma imagem melhor, há vários pontos positivos que levam ao aumento dos lucros. É mais fácil estabelecer parcerias de valor e, com isso, unir forças em busca de objetivos em comum. Também há maior atração de talentos, o que simplifica a contratação. Para completar, ocorre um posicionamento melhor perante o público.

5.3 Diferenciação do empreendimento

Pode não parecer, mas saber como reduzir o consumo de energia gera mudanças que não são apenas internas. A transformação propaga-se e consegue diferenciar a indústria. Especialmente em relação a outros concorrentes que não têm essa preocupação, é possível agregar valor aos produtos e se apresentar como uma opção bem mais interessante e viável.

Esse destaque dos competidores faz com que o negócio tenha novas oportunidades de venda. Ao somar isso ao bom posicionamento e à redução dos gastos, a captação de clientes fica especialmente mais barata. No final, é um jeito de aumentar a lucratividade e garantir outros recursos para o desenvolvimento da atividade.

6. Vale a pena investir em energias renováveis?

Como visto, as fontes renováveis são um ótimo meio de reduzir o consumo de energia. Afinal, a maior parte é natural e obtida sem dificuldades, como no caso do sol e do vento.

Além de tudo, é um meio de ampliar a sustentabilidade e aumentar o pensamento ecológico. No entanto, é comum que muitas indústrias tenham dúvidas se a alternativa realmente é oportuna. Na sequência, veja como definir se vale a pena investir em energias renováveis.

6.1 Entenda os custos e exigências

Para começar, é importante pensar em como será feita a transição. Buscar novas fontes, pelo menos por enquanto, exige a reunião de diversos fatores. É preciso ter investimento, infraestrutura e capacidade de adaptação.

Não adianta pensar em energia eólica se não for possível aproveitá-la no local ou investir em um parque já instalado. Também não vale a pena considerar a solar se os custos não são viáveis no momento. Pese os prós e contras e entenda quais serão os impactos na atuação do negócio.

6.2 Verifique a capacidade de geração

Depois, é preciso identificar quanta energia a instalação pode gerar. Adotar painéis fotovoltaicos é mais barato do que antigamente, mas talvez não seja o bastante. Se a fonte de energia sustentável não puder gerar um valor considerável para os gastos médios, o investimento pode não ser a melhor saída.

O interessante é que a energia renovável responda por alguma fatia significativa para que os impactos sejam especialmente positivos. Com essa análise, inclusive, é possível descobrir qual tipo é o mais recomendado.

6.3 Considere alternativas convenientes

Mesmo que, a princípio, não valha a pena investir em energias renováveis, sempre é possível adotar uma abordagem nesse sentido. O isolamento térmico, como dissemos, ajuda a reduzir a necessidade de refrigeração e gera economia.

Parte desse retorno financeiro pode ser aplicado, justamente, para a adoção de formas sustentáveis e renováveis. Assim, um investimento cobre o outro e o empreendimento não tem dificuldades para fazer a adaptação.

Até aqui, pudemos mostrar por que e como reduzir o consumo de energia na indústria. Agora, é preciso buscar as soluções mais convenientes e implementar as mudanças de forma controlada. No final, a fábrica tem a chance de aproveitar todas as vantagens.

Outras dicas como essas podem ajudar o seu empreendimento. Então, assine a nossa newsletter e não perca as novidades!

A manta térmica é um componente usado em imóveis residenciais e comerciais. Muitas vezes, é aplicada em telhados e tem o objetivo de proteger o espaço interno contra o aumento de temperatura. Para aproveitar ao máximo essa possibilidade, é preciso reconhecer os diferentes tipos de manta térmica.

Feitos com materiais variados, também cumprem a função de formas específicas. Depois de explorar as características de cada opção, fica mais fácil entender qual é a melhor alternativa.

Para que não restem dúvidas, vamos ajudá-lo a conhecer os principais tipos de manta térmica. Confira!

Quais são os benefícios de usar esse produto?

Antes de explorar as possibilidades disponíveis, é interessante pensar nos pontos positivos associados a essa instalação. Com a escolha correta, o espaço só tem a ganhar. Veja quais são as maiores vantagens de recorrer aos tipos de manta térmica!

Isolamento da radiação

A radiação térmica é a principal vilã nos ambientes internos. As ondas eletromagnéticas enviadas pelo sol aumentam muito a temperatura de superfícies como as paredes e o teto. Como consequência, há um aquecimento no interior.

A manta térmica, por outro lado, ajuda a conter esse resultado. Por meio de uma atuação reflexiva, faz com que os raios se dispersem, o que evita a transferência do calor.

Diminuição da troca de calor entre ambientes

Outro ponto importante é que a manta térmica serve como isolante. Então, ela diminui ou até elimina a troca que acontece entre os ambientes interno e externo. Isso permite manter a temperatura do lado de dentro constante e agradável.

Essa vantagem é especialmente verdadeira quando é possível evitar todas as formas de transmissão de calor — convecção, condução e irradiação. O item funciona como acontece em uma garrafa térmica, já que impede as trocas indesejadas.

Redução do consumo de energia elétrica

Se o ambiente interno sofre menos com o aumento de temperatura, significa que é preciso usar o ar-condicionado ou os climatizadores com menor intensidade. Não apenas isso: durante os dias frios, os tipos de manta térmica ajudam a manter o calor na parte de dentro, o que diminui o uso de aquecedores.

Tudo isso leva a uma redução no consumo de energia elétrica. Além de aumentar a sustentabilidade, é um meio de diminuir os gastos.

Aumento do conforto térmico

Controlar a temperatura de um local é essencial para o bem-estar das pessoas. Afinal, valores muito elevados colocam em risco a saúde e causam diversos prejuízos e incômodos.

Com a instalação do produto adequado, o interior do imóvel permanece fresco e agradável. Com o conforto térmico, há uma experiência melhor, mais produtividade no trabalho e menos preocupações.

Quais são os tipos de manta térmica?

Para conquistar tais resultados, há diversos produtos disponíveis no mercado. Feitos com materiais e tecnologias diferentes, oferecem desempenhos que variam com cada necessidade. A seguir, mostraremos quais são os 5 principais tipos de manta térmica.

1. De lã ou fibra

A manta de lã aparece em rolos e tem uma instalação descomplicada. É feita de lã natural, de vidro ou até de material acrílico ou de rocha.

Embora seja uma solução já consolidada no mercado, serve para impedir apenas a condução. Além disso, pode sofrer com o contato com a umidade e perder a funcionalidade, dependendo do material. Apesar disso são excelentes isolantes acústicos quando são de alta densidade.

 

2. Em spray

A versão em spray consiste em uma pulverização de material isolante — normalmente, o poliuretano. Por ser um mau condutor térmico, ajuda a evitar essa forma de transmissão de calor.

É uma alternativa prática de ser aplicada, é resistente ao mofo e ainda evita infiltrações. No entanto, exige acesso direto ao teto e modifica a aparência da construção. Em residências, é algo potencialmente indesejado. Além disso, as espumas como o próprio nome já diz absorvem umidade, e podem acarretar em sobre-peso na estrutura. Para essa aplicação é extremamente recomendado um cálculo estrutural para não ocorrer problemas no futuro.

Além do poliuretano, existem também as tintas refletivas. Estas são boas refletoras de calor, e podem em alguns poucos casos resolver questões de impermeabilização. Ambas as soluções dependem da estrutura do telhado, e são das soluções mais caras do mercado.

3. De alumínio

A versão aluminizada aparece em forma de rolo e deve ser aplicada na estrutura do telhado. Por isso, é mais recomendada para imóveis que ainda estejam em construção.

Como ajuda na reflexão de raios, combate a irradiação, principalmente. Embora tenha uma aplicação fácil, exige a impermeabilização do telhado e não protege contra outras formas de transmissão de calor. Ademais, os foils (mantas aluminizadas) são mais recomendados para aprimorar na impermeabilização inferior de telhados do que necessariamente como isolamento térmico de qualidade.

Lembre-se sempre de consultar a especificação técnica destes produtos, pois em muitos casos essas mantas podem não ter a eficiência desejada.

4. Placa de espuma

A placa de espuma é feita com um material isolante, como o poliestireno. Deve ser instalada diretamente na laje para garantir o isolamento térmico. Como aparece em diversas densidades e tamanhos, atende a necessidades variadas.

Tem boa vida útil, mas apresenta foco apenas na transmissão por condução. Então, imóveis em áreas com grande incidência solar veem poucos resultados em isolamento térmico.

Acrescentando, as placas de EPS (isopor) são também frágeis tanto na instalação quanto à ação do tempo, amarelando e perdendo eficiência ao longo de sua vida útil.

5. Manta Térmica 3TC

O 3TC traz uma tecnologia exclusiva e que permite a proteção contra todos os tipos de transferência de calor. Por ser feito de poliestireno, o produto é isolante térmico e evita a condução. Além disso, é revestido com lâminas refletivas e barra 97% dos raios infravermelhos. Como controla a entrada de fluidos devido às camadas de materiais, ele consegue combater a convecção, sendo um ótimo aliado de climatizadores que dependem disso para serem eficientes.

Também tem boa durabilidade, fácil instalação, resistência à água e ao mofo e versatilidade. Para completar, ajuda a obter  atenuação acústica, sem se esquecer da sustentabilidade.

Trata-se de uma solução completa tanto para ambientes residenciais, quanto comerciais e industriais. O resultado vem na forma de um conforto térmico estendido, graças ao controle rígido de temperatura.

Como escolher a melhor alternativa?

Como mostramos, os diferentes tipos de manta térmica apresentam características bem distintas — da fabricação e instalação aos resultados. Portanto, para fazer uma boa escolha é preciso ter atenção aos produtos disponíveis.

Em alguns ambientes, pode ser necessário contar com a proteção contra apenas um tipo de transmissão de calor. No entanto, o melhor é recorrer a uma alternativa completa e que ajude a evitar os impactos de todos os processos. Além de tudo, é preciso pensar na durabilidade e na facilidade de instalação.

Escolher o 3TC, portanto, é algo que traz versatilidade para atender à maior parte das necessidades. Após a aplicação, será possível notar impactos positivos no controle de temperatura, de modo a atingir os objetivos com a construção.

Depois de conhecer os tipos de manta térmica, o recomendado é procurar soluções mais eficientes que métodos tradicionais. Ao mesmo tempo, não se esqueça das normas de segurança da construção civil para obter o resultado ideal.

Para fazer a melhor aquisição, solicite um orçamento ou mande uma mensagem no WhatsApp e veja como podemos ajudar!

Ter privacidade domiciliar é um bem almejado por muitas pessoas. Principalmente para aquelas que se incomodam com ruídos e sons externos intensos. Nesse contexto, aprender sobre o que é isolamento acústico e quais as formas de realizá-lo torna-se essencial, uma vez que é a partir dessa técnica que se consegue diminuir a intensidade com que o som propaga para um ambiente.

Deste modo, isolamento acústico nada mais é do que a capacidade que certos materiais possuem de bloquearem o som entre ambientes diferentes. Em outras palavras, é o isolamento do som externo a partir de uma barreira física composta por materiais densos. Cabe destacar também que quanto maior o peso do componente dessa barreira, maior será o seu nível de isolamento acústico.

Sendo assim, entenda mais sobre como se faz o isolamento sonoro e quais são as suas vantagens.

Os malefícios de sons intensos

Sons com intensidade acima de 65 dB já podem ser prejudiciais à saúde. Além disso podem acarretar em perda gradual auditiva e irritações no ouvido quando a exposição é excessiva. Para essas ocasiões, essencialmente se a fonte sonora for externa ao ambiente, o isolamento acústico passa a ser uma boa solução.

Vantagens do isolamento acústico

Providenciar a utilização dessa técnica traz diversas vantagens, seja para ambientes residenciais, seja para empresas e laboratórios de pesquisa. Conheça algumas delas a seguir.

Privacidade

Como já mencionado, um ambiente com boa privacidade necessariamente precisa ter um conforto sonoro satisfatório. Isso porque ruídos externos quando intensos atrapalham a convivência e alteram a rotina natural de uma casa.

Qualidade de vida

Sons de alta intensidade além de incomodarem (inclusive ocasionando mudanças repentinas de humor) são prejudiciais à saúde, pois, podem causar doenças no sistema auditivo.

Qualidade do som ambiente

Competir com ruídos externos para tentar manter uma conversa em casa, ou até mesmo escutar uma música, é extremamente desagradável. Dessa forma, o isolamento acústico de fato potencializa a qualidade do som ambiente, evitando assim poluição sonora.

Diferença entre absorção sonora e isolamento acústico

A absorção sonora é o processo feito por materiais que transformam a energia sonora em térmica e mecânica. Exemplificando, absorvedores não isolam o som, eles têm a capacidade de atenuarem diferentes fontes sonoras inseridas num mesmo ambiente, melhorando dessa forma a qualidade do som local.

Diferentemente dos materiais que realizam o isolamento, os absorvedores são mais eficientes quanto menor for a sua massa e densidade. Deste modo, outra característica importante a se destacar nos absorvedores é a presença de poros em sua composição, justamente para que as ondas sonoras passem sem serem refletidas.

Materiais

São as características físicas dos materiais que determinam qual será o comportamento da onda sonora ao incidir sobre a sua superfície. Consequentemente, diferentes materiais originam em diferentes processos sonoros.

Isolantes

Devem ter muita massa, duros e de superfície lisa. O aço, concreto, gesso, tijolo maciço, madeira e chumbo são bons exemplos de materiais para isolamento acústico, já que impedem a transferência sonora devido à dificuldade de propagação do som nesse meio.

Refletores

Minimizam a reverberação sonora (quando as ondas são refletidas de forma reiterativa) e ainda podem ser isolantes. Sua propriedade principal é a superfície lisa, encontrada em pisos de cerâmica, algumas madeiras, massa corrida.

Difusores

Materiais difusores conseguem espalhar as ondas sonoras, sendo usados sob específicas angulações para que não ocorra eco ou reverberação. Lambris, forros com poros, 3TC e pedras são exemplos de difusores.

Absorventes

Os materiais classificados como absorventes recebem o som e dissipam sua energia de vibração. Vale lembrar que estes materiais transformam a energia sonora em energia térmica (calor). Componentes que realizam a absorção acústica devem ser leves, de baixa densidade e espessos, como as espumas, lã de vidro, lã de rocha, feltros ou outros semelhantes que possuem poros e muita espessura.

Formas de aplicação do isolamento acústico

Existem diversas maneiras de se realizar o isolamento acústico, que são determinadas a partir de parâmetros financeiros, nível de isolamento e intensidade do som a ser isolado.

Parede dupla

A técnica de duplicar uma parede e deixar um espaço com ar entre elas é antiga e muito utilizada na hora de realizar o isolamento acústico. A explicação para a sua eficácia está no fato da onda sonora ficar aprisionada nessa câmara de ar existente. Essa característica garante que o som terá dificuldades para se propagar, criando o efeito de isolamento acústico.

Parede de gesso

Bastante utilizada em hospitais e hotéis, a parede de gesso também é uma boa medida para isolar ruídos externos, já que é de fácil instalação, pode ser montada por meio de perfis mais largos e ainda ser preenchida com lã de vidro.

Manta acústica

A manta acústica é um componente autoadesivo aplicada nas regiões onde há maior propagação sonora oriunda de ambientes externos. Sua grande vantagem é a versatilidade, pois, pode ser customizada e instalada em diversos ambientes, inclusive no interior de automóveis. Os materiais mais comuns para a fabricação de uma manta acústica são: lã de rocha; lã de vidro e espuma de poliuretano.

Como identificar o melhor tipo de isolamento acústico

Para especificar qual será a melhor maneira de realizar o isolamento sonoro de uma determinada localidade é preciso levar em conta vários fatores. Como mencionado, é preciso analisar a área que receberá o isolamento, a frequência e a intensidade do som externo a ser minimizado e a disposição física do ambiente; estes são os principais parâmetros que devem ser analisados.

Vale ressaltar que esse estudo só é feito com qualidade por um especialista da área. Ou seja, ao necessitar de um isolamento acústico, é prudente a busca de ajuda profissional, para que assim todos as questões técnicas sejam devidamente averiguadas.

Sendo assim, depois de entender com clareza o que é isolamento acústico e como ele é feito (destacando sua simplicidade e rapidez na instalação), é fácil perceber o quão vantajosa essa técnica é, seja para residências, seja para empresas. Principalmente porque garante privacidade, conforto sonoro ambiente e qualidade de vida, tudo isso a partir de um acessível investimento financeiro.

ABNT 15575

A norma técnica da ABNT fala de desempenho térmico e acústico em relação aos materiais e às técnicas construtivas adotadas na construção, afim de assegurar a qualidade do produto final. Ou seja, a norma vem para proteger consumidores e investidores do ramo imobiliário na hora de comprar ou alugar uma casa, apartamento, escritório, e outros tipos de edificações. Se quiser saber mais, fizemos um post bem explicativo, dedicado a essa norma, que impacta a todos os projetos aprovados depois de Julho de 2013.

Qual a melhor opção para minha necessidade?

Primeiramente, vale lembrar que cada tipo de projeto acústico é único. Esta característica é importante pois cada tipo de construção, cada ambiente,e especificação de necessidade vai precisar de tecnologias e intervenções diferentes. Como por exemplo, o isolamento de um estúdio de gravação é bem diferente de uma parede ou sótão de uma casa. Da mesma forma, também é diferente para um local que quer impedir que o som saia daquele ambiente, para um local que a necessidade é não deixar o som entrar. Outro ponto importante é se o ambiente está na fase de projeto ou se é uma reforma. São muitas variáveis a serem consideradas na hora de especificar em projetos e intervenções. Caso queira ver isolamento acústico ao extremo, conheça o quarto mais silencioso do mundo:

Insonorização

Algumas pessoas também chamam o isolamento acústico de insonorizarão. Resumidamente, significam a mesma coisa. O isolamento ou insonorizarão ideal vai sempre unir diferentes tipos de tecnologias construtivas e também de isolamento. Ou seja, cada um vai desempenhar um papel diferente no processo da atenuação acústica ou isolamento acústico. O ideal é sempre criar uma sequência de obstáculos para o som ter mais dificuldade de se propagar. Pelo modo que o som se propaga, é necessário que o espaço fique confinado. É importante eliminar frestas entre os fechamentos, pois isso pode prejudicar todo o isolamento/tratamento acústico.

Em estúdios de gravação, teatros, e outros locais similares, o ambiente em si é modificado, pois precisam da otimização sonora. Ou seja, melhorar o alcance do som sem perder a qualidade, diminuindo a formação de eco. Entretanto, alguns desses lugares precisam conter o som também. Por isso alguns lugares possuem estruturas anguladas que dissipam a onda sonora afim de não deixá-la passar adiante.

Gostou de saber mais sobre isolamento acústico? Então, comente no post e compartilhe a sua experiência em relação a esse assunto.

Cuidar da temperatura do ambiente de trabalho é fundamental. Esse elemento está relacionado ao conforto, o que impacta diretamente o desempenho e o humor da equipe. Inclusive, é algo ligado a questões de ergonomia e bem-estar. Para conquistar esses resultados, é possível usar o isolamento térmico.

Apesar dos seus bons efeitos, muita gente ainda tem dúvida se o investimento realmente vale a pena. O melhor, então, é entendê-lo de maneira completa para verificar se a alternativa atende a certas expectativas.

A seguir, veja o que é o isolamento térmico e descubra se ele vale a pena.

Afinal, o que é o isolamento térmico?

O calor transfere-se de um ponto quente para o mais frio, até que as temperaturas atinjam o equilíbrio (fiquem iguais). A partir dessa mesma lógica, pense em uma fábrica: se, do lado de fora, a temperatura é de 30°C, enquanto no lado de dentro a temperatura é de 20°C, a tendência é que ambos os espaços atinjam 25°C.

No entanto, a menor elevação da temperatura dentro de um lugar como esse pode trazer desconforto às pessoas que ali estão. Afinal, um ambiente de trabalho inclui vários outros elementos, como máquinas, que também dissipam calor.

O isolamento térmico, por sua vez, busca deixar um espaço protegido contra a perda e absorção de temperatura. Guardadas as proporções, é como uma garrafa térmica.

Esse processo utiliza materiais que impedem ou diminuem a transferência de calor. Assim, ajudam a garantir o conforto térmico dentro do edifício, como um ambiente comercial, industrial ou residencial.

Quais são os benefícios?

Recorrer a um bom sistema de isolamento térmico traz vantagens de diversos tipos. Para os empreendimentos, com destaque, é possível obter resultados melhores em várias esferas. A seguir, entenda quais são os pontos positivos de realizar o investimento.

Garantia de economia

A eficiência energética é um aspecto essencial para qualquer empreendimento. Quando a energia elétrica é usada da melhor forma, há uma redução com os custos na conta de luz ao final do mês. Para a empresa, ter menos despesa significa ter melhores possibilidades de investimento. Afinal, a energia mais barata é a que não se utiliza.

Com o isolamento térmico, isso é favorecido, porque não é preciso usar um sistema de climatização tão intenso. Além disso, não há perdas da atmosfera climatizada, o que garante melhor desempenho e menor gasto de energia.

Aumento do conforto

A temperatura é um dos fatores mais importantes para o bem-estar. Se ela estiver muito alta ou baixa, é difícil permanecer no ambiente por muito tempo — especialmente em uma jornada de trabalho. Então, recorrer ao isolamento térmico é um jeito de ampliar o conforto.

Isso garante que as pessoas não tenham de lidar com os incômodos da temperatura e, ao final, trata-se de algo que ainda melhora a percepção sobre o local de trabalho.

Aumento da produtividade

Estar em um espaço agradável, em todos os sentidos, é importante para que as pessoas possam trabalhar melhor. Em relação ao conforto, um estudo já identificou que estar em um bom ambiente é determinante para a produtividade.

É verificável que ocorre o aumento de erros por parte das pessoas e do risco de acidentes por conta do desconforto. As instalações inadequadas propiciam a baixa concentração, o desânimo e alta sensação de incômodo.

Mas, ao cuidar das questões térmicas e, portanto, do bem-estar, é possível obter um bom desempenho da equipe. As pessoas conseguem focar nos seus resultados, sem se preocupar com sensações desagradáveis, como o calor em excesso.

Inclusive, há pesquisas que afirmam que o calor prejudica a performance cognitiva e que atuar na temperatura ideal ajuda a memória. Assim, é possível conquistar melhores resultados ao potencializar o desempenho.

Redução de problemas de saúde

A temperatura fora dos padrões adequados pode gerar várias condições nocivas à saúde. Além da desidratação, o excesso de calor pode motivar crises hipertensivas, quedas de pressão e outros quadros. Para o negócio, isso significa ter muitas licenças e afastamentos.

Por outro lado, com o cuidado com esse elemento, toda a equipe tem a saúde favorecida. É fácil desempenhar as funções com total segurança, sem que a gestão tenha de lidar com as consequências do absenteísmo.

Diminuição de problemas trabalhistas

De acordo com a Norma Regulamentadora 17 (NR-17), uma das determinações quanto à segurança e à saúde do trabalho é oferecer as condições adequadas de ergonomia. A ergonomia, portanto, é uma das obrigações de qualquer empregador. Com a temperatura incorreta, por outro lado, é muito mais difícil obter esse efeito.

Com o isolamento térmico, é possível adequar o espaço e garantir a climatização, ao usar o ar-condicionado conforme o necessário. Isso cria, acima de tudo, um ambiente de trabalho mais saudável. Assim, há uma redução nos processos e disputas trabalhistas, o que garante melhores resultados para o empreendimento.

Aumento da retenção de talentos

Você sabia que o clima organizacional é determinante para manter os profissionais no negócio? Além de contar com boas relações pessoais, as condições físicas devem ser adequadas.

Um ambiente sempre quente e abafado gera desmotivação, desconforto e problemas de saúde, como visto. Ao final, isso faz com que as pessoas procurem outros locais para trabalhar, o que leva a custos e dificuldades. Com o isolamento, por outro lado, o local é favorecido e há uma retenção ampliada de profissionais.

O investimento em isolamento térmico vale a pena?

Mesmo diante dos benefícios, é comum que haja dúvida se o investimento é, realmente, interessante. O fato é que qualquer empreendimento que deseja atingir novos resultados deve considerar essa possibilidade.

A economia em relação à conta de luz, por exemplo, faz com que o investimento tenha um retorno em pouco tempo. Depois que o gasto inicial é quitado, todos os recursos economizados podem ser utilizados pelo negócio para novos investimentos, por exemplo.

A melhoria em relação à equipe, entretanto, é especialmente vantajosa. Graças a esse aspecto, os profissionais se tornam mais engajados, comprometidos e produtivos. Além disso, a permanência maior desses profissionais na empresa gera resultados mais significativos.

Para completar, a responsabilidade social do empreendimento é favorecida. Ou seja, ele se posiciona com uma boa reputação no mercado — e todos esses aspectos contribuem positivamente para o seu desempenho.

O isolamento térmico é essencial para que uma empresa tenha resultados melhores. Quando é bem executado, garante mais produtividade e ótimo retorno, o que justifica o investimento nessa possibilidade.

Como esse investimento é realizado com materiais especiais, aproveite e veja se é melhor recorrer à telha sanduíche ou a uma manta térmica 3TC.

O controle de temperatura é essencial para muitos empreendimentos. Em primeiro lugar, existe a recomendação do Ministério do Trabalho e da Norma Regulamentadora 17. Como trata da ergonomia, o documento estabelece os níveis de calor e frio ideais. Seu cumprimento é obrigatório e ajuda a evitar processos trabalhistas.

Além disso, há empreendimentos que precisam cuidar da conservação de elementos. Frigoríficos, por exemplo, devem lutar conta o ganho de calor nas câmaras frias para não perderem os produtos. Em todos os casos, é essencial dispor dos mecanismos certos.

Mas, afinal, como realizar o controle de temperatura na empresa da forma adequada? A seguir, veja algumas dicas para conseguir colocar essa etapa em prática.

Utilização de equipamentos

Há muitas soluções eletrônicas que auxiliam os empreendimentos a acompanhar a temperatura de um determinado ambiente. A maior parte deles não ajuda a evitar que as mudanças aconteçam, mas oferecem uma visibilidade ampliada.

Nesse sentido, o controlador de temperatura é um dos mais importantes. Ele funciona como uma espécie de relógio, mas a informação que ele oferece é o quão quente ou frio está um determinado lugar ou objeto. Dependendo do caso, apresenta precisão de décimos, o que garante máximo acompanhamento.

Também é possível recorrer a chips de transmissão instantânea, termostatos e elementos do tipo. Eles ajudam a acompanhar o nível de calor ou frio de um ambiente e a verificar se tudo está dentro do esperado.

Há, ainda, os sistemas voltados para a mudança de temperatura — não só para o controle. Climatizadores e itens relacionados são opções utilizadas com frequência.

Os chillers, por exemplo, resfriam quantidades de água que “roubam” o calor do ar, de acordo com os parâmetros desejados. Já o rooftop é uma espécie de ar-condicionado, enquanto o fan coil é um tipo de ventilador de grande capacidade.

Todos esses elementos ajudam a dissipar calor do ambiente, o que garante um resultado muito mais confortável para vários pontos. No entanto, ainda assim é preciso se preocupar com o controle de temperatura para que ele fique em níveis adequados.

Projeto arquitetônico

A forma como o espaço se apresenta também tem tudo a ver com a temperatura percebida e com o nível de acompanhamento obtido. Dependendo das escolhas, um ambiente sai prejudicado por causa das suas características construtivas. Por isso, um bom projeto arquitetônico é fundamental.

É preciso pensar, por exemplo, no posicionamento do local. Um frigorífico localizado em uma área de grande incidência solar não oferece os resultados esperados. Então, vale considerar mudá-lo dentro da planta ou mesmo criar barreiras de proteção para impedir o aumento de temperatura.

Também é necessário refletir sobre questões como o telhado, as paredes, a ventilação natural e até nos revestimentos. O grande problema é que essas decisões podem não estar disponíveis para um imóvel que já está erguido.

Em casos do tipo, é recomendado adaptar soluções aos espaços já existentes. Assim, é possível conquistar um controle de temperatura muito efetivo.

Uso de isolamento térmico

O isolamento térmico é um processo semelhante ao funcionamento de uma garrafa térmica. Ele conta com materiais que ajudam a evitar a absorção e a troca de calor entre dois ambientes. Então, é possível garantir maior controle do nível de temperatura em certo espaço.

Para empresas que precisam dar máxima atenção a esse aspecto, trata-se de uma solução conveniente. Com bons produtos de proteção, é possível evitar que o calor seja transmitido pelas três formas: condução, convecção e radiação. Assim, mesmo que esteja muito quente do lado de forma, o interior permanece agradável.

O contrário também acontece. Quando está mais frio na parte externa, é comum que o imóvel comercial perca calor. Em vários casos, a troca não é interessante. Então, o isolamento ajuda a evitar que esse caminho seja percorrido.

O melhor jeito de conquistar tais impactos é por meio da seleção de uma solução funcional. Normalmente, o uso de uma manta térmica e/ou de placas especiais garante o bom desempenho. A instalação tem que ser feita de maneira adequada e o ideal é optar por uma alternativa versátil, que se adapte a qualquer tipo de construção.

Dependendo do caso, trata-se de uma etapa que pode fazer parte do projeto arquitetônico. Do contrário, é possível realizar a aplicação e o isolamento com o ambiente já em uso e sem dificuldades.

Adoção de múltiplas soluções

O controle de temperatura de indústrias e empresas não tem que ser feito de uma só maneira. Na verdade, é até mais produtivo unir diversas alternativas em um projeto para obter o máximo desempenho.

Então, essas soluções podem — e devem — ser conjugadas para a conquista de um efeito melhor. O controlador de temperatura, por exemplo, ajuda a garantir uma avaliação sobre os números, de modo a mantê-los dentro da faixa esperada.

Já a climatização auxilia a vencer o nível elevado de calor. Com um bom projeto, é possível diminuir a temperatura do ambiente de um jeito consistente e que permite atingir os parâmetros específicos.

Por outro lado, o projeto arquitetônico reduz a necessidade de uso de equipamentos, já que explora o local da melhor maneira. Com tanto planejamento, fica fácil fugir de imprevistos e de cenários pouco desejáveis, como a flutuação da temperatura ao longo do tempo.

Para completar, o isolamento térmico garante a eficiência de todas as outras soluções. Não adianta ter um sistema de climatização robusto e sofrer com a transmissão de calor que vem do ambiente externo. Isso só aumenta a necessidade de potência, o que leva a um gasto muito maior de energia elétrica.

Com um bom recurso de isolamento, o espaço fica protegido contra a perda ou o ganho de calor da parte de fora. Com maior controle, basta usar os recursos necessários para chegar ao patamar desejado, o qual será mantido com facilidade.

O controle de temperatura em indústrias e empresas está ligado à qualidade e à segurança. Com essas soluções, é viável garantir que o espaço tenha as características adequadas para a execução dos diversos processos.

O que você pensa sobre essas possibilidades? Conte nos comentários e não deixe de participar!

Cuidar do conforto térmico é uma prática essencial para qualquer ambiente. Garantir que o espaço tenha as temperaturas certas ajuda a diminuir os incômodos com o frio e calor. Mas, para isso, é preciso recorrer às soluções adequadas. Em geral, as construções tradicionais não contam com nenhum elemento para obter o isolamento. Então, uma das possibilidades é a manta térmica para telhado.

Feita de maneira especial, ela é voltada para garantir a total proteção contra a perda ou absorção de calor. No entanto, há muitos modelos e estilos no mercado, o que pode gerar dúvidas na hora de escolher.

Para que não restem questionamentos, acompanhe os próximos tópicos. Você vai entender melhor o que é uma manta térmica, como utilizá-la e algumas dicas para selecionar a mais indicada para as suas necessidades. Boa leitura!

1. O que é uma manta térmica

A manta térmica é um produto com características especiais voltadas para o controle da temperatura de um local. Ela pode ser usada em ambientes residenciais, áreas comerciais ou industriais.

Antes de saber qual é o melhor modelo para comprar, o ideal é reconhecer as características específicas desse produto. Assim, fica muito mais fácil fazer uma boa escolha. A seguir, confira quais são as informações importantes sobre a manta térmica.

1.1 Como a manta térmica é feita?

A manta térmica é produzida em rolos, como se fosse de um tecido. A diferença é que ela é feita de maneira especial e tem o propósito de ajudar a dissipar o calor e a isolar o ambiente da perda ou do ganho de temperatura.

Um isolante térmico tradicional normalmente é feito de materiais como lã de vidro, rocha, poliuretano ou isopor, e exige um espaço de ar que pode gerar custos e dificuldades de instalação. Uma manta térmica comum, no entanto, conta com revestimento aluminizado e protege o local da radiação, além de garantir uma aplicação fácil. A manta térmica 3TC protege o ambiente das três formas de transferência de calor, sendo assim uma solução mais completa.

Nesse tipo de produto, as faces exteriores são refletivas. Esta característica ajuda a evitar o ganho de temperatura e a perda de calor no frio, mantendo o ambiente com um clima agradável.

1.2 Para que ela serve?

Como deu para perceber, a manta térmica tem a função de diminuir a troca de calor entre um ambiente interno com o seu ambiente externo. Isso significa que, após a sua aplicação, é difícil sofrer com o calor ou com o frio no local protegido.

Tal situação acontece porque, em primeiro lugar, a manta auxilia a resguardar o espaço da radiação solar. Os raios são refletidos em vez de serem absorvidos, o que evita a elevação da temperatura.

Além do mais, a camada interna é feita com um excelente isolante térmico. Então, o calor é impedido de passar, mesmo quando é gerado por condução ou convecção. Se não consegue entrar na estrutura, ele também não sai. Na prática, isso significa que o interior da casa fica confortável até quando o ambiente externo estiver mais frio — afinal, ela não perde calor para o lado de fora da casa.

Apesar de não ser a sua função principal, a manta térmica também pode ajudar a isolar ruídos, melhorar a durabilidade do telhado e a proteção do imóvel, em geral.

2. Como utilizá-la no telhado

Para garantir a proteção adequada, a manta térmica para telhado precisa ser instalada corretamente. O processo exige que os passos sejam executados de acordo com a fase da construção e com o tipo do telhado. Assim, é possível deixar a construção preparada.

A seguir, veja quais são os principais tipos de telhados, como é feita a instalação da manta térmica e outras informações importantes.

2.1 Quais são os tipos de telhados?

Antes mesmo de pensar em escolher a manta térmica para telhado, é preciso conhecer quais são os tipos existentes. Desse jeito, é possível reconhecer qual solução se encaixa melhor em cada proposta. Na sequência, descubra quais são os principais modelos disponíveis.

2.1.1 Cerâmico

O modelo feito com telhas cerâmicas é provavelmente o mais famoso e utilizado. O material de cobertura surge em cores diversas, mas a terracota é a mais comum. Apesar da baixa porosidade, a cerâmica ainda absorve parte da água, o que exige um cuidado especial em certos ambientes.

As telhas surgem em vários formatos, como as românicas, germânicas e embutidas. Em geral, não aguentam o peso de alguém que caminha sobre elas, demonstrando o cuidado exigido na manutenção.

2.1.2 Metálico

O telhado metálico pode ser feito com telhas de zinco, galvalume, entre outros materiais menos utilizados. Ele oferece bastante praticidade na instalação, mas não é tão efetivo no controle contra a temperatura. Por se tratar de um excelente condutor de calor, exige um tratamento especial.

Por causa das suas características, é empregado em indústrias e ambientes comerciais, como galpões. Também é bem aplicado em terraços e coberturas como uma solução de baixo custo.

2.1.3 Madeira

De aspecto rústico, o telhado de madeira oferece uma estrutura de fácil acesso. Normalmente, é composto por placas posicionadas sobre as diversas ripas, feitas com o mesmo material.

A madeira é utilizada em imóveis com uma proposta rústica e é menos comum em espaços comerciais e industriais.

2.1.4 Vidro

Embora seja menos recorrente, o telhado de vidro aparece em algumas residências. As telhas são feitas com um vidro especial e reforçado, que normalmente permite a passagem de radiação. No entanto, a troca de calor não ocorre, o que leva ao aumento da temperatura do ambiente, como em uma estufa. Neste tipo de telhado o foco é o acabamento, e não é recomendado instalação de manta térmica.

Por causa de suas características, é uma escolha mais indicada para certos pontos da casa, como em claraboias ou áreas em que o sol não bate. Também é adotado em jardins de inverno e pergolados.

2.1.5 Cimento

Novidade no mercado, o telhado de cimento oferece ótimo custo-benefício. É semelhante ao de cerâmica, com a diferença de que não absorve a água da chuva. A versão de fibrocimento é interessante por ser leve, resistente e muito funcional. Quando bem aplicado, é uma alternativa que atende às principais expectativas.

Além do material utilizado, os tipos de telhado variam de formato — especialmente em relação ao escoamento.

2.1.6 Uma água

O telhado uma água é aquele que só tem uma face de escoamento. É muito utilizado para construções menores ou simples, além de ser indicado para ambientes com baixa necessidade de vazão. Para instalar a manta térmica, as dificuldades são pouca, pois há apenas uma área que deve ser coberta.

2.1.7 Duas águas

Já o telhado duas águas é o que conta com duas faces. Está entre os mais utilizados e dá conta de boa parte das necessidades de escoamento de água nos espaços. Nesse tipo de material, cria-se um ponto chamado de cumeeira, que é onde as duas faces se encontram. A instalação da manta térmica normalmente acontece nesse ponto.

2.1.8 Três águas

O telhado três águas tem formato triangular, pois esse tipo apresenta três áreas de escoamento de água. O ponto de encontro dos três formas a cumeeira principal, que também serve de apoio para a instalação da manta térmica para telhado.

2.1.9 Quatro águas

O quatro águas conta com quatro espaços de escoamento, como o nome indica. Esse tipo de telhado tem a melhor vazão para uma grande quantidade de água, o que o torna ideal para ambientes muito chuvosos. Feito com platibanda ou de modo aparente, exige cuidado nas emendas.

2.1.10 Curvo

O telhado curvo é menos usual e é aplicado com frequência em projetos bem modernos. Aparece de forma simétrica ou assimétrica. Na instalação da manta térmica para telhado, exige que o produto acompanhe toda a sua área.

2.2 Como é feita a instalação?

A aplicação precisa ser executada com muito cuidado. É preciso cobrir toda a área dessa região, o máximo possível dentro das possibilidades da obra, de modo a impedir a passagem de calor, água ou outros elementos.

A manta 3TC, especificamente, é aplicada na subcobertura, ou seja, abaixo das telhas. Dependendo do caso, ela também pode ser instalada na laje superior — o importante é criar uma camada de proteção acima do ambiente, de modo a evitar que a temperatura invada o espaço.

O modelo mais simples é com ripas de madeira, como o telhado cerâmico, de cimento ou mesmo de madeira. Nesse caso, a manta é aplicada no “corpo” da estrutura para garantir que as telhas fiquem bem posicionadas acima.

O telhado metálico, por sua vez, exige o uso de elementos como fita adesiva para pregar em toda a área de apoio. Telhados metálicos são mais comuns em galpões industriais, e o 3TC pode ser instalado sem retirar as telhas. A instalação é feita diretamente nas terças, como você pode ver em nosso manual de instalação. Em todos os casos, é indispensável contar com profissionais capacitados, experientes e habilidosos o bastante para executar o procedimento.

2.3 É possível aplicar a manta após a construção?

Muita gente ainda tem dúvidas se a instalação da manta térmica para telhado só pode ser executada na fase de construção. A boa notícia é que, na maioria dos casos, é possível apresentar soluções mesmo após a finalização da etapa. Imóveis em uso, portanto, podem se beneficiar dessa possibilidade.

O processo pode se tornar um pouco mais complexo quando se trata de uma opção já em uso. No entanto, esse não é um empecilho para uma equipe realmente preparada.

3. Como escolher a manta certa

Para que tudo saia conforme o planejado, é essencial fazer uma boa escolha da manta térmica para telhado. Entre tantas opções no mercado, torna-se imprescindível conhecer o que faz sentido para as necessidades específicas.

Na sequência, veja quais aspectos considerar para selecionar o melhor tipo e veja como direcionar a sua decisão corretamente.

3.1 Verifique o controle da transmissão de calor

Como dito, o calor não é transmitido por apenas uma maneira. Além da condução — ou por contato —, ele pode se movimentar por convecção e radiação. O problema é que a maioria das mantas térmicas só considera o primeiro método. Como resultado, o que é gerado e movimentado pelos outros meios circula livremente para dentro do ambiente.

O ideal, portanto, é escolher um material cuja tecnologia seja capaz de lidar com as três formas de transmissão. Os raios de radiação, por exemplo, têm que ser refletidos, enquanto o calor da radiação ou da convecção não deve conseguir vencer a barreira e entrar no ambiente. Desse jeito, é possível conquistar um imóvel realmente protegido.

3.2 Opte por uma alternativa com dupla face refletiva

Assim como acontece com uma garrafa térmica, a manta aplicada no telhado deve conter duas faces refletivas. Se apenas uma delas for desse tipo, há uma perda sensível de eficiência. Como se sabe, perder capacidade no isolamento térmico significa troca de calor e desconforto no ambiente.

Portanto, abra mão das opções que têm apenas uma face. O produto no estilo sanduíche, que conta com isopor no meio das faces metálicas refletivas, é muito adequado e garante o alcance dos efeitos esperados.

3.3 Escolha uma alternativa versátil

Outro ponto relevante é selecionar uma manta térmica para telhado que seja versátil. É importante que ela ajude a evitar o ganho de temperatura no verão e a perda de calor no inverno. Somente desse jeito é possível chegar ao conforto térmico por completo.

Também é interessante pensar em uma alternativa capaz de oferecer isolamento acústico, além do térmico. Ao evitar os diversos ruídos no ambiente, ele se torna ainda mais confortável de estar.

3.4 Pense na praticidade de instalação

Não dá para ignorar questões como a facilidade de instalação. Acima de tudo, a manta térmica para telhado tem que ser prática e simples de ser aplicada, pois isso ajuda a garantir a máxima eficiência e a obtenção dos resultados desejados.

Nesse sentido, é muito importante que o modelo não precise de espaço de ar, como a maioria das aluminizadas precisa. Isso evita a exigência de uma área maior, além de facilitar a manutenção.

Também é interessante que ela possa ser aplicada após a construção e em qualquer tipo de telhado. Tanta adaptabilidade faz com que o processo cumpra todas as expectativas, sem a exigência de gastos extras.

3.5 Avalie a durabilidade

Não dá para se esquecer da durabilidade do material. É indispensável que ela seja feita com componentes de alta qualidade e com um procedimento exclusivo, capaz de conferir um excelente resultado.

Investir em uma boa escolha significa não ter que trocar o material e aproveitar os melhores impactos ao longo do tempo. Trata-se, portanto, de um investimento com grande retorno quando é feito da maneira adequada.

Uma manta térmica para telhado que atende aos requisitos é a 3TC. Capaz de oferecer um excelente desempenho e de fácil aplicação, ela não é como as aluminizadas comuns. De face dupla e sem a necessidade de um espaço de ar, oferece o isolamento térmico necessário para obter o máximo conforto. Como consequência, é uma escolha interessante para todo tipo de telhado.

Tanta versatilidade também a torna uma opção que é indicada para qualquer tipo de imóvel. É possível, inclusive, realizar um estudo de viabilidade para verificar a possibilidade de produção com dimensões personalizadas.

4. Vantagens de contar com uma manta

Recorrer a uma manta térmica para telhado traz muitos benefícios. Esse produto, como visto, oferece características especiais a partir da sua fabricação e aplicação nos diversos tipos de telhado.

Para se convencer de que essa é a melhor escolha para o imóvel, veja por que vale a pena fazer esse investimento.

4.1 Deixa os espaços com temperaturas adequadas

Sentir muito calor ou frio faz com que o corpo não funcione da maneira adequada, o que torna a experiência de estar no ambiente desagradável. Com a manta térmica, esses problemas são resolvidos, proporcionando um conforto térmico às pessoas ali presentes.

Em uma casa, significa ter um lar mais arejado no verão ou que não perde tanto calor no inverno. Em um ambiente de trabalho, as condições ergonômicas e de salubridade são favorecidas. Tudo isso leva a uma melhor experiência, mais produtividade e satisfação com o espaço.

4.2 Aumenta a eficiência energética

Quando o ambiente sofre com a transmissão de calor, é comum que ele experimente um aumento considerável no gasto energético. Uma casa sem o devido isolamento, no verão, exige mais do ar-condicionado. No inverno, pode ter um uso ampliado do aquecedor ou do chuveiro elétrico, por exemplo.

Com a aplicação da manta térmica para telhado, por outro lado, é possível aumentar a eficiência energética do local. Com uma temperatura adequada e relativamente constante, torna-se necessário usar menos os equipamentos para obter conforto. Isso pode provocar uma significativa diminuição do valor da conta de luz.

Seja em uma empresa, seja em um lar, essa mudança pode criar, a longo prazo, condições para uma série de investimentos na infraestrutura do próprio ambiente.

4.3 Evita a ocorrência de infiltrações e goteiras

Não é só o calor que encontra um bloqueio de passagem. Com a manta térmica para telhado, é possível evitar a ocorrência de infiltrações ou goteiras — principalmente, aquelas causadas pela chuva.

Um telhado cerâmico, por exemplo, sofre com a absorção da água. Portanto, sem a devida proteção abaixo das telhas, a água pode se infiltrar na laje ou mesmo na estrutura da casa. A manta, por sua vez, impede esse processo e ajuda, inclusive, a aumentar a resistência e o tempo de vida do telhado.

4.4 Apresenta baixa necessidade de manutenção

Quando bem selecionada e aplicada, a manta funciona de maneira contínua, sem dar problemas ou dores de cabeça. Trata-se de um item capaz de resistir a condições intensas, como altas temperaturas do verão brasileiro.

Além de reduzir gastos após a aquisição e instalação, é uma questão que diminui a preocupação com as manutenções do telhado. Afinal, na maior parte dos imóveis, o acesso ao telhado é difícil. Se fosse preciso fazer a manutenção constante, os demais benefícios seriam menos interessantes. Por outro lado, a aplicação fácil e o funcionamento descomplicado fazem com que você não tenha que se preocupar com a manta.

4.5 Garante máxima acessibilidade

Apesar de o material ter um funcionamento inteligente, ele é bem mais em conta do que pode parecer. Mesmo ao escolher uma tecnologia de ponta, é possível fazer uma contratação por um valor que cabe no bolso.

Os números se tornam especialmente interessantes quando é feita uma análise sobre o custo-benefício. A economia de energia, o aumento do conforto e a grande durabilidade fazem com que a manta térmica se transforme em um investimento com excelente potencial. Para completar, contar com essa proteção é um dos fatores que contribuem para a valorização do imóvel.

4.6 Amplia a sustentabilidade

A aplicação de uma manta térmica para telhado exige, em primeiro lugar, materiais que podem ser reciclados. Boa parte do produto não é descartada após o uso prolongado, o que evita a geração de uma grande quantidade de resíduos.

A garantia de sustentabilidade, entretanto, existe por causa da economia que essa instalação é capaz de causar. Ao regular a temperatura em níveis agradáveis, é preciso usar menos energia elétrica dos climatizadores. Isso gera, afinal, um resultado bem mais interessante, que torna o imóvel amigo da natureza em todos os sentidos.

4.7 Ajuda a aumentar a segurança

Por fim, recorrer à instalação da manta é um jeito de garantir segurança para o imóvel. Primeiramente, esse é um elemento que ajuda a evitar a entrada de itens estranhos, como sujeiras e insetos. Trata-se também de um item à prova de roedores. Ainda sobre os organismos vivos, o produto não acumula bactérias e fungos, o que é ótimo para os alérgicos.

Outro ponto importante é que a manta não propaga fogo. Qualquer princípio de incêndio não tem continuidade até o telhado, o que ajuda a garantir uma atuação rápida e eficaz da segurança.

A manta térmica para telhado é uma solução versátil e repleta de qualidades. Ao fazer a sua escolha considerando as necessidades particulares do projeto, é o investimento certo para garantir conforto e bem-estar dentro de qualquer ambiente.

Gostou de saber como funciona a manta térmica? Entre em contato conosco da 3TC, tire as suas dúvidas e faça já o seu orçamento!

O corpo humano possui a habilidade de se adaptar em relação a diversas variações nos ambientes como intensidade sonora, quantidade de oxigênio no ar, oscilações térmicas, etc. Entretanto, mesmo se adequando a essas alterações, devemos destacar os possíveis efeitos colaterais no metabolismo humano, principalmente aqueles decorrentes das trocas de temperatura, já que, nesses casos, o conforto térmico fica consideravelmente comprometido.

É fácil perceber, por exemplo, o quão desgastante é permanecer em locais com temperaturas elevadas, bem como o desconforto contínuo (essencialmente dos pés e das mãos) ao realizar tarefas em ambientes extremamente frios. Dessa forma, seja no calor, seja no frio, é indispensável analisar as consequências da ausência de conforto térmico e entender o quão relevante esse parâmetro pode ser para o nosso cotidiano.

Lendo este post, você vai entender o que é conforto térmico e como alcançá-lo e quais são os impactos desse fator para a saúde do nosso corpo. Confira!

O conceito de conforto térmico

Para definir esse termo, é preciso considerar a combinação de critérios físicos (temperatura, umidade e velocidade do ar), psicológicos (estado mental do indivíduo após alterações ambientais) e fisiológicos (resposta padrão do corpo a uma dada condição externa).

Dessa maneira, conforto térmico nada mais é que a combinação desses fatores, resultando em indicadores térmicos, satisfatórios ou não. Exemplificando, um ambiente que oferece um conforto de temperatura adequado é aquele que se encontra numa faixa estável (geralmente entre 22° C e 24°C) e não apresenta valores extremos de velocidade e umidade do ar — ou seja, viabiliza um cenário propício tanto para a permanência humana quanto para o desempenho de tarefas.

A importância de manter a temperatura adequada

Locais que não são classificados positivamente quanto ao conforto térmico são um problema. Além de afetar a produtividade de uma equipe também pode representar sérios riscos para a saúde. Desse modo, é possível afirmar que, em ambientes onde a temperatura se encontra nos extremos, o nível de concentração de uma pessoa pode diminuir drasticamente, prejudicando a qualidade da atividade que estava sendo realizada.

Outro ponto importante que devemos ressaltar é em relação ao bem-estar, uma vez que é difícil se manter em um local onde a temperatura não está apropriada, o que pode, inclusive, gerar mudanças de humor e alterações fisiológicas mais sérias.

Em ambientes laborais, as consequências de um desconforto térmico podem ser ainda mais acentuadas. Por consequência disto, graves acidentes de trabalho podem acontecer. Isto é, as condições térmicas de um local jamais devem ser negligenciadas, especialmente em espaços onde há contínua permanência humana.

O desequilíbrio térmico e as suas consequências

Como já foi dito, a saúde física e mental sofre em cenários onde há desconforto térmico. Entretanto, os sintomas não são sempre iguais, e isso depende da presença ou da ausência de calor. A seguir, entenda os diferentes casos:

Efeitos sob forte calor

O metabolismo humano é drasticamente afetado em situações em que a temperatura corporal alcança 40° C. Para que isso ocorra, é necessária uma exposição excessiva ao calor, que pode desencadear um estado de hipertermia.

Nessa possibilidade, as principais consequências são:

  • desidratação acentuada (escassez de água no organismo, o que prejudica as reações orgânicas mais básicas do corpo);
  • erupção, com vesículas roxas em áreas da pele onde a incidência de calor for maior;
  • dores e espasmos musculares, agravados no abdômen e nas extremidades;
  • desequilíbrio neurológico (o que implica sérias alterações sensoriais);
  • fraqueza muscular, a qual pode se prolongar por dias caso a exposição à alta temperatura seja extrema;
  • dificuldade de concentração, que pode levar a quadros de ansiedade e estresse.

Medidas preventivas e corretivas

Cabe destacar alguns pontos referentes ao estado de hipertermia, tanto para evitá-lo quanto para amenizá-lo. Para situações em que não há conforto térmico e a temperatura ambiente alcança patamares elevados, devemos:

  • providenciar o resfriamento rápido do corpo, com a estadia prolongada em uma área fresca e arejada;
  • intensificar a ingestão de água ou bebidas isotônicas;
  • evitar comidas pesadas e grandes intervalos de tempo entre as refeições;
  • prevenir o desenvolvimento de doenças dermatológicas em situações onde há exposição solar, através do uso de pomadas e cremes de proteção contra raios ultravioleta;
  • vestir óculos, chapéus e roupas que protegem a pele de raios solares;
  • aplicar bolsas de gelo nas articulações (no caso de início de quadros de fraqueza e dores musculares).

Efeitos sob baixa temperatura

Já em ocasiões onde há desconforto térmico, devido à temperatura baixa, o corpo humano está sujeito a um processo chamado de hipotermia (inicia-se abaixo de 35° C).

Dessa forma, os efeitos no organismo são:

  • arrepios e dormência nas mãos;
  • dificuldade de locomoção pela ausência de circulação sanguínea nas articulações;
  • cansaço excessivo;
  • perda da consciência e diminuição da frequência cardíaca em situações onde a exposição ao frio é elevada.

Medidas preventivas e corretivas

Em relação ao quadro de hipotermia, os cuidados são:

  • manter o corpo em constante movimento, beneficiando, dessa forma, a circulação sanguínea;
  • usar vestimenta adequada (especialmente para proteger a cabeça);
  • substituir roupas molhadas se a umidade do ambiente for elevada.

Os cuidados para alcançar o conforto térmico

Existem lugares (principalmente em ambientes industriais) em que há tarefas para serem realizadas, porém, inevitavelmente, apresentam temperatura fora do intervalo ideal. Para esse contexto, a utilização tanto de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) quanto de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) é indispensável.

Já para ambientes domésticos e estabelecimentos comerciais, em geral, caso haja alguma região na qual as condições térmicas não são favoráveis, uma boa solução é providenciar a instalação de um isolante térmico. Assim, por meio de mantas térmicas, o conforto térmico fica garantido de maneira simples e eficiente.

Como vimos neste conteúdo, é essencial garantir o conforto térmico. Seja nos espaços de trabalho ou nos ambientes residenciais. Portanto, vale ressaltar que além de permanecer em uma área arejada e com a devida ventilação é importante providenciarmos locais que proporcionem conforto e bem-estar, pois isso reflete positivamente tanto no humor quanto na produtividade de uma pessoa, além de assegurar e preservar o seu maior patrimônio: a saúde.

Achou o assunto interessante? Então, compartilhe este post em suas redes sociais e ajude a difundir informações acerca da importância do conforto térmico!

Quando se fala em revestimento de teto, certamente o forro de gesso é um dos primeiros a ser considerado por clientes e profissionais. Afinal ele é considerado versátil e pode ser utilizado de várias formas. Dentre elas, o gesso pode ser utilizado como forro, mas também como rebaixamento de teto. Sabe-se que é um dos materiais mais utilizados em reformas residenciais, comerciais e industriais.

Primeiramente, vamos entender tecnicamente este material. O gesso é um aglomerante simples, constituído basicamente de sulfatos mais ou menos hidratados e de anidros de cálcio, obtido pela calcificação da gipsita. Além disso, tem como propriedades pega e endurecimento rápido, boa aderência. Dentre os acabamentos possui bom isolamento térmico e acústico, é resistente ao fogo, e tem estabilidade volumétrica em local seco e superfície lisa.

Sanca de gesso

Tipos de forro de gesso

Em se tratando de forros, dois tipos são comumente utilizados no Brasil: o tradicional e o acartonado. O primeiro é constituído por placas moldadas de gesso no tamanho de 60 x 60 cm, com encaixes do tipo macho e fêmea. As placas são fixadas no teto com arames galvanizados de conformidade com a especificação da obra.

Ademais, o gesso acartonado é composto de papel cartão e gesso, são placas maiores e mais finas. A instalação ocorre por três sistemas: o estruturado, o aramado e o removível. O estruturado é o mais utilizado, consiste em pendurais rígidos reguláveis e canaletas metálicas galvanizado. Segundo, o aramado é composto de pendurais de arame galvanizado, com peças metálicas zincadas tipo “H”. Geralmente utilizado em locais menores e forros mais econômicos. Já o removível tem como principal característica a possibilidade de visitação de equipamentos instalados na parte superior. É estruturado com pendurais de arame galvanizado, perfis de aço galvanizado com pintura eletrostática.

Teto rebaixado de gesso

Vantagens e desvantagens do forro de gesso

De uma forma geral, os forros e rebaixamento de gesso tem um forte apelo estético. Além disso são muito usados para embutir iluminação ou disfarçar vigas indesejáveis. Em segundo lugar ele possui boas propriedades térmicas e acústicas e sua flexibilidade possibilita a criação de diversas formas. Uma das grandes desvantagens é a baixa resistência à umidade, não podem ser instalados em áreas externas, e a utilização em áreas úmidas deve ser bem avaliada.

Porém, cada tipo de forro, o tradicional e o acartonado, possuem características distintas e cabe avaliar qual é o mais adequado para cada situação. Abaixo, reunimos os prós e contra de cada tipo de forro de gesso.

Forro de Gesso Tradicional

Vantagens: ele ainda é mais barato que o gesso acartonado; porém é mais resistente à umidade e apropriado para ambientes menores.

Desvantagens: é mais sensível aos efeitos da variação térmica, podendo estalar ou trincar com facilidade. O processo de instalação produz muita sujeira. Possibilidade de surgir manchas amareladas e ataque de fungos. É mais pesado que o acartonado e demanda mão de obra especializada. Se precisar de manutenção, o forro tem que ser destruído.

Forro de Gesso Acartonado

Vantagens: Facilidade de instalação; produz menos sujeira que o tradicional. Ademais, a manutenção é simples, se precisar remover alguma placa é possível remendar; possui menor peso; menos sujeito a manchas; há chapas que podem ser curvadas.

Desvantagens: mais oneroso que o tradicional, baixa resistência à umidade; necessita de mão de obra qualificada.

3TC Isolamento e os forros de gesso

Anteriormente vimos que o gesso é um material que responde bem térmica e acusticamente e essa propriedade pode ser otimizada com a utilização do nosso produto. A instalação do 3TC acima do forro como manta térmica é muito simples, veja só: ele ficará por cima do forro, podendo ser parafusado em montantes metálicos. Em relação aos sistemas de instalação dos forros de gesso acartonado, os tirantes podem atravessar o 3TC, não havendo nenhum prejuízo em relação à eficiência do produto.

Sem dúvida, os forros e rebaixamentos de gesso agregam um valor estético considerável à obra, resultando em ambientes belos e aconchegantes. E então, qual o melhor forro para sua obra? Compartilhe com a gente!

 

Hoje em dias novos projetos e reformas na construção civil estão em todos os lugares. As preocupações de quem está realizando ou pagando pelo serviço são as mesmas: custo, tempo de instalação e benefícios. Ou seja, é uma questão de custo e controles. Sendo assim é preciso analisar minuciosamente a relação custo-benefício dos serviços acabados. Pensando nesta questão que tecnologias de instalação fácil, rápida, com um custo acessível surgem no mercado. Tecnologias como o drywall. Hoje em dia existe um movimento para informar e treinar profissionais para capacitá-los a realizar instalações técnicas. Estas tecnologias não são tão novas assim em outros países, mas tem se tornado cada vez mais utilizadas aqui por conta dos vários benefícios.

O que é Drywall?

Drywall em tradução livre significa “parede seca”, e está relacionado à construção seca. Da mesma forma, o este método de construção pode incluir forros de gesso, placas cimentícias, woodrame e steelframe. De maneira geral a tecnologia consiste num sistema de vedação composto por uma estrutura metálica de aço galvanizado ou ripas de madeira, e placas ou chapas aparafusadas nesta estrutura. Desta forma esta tecnologia não necessita de argamassa para sua execução, reduzindo assim a quantidade de entulhos e é bem mais rápida. As paredes de Drywall fazem parte da construção a seco.

A propósito, prédios inteiros estão sendo construídos desta forma hoje em dia. Por causa da praticidade, o drywall é mais utilizado em reformas, principalmente em escritórios, lojas e salas comerciais. Esta tecnologia reduz e muito o tempo de duração se comparado a um sistema de alvenaria tradicional, com menos entulho. De acordo com a Associação brasileira do Drywall o consumo do material no ano de 2013 foi de 50 milhões de metros quadrados.

3TC Isolamento - Drywall

Cada obra tem uma característica diferente e necessidade diferente, por isso as placas de drywall possuem algumas alternativas que podem ser priorizadas. Exatamente por isso compilamos a lista abaixo para que você saiba mais um pouco sobre cada tipo de placa:

Chapas de gesso Standard (ST) Cor branca.

A chapa Standard (ST) é recomendada para uso geral em áreas secas, emprega-se em paredes e forros do sistema drywall.

Chapas de gesso Resistentes à Umidade (RU) Cor verde.

Esta variedade é indicado para os “ambientes molhados”: ambientes sujeito a respingos ou que tenha alta taxa de umidade. Exemplos: banheiros, áreas de serviço, cozinhas, dentre outros. Nestes locais é imprescindível a utilização da chapa verde de drywall do tipo RU, que possui em sua composição química, componentes hidro fugantes, que protegem a superfície contra umidade.

A placa de gesso RU não é a prova d’água e por isso não recomenda ser usado em teto, sobre piscina ou sauna, já que o nível de água/umidade recebida pela placa nestes ambientes é constante, e resultará na deterioração do material. É recomendado apenas como fechamento vertical nas paredes.

Nota importante: é importante realizar a impermeabilização da chapa verde na maioria dos casos. Recomenda-se a impermeabilização da base da parede e revestimentos em drywall com chapas RU, evitando infiltração pelo solo ou pela parede.

Gesso RU

Chapa verde (RU) é a recomendada para assentamento de cerâmica, pois a argamassa colante é misturada com água. No caso de uma chapa Standard, a placa absorve a água e, com o tempo, acaba descolando a cerâmica assentada. Para fixação da cerâmica utiliza-se argamassa tipo AC II ou AC III.

Chapas de Gesso Resistentes ao Fogo (RF) Cor rosa.

Esse tipo de placa de gesso possui, dentro outros componentes, a fibra de vidro em sua fórmula. A fibra de vidro é um material com muita resistência ao calor e ao fogo. Por isso, são bastante indicadas para escadas enclausuradas, saídas de emergência e áreas com risco de incêndio. Resistência ao fogo quer dizer o retardamento das chamas se comparado às chapas ST, obedecendo as normas da NBR 15575.

3TC Isolamento e Drywall ripas de madeira

Chapas de Gesso Acústicas

Um grande problema da construção em drywall consiste no isolamento térmico e acústico da estrutura. Para isso existem as chapas acústicas com poder de absorção e reverberação sonora. Além disso elas também podem contribuir na renovação do ar e são indicadas para restaurantes, bares e locais que necessitam de um reforço no isolamento acústico. Para o isolamento térmico, o produto mais indicado é o 3TC Isolamento de 10mm, garantindo conforto térmico e eficiência energética. Para um reforço acústico, recomenda-se isolamento fibrosos de alta densidade.

Placas Cimentícias

As placas cimentícias costumam ser mais caras que as placas de gesso pois seu método de fabricação precisa de mais recursos. Ela é mais utilizada nas áreas externas por oferecerem mais resistência à ação do tempo que placas de gesso. Além disso o processo de instalação dela é bem parecida com o das placas de gesso. Para não ter problemas, o segredo é seguir as diretrizes técnicas de instalação de cada fabricante.

Algumas vantagens dessa tecnologia incluem a alta durabilidade e resistência ao fogo. Ademais, elas podem receber diversos tipos de acabamento ou revestimentos, como pintura, textura, cerâmica e pastilhas, podendo até mesmo ficarem aparentes.

Desvantagens

A desvantagem das placas cimentícias é que o manuseio é bem mais difícil que das placas de gesso, por serem mais pesadas. Em segundo lugar elas também costumam ter um preço mais elevado tanto do m2 comprado como instalado, justamente por ser um material mais resistente e mais denso. Nesse sentido, na hora de escolher qual a melhor opção para sua finalidade, é importante utilizar o material correto para a finalidade correta. Desta forma consegue-se o melhor acabamento pelo custo-benefício mais adequado.

Caso tenha se interessado pela informação, encontramos um artigo científico que explora muito bem esse tema com diversas citações e com informações mais profundas e detalhadas sobre o tema, principalmente no que diz respeito ao comparativo das paredes de alvenaria e drywall: https://goo.gl/tF1c2Y. O artigo tem autoria de Jordana Tavares Santos e Ligia Eleodora Francovig Rachid.

Nesta postagem realizamos um comparativo técnico e de preços para instalar a Manta Térmica 3TC ou Telha Sanduíche. Desta forma ficará mais fácil decidir qual a melhor opção para sua necessidade. Assim como o 3TC, a telha sanduíche é uma das opções no mercado de isolamento. Ambos atuam no controle da temperatura interna e redução do desconforto térmico em ambientes. Além disso proporcionam atenuação acústica. No entanto existem grandes diferenças entre o 3TC e a telha sanduíche que precisam ser destacadas. Nessa situação, comparamos o 3TC na espessura de 10mm com a telha sanduíche feita com o isolamento de PU (Poliuretano) nas espessuras de 30mm e 50mm.

ESPESSURA

O 3TC Isolamento utiliza menor quantidade de materiais. Enquanto podemos usar o 3TC de 10mm, a telha sanduíche geralmente utiliza 30mm ou 50mm do PU. Isso sem contar com a proteção mecânica em cima para proteger o isolamento térmico. Sabe o que isso significa? Uma segunda camada de telha que vai resultar em um gasto ainda maior de materiais na obra. Com a telha sanduíche você compra duas telhas mais isolamento térmico quando poderia ser apenas uma.

RADIAÇÃO

O 3TC, através de sua estrutura (Mylar + Núcleo de EPS) consegue barrar as três formas de transferência de calor. A telha sanduíche, no entanto, barra apenas uma das três formas de transferência de calor, no caso a condução. Como sabemos, 70% da incidência do calor vem através da radiação solar. Por que não utilizar um isolamento que vai não só trabalhar contra a condução (como a telha sanduíche) mas também contra a convecção e radiação?

DENSIDADE

3TC têm o peso extremamente menor que o peso da telha sanduíche com PU. A estrutura fica bem mais pesada quando ela é composta por duas telhas. Falando apenas sobre a densidade dos materiais de isolamento, a do 3TC é de 16 – 18 kg/m3. Enquanto isso a densidade do PU na telha sanduíche é de 35 kg/m3 a 39 kg/m3, ou seja, além do peso estrutural de duas camadas de telhas, o peso do PU individualmente é bem superior ao peso estrutural do 3TC.

PREÇO

O investimento por m2 do 3TC de 10mm instalado custa aproximadamente R$30,00. O m2 da Telha Sanduíche utilizando o PU como isolante custa uma média de R$ 55,00 mais os custos de instalação que podem chegar a R$20,00 o m2, totalizando assim uma média de R$ 75,00 com instalação. Ou seja, o preço do 3TC instalado é 60% menor do que o custo da telha sanduíche!

Além disso, na telha sanduíche você ainda terá um gasto maior com a estrutura para suportar o peso do metal utilizado duas vezes nas telhas, pois uma camada é utilizada para a proteção mecânica do isolamento térmico. Agora a pergunta: Para que ter o gasto com duas telhas e um isolamento térmico incompleto se você pode investir em apenas com uma telha e um isolamento térmico (3TC) de alta qualidade? Não há dúvidas, o custo benefício do 3TC é superior a telha sanduíche.

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO

O 3TC possuí películas refletivas com baixa emissividade que são primordiais no combate a radiação. Sabe-se que no caso de telhas expostas ao sol, esta é a forma de transferência de calor que mais contribui para o aumento da temperatura interna. O 3TC é extremamente eficiente na redução da temperatura interna, portanto, a necessidade de utilizar-se aparelhos de climatização de ambientes em estruturas revestidas pelo 3TC é bem menor comparado a estruturas revestidas pela telha sanduíche.

Ah!! falando nisso, temos uma calculadora de BTU em nosso site, aproveite para calcular o consumo elétrico do seu ambiente e os benefícios que você pode obter com a instalação do 3TC!

Voltando ao assunto, demonstramos a eficiência do 3TC em isolar um ambiente termicamente. Demonstramos por meio de um longo estudo, através dos cálculos de capacidade térmica.

Q = A . ΔT . U

O parâmetro de capacidade térmica de um ambiente significa a quantidade de energia em forma de calor que se encontra em um ambiente. Consequentemente, a partir disso, se dimensiona, através de um sistema de refrigeração, a quantidade de calor que é necessário ser retirado. Assim sendo, com o propósito de garantir conforto térmico com eficiência energética.

• “Q” representa o calor transferido do ambiente externo ao ambiente interno (carga térmica).
• “U” representa o coeficiente global.
• “A” representa a área.
• ΔT representa a variação da temperatura.

Os coeficientes estão diretamente relacionados. Quanto menor for a quantidade de calor transferido do ambiente externo para o ambiente interno, menor vai ser a quantidade de calor a ser retirada. Quanto menor for a carga térmica, menor o coeficiente global.

Resumindo em outras palavras, quanto menor for a carga transferida ao ambiente interno, menor vai ser a necessidade de aparelhos de climatização. Isto implica em redução de custos, e menor consumo de energia. Os cálculos são diretos e precisos. Eles demonstram que o 3TC de 10mm é três vezes mais eficiente que a telha sanduíche com PU de 30mm e duas vezes mais eficiente que o PU de 50mm.