Para permitir o progresso, a ciência desenvolve componentes e materiais que viabilizam diversas soluções. Ao falar em exploração do espaço, o Mylar é um dos itens relevantes. Em forma de película, é esse elemento que ajuda a resolver vários problemas de equipamentos que estão fora da atmosfera terrestre.

Muita gente não o conhece, mas ele se baseia em uma aplicação simples. Inclusive pode ser adotado no cotidiano e é capaz de gerar grandes benefícios quanto ao conforto térmico. Ao saber mais sobre ele, você tem a chance de explorar um dos recursos importantes para a ciência.

Para não ter dúvidas sobre esse elemento, vamos apresentar o que é o Mylar e por que ele tem tanta relevância. Confira!

O que e como essa película funciona?

Entender a composição dessa película é essencial para descobrir de que se trata. De forma simples, podemos dizer que o Mylar é uma espécie de filme de poliéster. Suas fibras de alta tecnologia são produzidas com polímero estirado. É, portanto, uma película feita com plástico trabalhado para criar fibras de baixa espessura e que se arranjam de um jeito específico.

Apesar de sua espessura bem fina, ele apresenta atuação diferenciada. Além de suportar grandes tensões, tem elevada estabilidade e boa resistência química. No entanto, sua maior característica é a refletividade.

O tratamento dado a essa película faz com que ela receba um aspecto metalizado. Isso garante a reflexão dos raios solares, que não conseguem penetrar nas fibras do material. Então, é uma forma de obter isolamento térmico.

Como foi o Mylar foi desenvolvido ?

O desenvolvimento do Mylar aconteceu após a consolidação do uso de polímeros na economia. Com a popularização dos polímeros, novas formas e soluções foram buscadas.

Na década de 1950, diversas indústrias norte-americanas começaram a trabalhar com o material. Após o estiramento das fibras plásticas, foi possível conquistar um resultado inicial em relação ao que existe hoje.

Em 1955, a película passou a ser usada em filmes fotográficos de escala comercial. Porém, foi nos anos seguintes que ganhou aplicações inovadoras — principalmente por conta da espessura finíssima em que foi empregada.

Qual a importância do Mylar para a Nasa?

O uso do Mylar ganhou força a partir da década 1960. Foi em 1964 que a Nasa utilizou o material com apenas micrômetros de espessura. O processo possibilitou o lançamento de um grande balão metálico que serviu como satélite.

Desde então, a película tem sido aprimorada e usada na agência. Foi diante desse cenário que surgiu o isolamento multicamadas (multi-layer insulation ou MLI, em inglês). Podemos dizer que é uma solução no estilo sanduíche: o Mylar é aplicado nas camadas externas e, no meio dele, há outros materiais que ajudam a garantir os bons resultados.

Esse conjunto é usado, principalmente, nas estações espaciais e nos satélites. A seguir, veja quais são os maiores benefícios da adoção da película na Nasa.

Isolamento térmico das estações espaciais

O objetivo do uso desse material é gerar isolamento térmico dos diversos componentes em órbita. Com a alta capacidade de reflexão, o Mylar impede o ganho de calor por conta da radiação solar. Graças à adoção da tecnologia MLI, ainda consegue prevenir processos de condução e convecção.

Como o ambiente pode ser um tanto hostil por causa das baixas temperaturas, o isolamento também é essencial para evitar a perda excessiva de calor. Além de garantir o funcionamento dos componentes em condições ótimas, é um jeito de manter o conforto dos astronautas.

Facilidade de manutenção

Outra razão para a utilização do Mylar é que ele tem facilidade elevada de aplicação e, portanto, de reparação. Caso ocorra alguma dificuldade ou um processo de perda ou ganho de calor, os próprios astronautas podem fazer os consertos necessários para manter a integridade da estrutura.

Em condições normais, ele não exige manutenção justamente por ser capaz de suportar grandes tensões. Mais que diminuir os custos, é um meio de obter máxima confiabilidade no projeto, o que também amplia a segurança.

Aumento de eficiência energética

Diante do isolamento térmico, a troca de calor pode ser impedida ou, ao menos, reduzida a níveis mínimos. Isso favorece o sistema de regulação de temperatura, o que permite manter a operação dentro dos níveis esperados.

É um jeito de aumentar o nível de eficiência energética, o que é importante para as estruturas espaciais. Com menor exigência de controle de temperatura, há menos riscos de sobreaquecimento ou congelamento de componentes ou de sobrecarga do sistema. Não é à toa que a Nasa utiliza esse componente como uma maneira de obter resultados melhores.

Excelente custo-benefício

A maior parte dos componentes de satélites e estações espaciais custa milhares ou até milhões de reais. Então, buscar soluções que contemplem as necessidades de maneira menos onerosa faz parte do desenvolvimento da Nasa.

Embora envolva muita tecnologia, a película feita com fibras de polímero pode ser considerada econômica — principalmente se avaliarmos o seu bom desempenho. Então, ela se transforma em uma alternativa especialmente atraente, eficiente e capaz de atender às necessidades.

E qual é a aplicação cotidiana?

Embora o Mylar seja essencial para a ciência e tenha empregos que vão ao espaço, ele também pode ser utilizado no cotidiano. Com uma aplicação comercial simplificada, oferece resultados tão positivos quanto aqueles obtidos em satélites e em estações espaciais.

É o caso de uma solução de isolamento térmico. Tanto em casos de mantas térmicas quanto de placas, o conceito se baseia no uso de camadas. Do lado de fora, o Mylar é aplicado para garantir a reflexão dos raios solares. Assim, é possível impedir o aquecimento por radiação, que é a maior vilã da transferência de calor.

Entre as camadas da película refletiva são adicionados componentes como o EPS, o qual forma uma barreira de ar. Isso impede a convecção e a condução, de modo a garantir o isolamento completo. De maneira simples, é como utilizar a proposta de uma garrafa térmica para deixar ambientes protegidos.

O Mylar é uma película refletiva de alta eficiência e que é essencial para a ciência. Otimizado e aplicado em grande escala pela Nasa, também pode fazer parte do seu cotidiano. Com um bom produto de isolamento térmico, podemos afirmar que surge a chance de explorar os resultados desse item.

Ainda tem alguma dúvida sobre o componente? Conte em nossos comentários e participe!

Quando o tema é o conforto térmico, é comum que surjam muitas dúvidas. Tanto em ambientes industriais quanto dentro de casa, não são poucas as questões sobre as soluções e os melhores meios de obter um espaço agradável. Quando a discussão aparece, é quase impossível não citar os tipos de exaustores.

Com um funcionamento diferenciado em relação a ventiladores e outros componentes, os exaustores trazem uma promessa específica. Ao mesmo tempo, é preciso se preocupar se essa é, de fato, a alternativa mais efetiva para o problema do calor.

Para tirar as suas dúvidas, mostraremos quais são os principais tipos de exaustores e como cada um atua. Entenda!

O que são e como funcionam os exaustores?

Esses são equipamentos instalados no teto ou em uma parte alta do ambiente. Com o uso de hélices, coifas e outros componentes, ajudam a garantir a ventilação no espaço.

O processo é feito por meio da eliminação do ar quente que fica em cima e que é substituído pelo que está no lado de fora. Isso renova as correntes de ar e oferece uma troca para deixar o local mais agradável. Também é muito utilizado para expelir gases, odores e outras impurezas que podem contaminar o ar.

São diferentes dos ventiladores porque o processo que eles executam não é percebido por quem está no lugar. Para completar, não criam correntes direcionadas — em vez disso, distribuem o “novo” ar pelo ambiente.

Quais são os principais tipos de exaustores?

Embora o funcionamento seja semelhante em todas as opções, há diversas possibilidades quanto a esse componente. São voltados para variados usos e é preciso recorrer ao item certo para cada necessidade.

Na sequência, separamos quais são os principais tipos de exaustores para que você conheça a finalidade de cada um.

Domésticos

Como o próprio nome indica, os exaustores domésticos são voltados para a utilização em ambientes residenciais, em que a exigência de troca de ar tende a ser menor. Normalmente, são posicionados no ponto mais alto de uma parede do local e promovem a movimentação das massas de ar.

Podem ser adotados em garagens, galpões, sótãos e até porões. O uso em cômodos como sala de estar e quarto não é impossível — apenas não é tão comum por causa da aparência do equipamento.

De cozinha

Um exaustor de cozinha tem o objetivo específico de ajudar a dissipar gases próprios da culinária, bem como a gordura e outras impurezas. É especialmente necessário para impedir que a fumaça formada por frituras se espalhe e suje o ambiente ou outros cômodos. Também expulsa o cheiro.

Uma coifa colocada acima do fogão pode ser considerada um tipo de exaustor de cozinha. O mesmo vale para os elementos posicionados no topo da parede equivalente.

De banheiro

Já o exaustor de banheiro ajuda a eliminar odores e, principalmente, o vapor produzido pelo banho. O grande objetivo é impedir que a umidade se propague no cômodo, pois é algo com potencial para causar mofo.

É uma opção especialmente utilizada em suítes, já que a umidade pode danificar roupas no quarto ou no closet, por exemplo.

Industriais

A versão industrial é bem mais potente, por causa do tamanho da área a ser coberta. Se for do tipo “tradicional”, visa garantir a expulsão de algumas impurezas e, principalmente, a diminuição de temperatura.

Normalmente, vários exaustores são utilizados em fileiras e colunas, de modo a reduzir parcialmente o calor e obter condições ergonômicas de trabalho.

Centrífugos

Em tipos de exaustores avançados, não podemos deixar de citar os centrífugos. Eles têm uma capacidade de “vazão” muito grande e conseguem eliminar um volume intenso de gases.

São usados em certas indústrias, como siderúrgicas, petroquímicas e demais opções de transformação. Além de evitar a contaminação do ambiente, impedem acidentes diversos.

Axiais

Os axiais também têm grande capacidade, mas não servem para liberar gases. Em vez disso, fazem trocas intensas e rápidas da quantidade de ar. Exaustores axiais são aplicados, normalmente, em espaços de elevada circulação.

Locais movimentados, como os de carga e descarga de uma loja multimarcas podem explorar essa possibilidade.

Eólicos

Muito usados em indústrias, comércios de grandes proporções e clubes, os eólicos movimentam-se com a força do vento. Conforme as correntes de ar batem na estrutura, fazem as hélices girar e promovem a troca.

Vários desses exaustores têm funcionamento misto, para que fiquem em atividade mesmo quando não há vento o bastante.

Eles resolvem o problema do calor?

Embora os diferentes tipos de exaustores busquem a substituição do ar de dentro com o de fora, não podemos dizer que são efetivos contra o calor. O motivo é bem simples: eles não são responsáveis por fazer uma refrigeração do ar. Como apenas trocam o de dentro com o do exterior, não ocorre uma queda real de sensação térmica.

Vamos pensar em um dia de verão. Quando os exaustores são acionados, eles podem até oferecer alguma ventilação. No entanto, o ar que “puxam” de fora e que jogam para dentro também está quente, por causa das altas temperaturas. Então, por mais que tragam um alívio, é algo limitado.

Frequentemente, inclusive, os exaustores têm que ser conjugados a outras opções de climatização. Com isso, são muito úteis para garantir a qualidade do ar, mas não para reduzir a temperatura de forma efetiva.

Como conquistar efetividade para solucionar a questão?

Se, por um lado, os tipos de exaustores não resolvem o problema do calor, por outro lado há outras alternativas mais convenientes. O isolamento térmico é a nossa recomendação, já que impede que o calor penetre no ambiente, em primeiro lugar.

O funcionamento é como o de uma garrafa térmica. Com o uso de mantas e/ou placas especiais, o telhado e/ou as paredes são revestidas. Como consequência, não ocorre um aumento tão intenso da temperatura.

Para que a solução seja efetiva, entretanto, é necessário combater todas as formas de transmissão de calor. A condução acontece por contato e é importante, assim como a convecção. No entanto, a radiação é a grande vilã. Então, é preciso ter um material que também sirva para refletir os raios solares e impeça o aquecimento excessivo.

Os tipos de exaustores atuam em diversos locais e são boas soluções para eliminar gases, impurezas e odores. Quanto ao conforto de temperatura, entretanto, o melhor é recorrer ao isolamento térmico, já que é uma opção mais efetiva nesse sentido.

Que tal ter muitas outras dicas para conquistar os ambientes ideais? Acompanhe nossas publicações no Facebook, LinkedIn e YouTube para não perder nada!

Para realizar o isolamento térmico e acústico de uma construção, é preciso analisar diversos fatores. A seleção do melhor fornecedor é um ponto essencial, já que é necessário optar pela tecnologia correta. No segmento de subcoberturas, vale conhecer as diferenças entre 3TC e Duralfoil.

Entender as características de cada um é crucial para fazer uma escolha que atenda às expectativas de resultado. Desse modo, é possível garantir que a construção fique devidamente protegida e isolada.

Mas, entre 3TC e Duralfoil, qual é a opção adequada? A seguir, veja um comparativo entre as duas.

Conheça o 3TC e o Duralfoil

A princípio, as duas soluções prometem a mesma coisa: isolamento térmico. Com a atuação na construção, os produtos serviriam para ajudar a diminuir a temperatura em estruturas de diversos tipos. Na prática, entretanto, há algumas diferenças destacáveis.

O Duralfoil, é feito com base de alumínio e trançado de nylon. Embora seja uma manta de subcobertura, funciona melhor para conter infiltrações. Mesmo que seja vendido como isolante térmico, sua atuação de destaque garante outra funcionalidade.

Já o 3TC é uma alternativa feita com o polímero Mylar, entre outros componentes. Esse produto é leve, barato e capaz de refletir até 97% da radiação incidente. Com isso, consegue diminuir consideravelmente a temperatura das construções, com um conceito parecido com o de uma garrafa térmica. A garrafa térmica, como já explicamos nesse post, funciona com espaço de ar e camadas refletivas, mantendo a temperatura interna isolada da externa.

Veja as vantagens das tecnologias

Escolher um recurso de isolamento para a construção é benéfico, em primeiro lugar, por conta do conforto térmico. Como a temperatura no interior fica menor, existe uma experiência favorável nesse sentido.

Outro aspecto relevante tem a ver com a eficiência energética. Se a temperatura for reduzida, é preciso utilizar menos energia elétrica para resfriar o espaço. Então, há um consumo diminuído, o que conduz à eficiência.

O 3TC, destacadamente, traz vantagens especiais pela tecnologia usada, inclusive em relação ao Duralfoil. Além dos pontos referentes à diminuição de temperatura, veja quais são os outros aspectos que merecem atenção.

Facilidade de instalação

Ao contrário da opção oferecida pelo Duralfoil, o 3TC tem uma instalação muito simples. Ele não depende de uma estrutura extra e também não precisa de um espaço livre com ar para funcionar. A composição do produto já conta com essa característica, o que garante uma reflexão adequada e uso potencializado.

Em comparação à alternativa, ele evita a necessidade de rebaixar o teto e perder espaço. Por ser leve, não exige cálculos estruturais e, como é simples, o custo total é menor.

Inclusive, há um suporte pós-venda bastante robusto. Mesmo pessoas que não sejam especialistas podem instalar, já que a equipe técnica é capaz de dar orientações importantes.

Elevada durabilidade

O 3TC é uma opção para quem busca uma solução tanto de curto quanto de longo prazo. Isso é possível porque ele utiliza insumos de alta qualidade e durabilidade em sua produção. Este fato faz com que a seu prazo de funcionamento seja estendido. Fazer essa aquisição, portanto, é um jeito de realizar um ótimo investimento e com extensa duração.

Na prática, é uma alternativa que não depende de manutenção e que tem garantia de até 10 anos. Com isso, é possível obter uma utilização confiável por um longo período, o que melhora a experiência.

Bom retorno sobre o investimento

Como se trata de uma alternativa muito durável, há um melhor retorno sobre o investimento. Isso é potencializado ao somar os benefícios, como a eficiência energética e o conforto térmico.

Como o 3TC é um material acessível e com baixo custo de instalação, torna-se especialmente vantajoso. É, ainda, um jeito de tornar a construção sustentável, atraente e valorizada. Portanto, é uma abordagem conveniente para quem busca um investimento com um excelente nível de retorno.

Experiência positiva de outros clientes

Antes de escolher uma manta de subcobertura para a construção, é fundamental fazer uma análise completa da solução. Além de conhecer a tecnologia envolvida, vale entender como tudo funciona na prática.

Essa tecnologia inovadora é muito bem recebida por clientes, que só têm avaliações positivas para dar. Ao realizar essa análise, é possível ter maior segurança para fazer uma escolha que realmente ajudará a sua construção.

Atuação versátil

Como visto, o Duralfoil promete isolamento térmico. No entanto, na maioria dos casos, age mais para conter infiltrações. Uma das vantagens do 3TC é, justamente, a sua versatilidade. Além de servir como isolante térmico, também atua no isolamento acústico e ainda pode proteger contra a umidade no telhado e paredes.

A facilidade de instalação e o baixo custo total permitem que o 3TC seja adotado de maneira versátil. Assim, os resultados são muito mais satisfatórios para qualquer tipo de construção.

Saiba quais são os diferenciais do 3TC

Ao avaliar as duas alternativas, é essencial compreender os diferenciais de cada aquisição. É isso que garante a melhor escolha para o seu projeto e, assim, o custo-benefício ideal.

Nesse sentido, o 3TC se destaca. Além de todas as vantagens que apresenta, ele é uma solução inovadora por permitir a proteção contra as três formas de transmissão de calor. Graças a esse produto, é possível combater os impactos da condução, convecção e radiação. Como protege o ambiente de todos os meios de transferência de calor, a proteção térmica é maior com o uso dessa solução.

Outro diferencial tem a ver com a dispensa de estrutura extra. Por conta dessa característica, a solução se adapta a qualquer ambiente e construção, como residências, galpões, igrejas, entre outros. Assim, é mais fácil ter as necessidades específicas do projeto atendidas.

Conheça as linhas de produtos

Para decidir entre as duas opções, é importante conhecer a fundo as linhas de produtos de cada marca.

A Duralfoil apresenta cinco componentes principais em seu catálogo. Além de uma fita aluminizada, há alternativas voltadas para alguns cenários, como áreas úmidas ou telhas.

Por conta de sua versatilidade, o 3TC tem um catálogo compacto. Há espessuras de 10 a 100 milímetros, que são indicadas para lajes, paredes, dutos de ar condicionado e até painéis frigoríficos.

Além disso, os produtos podem vir na cor branca com forro térmico, o que favorece o revestimento e acabamento. Trata-se, portanto, de uma solução diversificada e que atende à maioria dos casos.

Para isolar a construção termicamente, escolher o 3TC, em detrimento do Duralfoil, é a melhor alternativa. Com uma atuação versátil, durável e com excelente retorno de investimento, garante muito conforto térmico e eficiência energética.

Para saber mais e fazer a compra ideal, entre em contato conosco e veja como podemos ajudar você!

Com o passar do tempo, inevitavelmente surgirão diversas patologias em uma edificação, as quais provocam alguns transtornos indesejados. Entre elas, uma das mais comuns são os problemas em telhados e lajes. Apesar dessa situação parecer interminável, sobretudo no período das chuvas, é possível encontrar soluções viáveis que solucionam essa adversidade.

Para isso, o primeiro passo é conhecer um pouco mais sobre a estrutura do telhado, assim será possível encontrar formas que possam prevenir futuros transtornos. Além disso, é fundamental encontrar as prováveis causas desses problemas, o que permitirá executar a solução mais eficiente. No entanto, o mais importante é descobrir a existência das patologias o mais cedo possível, pois qualquer pequeno problema poderá prejudicar a edificação como um todo.

Sabendo disso, reunimos neste guia completo tudo o que você precisa saber para prevenir, identificar e solucionar os principais problemas que são encontrados em telhados e lajes. Tenha uma boa leitura!

Qual a importância de ter atenção aos problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Para exercer a sua função, uma edificação é constituída de várias estruturas que devem trabalhar em conjunto. Dessa forma, caso alguma delas sofra de alguma patologia, é possível que ocorram problemas nas demais partes dessa construção. Portanto, é fundamental ficar atento ao surgimento de defeitos que possam comprometer um edifício e, consequentemente, a saúde e a segurança de seus usuários.

Por isso, é fundamental ficar atento ao surgimento de defeitos nas coberturas e lajes. No entanto, para podermos entender melhor sobre qual é a importância de sempre manter esses elementos em um bom estado de conservação, primeiro é necessário conhecer melhor o que caracteriza essas estruturas.

Afinal, o que é um telhado e uma cobertura?

Basicamente, a cobertura tem como principal objetivo proteger a estrutura de uma edificação das intempéries existentes no ambiente exterior. Além disso, com o devido tratamento, esse elemento proporciona conforto térmico e acústico aos usuários de uma construção.

Já os telhados são um tipo de cobertura, o qual é caracterizado por ter um ou mais planos inclinados — os quais são denominados de águas — em relação a uma linha horizontal. Além da função de preservar o edifício, um telhado consegue promover a captação e a distribuição das águas das chuvas.

Outra característica marcante dos telhados é a necessidade de instalar telhas, as quais podem ser construídas de vários materiais, como cerâmicas, metais, cimentos, entre outros. Durante o projeto dessa cobertura é preciso considerar as características climáticas de uma região para determinar a inclinação de suas águas.

Telhado de cerâmica

O que caracteriza uma laje?

Conceitualmente, a laje é uma estrutura que tem como função separar os diversos pavimentos de uma edificação, de modo a ser a base de contrapisos ou atuar como teto. Além disso, esse elemento estrutural é o responsável por transmitir os esforços provocados pela utilização do andar para as vigas e, consequentemente, para os pilares — isso quando não usar o método construtivo de alvenaria estrutural.

Bastante versátil, uma laje pode ser utilizada como cobertura de um edifício, de modo a fazer com que essa estrutura fique em contato direto com as intempéries do ambiente. Para que esse elemento mantenha sua resistência estrutural, é fundamental que seja aplicada sobre sua superfície uma impermeabilização. Isso evitará que ocorra a infiltração da água e o surgimento de demais patologias causadas pela umidade.

Por que se deve prestar atenção aos problemas nessas estruturas?

Devido à sua posição, uma cobertura — seja ela uma laje ou um telhado — é a principal barreira de proteção que uma edificação tem das condições ambientais. Dessa forma, o edifício não fica exposto aos efeitos nocivos da umidade, os quais tendem a causar problemas em toda sua estrutura, reduz sua vida útil, além de deixar insalubre a sua utilização.

Sendo assim, é fundamental ficar atento com os possíveis problemas em telhados e lajes, uma vez que, quando eles ficam perceptíveis, é provável que a situação já esteja grave.

Por que os problemas em coberturas acontecem?

Agora que você entendeu a importância de ficar atento em descobrir os problemas que podem ocorrer em uma cobertura, que tal aprender um pouco mais sobre as causas mais comuns dessas patologias? Antes de mais nada, é preciso estar ciente que não existe uma única origem, sendo que é comum os distúrbios surgirem devido à ação em conjunto de mais de um fator.

O desgaste com o passar do tempo é, sem dúvida, uma das causas mais comuns do surgimento das patologias em coberturas. Afinal, seja qual for o material utilizado na construção dessa estrutura, ele tende a se deteriorar após o contato frequente com as ações do clima. Por exemplo: caso a estrutura do telhado seja de madeira, mesmo que haja o tratamento adequado desse material, após alguns anos ele vem a apodrecer.

Outra possível fonte de problemas é a desqualificação dos profissionais e da mão de obra que atuam na construção civil. Nem sempre os engenheiros e arquitetos receberam um ensino completo em cobertura, o que acarreta falhas de projetos que poderão prejudicar o desempenho dessa estrutura. Além disso, é comum aos trabalhadores não terem uma formação para executar as obras, o que geram vícios construtivos e baixa qualidade da edificação construída.

Outro problema muito comum nas coberturas diz respeito o isolamento térmico da edificação. Isso ocorre principalmente em lajes que não receberam um tratamento adequado ou nos telhados com telhas de metal, pois esses materiais conduzem o calor facilmente, o que resulta em um ambiente quente e desconfortável.

Como identificar problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Como é possível perceber, a existência de patologias nas coberturas proporcionam diversos problemas a uma edificação. Dessa forma, para poder consertar esses distúrbios, o primeiro passo será identificá-los. Entretanto, essa tarefa nem sempre é tão simples, pois, em alguns casos, só se descobre que os telhados e as lajes não estão funcionando corretamente quando ocorrem algumas situações indesejadas.

Normalmente, aparecem no edifício algumas patologias relacionadas com a presença da umidade, como as infiltrações, as manchas, as goteiras e os descascamentos da pintura. Quando surgem essas situações em uma edificação com telhado, com certeza esses problemas estão relacionados com as telhas, as quais podem estar quebrados. O ideal é fazer vistorias periódicas nos telhados para verificar se não existem telhas quebradas.

Caso a cobertura do edifício seja uma laje, normalmente essas patologias são originados devido à falha do sistema de impermeabilização, o qual necessita de uma reaplicação periódica, pois essa solução apresenta prazo de validade.

Se ficar confirmado que não existem problemas no telhado, é possível que as patologias relacionadas à umidade são originadas devido à falha nas calhas e nos rufos. Isso pode ocorrer devido a vários fatores, como o entupimento das calhas ou rompimento dos rufos.

Por final, é possível que ocorram patologias na estrutura dos telhados. Caso ela seja construída utilizando madeira, mesmo que ela tenha recebido um tratamento adequado, é possível que ela apodreça com o passar do tempo — principalmente se ela entra em contato com a umidade. Já as estruturas metálicas apresentam uma vida útil mais elevada, contudo, caso não haja uma manutenção periódica, pode ser que ela sofra com corrosão.

Quais são os principais problemas em coberturas e como solucioná-los?

Caso você tenha lido este texto até aqui, é possível que tenha percebido que existem diversos tipos de problemas em lajes e telhados. Cada um deles tem as suas particularidades, são originados devido às falhas de um determinado elemento e tem uma solução própria para resolvê-lo.

A seguir, reunimos uma lista com as 7 patologias mais comuns que ocorrem nas coberturas.

1. Infiltração

Provocado devido à presença de umidade em tetos e paredes, as infiltrações são uma patologia que proporcionam um visual negativo a um ambiente. Afinal, devido ao descascamento das pinturas, à presença de manchas e a existência de bolor, esse problema cria uma sensação de descuido, a qual compromete o valor do imóvel e pode causar danos na saúde dos usuários e na estrutura da edificação.

Quando ela está relacionada com os problemas nos telhados e nas lajes, geralmente ela surge no teto, contudo, essa patologia também poderá ocorrer na parte superior das paredes. É fundamental que esse distúrbio seja identificado o quanto antes, caso contrário, é possível que ele provoque danos maiores que necessitarão de uma dispendiosa reforma.

O mais importante ao fazer os reparos necessários, é encontrar a origem desse problema. Caso contrário, de nada adiantará fazer o conserto, pois é provável que essa patologia volte a acontecer. No caso de um imóvel com telhado, será preciso avaliar se há a existência de telhas quebradas. Agora, se a cobertura for uma laje, é possível que a causa dessa patologia seja a presença de trincas ou a má impermeabilização da estrutura. Além disso, é preciso estar ciente que a forma mais eficiente de combater a infiltração é a prevenção.

Agora, caso houve o surgimento dessa patologia, será preciso realizar alguns reparos. Basicamente, eles se baseiam em eliminar a origem da infiltração e recuperar o revestimento danificado. Em alguns casos, será preciso demolir o acabamento estragado e refazê-lo.

2. Desgaste

Como qualquer elemento construtivo de uma edificação, com o passar do tempo, as coberturas sofrem com o seu desgaste natural. Dependendo do material utilizado na construção de um telhado, é possível que ele apresente uma vida útil que pode chegar a 40 anos. Já as lajes de concreto armado — segundo a norma de desempenho para edificações habitacionais da ABNT (NBR 15575) — têm vida útil estimada de, no mínimo, 50 anos.

Além disso, as impermeabilizações também apresentam um prazo de validade. Nos processos mais simples, ele varia entre 5 a 7 anos. Já nas metodologias mais sofisticadas e modernas, é possível que a durabilidade desse tratamento possa chegar a 20 anos. De qualquer forma, esse período é influenciado pelas questões ambientais, sendo que nas regiões costeiras ou naquelas que estejam contato constante com agentes poluentes e abrasivos, a vida útil dos materiais tendem a diminuir.

Para minimizar os efeitos do desgaste natural nas coberturas, a melhor solução é realizar uma constante manutenção preventiva. Para isso, é preciso avaliar o estado das telhas, sendo que o recomendado é o que o telhado esteja seco, pois caso ele esteja molhado, as telhas tendem a ser mais quebradiças. Outra possível solução é impermeabilizar as telhas cerâmicas e de fibrocimento, isso diminui a porosidade do material, o que resulta em um aumento de sua vida útil.

3. Ação do Vento

Um telhado deve ser dimensionado para suportar todas as possíveis intempéries que possam ocorrer, entre elas, a ação do vento merece uma atenção especial. Afinal, essa força da natureza exerce pressões e sucções nos edifícios, as quais são constituídas de forças para baixo e para cima, o que pode provocar danos e incidentes com vítimas fatais.

Apesar de muitos considerarem a pressão que empurra o telhado em direção do solo, é comum ocorrer um esquecimento de considerar os esforços de sucção (força que tem sentido para cima). Com isso, sobretudo nos telhados que são revestidos de telhas leves — como as de fibrocimento e as metálicas —, é comum esse esforço provocar o arrancamento da cobertura.

Quando o telhado é construído utilizando telhas cerâmicas, as quais utilizam um material mais pesado, normalmente o vento comum não consegue levantar a cobertura. Assim, ao especificar um telhado com telhas leves, é fundamental que todos os elementos dessa estrutura sejam firmemente fixados e ancorados. Mesmo nas telhas pesadas, é recomendado que haja uma amarração, isso impede que elas saiam do lugar devido às vibrações do trânsito local.

Ao considerar o vento durante o dimensionamento de um telhado, é fundamental utilizar a carta de ventos da localização em que a edificação será construída. Afinal, para cada região do País existe um valor a ser considerado no projeto. Além disso, se o edifício estiver localizado no alto de um morro ou ele apresentar muitos andares, é preciso estar ciente que a pressão exercida por essa força da natureza será ainda maior.

4. Vazamento de água

Em muitos casos, é comum as telhas apresentarem ótimo estado de conservação, entretanto, a água da chuva passa por essa estrutura. Quando isso acontece, ocorre um fenômeno chamado de transbordamento — é normal as pessoas denominarem essa ocorrência de vazamento, porém isto está errado, pois eles ocorrem nas tubulações hidrossanitárias.

São variadas as causas do transbordamento, sendo que a sua maioria está relacionada a falhas de projeto e erros de execução. Uma das origens mais comuns diz respeito ao dimensionamento incorreto da calha, pois são poucas as edificações que desenvolveram um projeto adequado de condução das águas pluviais. Assim, as calhas apresentam um diâmetro menor do que deveria. Dessa forma, esse sistema não terá as condições de dar a vazão necessária para a água proveniente das tempestades.

Muitas vezes, a equipe de execução não toma os cuidados necessários e acaba construindo um telhado com uma inclinação inferior da mínima exigida para determinado tipo de telha. Com isso, a água não é escoada adequadamente, resultando no seu transbordamento.

Quando a edificação se encontra na divisa do terreno, outra possível causa desse fenômeno se deve à construção de um edifício mais alto. Assim, dependendo das condições climáticas, a água da chuva escorre pelas paredes desse vizinho, fazendo com que ocorra um aumento do volume que o telhado tenha que conduzir. Entretanto, as calhas não suportam essa nova vazão, o que provoca o transbordamento.

5. Entupimento de calhas

Devido à sua grande área de superfície, é normal que folhas, frutos e qualquer outro tipo de sujeira caiam sobre o telhado. Contudo, ao ocorrer uma chuva e caso as calhas não apresentem barreiras de proteção que impeçam a entrada desses resíduos, é comum esse material seja conduzido até esses condutores e, consequentemente, provocar o seu entupimento.

Quando isso acontece, é possível que surjam diversas patologias na edificação, como infiltrações e transbordamento do telhado. Como ocorre o escoamento da água pelas paredes, é comum o surgimento de manchas que prejudicam a estética do ambiente, além de proporcionar um local propício para a proliferação de mofo e bolor.

Para evitar esse distúrbio, o mais indicado é instalar barreiras que não permitem a entrada dessa sujeira na tubulação. Além disso, também é recomendado a realização de uma limpeza semestral, principalmente após o outono.

6. Falhas no posicionamento das telhas

Muitas vezes, apesar de o telhado ser corretamente projetado e executado, com o passar do tempo, surgem goteiras na edificação. Isso é normal e acontece devido a vários fatores, como o deslocamento das telhas devido às vibrações causadas pelo trânsito local. Além disso, outra provável causa desse problema são a incidências dos ventos, pois, apesar deles não destelhar a cobertura, eles provocam a movimentação das telhas.

Esse problema também é comum nos telhados com grandes inclinações, pois, devido à força da gravidade, essas peças tendem a se movimentar. Entretanto, também é possível que as telhas estejam fora de seu lugar devido a erros de execução.

Quando elas não estão em seu devido lugar, o escoamento da água fica prejudicado, o que provoca o transbordamento do telhado. Com isso, surgem no edifício patologias relacionadas a umidade. Para solucionar esse problema, o recomendado é periodicamente verificar se todas as telhas estão em seu devido lugar e reposicionar aquelas que estão deslocadas.

Entretanto, essa solução é paliativa, pois o problema ocorrerá novamente com o passar do tempo. Para que as telhas não se movimentem mais, será preciso fazer a amarração do telhado. Para isso, todas as peças devem ser amarradas com arame nas ripas de sustentação.

Apesar desse processo ser bastante simples, ele é muito trabalhoso. Entretanto, não é preciso fazer a amarração de todas as telhas de um telhado. Basta apenas fixar aquelas que foram instaladas no beiral e em, pelo menos, uma a cada quatro.

7. Rachaduras

As rachaduras são uma das principais causas da infiltração em lajes de concreto armado. Por meio delas, a água consegue entrar na edificação e provocar diversas patologias relacionadas a umidade, podendo, até mesmo, comprometer a estrutura do prédio. Esse problema ocorre devido a vários fatores, os quais estão relacionados com o processo construtivo, sendo que um dos mais comuns é a falha da cura do concreto.

Uma das principais formas de reparar essa patologia é com a impermeabilização. Por meio dela, ocorre o aumento da estanqueidade da laje, o que elimina os caminhos que permitem a passagem da água, impedindo a infiltração e o surgimento de novas patologias.

Como prevenir problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Sem nenhuma dúvida, a melhor forma de lidar com os problemas das coberturas é a prevenção. Afinal, ao realizar algumas ações, evita-se o surgimento de patologias que poderão prejudicar a estrutura da edificação, o que exige a realização de reparos dispendiosos.

Por isso, o primeiro passo para garantir uma boa cobertura é investir na produção de projeto. Por meio desse documento, o projetista determinará quais são as diretrizes que a equipe de produção deverá seguir para construir uma cobertura eficiente e que proporcione segurança aos usuários. Além disso, é preciso contratar uma mão de obra especializada e competente, a qual não tem vícios ou cometerá erros.

Outra forma de garantir a qualidade dos telhados é a manutenção preventiva. Por meio dela serão feitas vistorias para verificar se a cobertura se encontra em condições adequadas. Assim, caso perceba que existam telhas quebradas ou fora do lugar, é possível realizar reparos que impeçam a infiltração da água.

Manutenção Periódica

Também é recomendado a realização de uma limpeza periódica nas coberturas e nas calhas. Com isso, evita-se o acúmulo de sujeiras que poderão provocar o entupimento desses duto e, consequentemente, o surgimento de patologias relacionadas a umidade na edificação.

Para garantir uma maior eficiência do telhado, recomenda-se a instalação de uma manta térmica. Além de melhorar o conforto térmico da edificação, essa membrana impede o surgimento de goteiras, pois, por ser impermeável, garante o escoamento da água no caso de quebra das telhas.

Por final, é fundamental realizar a impermeabilização das lajes. Por ser um material poroso, é preciso que essa cobertura receba um tratamento que impeça a infiltração da água. Além disso, é preciso ficar atento com o prazo de validade desse produto, pois ele deve ser reaplicado periodicamente para garantir a sua estanqueidade.

Como é possível perceber, existem diversos problemas em telhados e lajes, os quais podem ser evitados por meio de ações preventivas. Entretanto, caso haja uma certa omissão quanto à forma de construir uma cobertura e a sua manutenção, surgiram patologias que, caso não sejam rapidamente consertadas, poderão prejudicar seriamente a edificação.

Caso você tenha gostado dessas dicas, não deixe de assinar a nossa newsletter. Assim, você receberá em primeira mão na sua caixa de e-mail as últimas novidades de nosso blog.

A criação de animais inclui diversos fatores. É preciso se preocupar com aspectos como o espaço disponibilizado, o tipo de produção, a alimentação e assim por diante. Além desses pontos, entretanto, não dá para ignorar a necessária atenção ao ambiente. É nesse sentido em que surge o conforto térmico animal.

O conceito tem sido cada vez mais difundido e tem que ser aplicado do jeito certo para garantir o bem-estar dos animais. Com as técnicas adequadas, fica fácil obter os resultados necessários para uma criação segura e eficiente.

Para que não restem dúvidas, mostraremos qual é a importância do conforto térmico animal e quais são os pontos que exigem a sua atenção. Continue a leitura!

O que é conforto térmico animal?

O conforto térmico, de maneira geral, consiste em garantir as condições adequadas de temperatura para os seres em determinado ambiente. Ou seja, é necessário disponibilizar um espaço que não seja quente ou frio demais, de modo a não causar o que é conhecimento como estresse térmico.

Se para humanos essa questão já é importante, para animais é especialmente necessário. Em ambientes de produção animal, os bichos precisam estar dentro das condições corretas para a sua espécie e faixa de vida. Ao saber o que é conforto térmico animal, portanto, fica mais fácil entender o seu papel.

É importante notar que cada um tem uma exigência. Mamíferos normalmente conseguem regular a temperatura do organismo. No entanto, não significa que devam ser deixados em situações de frio ou calor extremo. No caso das aves, é ainda mais importante considerar essa questão.

Então, é fundamental executar ações que permitam que os animais estejam em condições realmente confortáveis durante toda a sua vida.

Qual a importância do conforto térmico para os animais?

Os animais também sentem desconfortos relacionados ao ambiente. A falta de um espaço correto para descansar, por exemplo, pode deixar uma espécie irritada. Já a escassez de limpeza compromete a saúde da maioria dos bichos.

No caso da temperatura, valores muito altos ou baixos atrapalham o funcionamento dos sistemas. Por isso, pensar nas medidas para controlar essa questão é muito vantajoso. A seguir, explicamos por que o conforto térmico animal é tão importante.

Manter a temperatura ideal

Para alcançar essa sensação de conforto, é preciso acompanhar o nível da temperatura em cada ambiente. Ou seja, isso significa fazer com que o espaço esteja com os valores adequados para cada animal.

Vale notar, inclusive, que esse é um processo individual, de acordo com cada espécie e estágio da vida. Aves, como os frangos de corte, podem necessitar de uma temperatura que varia de 32º C, após o nascimento, até 24º C, a partir da quarta semana. No entanto, os valores também podem mudar com a quantidade de animais por metro quadrado e até com a ventilação, de modo a não diminuir muito a sensação térmica.

O mesmo acontece com suínos, bovinos e outras espécies. Portanto, o conforto térmico animal é essencial para ter controle sobre a temperatura percebida pelo ser, o que garante um bom funcionamento do organismo de cada um deles.

Reduzir o estresse do animal

Quando elas não são adequadas, os bichos procuram meios de se “defender” das condições ambientais. O instinto faz com que eles busquem novas formas de regular a temperatura, em busca da sobrevivência.

Frangos em temperatura baixa, por exemplo, ficam aglomerados na tentativa de gerar calor. Porcos em ambientes muito quentes se tornam agitados e sofrem problemas de circulação.

O estresse térmico prejudica a saúde dos animais, bem como compromete diversas funções corporais. De forma prolongada, pode afetar todo o desempenho e o bem-estar. Evitar o quadro, portanto, é essencial para garantir o bom tratamento às espécies e para oferecer um cuidado humanizado na criação.

Preservar a oxigenação

A temperatura corporal está ligada à capacidade de diversos sistemas do organismo. Os órgãos dos animais funcionam de maneira diferente de acordo com cada situação, então é preciso ficar atento.

A oxigenação está ligada à capacidade de carregar os nutrientes para as células e fazer as trocas gasosas. No entanto, fora das condições ideais de temperatura, há problemas nesse processo.

Se o ambiente é muito quente, o animal pode sofrer com uma respiração mais rápida e uma oxigenação que não é suficiente. Já em temperaturas baixas, problemas respiratórios podem ocorrer. Portanto, podemos dizer que o conforto térmico animal também está ligado à preservação da oxigenação, de modo a otimizar o funcionamento do organismo.

Garantir a produtividade

A criação de animal, qualquer que seja, visa a obter produtividade. Animais de corte, por exemplo, devem alcançar pesos específicos para que atinjam os padrões esperados. Outros estão ligados a quanto produzem diretamente, como galinhas e ovos e vacas e leite.

De qualquer forma, a temperatura tem grande influência sobre o desenvolvimento e a atuação dos animais. Uma vaca com estresse térmico, por exemplo, não vai produzir tanto leite, o que afeta os resultados almejados. Frangos com frio não se desenvolvem como deveriam, o que também gera perdas.

As respostas fisiológicas incluem perda de massa, alterações na circulação, mudanças na alimentação, modificações no nível de atividade e assim por diante. Já com as condições ideais, os animais têm tudo o que é necessário para fortalecer a produção.

Aumentar a sustentabilidade

A sustentabilidade é uma preocupação cada vez mais latente na sociedade. As pessoas desejam ajudar o meio ambiente, bem como esperam que as marcas se engajem nesse sentido. Com isso, empresas de todos os setores devem se atentar a tal questão — inclusive as de produção animal.

Ao cuidar do controle da temperatura do ambiente onde ficam os animais, em primeiro lugar, há uma produção mais humana e adequada. Isso se encaixa com os preceitos de desenvolvimento sustentável e respeito à natureza.

Além do que, é um jeito de otimizar o consumo de diversos recursos, como ração, água, energia e assim por diante. Desse modo, a produção se torna sustentável e relevante.

Como reduzir o desconforto térmico?

O cuidado com a temperatura é o principal jeito de garantir que os animais não passem pelo estresse térmico. Para que o desconforto seja reduzido ao menor nível possível, portanto, essa preocupação deve ser colocada em prática por meio de diversas técnicas.

O uso dos recursos certos faz toda a diferença para ser bem-sucedido na empreitada, então é preciso ficar atento. Venha ver nossas sugestões sobre como reduzir o desconforto térmico e entenda quais são os pontos que merecem a sua atenção.

Manter os animais na sombra

A radiação é a maior vilã do calor e do aumento da temperatura. Os raios solares trazem o calor que cruza a atmosfera terrestre e impacta todo o espaço. Ou seja, tanto o solo quanto as construções são afetados pelo aquecimento. Se os animais ficarem em uma área de sol, a tendência é que a temperatura seja ainda maior.

Portanto, o ideal é que os animais sejam deixados em ambientes à sombra. No caso do gado criado solto, por exemplo, é preciso que o local tenha pontos de descanso sem sol direto. Na granja ou em áreas de criação de suínos, é fundamental que os animais não sejam afetados diretamente pelos raios solares.

Embora seja apenas a primeira ação recomendada nesse sentido, já é capaz de ajudar a garantir um ambiente mais salubre.

Fazer uso da ventilação natural

Não apenas a temperatura é importante, como também a questão da ventilação. Oferecer correntes adequadas de ar é indispensável quando o objetivo é diminuir o desconforto e evitar o estresse térmico.

Uma das maneiras de conseguir isso é por meio da ventilação natural. Um dos fatores determinantes é a altura do espaço, então um pé direito elevado torna o lugar mais arejado por causa da diferença de pressão, melhorando os resultados.

Também é viável pensar na ventilação cruzada. Nesse caso, é comum criar aberturas paralelas no imóvel onde ficam os animais, de modo a aproveitar o fluxo de passagem do ar. Assim, é possível diminuir a temperatura ambiente sem precisar gastar nada nesse sentido.

Utilizar nebulizadores e ventiladores

Ao mesmo tempo, não é interessante depender apenas da ventilação natural. Em certos períodos do ano, por exemplo, isso significa ter um baixo nível de umidade na atmosfera, o que também pode prejudicar os animais.

Então, é essencial pensar no uso de ventiladores. Há os condensadores e climatizadores — inclusive, os que auxiliam a trocar e renovar o ar.

Em relação à umidade do ambiente, a nebulização é essencial. Isso significa usar microaspersores, ou seja, equipamentos que ajudam a pulverizar pequenas gotículas de água. Elas evaporam antes que atinjam os animais, mas permitem umidificar e a diminuir a temperatura do ar.

Planejar a construção dos alojamentos

Como deu para ver, a maioria das soluções está relacionada ao ambiente de alojamento. Sem cuidar desse ponto é impossível garantir de forma completa a atenção necessária em relação ao controle de temperatura.

Portanto, é fundamental partir do cuidado com a construção dos alojamentos. Eles devem ser planejados de maneira integral para que apresentem as melhores condições e toda a capacidade de conforto.

Além de tudo, ter atenção nesse momento é determinante para otimizar o uso dos recursos. Basicamente, a melhoria ainda no planejamento evita a necessidade de gastos e consumos em excesso posteriormente, de modo a melhorar o desempenho nesse sentido.

Quais os cuidados envolvidos na construção dos alojamentos?

Como visto, a área construída onde ficam os animais é um dos fatores essenciais para o conforto térmico. Erguer um ambiente já com o pé direito alto ou com ventilação cruzada, por exemplo, diminui as exigências em relação ao uso de ventiladores de grande potência.

Mais que apenas pensar no tamanho ou na disposição, é fundamental considerar alguns outros aspectos. Na sequência, apresentaremos os pontos que exigem mais atenção e o que levar em conta para obter bons resultados.

Localização

Primeiramente, é preciso escolher uma localização adequada. A intenção é identificar um ponto que reúna as melhores características, de acordo com a necessidade de cada animal.

Se o local tiver um clima naturalmente muito quente, vale pensar em espaços com um pouco mais de sombra e que sejam arejados. No entanto, é preciso tomar cuidado para que ele não seja frio demais, por exemplo.

Em relação à umidade, convém evitar os chamados terrenos de baixa. Eles têm um grande nível de umidade — principalmente à noite. No inverno, não recebem tanta radiação e isso pode gerar o desconforto térmico e até a necessidade de aquecimento.

Outro ponto importante é que o local deve ter uma área suficiente para abrigar todos os animais e a estrutura necessária para dar conta de todos. Não adianta achar um lugar adequado se os animais ficarão aglomerados e desconfortáveis, por exemplo. Então, verifique se a instalação realmente se adapta ao ponto.

Disposição

Em relação à planta baixa, é muito importante pensar em toda a disposição do imóvel, de modo a facilitar e favorecer a utilização do espaço. É preciso avaliar a instalação de recursos para a ventilação natural cruzada, por exemplo. Então, devem-se planejar as janelas ou pontos de passagem de ar.

Também é necessário considerar onde ficarão elementos como berçários, comedouros, áreas de descanso e assim por diante. É natural que cada ambiente precise de um nível de climatização e controle, então isso deve ser considerado para o conforto térmico animal.

Além de tudo, não dá para desconsiderar a possibilidade de expansão. Se existe o planejamento de crescimento da produção animal, deve-se considerar esse aspecto no planejamento do espaço.

Telhado

Como visto, a radiação é uma das maiores vilãs quando o assunto é a temperatura. Em um alojamento, o telhado é um dos pontos que mais sofre com a incidência dos raios solares e, portanto, desse processo. Sem o cuidado adequado, ocorre a transferência de calor e o estresse térmico.

O melhor é escolher um material com bom índice de reflexão solar, em vez de um que absorva os raios. Também vale pensar em um projeto de isolamento térmico, que será tratado adiante.

Outros aspectos incluem, por exemplo, a inclinação. O ângulo ideal fica entre 20 e 30 graus e é interessante ter uma passagem para a saída do ar quente.

Em relação à altura, ele deve ser mais elevado para impedir a transferência excessiva de calor. Completar a estrutura com ventiladores e microaspersores é um jeito de dissipar parte do calor.

Laje e piso

Especialmente em alojamentos com mais de um andar, a laje é essencial. Além de dar sustentação, ela também evita a transferência de calor entre pontos, o que garante maior proteção e conforto térmico animal.

O melhor é construir uma versão com materiais que ajudem no isolamento térmico, como um concreto com características especiais. A segurança também está em jogo, então recomendamos ter atenção sobre essa questão.

Quanto ao piso, a escolha depende do animal e do seu comportamento. Por exemplo, os suínos passam até 19 horas deitados e, portanto, têm um grande contato com esse ponto. Se o piso for muito quente ou frio, há desconto térmico. Nesses casos, é possível optar pelos ripados ou maciços, de acordo com cada exigência.

Em todos os cenários, é preciso tomar cuidado com o nível de calor que o material consegue absorver. Ele deve ter a temperatura ótima, justamente para evitar a perda de produtividade. Além de tudo, o contrapiso tem que ser regular para prevenir que parte do revestimento cause algum tipo de dano ou escape de calor indesejável.

Manta térmica

Os vários tipos de isolamento térmico são excelentes soluções para garantir o conforto térmico animal. Eles protegem o ambiente das diferentes formas de transmissão de calor — condução, convecção e radiação — e ainda ajudam a economizar recursos.

A manta térmica é uma solução muito utilizada e que serve para impedir a passagem do calor de maneira indesejada. Ela pode ser aplicada tanto no telhado quanto nas paredes — e é daí que surge a necessidade de fazer um bom planejamento quanto ao espaço.

Mas se há tantos tipos, qual é a melhor opção? A seguir, mostramos as principais alternativas e as suas características!

Fibra

A versão de fibra pode ser feita com vários materiais, como a cerâmica. Nesse caso, formam-se fios aglomerados que ajudam a conter o calor, conforme a transferência ocorre de um ponto a outro.

Dependendo do tipo que é aplicado na fabricação, é um modelo que permite conter a condução ou a convecção. Essa alternativa, entretanto, não resiste muito bem à umidade e, em alguns casos, à temperatura elevada. Com isso, pode não ser a escolha ideal para garantir o conforto térmico animal.

Spray

A versão em spray consiste em um material que é pulverizado no local de interesse — normalmente o telhado. O mais comum é que ela seja feita de poliuretano, que funciona como um péssimo condutor térmico e, portanto, como um bom isolante.

A cor é clara para evitar a absorção dos raios solares, o que ajuda a conter parte do problema ligado à radiação. Paralelamente, exige uma aplicação muito profissional e que nem sempre atende aos interesses do alojamento. Como normalmente não é usado nas paredes do mesmo modo que no telhado, o problema da temperatura talvez permaneça.

Alumínio

A manta térmica de alumínio ou foil, como também é conhecida, tem o papel principal de ajudar a conter a radiação. Ela funciona como uma espécie de forro no telhado ou até entre as paredes.

Quando os raios solares batem na superfície espelhada, são refletidos e dissipados. Isso permite evitar a absorção de calor por radiação, o que diminui consideravelmente a temperatura do espaço interior.

Contudo, o produto pode não ser eficiente contra a condução, já que ela está associada ao contato. Como o alumínio não funciona como uma barreira para a transferência, o aquecimento se torna inevitável em muitos casos.

Espuma

A manta térmica de espuma é feita de poliuretano, na maioria das vezes. O material não permite a condução térmica e, com isso, evita que a temperatura seja transmitida do exterior para a parte de dentro.

Também pode se tratar de uma versão com espuma expansiva, que ajuda a preencher vários espaços e, portanto, impede a circulação do ar quente.

No entanto, é tóxica e não é ideal em altas temperaturas. Um princípio de incêndio, por exemplo, pode ganhar força rapidamente e comprometer a integridade dos animais.

Mista

Já a versão mista combina diversos materiais para chegar a um resultado mais completo. Uma opção exclusiva é a que aparece no estilo “sanduíche”, com camadas especiais para cada tipo de transferência de calor.

No revestimento externo, o material altamente reflexivo combate a radiação, que é a grande vilã. Como visto, os raios são refletidos e o calor é dissipado, o que já ajuda a diminuir boa parte do impacto.

No meio, há um preenchimento com poliestireno expandido, o qual impede a passagem do calor. Juntos, os dois componentes são essenciais para também combater a condução, o que favorece o controle de temperatura.

Além disso, a estrutura é feita para “vedar” o alojamento, o que impede a passagem de vapores. Desse jeito, é possível combater a convecção, o que gera um cuidado extra e possibilita o conforto térmico animal.

Um dos maiores benefícios de um material do tipo é que há uma proteção reforçada contra umidade e mofo, além de não ser tóxica e nem gerar problemas diante de temperaturas muito elevadas. Nesse caso, é uma solução robusta para garantir máximo controle no ambiente.

A instalação é simplificada e, com um bom planejamento, torna-se ainda mais fácil. Como resultado, é possível fazer com que os animais, de qualquer que seja a espécie, tenham tudo o que é necessário para que possam se desenvolver.

O ideal é escolher uma empresa capacitada, experiente e com uma solução que realmente cumpra esses pontos. Somente desse jeito é possível obter o melhor isolamento, dentre os disponíveis.

Como dissemos, o conforto térmico animal é indispensável para a produtividade, sustentabilidade e humanização. Nesse caso, o controle de temperatura é fundamental, o que exige medidas específicas. Além do bom planejamento, o uso de mantas térmicas garante o isolamento necessário para que o espaço seja muito bem aproveitado.

Para não perder nenhuma dica e saber como conseguir o melhor desempenho, assine nossa newsletter e fique por dentro sobre as questões de temperatura!

Quem trabalha com construção civil sabe o quanto é importante diminuir as imprevisibilidades. Tudo isso para conseguir concluir a obra dentro de um prazo e de um orçamento predeterminados. Diante desse desafio, é fundamental encontrar meios que facilitem o trabalho no canteiro de obras sem que prejudique a qualidade da edificação a ser construída.

Dentre as várias soluções existentes no mercado, o steel frame vem ganhando espaço na construção civil brasileira. A popularidade vem aumentando devido às várias vantagens que esta tecnologia proporciona. Bastante utilizado nos países mais desenvolvidos, como Estados Unidos, Japão e grande parte do continente europeu, esse método construtivo consegue ser ecologicamente sustentável e de alto desempenho.

Ao ler este artigo, você descobrirá o que é o steel frame e as suas principais vantagens e desvantagens. Confira!

O que é steel frame?

O steel frame é um sistema construtivo caracterizado pelos materiais que utiliza. É comum a utilização de perfis de aço galvanizado na estrutura de paredes, vigas e outros elementos que suportam as cargas de uma edificação. Também conhecida como construção a seco, essa tecnologia praticamente não utiliza água no canteiro de obras. A exceção à essa regra é a etapa de fundação que ainda necessita de água no processo.

Historicamente, o steel frame surgiu como uma evolução do wood frame (estrutura de madeira). Isso se deve ao fato de ambos os sistemas utilizarem o mesmo princípio, sendo que o mais antigo utiliza a madeira como componente estrutural. Esse sistema utiliza perfis de aço leve com alguns revestimentos. Alguns exemplos são o OSB e o drywall. Para garantir melhor eficiência térmica e acústica, é imprescindível a utilização de material isolante.

Além disso, esse método construtivo é amplamente industrializado, o que garante um canteiro de obras sem resíduos. Ou seja,  Sustentabilidade garantida. Ademais, o steel frame possui o mínimo de desperdício e total previsibilidade dos custos, uma vez que os quantitativos são totalmente precisos.

Como funciona esse elemento construtivo?

Muitos profissionais da construção civil têm desconfiança e desconhecimento sobre tecnologias novas. Isso se deve pelo fato de o concreto armado com fechamento de alvenaria ainda ser o principal método construtivo utilizado no Brasil. Por isso, é importante saber como o steel frame funciona. Afinal, esse sistema proporciona mais qualidade e economia, além de apresentar um resultado visual semelhante, num cronograma mais curto.

Paredes externas

Um dos maiores preconceitos existentes no Brasil em relação ao steel frame é a baixa qualidade das paredes, que se acredita serem facilmente destruídas. Entretanto, isso não passa de um falso mito, pois é possível utilizar uma combinação de diversos elementos para proporcionar mais resistência a esse componente.

Os elementos mais utilizados como fechamento das obras em steel frame são:

Oriented Strand Board (OSB)

OSB é a sigla em inglês para painel de tiras de madeira orientada. Como o próprio nome já explica, esse material é constituído por tiras sobrepostas de madeira de reflorestamento, organizadas em uma mesma direção. A cada camada ocorre a alteração do sentido das lascas, de modo a gerar um produto resistente, com ótima propriedade de isolamento.

Placa cimentícia

Produzida por meio de uma mistura homogênea de cimento Portland e fibras sintéticas, a placa cimentícia é um material que apresenta grande durabilidade, versatilidade e facilidade no manuseio. Além disso, ela permite o revestimento com grande variedade de acabamentos.

OSB + placa cimentícia

Além do fato de essa combinação aproveitar as vantagens dos dois materiais, ela proporciona uma resistência ainda maior à estrutura do steel frame. Afim de descrever, separamos este vídeo da 3TC Isolamento de uma entrevista com um de nossos clientes. Além do relato, ele também aborda esse método construtivo:

 

Painéis de alumínio composto (ACM)

Produzido a partir de um núcleo de polietileno colado a duas placas de alumínio, o ACM é um material leve e durável. Por conta de suas características, é muito utilizado no acabamento de fachadas.

Paredes internas

Com uma estrutura semelhante à usada no fechamento externo, as paredes internas de steel frame recebem o nome de drywall pelo fato de serem constituídas por placas de gesso cartonado.

Ao utilizar uma fita niveladora para eliminar as emendas existentes entre as placas, cria-se uma parede totalmente plana, a qual pode receber qualquer tipo de acabamento — inclusive cerâmica, porcelanato, pedra e madeira.

Ao contrário das divisórias de drywall, as paredes de steel frame que utilizam esse material são mais robustas e resistentes devido ao contraventamento dos perfis de aço leve.

Lajes

É possível utilizar o steel frame como componente estrutural de uma edificação. Para isso, será preciso reforçar esse elemento para suportar os esforços que serão exercidos sobre ele.

Assim, uma laje construída utilizando esse processo construtivo é constituída por uma estrutura de aço galvanizado, reforçado com um contrapiso armado. Além disso, o fechamento é feito utilizando placas de OSB e o acabamento desejado. Normalmente, utiliza-se lã de vidro para fazer o isolamento acústico.

Cobertura

Nos últimos anos, houve aumento considerável do uso do steel frame nas coberturas. Afinal, esse método construtivo proporciona algumas vantagens em relação à madeira, como imunidade a parasitas, maior leveza e melhor resistência estrutural. Além disso, os perfis de aço galvanizado apresentam mais facilidade para vencer grandes vãos.

Quais são as vantagens do steel frame?

Como é possível perceber, o uso do steel frame proporciona diversas vantagens em um canteiro de obras. Pelo fato de ser um método construtivo industrializado, ocorre diminuição das imprevisibilidades da construção, uma vez que se aumenta a precisão dos processos e diminui-se o tempo para que a empreitada seja concluída.

Além disso, há economia no uso da água, pois utiliza um processo construtivo a seco. Este método é diferente do tradicional método do concreto armado com fechamento de alvenaria. Outro ponto positivo é a redução de desperdícios e entulhos produzidos no canteiro de obra.

Pelo fato de a estrutura do steel frame ser modular, a manutenção é facilitada. Caso ocorra um problema nas instalações hidráulicas ou elétricas, apenas é necessário retirar a placa para fazer conserto. Finalizado o trabalho, basta recolocá-la em seu lugar.

Esse tipo de edificação também apresenta elevada vida útil, a qual pode chegar a 300 anos.

Quais são as desvantagens?

Apesar de o uso do steel frame proporcionar diversas vantagens à construção de uma edificação, existem alguns pontos negativos que atrapalham a disseminação de seu uso em nosso país. Uma das principais desvantagens é o custo, pois ele ainda é superior ao observado nas obras tradicionais. Por isso, o seu uso é recomendado apenas quando se tem pressa para que a construção fique concluída rapidamente.

Outro ponto a ser considerado é a escassez de mão de obra especializada. Como tal processo construtivo não permite erros em seu planejamento e execução, é preciso que a equipe de obras seja treinada para executar esse tipo de instalação.

No entanto, o que mais atrapalha a propagação do uso desse método construtivo é a barreira cultural existente no Brasil. Afinal, devido à desconfiança de muitos profissionais e clientes, ainda é comum priorizar o uso dos métodos tradicionais da construção civil.

Apesar disso tudo, o uso do steel frame ainda é uma ótima solução para a construção civil brasileira. Por meio dele, é possível obter obras organizadas, previsíveis, com menos desperdícios e céleres.

Agora que você sabe o que é o steel frame, que tal aprender um pouco mais sobre mantas e isolantes térmicos? Até mais!

De forma simples, a ergonomia envolve a relação entre o homem e o ambiente de trabalho. Consiste em um estudo da ligação entre seres humanos e máquinas e quais são as condições adequadas para garantir o bem-estar e a segurança. Pensando nisso, foram criadas algumas regras voltadas para esse tema, entre as quais está o conforto térmico.

Afinal, essa relação adequada não está ligada apenas a cadeiras confortáveis ou móveis na altura certa. Ela também está conectada a condições de iluminação, de barulho e, é claro, de temperatura.

Para que não haja dúvidas sobre como cumprir todos os requisitos, mostraremos dicas para atingir o conforto térmico segundo às regras de ergonomia. Confira!

O que são e para que servem as orientações?

As Normas Regulamentadoras (NRs) são dispositivos legais criados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Elas especificam quais são as obrigações dos empregadores em certas condições, de modo a garantir a segurança e a saúde da equipe.

A NR 17 é a responsável por tratar de todas as normas referentes à ergonomia. Ela serve, principalmente, para orientar os empregadores sobre como devem pensar no ambiente. Desse jeito, é possível garantir uma atuação adequada e protegida.

Já a NR 15, por exemplo, disciplina as atividades ou operações insalubres.

Como funcionam as regras de ergonomia?

As obrigações previstas para deixar o trabalho ergonômico variam com cada atividade e ambiente. Basicamente, tudo começa com uma avaliação da adaptação às condições de ergonomia. A intenção é reconhecer os riscos e o que pode (ou deve) ser melhorado.

Em seguida, são tratadas de questões como a necessidade de executar as atividades de forma sentada quando possível e a escolha de mobiliário adequado. A partir do ponto 17.5 da norma, há os fatores ambientais do trabalho. Isso exige, por exemplo, nível de ruído dentro de padrões aceitáveis e umidade relativa mínima de 40%.

Em relação à temperatura, ela deve ser efetiva entre 20 a 23ºC, de modo a garantir o bem-estar. Além disso, há questões sobre a organização das funções e sobre o levantamento ou movimentação de itens pesados.

Vale mencionar que, conforme indica o Anexo III da NR 15, existem limites de tolerância ao calor e sua inobservância torna a condição de trabalho insalubre.

Quais os prejuízos do calor e falta de ergonomia para os trabalhadores?

Como dissemos, um dos pontos das regras de ergonomia tem a ver com o conforto térmico. Segundo prevê a lei, é obrigação do empregador garantir que a temperatura esteja em um nível adequado e confortável. Isso se deve, principalmente, por causa dos impactos negativos que as altas temperaturas causam.

Em primeiro lugar, há a possibilidade de desidratação. Se ela for intensa, o trabalhador pode desmaiar, envolver-se em acidentes e até sofrer uma fatalidade. Também são queixas comuns as dores de cabeça, a sensação de vertigem e o cansaço ampliado.

Todos esses pontos geram, como impactos secundários, a perda de motivação e de produtividade. Como resultado, o empreendimento se torna menos competitivo.

Quais as punições para a empresa que não cumprir as obrigações?

Para garantir que todas as normas trabalhistas sejam seguidas, há algumas punições para as empresas que não as aplicam. Em uma fiscalização, a falta de ergonomia pode gerar multas, sanções e até a interdição do local para adaptação, se for o caso. Também ocorrem processos judiciais, o que coloca em xeque a credibilidade da empresa.

Além disso, a inexistência de boas condições prejudica a saúde da equipe. Isso dá origem a mais faltas e licenças, o que amplia os custos. Resulta, ainda, em um aumento de processos trabalhistas e indenizações.

Para piorar, o negócio pode ter a sua imagem empresarial arranhada. Isso gera problemas de percepção do público e, em alguns casos, até boicotes por parte dos consumidores.

Como melhorar o conforto térmico?

Como visto, cuidar da temperatura do local de trabalho é uma questão fundamental de ergonomia. Então, é preciso buscar maneiras de garantir e ampliar o conforto térmico no ambiente. A seguir, veja algumas dicas de como chegar a esses resultados.

Dê preferência a horários frescos

Durante os dias quentes, é comum que o horário comercial seja o período de maior calor do dia. Isso faz com que haja desgaste por causa da temperatura, o que exige cuidados extras.

Sempre que possível, recomendamos evitar atividades externas de 10 da manhã às 5 da tarde. O sol é muito forte nessa fase, assim como a temperatura.

Dentro do escritório, o problema é um pouco menos sentido, mas ainda é impactante. Trazer flexibilidade de horários, como a pausa do almoço, ajuda os colaboradores a escolherem o melhor período.

Promova pausas para descanso

Por causa das altas temperaturas, é comum que as pessoas fiquem menos concentradas e cansadas com facilidade. Tudo isso afeta a produtividade — e exigir resultados constantes não é a resposta.

Em vez disso, a nossa indicação é planejar mais pausas ao longo do expediente. Permitir que as pessoas tirem 5 minutos para descansar, beber algo gelado ou se refrescar é essencial. Como consequência, a produtividade pode ficar ainda maior, mesmo com um número ampliado de paradas.

Mantenha distância das fontes de calor

Principalmente no chão de fábrica, há diversos componentes que podem gerar muito calor. Fornos, caldeiras, secadores e, até, máquinas com bastante vibração aumentam a temperatura de forma localizada.

O melhor jeito de evitar isso é ao limitar o contato com essas fontes. Garanta que a equipe não seja exposta demais a essas áreas e que a proximidade dure apenas o tempo necessário. Ao diminuir essa interação, os efeitos são sentidos com menos intensidade.

Invista no isolamento térmico e promova a ergonomia

Embora essas ações sejam importantes, elas são somente “remédios” para um problema que tem outras causas. A incidência solar, por exemplo, gera calor por radiação no imóvel e eleva a temperatura. Outras formas de transmissão, como condução e convecção, também são responsáveis.

Então, para aumentar o conforto térmico, vale elaborar um projeto de isolamento. Com o uso de uma manta especial, por exemplo, é possível impedir que o calor entre no local. Com as trocas interrompidas, fica mais fácil chegar a valores confortáveis.

Para ter máximo desempenho, procure uma solução que impeça as três formas de transferência de calor. Assim, dá para garantir que o espaço terá condições melhores. Além de o bem-estar ser ampliado, os esforços — e os custos — para climatizar o ambiente serão menores.

O conforto térmico é uma das bases da ergonomia e, por isso, é tão importante. Ao seguir as nossas orientações, é possível evitar as punições e cuidar melhor da saúde da equipe.

E já que o isolamento é uma opção muito indicada, entre em contato com a 3TC e descubra como atuamos no mercado!

Seja na indústria alimentícia, seja na automobilística, há diversos ambientes trabalhistas em que as condições de atuação não são totalmente favoráveis para a estadia humana de qualidade. São elas a umidade relativa do ar, temperatura, ruídos, radioatividade etc. Nesse contexto, é interessante destacar os postos de trabalho em que a insalubridade e calor se relacionam de maneira acentuada e consequentemente preocupante.

Sendo assim, confira neste post o que você precisa saber sobre os principais aspectos da relação entre a insalubridade e calor.

Principais características de ambientes insalubres

Caracteriza-se um local de trabalho como insalubre quando o mesmo representa riscos à saúde humana de forma frequente e intensiva. Isto é, quando um ambiente exige da equipe a exposição aos agentes de risco em um nível acima dos limites de tolerância ele é classificado como insalubre. A tolerância é definida por uma norma técnica:  a Norma Regulamentadora 15 (NR-15)

Em outras palavras, são locais hostis e com más condições de permanência e circulação. Veja, a seguir, algumas das características de ambientes insalubres:

  • presença excessiva de radiações não ionizantes;
  • ruídos constantes e acima de 65 dB;
  • alterações nos valores de pressão absoluta;
  • oscilações térmicas acentuadas;
  • umidade do ar a níveis extremos;
  • presença de vibrações mecânicas.

Exposição ao calor e suas consequências

A exposição demasiada ao calor pode ser extremamente prejudicial ao corpo humano, podendo representar um aumento da irritabilidade, depressão, fraqueza, incapacidade para se concentrar e ansiedade.

Outras consequências mais graves são os quadros de alterações físicas, como por exemplo a desidratação, espasmos musculares e o aparecimento de erupções e vesículas nas regiões do corpo mais exposta.

Cabe ressaltar também que alterações neurológicas podem ser diagnosticadas, ou seja, é de fundamental importância a proteção humana para com a exposição excessiva ao calor, já que há possibilidades de sequelas permanentes.

Norma Regulamentadora 17

A NR 17 Ergonomia tem como objetivo estabelecer parâmetros que possibilitam a adaptação das condições de trabalho para com as características psicofisiológicas da equipe. Proporcionando, desse modo, mais conforto e eficiência na produtividade e, acima de tudo, segurança.

Segundo a norma, o empregador deve garantir boas condições ambientes de trabalho, alinhando as características psicofisiológicas de sua equipe com a natureza das tarefas a serem realizadas.

Dessa maneira, em locais onde há atividades que necessitam de solicitação intelectual (escritórios, laboratórios, análise de projeto entre outros), é obrigatório assegurar as seguintes condições de conforto:

  • índice de temperatura efetiva entre 20º C e 23º C;
  • velocidade do ar menor ou igual a 0,75m/s;
  • umidade relativa do ar maior ou igual 40%;
  • nível de ruído máximo para efeito de conforto de até 65 dB, sendo a curva de avaliação de ruído NC menor ou igual a 60 dB;
  • iluminação adequada, natural ou artificial, distribuída no ambiente de maneira uniforme e difusa, evitando assim ofuscamento, reflexos, sombras e contrastes excessivos.

Descumprimento das normas regulamentadoras

O não cumprimento das normas regulamentadoras, tanto pelo empregador, quanto pelos empregados é passível de multas e sanções do Ministério do Trabalho.

Deste modo, tratando-se de uma empresa que descumpra a NR 17, as consequências podem ser:

  • multas justapostas pelo Ministério de Trabalho e indenizações à família da vítima em caso de acidente de trabalho;
  • possibilidade de embargo/interdição da obra, bem como confisco de máquinas e equipamentos;
  • responsabilidades trabalhistas (estabilidade provisória para acidentado, Termo de Ajustamento de Conduta e ação civil pública);
  • obrigações civis em situações de acidentes de trabalho (arcar com despesas médicas, danos estéticos, lucros cessantes durante todo o período antecedente a alta médica e pensão vitalícia quando houver vítimas fatais durante o exercício do trabalho);
  • obrigações criminais, respondendo por infração penal, crime de perigo, lesão corporal e até homicídio culposo.

Medidas preventivas ao calor

Em relação aos locais de trabalho insalubres devido à presença excessiva de calor, há medidas alternativas para que o conforto térmico da equipe seja assegurado.

Nesse aspecto, vale destacar o importante papel desempenhado pelas mantas térmicas, que são capazes de isolar a carga térmica de um ambiente, por meio da eficiente redução da transferência de calor fonte/meio externo.

Entretanto, é importante pautar que existem 3 formas de transferência de calor: convecção (realizada pelas correntes gasosas); condução (vibração molecular de partículas sólidas e fluídos) e radiação (raios infravermelhos).

Dessa forma, para que um isolamento térmico seja feito com qualidade, é preciso garantir que a manta térmica utilizada seja igualmente eficiente para esses 3 tipos de transmissão de calor.

Caso contrário, o isolamento térmico não necessariamente alcançará valores satisfatórios, uma vez que a transferência de calor continuará a afetar a temperatura do local em questão.

Outra medida importante para garantir a segurança de uma equipe que atua sob forte carga térmica é a providência de Equipamentos de Proteção Individual-EPI’s. Macacão térmico, botinas, aventais, máscara de proteção e luvas são alguns dos equipamentos indispensáveis para quem trabalha exposto ao calor.

Sendo assim, as normas regulamentadoras também especificam obrigações do empregador em relação aos EPI’s, uma vez que cabe a empresa fornecer os equipamentos de forma gratuita, assegurar a reposição sempre que necessária e fiscalizar colaboradores quanto ao uso constante.

Produtividade x insalubridade

Diante disso, é fácil perceber que as condições ambientes de um local de trabalho com certeza estão diretamente relacionadas com a produtividade da equipe.

Postos de trabalho onde os parâmetros para a permanência humana estão fora da faixa ideal – principalmente temperaturas extremas – baixa umidade relativa do ar e ruídos excessivos) de fato afetarão na qualidade das tarefas que serão desempenhadas.

Assim sendo, ao detectar parâmetros distantes do ideal (de acordo com a NR 17) é de suma importância que o empregador tome todas as medidas necessárias para que boas condições de trabalho sejam oferecidas à sua equipe. Garantindo assim tanto a saúde/segurança dos colaboradores, quanto a produção eficiente em todos os postos de trabalho da empresa.

Portanto, insalubridade e calor são questões que não devem ser negligenciadas por nenhuma empresa. Tudo isso pois são potencialmente nocivas à saúde e causam sérios acidentes de trabalho. Assim sendo, saber identificar (mesmo que com a ajuda de especialistas) e providenciar soluções para a exposição excessiva ao calor torna-se imprescindível, tanto para a segurança humana quanto para quem almeja produtividade no trabalho.

Achou interessante o conteúdo? Então, confira também, em mais um de nossos posts, o que é conforto térmico e qual sua importância!

A manta térmica é um componente usado em imóveis residenciais e comerciais. Muitas vezes, é aplicada em telhados e tem o objetivo de proteger o espaço interno contra o aumento de temperatura. Para aproveitar ao máximo essa possibilidade, é preciso reconhecer os diferentes tipos de manta térmica.

Feitos com materiais variados, também cumprem a função de formas específicas. Depois de explorar as características de cada opção, fica mais fácil entender qual é a melhor alternativa.

Para que não restem dúvidas, vamos ajudá-lo a conhecer os principais tipos de manta térmica. Confira!

Quais são os benefícios de usar esse produto?

Antes de explorar as possibilidades disponíveis, é interessante pensar nos pontos positivos associados a essa instalação. Com a escolha correta, o espaço só tem a ganhar. Veja quais são as maiores vantagens de recorrer aos tipos de manta térmica!

Isolamento da radiação

A radiação térmica é a principal vilã nos ambientes internos. As ondas eletromagnéticas enviadas pelo sol aumentam muito a temperatura de superfícies como as paredes e o teto. Como consequência, há um aquecimento no interior.

A manta térmica, por outro lado, ajuda a conter esse resultado. Por meio de uma atuação reflexiva, faz com que os raios se dispersem, o que evita a transferência do calor.

Diminuição da troca de calor entre ambientes

Outro ponto importante é que a manta térmica serve como isolante. Então, ela diminui ou até elimina a troca que acontece entre os ambientes interno e externo. Isso permite manter a temperatura do lado de dentro constante e agradável.

Essa vantagem é especialmente verdadeira quando é possível evitar todas as formas de transmissão de calor — convecção, condução e irradiação. O item funciona como acontece em uma garrafa térmica, já que impede as trocas indesejadas.

Redução do consumo de energia elétrica

Se o ambiente interno sofre menos com o aumento de temperatura, significa que é preciso usar o ar-condicionado ou os climatizadores com menor intensidade. Não apenas isso: durante os dias frios, os tipos de manta térmica ajudam a manter o calor na parte de dentro, o que diminui o uso de aquecedores.

Tudo isso leva a uma redução no consumo de energia elétrica. Além de aumentar a sustentabilidade, é um meio de diminuir os gastos.

Aumento do conforto térmico

Controlar a temperatura de um local é essencial para o bem-estar das pessoas. Afinal, valores muito elevados colocam em risco a saúde e causam diversos prejuízos e incômodos.

Com a instalação do produto adequado, o interior do imóvel permanece fresco e agradável. Com o conforto térmico, há uma experiência melhor, mais produtividade no trabalho e menos preocupações.

Quais são os tipos de manta térmica?

Para conquistar tais resultados, há diversos produtos disponíveis no mercado. Feitos com materiais e tecnologias diferentes, oferecem desempenhos que variam com cada necessidade. A seguir, mostraremos quais são os 5 principais tipos de manta térmica.

1. De lã ou fibra

A manta de lã aparece em rolos e tem uma instalação descomplicada. É feita de lã natural, de vidro ou até de material acrílico ou de rocha.

Embora seja uma solução já consolidada no mercado, serve para impedir apenas a condução. Além disso, pode sofrer com o contato com a umidade e perder a funcionalidade, dependendo do material. Apesar disso são excelentes isolantes acústicos quando são de alta densidade.

 

2. Em spray

A versão em spray consiste em uma pulverização de material isolante — normalmente, o poliuretano. Por ser um mau condutor térmico, ajuda a evitar essa forma de transmissão de calor.

É uma alternativa prática de ser aplicada, é resistente ao mofo e ainda evita infiltrações. No entanto, exige acesso direto ao teto e modifica a aparência da construção. Em residências, é algo potencialmente indesejado. Além disso, as espumas como o próprio nome já diz absorvem umidade, e podem acarretar em sobre-peso na estrutura. Para essa aplicação é extremamente recomendado um cálculo estrutural para não ocorrer problemas no futuro.

Além do poliuretano, existem também as tintas refletivas. Estas são boas refletoras de calor, e podem em alguns poucos casos resolver questões de impermeabilização. Ambas as soluções dependem da estrutura do telhado, e são das soluções mais caras do mercado.

3. De alumínio

A versão aluminizada aparece em forma de rolo e deve ser aplicada na estrutura do telhado. Por isso, é mais recomendada para imóveis que ainda estejam em construção.

Como ajuda na reflexão de raios, combate a irradiação, principalmente. Embora tenha uma aplicação fácil, exige a impermeabilização do telhado e não protege contra outras formas de transmissão de calor. Ademais, os foils (mantas aluminizadas) são mais recomendados para aprimorar na impermeabilização inferior de telhados do que necessariamente como isolamento térmico de qualidade.

Lembre-se sempre de consultar a especificação técnica destes produtos, pois em muitos casos essas mantas podem não ter a eficiência desejada.

4. Placa de espuma

A placa de espuma é feita com um material isolante, como o poliestireno. Deve ser instalada diretamente na laje para garantir o isolamento térmico. Como aparece em diversas densidades e tamanhos, atende a necessidades variadas.

Tem boa vida útil, mas apresenta foco apenas na transmissão por condução. Então, imóveis em áreas com grande incidência solar veem poucos resultados em isolamento térmico.

Acrescentando, as placas de EPS (isopor) são também frágeis tanto na instalação quanto à ação do tempo, amarelando e perdendo eficiência ao longo de sua vida útil.

5. Manta Térmica 3TC

O 3TC traz uma tecnologia exclusiva e que permite a proteção contra todos os tipos de transferência de calor. Por ser feito de poliestireno, o produto é isolante térmico e evita a condução. Além disso, é revestido com lâminas refletivas e barra 97% dos raios infravermelhos. Como controla a entrada de fluidos devido às camadas de materiais, ele consegue combater a convecção, sendo um ótimo aliado de climatizadores que dependem disso para serem eficientes.

Também tem boa durabilidade, fácil instalação, resistência à água e ao mofo e versatilidade. Para completar, ajuda a obter  atenuação acústica, sem se esquecer da sustentabilidade.

Trata-se de uma solução completa tanto para ambientes residenciais, quanto comerciais e industriais. O resultado vem na forma de um conforto térmico estendido, graças ao controle rígido de temperatura.

Como escolher a melhor alternativa?

Como mostramos, os diferentes tipos de manta térmica apresentam características bem distintas — da fabricação e instalação aos resultados. Portanto, para fazer uma boa escolha é preciso ter atenção aos produtos disponíveis.

Em alguns ambientes, pode ser necessário contar com a proteção contra apenas um tipo de transmissão de calor. No entanto, o melhor é recorrer a uma alternativa completa e que ajude a evitar os impactos de todos os processos. Além de tudo, é preciso pensar na durabilidade e na facilidade de instalação.

Escolher o 3TC, portanto, é algo que traz versatilidade para atender à maior parte das necessidades. Após a aplicação, será possível notar impactos positivos no controle de temperatura, de modo a atingir os objetivos com a construção.

Depois de conhecer os tipos de manta térmica, o recomendado é procurar soluções mais eficientes que métodos tradicionais. Ao mesmo tempo, não se esqueça das normas de segurança da construção civil para obter o resultado ideal.

Para fazer a melhor aquisição, solicite um orçamento ou mande uma mensagem no WhatsApp e veja como podemos ajudar!

Ter privacidade domiciliar é um bem almejado por muitas pessoas. Principalmente para aquelas que se incomodam com ruídos e sons externos intensos. Nesse contexto, aprender sobre o que é isolamento acústico e quais as formas de realizá-lo torna-se essencial, uma vez que é a partir dessa técnica que se consegue diminuir a intensidade com que o som propaga para um ambiente.

Deste modo, isolamento acústico nada mais é do que a capacidade que certos materiais possuem de bloquearem o som entre ambientes diferentes. Em outras palavras, é o isolamento do som externo a partir de uma barreira física composta por materiais densos. Cabe destacar também que quanto maior o peso do componente dessa barreira, maior será o seu nível de isolamento acústico.

Sendo assim, entenda mais sobre como se faz o isolamento sonoro e quais são as suas vantagens.

Os malefícios de sons intensos

Sons com intensidade acima de 65 dB já podem ser prejudiciais à saúde. Além disso podem acarretar em perda gradual auditiva e irritações no ouvido quando a exposição é excessiva. Para essas ocasiões, essencialmente se a fonte sonora for externa ao ambiente, o isolamento acústico passa a ser uma boa solução.

Vantagens do isolamento acústico

Providenciar a utilização dessa técnica traz diversas vantagens, seja para ambientes residenciais, seja para empresas e laboratórios de pesquisa. Conheça algumas delas a seguir.

Privacidade

Como já mencionado, um ambiente com boa privacidade necessariamente precisa ter um conforto sonoro satisfatório. Isso porque ruídos externos quando intensos atrapalham a convivência e alteram a rotina natural de uma casa.

Qualidade de vida

Sons de alta intensidade além de incomodarem (inclusive ocasionando mudanças repentinas de humor) são prejudiciais à saúde, pois, podem causar doenças no sistema auditivo.

Qualidade do som ambiente

Competir com ruídos externos para tentar manter uma conversa em casa, ou até mesmo escutar uma música, é extremamente desagradável. Dessa forma, o isolamento acústico de fato potencializa a qualidade do som ambiente, evitando assim poluição sonora.

Diferença entre absorção sonora e isolamento acústico

A absorção sonora é o processo feito por materiais que transformam a energia sonora em térmica e mecânica. Exemplificando, absorvedores não isolam o som, eles têm a capacidade de atenuarem diferentes fontes sonoras inseridas num mesmo ambiente, melhorando dessa forma a qualidade do som local.

Diferentemente dos materiais que realizam o isolamento, os absorvedores são mais eficientes quanto menor for a sua massa e densidade. Deste modo, outra característica importante a se destacar nos absorvedores é a presença de poros em sua composição, justamente para que as ondas sonoras passem sem serem refletidas.

Materiais

São as características físicas dos materiais que determinam qual será o comportamento da onda sonora ao incidir sobre a sua superfície. Consequentemente, diferentes materiais originam em diferentes processos sonoros.

Isolantes

Devem ter muita massa, duros e de superfície lisa. O aço, concreto, gesso, tijolo maciço, madeira e chumbo são bons exemplos de materiais para isolamento acústico, já que impedem a transferência sonora devido à dificuldade de propagação do som nesse meio.

Refletores

Minimizam a reverberação sonora (quando as ondas são refletidas de forma reiterativa) e ainda podem ser isolantes. Sua propriedade principal é a superfície lisa, encontrada em pisos de cerâmica, algumas madeiras, massa corrida.

Difusores

Materiais difusores conseguem espalhar as ondas sonoras, sendo usados sob específicas angulações para que não ocorra eco ou reverberação. Lambris, forros com poros, 3TC e pedras são exemplos de difusores.

Absorventes

Os materiais classificados como absorventes recebem o som e dissipam sua energia de vibração. Vale lembrar que estes materiais transformam a energia sonora em energia térmica (calor). Componentes que realizam a absorção acústica devem ser leves, de baixa densidade e espessos, como as espumas, lã de vidro, lã de rocha, feltros ou outros semelhantes que possuem poros e muita espessura.

Formas de aplicação do isolamento acústico

Existem diversas maneiras de se realizar o isolamento acústico, que são determinadas a partir de parâmetros financeiros, nível de isolamento e intensidade do som a ser isolado.

Parede dupla

A técnica de duplicar uma parede e deixar um espaço com ar entre elas é antiga e muito utilizada na hora de realizar o isolamento acústico. A explicação para a sua eficácia está no fato da onda sonora ficar aprisionada nessa câmara de ar existente. Essa característica garante que o som terá dificuldades para se propagar, criando o efeito de isolamento acústico.

Parede de gesso

Bastante utilizada em hospitais e hotéis, a parede de gesso também é uma boa medida para isolar ruídos externos, já que é de fácil instalação, pode ser montada por meio de perfis mais largos e ainda ser preenchida com lã de vidro.

Manta acústica

A manta acústica é um componente autoadesivo aplicada nas regiões onde há maior propagação sonora oriunda de ambientes externos. Sua grande vantagem é a versatilidade, pois, pode ser customizada e instalada em diversos ambientes, inclusive no interior de automóveis. Os materiais mais comuns para a fabricação de uma manta acústica são: lã de rocha; lã de vidro e espuma de poliuretano.

Como identificar o melhor tipo de isolamento acústico

Para especificar qual será a melhor maneira de realizar o isolamento sonoro de uma determinada localidade é preciso levar em conta vários fatores. Como mencionado, é preciso analisar a área que receberá o isolamento, a frequência e a intensidade do som externo a ser minimizado e a disposição física do ambiente; estes são os principais parâmetros que devem ser analisados.

Vale ressaltar que esse estudo só é feito com qualidade por um especialista da área. Ou seja, ao necessitar de um isolamento acústico, é prudente a busca de ajuda profissional, para que assim todos as questões técnicas sejam devidamente averiguadas.

Sendo assim, depois de entender com clareza o que é isolamento acústico e como ele é feito (destacando sua simplicidade e rapidez na instalação), é fácil perceber o quão vantajosa essa técnica é, seja para residências, seja para empresas. Principalmente porque garante privacidade, conforto sonoro ambiente e qualidade de vida, tudo isso a partir de um acessível investimento financeiro.

ABNT 15575

A norma técnica da ABNT fala de desempenho térmico e acústico em relação aos materiais e às técnicas construtivas adotadas na construção, afim de assegurar a qualidade do produto final. Ou seja, a norma vem para proteger consumidores e investidores do ramo imobiliário na hora de comprar ou alugar uma casa, apartamento, escritório, e outros tipos de edificações. Se quiser saber mais, fizemos um post bem explicativo, dedicado a essa norma, que impacta a todos os projetos aprovados depois de Julho de 2013.

Qual a melhor opção para minha necessidade?

Primeiramente, vale lembrar que cada tipo de projeto acústico é único. Esta característica é importante pois cada tipo de construção, cada ambiente,e especificação de necessidade vai precisar de tecnologias e intervenções diferentes. Como por exemplo, o isolamento de um estúdio de gravação é bem diferente de uma parede ou sótão de uma casa. Da mesma forma, também é diferente para um local que quer impedir que o som saia daquele ambiente, para um local que a necessidade é não deixar o som entrar. Outro ponto importante é se o ambiente está na fase de projeto ou se é uma reforma. São muitas variáveis a serem consideradas na hora de especificar em projetos e intervenções. Caso queira ver isolamento acústico ao extremo, conheça o quarto mais silencioso do mundo:

Insonorização

Algumas pessoas também chamam o isolamento acústico de insonorizarão. Resumidamente, significam a mesma coisa. O isolamento ou insonorizarão ideal vai sempre unir diferentes tipos de tecnologias construtivas e também de isolamento. Ou seja, cada um vai desempenhar um papel diferente no processo da atenuação acústica ou isolamento acústico. O ideal é sempre criar uma sequência de obstáculos para o som ter mais dificuldade de se propagar. Pelo modo que o som se propaga, é necessário que o espaço fique confinado. É importante eliminar frestas entre os fechamentos, pois isso pode prejudicar todo o isolamento/tratamento acústico.

Em estúdios de gravação, teatros, e outros locais similares, o ambiente em si é modificado, pois precisam da otimização sonora. Ou seja, melhorar o alcance do som sem perder a qualidade, diminuindo a formação de eco. Entretanto, alguns desses lugares precisam conter o som também. Por isso alguns lugares possuem estruturas anguladas que dissipam a onda sonora afim de não deixá-la passar adiante.

Gostou de saber mais sobre isolamento acústico? Então, comente no post e compartilhe a sua experiência em relação a esse assunto.