Posts

O desempenho acústico das edificações já foi relegado a segundo plano, no entanto, níveis de ruído excessivo geram stress e problemas aos moradores. A norma regulamentadora do desempenho das edificações passou a vigorar em 2013.

A NR15575: 2013 – Desempenho de Edificações Habitacionais versa sobre os parâmetros máximos e mínimos aceitáveis para sistemas acústicos e térmicos. Acompanhe aqui maiores informações sobre o desempenho acústico das edificações e sistemas avaliados na normativa.

A preocupação com o desempenho acústico

Primeiramente, vamos entender porque o desempenho acústico deve ser observado. A verticalização das cidades é uma boa solução para aproveitamento dos terrenos, mas traz consigo muitas outras questões.

As maiores causas de atritos e stress nos condomínios é o nível de ruído gerado por alguns vizinhos. Para evitar maiores problemas, as edificações devem ser projetadas e executadas atendendo aos requisitos de desempenho.

Além dos sons emitidos por arrastar de móveis, caminhar no apartamento e conversas, por exemplo, as edificações devem ser isoladas de fontes externas de ruído, como barulho de carros na rua, aviões, etc.

Se outrora a preocupação com o desempenho acústico era realidade apenas para edificações de alto padrão, hoje é necessário que todas as edificações adotem medidas para assegurar o conforto do usuário. Outra tendência é a observação do desempenho térmico.

Edificações com melhor isolamento térmico utilizarão menos condicionadores de ar e consequentemente consumirão menos energia durante sua vida útil. Associe sistemas eficientes tanto para instalações acústicas, quanto térmicas!

Sistemas abordados na NBR 155575:2013

A normativa é dividida em seis partes, que considera todos os sistemas da edificação, são elas:

  1. requisitos gerais;
  2. requisitos para os sistemas estruturais;
  3. requisitos para os sistemas de pisos;
  4. requisitos para os sistemas de vedações verticais;
  5. requisitos para os sistemas de coberturas;
  6. requisitos para os sistemas hidrossanitários.

Os níveis de desempenho

A normativa estabelece os padrões de desempenho aceitáveis, mas não é aplicável a edificações já concluídas, ou com a construção em andamento quando da implantação da mesma. As construções provisórias e para fins específicos também não são abordadas na normativa. São verificados os parâmetros de habitabilidade, segurança e sustentabilidade.

Quanto aos níveis de desempenho, a NBR 15575:2013 estabelece que as edificações podem ser enquadradas em três níveis distintos, os quais:

  • mínimo obrigatório (m): é o desempenho que deve ser alcançado pelos sistemas da edificação;
  • indicativos intermediários (i): sistemas com desempenho superior ao mínimo, mas de padrão mediano;
  • superior (s): melhor desempenho segundo a normativa, assegurado pelo uso de sistemas altamente eficientes.

Classificação dos ruídos

Para encontrar as soluções adequadas ao problema de desempenho acústico é necessário compreender a origem dos ruídos. Lembre que é sempre mais fácil e barato considerar os sistemas de isolamento já na fase de projeto.

Ruído de impacto

Sabe o famoso barulho de salto alto da vizinha do piso de cima? Esse é o tipo de ruído de impacto, ele é propagado pela solicitação direta dos elementos construtivos. A transmissão se dá especificamente por meios rígidos, como as lajes da edificação, por exemplo.

O impacto desse tipo de ruído pode ser amenizado com a instalação de mantas de isolamento entre a laje e o piso, colocação de pisos flutuantes e aumento da espessura das lajes. Falaremos melhor sobre as soluções mais adiante!

Segundo a NBR 155575: 2013 os valores para ruídos de impacto são:

  • mínimo obrigatório: na faixa de 66 a 80 dB;
  • intermediário: na faixa de 56 a 65 dB;
  • superior: na faixa abaixo de 55 dB.

Ruído aéreo

Como o próprio nome já diz, o ruído aéreo é aquele propagado pelo ar, portanto é toda fonte de barulho como som dos carros na rua, aviões voando no céu, conversa entre pessoas.

A NBR 155575:2013 estabelece os valores de referência para ruídos aéreos nas seguintes faixas:

  • mínimo obrigatório: na faixa de 45 a 49 dB;
  • intermediário: na faixa de 50 a 54 dB;
  • superior: na faixa acima de 55 dB.

Sistemas da edificação

A normativa estabelece também parâmetros para as instalações como prumadas hidrossanitárias, por exemplo. Todos os sistemas da edificação deverão ser pensados com foco na eficiência e melhor desempenho para o usuário.

Vamos conhecer algumas soluções construtivas para melhorar o desempenho acústico das suas obras!

Sistemas estruturais

Os calculistas de estrutura pensam na otimização dos sistemas, redução de peso e muitas vezes redução de espessura dos elementos, mas, qual é o impacto no desempenho acústico?

As lajes cada vez mais esbeltas tendem a propagar mais os ruídos, por isso, é válido adotar soluções mistas como mantas de isolamento acústico, ou aumentar a espessura da capa de concreto.

Vale ressaltar que o aumento do desempenho acústico não será proporcional ao aumento da espessura do elemento estrutural, por isso, vale avaliar o benefício para o projeto como um todo.

Outra boa ideia é associar o uso de pisos acústicos com lajes de maior espessura.

Sistemas de pisos

Como já mencionamos, o ruído de impacto é um dos principais problemas em prédios, por isso, os sistemas de piso devem trabalhar associados aos sistemas estruturais. Já considere em projeto soluções como mantas de isolamento e pisos flutuantes.

Vedações verticais internas e externas

Nos condomínios horizontais, de casas geminadas, a principal reclamação é o barulho das paredes compartilhadas. Muitas vezes são usadas alvenarias em blocos cerâmicos sem qualquer adicional de isolamento.

Neste caso também é possível mesclar soluções, como parede em alvenaria, manta de isolamento e acabamento interno da parede em gesso acartonado, por exemplo. Ao aumentar a espessura da divisória ganha-se em desempenho acústico.

Os sistemas de esquadrias também impactam na vedação das edificações, por isso, verifique opções com soluções de melhor desempenho acústico. Um exemplo são as esquadrias produzidas com vidro duplo e borrachas de isolamento.

Testes de desempenho acústico

A avaliação de desempenho acústico pode ser realizada in loco ou por cálculos para determinação da faixa de ruído exercido e aceitável. Muitos produtos como esquadrias e mantas de isolamento já chegam ao cliente com os resultados de desempenho atestados em laboratório.

Procure maiores informações e veja qual é a melhor opção para sua construção.

Como vimos, a preocupação com o desempenho acústico das edificações é justificável e deixou de ser algo específico para imóveis de alto padrão. Hoje é possível encontrar muitas soluções e sistemas no mercado.

Nosso conteúdo foi útil para você? Curta nossa página no Facebook e veja mais conteúdos sobre isolamento e desempenho acústico das edificações!

A ABNT 15575 vem para tentar padronizar e qualificar as construções no Brasil. Saiba como a 3TC encaixa-se perfeitamente nessa norma.

A Norma ABNT NBR 15575 foi criada para normatizar a construção civil e, assim, tentar melhorar a qualidade por meio de parâmetros técnicos que visam padronizar diferentes níveis de qualidade. Ela analisa a performance de materiais e métodos construtivos em geral, buscando proporcionar mais confiança na compra de imóveis aos clientes e compradores do setor imobiliário.

Nesse post, vamos mostrar quatro dos parâmetros importantes que são atendidos nas construções feitas com o 3TC.

 

1. Estanqueidade

Permite avaliar se as chamas e os gases quentes desenvolvidos no interior do ambiente em combustão são liberados por fissuras ou aberturas no elemento construtivo. Dessa forma, evita vazamentos, fazendo com que as pessoas e os objetos que se encontram na face não exposta ao fogo sejam atingidas.

 

2. Isolamento térmico

Permite avaliar se o calor transmitido por radiação e condução através da superfície do elemento construtivo pode ameaçar a segurança das pessoas dentro do imóvel. Considera-se que o isolamento térmico deixa de ser atendido quando a temperatura da face não exposta ao fogo atinge 140°C + T ambiente na média, ou 180°C + T ambiente  em qualquer ponto de medida.

O desempenho térmico correto repercute no conforto das pessoas, em condições adequadas para o sono e atividades normais em uma habitação, contribuindo ainda para a economia de energia. A avaliação de desempenho pode ser feita de forma simplificada, com base em propriedades térmicas das fachadas e das coberturas, ou por simulação computacional, onde são cotejados simultaneamente todos os elementos e fenômenos intervenientes.

 

3. Estabilidade

Permite avaliar se o elemento ou sistema construtivo não perde seu caráter funcional, ou seja, se não apresenta ruína durante o tempo de ensaio. Vale ressaltar que, no caso de componentes com função estrutural, o ensaio é realizado com atuação da carga vertical de serviço a que o elemento estará submetido na obra real.

 

4. Reação ao fogo

Os materiais isolantes térmicos e absorventes acústicos aplicados nas instalações de serviço, em redes de dutos de ventilação e ar-condicionado, em cabines ou salas de equipamentos, aparentes ou não, devem enquadrar-se nas Classes I ou II–A.

Esses são alguns dos parâmetros da Norma ABNT NBR 15575 que devem ser aplicados em edificações habitacionais. O 3TC é uma solução tecnicamente adequada e economicamente viável, que atende esses quatro requisitos. Ficou interessado? Faça um orçamento com a gente!

 

Fonte: ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

Definir o que é conforto térmico é uma tarefa árdua, apesar de todos sabermos quando nos sentimos confortáveis. Na Arquitetura e no design muito se pensa na hora de escolher como dispor o ambiente, e isso pode ajudar muito. Sabemos que uma hora ou outra a gente sente calor ou frio. Seja em nossa casa, apartamento, galpão, não importa. Se você está com calor este post pode te ajudar a entender melhor o por que.

 

O que é conforto térmico?

Primeiramente, estar confortável, seja em casa, no trabalho ou em momentos de lazer, é essencial para garantir o bem-estar e a produtividade. Sabe aquele momento em que você está satisfeito com a temperatura ambiente? Ele é chamado de conforto térmico. Mas isso depende da combinação de diversos fatores, que vão desde o controle da temperatura corporal até o isolamento térmico dos espaços. Pode-se atuar diretamente na questão do conforto térmico de diversas formas. Por isso fizemos este post mais completo sobre o assunto.

Norma da ABNT

A preocupação com o conforto térmico começou a ser considerada pela construção civil no Brasil a partir de 2005. Nesta época entrou em vigor a norma NBR 15220: Desempenho térmico de edificações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Ela estabelece métodos para calcular as propriedades e o desempenho térmico dos imóveis. Em 2013, foi acrescentada uma nova norma, a ABNT NBR 15575, que estabelece requisitos mínimos para conforto térmico em casas e apartamentos.

De acordo com a ABNT, o ideal para um imóvel é que ele seja mais ameno durante o verão e isole o frio no inverno. Os valores máximos diários da temperatura do ar interior de espaços de permanência prolongada, por exemplo, devem ser sempre menores ou iguais ao da temperatura do ar exterior para o dia típico de verão.

Na norma é possível encontrar o mapeamento do Brasil em oito zonas relativamente homogêneas quanto ao clima. Para cada zona, formulou-se um conjunto de recomendações técnico-construtivas, objetivando otimizar o desempenho térmico das edificações. Esses dados também estão disponíveis para 330 cidades, cujos climas foram classificados.

Conforto térmico humano

O conforto térmico humano é obtido quando a pessoa necessita de consumir a menor quantidade de energia para se adaptar ao ambiente. Isso se dá através de trocas térmicas que dependem do metabolismo de cada um. Outros fatores são:

  • Tipo de roupa usada.
  • umidade relativa do ar.
  • temperatura do ambientes.
  • Ventilação.
  • Luminosidade.

A temperatura média do corpo humano varia de 36º a 37º e geralmente mantém-se constante. Mesmo que o nosso corpo se adapte às variadas temperaturas, isso nem sempre acontece de forma confortável. O desconforto é gerado quando há uma grande diferença de temperatura. Isso se deve pelo fato do nosso corpo buscar a manutenção da temperatura ideal. A sobrecarga no organismo seja para

Temperatura ideal

Como conforto é uma uma sensação variável, o ideal é que a temperatura ambiente seja agradável sem precisar de ar condicionado ou de aquecedores. As condições climáticas nem sempre são previsíveis, mas é possível reduzir bem a oscilação da temperatura em um ambiente fechado quando isso já é levado em conta no seu projeto.

Para alcançar esse equilíbrio, devem ser consideradas localização, incidência do sol, ventilação, materiais utilizados, espessura de paredes e até a cor da pintura. Tanto na construção ou na reforma, a utilização de um isolante térmico pode ser a melhor escolha para garantir a temperatura ideal.

Isolamento térmico

Quando pensamos em ambientes confortáveis, mecanismos termorreguladores artificiais estão em primeiro lugar. Os edifícios, geralmente, garantem a refrigeração ou aquecimento dos ambientes através dos climatizadores. Ao considerar fatores como eficiência, economia e maior conforto, a aplicação de um isolante térmico é muito melhor para esse fim. Dessa forma, escolher o material adequado e sua correta instalação são essenciais para obter o melhor desempenho e proporcionar conforto térmico.

Isolantes fibrosos, como lã de vidro e lã de rocha, e as espumas expansivas como o Poliuretano podem ser uma solução. De toda forma, funcionam bem em espessuras maiores. Isso se deve pois controlam apenas a condução, que corresponde somente a 10% da transferência de calor em construções. Já o 3TC consegue controlar as três formas de transferência de calor, condução, convecção e radiação, propiciando o conforto térmico tão almejado.

Gostou do post? Então curta nosso Facebook e fique por dentro das novidades sobre conforto térmico.