Posts

São vários os fatores presentes em um ambiente de trabalho capazes de interferir na produtividade de uma equipe.

Dentre esses parâmetros, é fundamental destacarmos as condições ergonômicas oferecidas pelo empregador, visto que, além de se relacionarem com o conforto ocupacional, também possuem ligações com a saúde e o humor da equipe de trabalho.

Infelizmente muitas empresas não dão a devida atenção para as condições ergonômicas disponibilizadas em suas dependências, fato este que é explicado pela falta de conhecimento sobre as várias vantagens ao assegurá-las.

Sendo assim, confira tudo sobre condições ergonômicas.

Conceito de ergonomia no trabalho

A palavra ergonomia remete ao estudo entre a relação ser humano/ambiente laboral. Em outras palavras, é uma análise detalhada sobre todos os elementos de um local que estão diretamente relacionados com o conforto, bem-estar e, acima de tudo, a segurança no trabalho de uma equipe.

Vale ressaltar ainda, que não importa o risco das tarefas a serem desempenhadas, todas elas necessitam de uma análise ergonômica adequada.

Relação entre ergonomia e produtividade da equipe

Esperar que uma equipe de trabalho entregue todo o seu potencial para uma empresa vai muito além de apenas garantir a contratação de excelentes profissionais.

Como exemplo prático, é impossível exigir bons resultados de desempenho de uma equipe que trabalha em um canteiro de obras sem os devidos Equipamentos de Proteção Individua – EPIs, ou de colaboradores que atuem em um escritório com baixa luminosidade e cadeiras desconfortáveis.

Sendo assim, é possível fazer uma associação direta entre a ergonomia e a produtividade de uma equipe, ou seja, quanto melhores as condições de trabalho que um empregador possa oferecer, sem dúvida, melhores serão os resultados de produtividade que a equipe em questão entregará.

Vantagens de um ambiente ergonômico

Podemos destacar as seguintes vantagens ao assegurar a ergonomia em uma empresa:

  • garantir a saúde e segurança do trabalho para todos os membros da empresa;
  • diminuir as chances de ocorrerem acidentes de trabalho, visto que todos os riscos serão previamente analisados e posteriormente traçadas medidas para que sejam neutralizados/reduzidos;
  • melhorar o humor da equipe de trabalho, uma vez que ela será valorizada e desempenhará todas as tarefas com conforto e segurança;
  • aumentar a produtividade dos colaboradores;
  • evitar lesões consequentes de esforços repetitivos, má postura e negligência dos EPIs;
  • possibilitar que atividades laborais sejam desempenhadas seguindo os parâmetros ideais de eficiência, visto que as condições de trabalho estão adequadas.

Normas regulamentadoras

Existem algumas normas regulamentadoras que especificam como que as condições de um determinado ambiente de trabalho precisam estar, para que o conforto e a segurança da equipe sejam garantidos.

Deste modo, os parâmetros que classificam as condições ergonômicas como satisfatórias ou inadequadas não são subjetivos, isto é, são claramente determinados segundo algumas NRs.

Norma Regulamentadora 15

Tratando das atividades e operações insalubres, a NR 15 tem como principal objetivo estabelecer padrões técnicos para classificar um ambiente ocupacional quanto ao grau de sua insalubridade.

Além disso, essa norma prevê um adicional sobre o salário ― conforme as características do risco e a intensidade de exposição ―, para a equipe que desempenha tarefas nestes ambientes identificados como insalubres.

A NR 15 padroniza parâmetros para os seguintes locais de trabalho:

  • presença de ruídos intensos (sejam eles contínuos, sejam eles intermitentes);
  • limite de exposição ao calor;
  • limite de exposição ao frio;
  • exposição às radiações não ionizantes;
  • trabalho em ambientes com alterações na pressão;
  • atividades em áreas com umidade elevada;
  • presença de agentes químicos;
  • elevada concentração de agentes biológicos.

Norma Regulamentadora 18

a NR 18 é uma norma que detalha as condições ergonômicas adequadas para a indústria da construção. Segundo essa norma, é dever do empregador garantir os seguintes pontos em um canteiro de obras:

  • instalações sanitárias;
  • vestiários;
  • alojamentos;
  • local de refeições;
  • área de lazer;
  • ambulatório, quando se tratar de uma equipe de trabalho com 50 ou mais membros.

Por ser uma indústria com várias ramificações e englobar tarefas de diferentes naturezas, na construção civil, há várias possibilidades de um ambiente ser classificado como insalubre. Entretanto, a NR 18 detalha todas as atividades e as suas respectivas condições ergonômicas ideais.

4 dicas para melhorar a ergonomia no ambiente de trabalho

Uma vez que já sabemos o que é ergonomia, bem como as suas vantagens ao ser garantida em um local de trabalho, é interessante destacar algumas dicas que as viabilizam.

Deste modo, confira 4 orientações para melhorar a ergonomia.

1. Conheça sua equipe

Estreitar a relação empregador/equipe de trabalho é muito importante para que a comunicação interna seja feita de forma clara, rápida e sem burocracias.

Uma vez que essa comunicação é realizada com eficiência, a equipe se sente mais confortável para sugerir melhores condições ergonômicas quando necessário, viabilizando, dessa forma, ambientes de trabalho mais saudáveis e seguros.

2. Disponibilize todos os EPIs

Como vimos ao longo do conteúdo, a segurança no trabalho é extremamente importante para a garantia de ambientes ergonômicos.

Nesse contexto, vale destacar a importância de disponibilizar todos os Equipamentos de Proteção Individual – EPI para a equipe, assegurando assim, além do conforto ao desempenhar tarefas de risco, locais de trabalho com chances reduzidas de ocorrerem acidentes

3. Delimite tarefas

Um colaborador, que sabe com precisão qual tarefa executar, está menos propício a se expor às atividades que contenham riscos para os quais ele não está protegido.

E para alcançar esse patamar de organização na empresa, é imprescindível que haja uma clara delimitação das tarefas, para que, dessa forma, cada equipe execute apenas o serviço que ela sabe que as condições ergonômicas estão favoráveis.

4. Realize avaliações de desempenho

Muitas vezes um baixo rendimento no trabalho está associado com condições ergonômicas precárias, o que afeta diretamente a produtividade da equipe.

Por esse motivo, realizar avaliações de desempenho periodicamente ajudam a detectar baixos rendimentos de equipes que, possivelmente, não estão alocadas em ambientes ergonômicos.

Portanto, após entender o conceito de condições ergonômicas e verificar todos os seus benefícios para a produtividade da equipe, é fácil perceber o quão importante esse parâmetro é para as atividades laborais.

Cabe lembrar ainda que a empresa que não garante aos seus colaboradores boas condições de trabalho está sujeita a multas e penalidades trabalhistas, conforme as NRs 15 e 18.

O conteúdo foi interessante para você? Então siga nossas páginas nas redes sociais e confira mais posts sobre ergonomia e segurança do trabalho em geral. Estamos no Facebook, Instagram e Linkedin.

O excesso de calor no ambiente de trabalho é altamente prejudicial. Além de comprometer a obtenção do conforto térmico, ele gera diversas dificuldades na execução de tarefas necessárias para o empreendimento.

O desconforto pode aumentar a irritabilidade e, com isso, motivar novos conflitos no ambiente. Esse também é um fator de desmotivação e de perda de produtividade devido à falta de engajamento. Para a saúde, não é diferente, pois esse problema traz riscos variados.

A seguir, mostraremos quais são os impactos do excesso de calor para o bem-estar. Confira!

Quais são os principais impactos na equipe?

O corpo humano é formado por uma grande quantidade de água e precisa se manter a uma temperatura média de 35 a 36º C. Por isso, quando o ambiente está muito quente, há um desequilíbrio nas funções corporais, aumento da produção de suor e grande desconforto.

Tanto nas indústrias quanto no cotidiano, há muitos impactos na saúde que são causados pelo excesso de calor. Na sequência, apresentamos os pontos que merecem a sua atenção!

Desidratação

Um dos resultados mais conhecidos da exposição às altas temperaturas é a desidratação. Trata-se de um quadro que ocorre quando o corpo não tem água suficiente para funcionar da melhor maneira. Como resultado, vários sistemas são afetados e há um acúmulo de toxinas no sangue.

Os sintomas incluem enjoos, boca seca, sede, tonturas e até desmaios. Em alguns casos, a desidratação gera confusão mental ou mesmo delírios. No cotidiano, esse já é um quadro que inspira cuidados. No ambiente de trabalho, ele é ainda mais perigoso, porque é um fator de risco para acidentes.

Fadiga

Com um grande aumento de temperatura, o corpo precisa fazer um esforço maior para regular a temperatura. Em ambientes quentes, a produção de suor favorece a perda de líquidos e de sais minerais essenciais para o funcionamento do organismo. Com esses impactos, o corpo sofre uma diminuição de energia, o que leva à sensação de fadiga.

Nessa situação, as pessoas demonstram menos disposição para executar tarefas e podem sentir sonolência, fraqueza, tonturas e náuseas. Casos extremos, como em temperaturas muito elevadas, levam à síncope corporal e até à interrupção do funcionamento dos rins.

Falta de concentração

O nosso cérebro trabalha com algumas prioridades e, na prática, com uma tarefa de cada vez. Se há necessidades físicas urgentes, então é mais difícil se concentrar em outras ações. É por isso que o calor excessivo diminui a concentração.

Diante das altas temperaturas, há o incômodo e a necessidade de regular o corpo. O cérebro, nessa situação, perde capacidade cognitiva de atuar focado em uma só tarefa, o que compromete os resultados. No trabalho — seja na indústria, seja fora dela —, isso leva a um aumento da procrastinação e uma diminuição do rendimento. No final das contas, há uma grande queda de produtividade.

Doenças respiratórias

Muitas vezes, a alta temperatura é acompanhada pela baixa umidade. Em escritórios, o uso de ventiladores ou de ar-condicionado motiva tal questão. Na indústria, a falta de vapores e os espaços confinados favorecem essa configuração.

O problema é que essas situações prejudicam o sistema respiratório. O muco das vias pulmonares, por exemplo, fica ressecado, o que aumenta as chances de quadros de bronquite, rinite ou asma. Também ocorrem sangramentos nasais e infecções. Em longo prazo, os impactos podem se tornar crônicos.

Alterações na pressão sanguínea

Por causa do aumento da temperatura, as artérias ficam mais dilatadas. Trata-se de um mecanismo do corpo para tentar diminuir a temperatura e eliminar o calor pela pele. Ao somar isso à desidratação, há um fluxo menor de sangue pelo corpo.

Como resultado, há um quadro de pressão baixa ou hipotensão arterial. Para muitas pessoas, é uma situação que leva a tonturas, enjoos e até desmaios. No trabalho, os riscos de acidente se multiplicam nesses casos.

Para quem já sofre com hipertensão, o excesso de calor é um fator de risco. O entupimento das artérias é agravado pelo espessamento do sangue. A falta de água também amplia esse impacto, o que leva à ocorrência de casos de hipertensão. É comum sentir dores de cabeça, tonturas e mal-estar nessas situações. Em alguns casos, esse se torna um fator de risco para AVC e infartos.

Por que é importante investir em qualidade de vida?

Tanto no trabalho quanto fora dele é essencial pensar nas práticas de bem-estar. Desta forma, a intenção é garantir a máxima qualidade de vida, pois isso leva, acima de tudo, a um bom cuidado com a saúde.

Do ponto de vista dos escritórios e das indústrias, há outros aspectos para se considerar. Em primeiro lugar, o empregador é obrigado a cuidar da saúde e da segurança da equipe. Sendo assim trata-se de uma obrigação que visa evitar doenças e acidentes causados pela atividade profissional.

Além disso, trata-se um meio de consolidar resultados positivos para o empreendimento. Com mais bem-estar, há um aumento na satisfação e motivação para o trabalho. Isso gera eficiência e produtividade no dia a dia, melhorando a competitividade do negócio.

Lidar com o excesso de calor, portanto, não tem a ver apenas com a saúde, mas com todos os benefícios associados à etapa produtiva e ao desempenho.

Quais são as soluções mais eficazes para a indústria?

Evitar a transmissão de calor é o melhor jeito de manter as temperaturas sob controle. Esse processo acontece por três meios diferentes: condução, convecção e radiação. A última opção é a que gera maiores impactos, por isso merece atenção redobrada.

De qualquer forma, não basta apenas pensar em climatizar o ambiente. Ventiladores e equipamentos de ar-condicionado são bem-vindos, mas não resolvem tudo sozinhos.

Então, recomendamos considerar o uso de isolantes especiais. As mantas térmicas revestem o ambiente e impedem a entrada do calor, o que ajuda a manter a temperatura interna equilibrada. Para as indústrias, essas são as melhores possibilidades.

Para garantir total eficiência, a nossa indicação é que as três formas de transferência sejam combatidas. Isso dá origem a um ambiente muito mais agradável e preparado para gerar bons resultados.

O excesso de calor tem impactos variados — e, muitas vezes, graves — na saúde. Ao conhecer essas situações que apresentamos, fica clara a importância de investir em ações para o bem-estar, como o isolamento térmico.

Para evitar esses e outros problemas, veja como realizar o controle de temperatura em indústrias e empresas.

Cuidar do conforto térmico é uma prática essencial para qualquer ambiente. Garantir que o espaço tenha as temperaturas certas ajuda a diminuir os incômodos com o frio e calor. Mas, para isso, é preciso recorrer às soluções adequadas. Em geral, as construções tradicionais não contam com nenhum elemento para obter o isolamento. Então, uma das possibilidades é a manta térmica para telhado.

Feita de maneira especial, ela é voltada para garantir a total proteção contra a perda ou absorção de calor. No entanto, há muitos modelos e estilos no mercado, o que pode gerar dúvidas na hora de escolher.

Para que não restem questionamentos, acompanhe os próximos tópicos. Você vai entender melhor o que é uma manta térmica, como utilizá-la e algumas dicas para selecionar a mais indicada para as suas necessidades. Boa leitura!

1. O que é uma manta térmica

A manta térmica é um produto com características especiais voltadas para o controle da temperatura de um local. Ela pode ser usada em ambientes residenciais, áreas comerciais ou industriais.

Antes de saber qual é o melhor modelo para comprar, o ideal é reconhecer as características específicas desse produto. Assim, fica muito mais fácil fazer uma boa escolha. A seguir, confira quais são as informações importantes sobre a manta térmica.

1.1 Como a manta térmica é feita?

A manta térmica é produzida em rolos, como se fosse de um tecido. A diferença é que ela é feita de maneira especial e tem o propósito de ajudar a dissipar o calor e a isolar o ambiente da perda ou do ganho de temperatura.

Um isolante térmico tradicional normalmente é feito de materiais como lã de vidro, rocha, poliuretano ou isopor, e exige um espaço de ar que pode gerar custos e dificuldades de instalação. Uma manta térmica comum, no entanto, conta com revestimento aluminizado e protege o local da radiação, além de garantir uma aplicação fácil. A manta térmica 3TC protege o ambiente das três formas de transferência de calor, sendo assim uma solução mais completa.

Nesse tipo de produto, as faces exteriores são refletivas. Esta característica ajuda a evitar o ganho de temperatura e a perda de calor no frio, mantendo o ambiente com um clima agradável.

1.2 Para que ela serve?

Como deu para perceber, a manta térmica tem a função de diminuir a troca de calor entre um ambiente interno com o seu ambiente externo. Isso significa que, após a sua aplicação, é difícil sofrer com o calor ou com o frio no local protegido.

Tal situação acontece porque, em primeiro lugar, a manta auxilia a resguardar o espaço da radiação solar. Os raios são refletidos em vez de serem absorvidos, o que evita a elevação da temperatura.

Além do mais, a camada interna é feita com um excelente isolante térmico. Então, o calor é impedido de passar, mesmo quando é gerado por condução ou convecção. Se não consegue entrar na estrutura, ele também não sai. Na prática, isso significa que o interior da casa fica confortável até quando o ambiente externo estiver mais frio — afinal, ela não perde calor para o lado de fora da casa.

Apesar de não ser a sua função principal, a manta térmica também pode ajudar a isolar ruídos, melhorar a durabilidade do telhado e a proteção do imóvel, em geral.

2. Como utilizá-la no telhado

Para garantir a proteção adequada, a manta térmica para telhado precisa ser instalada corretamente. O processo exige que os passos sejam executados de acordo com a fase da construção e com o tipo do telhado. Assim, é possível deixar a construção preparada.

A seguir, veja quais são os principais tipos de telhados, como é feita a instalação da manta térmica e outras informações importantes.

2.1 Quais são os tipos de telhados?

Antes mesmo de pensar em escolher a manta térmica para telhado, é preciso conhecer quais são os tipos existentes. Desse jeito, é possível reconhecer qual solução se encaixa melhor em cada proposta. Na sequência, descubra quais são os principais modelos disponíveis.

2.1.1 Cerâmico

O modelo feito com telhas cerâmicas é provavelmente o mais famoso e utilizado. O material de cobertura surge em cores diversas, mas a terracota é a mais comum. Apesar da baixa porosidade, a cerâmica ainda absorve parte da água, o que exige um cuidado especial em certos ambientes.

As telhas surgem em vários formatos, como as românicas, germânicas e embutidas. Em geral, não aguentam o peso de alguém que caminha sobre elas, demonstrando o cuidado exigido na manutenção.

2.1.2 Metálico

O telhado metálico pode ser feito com telhas de zinco, galvalume, entre outros materiais menos utilizados. Ele oferece bastante praticidade na instalação, mas não é tão efetivo no controle contra a temperatura. Por se tratar de um excelente condutor de calor, exige um tratamento especial.

Por causa das suas características, é empregado em indústrias e ambientes comerciais, como galpões. Também é bem aplicado em terraços e coberturas como uma solução de baixo custo.

2.1.3 Madeira

De aspecto rústico, o telhado de madeira oferece uma estrutura de fácil acesso. Normalmente, é composto por placas posicionadas sobre as diversas ripas, feitas com o mesmo material.

A madeira é utilizada em imóveis com uma proposta rústica e é menos comum em espaços comerciais e industriais.

2.1.4 Vidro

Embora seja menos recorrente, o telhado de vidro aparece em algumas residências. As telhas são feitas com um vidro especial e reforçado, que normalmente permite a passagem de radiação. No entanto, a troca de calor não ocorre, o que leva ao aumento da temperatura do ambiente, como em uma estufa. Neste tipo de telhado o foco é o acabamento, e não é recomendado instalação de manta térmica.

Por causa de suas características, é uma escolha mais indicada para certos pontos da casa, como em claraboias ou áreas em que o sol não bate. Também é adotado em jardins de inverno e pergolados.

2.1.5 Cimento

Novidade no mercado, o telhado de cimento oferece ótimo custo-benefício. É semelhante ao de cerâmica, com a diferença de que não absorve a água da chuva. A versão de fibrocimento é interessante por ser leve, resistente e muito funcional. Quando bem aplicado, é uma alternativa que atende às principais expectativas.

Além do material utilizado, os tipos de telhado variam de formato — especialmente em relação ao escoamento.

2.1.6 Uma água

O telhado uma água é aquele que só tem uma face de escoamento. É muito utilizado para construções menores ou simples, além de ser indicado para ambientes com baixa necessidade de vazão. Para instalar a manta térmica, as dificuldades são pouca, pois há apenas uma área que deve ser coberta.

2.1.7 Duas águas

Já o telhado duas águas é o que conta com duas faces. Está entre os mais utilizados e dá conta de boa parte das necessidades de escoamento de água nos espaços. Nesse tipo de material, cria-se um ponto chamado de cumeeira, que é onde as duas faces se encontram. A instalação da manta térmica normalmente acontece nesse ponto.

2.1.8 Três águas

O telhado três águas tem formato triangular, pois esse tipo apresenta três áreas de escoamento de água. O ponto de encontro dos três formas a cumeeira principal, que também serve de apoio para a instalação da manta térmica para telhado.

2.1.9 Quatro águas

O quatro águas conta com quatro espaços de escoamento, como o nome indica. Esse tipo de telhado tem a melhor vazão para uma grande quantidade de água, o que o torna ideal para ambientes muito chuvosos. Feito com platibanda ou de modo aparente, exige cuidado nas emendas.

2.1.10 Curvo

O telhado curvo é menos usual e é aplicado com frequência em projetos bem modernos. Aparece de forma simétrica ou assimétrica. Na instalação da manta térmica para telhado, exige que o produto acompanhe toda a sua área.

2.2 Como é feita a instalação?

A aplicação precisa ser executada com muito cuidado. É preciso cobrir toda a área dessa região, o máximo possível dentro das possibilidades da obra, de modo a impedir a passagem de calor, água ou outros elementos.

A manta 3TC, especificamente, é aplicada na subcobertura, ou seja, abaixo das telhas. Dependendo do caso, ela também pode ser instalada na laje superior — o importante é criar uma camada de proteção acima do ambiente, de modo a evitar que a temperatura invada o espaço.

O modelo mais simples é com ripas de madeira, como o telhado cerâmico, de cimento ou mesmo de madeira. Nesse caso, a manta é aplicada no “corpo” da estrutura para garantir que as telhas fiquem bem posicionadas acima.

O telhado metálico, por sua vez, exige o uso de elementos como fita adesiva para pregar em toda a área de apoio. Telhados metálicos são mais comuns em galpões industriais, e o 3TC pode ser instalado sem retirar as telhas. A instalação é feita diretamente nas terças, como você pode ver em nosso manual de instalação. Em todos os casos, é indispensável contar com profissionais capacitados, experientes e habilidosos o bastante para executar o procedimento.

2.3 É possível aplicar a manta após a construção?

Muita gente ainda tem dúvidas se a instalação da manta térmica para telhado só pode ser executada na fase de construção. A boa notícia é que, na maioria dos casos, é possível apresentar soluções mesmo após a finalização da etapa. Imóveis em uso, portanto, podem se beneficiar dessa possibilidade.

O processo pode se tornar um pouco mais complexo quando se trata de uma opção já em uso. No entanto, esse não é um empecilho para uma equipe realmente preparada.

3. Como escolher a manta certa

Para que tudo saia conforme o planejado, é essencial fazer uma boa escolha da manta térmica para telhado. Entre tantas opções no mercado, torna-se imprescindível conhecer o que faz sentido para as necessidades específicas.

Na sequência, veja quais aspectos considerar para selecionar o melhor tipo e veja como direcionar a sua decisão corretamente.

3.1 Verifique o controle da transmissão de calor

Como dito, o calor não é transmitido por apenas uma maneira. Além da condução — ou por contato —, ele pode se movimentar por convecção e radiação. O problema é que a maioria das mantas térmicas só considera o primeiro método. Como resultado, o que é gerado e movimentado pelos outros meios circula livremente para dentro do ambiente.

O ideal, portanto, é escolher um material cuja tecnologia seja capaz de lidar com as três formas de transmissão. Os raios de radiação, por exemplo, têm que ser refletidos, enquanto o calor da radiação ou da convecção não deve conseguir vencer a barreira e entrar no ambiente. Desse jeito, é possível conquistar um imóvel realmente protegido.

3.2 Opte por uma alternativa com dupla face refletiva

Assim como acontece com uma garrafa térmica, a manta aplicada no telhado deve conter duas faces refletivas. Se apenas uma delas for desse tipo, há uma perda sensível de eficiência. Como se sabe, perder capacidade no isolamento térmico significa troca de calor e desconforto no ambiente.

Portanto, abra mão das opções que têm apenas uma face. O produto no estilo sanduíche, que conta com isopor no meio das faces metálicas refletivas, é muito adequado e garante o alcance dos efeitos esperados.

3.3 Escolha uma alternativa versátil

Outro ponto relevante é selecionar uma manta térmica para telhado que seja versátil. É importante que ela ajude a evitar o ganho de temperatura no verão e a perda de calor no inverno. Somente desse jeito é possível chegar ao conforto térmico por completo.

Também é interessante pensar em uma alternativa capaz de oferecer isolamento acústico, além do térmico. Ao evitar os diversos ruídos no ambiente, ele se torna ainda mais confortável de estar.

3.4 Pense na praticidade de instalação

Não dá para ignorar questões como a facilidade de instalação. Acima de tudo, a manta térmica para telhado tem que ser prática e simples de ser aplicada, pois isso ajuda a garantir a máxima eficiência e a obtenção dos resultados desejados.

Nesse sentido, é muito importante que o modelo não precise de espaço de ar, como a maioria das aluminizadas precisa. Isso evita a exigência de uma área maior, além de facilitar a manutenção.

Também é interessante que ela possa ser aplicada após a construção e em qualquer tipo de telhado. Tanta adaptabilidade faz com que o processo cumpra todas as expectativas, sem a exigência de gastos extras.

3.5 Avalie a durabilidade

Não dá para se esquecer da durabilidade do material. É indispensável que ela seja feita com componentes de alta qualidade e com um procedimento exclusivo, capaz de conferir um excelente resultado.

Investir em uma boa escolha significa não ter que trocar o material e aproveitar os melhores impactos ao longo do tempo. Trata-se, portanto, de um investimento com grande retorno quando é feito da maneira adequada.

Uma manta térmica para telhado que atende aos requisitos é a 3TC. Capaz de oferecer um excelente desempenho e de fácil aplicação, ela não é como as aluminizadas comuns. De face dupla e sem a necessidade de um espaço de ar, oferece o isolamento térmico necessário para obter o máximo conforto. Como consequência, é uma escolha interessante para todo tipo de telhado.

Tanta versatilidade também a torna uma opção que é indicada para qualquer tipo de imóvel. É possível, inclusive, realizar um estudo de viabilidade para verificar a possibilidade de produção com dimensões personalizadas.

4. Vantagens de contar com uma manta

Recorrer a uma manta térmica para telhado traz muitos benefícios. Esse produto, como visto, oferece características especiais a partir da sua fabricação e aplicação nos diversos tipos de telhado.

Para se convencer de que essa é a melhor escolha para o imóvel, veja por que vale a pena fazer esse investimento.

4.1 Deixa os espaços com temperaturas adequadas

Sentir muito calor ou frio faz com que o corpo não funcione da maneira adequada, o que torna a experiência de estar no ambiente desagradável. Com a manta térmica, esses problemas são resolvidos, proporcionando um conforto térmico às pessoas ali presentes.

Em uma casa, significa ter um lar mais arejado no verão ou que não perde tanto calor no inverno. Em um ambiente de trabalho, as condições ergonômicas e de salubridade são favorecidas. Tudo isso leva a uma melhor experiência, mais produtividade e satisfação com o espaço.

4.2 Aumenta a eficiência energética

Quando o ambiente sofre com a transmissão de calor, é comum que ele experimente um aumento considerável no gasto energético. Uma casa sem o devido isolamento, no verão, exige mais do ar-condicionado. No inverno, pode ter um uso ampliado do aquecedor ou do chuveiro elétrico, por exemplo.

Com a aplicação da manta térmica para telhado, por outro lado, é possível aumentar a eficiência energética do local. Com uma temperatura adequada e relativamente constante, torna-se necessário usar menos os equipamentos para obter conforto. Isso pode provocar uma significativa diminuição do valor da conta de luz.

Seja em uma empresa, seja em um lar, essa mudança pode criar, a longo prazo, condições para uma série de investimentos na infraestrutura do próprio ambiente.

4.3 Evita a ocorrência de infiltrações e goteiras

Não é só o calor que encontra um bloqueio de passagem. Com a manta térmica para telhado, é possível evitar a ocorrência de infiltrações ou goteiras — principalmente, aquelas causadas pela chuva.

Um telhado cerâmico, por exemplo, sofre com a absorção da água. Portanto, sem a devida proteção abaixo das telhas, a água pode se infiltrar na laje ou mesmo na estrutura da casa. A manta, por sua vez, impede esse processo e ajuda, inclusive, a aumentar a resistência e o tempo de vida do telhado.

4.4 Apresenta baixa necessidade de manutenção

Quando bem selecionada e aplicada, a manta funciona de maneira contínua, sem dar problemas ou dores de cabeça. Trata-se de um item capaz de resistir a condições intensas, como altas temperaturas do verão brasileiro.

Além de reduzir gastos após a aquisição e instalação, é uma questão que diminui a preocupação com as manutenções do telhado. Afinal, na maior parte dos imóveis, o acesso ao telhado é difícil. Se fosse preciso fazer a manutenção constante, os demais benefícios seriam menos interessantes. Por outro lado, a aplicação fácil e o funcionamento descomplicado fazem com que você não tenha que se preocupar com a manta.

4.5 Garante máxima acessibilidade

Apesar de o material ter um funcionamento inteligente, ele é bem mais em conta do que pode parecer. Mesmo ao escolher uma tecnologia de ponta, é possível fazer uma contratação por um valor que cabe no bolso.

Os números se tornam especialmente interessantes quando é feita uma análise sobre o custo-benefício. A economia de energia, o aumento do conforto e a grande durabilidade fazem com que a manta térmica se transforme em um investimento com excelente potencial. Para completar, contar com essa proteção é um dos fatores que contribuem para a valorização do imóvel.

4.6 Amplia a sustentabilidade

A aplicação de uma manta térmica para telhado exige, em primeiro lugar, materiais que podem ser reciclados. Boa parte do produto não é descartada após o uso prolongado, o que evita a geração de uma grande quantidade de resíduos.

A garantia de sustentabilidade, entretanto, existe por causa da economia que essa instalação é capaz de causar. Ao regular a temperatura em níveis agradáveis, é preciso usar menos energia elétrica dos climatizadores. Isso gera, afinal, um resultado bem mais interessante, que torna o imóvel amigo da natureza em todos os sentidos.

4.7 Ajuda a aumentar a segurança

Por fim, recorrer à instalação da manta é um jeito de garantir segurança para o imóvel. Primeiramente, esse é um elemento que ajuda a evitar a entrada de itens estranhos, como sujeiras e insetos. Trata-se também de um item à prova de roedores. Ainda sobre os organismos vivos, o produto não acumula bactérias e fungos, o que é ótimo para os alérgicos.

Outro ponto importante é que a manta não propaga fogo. Qualquer princípio de incêndio não tem continuidade até o telhado, o que ajuda a garantir uma atuação rápida e eficaz da segurança.

A manta térmica para telhado é uma solução versátil e repleta de qualidades. Ao fazer a sua escolha considerando as necessidades particulares do projeto, é o investimento certo para garantir conforto e bem-estar dentro de qualquer ambiente.

Gostou de saber como funciona a manta térmica? Entre em contato conosco da 3TC, tire as suas dúvidas e faça já o seu orçamento!

Se você está pensando em comprar e instalar um ar condicionado, saiba antes como a convecção pode te ajudar a refrescar ainda mais o ambiente e acabar com o calor

O vilão menos falado e conhecido dos três do conforto térmico é a convecção. É Importantíssimo saber como a convecção atua antes de instalar ar condicionado ou aquecedores. Fizemos esse posto para você conhecer mais sobre a convecção e como pode ser crucial na hora de fazer uma reforma na sua casa, escritório, galpão e outras edificações, seja para instalar um ar condicionado ou escolher onde colocar uma nova janela.

1 – Definição

A convecção é definida como a transferência de energia por meio do movimento de fluidos e são considerados fluidos tanto líquidos como a água e gases como o ar. Embora o calor é inicialmente transferido pela condução, a transferência de grandes quantidades de energia nesse meio vem do movimento dos fluidos. A convecção pode ocorrer naturalmente, ou pode ser forçada por meio de influência externa ao sistema, ou de climatizadores. Na imagem abaixo de uma câmera térmica de alta precisão podemos ver como a convecção funciona.

As correntes de mais energia/calor são vistas em vermelho subindo, enquanto as correntes de menos calor ou frias descem. As partículas mais quentes dentro de um mesmo sistema são menos densas e por isso sobem, enquanto as que estão mais frias e mais densas descem. Na imagem, a fonte de calor que força a convecção está na parte inferior da imagem.

 

2 – No dia a dia

Na construção civil a convecção influencia muito na temperatura interna de um cômodo e no conforto térmico de quem habita. Quando um ambiente sofre com a ação da temperatura externa (sem isolamento térmico adequado) haverá uma troca de energia natural no ar, a convecção natural do ambiente, que aumentará a temperatura interna do ambiente.

Normalmente, para resolver este problema, as pessoas compram climatizadores: aquecedores, ar condicionado ou outros aparelhos que visam o controle da temperatura. Se este é o caso, é preciso levar em consideração o ideal posicionamento do aparelho por conta da convecção natural dos fluidos. O ar de um ambiente sem isolamento térmico adequado é totalmente influenciado por esse tipo de transferência de calor e atrapalha seu conforto térmico.

 

3 – Posicionando e Instalando climatizadores

Os sistemas de climatização são utilizados para aquecer ou resfriar um ambiente que não possui temperatura ideal. Dependendo da zona climática da sua cidade, você precisará ou já utiliza dos dois sistemas.

Se seu problema é com o calor, muitas vezes a vontade é comprar o  ar condicionado mais potente possível e sair instalado. Antes de comprar no impulso, entenda bem sua necessidade que envolve alguns fatores do seu cômodo e edifício, e neste post sobre BTUs você pode conhecer ainda mais. Mas, de qualquer forma, o melhor local para posicionar o aparelho é na parte superior do cômodo, perto do teto, pois o ar frio que sai do ar condicionado tende a descer para a parte inferior do ambiente, e o ar quente subir, criando um ciclo fechado que esfriará com eficiência os seu ambiente.

Quando se instala um aquecedor, o ideal é posicioná-lo na parte próxima ao chão do cômodo, justamente para facilitar e forçar a convecção. O ar frio que descer será aquecido, criando um círculo de convecção, e assim o ambiente ficará confortável de maneira mais rápida e eficiente. Antes de comprar e contratar alguém para instalar, pesquise sobre como dar manutenção, a potência necessária, o consumo de energia esperado por aquele sistema para não ter pegadinhas na conta de luz depois.

Vale lembrar que, com climatizadores que tratam do ar, um ciclo fechado garantirá uma maior eficiência e atingir a temperatura ideal com mais rapidez e gastando menos energia elétrica. Um exemplo prático é a diferença entre o sistema de circulação do ar interno do carro e externo ao ligar o ar condicionado: se apertamos o botão para circular o ar interno o sistema aproveita da convecção para ser mais eficiente. Todo e qualquer escape de ar resultará na perda de eficiência e troca de calor, fazendo o sistema trabalhar mais. Por isso é preciso fazer a instalação de um isolante térmico que controle corretamente a convecção minimizando a troca de calor.

Cada sistema tem sua peculiaridade na hora da instalação, mas algumas informações são importantes: tenha confiança na equipe de instalação, saiba exatamente da sua necessidade, aprenda bastante sobre como e quando dar manutenção em seu aparelho, e, independentemente de estar frio ou calor, instale o 3TC para assegurar eficiência energética.

Quer saber o tamanho do Ar condicionado ou sistema de aquecimento para seu quarto ou seu escritório? Acesse a nossa calculadora de BTU e saiba exatamente o tamanho e a potência do seu sistema.

A garrafa térmica é responsável por deixar a água gelada ou o café quente o dia todo. Você sabe como ou porque ela funciona? Fizemos este post para responder algumas perguntas sobre essa maravilha da tecnologia moderna. Aliás, ela teve muitas mudanças ao longo do tempo. Contudo, o princípio é simples e poucas melhorias foram feitas no desenho da mesma desde seu surgimento. Vamos lá?

Origem da garrafa térmica

Primeiramente, vamos falar um pouco da história da garrafa térmica. Ela foi inventada no século XIX por um cientista escocês chamado James Dewar. Como toda boa inovação, ela foi criada por causa de uma necessidade própria. Dewar precisava armazenar adequadamente soluções das mais diversas da ação do calor e do frio. O seu nome inicial faz alusão a ele, sabe porque? Garrafa térmica é o nome mais popular para o vaso de Dewar. Ela é um recipiente utilizado para gerar um isolamento térmico quase perfeito, conservando a temperatura do conteúdo em seu interior por bastante tempo. O objetivo dela é evitar trocas de calor do seu interior com o meio externo, parece familiar?

Como mencionado, a tecnologia foi desenvolvida pelo cientista escocês para conservar a temperatura de soluções químicas. Ele acabou não patenteado a tecnologia, o que foi feito posteriormente pela empresa Thermos para começar a comercializar as garrafas térmicas. Depois de patentada, muitos modelos e formatos diferentes foram desenvolvidos. A primeira garrafa térmica era dois recipientes de vidro, um dentro do outro, que criava uma barreira de ar isolante. Com o tempo esse modelo foi sendo modificado adaptando-se a novos materiais, como o alumínio, o plástico, a borracha. Ao incorporar novas tecnologias, a garrafa térmica ganhou em custo, popularidade e claro, eficiência.

Mecanismo de isolamento térmico

O conceito simples e eficaz da garrafa térmica visa diminuir a influência das três formas de transferência de calor. caso você não conheça as 3 formas de transferência de calor, fizemos um outro post explicando cada uma. São elas a convecção, condução e a radiação. Ademais, a garrafa térmica é construída de tal forma que diminui consideravelmente a ocorrência de todos esses processos de trocas de calor. Existem muitas variações dos materiais utilizados para se fazer garrafas térmicas, mas o conceito é o mesmo, demonstrados pelo desenho abaixo:

Na figura acima vemos que a parte de armazenamento é protegida por duas superfícies espelhadas/refletivas com uma camada de vácuo/ar no meio, o que evita as três formas de transferência de calor, mantendo a temperatura interna independente da externa. Funciona assim: o vácuo tem o objetivo de evitar que ocorra a condução, pois esse processo de troca de calor necessita de um meio material para acontecer, e o vácuo, por definição, é ausência de matéria.

Importância da camada de ar ou do vácuo

Em alguns casos, utiliza-se de uma camada de ar, pois este é o que temos de mais próximo do vácuo. As superfícies espelhadas das camadas internas evitam que aconteça troca de calor por radiação térmica, pois elas refletem as ondas de calor, bloqueando a maioria delas de entrar e influenciar no recipiente interno. A tampa normalmente é feita por material vedante, impedindo que haja contato e troca de calor entre o ar e o líquido no interior da garrafa, assim, não ocorre a convecção. Caso houvesse contato do ar com o líquido quente ou frio de dentro da garrafa, o movimento do ar faria com que ocorresse a troca de calor por meio da convecção. Dessa forma, a garrafa térmica conserva a temperatura de qualquer conteúdo colocado em seu interior, estando ele quente ou frio, controlando as três formas de transferência de calor.

O 3TC foi desenvolvido com mesmos conceitos da garrafa térmica, aprimorando as superfícies metálicas para um polímero ainda mais refletivo, e adaptando o vácuo para o EPS, que é composto por 98% de ar, tornando a tecnologia acessível e extremamente eficiente para a construção civil. Uma ideia simples, uma inovação tecnológica: conforto térmico e economia para o seu bolso.

A climatização de contêinrees tem se tornado uma tarefa para engenheiros e arquitetos. Cada vez mais projetos de casas, shoppings, prédios inteiros tem sido feitos para contêineres. Além disso, o tópico sobre Mudanças climáticas tem sido bastante discutido e estudado por especialistas. Tudo isso por conta de seus impactos ambientais, sociais e econômicos. Alguns dados obtidos pelo relatório do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), da UFRJ são alarmantes. O clima no Brasil ficará ainda mais quente com aumento gradativo e variável da temperatura média em todas as regiões do país. Estima-se que pode chegar em até e 6 graus de aumento até 2100. Estes dados são alarmantes, e mostram que as mudanças no clima trarão uma série de impactos cruciais na gestão de recursos hídricos, bem como na geração e distribuição de energia no país.

Para minimizar estes impactos, a construção civil e suas tecnologias auxiliares devem se adaptar a esta nova realidade o mais rápido possível, minimizando, inclusive, seus impactos. A construção em containers, um mercado cada vez mais em expansão o Brasil, é um dos que mais sofrem com essa variação de temperatura. Sua composição predominantemente metálica sofre muito com a troca de calor, gerando problemas relacionados ao conforto térmico em containers habitacionais. Para solucionar este problema, vários sistemas de isolamento térmico têm sido utilizados para climatização de containers. Contudo, as estruturas de containers apresentam peculiaridades que fazem com que a maioria dos sistemas de isolamento térmico tradicionais não consigam obter resultados satisfatórios em conforto térmico de acordo com a norma NBR 15220 e 15575 (leia mais sobre conforto térmico).

Transferência de Calor em Contêineres

Para explicar um pouco melhor, as estruturas metálicas dos containers absorvem a energia proveniente da radiação solar, e transmitem esta energia pela forma de condução e radiação para o ambiente interno. O ganho e perda de calor das estruturas metálicas fazem com que os containers sofram bruscas variações térmicas ao longo do dia, sendo assim mais suscetíveis às condições externas. Além disso, sua forma retangular tradicional faz com que a convecção também afete, e muito, o conforto térmico: a circulação de ar é um grande problema, tornando a utilização de ar condicionado praticamente obrigatório para que se obtenha conforto. Para que um isolamento térmico seja capaz de proporcionar conforto térmico, é preciso que este aborde com as três formas de transferência de calor: a radiação, convecção e radiação.

A utilização de produtos de isolamento térmico tradicionais como manta de lã de vidro, lã de rocha, placas de poliestireno expandido/extrudado, isopainéis de poliuretano/poliestireno expandido em estruturas de container se mostram ineficazes em tratar todo o problema, pois lidam apenas com a condução. Além disso, são muito suscetíveis aos impactos da umidade, o que reduz significativamente seu desempenho. Uma alternativa são as tintas refletivas que, apesar de não serem uma solução definitiva (precisam de manutenção constante) conseguem lidar muito bem com a radiação. Contudo, no inverno a necessidade é isolar o container da baixa temperatura externa, e para isso, as tintas não são eficientes. Um isolamento térmico ideal para estruturas em containers deve aliar o melhor dos isolamentos que trabalham com a condução e o melhor dos isolamentos que trabalham com a radiação. A solução de climatização de containers está na utilização de um sistema de isolamento térmico eficiente, que se adapte as peculiaridades da estrutura metálica com um bom custo benefício e que alie as vantagens de lidar bem com a radiação e condução, com o frio e o calor, como uma garrafa térmica.

Solução eficiente e versátil

As tecnologias mais eficientes em isolamento térmico utilizadas são trajes de astronautas, que utilizam um sistema a base de películas refletivas intercalando camadas de vácuo para obter a climatização adequada em temperaturas extremas. Este mesmo conceito é utilizado de forma simples em um objeto muito comum já mencionado: a garrafa térmica. A garrafa térmica consegue manter o café quente e a água gelada dentro de seu recipiente isolando a parte interna das condições climáticas externas. Isto se deve pelo fato da garrafa térmica conter uma câmara de ar estruturada dentro de duas películas metálicas refletivas na face interna e externa. Este sistema permite que a garrafa térmica controle a transferência de calor via radiação devido ao espaço de ar entre as películas refletivas. Este espaço de ar minimiza os impactos da transferência de calor via condução ou convecção. Utilizando-se do mesmo conceito da utilização de camadas de ar em estruturas sanduíche de películas altamente refletivas, o isolante térmico 3TC também proporciona o controle das 3 formas de transferência de calor. A tecnologia funciona a partir da junção de duas películas refletivas laminadas em um núcleo de poliestireno expandido (que contém 98% de ar em seu interior). De forma simples, a utilização do sistema de isolamento 3TC em containers proporciona a estrutura o mesmo resultado de uma garrafa térmica, climatiza o ambiente interno sem sofrer influências do ambiente interno, seja este frio ou calor. Melhor isolamento, melhor eficiência energética na utilização de ar condicionado ou sistemas de aquecimento para regiões frias, ou seja, a utilização do sistema de isolamento 3TC se mostra como a alternativa mais eficiente e viável.

Isolamento 3TC aplicado em um container da empresa EDIFICARE.