Posts

Em relação ao gasto de energia total, as indústrias respondem por 41%. Ou seja, a cada 10 quilowatts, 4 são destinados para a indústria. Isso demonstra a importância e, principalmente, o impacto da atuação industrial. Em um cenário cada vez mais competitivo e com novas necessidades, saber como reduzir o consumo de energia é essencial.

Atualmente, é possível encontrar muitas invenções sustentáveis, bem como recursos que ajudam a diminuir esses gastos. Aplicá-los é um projeto com olhos no futuro e que pode mudar a forma como os negócios se relacionam com os recursos naturais.

Para garantir que isso seja viável, trazemos dicas essenciais de como reduzir o consumo de energia. Acompanhe!

1. Por que reduzir o consumo de energia na indústria?

Para colocar esse projeto em prática, é indispensável compreender quais são as razões para realizar as mudanças necessárias. Será preciso fazer investimentos, então nada mais justo do que entender os benefícios da redução do gasto de energia elétrica.

Eles variam de acordo com a intensidade da redução e com cada negócio. No entanto, compartilham algumas características. A seguir, veja por que vale a pena implementar as práticas de redução.

1.1 Diminuição dos custos

Não poderíamos deixar de escalar como primeiro motivo aquele que é considerado o mais óbvio: a redução das despesas. A conta de energia paga por uma indústria é proporcional ao nível de consumo. Então, quanto menos recursos são utilizados, menor é a soma a ser quitada.

Além do mais, é comum que as companhias de distribuição imponham certas faixas de cobrança. Acima de determinada quantidade, o preço é maior e o total, também. Com a redução, é possível ser enquadrado em faixas menores e pagar menos. Para qualquer indústria, a diminuição dos gastos é um sinal positivo rumo ao desenvolvimento.

1.2 Otimização no direcionamento de recursos

Como o consumo de energia elétrica por parte do setor industrial é tão grande, é natural que o dinheiro gasto também seja elevado. Dentro de um orçamento limitado, contas altas impedem uma melhor distribuição financeira. Ou seja, os parques industriais precisam gastar mais com esse setor e têm menos para investir em outros.

Com os cortes nos gastos, há uma distribuição muito adequada dos recursos financeiros. A otimização do orçamento permite, por exemplo, que o negócio invista em melhorias ou novas capacitações frente à concorrência. No final, é algo que ajuda a gestão financeira a ser ainda melhor.

1.3 Redução do impacto ambiental

O consumo de energia, principalmente a gerada por hidro e termelétricas, causa grandes impactos no meio ambiente. Afinal, se todas as indústrias gastarem mais, será preciso aumentar a matriz energética. Isso leva a construções de novas usinas, maior liberação de carbono e assim sucessivamente.

Quando a indústria consegue diminuir o padrão de uso desse elemento, também reduz a exploração dos recursos naturais, ainda que de forma secundária. É, então, um jeito de assumir uma postura verde e sustentável, o que vem bem a calhar diante das necessidades atuais.

1.4 Garantia de eficiência energética

Principalmente, reduzir o consumo energético não significa comprometer a produção ou desempenho. É possível — e desejável — gastar menos e, mesmo assim, manter ou até melhorar o padrão produtivo.

Tudo isso leva a um conceito muito importante: eficiência energética. Significa que a energia passa a ser usada de forma mais inteligente, estratégica e longe de desperdícios. Com máximo aproveitamento, tanto o negócio quanto a sociedade são favorecidos.

2. Como fazer uma redução de energia eficaz?

Para conseguir os efeitos esperados com total eficiência, não basta apenas definir cortes no uso do recurso. É preciso considerar as necessidades operacionais e produtivas para não prejudicar o desempenho.

Ao mesmo tempo, a redução tem que ser significativa em relação ao que normalmente é gasto. Para conseguir chegar a esse equilíbrio, trouxemos algumas dicas para colocar em prática e obter um ótimo desempenho. Confira!

2.1 Identifique os principais focos de gastos

Antes de tomar uma decisão, qualquer que ela seja, é essencial verificar quais são as áreas que mais geram despesas. Normalmente, é o chão de fábrica o maior responsável pelo consumo, por causa dos equipamentos e maquinário pesado. Isso não é sinônimo de ignorar outros segmentos, como a parte administrativa.

Faça um levantamento de toda a fábrica, como por meio de estimativas versus tempo de operação. Se uma máquina fica ativa durante 8 horas diárias, multiplique o gasto unitário por esse tempo e some aos outros itens. Assim, é possível ter uma ideia clara dos pontos de atenção e das metas que devem ser definidas.

2.2 Oriente e conscientize os colaboradores

Após estabelecer o nível de resultados desejados, é indispensável comunicar aos colaboradores a necessidade de redução. As pessoas devem conhecer o patamar atual, onde se deseja chegar e quais serão as medidas implementadas.

Principalmente, é indispensável conscientizar os colaboradores sobre a relevância que essa redução apresenta. Indústrias que oferecem participação nos lucros, por exemplo, podem usar esse argumento como o principal. O importante é garantir o engajamento e o comprometimento com as ações voltadas para a redução.

2.3 Atualize alguns equipamentos

Máquinas antigas, naturalmente, têm tecnologias e componentes ultrapassados. Esses ativos costumam ter um baixo aproveitamento da potência e consomem bastante energia elétrica. Além disso, o desgaste elevado contribui ainda mais para o aumento desse consumo. Como solução, é interessante trocar equipamentos e máquinas muito antigos.

O melhor é buscar motores eficientes, com selos e recomendações sobre a economia de energia e que ofereçam máxima potência. Também é importante que eles sejam adaptados à produção para que não fiquem sobrecarregados ou subaproveitados. Com esse investimento, a redução gera o retorno do que foi pago em médio e longo prazo.

2.4 Faça a manutenção da rede e das máquinas

Outro ponto crucial é a manutenção dos equipamentos, de forma geral. Mesmo quando são relativamente novas, as máquinas precisam de atenção por parte de uma equipe especializada. Desse jeito, é possível garantir que todos os componentes funcionam de maneira otimizada. Por isso, a manutenção preventiva e a preditiva são tão importantes.

Para melhores resultados, nossa dica é: não pare por aí. Além dos itens do chão de fábrica e demais ambientes, cuide de toda a rede elétrica. A infraestrutura deve ser adequada, justamente, para ser capaz de garantir um consumo correto e até econômico.

É o caso de verificar se a fiação está em bom estado, se há algum superaquecimento ou se é preciso realizar substituições. É um meio de evitar a fuga de corrente e demais desperdícios, o que leva a melhores resultados.

2.5 Faça trocas inteligentes

Também é possível e recomendado realizar algumas substituições que geram pequenas economias, mas que, no total, diminuem os gastos. O principal deles é em relação à iluminação. As lâmpadas de LED podem consumir até 60% menos. Embora uma não faça tanta diferença, dezenas ou centenas delas ajudam a reduzir a conta. Também são mais duráveis, então a economia é dupla.

Outras possibilidades incluem mudar a disposição de componentes, como ao evitar que elementos de refrigeração fiquem em áreas quentes. A maioria dessas trocas não exige muito investimento, então pode ser colocada em prática para gerar melhor desempenho.

2.6 Adote a automação

No ambiente industrial, é cada vez mais comum ver os recursos de automação — principalmente, na linha de produção. Esse jeito de ganhar produtividade e eficiência também é um meio de reduzir o consumo de energia.

A instalação de sensores de presença e de iluminação automatizada, por exemplo, evita o gasto desnecessário. O mesmo vale para equipamentos que podem ser programados para operar na melhor forma, de acordo com a necessidade da rotina. Com a diminuição da interferência humana, há menos chances de erros e melhores possibilidades em relação ao desempenho.

2.7 Pense no isolamento térmico

Para garantir o conforto térmico, é fundamental que a indústria realize um controle de temperatura. Trata-se de uma obrigação trabalhista pensada na ergonomia, além de se conectar ao bem-estar. Por isso, um dos maiores custos tem a ver com a refrigeração do ambiente, tanto quanto possível.

Para diminuir essas despesas e melhorar toda a performance, indicamos o isolamento térmico como uma ótima saída na hora de determinar como reduzir o consumo de energia. Ele consiste em impedir que o calor entre no ambiente e aumente a temperatura. Assim, há um nível ampliado de conforto.

O problema é que a radiação solar é a maior vilã e boa parte das soluções atua apenas para proteger contra a condução. Nesse caso, é preciso pensar muito bem no que será utilizado.

O melhor é recorrer a placas ou a uma manta térmica pensada para combater as três formas de transferência do calor. Após a instalação, o ambiente industrial ficará mais salubre e adequado e exigirá menor necessidade de refrigeração. Como resultado, gasta-se menos com energia elétrica.

2.8 Busque fontes sustentáveis de energia

Além de tudo, é interessante pensar em consumir de um jeito diferente. Nossa ideia é não apenas avaliar a redução no gasto total, mas mudar a fonte para energias sustentáveis.

A energia solar, por exemplo, pode gerar uma ótima capacidade para certos componentes e áreas. A eólica é outra fonte totalmente limpa e ainda é possível pensar em compostos orgânicos, como o biogás. Há cada vez mais possibilidades para substituir a elétrica tradicional e os derivados do petróleo.

Nesses casos, é preciso fazer um investimento maior, mas também há um interesse com olhos no futuro. Desse jeito, é possível levar o seu empreendimento para um novo nível.

3. Redução do consumo de energia é sinônimo de economia?

É fato que a diminuição nos gastos com a conta de luz é um dos fatores preponderantes para pensar em como reduzir o consumo de energia elétrica na indústria. No entanto, o processo tem que ser bem-planejado para causar impactos positivos. Do contrário, a economia é substituída por problemas com a parte operacional ou com a qualidade de fabricação.

Para que a redução realmente gere a performance desejada nas finanças, apresentamos alguns cuidados que devem ser observados.

3.1 Identifique gargalos e pilares

Já que tomar uma decisão informada é tão importante, tudo deve começar pelo reconhecimento de quais pontos são problemáticos e quais são fundamentais. Por um lado, vale conhecer quais elementos gastam demais e até desperdiçam. Por outro, é preciso ver quais são as etapas indispensáveis e que, se forem modificadas incorretamente, prejudicarão a qualidade final.

O melhor é mexer com intensidade nos processos que não têm tantos impactos ou que não causarão prejuízos. Já os pilares exigem maior cuidado, para que a redução não saia pela culatra.

3.2 Faça mudanças controladas

No lugar de implementar todas as transformações de uma vez, a nossa indicação é realizar modificações controladas. O melhor é aplicar, aos poucos, as mudanças previstas para reduzir o consumo de energia.

Implemente as transformações de maneira progressiva para entender como a indústria tem reagido. Algumas modificações, entretanto, só trazem benefícios, como a manutenção e o isolamento térmico. Elas podem ser aplicadas juntas, com outras encarando um controle maior.

3.3 Tome cuidado com soluções alternativas

Para que a redução nos gastos seja efetiva, é essencial evitar soluções que não são consideradas completas. Explicamos: é o que acontece ao realizar uma manutenção parcial ou não manter a consistência de prevenção. Também é o caso de comprar equipamentos baratos — em vez de mais eficientes — ou de não corrigir os problemas das redes.

Se o objetivo é ter sucesso na hora de descobrir como reduzir o consumo de energia e os gastos, é preciso realizar intervenções que realmente sejam efetivas.

3.4 Acompanhe o desempenho

É difícil dizer, apenas no campo das ideias, se uma medida vai gerar redução no consumo ou nos custos de forma contundente. Para não ter dúvidas, o ideal é definir indicadores e verificar a evolução.

Com números, análises e gráficos, vai ficar claro quais são as mudanças que estão fazendo efeito e quais ainda precisam de otimização. Às vezes, a mudança de equipamentos com refrigeração só vai gerar economia real após o isolamento térmico ser implementado. Então, é importante ver como andam os resultados.

4. Como investir em sustentabilidade além do marketing verde?

O marketing verde consiste em iniciativas que demonstram o papel positivo da indústria em relação ao meio ambiente. Quando uma empresa tem ações de reflorestamento e divulga para o público, ela realiza o marketing verde.

Trata-se de um componente importante diante das demandas atuais da sociedade, mas ele não basta. Por isso, é preciso pensar em como investir na sustentabilidade de forma robusta e que vá além do marketing. Quer descobrir? Venha conosco!

4.1 Trabalhe a produtividade

Quanto mais produtiva é uma indústria, menores tendem a ser os impactos sobre o meio ambiente. Basicamente, a indústria consegue fazer mais com os mesmos recursos, o que evita explorações desnecessárias.

Então, para ir além do marketing verde, é preciso fomentar a produtividade. A automação é um caminho e a motivação do capital humano é outro. Criar um ambiente agradável e engajador faz com que as pessoas entreguem melhores resultados. Como o bem-estar é uma questão relevante, novamente o conforto térmico e a necessidade de isolamento surgem como uma das soluções.

4.2 Planeje ações realmente efetivas

O marketing tem muito a ver com comunicar uma mensagem. O problema é que nem sempre ela tem impactos práticos ou que são importantes. Para ampliar a sustentabilidade, recomendamos buscar medidas que demonstrem uma elevação no nível de eficiência.

Isso significa focar em diminuir a exploração do planeta e dar uma atenção maior a questões que fazem a diferença. Gerar resultados positivos consistentes é muito mais importante que apenas comunicá-los, então deve ser levado em conta.

4.3 Pense no longo prazo

A sustentabilidade não se estabelece da noite para o dia. Trata-se de um processo contínuo de transformação e adaptação. O desenvolvimento, considerando essa abordagem, precisa passar por várias modificações conforme ele acontece.

É por isso que todas as medidas devem ser tomadas com o pensamento no longo prazo. Entender que as decisões de agora impactam o futuro é um caminho para garantir que todos possam aproveitar os recursos sem preocupação.

5. A redução no consumo de energia pode gerar mais lucros para a empresa?

Dissemos que um dos impactos ao adotar as medidas para reduzir o consumo de energia é a redução das despesas gerais. Mas será que isso significa que existe um aumento no lucro?

Com uma margem ampliada, a indústria tem a chance de atuar de forma consistente. A princípio, diminuir os gastos é um jeito de ampliar os lucros. No entanto, outros impactos dessas medidas também podem aumentar a receita. A seguir, veja quais são os principais pontos responsáveis nesse sentido.

5.1 Aumento de produtividade

Você viu que falamos que empregar essas ações é um jeito de elevar a capacidade produtiva. A automação e o conforto térmico são dois grandes fatores que levam a esse resultado.

Se a indústria é capaz de produzir mais e com maior eficiência, também consegue lucrar mais. No final, os custos para a fabricação caem e, mantido o preço, a margem aumenta. É um jeito eficiente de capitalizar e, por exemplo, realizar o pagamento dos investimentos nas melhorias.

5.2 Melhoria na imagem do negócio

Outro ponto importante é que o marketing verde e a sustentabilidade ajudam a construir uma imagem mais positiva perante parceiros, possíveis clientes e até profissionais. Surgir com um pensamento ecológico é um jeito de atender a uma demanda crescente da sociedade, que deseja consumir com responsabilidade.

Com uma imagem melhor, há vários pontos positivos que levam ao aumento dos lucros. É mais fácil estabelecer parcerias de valor e, com isso, unir forças em busca de objetivos em comum. Também há maior atração de talentos, o que simplifica a contratação. Para completar, ocorre um posicionamento melhor perante o público.

5.3 Diferenciação do empreendimento

Pode não parecer, mas saber como reduzir o consumo de energia gera mudanças que não são apenas internas. A transformação propaga-se e consegue diferenciar a indústria. Especialmente em relação a outros concorrentes que não têm essa preocupação, é possível agregar valor aos produtos e se apresentar como uma opção bem mais interessante e viável.

Esse destaque dos competidores faz com que o negócio tenha novas oportunidades de venda. Ao somar isso ao bom posicionamento e à redução dos gastos, a captação de clientes fica especialmente mais barata. No final, é um jeito de aumentar a lucratividade e garantir outros recursos para o desenvolvimento da atividade.

6. Vale a pena investir em energias renováveis?

Como visto, as fontes renováveis são um ótimo meio de reduzir o consumo de energia. Afinal, a maior parte é natural e obtida sem dificuldades, como no caso do sol e do vento.

Além de tudo, é um meio de ampliar a sustentabilidade e aumentar o pensamento ecológico. No entanto, é comum que muitas indústrias tenham dúvidas se a alternativa realmente é oportuna. Na sequência, veja como definir se vale a pena investir em energias renováveis.

6.1 Entenda os custos e exigências

Para começar, é importante pensar em como será feita a transição. Buscar novas fontes, pelo menos por enquanto, exige a reunião de diversos fatores. É preciso ter investimento, infraestrutura e capacidade de adaptação.

Não adianta pensar em energia eólica se não for possível aproveitá-la no local ou investir em um parque já instalado. Também não vale a pena considerar a solar se os custos não são viáveis no momento. Pese os prós e contras e entenda quais serão os impactos na atuação do negócio.

6.2 Verifique a capacidade de geração

Depois, é preciso identificar quanta energia a instalação pode gerar. Adotar painéis fotovoltaicos é mais barato do que antigamente, mas talvez não seja o bastante. Se a fonte de energia sustentável não puder gerar um valor considerável para os gastos médios, o investimento pode não ser a melhor saída.

O interessante é que a energia renovável responda por alguma fatia significativa para que os impactos sejam especialmente positivos. Com essa análise, inclusive, é possível descobrir qual tipo é o mais recomendado.

6.3 Considere alternativas convenientes

Mesmo que, a princípio, não valha a pena investir em energias renováveis, sempre é possível adotar uma abordagem nesse sentido. O isolamento térmico, como dissemos, ajuda a reduzir a necessidade de refrigeração e gera economia.

Parte desse retorno financeiro pode ser aplicado, justamente, para a adoção de formas sustentáveis e renováveis. Assim, um investimento cobre o outro e o empreendimento não tem dificuldades para fazer a adaptação.

Até aqui, pudemos mostrar por que e como reduzir o consumo de energia na indústria. Agora, é preciso buscar as soluções mais convenientes e implementar as mudanças de forma controlada. No final, a fábrica tem a chance de aproveitar todas as vantagens.

Outras dicas como essas podem ajudar o seu empreendimento. Então, assine a nossa newsletter e não perca as novidades!

A compra e instalação de um aparelho de ar condicionado já foi considerada artigo de luxo, um eletrodoméstico para poucos. Recentemente, com o aumento da temperatura global, e o calor absurdo que vem fazendo, cada vez mais pessoas incluem um ar condicionado como indispensável. Ainda mais para pessoas que vivem nas regiões mais quentes do país e empresas que precisam da instalação do mesmo para o controle da temperatura. O crescimento da utilização de aparelhos climatizadores causa um impacto no consumo de energia, e o impacto na conta de luz é tão certa quando o conforto térmico proporcionado por este eletrodoméstico: o mais pesquisado e almejado nas épocas de calor.  Investir em um aparelho de ar condicionado é uma decisão a ser tomada com muita cautela. Além do custo do aparelho, é preciso considerar alguns fatores, dentre eles:

  • o custo da instalação
  • custo de manutenção
  • potência adequada
  • consumo de energia elétrica

O fator consumo de energia elétrica talvez seja o mais custoso, pois o custo da energia só aumenta a cada ano. Por isso compilamos nesse post algumas informações importantes. Antes de comprar um ar condicionado, saiba quais as dúvidas mais comuns e as respostas para estes problemas. Veja abaixo as dúvidas mais frequentes de quem quer comprar um ar condicionado, e se informe para não cair em pegadinhas!

O que é um ar-condicionado?

O condicionamento do ar é um sistema que refrigera ou esquenta ambientes fechados, podendo até melhorar a qualidade do ar, umidade e circulação com a opção do controle da temperatura desejada para o ambiente.

O ar condicionado tem como principal objetivo deixar ambientes em temperaturas agradáveis criando uma sensação de conforto térmico. Hoje um aparelho de ar condicionado pode até possuir função de refrigeração, aquecimento, ventilação, umidificação, desumidificação, e até mesmo filtro que retêm bactérias, ácaros e vírus da “gripe suína”, o H1N1.

Como funciona um ar condicionado?

O princípio de funcionamento dos condicionadores de ar, nada mais é do que a troca de temperatura do ambiente, através da passagem de ar pela serpentina do evaporador que por contato sofre queda ou aumento de temperatura, dependendo do ciclo utilizado, baixando a umidade relativa do ar.

Quando alcançado a temperatura desejada se faz uma leitura através de um sensor (termostato) localizado no evaporador, que este, por sua vez, desliga o compressor, fazendo com que o equipamento mantenha a temperatura. Variações na temperatura estipulada aciona-se novamente o compressor que é responsável pela circulação do gás refrigerante dentro do sistema.

Quais as funções de um aparelho de ar condicionado?

Nem sempre todos os condicionadores de ar possuem as mesmas funções. Existem diversos tipos de sistemas, onde cada um possui uma tecnologia ou uma característica diferente, dentre estas estão:

  • refrigeração
  • aquecimento
  • desumidificação
  • umidificação
  • ventilação
  • filtragem
  • automação

Quais os modelos de aparelhos de ar condicionado?

Existem aparelhos indicados para uso industrial ou residencial, dependendo do tamanho do espaço, e das peculiaridades do ambiente. São elas: utilização de isolamento térmico, número de máquinas/eletrodomésticos, tamanho do ambiente, número de ocupantes. Estes são alguns dos fatores necessários para o cálculo de potência que falaremos a seguir.

A linha industrial são produtos que necessariamente precisam de um projeto e especificações. Precisam ser realizados por engenheiros capacitados, com sistema de distribuição central, afim de climatizar todo um ambiente. Alguns sistemas possuem controle por quarto ou compartimentação do local, e alguns possuem sistema inteligente. Esta linha é a mais indicada para shoppings, galpões climatizados, prédios comercias, obras de grande porte.

Na linha residencial você encontrará produtos da categoria janela, Split ou VRF. Estes são aparelhos que comportam e se adaptam na climatização de apenas um cômodo. Nestes casos o cálculo de potência é feito apenas para aquele local. Este tipo de ar condicionado é indicado para aqueles que querem climatizar uma sala de escritório, um quarto/cômodo em uma casa. Ou seja, para a utilização em ambientes pequenos.

Como escolher a potência do seu ar-condicionado?

Existem várias maneiras diferente de se calcular a potência correta de um aparelho de ar condicionado, e deve-se levar em conta diversos fatores, como número de ocupantes, tamanho do ambiente, número de aparelhos eletrônicos, utilização de isolantes térmicos. Caso queira calcular a potência, temos uma calculadora de BTUs para você comprar o tamanho adequado, sem gastar energia extra, nem ficar insatisfeito com o resultado, e também um post explicando o que significa BTU, e como ele influencia diretamente na compra do aparelho de ar condicionado.

Qual a diferença entre o condicionador de janela e ar Split?

O condicionador de janela são os aparelhos compactos, produtos com o corpo único, que pode ser instalado na parede ou na janela, hoje estes produtos estão com tecnologias que possibilitam um baixo consumo de energia. Em contrapartida, eles não são tão silenciosos quanto a linha Split. O evaporador e o condensador ficam juntos dentro do mesmo gabinete. Possui algumas restrições para instalação em determinados edifícios ou residências, como por exemplo, alteração da fachada.

Já o sistema Split é dividido em duas ou mais unidades. Uma unidade externa (condensadora) e uma ou mais unidade internas (evaporadora). A ideia deste produto é diminuir o nível do ruído do aparelho dentro do ambiente, pois o compressor, que é o item com maior nível de ruído, fica na unidade externa (condensadora). A união entre as unidades é feita através de uma tubulação frigorífica, utilizando cobre ou alumínio, revestidos de isolamento térmico. A unidade externa, ou condensadora, é destinada para a mudança do estado do gás para líquido, instalada externamente em local de fácil acesso com distância pré-definida pelo fabricante do equipamento. A unidade interna, ou evaporadora, é destinado ao resfriamento do ar no local a ser condicionado. Podem ser instaladas em paredes, piso, sob o forro, semi-embutida (CASSETE) no forro e embutidas no forro (DUTO).

Qual a capacidade (BTU/hora) ideal do aparelho de ar condicionado?

A potência do ar condicionado é medida através de BTU/hora, que significa, uma unidade de potência: BTU (British Thermal Unit = Unidade Térmica Britânica). Caso queira saber mais, fizemos um post dedicado a essa sigla, para você entender melhor.

Para escolher um ar-condicionado é preciso considerar o tamanho do ambiente, o seu isolamento, a sua exposição ao sol ou sombra, a quantidade de eletrônicos no ambiente e o número de pessoas que frequentarão o lugar. Outro dado importante para sua eficiência é o local onde está instalado. O ideal são paredes voltadas para o leste ou sul, onde a incidência solar não é tão forte. Caso não seja possível evitar raios solares, instale uma proteção para evitar a incidência diretamente no aparelho.

Como mencionado anteriormente, utilize nossa calculadora de BTU para ter uma estimativa precisa.

O que é tecnologia inverter?

Primeiramente você deve saber sobre a tecnologia Inverter é sua eficiência no consumo de energia. Essa tecnologia já existe há alguns anos para modelos de ar condicionado split, e o processo de economia é baseado no melhor aproveitamento da energia, sem picos e muitos desperdícios. Afinal, a energia mais barata é a que não se usa.

A tecnologia Inverter garante um aparelho econômico, durável e principalmente silencioso que refrigera o ambiente de forma constante ao controlar a velocidade do compressor. Por não ficar ligando e desligando como modelos comuns, ele acaba deteriorando menos o motor, reduzindo assim a emissão de ruídos.

Explicando melhor, a tecnologia faz com que o compressor fique sempre ativo. Desta forma não ocorrem picos de voltagem como acontece em aparelhos comuns. O nome da tecnologia, assim como com o 3TC Isolamento, indica o que acontece tecnicamente: ele inverte a frequência que controla a velocidade de compressão do ar.

Desta forma quanto menos calor precisar ser retirado do ambiente, menor será a velocidade do compressor, economizando energia. Para compreender melhor, essa tecnologia pode gerar até 60% de economia se comparada a um aparelho de mesma potência, num mesmo ambiente.

A tecnologia inverter está integrada na unidade exterior. Uma unidade inverter aumentará gradualmente a sua capacidade consoante à capacidade adequada a divisão que se pretende esfriar ou aquecer. Uma unidade não-inverter funcionará no máximo do seu poder todo o tempo, ou seja, há um consumo maior de energia.

Como e quando dar manutenção no seu aparelho de ar condicionado?

A manutenção de aparelhos de ar-condicionado é uma parte importante em garantir a durabilidade de seu aparelho e a qualidade do ar que respira.  A manutenção preventiva do ar-condicionado – prática que vai além da limpeza dos filtros feita a cada quinze dias, deve ser realizada no mínimo uma vez por ano. A manutenção irá prevenir panes, melhorar a qualidade do ar, aumentar a vida útil do aparelho e a eficiência também.

Alguns dos procedimentos de limpeza podem ser feitos pelo dono. Contudo alguns procedimentos são mais complexos, e é mais recomendado a contratação de um profissional. A limpeza dos filtros, já mencionada anteriormente, pode ser feita por você mesmo. Primeiramente, é importante conferir o manual do aparelho para saber como remover e recolocar as partes do ar-condicionado. Além disso, seguindo os passos abaixo é possível dar uma manutenção primária:

  • desligue o ar-condicionado e o retire da tomada;
  • retire o painel frontal do aparelho e o limpe com um pano umedecido;
  • retire também os filtros e os limpe com água morna e detergente ou passe o aspirador;
  • deixe o painel e os filtros secarem na sombra para só então recolocá-los no ar-condicionado.

Limpeza Completa

Para a limpeza completa, o aparelho é totalmente desmontado. Portanto recomenda-se contratar um técnico profissional e autorizado. Nessa manutenção, o aparelho é completamente higienizado com produtos específicos para sua limpeza, o que assim garante sua durabilidade. Vale apontar que a manutenção deve ser feita anualmente para ambientes com pouco uso. Em escritórios e outros ambientes que utilizem o aparelho com frequência, a recomendação é que se faça a manutenção de 6 em 6 meses. Acima de tudo essa manutenção irá promover um ar limpo e climatizado para o ambiente em questão.

 

*Esta publicação foi realizada com a consultoria do Engenheiro João Vítor Mosqueira Moura – CREA-MG 208551/D

Nesta postagem realizamos um comparativo técnico e de preços para instalar a Manta Térmica 3TC ou Telha Sanduíche. Desta forma ficará mais fácil decidir qual a melhor opção para sua necessidade. Assim como o 3TC, a telha sanduíche é uma das opções no mercado de isolamento. Ambos atuam no controle da temperatura interna e redução do desconforto térmico em ambientes. Além disso proporcionam atenuação acústica. No entanto existem grandes diferenças entre o 3TC e a telha sanduíche que precisam ser destacadas. Nessa situação, comparamos o 3TC na espessura de 10mm com a telha sanduíche feita com o isolamento de PU (Poliuretano) nas espessuras de 30mm e 50mm.

ESPESSURA

O 3TC Isolamento utiliza menor quantidade de materiais. Enquanto podemos usar o 3TC de 10mm, a telha sanduíche geralmente utiliza 30mm ou 50mm do PU. Isso sem contar com a proteção mecânica em cima para proteger o isolamento térmico. Sabe o que isso significa? Uma segunda camada de telha que vai resultar em um gasto ainda maior de materiais na obra. Com a telha sanduíche você compra duas telhas mais isolamento térmico quando poderia ser apenas uma.

RADIAÇÃO

O 3TC, através de sua estrutura (Mylar + Núcleo de EPS) consegue barrar as três formas de transferência de calor. A telha sanduíche, no entanto, barra apenas uma das três formas de transferência de calor, no caso a condução. Como sabemos, 70% da incidência do calor vem através da radiação solar. Por que não utilizar um isolamento que vai não só trabalhar contra a condução (como a telha sanduíche) mas também contra a convecção e radiação?

DENSIDADE

3TC têm o peso extremamente menor que o peso da telha sanduíche com PU. A estrutura fica bem mais pesada quando ela é composta por duas telhas. Falando apenas sobre a densidade dos materiais de isolamento, a do 3TC é de 16 – 18 kg/m3. Enquanto isso a densidade do PU na telha sanduíche é de 35 kg/m3 a 39 kg/m3, ou seja, além do peso estrutural de duas camadas de telhas, o peso do PU individualmente é bem superior ao peso estrutural do 3TC.

PREÇO

O investimento por m2 do 3TC de 10mm instalado custa aproximadamente R$30,00. O m2 da Telha Sanduíche utilizando o PU como isolante custa uma média de R$ 55,00 mais os custos de instalação que podem chegar a R$20,00 o m2, totalizando assim uma média de R$ 75,00 com instalação. Ou seja, o preço do 3TC instalado é 60% menor do que o custo da telha sanduíche!

Além disso, na telha sanduíche você ainda terá um gasto maior com a estrutura para suportar o peso do metal utilizado duas vezes nas telhas, pois uma camada é utilizada para a proteção mecânica do isolamento térmico. Agora a pergunta: Para que ter o gasto com duas telhas e um isolamento térmico incompleto se você pode investir em apenas com uma telha e um isolamento térmico (3TC) de alta qualidade? Não há dúvidas, o custo benefício do 3TC é superior a telha sanduíche.

SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO

O 3TC possuí películas refletivas com baixa emissividade que são primordiais no combate a radiação. Sabe-se que no caso de telhas expostas ao sol, esta é a forma de transferência de calor que mais contribui para o aumento da temperatura interna. O 3TC é extremamente eficiente na redução da temperatura interna, portanto, a necessidade de utilizar-se aparelhos de climatização de ambientes em estruturas revestidas pelo 3TC é bem menor comparado a estruturas revestidas pela telha sanduíche.

Ah!! falando nisso, temos uma calculadora de BTU em nosso site, aproveite para calcular o consumo elétrico do seu ambiente e os benefícios que você pode obter com a instalação do 3TC!

Voltando ao assunto, demonstramos a eficiência do 3TC em isolar um ambiente termicamente. Demonstramos por meio de um longo estudo, através dos cálculos de capacidade térmica.

Q = A . ΔT . U

O parâmetro de capacidade térmica de um ambiente significa a quantidade de energia em forma de calor que se encontra em um ambiente. Consequentemente, a partir disso, se dimensiona, através de um sistema de refrigeração, a quantidade de calor que é necessário ser retirado. Assim sendo, com o propósito de garantir conforto térmico com eficiência energética.

• “Q” representa o calor transferido do ambiente externo ao ambiente interno (carga térmica).
• “U” representa o coeficiente global.
• “A” representa a área.
• ΔT representa a variação da temperatura.

Os coeficientes estão diretamente relacionados. Quanto menor for a quantidade de calor transferido do ambiente externo para o ambiente interno, menor vai ser a quantidade de calor a ser retirada. Quanto menor for a carga térmica, menor o coeficiente global.

Resumindo em outras palavras, quanto menor for a carga transferida ao ambiente interno, menor vai ser a necessidade de aparelhos de climatização. Isto implica em redução de custos, e menor consumo de energia. Os cálculos são diretos e precisos. Eles demonstram que o 3TC de 10mm é três vezes mais eficiente que a telha sanduíche com PU de 30mm e duas vezes mais eficiente que o PU de 50mm.

Este é o segundo post da série dos casos de sucesso. Veja como uma empresa grande e de sucesso investiu no 3TC e hoje colhe os frutos com produtividade e conforto térmico

A 3TC é uma empresa que tem compromisso com o resultado, e por isso lançamos essa série para mostrar os resultados que nossos clientes obtiveram ao instalar o 3TC, independentemente do método de aplicação adequado. Aqui seguimos metodologia indicada por órgãos reguladores competentes para cálculo de eficiência energética, bem como alguns métodos desenvolvidos pelo nosso corpo técnico e também de acordo com as normas técnicas de cada especificidade: Acústica, térmica, ergonomia, etc. Nossa metodologia consiste em 3 etapas para análise de cada projeto:

Na série de casos de sucesso da 3TC, vamos falar de mais um dos nossos clientes que ficaram extremamente satisfeitos e economizaram muito ao fazerem a instalação do 3TC. Primeiro, um pouco sobre a empresa que tornou-se cliente: A Minas Rio Distribuidora (http://www.minasrioatacado.com.br/) é uma empresa que foi fundada em 1994 que comercializa produtos dos mais variados para Pessoas Jurídicas, com mais de 15000 itens  disponíveis nos diversos segmentos como utilidades para o lar, brinquedos, artigos de papelaria, produtos para restaurantes e hotéis, eletrodomésticos, descartáveis e importados em geral. Hoje ela conta com 3 localidades: Ubá (MG), São Pedro da Aldeia (RJ) e no Rio de Janeiro (RJ). Esta é uma descrição da análise técnica referente à instalação e ao fornecimento de 3TC para a unidade de São Pedro da Aldeia. Todas as localidades estão situadas em áreas com alta média de temperatura. Portanto, para proporcionar mais conforto térmico para todos seus clientes e colaboradores a empresa decidiu buscar uma solução em isolamento térmico utilizando a tecnologia 3TC.

ANÁLISE

São Pedro da Aldeia fica na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro, perto das cidades de Araruama, Rio das Ostras, Macaé, Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo. Esta é uma região que possui médias altas de temperatura e também de umidade, conforme o gráfico abaixo retirado do site CLIMA TEMPO:

De acordo com o gráfico acima, os meses com temperaturas mais elevadas são janeiro, fevereiro, março e abril. Os meses com temperaturas mais baixas são junho, julho, agosto e setembro. Por se tratar de uma média histórica, esses dados englobam os últimos 50 anos de medições. Contudo, a região nos dias de hoje possuem médias de temperaturas muito maiores do que antigamente, justamente por conta do aquecimento global e do aumento da média de temperatura nos últimos anos.

Outro fator que conta contra o conforto térmico na localidade  é a alta umidade por estar situada uma região de lagos e com proximidade ao mar. Essas características aliadas a incidência solar da região fazem com que o calor seja um problema para todo tipo de estrutura da construção civil, e a utilização de isolamento térmico nas suas mais variadas tecnologias uma NECESSIDADE. Muitas casas, apartamentos e lojas comerciais fazem o uso de condicionadores de ar que ajudam no conforto térmico, mas como não são soluções definitivas, implicam em um aumento considerável na conta de luz.

CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS

A Minas Rio de São Pedro da Aldeia possui algumas peculiaridades em sua estrutura devido à maneira como o galpão foi projetado e construído. A área do local de instalação totaliaza 2800 metros quadrados. A primeira peculiaridade está na própria estrutura do telhado: as terças, com 6cm de espessura cada, assim como as tesouras foram construídas utilizando a estrutura de concreto armado. Os pilares principais são compostos de metal, , e tijolos de concreto foram utilizados para o fechamento. O pé direito da parte mais baixa da edificação é de 8 metros e da parte mais alta de 10 metros. Foram utilizadas telhas de zinco com algumas telhas translúcidas na cobertura. As telhas de zinco costumam chegar em temperaturas de até 75 graus ao ser expostas ao sol constante, tendo um ganho e perda de temperatura rápido, principalmente para a parte interna da construção, potencializando a transferência de calor, primariamente por meio da radiação. Cabos de aço tensionados foram utilizados como suporte da estrutura de iluminação, o que dificulta a passagem de andaimes e interfere na produtividade da equipe de instalação.

A instalação foi realizada durante o horário de funcionamento da loja, que apresenta as mesmas características de um supermercado: corredores largos com prateleiras para exposição dos produtos com seus preços, organizados por setores diferentes. Para aumentar a eficiência da instalação, foram projetados e construídos 2 andaimes adequados às características da loja. A equipe de instalação teve um extensivo treinamento com o departamento técnico da 3TC isolamento durante a primeira semana de obra para demonstrar como seria feita a instalação e apresentar soluções técnicas para quaisquer problemas pontuais de início a obra. A equipe de instalação era composta por 3 pessoas: dois profissionais utilizando os andaimes para trabalhar em altura, e um profissional  oferecendo apoio no solo.

Para a instalação foram utilizados os seguintes materiais:

  • Furadeira de impacto
  • Parafusadeira
  • Parafuso Philips de 35mm
  • Bucha 6
  • Estiletes
  • Fitas Aluminizadas
  • Arruelas Plásticas 45mm
  • Extensor de Terças

Caso queira saber mais como é feita a instalação do 3TC, e como essa foi realizada, confira nosso manual de instalação para galpões: https://www.3tc.com.br/arquivo/galpoes-manual-de-instalacao

MEDIÇÕES TÉRMICAS

A equipe da 3TC compareceu ao local de instalação para aferir as temperaturas de superfície, de conforto térmico, e ergonomia. Para isso, foram utilizados termômetros de alta precisão, câmera térmica e um medidor de stress térmico que mensura a variação térmica de bulbo seco, bulbo úmido e dentro do globo de acordo com os índices da NR-15 em conformidade com as normas de Segurança do Trabalho. Para ser realizada a medição, foram escolhidos os 4 cantos do galpão e a parte central, ou seja, 5 locais de medição, conforme o diagrama abaixo:

Com os instrumentos de medição, a equipe da 3TC realizou as seguintes medições de temperatura.

  • Temperatura do Teto (termômetro a laser)
  • Temperatura do Chão (termômetro a laser)
  • Temperatura Externa (Aplicativo Weather Chanel)
  • Bulbo Seco (medidor de stress térmico)
  • Bulbo Úmido (medidor de stress térmico)
  • Globo (medidor de stress térmico)
  • Diferença de temperatura entre o 3TC e o Telhado de Zinco (Câmera Térmica)

A medição feita antes da instalação do 3TC foi realizada em outubro, um mês que historicamente apresenta temperaturas mais amenas. A medição após a instalação foi realizada no mês de fevereiro, um dos meses que historicamente apresenta as temperaturas mais elevadas na região. As medições conforme a NR-15 foram avaliadas pelos engenheiros da empresa Exxcelencia (http://www.exxcelencia.com.br/) empresa especializada em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente

RESULTADOS

Depois da instalação do 3TC os sócios proprietários, os colaboradores, e os clientes ficaram extremamente satisfeitos com o resultado. O conforto térmico proporcionado pelo sistema de isolamento 3TC é nítido depois de realizada a instalação. Foram entrevistados os sócios proprietários, 5 colaboradores, 5 clientes, o gerente do estabelecimento, e todos avaliaram como extremamente positivo os resultados proporcionados pelo sistema de isolamento 3TC.

As medições no local corroboram a percepção dos colaboradores e dos sócios proprietários do estabelecimento. A comparação das medições realizadas antes e após a aplicação do isolamento térmico 3TC mostra claramente uma melhora significativa na temperatura do ambiente. Mesmo com uma média maior de temperatura externa, o 3TC conseguiu reduzir significativamente a temperatura incidente do teto de 50,3 graus para 34,7 graus (máximas) e 42,3 para 31,7 (mínimas). A redução foi de mais de 15 graus na máxima e mais de 10 graus na mínima, uma melhora sentida no conforto térmico dos clientes e colaboradores que trabalham no local.

As medições de acordo com a NR-15 também demonstraram uma melhora significativa. Os resultados das medições que comprovam a redução de temperatura e o conforto térmico proporcionado pelo sistema de isolamento 3TC pode ser utilizado como laudo trabalhista referente à ergonomia no ambiente de trabalho.

Os ganhos em conforto térmico sâo representados em números. De acordo com o laudo expedido pela empresa Exxcelencia, a instalação do sistema de isolamento térmico 3TC refletiu em 250 kcal/h a mais para os trabalhadores, o que diminui consideravelmente a fadiga, remetendo diretamente no aumento de produção e conforto no setor. Caso queira saber um pouco mais como é feito esse cálculo, como a norma dita essas métricas, esse link explica muito bem, e em detalhe, o passo a passo desde a medição ao resultado final.

CONCLUSÃO

Antes da  avaliação técnica e instalação do sistema de isolamento térmico 3TC, esta unidade da empresa Minas Rio já havia realizado investimentos sem obter resultados satisfatórios em equipamentos como exaustores, ventiladores e outras tecnologias que dependem de consumo de energia. Outras alternativas foram analisadas para solucionar problema de transferência de calor na cobertura tais como a pintura refletiva e a utilização de telhas sanduíches, contudo, ambas as alterativas apresentaram custos maiores e resultados inferiores ao sistema de isolamento térmico 3TC. Os ganhos em conforto térmico efetivo só foram constatado após a instalação do sistema de isolamento térmico 3TC. A empresa obteve ganhos financeiros em economia ao optar pelo sistema 3TC no comparativo de custo das alternativas para solucionar o problema de transferência de calor da cobertura para área interna e em redução de consumo de energia após a instalação do sistema de isolamento térmico 3TC. Após reduzir significativamente a transferência de calor da cobertura, o sistema de isolamento potencializou as características dos equipamentos existentes fazendo com que estes funcionassem melhor utilizando menos  energia.Em uma outra área desta unidade já havia sido utilizado telhas sanduíches de EPS para amenizar a transferência de calor da cobertura para área interna, contudo, segundo todas as pessoas entrevistadas, após a instalação do sistema 3TC esta área apresentou temperaturas mais elevadas e um conforto térmico muito menor em comparação à área onde o sistema de isolamento 3TC foi instalado.

A empresa ficou extremamente satisfeita com os ganhos proporcionados e decidiu fazer a instalação do sistema de isolamento térmico 3TC nos outros estabelecimentos. Alguns clientes que frequentam a unidade da Minas Rio ficaram impressionados com o conforto térmico proporcionado e entraram em contato com a 3TC para adquirir o produto para reformarem suas casas, lojas, galpões.

Conheça os resultados obtidos pelo 3TC em vários clientes satisfeitos com a nossa tecnologia.

A 3TC Isolamento faz um trabalho completo e está sempre buscando novidades e pesquisando tudo sobre o mercado da construção civil, arquitetura, isolamento térmico e acústico para estar sempre à frente no mercado. Com o domínio técnico da área de isolamento térmico e acústico no mercado, temos a capacidade técnica e instrumentos adequados para a emissão laudos e análise técnica depois da instalação com vídeos e relatórios enviados para nossos clientes, atestando e conferindo a performance, o resultado da utilização da nossa tecnologia e dos nossos serviços, buscando sempre a satisfação e qualidade na entrega. Essa confere à 3TC um posicionamento único, aferindo, inclusive, o retorno sobre o investimento (ROI) depois de concluída a instalação do 3TC. Averiguamos também resultados diretos e indiretos em eficiência energética e produtividade dos funcionários após a instalação do 3TC em empresas.

LOCAL DE INSTALAÇÃO

Esta semana, falaremos de um dos nossos clientes que o resultado teve efeito no conforto térmico melhorando a temperatura ambiente e a produtividade dos funcionários, impactando diretamente no faturamento e no crescimento da empresa de maneira positiva. A empresa é a Márcia Morais (www.marciamorais.com.br), uma empresa que confecciona peças de moda plus size. A empresa é localizada em Belo Horizonte, no bairro Santo Agostinho, e possui muitos anos de mercado, sendo extremamente bem reconhecida no meio.

ESTUDO DO LOCAL

A área de aplicação era no local de trabalho das costureiras, com mais ou menos 100 metros quadrados. O telhado possuía pé direito baixo, com 2,30 de altura mínima, e com inclinação padrão.  As telhas eram compostas de fibrocimento, o fechamento em alvenaria, e a estrutura do telhado todo de madeira, com parte elétrica e fios passando pelo caibro e pela tesoura de madeira.

Dentre os problemas identificados pelo cliente estavam:

  • Conforto térmico inadequado: as pessoas ficavam com muito calor nas áreas de confecção e refeitório
  • Funcionárias que ficavam na área de confecção não conseguiam desenvolver seu trabalho com produtividade adequada por conta da temperatura das ferramentas de metal
  • Instalação de ventiladores atrapalhava o trabalho delicado de corte e posicionamento de peças
  • O ventilador não resolveu o problema de calor
  • Considerando instalar ar condicionado para resolver o problema

Além dos problemas identificados pelo cliente, a Equipe 3TC identificou problemas adicionais que englobam tanto o conforto térmico bem como a área para a instalação do 3TC:

  • Telha de fibrocimento tende a absorver mais calor com a incidência solar, e continuar emitindo-a na ausência do sol.
  • Falta de manutenção e limpeza das telhas: poeira e coloração escura externa ajudavam na retenção do calor.
  • Falta de ventilação cruzada, pois havia janelas em apenas um dos lados da edificação
  • Alto índice de radiação solar por conta do posicionamento da edificação
  • Pé direito muito baixo: proximidade com o telhado intensificava o problema e aumentava a convecção.
  • A instalação do ar condicionado acarretaria no aumento de custos para a empresa, sem necessariamente promover conforto térmico adequado a longo prazo.

INSTALAÇÃO E RESULTADOS

Munido das medições e dos problemas apontados pelo cliente e identificados pela Equipe 3TC, foi indicada a instalação do 3TC de 10mm colado com cola de contato abaixo das telhas, como subcobertura. O tempo de execução foi previsto em 7 horas por conta do acesso difícil a algumas áreas. A instalação acabou sendo realizada em apenas 5 horas, pois foi escolhido um dia que não teria nenhuma funcionária trabalhando, para facilitar o acesso e a instalação.

Depois da instalação foi verificada com câmera térmica e termômetro a laser de alta precisão uma diferença de 15 graus da temperatura do telhado para a temperatura abaixo do 3TC, uma eficiência enorme para a espessura e simplicidade da instalação. Com isso, a produtividade das costureiras aumentou por conta do conforto térmico causado pela instalação do 3TC. A fábrica expandiu aproveitando do mesmo ambiente, e contratou 4 novas costureiras, não houve a necessidade de instalação de ar-condicionado, e a empresa conseguiu aumentar seu faturamento e conseguir um retorno sobre o investimento no 3TC em menos de 2 meses.

A ABNT 15575 vem para tentar padronizar e qualificar as construções no Brasil. Saiba como a 3TC encaixa-se perfeitamente nessa norma.

A Norma ABNT NBR 15575 foi criada para normatizar a construção civil e, assim, tentar melhorar a qualidade por meio de parâmetros técnicos que visam padronizar diferentes níveis de qualidade. Ela analisa a performance de materiais e métodos construtivos em geral, buscando proporcionar mais confiança na compra de imóveis aos clientes e compradores do setor imobiliário.

Nesse post, vamos mostrar quatro dos parâmetros importantes que são atendidos nas construções feitas com o 3TC.

 

1. Estanqueidade

Permite avaliar se as chamas e os gases quentes desenvolvidos no interior do ambiente em combustão são liberados por fissuras ou aberturas no elemento construtivo. Dessa forma, evita vazamentos, fazendo com que as pessoas e os objetos que se encontram na face não exposta ao fogo sejam atingidas.

 

2. Isolamento térmico

Permite avaliar se o calor transmitido por radiação e condução através da superfície do elemento construtivo pode ameaçar a segurança das pessoas dentro do imóvel. Considera-se que o isolamento térmico deixa de ser atendido quando a temperatura da face não exposta ao fogo atinge 140°C + T ambiente na média, ou 180°C + T ambiente  em qualquer ponto de medida.

O desempenho térmico correto repercute no conforto das pessoas, em condições adequadas para o sono e atividades normais em uma habitação, contribuindo ainda para a economia de energia. A avaliação de desempenho pode ser feita de forma simplificada, com base em propriedades térmicas das fachadas e das coberturas, ou por simulação computacional, onde são cotejados simultaneamente todos os elementos e fenômenos intervenientes.

 

3. Estabilidade

Permite avaliar se o elemento ou sistema construtivo não perde seu caráter funcional, ou seja, se não apresenta ruína durante o tempo de ensaio. Vale ressaltar que, no caso de componentes com função estrutural, o ensaio é realizado com atuação da carga vertical de serviço a que o elemento estará submetido na obra real.

 

4. Reação ao fogo

Os materiais isolantes térmicos e absorventes acústicos aplicados nas instalações de serviço, em redes de dutos de ventilação e ar-condicionado, em cabines ou salas de equipamentos, aparentes ou não, devem enquadrar-se nas Classes I ou II–A.

Esses são alguns dos parâmetros da Norma ABNT NBR 15575 que devem ser aplicados em edificações habitacionais. O 3TC é uma solução tecnicamente adequada e economicamente viável, que atende esses quatro requisitos. Ficou interessado? Faça um orçamento com a gente!

 

Fonte: ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

Buscando sustentabilidade, design e luxo em construções de casas em contêineres, a inauguração do mostra está marcada para o dia 10 de junho.

A construção contêiner é um novo conceito de moradia sustentável e será tema da primeira edição da mostra de decoração Construir Casa Design, programada para junho deste ano, em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A mostra terá 25 ambientes assinados por arquitetos renomados, além do revestimento completo feito com o isolamento térmico e acústico 3TC. A feira terá uma estrutura 100% desenvolvida em contêineres, e os arquitetos e decoradores estão criando ambientes exclusivos dentro dos espaços. O objetivo é demonstrar que é possível unir sustentabilidade, conforto e muito luxo.

Levando em consideração os conceitos buscados no projeto e também todo o esforço para demonstrar sustentabilidade dentro de contêineres, a diretoria da 3TC, por meio de seu Diretor Institucional Samuel Andrade, firmou parceria com a empresa de William Gonçalves, fornecendo 3TC para o revestimento de toda a estrutura. O produto garantiu eficiência energética, conforto térmico e acústico para o projeto todo.

Nesta semana, a equipe de filmagem e comunicação do 3TC registrou e disponibilizou o registro em vídeo da instalação do produto em uma estrutura metálica que já havia sido fixada. Confira um trecho desta instalação e veja a versatilidade do produto em ação.

No dia 13 de maio, a Construir Casa Design foi destaque no Jornal Band Minas, detalhando um pouco mais o projeto, incluindo até entrevista com alguns dos profissionais envolvidos e com o idealizador do projeto. Confira aqui a matéria completa com o idealizador e profissionais envolvidos no projeto.