Posts

Buscar ideias inovadoras que permitam a redução de custos na indústria pode fazer uma grande diferença para manter uma empresa financeiramente saudável. O desafio se mostra ainda maior para aquelas que funcionam com equipes reduzidas e margens de lucro apertadas.

Por mais que as despesas tributárias estejam em dia e o fluxo de caixa esteja bem, a conta simplesmente não fecha. Mas, não é preciso promover uma transformação muito grande na sua empresa para limitar os gastos. Eficiência e produtividade são temas importantíssimos para tirar o máximo dos gastos da empresa.

Na maioria dos casos, pequenos ajustes e mudanças de hábito geram resultados bastante significativos. Quer saber quais são as principais medidas para controlar as despesas na indústria? Confira nesse artigo que preparamos para você. Boa leitura!

Qual a importância da redução de custos na indústria?

Vender e conseguir contratos são parte importante de quase todas as empresas. O crescimento de uma organização não depende só do quanto arrecada com os seus produtos e serviços, mas também do quanto gasta para produzi-los. Uma empresa pode agradar seus clientes e vender muito. Mesmo assim, se os custos forem maiores que os valores arrecadados, ela não crescerá. Isso é bem óbvio, mas definitivamente as aplicações são complexas.

Por isso, ao pensar em redução de custos na indústria, é necessário realizar um planejamento adequado dos cortes que serão implementados. Antes de qualquer coisa, a seguir, o que você precisa se perguntar.

  • Eu conheço realmente os custos da empresa?
  • Quais os impactos da diminuição dos custos sobre as atividades realizadas?
  • As medidas levantadas poderiam trazer consequências negativas?
  • Quais são os setores que seriam afetados e como?

Assim sendo, o primeiro passo para colocar em prática qualquer ação de redução de custos é compreender profundamente a gestão da sua empresa. Afinal, você não verá resultados ao diminuir os custos de atividades que não têm nenhum impacto nos gastos ou, ainda, modificando processos que provocarão a queda da qualidade de seus produtos.

Quais são as medidas para reduzir os custos na indústria?

Confira agora quais são os principais métodos e recursos que ajudarão a sua empresa a economizar e reduzir os custos de produção.

Contas de água e energia

As contas de água e energia costumam ter valores bastante significativos, mas não há como evitá-las. Dessa forma, diminuir seus valores é um dos bons exemplos de como reduzir os custos nas indústrias.

Para isso, invista em torneiras automáticas e descargas econômicas, substitua as lâmpadas incandescentes pelas de LED e desligue aparelhos que não estão sendo utilizados, como impressoras e monitores.

Uma alternativa interessante é instalar sensores que ligam a luz apenas quando há alguém no ambiente. Essas são alternativas simples, mas que podem ter um efeito significativo ao longo do tempo.

Papel e impressões

Mesmo com o apelo ambiental para diminuir o uso de impressões em papel, alguns tipos de documentos precisam estar fisicamente em mãos. Nesse caso, faça a impressão nos dois lados da folha, o que economizará papel. No mais, busque digitalizar os documentos e utilize as ferramentas de compartilhamento online, como o Google Drive e Dropbox, por exemplo.

Muitas empresas possuem servidores de armazenamento e compartilhamento de informações. Definitivamente são ótimos para a segurança da tecnologia da informação e para economizar recursos de impressão. Alugar ou comprar impressoras adequadas ao volume de impressão ajudam a economizar energia. Escolher papéis reciclados, ou mesmo economizar no uso de papel serão sempre boas práticas.

Dívidas e tarifas bancárias

Busque renegociar possíveis dívidas ou tarifas bancárias com o seu banco, diminuindo as taxas de juros. No entanto, é fundamental estudar previamente se a sua empresa terá condições de lidar com as novas condições propostas. Cada renegociação pode implicar em aumento de taxas e custos, apesar de aumentarem o prazo.

Estoque

Analise os estoques e determine quais são os produtos que estão acumulados e diminua sua produção. Um estoque cheio e com itens parados resulta em perdas financeiras, pois as mercadorias ocupam espaço e podem estragar com o tempo.

Para otimizar o tempo de conferência de estoque, invista em softwares de controle que facilitarão as conferências.

Ferramentas de gestão

Outra ideia inovadora para a redução de custos na indústria são os softwares de gestão. Existem diversos modelos no mercado, que podem ser pagos ou gratuitos.

Uma das suas vantagens é o fácil acesso à qualquer tipo de informação. Pois está reunido em um só local tudo o que você necessita saber sobre a empresa, o que permite a tomada de decisões mais inteligentes.

É possível ver rapidamente e com clareza, quais são as áreas que merecem mais atenção e quais são os processos desnecessários ou que estão desperdiçando algum tipo de recurso. Ainda, existem alguns programas com recursos de inteligência, que lançam alertas automáticos quando aparecem riscos ou oportunidades.

Isolamento térmico e acústico

Os sistemas industriais trabalham com grandes cargas e estruturas complexas. As atividades realizadas, geralmente, transferem calor ao ambiente externo. Isto causa a perda de energia entre o espaço e as máquinas utilizadas nas linhas de produção. Por esse motivo, investir em sistemas de isolamento termoacústico é uma boa opção para a redução de custos na indústria.

O isolamento térmico protege os equipamentos, mantendo a temperatura desejada no local e dificultando a dissipação do calor para outros ambientes. Além de reduzir a conta de energia elétrica, essa estratégia tem impacto no controle de acidentes e ruídos existentes no ambiente industrial.

Um local com temperatura controlada é mais seguro e confortável para as equipes de trabalho na realização de qualquer atividade. Os benefícios vão além: é possível evitar o desgaste excessivo dos equipamentos e prevenir manutenções frequentes.

Planejamento e redução de custos na indústria

Para adotar qualquer um desses exemplos de redução de custos na indústria, é fundamental a realização de um bom planejamento. Estabeleça metas mensais, semestrais, anuais ou no período que melhor se adéque à situação da sua empresa. Mas, evite aplicar qualquer ação sem realizar análises e pesquisas sobre seu negócio e as metas que deseja atingir.

Seja qual for a estratégia tomada para reduzir os custos e ter uma gestão eficiente, é indispensável envolver as equipes nesse processo. O objetivo disso é conscientizá-las sobre as atitudes, fazendo com que participem com novas ideias. Outra dica é incluí-las na definição de metas e, quando forem alcançadas, usar uma parte do valor economizado para premiar as equipes.

A redução de custos na indústria traz benefícios para os negócios e para todos os que participam dos processos. Afinal é sempre positivo incentivar os colaboradores a realizarem suas atividades com maior qualidade e menor desperdício. Além de conservar melhor os equipamentos e o ambiente de trabalho para o bem comum do negócio.

Se você quer saber mais sobre a redução de custos na indústria, não deixe de conferir nosso artigo sobre como reduzir o consumo de energia!

Porém, não é preciso promover uma transformação muito grande na sua empresa para limitar os gastos. Na maioria dos casos, pequenos ajustes e mudanças de hábito geram resultados bastante significativos. Quer saber quais são as principais medidas para controlar as despesas na indústria? Confira nesse artigo que preparamos para você. Boa leitura!

 

Muitas pessoas ainda se encontram com dúvidas sobre como fazer isolamento térmico, processo que garante o conforto térmico de determinados ambientes. Principalmente nas empresas, ele é muito importante para gerar economia e fornecer à equipe, boas condições de trabalho.

Por isso, preparamos esse texto explicando tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Confira, a seguir, o que é isolamento térmico, quais tipos existem, qual a importância do isolamento na indústria e muito mais. Não deixe de ler!

O que é o isolamento térmico?

Quando se fala em isolamento térmico, muitas pessoas pensam nos países com alta variação de temperatura entre o verão e inverno. Nesse caso o isolamento é realizado para proteger o interior da construção contra às temperaturas muito baixas.

Entretanto, esse tipo de revestimento pode muito bem ser usado em países como o Brasil. Mesmo que a média de temperatura aqui no verão pode ser superior aos 30°C, e em muitos lugares ficam abaixo de 0ºC no inverno. Assim, o uso de isolante térmico protege o ambiente contra o calor e diminui o consumo de energia elétrica com aparelhos de ventilação e ar condicionado.

Quais os tipos de materiais e mantas existem?

Alguns materiais diminuem a transferência de calor entre dois lados e por isso são empregados como isolantes térmicos. Conheça mais os tipos de isolantes abaixo.

Manta de lã de vidro

A manta de lã de vidro é um material bem conhecido quando o assunto é isolamento. O material é flexível e incombustível, podendo ser usado principalmente em paredes e telhados. Apesar disso, sua função é mais acústica que térmica. A sua instalação é considerada difícil, mas como dito anteriormente, é mais eficaz na redução de ruídos (isolamento acústico) do que na redução de calor. Vale lembrar que ainda que a lã de vidro pinica bastante no ato de instalação. Desta forma é necessário cobrir todo o corpo com um macacão, usar respirador, luvas e óculos como EPIs.

Placas de espuma

As placas de espuma são rígidas e por isso são cortadas e montadas no local de instalação. Elas fornecem um bom isolamento térmico e podem ser comercializadas na forma de espuma expansiva, que se enrijece no local de aplicação.

Manta asfáltica

A manta asfáltica é um material muito flexível, e por isso se adapta facilmente ao local de instalação sem apresentar rachaduras. Ela costuma ser empregada em telhados para fazer o isolamento, já que essa parte da estrutura recebe grande insolação.

A manta asfáltica pode ser encontrada na forma aluminizada, também com o objetivo de reduzir a transmissão de calor. Entretanto nos dois casos, o material é mais eficiente como um impermeabilizante entre as peças do telhado do que como isolante térmico em si. Por não ter espaço de ar em sua composição, ele não consegue adequadamente refletir o calor. Em muitos casos, clientes acabam comprando gato por lebre e acham que a manta asfáltica resolve o problema do calor. Definitivamente, essa não é a finalidade nem o uso técnico recomendado para esse material.

Manta 3TC

A manta 3TC é uma tecnologia que permite o isolamento de até 97% da radiação, além do isolamento pela convecção e condução. Ou seja, protege contra as 3 formas de transferência de calor e por isso é tão eficiente. Ela possui espaço de ar aliada à refletância, o que lhe confere eficiência em praticamente qualquer estrutura da construção civil.

A aplicação é simples, e não precisa de reformas para ser aplicada em construções já levantadas ou em funcionamento. Essa versatilidade de aplicação permite que em locais de trabalho, por exemplo, o fluxo não seja interrompido durante a sua instalação.

Como fazer isolamento térmico?

É importante que um profissional avalie a necessidade de isolamento térmico da área e assim informe qual material é o mais indicado. Fatores como facilidade de instalação, preço, versatilidade, resistência à água, mofo, sustentabilidade e durabilidade também devem ser analisados.

É recomendado que alguns materiais sejam instalados durante a construção do imóvel, pois o indicado é que fiquem entre as paredes, antes da camada de revestimento. Esse é o caso de lã de vidro, por exemplo.

Já outros materiais, como a manta 3TC, ela pode ser instalada sem a necessidade de quebrar paredes, já que na sua forma de manta ela se adapta ao ambiente e pode se adaptar ao tamanho exigido no projeto.

Qual a importância do isolamento térmico em uma empresa?

Não somente para gerar conforto térmico, o sistema de isolamento térmico tende a diminuir a umidade do ambiente. Com isso, diminui também a proliferação de ácaros e mofos que podem resultar em doenças respiratórias aos funcionários.

Como pode ser visto, é uma questão de saúde. Outro ponto determinante é a economia de energia elétrica que ocorre. Visto que com o controle de temperatura do ambiente, reduz a necessidade em usar outros métodos de refrigeração.

Nas indústrias, o maquinário pesado é responsável por parte do calor e ruídos gerados, que facilmente podem atrapalhar o desenvolvimento de tarefas e ultrapassar o recomendado pelas leis de segurança no trabalho e ergonomia.

Uma maneira eficiente de reduzir esse incômodo é investindo em isolamento acústico e térmico para promover um ambiente de trabalho mais saudável e menos agressivo.

Qual a forma certa de fazer o isolamento térmico?

Depois de escolher o melhor material para o ambiente que necessita de isolamento, é a hora de fazer a instalação do material. A instalação deve seguir as recomendações do fabricante para não reduzir a eficiência do material usado.

Para garantir um bom acabamento na instalação do isolante térmico o ideal é contratar uma empresa especializada em prestar esse tipo de serviço. Dessa maneira, o material é instalado por profissionais qualificados e experientes. Alguns EPI’s (Equipamento de Proteção Individual) devem ser usados para proteção, como luvas e óculos, por exemplo.

O ideal é que o isolamento térmico seja realizado durante a fase da construção, mas também existem formas de adaptar o sistema para construções em funcionamento que não podem ser esvaziadas para receber o isolamento.

A logística para esse tipo de instalação pode ser mais exigente, mas não é impossível de ser realizada. Uma empresa especializada em oferecer soluções dessa natureza é capaz de montar um planejamento para oferecer seu serviço com qualidade.

A manta 3TC, é flexível, durável, sustentável e muito mais. Essa tecnologia pode ser usada em diversos ambientes sem o perigo de estragar facilmente. A tecnologia 3TC foi desenvolvida para melhorar o isolamento térmico de ambientes com alta qualidade.

Portanto, vimos que para fazer o isolamento térmico existem vários materiais disponíveis no mercado. O grande diferencial de como fazer isolamento térmico é pesquisar os materiais indicados para cada ambiente para agregar as melhores qualidades e custo-benefício.

Quer fazer um projeto de isolamento térmico? Veja quais são os materiais mais utilizados e como escolher o melhor tipo de manta para isolamento térmico.

São vários os fatores presentes em um ambiente de trabalho capazes de interferir na produtividade de uma equipe. Dentre esses parâmetros, é fundamental destacarmos as condições ergonômicas oferecidas pelo empregador, visto que, além de se relacionarem com o conforto ocupacional, também possuem ligações com a saúde e o humor da equipe de trabalho.

Infelizmente muitas empresas não dão a devida atenção para as condições ergonômicas disponibilizadas em suas dependências, fato este que é explicado pela falta de conhecimento sobre as várias vantagens ao assegurá-las.

Sendo assim, confira tudo sobre condições ergonômicas.

Conceito de ergonomia no trabalho

A palavra ergonomia remete ao estudo entre a relação ser humano/ambiente laboral. Em outras palavras, é uma análise detalhada sobre todos os elementos de um local que estão diretamente relacionados com o conforto, bem-estar e, acima de tudo, a segurança no trabalho de uma equipe.

Vale ressaltar ainda, que não importa o risco das tarefas a serem desempenhadas, todas elas necessitam de uma análise ergonômica adequada.

Relação entre ergonomia e produtividade da equipe

Esperar que uma equipe de trabalho entregue todo o seu potencial para uma empresa vai muito além de apenas garantir a contratação de excelentes profissionais.

Como exemplo prático, é impossível exigir bons resultados de desempenho de uma equipe que trabalha em um canteiro de obras sem os devidos Equipamentos de Proteção Individua – EPIs, ou de colaboradores que atuem em um escritório com baixa luminosidade e cadeiras desconfortáveis.

Sendo assim, é possível fazer uma associação direta entre a ergonomia e a produtividade de uma equipe, ou seja, quanto melhores as condições de trabalho que um empregador possa oferecer, sem dúvida, melhores serão os resultados de produtividade que a equipe em questão entregará.

Vantagens de um ambiente ergonômico

Podemos destacar as seguintes vantagens ao assegurar a ergonomia em uma empresa:

  • garantir a saúde e segurança do trabalho para todos os membros da empresa;
  • diminuir as chances de ocorrerem acidentes de trabalho, visto que todos os riscos serão previamente analisados e posteriormente traçadas medidas para que sejam neutralizados/reduzidos;
  • melhorar o humor da equipe de trabalho, uma vez que ela será valorizada e desempenhará todas as tarefas com conforto e segurança;
  • aumentar a produtividade dos colaboradores;
  • evitar lesões consequentes de esforços repetitivos, má postura e negligência dos EPIs;
  • possibilitar que atividades laborais sejam desempenhadas seguindo os parâmetros ideais de eficiência, visto que as condições de trabalho estão adequadas.

Normas regulamentadoras

Existem algumas normas regulamentadoras que especificam como que as condições de um determinado ambiente de trabalho precisam estar. Busca-se assegurar o conforto e a segurança da equipe.

Deste modo, os parâmetros que classificam as condições ergonômicas como satisfatórias ou inadequadas não são subjetivos. Isto é, são claramente determinados segundo algumas NRs.

Norma Regulamentadora 15

Tratando das atividades e operações insalubres, a NR 15 tem como principal objetivo estabelecer padrões técnicos para classificar um ambiente ocupacional quanto ao grau de sua insalubridade. Seguir essa norma impacta diretamente na produtividade. Isso de dá por ela colocar limitações em cargas horárias, bem como relaciona-se com o bem estar do colaborador. Isto posto, vai depender de análises, medições e atividades que a própria NR regula e indica como fazer.

Além disso, essa norma prevê um adicional sobre o salário ― conforme as características do risco e a intensidade de exposição ―, para a equipe que desempenha tarefas nestes ambientes identificados como insalubres.

A NR 15 padroniza parâmetros para os seguintes locais de trabalho:

  • presença de ruídos intensos (sejam eles contínuos, sejam eles intermitentes);
  • limite de exposição ao calor;
  • limite de exposição ao frio;
  • exposição às radiações não ionizantes;
  • trabalho em ambientes com alterações na pressão;
  • atividades em áreas com umidade elevada;
  • presença de agentes químicos;
  • elevada concentração de agentes biológicos.

Norma Regulamentadora 18

a NR 18 é uma norma que detalha as condições ergonômicas adequadas para a indústria da construção. Segundo essa norma, é dever do empregador garantir algumas condições básicas em um canteiro de obras. São eles:

  • instalações sanitárias;
  • vestiários;
  • alojamentos;
  • local de refeições;
  • área de lazer;
  • ambulatório, quando se tratar de uma equipe de trabalho com 50 ou mais membros.

Por ser uma indústria com várias ramificações e englobar tarefas de diferentes naturezas, na construção civil, há várias possibilidades de um ambiente ser classificado como insalubre. Entretanto, a NR 18 detalha todas as atividades e as suas respectivas condições ergonômicas ideais.

4 dicas para melhorar a ergonomia no ambiente de trabalho

Uma vez que já sabemos o que é ergonomia, bem como as suas vantagens ao ser garantida em um local de trabalho, é interessante destacar algumas dicas que as viabilizam.

Deste modo, confira 4 orientações para melhorar a ergonomia. São elas:

1. Conheça sua equipe

Estreitar a relação empregador/equipe de trabalho é muito importante para que a comunicação interna seja feita de forma clara, rápida e sem burocracias.

Uma vez que essa comunicação é realizada com eficiência, a equipe se sente mais confortável para sugerir melhores condições ergonômicas quando necessário, viabilizando, dessa forma, ambientes de trabalho mais saudáveis e seguros.

2. Disponibilize todos os EPIs

Como vimos ao longo do conteúdo, a segurança no trabalho é extremamente importante para a garantia de ambientes ergonômicos.

Nesse contexto, vale destacar a importância de disponibilizar todos os Equipamentos de Proteção Individual – EPI para a equipe. Com pouco investimento é assegurando assim, além do conforto ao desempenhar tarefas de risco, locais de trabalho com chances reduzidas de ocorrerem acidentes. Menos acidentes impacta positivamente o passivo trabalhista e também a produtividade.

EPIs básicos

EPIs são os aliados nº 1 de empresas e funcionários para evitar acidentes de trabalho

3. Delimite tarefas

Ao delimitar tarefas, um colaborador vai saber exatamente o que deve saber fazer. Desta forma ele estará menos propício a se expor às atividades que contenham riscos para os quais ele não está protegido.

E para alcançar esse patamar de organização na empresa, é imprescindível que haja uma clara delimitação das tarefas, para que, dessa forma, cada equipe execute apenas o serviço que ela sabe que as condições ergonômicas estão favoráveis.

4. Realize avaliações de desempenho

Muitas vezes um baixo rendimento no trabalho está associado com condições ergonômicas precárias. Baixo rendimento afeta diretamente a produtividade da equipe como um todo. Portanto, é importantíssimo ficar atento a esse fator.

Por esse motivo, realizar avaliações de desempenho periodicamente ajudam a detectar baixos rendimentos de equipes. Uma das causas possíveis é da equipe não estar alocada em um ambiente ergonômico.

Portanto, após entender o conceito de condições ergonômicas e verificar todos os seus benefícios para a produtividade da equipe, é fácil perceber o quão importante esse parâmetro é para as atividades laborais.

Cabe lembrar ainda que a empresa que não garante aos seus colaboradores boas condições de trabalho está sujeita a multas e penalidades trabalhistas, conforme as NRs 15 e 18.

O conteúdo foi interessante para você? Então siga nossas páginas nas redes sociais e confira mais posts sobre ergonomia e segurança do trabalho em geral. Estamos no Facebook, Instagram e Linkedin.

Para permitir o progresso, a ciência desenvolve componentes e materiais que viabilizam diversas soluções. Ao falar em exploração do espaço, o Mylar é um dos itens relevantes. Em forma de película, é esse elemento que ajuda a resolver vários problemas de equipamentos que estão fora da atmosfera terrestre.

Muita gente não o conhece, mas ele se baseia em uma aplicação simples. Inclusive pode ser adotado no cotidiano e é capaz de gerar grandes benefícios quanto ao conforto térmico. Ao saber mais sobre ele, você tem a chance de explorar um dos recursos importantes para a ciência.

Para não ter dúvidas sobre esse elemento, vamos apresentar o que é o Mylar e por que ele tem tanta relevância. Confira!

O que e como essa película funciona?

Entender a composição dessa película é essencial para descobrir de que se trata. De forma simples, podemos dizer que o Mylar é uma espécie de filme de poliéster. Suas fibras de alta tecnologia são produzidas com polímero estirado. É, portanto, uma película feita com plástico trabalhado para criar fibras de baixa espessura e que se arranjam de um jeito específico.

Apesar de sua espessura bem fina, ele apresenta atuação diferenciada. Além de suportar grandes tensões, tem elevada estabilidade e boa resistência química. No entanto, sua maior característica é a refletividade.

O tratamento dado a essa película faz com que ela receba um aspecto metalizado. Isso garante a reflexão dos raios solares, que não conseguem penetrar nas fibras do material. Então, é uma forma de obter isolamento térmico.

Como foi o Mylar foi desenvolvido ?

O desenvolvimento do Mylar aconteceu após a consolidação do uso de polímeros na economia. Com a popularização dos polímeros, novas formas e soluções foram buscadas.

Na década de 1950, diversas indústrias norte-americanas começaram a trabalhar com o material. Após o estiramento das fibras plásticas, foi possível conquistar um resultado inicial em relação ao que existe hoje.

Em 1955, a película passou a ser usada em filmes fotográficos de escala comercial. Porém, foi nos anos seguintes que ganhou aplicações inovadoras — principalmente por conta da espessura finíssima em que foi empregada.

Qual a importância do Mylar para a Nasa?

O uso do Mylar ganhou força a partir da década 1960. Foi em 1964 que a Nasa utilizou o material com apenas micrômetros de espessura. O processo possibilitou o lançamento de um grande balão metálico que serviu como satélite.

Desde então, a película tem sido aprimorada e usada na agência. Foi diante desse cenário que surgiu o isolamento multicamadas (multi-layer insulation ou MLI, em inglês). Podemos dizer que é uma solução no estilo sanduíche: o Mylar é aplicado nas camadas externas e, no meio dele, há outros materiais que ajudam a garantir os bons resultados.

Esse conjunto é usado, principalmente, nas estações espaciais e nos satélites. A seguir, veja quais são os maiores benefícios da adoção da película na Nasa.

Isolamento térmico das estações espaciais

O objetivo do uso desse material é gerar isolamento térmico dos diversos componentes em órbita. Com a alta capacidade de reflexão, o Mylar impede o ganho de calor por conta da radiação solar. Graças à adoção da tecnologia MLI, ainda consegue prevenir processos de condução e convecção.

Como o ambiente pode ser um tanto hostil por causa das baixas temperaturas, o isolamento também é essencial para evitar a perda excessiva de calor. Além de garantir o funcionamento dos componentes em condições ótimas, é um jeito de manter o conforto dos astronautas.

Facilidade de manutenção

Outra razão para a utilização do Mylar é que ele tem facilidade elevada de aplicação e, portanto, de reparação. Caso ocorra alguma dificuldade ou um processo de perda ou ganho de calor, os próprios astronautas podem fazer os consertos necessários para manter a integridade da estrutura.

Em condições normais, ele não exige manutenção justamente por ser capaz de suportar grandes tensões. Mais que diminuir os custos, é um meio de obter máxima confiabilidade no projeto, o que também amplia a segurança.

Aumento de eficiência energética

Diante do isolamento térmico, a troca de calor pode ser impedida ou, ao menos, reduzida a níveis mínimos. Isso favorece o sistema de regulação de temperatura, o que permite manter a operação dentro dos níveis esperados.

É um jeito de aumentar o nível de eficiência energética, o que é importante para as estruturas espaciais. Com menor exigência de controle de temperatura, há menos riscos de sobreaquecimento ou congelamento de componentes ou de sobrecarga do sistema. Não é à toa que a Nasa utiliza esse componente como uma maneira de obter resultados melhores.

Excelente custo-benefício

A maior parte dos componentes de satélites e estações espaciais custa milhares ou até milhões de reais. Então, buscar soluções que contemplem as necessidades de maneira menos onerosa faz parte do desenvolvimento da Nasa.

Embora envolva muita tecnologia, a película feita com fibras de polímero pode ser considerada econômica — principalmente se avaliarmos o seu bom desempenho. Então, ela se transforma em uma alternativa especialmente atraente, eficiente e capaz de atender às necessidades.

E qual é a aplicação cotidiana?

Embora o Mylar seja essencial para a ciência e tenha empregos que vão ao espaço, ele também pode ser utilizado no cotidiano. Com uma aplicação comercial simplificada, oferece resultados tão positivos quanto aqueles obtidos em satélites e em estações espaciais.

É o caso de uma solução de isolamento térmico. Tanto em casos de mantas térmicas quanto de placas, o conceito se baseia no uso de camadas. Do lado de fora, o Mylar é aplicado para garantir a reflexão dos raios solares. Assim, é possível impedir o aquecimento por radiação, que é a maior vilã da transferência de calor.

Entre as camadas da película refletiva são adicionados componentes como o EPS, o qual forma uma barreira de ar. Isso impede a convecção e a condução, de modo a garantir o isolamento completo. De maneira simples, é como utilizar a proposta de uma garrafa térmica para deixar ambientes protegidos.

O Mylar é uma película refletiva de alta eficiência e que é essencial para a ciência. Otimizado e aplicado em grande escala pela Nasa, também pode fazer parte do seu cotidiano. Com um bom produto de isolamento térmico, podemos afirmar que surge a chance de explorar os resultados desse item.

Ainda tem alguma dúvida sobre o componente? Conte em nossos comentários e participe!

Com o passar do tempo, inevitavelmente surgirão diversas patologias em uma edificação, as quais provocam alguns transtornos indesejados. Entre elas, uma das mais comuns são os problemas em telhados e lajes. Apesar dessa situação parecer interminável, sobretudo no período das chuvas, é possível encontrar soluções viáveis que solucionam essa adversidade.

Para isso, o primeiro passo é conhecer um pouco mais sobre a estrutura do telhado, assim será possível encontrar formas que possam prevenir futuros transtornos. Além disso, é fundamental encontrar as prováveis causas desses problemas, o que permitirá executar a solução mais eficiente. No entanto, o mais importante é descobrir a existência das patologias o mais cedo possível. Qualquer pequeno problema poderá prejudicar a edificação como um todo.

Sabendo disso, reunimos neste guia completo tudo o que você precisa saber para prevenir, identificar e solucionar os principais problemas que são encontrados em telhados e lajes. Tenha uma boa leitura!

Qual a importância de ter atenção aos problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Para exercer a sua função, uma edificação é constituída de várias estruturas que devem trabalhar em conjunto. Dessa forma, caso alguma delas sofra de alguma patologia, é possível que ocorram problemas nas demais partes dessa construção. Portanto, é fundamental ficar atento ao surgimento de defeitos que possam comprometer um edifício e, consequentemente, a saúde e a segurança de seus usuários.

Por isso, é fundamental ficar atento ao surgimento de defeitos nas coberturas e lajes. No entanto, para podermos entender melhor sobre qual é a importância de sempre manter esses elementos em um bom estado de conservação, primeiro é necessário conhecer melhor o que caracteriza essas estruturas.

Afinal, o que é um telhado e uma cobertura?

Basicamente, a cobertura tem como principal objetivo proteger a estrutura de uma edificação das intempéries existentes no ambiente exterior. Além disso, com o devido tratamento, esse elemento proporciona conforto térmico e acústico aos usuários de uma construção.

Já os telhados são um tipo de cobertura, o qual é caracterizado por ter um ou mais planos inclinados — os quais são denominados de águas — em relação a uma linha horizontal. Além da função de preservar o edifício, um telhado consegue promover a captação e a distribuição das águas das chuvas.

Outra característica marcante dos telhados é a necessidade de instalar telhas, as quais podem ser construídas de vários materiais, como cerâmicas, metais, cimentos, entre outros. Durante o projeto dessa cobertura é preciso considerar as características climáticas de uma região para determinar a inclinação de suas águas.

Telhado de cerâmica

O que caracteriza uma laje?

Conceitualmente, a laje é uma estrutura que tem como função separar os diversos pavimentos de uma edificação, de modo a ser a base de contrapisos ou atuar como teto. Além disso, esse elemento estrutural é o responsável por transmitir os esforços provocados pela utilização do andar para as vigas e, consequentemente, para os pilares — isso quando não usar o método construtivo de alvenaria estrutural.

Bastante versátil, uma laje pode ser utilizada como cobertura de um edifício, de modo a fazer com que essa estrutura fique em contato direto com as intempéries do ambiente. Para que esse elemento mantenha sua resistência estrutural, é fundamental que seja aplicada sobre sua superfície uma impermeabilização. Isso evitará que ocorra a infiltração da água e o surgimento de demais patologias causadas pela umidade.

Por que se deve prestar atenção aos problemas nessas estruturas?

Devido à sua posição, uma cobertura — seja ela uma laje ou um telhado — é a principal barreira de proteção que uma edificação tem das condições ambientais. Dessa forma, o edifício não fica exposto aos efeitos nocivos da umidade, os quais tendem a causar problemas em toda sua estrutura, reduz sua vida útil, além de deixar insalubre a sua utilização.

Sendo assim, é fundamental ficar atento com os possíveis problemas em telhados e lajes, uma vez que, quando eles ficam perceptíveis, é provável que a situação já esteja grave.

Por que os problemas em coberturas acontecem?

Agora que você entendeu a importância de ficar atento em descobrir os problemas que podem ocorrer em uma cobertura, que tal aprender um pouco mais sobre as causas mais comuns dessas patologias? Antes de mais nada, é preciso estar ciente que não existe uma única origem, sendo que é comum os distúrbios surgirem devido à ação em conjunto de mais de um fator.

O desgaste com o passar do tempo é, sem dúvida, uma das causas mais comuns do surgimento das patologias em coberturas. Afinal, seja qual for o material utilizado na construção dessa estrutura, ele tende a se deteriorar após o contato frequente com as ações do clima. Por exemplo: caso a estrutura do telhado seja de madeira, mesmo que haja o tratamento adequado desse material, após alguns anos ele vem a apodrecer.

Outra possível fonte de problemas é a desqualificação dos profissionais e da mão de obra que atuam na construção civil. Nem sempre os engenheiros e arquitetos receberam um ensino completo em cobertura, o que acarreta falhas de projetos que poderão prejudicar o desempenho dessa estrutura. Além disso, é comum aos trabalhadores não terem uma formação para executar as obras, o que geram vícios construtivos e baixa qualidade da edificação construída.

Outro problema muito comum nas coberturas diz respeito o isolamento térmico da edificação. Isso ocorre principalmente em lajes que não receberam um tratamento adequado ou nos telhados com telhas de metal, pois esses materiais conduzem o calor facilmente, o que resulta em um ambiente quente e desconfortável.

Como identificar problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Como é possível perceber, a existência de patologias nas coberturas proporcionam diversos problemas a uma edificação. Dessa forma, para poder consertar esses distúrbios, o primeiro passo será identificá-los. Entretanto, essa tarefa nem sempre é tão simples, pois, em alguns casos, só se descobre que os telhados e as lajes não estão funcionando corretamente quando ocorrem algumas situações indesejadas.

Normalmente, aparecem no edifício algumas patologias relacionadas com a presença da umidade, como as infiltrações, as manchas, as goteiras e os descascamentos da pintura. Quando surgem essas situações em uma edificação com telhado, com certeza esses problemas estão relacionados com as telhas, as quais podem estar quebrados. O ideal é fazer vistorias periódicas nos telhados para verificar se não existem telhas quebradas.

Caso a cobertura do edifício seja uma laje, normalmente essas patologias são originados devido à falha do sistema de impermeabilização, o qual necessita de uma reaplicação periódica, pois essa solução apresenta prazo de validade.

Se ficar confirmado que não existem problemas no telhado, é possível que as patologias relacionadas à umidade são originadas devido à falha nas calhas e nos rufos. Isso pode ocorrer devido a vários fatores, como o entupimento das calhas ou rompimento dos rufos.

Por final, é possível que ocorram patologias na estrutura dos telhados. Caso ela seja construída utilizando madeira, mesmo que ela tenha recebido um tratamento adequado, é possível que ela apodreça com o passar do tempo — principalmente se ela entra em contato com a umidade. Já as estruturas metálicas apresentam uma vida útil mais elevada, contudo, caso não haja uma manutenção periódica, pode ser que ela sofra com corrosão.

Quais são os principais problemas em coberturas e como solucioná-los?

Caso você tenha lido este texto até aqui, é possível que tenha percebido que existem diversos tipos de problemas em lajes e telhados. Cada um deles tem as suas particularidades. Ainda assim são originados devido às falhas de um determinado elemento e tem uma solução própria para resolvê-lo.

A seguir, reunimos uma lista com as 7 patologias mais comuns que ocorrem nas coberturas.

1. Infiltração

Provocado devido à presença de umidade em tetos e paredes, as infiltrações são uma patologia que proporcionam um visual negativo a um ambiente. Afinal, devido ao descascamento das pinturas, à presença de manchas e a existência de bolor, esse problema cria uma sensação de descuido, a qual compromete o valor do imóvel e pode causar danos na saúde dos usuários e na estrutura da edificação.

Quando ela está relacionada com os problemas nos telhados e nas lajes, geralmente ela surge no teto, contudo, essa patologia também poderá ocorrer na parte superior das paredes. É fundamental que esse distúrbio seja identificado o quanto antes, caso contrário, é possível que ele provoque danos maiores que necessitarão de uma dispendiosa reforma.

O mais importante ao fazer os reparos necessários, é encontrar a origem desse problema. Caso contrário, de nada adiantará fazer o conserto, pois é provável que essa patologia volte a acontecer. No caso de um imóvel com telhado, será preciso avaliar se há a existência de telhas quebradas. Agora, se a cobertura for uma laje, é possível que a causa dessa patologia seja a presença de trincas ou a má impermeabilização da estrutura. Além disso, é preciso estar ciente que a forma mais eficiente de combater a infiltração é a prevenção.

Agora, caso houve o surgimento dessa patologia, será preciso realizar alguns reparos. Basicamente, eles se baseiam em eliminar a origem da infiltração e recuperar o revestimento danificado. Em alguns casos, será preciso demolir o acabamento estragado e refazê-lo.

2. Desgaste

Como qualquer elemento construtivo de uma edificação, com o passar do tempo, as coberturas sofrem com o seu desgaste natural. Dependendo do material utilizado na construção de um telhado, é possível que ele apresente uma vida útil que pode chegar a 40 anos. Já as lajes de concreto armado — segundo a norma de desempenho para edificações habitacionais da ABNT (NBR 15575) — têm vida útil estimada de, no mínimo, 50 anos.

Além disso, as impermeabilizações também apresentam um prazo de validade. Nos processos mais simples, ele varia entre 5 a 7 anos. Já nas metodologias mais sofisticadas e modernas, é possível que a durabilidade desse tratamento possa chegar a 20 anos. De qualquer forma, esse período é influenciado pelas questões ambientais, sendo que nas regiões costeiras ou naquelas que estejam contato constante com agentes poluentes e abrasivos, a vida útil dos materiais tendem a diminuir.

Para minimizar os efeitos do desgaste natural nas coberturas, a melhor solução é realizar uma constante manutenção preventiva. Para isso, é preciso avaliar o estado das telhas, sendo que o recomendado é o que o telhado esteja seco. Caso ele esteja molhado, as telhas tendem a ser mais quebradiças. Outra possível solução é impermeabilizar as telhas cerâmicas e de fibrocimento. Isso diminui a porosidade do material, o que resulta em um aumento de sua vida útil.

3. Ação do Vento

Um telhado deve ser dimensionado para suportar todas as possíveis intempéries que possam ocorrer. Dentre elas, a ação do vento merece uma atenção especial. Afinal, essa força da natureza exerce pressões e sucções nos edifícios. Essas forças ocorrem de baixo e para cima, o que pode provocar danos e incidentes com vítimas fatais.

Apesar de muitos considerarem a pressão que empurra o telhado em direção do solo, é comum ocorrer um esquecimento de considerar os esforços de sucção (força que tem sentido para cima). Com isso, sobretudo nos telhados que são revestidos de telhas leves é comum esse esforço provocar o arrancamento da cobertura. AS telhas mais leves normalmente são feitas de fibrocimento, metal e PVC, e acrílico.

Quando o telhado é construído utilizando telhas cerâmicas normalmente o vento comum não consegue levantar a cobertura. As telhas de cerâmica são mais pesadas, e mais difíceis de moverem com o vento. Assim, ao especificar um telhado com telhas leves, é fundamental que todos os elementos dessa estrutura sejam firmemente fixados e ancorados. Mesmo nas telhas pesadas, é recomendado que haja uma amarração adequada. Isso impede que elas saiam do lugar devido às vibrações do trânsito local. Locais próximos à rodovias e avenidas sofrem bastante com esse problema.

Ao considerar o vento durante o dimensionamento de um telhado, é fundamental utilizar a carta de ventos da localização em que a edificação será construída. Afinal, para cada região do País existe um valor a ser considerado no projeto. Além disso, se o edifício estiver localizado no alto de um morro ou ele apresentar muitos andares, é preciso estar ciente que a pressão exercida por essa força da natureza será ainda maior.

4. Vazamento de água

Em muitos casos, é comum as telhas apresentarem ótimo estado de conservação. Entretanto, a água da chuva passa por essa estrutura, o que normalmente faz com que problemas ocorram em médio/longo prazo. Quando isso acontece, ocorre um fenômeno chamado de transbordamento — é normal as pessoas denominarem essa ocorrência de vazamento, porém isto está errado, pois eles ocorrem nas tubulações hidrossanitárias.

São variadas as causas do transbordamento, sendo que a sua maioria está relacionada a falhas de projeto e erros de execução. Uma das origens mais comuns diz respeito ao dimensionamento incorreto da calha. Sabe-se que são poucas as edificações que desenvolveram um projeto adequado de condução das águas pluviais. Assim, as calhas apresentam um diâmetro menor do que deveria. Dessa forma, esse sistema não terá as condições de dar a vazão necessária para a água proveniente das tempestades.

Muitas vezes, a equipe de execução não toma os cuidados necessários na construção de telhados. Sendo assim acabam construindo um telhado com uma inclinação inferior da mínima exigida para determinado tipo de telha. Com isso, a água não é escoada adequadamente. Em grande parte dos casos o resultando é transbordamento, infiltrações, reformas e gasto financeiro para consertos.

Quando a edificação se encontra na divisa do terreno, outra possível causa desse fenômeno se deve à construção de um edifício mais alto. Assim, dependendo das condições climáticas, a água da chuva escorre pelas paredes desse vizinho, fazendo com que ocorra um aumento do volume que o telhado tenha que conduzir. Entretanto, as calhas não suportam essa nova vazão, o que provoca o transbordamento.

5. Entupimento de calhas

Devido à sua grande área de superfície, é normal que folhas, frutos e qualquer outro tipo de sujeira caiam sobre o telhado. Contudo, ao ocorrer uma chuva é comum esse material seja conduzido até esses condutores e, consequentemente, provocar o seu entupimento. Uma forma de impedir é instalar barreiras de proteção que impeçam a entrada desses resíduos, .

Quando isso acontece, é possível que surjam diversas patologias na edificação, como infiltrações e transbordamento do telhado. Como ocorre o escoamento da água pelas paredes, é comum o surgimento de manchas que prejudicam a estética do ambiente, além de proporcionar um local propício para a proliferação de mofo e bolor.

Para evitar esse distúrbio, o mais indicado é instalar barreiras que não permitem a entrada dessa sujeira na tubulação. Além disso, também é recomendado a realização de uma limpeza semestral, principalmente após o outono.

6. Falhas no posicionamento das telhas

Muitas vezes, apesar de o telhado ser corretamente projetado e executado, com o passar do tempo, surgem goteiras na edificação. Isso é normal e acontece devido a vários fatores, como o deslocamento das telhas devido às vibrações causadas pelo trânsito local. Além disso, outra provável causa desse problema são a incidências dos ventos.  Apesar deles não destelharem a cobertura, eles provocam a movimentação das telhas.

Esse problema também é comum nos telhados com grandes inclinações. Isso acontece pois, devido à força da gravidade, essas peças tendem a se movimentar. Entretanto, também é possível que as telhas estejam fora de seu lugar devido a erros de execução.

Quando elas não estão posicionadas corretamente, o escoamento da água fica prejudicado, o que provoca o transbordamento do telhado. Com isso, surgem no edifício patologias relacionadas a umidade. Para solucionar esse problema, o recomendado é periodicamente verificar se todas as telhas estão em seu devido lugar e reposicionar aquelas que estão deslocadas.

Entretanto, essa solução é paliativa, pois o problema ocorrerá novamente com o passar do tempo. Para que as telhas não se movimentem mais, será preciso fazer a amarração do telhado. Para isso, todas as peças devem ser amarradas com arame nas ripas de sustentação.

Apesar desse processo ser bastante simples, ele é muito trabalhoso. Entretanto, não é preciso fazer a amarração de todas as telhas de um telhado. Basta apenas fixar aquelas que foram instaladas no beiral e em, pelo menos, uma a cada quatro.

7. Rachaduras

As rachaduras são uma das principais causas da infiltração em lajes de concreto armado. Por meio delas, a água consegue entrar na edificação. Sendo assim pode-se formar diversas patologias relacionadas a umidade. Podendo, até mesmo, comprometer a estrutura do prédio. Esse problema ocorre devido a vários fatores, os quais estão relacionados com o processo construtivo, sendo que um dos mais comuns é a falha da cura do concreto.

Uma das principais formas de reparar essa patologia é com a impermeabilização. Por meio dela, ocorre o aumento da estanqueidade da laje. Esse reparo elimina os caminhos que permitem a passagem da água, impedindo a infiltração e o surgimento de novas patologias.

Como prevenir problemas em telhados, lajes e outras coberturas?

Sem nenhuma dúvida, a melhor forma de lidar com os problemas das coberturas é a prevenção. Afinal, ao realizar algumas ações, evita-se o surgimento de patologias que poderão prejudicar a estrutura da edificação, o que exige a realização de reparos dispendiosos.

Por isso, o primeiro passo para garantir uma boa cobertura é investir na produção de projeto. Por meio desse documento, o projetista determinará quais são as diretrizes que a equipe de produção deverá seguir para construir uma cobertura eficiente e que proporcione segurança aos usuários. Além disso, é preciso contratar uma mão de obra especializada e competente, a qual não tem vícios ou cometerá erros.

Outra forma de garantir a qualidade dos telhados é a manutenção preventiva. Por meio dela serão feitas vistorias para verificar se a cobertura se encontra em condições adequadas. Assim, caso perceba que existam telhas quebradas ou fora do lugar, é possível realizar reparos que impeçam a infiltração da água.

Manutenção Periódica – o segredo para evitar problemas em telhados e lajes

Também é recomendado a realização de uma limpeza periódica nas coberturas e nas calhas. Com isso, evita-se o acúmulo de sujeiras que poderão provocar o entupimento desses duto. Consequentemente, evita-se da mesma forma o surgimento de patologias relacionadas a umidade na edificação.

Para garantir uma maior eficiência do telhado, recomenda-se a instalação de uma manta térmica. Além de melhorar o conforto térmico da edificação, essa membrana impede o surgimento de goteiras, pois, por ser impermeável, garante o escoamento da água no caso de quebra das telhas.

Por final, é fundamental realizar a impermeabilização das lajes. Por ser um material poroso, é preciso que essa cobertura receba um tratamento que impeça a infiltração da água. Além disso, é preciso ficar atento com o prazo de validade desse produto. Lembre-se que ele deve ser reaplicado periodicamente para garantir a sua estanqueidade.

Como é possível perceber, existem diversos problemas em telhados e lajes, os quais podem ser evitados por meio de ações preventivas. Entretanto, caso haja uma certa omissão quanto à forma de construir uma cobertura e a sua manutenção, surgirão patologias.  Caso não sejam rapidamente consertadas, poderão prejudicar seriamente a edificação.

Caso você tenha gostado dessas dicas sobre problemas em telhados e lajes, não deixe de assinar a nossa newsletter. Assim, você receberá em primeira mão na sua caixa de e-mail as últimas novidades de nosso blog.

Devido ao maior interesse das pessoas em conservar o meio ambiente, tornou-se uma tendência — além de ser uma necessidade — fazer com que a atividade da construção civil possa ser mais sustentável. Para isso, começou-se a utilizar nos processos construtivos diversos materiais que, normalmente, seriam descartados. Entre eles destacam-se os contêineres marítimos. A construção em contêiner tem sido cada vez mais utilizada.

Com elevada vida útil, esse material proporciona economia e velocidade de execução a uma obra. Por isso, não é por acaso que a construção em contêiner tem se tornado cada vez mais comum. Entretanto, existem alguns pontos que precisam ser considerados antes de utilizá-lo na construção. Isso pois eles são excluídos após ser usado por quase uma década como compartimento de transporte.

Ao continuar a leitura deste artigo, você vai descobrir as vantagens e desvantagens de utilizar o contêiner na construção civil.

Quais são as vantagens da construção em contêiner?

Sustentabilidade da construção em contêiner

Uma das principais vantagens da construção em contêiner é a sustentabilidade. Afinal, além de reutilizar um material que seria descartado, durante a execução processo construtivo reduz-se o uso de alguns recursos naturais. Materiais como tijolo, areia, brita e aço, que são utilizados no tradicional método do concreto armado com fechamento em alvenaria.

Outro ponto importante é a possibilidade de manter a permeabilidade em até 90% do solo, já que o contêiner não necessita de uma grande área. Com isso, é possível manter intacta parte da geografia do terreno.

Praticidade e versatilidade

O uso de contêineres na construção civil é uma ótima solução para quem deseja uma obra ágil e com o mínimo de produção de resíduos. Por se tratar de um processo construtivo modular, é possível que a estrutura da edificação chegue completamente pronta até o terreno, bastando apenas realizar a sua instalação.

Após a conclusão da obra, caso seja preciso expandir a área construída, basta acoplar aos contêineres existentes outros módulos, os quais podem ser entregues prontos.

Baixo custo

Por se tratar de um material reutilizado, quando a obra é bem planejada e administrada é possível que o metro de área construída seja até 40% mais barato que o método tradicional de alvenaria. Além disso, pelo fato de a construção em contêiner ser um processo construtivo modular, o tempo da empreitada é menor, o que garante maior economia na mão de obra.

Aproveitamento do terreno

Os contêineres são projetados para suportar uma elevada carga, pois normalmente ocorre o empilhamento das unidades durante o seu armazenamento ou transporte. Dessa forma, é possível criar uma coluna de até nove peças, o que proporciona melhor aproveitamento do terreno.

Durabilidade

Apesar de o contêiner ter vida útil de apenas 10 anos como compartimento de transporte marítimo, em terra firme esse material pode ser utilizado por quase um século. Por ser construído em uma estrutura de aço, ele suporta grandes cargas e resiste a diversas intempéries.

Quais são as desvantagens da construção em contêiner?

Necessita de terreno amplo

Apesar de o contêiner utilizar pequena área do lote, é preciso que esse terreno tenha um espaço que permita a manobra das máquinas que farão a instalação dos módulos. Logo, não é recomendado o uso desse material em pequenos espaços e que apresentam difícil acesso.

Espaço

Por se tratar da reutilização de um compartimento de transporte, os contêineres apresentam um espaço pequeno e limitado, o qual não proporciona o conforto necessário para determinados usos. Além disso, essa área reduzida dificulta a elaboração do projeto e a distribuição dos módulos usados.

Uso de mão de obra especializada

Pelo fato de ser um processo construtivo modular, é preciso que haja mão de obra especializada na produção e instalação das unidades. Caso contrário, além de ter uma construção de baixa qualidade, é possível cometer erros que comprometam a estrutura da caixa. Em toda obra erros acarretam em novos custos.

Por exemplo, é necessário que a edificação seja projetada por alguém que conheça as limitações do material. Além disso, se o corte das esquadrias for feito de forma errada, deve-se fazer um reforço no contêiner.

Manutenção

Por se tratar de um material que passava parte considerável do tempo em contato com a maresia, é preciso ficar atento quanto a sua manutenção. Como é comum o contêiner ser adquirido com ferrugem, será preciso fazer um tratamento adequado para combater esse problema.

Além disso, é fundamental saber qual era a carga que esse compartimento transportava, pois existe o risco de contaminação devido à existência de algum vestígio.

Conforto térmico e acústico

Uma das principais desvantagens de utilizar a construção em contêiner é o seu baixo isolamento acústico e térmico. Afinal, dependendo da carga a ser transportada, não há necessidade de que esse compartimento apresente essas características. Assim, para ser usado como edificação, é preciso fazer adaptações, uma vez que o aço é péssimo isolante de sons e ótimo condutor de calor.

construção em contêiner

O que se deve saber para usar contêiner na construção civil?

Para garantir a sustentabilidade de uma construção em contêiner, é preciso que haja a reutilização do material. Caso o proprietário adquira um compartimento novo, a edificação provocará o mesmo impacto que aquela que utiliza o processo construtivo tradicional. Caso haja reaproveitamento do material, é preciso tomar alguns cuidados. Esse cuidados visam evitar o surgimento de patologias na edificação e a contaminação dos usuários.

Para poder reaproveitar um contêiner, o primeiro passo é analisar a documentação desse compartimento. Para isso, é preciso verificar se essa unidade pode ser usada para outros fins além do transporte de carga. Também é recomendado descobrir qual tipo de material foi transportado por essa caixa. Lembre-se que existe a possibilidade de haver contaminações em alguns casos. Outro ponto a ser considerado é a estrutura, pois não deve existir nenhuma avaria que a comprometa.

Finalmente, por se tratar de uma edificação, é fundamental que haja projeto. Dessa forma, será possível identificar quais soluções deverão ser usadas para melhorar o uso da construção e para proporcionar mais conforto térmico e acústico. Não se pode esquecer dos projetos complementares, pois é preciso saber a forma mais eficiente de fazer as instalações hidrossanitárias e elétricas desse edifício.

Como é possível perceber, apesar de existirem algumas desvantagens, a construção em contêiner é uma ótima alternativa. Eles permitem construir com velocidade, economia e sustentabilidade. Contudo, é preciso tomar alguns cuidados para que essa alternativa construtiva traga os benefícios desejados.

Caso você queira ficar sempre por dentro das últimas novidades da construção civil, não deixe de seguir nossa página no Facebook e o nosso perfil no Instagram e no LinkedIn.

Para garantir um ambiente agradável de trabalho, é fundamental desenvolver meios que proporcionam mais segurança e conforto aos colaboradores de uma indústria. Além disso, é preciso controlar a temperatura dos equipamentos para que eles funcionem de maneira adequada. Sendo assim, o modo mais viável para alcançar esses objetivos é investir em uma solução de isolamento térmico industrial.

Para ser eficiente, cada indústria apresenta necessidades diferentes, o que exige uma correta análise das condições existentes na empresa. Apesar de muitas companhias conhecerem as vantagens do isolamento térmico — sobretudo no que diz respeito à economia de energia —, ainda é comum utilizarem essa solução de maneira inadequada, o que proporciona resultados abaixo do esperado.

Sabendo disso, reunimos neste pequeno guia algumas informações valiosas sobre a importância e como fazer corretamente o isolamento térmico em uma indústria. Tenha uma boa leitura!

Qual é a função do isolamento térmico industrial?

Conceitualmente, o isolamento térmico é a capacidade que um determinado material apresenta de evitar a troca de energia térmica entre dois meios distintos. Assim, ao aplicar essa solução em uma indústria, é utilizado um composto que apresenta baixa condutividade de calor em uma superfície. O que impede a dissipação de energia e resulta na manutenção da temperatura ambiente.

Logo, ao ser utilizado esse mecanismo, se mantém o conforto térmico local, o que garante um ambiente adequado para o trabalho dos colaboradores. Além disso, para ocorrer o seu bom funcionamento, os equipamentos precisam ser utilizados em uma temperatura adequada, o que garante maior eficiência e menor consumo de energia.

Quais são os principais cuidados?

Para garantir maior eficiência de um sistema de isolamento térmico industrial, é preciso tomar alguns cuidados durante o desenvolvimento e a execução dessa solução. Sendo assim, reunimos a seguir uma pequena lista com 5 dicas do que é preciso fazer para garantir bons resultados. Confira!

Tenha um bom projeto

Como é possível perceber, o isolamento térmico propicia diversas vantagens a uma indústria. Entretanto, para que esse sistema seja eficiente, é preciso que haja um bom planejamento. Para isso, o primeiro passo é desenvolver um bom projeto, que determinará todas as diretrizes que deverão ser seguidas.

Assim, o projetista conseguirá definir quais são as soluções mais eficazes para cada tipo de empresa. De modo a proporcionar o resultado esperado pelos gestores. Afinal, devido a grande variedade de isolantes térmicos existentes no mercado — os quais apresentam os mais diferentes níveis de condutividade térmica —, o profissional deve escolher aqueles que proporcionam o melhor custo-benefício.

Considerar as características da indústria

Conforme já explicamos, existe uma grande variedade de isolantes térmicos no mercado, os quais são indicados para determinadas situações. Assim, é preciso considerar as particularidades da indústria para escolher o composto mais eficiente e que trará os melhores resultados.

Além de escolher o material mais adequado, alguns tipos de indústria necessitam da realização de algumas técnicas especiais para estabilizar a temperatura dos equipamentos. Com isso, é preciso ficar atento, caso seja necessário associar o sistema de isolamento térmico com alguma metodologia específica e que garanta uma maior eficiência do sistema.

Conhecer os principais tipos de isolamentos

Além de considerar as particularidades existentes nos processos industriais, para garantir mais eficiência no isolamento térmico, é preciso avaliar as características de cada material. Cada solução apresenta graus de condução de calor e aplicação distintas, que devem ser consideradas durante o desenvolvimento do projeto e a escolha das soluções.

Além de levar em conta a capacidade do material de manter o conforto ambiental, também é preciso analisar os outros benefícios que ele oferece, como o isolamento acústico. Assim, dentre as várias opções encontradas no mercado nacional, é possível avaliar qual delas proporcionará as maiores vantagens e o melhor custo-benefício.

Procurar as soluções mais eficientes

Para garantir um melhor isolamento térmico industrial, conforme já explicamos, é preciso analisar diversos fatores das soluções existentes no mercado. Assim, ao considerar as necessidades específicas da empresa, em conjunto com as vantagens oferecidas pelo material, é possível escolher aquela que será mais eficiente em garantir um melhor controle sobre a temperatura.

Além disso, é preciso considerar a fonte que origina o calor. Afinal, como ele pode ser transmitido por 3 formas distintas é preciso escolher uma solução que impeça essa troca de temperatura. AS 3 formas de transferência de calor são a condução, a convecção e a radiação.

Apesar de a grande maioria dos produtos encontrados no mercado lidar apenas com a condução, o que corresponde a 10% da transferência de calor em uma edificação, é possível encontrar um produto que combate todas as três formas de transmissão.

Realizar uma instalação correta do isolamento térmico industrial

Um dos segredos para garantir a eficiência e a qualidade de um sistema de isolamento térmico é a correta instalação dessa solução. Para isso, é recomendado a contratação de uma equipe especializada, com referências. Dessa forma contarão com profissionais que estão acostumados e saibam como trabalhar corretamente com esse produto.

Caso contrário, é possível que ocorram falhas durante a execução do serviço, o que prejudicará o desempenho do produto. Com isso, além de não proporcionar os resultados esperados, para resolver o problema será necessário fazer reparos. Reparos não programados configuram como novos custos e retrabalho. Dessa forma uma solução definitiva, bem planejada, e bem executada é um investimento de retorno rápido.

Qual é a importância do isolamento térmico industrial?

Uma das principais vantagens proporcionadas pelo isolamento térmico industrial é a redução do consumo de energia. Afinal, pelo fato dessa solução evitar a emissão de calor, uma indústria gastará menos com combustíveis para manter um fluido em uma determinada temperatura — seja ela alta ou baixa. Além disso, pelo fato de o ambiente ficar mais fresco, serão necessárias soluções mais econômicas para manter o conforto térmico.

Outra vantagem do isolamento térmico é a possibilidade de manter controlada a temperatura dos equipamentos. Com isso, evita-se o desgaste precoce desse maquinários, além de garantir o seu bom funcionamento.

Ao fazer esse investimento, também se consegue benefícios relativos à segurança e ao conforto térmico do trabalhador. Com o isolamento, o colaborador fica protegido de queimaduras causadas devido às baixas e altas temperaturas. Logo trabalhará em um ambiente com uma sensação térmica mais adequada.

De qualquer forma, é muito importante considerar as diversas questões relacionadas ao isolamento térmico industrial. Isso proporciona os resultados esperados pelos gestores, além de garantir uma maior eficiência desse sistema.

Caso você tenha gostado dessas dicas e queira aprender um pouco mais, que tal descobrir como melhorar o conforto térmico segundo as regras de ergonomia? Até o nosso próximo artigo!

Cuidar do conforto térmico é uma prática essencial para qualquer ambiente. Garantir que o espaço tenha as temperaturas certas ajuda a diminuir os incômodos com o frio e calor. Mas, para isso, é preciso recorrer às soluções adequadas. Em geral, as construções tradicionais não contam com nenhum elemento para obter o isolamento. Então, uma das possibilidades é a manta térmica para telhado.

Feita de maneira especial, ela é voltada para garantir a total proteção contra a perda ou absorção de calor. No entanto, há muitos modelos e estilos no mercado, o que pode gerar dúvidas na hora de escolher.

Para que não restem questionamentos, acompanhe os próximos tópicos. Você vai entender melhor o que é uma manta térmica, como utilizá-la e algumas dicas para selecionar a mais indicada para as suas necessidades. Boa leitura!

1. O que é uma manta térmica

A manta térmica é um produto com características especiais voltadas para o controle da temperatura de um local. Ela pode ser usada em ambientes residenciais, áreas comerciais ou industriais.

Antes de saber qual é o melhor modelo para comprar, o ideal é reconhecer as características específicas desse produto. Assim, fica muito mais fácil fazer uma boa escolha. A seguir, confira quais são as informações importantes sobre a manta térmica.

1.1 Como a manta térmica é feita?

A manta térmica é produzida em rolos, como se fosse de um tecido. A diferença é que ela é feita de maneira especial e tem o propósito de ajudar a dissipar o calor e a isolar o ambiente da perda ou do ganho de temperatura.

Um isolante térmico tradicional normalmente é feito de materiais como lã de vidro, rocha, poliuretano ou isopor, e exige um espaço de ar que pode gerar custos e dificuldades de instalação. Uma manta térmica comum, no entanto, conta com revestimento aluminizado e protege o local da radiação, além de garantir uma aplicação fácil. A manta térmica 3TC protege o ambiente das três formas de transferência de calor, sendo assim uma solução mais completa.

Nesse tipo de produto, as faces exteriores são refletivas. Esta característica ajuda a evitar o ganho de temperatura e a perda de calor no frio, mantendo o ambiente com um clima agradável.

1.2 Para que ela serve?

Como deu para perceber, a manta térmica tem a função de diminuir a troca de calor entre um ambiente interno com o seu ambiente externo. Isso significa que, após a sua aplicação, é difícil sofrer com o calor ou com o frio no local protegido.

Tal situação acontece porque, em primeiro lugar, a manta auxilia a resguardar o espaço da radiação solar. Os raios são refletidos em vez de serem absorvidos, o que evita a elevação da temperatura.

Além do mais, a camada interna é feita com um excelente isolante térmico. Então, o calor é impedido de passar, mesmo quando é gerado por condução ou convecção. Se não consegue entrar na estrutura, ele também não sai. Na prática, isso significa que o interior da casa fica confortável até quando o ambiente externo estiver mais frio — afinal, ela não perde calor para o lado de fora da casa.

Apesar de não ser a sua função principal, a manta térmica também pode ajudar a isolar ruídos, melhorar a durabilidade do telhado e a proteção do imóvel, em geral.

2. Como utilizá-la no telhado

Para garantir a proteção adequada, a manta térmica para telhado precisa ser instalada corretamente. O processo exige que os passos sejam executados de acordo com a fase da construção e com o tipo do telhado. Assim, é possível deixar a construção preparada.

A seguir, veja quais são os principais tipos de telhados, como é feita a instalação da manta térmica e outras informações importantes.

2.1 Quais são os tipos de telhados?

Antes mesmo de pensar em escolher a manta térmica para telhado, é preciso conhecer quais são os tipos existentes. Desse jeito, é possível reconhecer qual solução se encaixa melhor em cada proposta. Na sequência, descubra quais são os principais modelos disponíveis.

2.1.1 Cerâmico

O modelo feito com telhas cerâmicas é provavelmente o mais famoso e utilizado. O material de cobertura surge em cores diversas, mas a terracota é a mais comum. Apesar da baixa porosidade, a cerâmica ainda absorve parte da água, o que exige um cuidado especial em certos ambientes.

As telhas surgem em vários formatos, como as românicas, germânicas e embutidas. Em geral, não aguentam o peso de alguém que caminha sobre elas, demonstrando o cuidado exigido na manutenção.

2.1.2 Metálico

O telhado metálico pode ser feito com telhas de zinco, galvalume, entre outros materiais menos utilizados. Ele oferece bastante praticidade na instalação, mas não é tão efetivo no controle contra a temperatura. Por se tratar de um excelente condutor de calor, exige um tratamento especial.

Por causa das suas características, é empregado em indústrias e ambientes comerciais, como galpões. Também é bem aplicado em terraços e coberturas como uma solução de baixo custo.

2.1.3 Madeira

De aspecto rústico, o telhado de madeira oferece uma estrutura de fácil acesso. Normalmente, é composto por placas posicionadas sobre as diversas ripas, feitas com o mesmo material.

A madeira é utilizada em imóveis com uma proposta rústica e é menos comum em espaços comerciais e industriais.

2.1.4 Vidro

Embora seja menos recorrente, o telhado de vidro aparece em algumas residências. As telhas são feitas com um vidro especial e reforçado, que normalmente permite a passagem de radiação. No entanto, a troca de calor não ocorre, o que leva ao aumento da temperatura do ambiente, como em uma estufa. Neste tipo de telhado o foco é o acabamento, e não é recomendado instalação de manta térmica.

Por causa de suas características, é uma escolha mais indicada para certos pontos da casa, como em claraboias ou áreas em que o sol não bate. Também é adotado em jardins de inverno e pergolados.

2.1.5 Cimento

Novidade no mercado, o telhado de cimento oferece ótimo custo-benefício. É semelhante ao de cerâmica, com a diferença de que não absorve a água da chuva. A versão de fibrocimento é interessante por ser leve, resistente e muito funcional. Quando bem aplicado, é uma alternativa que atende às principais expectativas.

Além do material utilizado, os tipos de telhado variam de formato — especialmente em relação ao escoamento.

2.1.6 Uma água

O telhado uma água é aquele que só tem uma face de escoamento. É muito utilizado para construções menores ou simples, além de ser indicado para ambientes com baixa necessidade de vazão. Para instalar a manta térmica, as dificuldades são pouca, pois há apenas uma área que deve ser coberta.

2.1.7 Duas águas

Já o telhado duas águas é o que conta com duas faces. Está entre os mais utilizados e dá conta de boa parte das necessidades de escoamento de água nos espaços. Nesse tipo de material, cria-se um ponto chamado de cumeeira, que é onde as duas faces se encontram. A instalação da manta térmica normalmente acontece nesse ponto.

2.1.8 Três águas

O telhado três águas tem formato triangular, pois esse tipo apresenta três áreas de escoamento de água. O ponto de encontro dos três formas a cumeeira principal, que também serve de apoio para a instalação da manta térmica para telhado.

2.1.9 Quatro águas

O quatro águas conta com quatro espaços de escoamento, como o nome indica. Esse tipo de telhado tem a melhor vazão para uma grande quantidade de água, o que o torna ideal para ambientes muito chuvosos. Feito com platibanda ou de modo aparente, exige cuidado nas emendas.

2.1.10 Curvo

O telhado curvo é menos usual e é aplicado com frequência em projetos bem modernos. Aparece de forma simétrica ou assimétrica. Na instalação da manta térmica para telhado, exige que o produto acompanhe toda a sua área.

2.2 Como é feita a instalação?

A aplicação precisa ser executada com muito cuidado. É preciso cobrir toda a área dessa região, o máximo possível dentro das possibilidades da obra, de modo a impedir a passagem de calor, água ou outros elementos.

A manta 3TC, especificamente, é aplicada na subcobertura, ou seja, abaixo das telhas. Dependendo do caso, ela também pode ser instalada na laje superior — o importante é criar uma camada de proteção acima do ambiente, de modo a evitar que a temperatura invada o espaço.

O modelo mais simples é com ripas de madeira, como o telhado cerâmico, de cimento ou mesmo de madeira. Nesse caso, a manta é aplicada no “corpo” da estrutura para garantir que as telhas fiquem bem posicionadas acima.

O telhado metálico, por sua vez, exige o uso de elementos como fita adesiva para pregar em toda a área de apoio. Telhados metálicos são mais comuns em galpões industriais, e o 3TC pode ser instalado sem retirar as telhas. A instalação é feita diretamente nas terças, como você pode ver em nosso manual de instalação. Em todos os casos, é indispensável contar com profissionais capacitados, experientes e habilidosos o bastante para executar o procedimento.

2.3 É possível aplicar a manta após a construção?

Muita gente ainda tem dúvidas se a instalação da manta térmica para telhado só pode ser executada na fase de construção. A boa notícia é que, na maioria dos casos, é possível apresentar soluções mesmo após a finalização da etapa. Imóveis em uso, portanto, podem se beneficiar dessa possibilidade.

O processo pode se tornar um pouco mais complexo quando se trata de uma opção já em uso. No entanto, esse não é um empecilho para uma equipe realmente preparada.

3. Como escolher a manta certa

Para que tudo saia conforme o planejado, é essencial fazer uma boa escolha da manta térmica para telhado. Entre tantas opções no mercado, torna-se imprescindível conhecer o que faz sentido para as necessidades específicas.

Na sequência, veja quais aspectos considerar para selecionar o melhor tipo e veja como direcionar a sua decisão corretamente.

3.1 Verifique o controle da transmissão de calor

Como dito, o calor não é transmitido por apenas uma maneira. Além da condução — ou por contato —, ele pode se movimentar por convecção e radiação. O problema é que a maioria das mantas térmicas só considera o primeiro método. Como resultado, o que é gerado e movimentado pelos outros meios circula livremente para dentro do ambiente.

O ideal, portanto, é escolher um material cuja tecnologia seja capaz de lidar com as três formas de transmissão. Os raios de radiação, por exemplo, têm que ser refletidos, enquanto o calor da radiação ou da convecção não deve conseguir vencer a barreira e entrar no ambiente. Desse jeito, é possível conquistar um imóvel realmente protegido.

3.2 Opte por uma alternativa com dupla face refletiva

Assim como acontece com uma garrafa térmica, a manta aplicada no telhado deve conter duas faces refletivas. Se apenas uma delas for desse tipo, há uma perda sensível de eficiência. Como se sabe, perder capacidade no isolamento térmico significa troca de calor e desconforto no ambiente.

Portanto, abra mão das opções que têm apenas uma face. O produto no estilo sanduíche, que conta com isopor no meio das faces metálicas refletivas, é muito adequado e garante o alcance dos efeitos esperados.

3.3 Escolha uma alternativa versátil

Outro ponto relevante é selecionar uma manta térmica para telhado que seja versátil. É importante que ela ajude a evitar o ganho de temperatura no verão e a perda de calor no inverno. Somente desse jeito é possível chegar ao conforto térmico por completo.

Também é interessante pensar em uma alternativa capaz de oferecer isolamento acústico, além do térmico. Ao evitar os diversos ruídos no ambiente, ele se torna ainda mais confortável de estar.

3.4 Pense na praticidade de instalação

Não dá para ignorar questões como a facilidade de instalação. Acima de tudo, a manta térmica para telhado tem que ser prática e simples de ser aplicada, pois isso ajuda a garantir a máxima eficiência e a obtenção dos resultados desejados.

Nesse sentido, é muito importante que o modelo não precise de espaço de ar, como a maioria das aluminizadas precisa. Isso evita a exigência de uma área maior, além de facilitar a manutenção.

Também é interessante que ela possa ser aplicada após a construção e em qualquer tipo de telhado. Tanta adaptabilidade faz com que o processo cumpra todas as expectativas, sem a exigência de gastos extras.

3.5 Avalie a durabilidade

Não dá para se esquecer da durabilidade do material. É indispensável que ela seja feita com componentes de alta qualidade e com um procedimento exclusivo, capaz de conferir um excelente resultado.

Investir em uma boa escolha significa não ter que trocar o material e aproveitar os melhores impactos ao longo do tempo. Trata-se, portanto, de um investimento com grande retorno quando é feito da maneira adequada.

Uma manta térmica para telhado que atende aos requisitos é a 3TC. Capaz de oferecer um excelente desempenho e de fácil aplicação, ela não é como as aluminizadas comuns. De face dupla e sem a necessidade de um espaço de ar, oferece o isolamento térmico necessário para obter o máximo conforto. Como consequência, é uma escolha interessante para todo tipo de telhado.

Tanta versatilidade também a torna uma opção que é indicada para qualquer tipo de imóvel. É possível, inclusive, realizar um estudo de viabilidade para verificar a possibilidade de produção com dimensões personalizadas.

4. Vantagens de contar com uma manta

Recorrer a uma manta térmica para telhado traz muitos benefícios. Esse produto, como visto, oferece características especiais a partir da sua fabricação e aplicação nos diversos tipos de telhado.

Para se convencer de que essa é a melhor escolha para o imóvel, veja por que vale a pena fazer esse investimento.

4.1 Deixa os espaços com temperaturas adequadas

Sentir muito calor ou frio faz com que o corpo não funcione da maneira adequada, o que torna a experiência de estar no ambiente desagradável. Com a manta térmica, esses problemas são resolvidos, proporcionando um conforto térmico às pessoas ali presentes.

Em uma casa, significa ter um lar mais arejado no verão ou que não perde tanto calor no inverno. Em um ambiente de trabalho, as condições ergonômicas e de salubridade são favorecidas. Tudo isso leva a uma melhor experiência, mais produtividade e satisfação com o espaço.

4.2 Aumenta a eficiência energética

Quando o ambiente sofre com a transmissão de calor, é comum que ele experimente um aumento considerável no gasto energético. Uma casa sem o devido isolamento, no verão, exige mais do ar-condicionado. No inverno, pode ter um uso ampliado do aquecedor ou do chuveiro elétrico, por exemplo.

Com a aplicação da manta térmica para telhado, por outro lado, é possível aumentar a eficiência energética do local. Com uma temperatura adequada e relativamente constante, torna-se necessário usar menos os equipamentos para obter conforto. Isso pode provocar uma significativa diminuição do valor da conta de luz.

Seja em uma empresa, seja em um lar, essa mudança pode criar, a longo prazo, condições para uma série de investimentos na infraestrutura do próprio ambiente.

4.3 Evita a ocorrência de infiltrações e goteiras

Não é só o calor que encontra um bloqueio de passagem. Com a manta térmica para telhado, é possível evitar a ocorrência de infiltrações ou goteiras — principalmente, aquelas causadas pela chuva.

Um telhado cerâmico, por exemplo, sofre com a absorção da água. Portanto, sem a devida proteção abaixo das telhas, a água pode se infiltrar na laje ou mesmo na estrutura da casa. A manta, por sua vez, impede esse processo e ajuda, inclusive, a aumentar a resistência e o tempo de vida do telhado.

4.4 Apresenta baixa necessidade de manutenção

Quando bem selecionada e aplicada, a manta funciona de maneira contínua, sem dar problemas ou dores de cabeça. Trata-se de um item capaz de resistir a condições intensas, como altas temperaturas do verão brasileiro.

Além de reduzir gastos após a aquisição e instalação, é uma questão que diminui a preocupação com as manutenções do telhado. Afinal, na maior parte dos imóveis, o acesso ao telhado é difícil. Se fosse preciso fazer a manutenção constante, os demais benefícios seriam menos interessantes. Por outro lado, a aplicação fácil e o funcionamento descomplicado fazem com que você não tenha que se preocupar com a manta.

4.5 Garante máxima acessibilidade

Apesar de o material ter um funcionamento inteligente, ele é bem mais em conta do que pode parecer. Mesmo ao escolher uma tecnologia de ponta, é possível fazer uma contratação por um valor que cabe no bolso.

Os números se tornam especialmente interessantes quando é feita uma análise sobre o custo-benefício. A economia de energia, o aumento do conforto e a grande durabilidade fazem com que a manta térmica se transforme em um investimento com excelente potencial. Para completar, contar com essa proteção é um dos fatores que contribuem para a valorização do imóvel.

4.6 Amplia a sustentabilidade

A aplicação de uma manta térmica para telhado exige, em primeiro lugar, materiais que podem ser reciclados. Boa parte do produto não é descartada após o uso prolongado, o que evita a geração de uma grande quantidade de resíduos.

A garantia de sustentabilidade, entretanto, existe por causa da economia que essa instalação é capaz de causar. Ao regular a temperatura em níveis agradáveis, é preciso usar menos energia elétrica dos climatizadores. Isso gera, afinal, um resultado bem mais interessante, que torna o imóvel amigo da natureza em todos os sentidos.

4.7 Ajuda a aumentar a segurança

Por fim, recorrer à instalação da manta é um jeito de garantir segurança para o imóvel. Primeiramente, esse é um elemento que ajuda a evitar a entrada de itens estranhos, como sujeiras e insetos. Trata-se também de um item à prova de roedores. Ainda sobre os organismos vivos, o produto não acumula bactérias e fungos, o que é ótimo para os alérgicos.

Outro ponto importante é que a manta não propaga fogo. Qualquer princípio de incêndio não tem continuidade até o telhado, o que ajuda a garantir uma atuação rápida e eficaz da segurança.

A manta térmica para telhado é uma solução versátil e repleta de qualidades. Ao fazer a sua escolha considerando as necessidades particulares do projeto, é o investimento certo para garantir conforto e bem-estar dentro de qualquer ambiente.

Gostou de saber como funciona a manta térmica? Entre em contato conosco da 3TC, tire as suas dúvidas e faça já o seu orçamento!

Quando se fala em revestimento de teto, certamente o forro de gesso é um dos primeiros a ser considerado por clientes e profissionais. Afinal ele é considerado versátil e pode ser utilizado de várias formas. Dentre elas, o gesso pode ser utilizado como forro, mas também como rebaixamento de teto. Sabe-se que é um dos materiais mais utilizados em reformas residenciais, comerciais e industriais.

Primeiramente, vamos entender tecnicamente este material. O gesso é um aglomerante simples, constituído basicamente de sulfatos mais ou menos hidratados e de anidros de cálcio, obtido pela calcificação da gipsita. Além disso, tem como propriedades pega e endurecimento rápido, boa aderência. Dentre os acabamentos possui bom isolamento térmico e acústico, é resistente ao fogo, e tem estabilidade volumétrica em local seco e superfície lisa.

Sanca de gesso

Tipos de forro de gesso

Em se tratando de forros, dois tipos são comumente utilizados no Brasil: o tradicional e o acartonado. O primeiro é constituído por placas moldadas de gesso no tamanho de 60 x 60 cm, com encaixes do tipo macho e fêmea. As placas são fixadas no teto com arames galvanizados de conformidade com a especificação da obra.

Ademais, o gesso acartonado é composto de papel cartão e gesso, são placas maiores e mais finas. A instalação ocorre por três sistemas: o estruturado, o aramado e o removível. O estruturado é o mais utilizado, consiste em pendurais rígidos reguláveis e canaletas metálicas galvanizado. Segundo, o aramado é composto de pendurais de arame galvanizado, com peças metálicas zincadas tipo “H”. Geralmente utilizado em locais menores e forros mais econômicos. Já o removível tem como principal característica a possibilidade de visitação de equipamentos instalados na parte superior. É estruturado com pendurais de arame galvanizado, perfis de aço galvanizado com pintura eletrostática.

Teto rebaixado de gesso

Vantagens e desvantagens do forro de gesso

De uma forma geral, os forros e rebaixamento de gesso tem um forte apelo estético. Além disso são muito usados para embutir iluminação ou disfarçar vigas indesejáveis. Em segundo lugar ele possui boas propriedades térmicas e acústicas e sua flexibilidade possibilita a criação de diversas formas. Uma das grandes desvantagens é a baixa resistência à umidade, não podem ser instalados em áreas externas, e a utilização em áreas úmidas deve ser bem avaliada.

Porém, cada tipo de forro, o tradicional e o acartonado, possuem características distintas e cabe avaliar qual é o mais adequado para cada situação. Abaixo, reunimos os prós e contra de cada tipo de forro de gesso.

Forro de Gesso Tradicional

Vantagens: ele ainda é mais barato que o gesso acartonado; porém é mais resistente à umidade e apropriado para ambientes menores.

Desvantagens: é mais sensível aos efeitos da variação térmica, podendo estalar ou trincar com facilidade. O processo de instalação produz muita sujeira. Possibilidade de surgir manchas amareladas e ataque de fungos. É mais pesado que o acartonado e demanda mão de obra especializada. Se precisar de manutenção, o forro tem que ser destruído.

Forro de Gesso Acartonado

Vantagens: Facilidade de instalação; produz menos sujeira que o tradicional. Ademais, a manutenção é simples, se precisar remover alguma placa é possível remendar; possui menor peso; menos sujeito a manchas; há chapas que podem ser curvadas.

Desvantagens: mais oneroso que o tradicional, baixa resistência à umidade; necessita de mão de obra qualificada.

3TC Isolamento e os forros de gesso

Anteriormente vimos que o gesso é um material que responde bem térmica e acusticamente e essa propriedade pode ser otimizada com a utilização do nosso produto. A instalação do 3TC acima do forro como manta térmica é muito simples, veja só: ele ficará por cima do forro, podendo ser parafusado em montantes metálicos. Em relação aos sistemas de instalação dos forros de gesso acartonado, os tirantes podem atravessar o 3TC, não havendo nenhum prejuízo em relação à eficiência do produto.

Sem dúvida, os forros e rebaixamentos de gesso agregam um valor estético considerável à obra, resultando em ambientes belos e aconchegantes. E então, qual o melhor forro para sua obra? Compartilhe com a gente!

 

Hoje em dias novos projetos e reformas na construção civil estão em todos os lugares. As preocupações de quem está realizando ou pagando pelo serviço são as mesmas: custo, tempo de instalação e benefícios. Ou seja, é uma questão de custo e controles. Sendo assim é preciso analisar minuciosamente a relação custo-benefício dos serviços acabados. Pensando nesta questão que tecnologias de instalação fácil, rápida, com um custo acessível surgem no mercado. Tecnologias como o drywall. Hoje em dia existe um movimento para informar e treinar profissionais para capacitá-los a realizar instalações técnicas. Estas tecnologias não são tão novas assim em outros países, mas tem se tornado cada vez mais utilizadas aqui por conta dos vários benefícios.

O que é Drywall?

Drywall em tradução livre significa “parede seca”, e está relacionado à construção seca. Da mesma forma, o este método de construção pode incluir forros de gesso, placas cimentícias, woodrame e steelframe. De maneira geral a tecnologia consiste num sistema de vedação composto por uma estrutura metálica de aço galvanizado ou ripas de madeira, e placas ou chapas aparafusadas nesta estrutura. Desta forma esta tecnologia não necessita de argamassa para sua execução, reduzindo assim a quantidade de entulhos e é bem mais rápida. As paredes de Drywall fazem parte da construção a seco.

A propósito, prédios inteiros estão sendo construídos desta forma hoje em dia. Por causa da praticidade, o drywall é mais utilizado em reformas, principalmente em escritórios, lojas e salas comerciais. Esta tecnologia reduz e muito o tempo de duração se comparado a um sistema de alvenaria tradicional, com menos entulho. De acordo com a Associação brasileira do Drywall o consumo do material no ano de 2013 foi de 50 milhões de metros quadrados.

3TC Isolamento - Drywall

Cada obra tem uma característica diferente e necessidade diferente, por isso as placas de drywall possuem algumas alternativas que podem ser priorizadas. Exatamente por isso compilamos a lista abaixo para que você saiba mais um pouco sobre cada tipo de placa:

Chapas de gesso Standard (ST) Cor branca.

A chapa Standard (ST) é recomendada para uso geral em áreas secas, emprega-se em paredes e forros do sistema drywall.

Chapas de gesso Resistentes à Umidade (RU) Cor verde.

Esta variedade é indicado para os “ambientes molhados”: ambientes sujeito a respingos ou que tenha alta taxa de umidade. Exemplos: banheiros, áreas de serviço, cozinhas, dentre outros. Nestes locais é imprescindível a utilização da chapa verde de drywall do tipo RU, que possui em sua composição química, componentes hidro fugantes, que protegem a superfície contra umidade.

A placa de gesso RU não é a prova d’água e por isso não recomenda ser usado em teto, sobre piscina ou sauna, já que o nível de água/umidade recebida pela placa nestes ambientes é constante, e resultará na deterioração do material. É recomendado apenas como fechamento vertical nas paredes.

Nota importante: é importante realizar a impermeabilização da chapa verde na maioria dos casos. Recomenda-se a impermeabilização da base da parede e revestimentos em drywall com chapas RU, evitando infiltração pelo solo ou pela parede.

Gesso RU

Chapa verde (RU) é a recomendada para assentamento de cerâmica, pois a argamassa colante é misturada com água. No caso de uma chapa Standard, a placa absorve a água e, com o tempo, acaba descolando a cerâmica assentada. Para fixação da cerâmica utiliza-se argamassa tipo AC II ou AC III.

Chapas de Gesso Resistentes ao Fogo (RF) Cor rosa.

Esse tipo de placa de gesso possui, dentro outros componentes, a fibra de vidro em sua fórmula. A fibra de vidro é um material com muita resistência ao calor e ao fogo. Por isso, são bastante indicadas para escadas enclausuradas, saídas de emergência e áreas com risco de incêndio. Resistência ao fogo quer dizer o retardamento das chamas se comparado às chapas ST, obedecendo as normas da NBR 15575.

3TC Isolamento e Drywall ripas de madeira

Chapas de Gesso Acústicas

Um grande problema da construção em drywall consiste no isolamento térmico e acústico da estrutura. Para isso existem as chapas acústicas com poder de absorção e reverberação sonora. Além disso elas também podem contribuir na renovação do ar e são indicadas para restaurantes, bares e locais que necessitam de um reforço no isolamento acústico. Para o isolamento térmico, o produto mais indicado é o 3TC Isolamento de 10mm, garantindo conforto térmico e eficiência energética. Para um reforço acústico, recomenda-se isolamento fibrosos de alta densidade.

Placas Cimentícias

As placas cimentícias costumam ser mais caras que as placas de gesso pois seu método de fabricação precisa de mais recursos. Ela é mais utilizada nas áreas externas por oferecerem mais resistência à ação do tempo que placas de gesso. Além disso o processo de instalação dela é bem parecida com o das placas de gesso. Para não ter problemas, o segredo é seguir as diretrizes técnicas de instalação de cada fabricante.

Algumas vantagens dessa tecnologia incluem a alta durabilidade e resistência ao fogo. Ademais, elas podem receber diversos tipos de acabamento ou revestimentos, como pintura, textura, cerâmica e pastilhas, podendo até mesmo ficarem aparentes.

Desvantagens

A desvantagem das placas cimentícias é que o manuseio é bem mais difícil que das placas de gesso, por serem mais pesadas. Em segundo lugar elas também costumam ter um preço mais elevado tanto do m2 comprado como instalado, justamente por ser um material mais resistente e mais denso. Nesse sentido, na hora de escolher qual a melhor opção para sua finalidade, é importante utilizar o material correto para a finalidade correta. Desta forma consegue-se o melhor acabamento pelo custo-benefício mais adequado.

Caso tenha se interessado pela informação, encontramos um artigo científico que explora muito bem esse tema com diversas citações e com informações mais profundas e detalhadas sobre o tema, principalmente no que diz respeito ao comparativo das paredes de alvenaria e drywall: https://goo.gl/tF1c2Y. O artigo tem autoria de Jordana Tavares Santos e Ligia Eleodora Francovig Rachid.