Muitas pessoas já ouviram falar de conforto térmico nas edificações, mas não compreendem bem o conceito. Afinal, há muito confusão com o senso comum. No entanto, essa medida tem se tornado cada vez mais importante na construção civil, pois grande parte das regulamentações já preveem a sua obrigação nos mais diversos ambientes.

Por essa razão, preparamos um guia completo para que você não perca nenhuma informação sobre o assunto. Nós abordaremos o que é o conforto térmico do ponto de vista técnico, como ele pode ser alcançado, quais são seus benefícios e os principais ambientes que se beneficiam dele. Esperamos que você aproveite a leitura. Então, acompanhe!

1. O que é conforto térmico nas edificações

O conforto térmico é um conceito muito subjetivo, o qual pode ter significados diferentes para duas pessoas distintas. Há quem se sente bem em um ambiente mais quente, enquanto outros preferem o frio. Por essa razão, é preciso adotar um critério mais objetivo para definir o conforto térmico.

Nesse sentido, a Organização Internacional de Padronização, conhecida popularmente como ISO, criou a seguinte definição na norma 7730: “conforto térmico é o estado da mente que expressa satisfação com o ambiente térmico”. Ou seja, independentemente das preferências pessoais, ela não relata sentir nem, frio nem calor.

As sensações de incômodo pela temperatura são causadas por uma série de fatores:

  • fisiológicos, os quais representam as reações normais do nosso corpo aos estímulos;
  • físicos, como a umidade e a circulação de ar;
  • psicossociais. que sofre influência das nossas emoções e da nossa cultura.

Para que você entenda tudo sobre a importância do tema, vamos explicar cada um desses pontos.

1.1. Aspectos fisiológicos

Nosso corpo tenta sempre manter a temperatura estável entre 35º e 37,4º, podendo variar de acordo com a hora do dia. Então, diante de mudanças no clima, nossos sistemas de regulação começam a agir para entrar em equilíbrio com o ambiente. Há vários mecanismos para isso, como:

  • calafrios e movimentos musculares para provocar aquecimento;
  • aceleração e desaceleração dos batimentos cardíacos;
  • dilatação dos vasos sanguíneos da pele;
  • produção de suor etc.

Apesar de contribuir para a manutenção das funções mais nobres do organismo, todos esses processos acabam gerando bastante desconforto nas pessoas. Em alguns casos, provocam até mesmo doenças.

1.2. O aspecto físico

Há basicamente três processos de transferência de energia térmica, os quais intensificam as reações do nosso corpo:

  • condução — é o fluxo de temperatura de dois corpos quando entram em contato;
  • convecção — é a transmissão de energia por meio de fluidos. As regiões mais quentes ficam menos densas e se direcionam para cima enquanto as frias descem;
  • radiação — é a agitação das partículas provocadas pelos raios do sol ou outras fontes de calor. Ocorre à distância sem a necessidade de contato entre os objetos.

Um bom sistema de isolamento térmico é capaz de agir sobre todos essas três formas.

1.3. O aspecto sociopsicológico

Especialmente no ambiente de trabalho, o estado de espírito das pessoas pode influenciar a percepção que elas têm do calor. Por exemplo, se alguém estiver estressado com tarefas acumuladas ou cansados, provavelmente sentirão mais calor. Afinal, o nervosismo deixa nosso sistema nervoso mais sensível a estímulos.

Além disso, não podemos negar a influência cultura e regional. Um finlandês poderia achar a temperatura de 18º alta, enquanto um brasileiro estaria agasalhado nessa situação. Se alguém vivem em uma comunidade que celebra vários eventos no verão, as pessoas crescerão fazendo um vínculo positivo com ele.

Portanto, a temperatura perfeita varia bastante para cada um, porém, várias pesquisas mostram que há uma faixa agradável para a maioria da população, isto é, entre 20 e 24 graus. Por essa razão, todas as normas de ergonomia têm como base esses valores.

2. Qual a relação do conforto térmico com a saúde?

O desconforto térmico pode ter consequências negativas para a nossa saúde, especialmente nos limites de idade. As crianças não têm um sistema de regulação bem desenvolvido e pode ter variações muito grandes da temperatura corporal diante de variações rápidas do clima. Da mesma forma, ele também não funciona adequadamente. Por isso, nas ondas de calor intenso, muitos idosos acabam falecendo.

No ambiente de trabalho, os efeitos do desconforto são cumulativos. O empregado perde sua produtividade e concentração. Com isso, começam a ficar cada vez mais estressados até entrar em estágios preocupantes de fadiga. Essa é uma situação conhecida popularmente como síndrome de burnout. Executar as tarefas em um ambiente termicamente ergonômico pode melhorar bastante o humor e a motivação deles.

3. Como o conforto térmico pode ser feito?

Há várias estratégias para o isolamento termoacústico de uma construção. As próprias estruturas das paredes, do teto e dos pisos vedam a entrada de correntes de ar e a incidência direta dos raios solares. No entanto, vamos explicar como melhorar esse sistema com alguns equipamentos e materiais.

3.1. Telhas cerâmicas e metálicas

As telhas podem ser construídas com muitos materiais distintos, o que pode determinar o conforto térmico do ambiente. Por exemplo, as peças metálicas sem mantas de isolamento e lâminas refletoras acabam se aquecendo bastante com a radiação solar. Devido aos processos de convecção, o ar do ambiente interno fica mais quente e se movimenta constantemente, provocando bastante desconforto nos trabalhadores ou nos moradores. Popularmente, as pessoas chamam isso de “mormaço”. Por outro lado, com o tratamento adequado, a cobertura de metal pode apresentar uma performance superior às opções tradicionais.

Já as cerâmicas e o concreto são naturalmente bons isolantes térmicos, mas apresentam problemas para a instalação e a manutenção. Em regiões muito frias ou em ambientes com sistemas de ares-condicionados mais amplos, as mantas devem ser utilizadas para melhorar ainda mais a eficiência global da cobertura.

3.2. Drywall

Os drywalls são aquelas divisórias feitas com lâminas duplas de gesso em uma armadura metálica para facilitar a criação de cômodos dentro de um ambiente mais amplo. Além de garantir a privacidade das pessoas, eles também têm um efeito razoável no isolamento térmico. Mesmo assim, na maioria dos projetos, ainda não é suficiente para permitir um alto nível de conforto nesse sentido.

Por essa razão, os drywalls são facilmente integráveis a outros materiais isolantes térmicos como as mantas. É possível criar um sistema “sanduíche”, no qual elas são instaladas entre as lâminas de gesso. Frequentemente, esse encaixe é feito sem a necessidade de nenhum tipo de fixação ou precisa somente de uma cola especializada. Assim, evitam-se os furos que podem prejudicar a estética das paredes.

3.3. Madeira

A madeira é outro material muito utilizado para o isolamento térmico, pois tem um baixo potencial de condução de calor. No entanto, exceto em algumas partes do Sul do país, não é muito utilizada nas construções de forma geral. Isso se deve principalmente ao fato de ela se adaptar melhor em regiões mais secas.

Apesar dessas propriedades, ela não é capaz de isolar adequadamente o calor quando estamos diante de extremos de temperatura. Assim, em locais onde a máxima e a mínima variarem bastante, será imprescindível instalar também um isolante térmico especializado.

3.4. Espumas

Durante muito tempo, as espumas foram os principais materiais utilizados nas construções para o conforto térmico. Todavia suas importantes desvantagens acabaram fazendo com que sua popularidade tenha caído bastante. O principal inconveniente é o seu alto poder combustível. Então, quando entra em contato com o fogo, ela se inflama rapidamente e ajuda a propagá-lo.

Ademais, muitos gases tóxicos são liberados nesse processo. Por essa razão, em caso de incêndios, houve muitos casos em que os óbitos ocorriam não por causa de queimaduras ou de asfixia pelo gás carbônico, mas pela intoxicação causada por partículas liberadas pela espuma.

Outro problema grande era sua baixa resistência a riscos. Qualquer impacto ou atrito poderia causar uma quebra da estrutura. Isso demandava várias manutenções, além de prejudicar a estética do ambiente. Também, eram muito sensíveis à umidade e, muitas vezes, a infestação por mofo e ácaros deteriorava a estrutura e exigia uma troca completa. Por essa razão, a indústria investiu bastante na superação das espumas até desenvolver as mantas e placas térmicas.

3.5. Manta térmica

Atualmente, o principal material isolante térmico são as mantas, pois elas apresentam muitas vantagens em relação às demais. Elas funcionam de uma forma bem simples: por meio de processos industriais, as empresas melhoram a eficiência de materiais isolantes tradicionais, como a rocha, o vidro, os polímeros de carbono etc. Também, são transformados em lâminas maleáveis facilmente compactáveis e transportáveis, melhorando o seu frete e seu armazenamento nos estoques.

Com isso, pode-se também atingir o máximo grau de conforto que eles podem oferecer, pois a fabricação melhora o isolamento gerado pelo arranjo molecular das substâncias. As tecnologias mais avançadas, hoje em dia, também acoplam as mantas com lâminas refletoras, as quais reduzem significativamente a irradiação de calor para dentro do ambiente.

Um de seus principais diferenciais é a facilidade de instalação, podendo ser implementada em construções prontas ou em andamento com poucos dias. Praticamente, não é feita nenhuma mudança estrutural nessa etapa e os resultados são muito satisfatórios para os clientes. Para colher esses benefícios, por outro lado, é imprescindível contar com a ajuda de uma empresa especializada no assunto, a qual indicará as melhores tecnologias disponíveis no mercado.

A seguir, vamos falar dos principais tipos de manta térmica para que você entenda a linguagem dos vendedores!

3.5.1. Rocha

A lã de rocha, quando foi inventada, foi muito empregada em várias construções. Afinal, apresentava um excelente potencial isolante térmico e acústico, aliada a um custo relativamente barato, alta resistência e capacidade de cortar chamas. Elas são produzidas por meio de processos complexos de derretimento de rochas adiabáticas, que, então, são submetidas a altas pressões e temperaturas para formar um aspecto de trama.

Porém, ainda não era o sistema mais eficiente, pois não ele não intervia nos processos de irradiação do calor. Assim, não refletia as ondas emanadas pelo sol durante o dia e por equipamentos que produziam altas temperaturas.

3.5.2. Vidro

As lãs de vidro são bastante semelhantes as lãs de rocha e, portanto, apresentam as mesmas vantagens e desvantagens. Elas também são submetidas a altas temperaturas e pressões. Não são produzidas com os vidros diretamente, mas com a sílica, o mesmo material utilizado para fabricá-los. Por isso, são um pouco mais baratas do que as opções de rocha, mas ligeiramente menos eficientes.

3.5.3. PET

As lãs de PET são materiais mais modernos, fabricados a partir da reciclagem do plástico. Isso a torna uma opção mais sustentável, apesar de contar com algumas desvantagens importantes para serem consideradas antes da escolha. Primeiramente, não são tão eficientes em relação às lãs tradicionais nem aos novos polímeros de plástico.

Desse modo, você pode estar contribuindo com o meio ambiente por um lado, mas prejudicando em outro. Afinal, um isolamento pior significa um maior gasto energético com ares-condicionados ou aquecedores, pois haverá mais troca de calor com o ambiente externo.

Além disso, não apresentam vantagens adicionais que as demais têm, como resistência elevada ao fogo, reflexão das ondas de calor, versatilidade etc.

3.5.4. 3TC

O 3TC é uma obra da engenharia de materiais moderna, pois podemos ver como os técnicos podem analisar os principais determinantes fisicoquímicos ambientais para criar uma estrutura. Nesse caso, eles perceberam a falha das mantas tradicionais em lidar com a radiação de calor e, baseando-se nas propriedades das substâncias, conseguiram criar um sistema muito mais eficiente.

Ou seja, é a eficácia da tecnologia comprovada em pesquisas com bases em conceitos de Arquitetura, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e termodinâmica. Em outras palavras, é uma manta feita sob medida para transformar o mercado, pois age sobre todos os três processos de transmissão de temperaturas.

Ela funciona de uma forma simples: há um núcleo de um polímero plástico avançado, o EPS, aliado a películas refletivas de ligas metálicas. O EPS cuida da condução, a qual representa somente 10% das trocas de calor, e as lâminas agem sobre a radiação (responsável por até 90% do aquecimento).

Como vantagens adicionais, o 3TC também é um potente isolante acústico, podendo reduzir grande parte das formas de propagação de ruídos nos ambientes. É altamente resistente ao fogo e não produz nenhum gás tóxico nas situações de incêndios.

Também, são facilmente instaláveis, pois vêm tanto na forma de lâminas quanto de mantas. Então, são bastante práticos para as obras em andamento, pois facilitam o armazenamento e podem ser rapidamente colocados após a conclusão das principais etapas estruturais, entrando nas etapas de acabamento.

Assim, apresenta também altíssima versatilidade, podendo ser instalado em várias estruturas de construções, como paredes, pisos, tetos, e telhados. Além disso, pode ser empregada de forma inovadora nos contêineres, nas vans, nas kombis, nos food-trucks, dutos de ar-condicionado, estúdios itinerantes de música etc.

4. Quais são as vantagens de investir no conforto térmico nas construções?

O conforto térmico não é apenas uma questão secundária em um projeto, pois ele define o bem-estar das pessoas de forma determinante. Ninguém consegue permanecer produtivo ou relaxado quando está tendo problemas com calor.

Nos ambientes comerciais e industriais, por exemplo, ele faz parte das medidas de ergonomia exigidas pelas mais diversas Normas Regulamentadoras do antigo Ministério do Trabalho e Emprego. Por exemplo, a NR-17 exige que a temperatura efetiva dentro das empresas se mantenha entre 20 e 23 graus centígrados.

Além do ponto de vista humano, um bom controle de temperatura será muito importante para auxiliar na preservação de muitas materiais, peças e equipamentos de máquinas. Em algumas indústrias, por exemplo, o controle da temperatura é importantíssimo para evitar a deterioração de insumos.

Nos projetos residenciais, por outro lado, ele é imprescindível para a satisfação do cliente. Ninguém consegue habitar um local onde as variações de temperatura são muito intensas e todos querem que as moradias sejam perfeitas. Afinal, é lá que relaxamos e descansamos das nossas rotinas agitadas. Assim, é uma verdadeira medida de bem-estar, pois as reações fisiológicas, como explicamos, são realmente muito fortes e podem prejudicar a saúde

4.1. Reduz custos com manutenções

Os sistemas de climatização elétricos, como os ares-condicionados e os aquecedores, necessitam de manutenções periódicas. Caso os seus motores trabalhem sempre com uma potência muito elevada, haverá uma deterioração maior e isso demandará uma troca mais frequente de peças. Para evitar esse problema, inclusive, os isolantes podem ser utilizados nos ductos para evitar a perda de calor e manter o equipamento trabalhando em uma potência mais moderada.

Além disso, há várias máquinas que perdem a eficiência quando estão submetidas a temperaturas mais elevadas ou que não podem trabalhar sob essas condições. Esse é o caso dos computadores e dos servidores. Por mais que eles contem com sistemas próprios de resfriamento dos processadores, há um limite e o ambiente influencia bastante. Já reparou como os softwares ficam muito mais lentos nos dias quentes?

4.2. Proporciona mais bem-estar no ambiente

Esse talvez seja o ponto mais determinante, não é mesmo? A temperatura tem uma influência muito grande sob nosso humor. Quando somos submetidos a um calor muito forte, ficamos nervosos e estressados. Por outro lado, um frio muito intenso nos deixa mais quietos.

Então, o conforto térmico deve trabalhar sempre em uma zona de equilíbrio, que, de acordo com especialistas, é encontrado nas temperaturas entre 20 a 26 graus. Com isso, não são desencadeadas reações fisiológicas de suor ou calafrios. Os moradores de uma casa e os funcionários de uma empresa poderão utilizar roupas leves e muito mais confortáveis.

4.3. Aumenta a performance da equipe

A ergonomia é o estudo das condições ideais para evitar ambientes insalubres e otimizar todos os aspectos do trabalho, como conforto, produtividade, eficiência etc. Quando falamos do assunto, pensamos em cadeiras, mesas e móveis. No entanto, há outros fatores igualmente importantes, como o conforto termoacústico.

Sem ele, não há como manter equipes de alta performance. A temperatura é um grande estímulo para o nosso cérebro, pois já esteve envolvida com a nossa sobrevivência no ambiente. Então, as sensações de frio e calor “sequestram” nossa capacidade cognitiva, reduzindo vários parâmetros, como atenção, concentração, agilidade mental, sociabilidade etc.

Isso tem uma explicação médica, chamada de “descarga adrenérgica”. Literalmente, uma boa quantidade de adrenalina é liberada no nosso organismo para exigir que a gente faça algo para controlar a corporal e o foco do nosso cérebro passa a ser essa medida.

5. Onde o conforto térmico pode ser aplicado?

5.1. Indústria

Nesse setor, o conforto térmico envolve diversas questões muito importantes, como:

  • desempenho de máquinas;
  • conservação de suprimentos;
  • conformidade com as normas do trabalho;
  • bem-estar dos funcionários submetidos a tarefas extenuantes etc.

Assim, ele deve incluir medidas circulação de ar, equipamentos de aquecimento ou resfriamento, isolamento térmico etc. Ou seja, um projeto completo.

5.2. Residências

Nas residências, as pessoas devem aplicar o conforto térmico de acordo com as preferências dos moradores. Há quem prefira um ambiente mais frio enquanto outros preferem o calor. Então, aquecedores e ares-condicionados não são essenciais. No entanto, é imprescindível contar com um bom isolamento térmico em todos os casos. Isso vai impedir que os extremos de temperatura externa sejam internalizados.

5.3. Comércio

Além de todas as preocupações com equipamentos e ergonomia das indústrias, os comerciantes precisam pensar em um fator adicional, o conforto dos seus clientes. Afinal, ninguém vai ficar muito tempo em uma loja muito quente. Isso atrapalha completamente a experiência de compra.

5.4. Igrejas

Os momentos de louvor e adoração exigem muita concentração dos fiéis. Caso eles não estejam confortáveis, isso pode se tornar muito difícil, comprometendo um momento muito importante para grande parte deles.

5.5. Academias

A prática esportiva, por si só, já aumenta a temperatura do nosso corpo. Então, oferecer um espaço climatizado melhora bastante a experiência do treinamento. Isso melhora a performance dos atletas profissionais e amadores, além de ser um ponto importante de satisfação.

Portanto, você não pode negligenciar a importância do conforto térmico nas edificações, pois eles são determinantes para o bem-estar de quem as utilizará por boa parte do tempo. No comércio e na indústria, esse ponto pode ser essencial para o sucesso da sua estratégia, garantindo o máximo de produtividade dos funcionários, de eficiência das máquinas e de satisfação dos clientes. Na residência, é um fator primordial para o relaxamento após um dia cansativo de trabalho.

Quer saber como a nossa empresa pode proporcionar as melhores soluções para todos os tipos de projeto? Então, não deixe de entrar em contato com a gente!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *