Projeto mini mercado: como montar, qual o custo e mais sobre!

Projeto mini mercado: como montar, qual o custo e mais sobre!
calendar_month18/11/2022 view_list

Não importa o tipo ou tamanho do negócio, é necessário dedicação, trabalho duro e perseverança para abri-lo e mantê-lo funcionando. Na verdade, grande parte do sucesso de um empreendimento ao longo dos anos se deve às estratégias adotadas na fase de abertura. Por isso, se você tem um projeto de mini mercado, o ideal é investir forte nas fases iniciais.

Assim, neste artigo, explicamos o que é, como iniciar e produtos que não podem faltar nas prateleiras de um mini mercado. Acompanhe os próximos tópicos!

O que é um projeto de mini mercado?

No setor do varejo, o mini mercado é um tipo de estabelecimento que difere do supermercado em alguns aspectos. Embora ambos possam vender vários tipos de mercadoria (carnes, cereais, produtos de limpeza e higiene), as dimensões, quantidade de itens e localização são diferentes.

Quanto às dimensões, o mini mercado não necessita de uma grande área para funcionar. Por outro lado, os supermercados utilizam, em média, de 100 metros quadrados a 5.000 metros quadrados de espaço. No caso da quantidade de produtos, um supermercado oferece um número e variedade maior do que o mini mercado.

Falando em localização, os supermercados costumam se endereçar em grandes centros urbanos, avenidas movimentadas de bairros ou cidades e até em espaços comerciais, como: shopping centers, galerias e prédios corporativos. Por outro lado, os mini mercados, no geral, se instalam em ruas menos movimentadas de bairros e cidades.

O motivo é que visa atender regiões em que o apelo comercial não é tão forte. Embora existam minimercados em centros urbanos e vias movimentadas, são localizados de forma estratégica. Por exemplo, próximo de uma estação de metrô, ponto de ônibus, colégio, hospital etc. 

Dessa forma, atende a um público que deseja comprar itens básicos, em uma hora de necessidade, sem precisar se deslocar para regiões mais distantes. Para que um projeto mini mercado seja bem-sucedido, é necessário que todos esses fatores façam parte de um plano de ação.

Como iniciar um projeto de mini mercado?

No tópico anterior, apontamos a necessidade de um plano de ação para o projeto de mini mercado. Mas quais critérios devem ser considerados? A seguir apontamos os principais.

Planejamento

No plano de negócios, a fase de planejamento é o “pontapé” inicial. Dessa forma, em um documento, o empreendedor listará os seguintes detalhes:

  • Institucional – qual é o propósito e o tipo do negócio?
  • Recursos humanos – haverá a necessidade de funcionários? Quantos?
  • Financeiro – quanto capital será investido? Quais serão os principais custos?
  • Público – que tipo de consumidor será atendido pelo mini mercado?
  • Investimentos – haverá sócios, parcerias ou patrocínios?
  • Mercado – qual é o perfil da concorrência e tendências do setor?

Investimento inicial

Devido ao formato do negócio, o mini mercado não exige uma grande soma de capital na fase de abertura. No entanto, é essencial saber o quanto seria essa soma. Para obter esse entendimento, coloque na ponta do lápis os gastos com:

  • Aluguel (caso o imóvel não seja próprio);
  • Estrutura – móveis, prateleiras e equipamentos;
  • Produtos;
  • Funcionários (se houver necessidade);
  • Capital de giro – valor necessário para pagar as contas de um certo período (um mês ou mais) sem prejudicar a operação da empresa.

Pode acontecer de o empreendedor não ter recursos financeiros suficientes para iniciar as atividades do mini mercado. Assim, é possível conseguir crédito em programas de financiamento oferecidos por instituições bancárias, como o Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal (CEF).

Localização estratégica

O endereço do mini mercado faz diferença no lucro, custo e no marketing do negócio. Alguns empreendedores optam por lugares de grande movimentação de consumidores, forte concorrência e com aluguéis mais altos. Afinal, o intuito é inserir o negócio em um lugar já aquecido comercialmente.

Já outros preferem uma localização com um fluxo menor de pessoas e sem concorrência, mas com um baixo preço de locação. Para chegar a melhor opção, é necessário avaliar:

  • Valor a ser investido;
  • Perfil da região (residencial, acesso a produtos e estabelecimentos comerciais, horas de maior movimentação, comportamento de compra dos consumidores etc.);
  • Concorrência – existe? Se sim, o que o mini mercado fará para se diferenciar?
  • Segurança – a localização é segura, iluminada e bem estruturada?
  • Proximidade com centros urbanos;
  • Exigências legais (CNPJ, IPTU, IRPF, alvará de funcionamento e do corpo de bombeiros etc.) para abertura e implementação do mini mercado.

Invista em uma boa estrutura

Podemos dizer que a estrutura física é o aspecto que mais chama a atenção do consumidor em relação à organização e eficiência do negócio. Quais itens devem fazer parte de uma boa estrutura? São eles:

  • Balcões;
  • Gôndolas;
  • Caixas;
  • Prateleiras;
  • Luminárias;
  • Móveis;
  • Cadeiras;
  • Placas informativas etc.

Outro aspecto importante está relacionado ao ambiente. Para ser agradável, é necessária uma boa ventilação, climatização e iluminação. Dessa forma, no caso da climatização, o uso de um sistema de isolamento térmico nas paredes e no telhado, ajuda a manter a temperatura interna em níveis confortáveis (nem quente, nem frio demais). O resultado é o conforto térmico e a satisfação dos clientes.

Inicie com equipamentos essenciais

Os equipamentos são indispensáveis para o funcionamento do mini mercado. Assim, entre os principais tipos de equipamentos, destacamos:

  • Balança etiquetadora; 
  • Impressora fiscal, não fiscal e emissoras de cupom fiscal eletrônico (CF-e);
  • Máquinas de cartão de crédito;
  • Caixas registradoras;
  • Computadores;

Além disso, dependendo dos serviços oferecidos, talvez sejam necessários outros equipamentos, como: balcão refrigerador, moedores de carne, assadeiras, fornos e fatiador.

Pense em uma boa decoração

A decoração ou layout do espaço interno do mini mercado deve ser estrategicamente planejada. O objetivo é valorizar certos tipos de mercadorias, promoções, aumentar as vendas e organizar os produtos. Quanto à organização, os itens, por exemplo, de limpeza nunca devem ficar ao lado dos alimentos.

Já aos produtos que exigem maior destaque (como os de marcas conhecidas), devem ser posicionados nas chamadas “áreas nobres” da prateleira: centro e parte superior. Por serem os locais que mais recebem atenção do nosso campo de visão.

No caso dos doces, é interessante colocá-los próximos aos caixas, pois estimula o desejo dos clientes enquanto aguardam o atendimento. As carnes e pães devem ser localizados no fundo do mini mercado. Fazendo os consumidores percorrerem todo o espaço interno antes de encontrá-los.

Escolha fornecedores e busque por funcionários

Na hora de realizar a gestão de fornecedores, o empreendedor deve analisar o preço, mas também o custo-benefício. O que isso significa? Avaliar os seguintes fatores:

  • Reputação no mercado e perante os clientes;
  • Cláusulas contratuais;
  • Preços, prazos e condições de pagamento;
  • Disponibilidade, armazenamento e meios de entrega dos produtos.

Outras práticas importantes para escolher bons fornecedores são:

  • Priorizar fornecedores locais – melhor acesso, relacionamento e custos de entrega;
  • Equilibrar preço com qualidade – nem sempre o preço alto indica qualidade e o baixo uma qualidade ruim. O indicado é equilibrar os dois aspectos;
  • Pedir referências e indicações – empresas do mesmo ramo, profissionais experientes, parceiros de negócios e até clientes, podem dar sugestões de bons fornecedores;
  • Pesquisar sobre os fornecedores oficiais – sem vendedores intermediários, o custo final do produto pode ser reduzido. 

Por outro lado, a contratação de funcionários é algo que costuma acompanhar o crescimento do negócio. No início, um colaborador pode ser suficiente. Logo, uma equipe pode ser necessária. O ideal é contratar profissionais capacitados e experientes (caixas, padeiros, açougueiros, empacotadores, entregadores etc.). 

Divulgação

Para uma eficiente propaganda do mini mercado, o empreendedor pode utilizar: redes sociais, rádios locais, carros de som, aplicativos de serviços e cartazes com preços ou promoções na frente do estabelecimento.

Cabe ao dono decidir se usará uma, várias ou todas essas formas de divulgação. No entanto, não se deve esquecer da mais poderosa propaganda: a boca a boca. Investindo na qualidade de produtos e serviços, os clientes tendem a recomendar o mini mercado para parentes, amigos, vizinhos e conhecidos.

Lista de produtos que não podem faltar em seu mini mercado

Para atender as necessidades dos consumidores, alguns itens devem sempre estar à disposição. Por exemplo:

  • Produtos de higiene pessoal;
  • Produtos de limpeza;
  • Alimentos;
  • Bebidas;
  • Frios e açougue;
  • Padaria;
  • Hortifruti / sacolão (frutas, legumes e verduras).

Considere o Isolamento 3TC para o seu projeto de mini mercado

Por fim, o projeto do mini mercado ficará mais completo e apresentará um ótimo desempenho térmico com a implantação do 3TC Isolamento. Essa solução utiliza a eficiência do poliestireno expandido (EPS) aliado com a utilização de uma inovação, o Mylar, para lidar com as três principais formas de transmissão de calor: condução, convecção e radiação. 

Sendo assim, o ambiente interno do estabelecimento fica com a temperatura adequada. O 3TC age impedindo o calor ou o frio extremo provenientes do lado exterior, afetarem o ambiente interno, isolado pela tecnologia. O 3TC impede que situações que podem estragar mercadorias, gerar desconforto nos clientes, proliferação de fungos e bactérias aconteçam. Vale também lembrar que para esse tipo de projeto, é necessário adequar-se a todas as leis controladoras e regulamentadoras do setor, uma vez que é uma área bastante visada e fiscalizada pela vigilância. Segurança é tudo. 

O 3TC, além de ser de fácil instalação, flexível e eficiente termicamente, é hidrofugante e não tem seu desempenho afetado pela umidade. Também apresenta o Laudo do IPT que comprova a segurança com relação ao fogo e a propagação de chamas. Assim, a tecnologia é sinônimo de conforto térmico, eficiência energética e economia. 

Gostou do nosso artigo? Entende tudo sobre como montar um projeto de mini mercado? Aproveite e confira outros artigos valiosos publicados no blog da 3TC!

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *