A poluição sonora é considerada um problema importante para a saúde pública, pois está relacionada a diversas doenças físicas e mentais. Em dezembro de 2018, a Organização Mundial de Saúde divulgou um relatório sobre as principais causas ambientais de doenças. O excesso de ruídos ficou em terceiro lugar na lista, ficando atrás apenas da poluição do ar e da água. Nesse sentido, o isolamento acústico se torna uma estratégia essencial.

Ele impede que o barulho reverbere e propague nas salas de aula. Assim, ele reduz o excesso de ruídos libera hormônios e neurotransmissores relacionados ao estresse. Nas crianças e adolescentes, isso pode trazer consequências, pois o corpo deles ainda está em desenvolvimento. Quer entender melhor? Acompanhe!

Quais são as consequências dos ruídos nas salas de aula?

A poluição sonora é uma inimiga silenciosa e, muitas vezes, subestimada. Como não podemos enxergar o que está acontecendo dentro do nosso organismo. Nós achamos que o excesso de ruídos trará, no máximo, uma dor de cabeça ou uma mal-estar. Entretanto, o grande problema está a um nível microscópico, nas substâncias liberadas em reação a ele.

Em quase todos os animais, inclusive o homem, o barulho é um sinal de perigo e uma reação rápida a ele era importante para impedir ataques de predadores. Basta reparar os animais domésticos: os cães e os gatos correm ou se assustam diante de qualquer barulho mais alta. É o instinto de sobrevivência. Assim, todo corpo se prepara para correr da ameaça.

Vivendo nas em sociedade nas cidades, o homem não precisa mais se preocupar tanto com ameaças. No entanto, nossos sistemas sensorial e nervo ainda apresentam todos esses mecanismos.

Vamos explicar de forma resumida os dois principais processos fisiológicos para que você entenda a gravidade do problema da poluição sonora nas escolas.

Mecanismo de luta e fuga

Imagine que um predador acabasse de pular perto de você, seu corpo precisaria estar rapidamente preparado para correr muito rápido por longas distâncias. Para isso, existem duas substâncias: a adrenalina e a noradrenalina. Elas são liberadas no sangue e no cérebro com os seguintes efeitos:

  • liberar carboidratos (açúcares) no sangue;
  • tirar parte do sangue de órgãos desnecessários para a fuga e desviar para aqueles mais importantes;
  • portanto, dar mais energia para os músculos, coração e cérebro;
  • restringir toda a atenção e concentração do cérebro para os sons e outras áreas relacionadas com a sobrevivência. Todo o corpo fica em estado de alerta.

Daí, surgem alguns dos problemas relacionados ao estresse, como diabetes mellitus tipo II (excesso de açúcar no sangue) e doenças cardíacas.

Hiperatividade hormonal

Há um mecanismo hormonal muito importante para nós, o eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal. Os barulhos estimulam uma região do cérebro chamada de hipotálamo para ativar uma glândula chamada de hipófise. Ela libera um hormônio que atua sobre a outra glândula — a suprarrenal, que fica acima dos rins.

A supra renal libera o famoso hormônio do estresse, o cortisol. Ele é responsável por nos fazer sentir uma série de sensações desagradáveis, como aflição e ansiedade. Além disso, também causa a liberação de açúcar no sangue e reduzem a imunidade. Assim, além de maior risco para diabetes e doenças cardiovasculares, todas as faixas etárias ficam mais vulneráveis a doenças infecciosas.

Ademais, o cortisol facilita o desenvolvimento de doenças mentais, como a ansiedade e a depressão. A sensação de estresse e angústia faz com que a pessoa veja as situações de forma negativa, deixando-as mais propensas aos transtornos do humor.

Por que a poluição sonora compromete o desempenho do professor?

Essa longa explicação sobre os efeitos dos ruídos é essencial para que você entenda que não é frescura dos professores e alunos esse tipo de reclamação. Pelo contrário, as pessoas tendem a subestimar o impacto do som. Quando elas reclama, é porque algo sério já está acontecendo.

No caso dos professores, isso é especialmente importante, pois eles são submetidos a situações com alto nível de som pela própria natureza do ensino — especialmente, o infantil. Desse modo, não pode o ambiente físico ser mais uma fonte de barulho, pois isso sobrecarregará o profissional.

Comprometimento da fala

Se o barulho dentro e fora da sala de aula for intenso, o professor precisará competir com ele para ser ouvido pelos alunos. Esse esforço repetitivo pode provocar uma condição multifatorial chamada de fadiga vocal — uma síndrome com vários sintomas, como rouquidão, dor na garganta, tensão no pescoço, entre outros.

Ademais, falando cada vez mais alto, haverá uma agressão das cordas vocais e da garganta pelo excesso de atrito do ar. Isso causa processos inflamatórios repetidos, que fazem as patologias das cordas vocais surgirem.

À medida que essas lesões cicatrizam, o aparelho fonador perde uma parte da sua funcionalidade. Em alguns casos, o processo é tão intenso que os professores podem ser aposentado por invalidez.

Nervosismo

A adrenalina, a noradrenalina e o cortisol são substâncias que estimulam as regiões de agressividade no nosso cérebro. À medida que elas aumentam e o estresse se intensifica, o professor fica mais nervoso. Com isso, ele pode discutir, brigar com um aluno ou colega de trabalho.

Doenças crônicas

Todas essas substâncias também estão ligadas a diversas doenças crônicas. Por exemplo, o excesso de estímulo da noradrenalina é um dos principais fatores causais da hipertensão arterial sistêmica. Já os corticoides estão ligados à liberação das reservas de glicose sanguínea e ao aumento da resistência das células à insulina — dois mecanismos que provocam e agravam a diabetes mellitus tipo 2.

Então, a poluição sonora pode acelerar o desenvolvimento dessas doenças. Como muitos professores também já têm mais de 50 anos, a situação pode ser ainda mais preocupante, visto que alguns deles podem ter essas doenças crônicas já instaladas. A condição pode se agravar com o estímulo negativo do ambiente, tornando-se difícil de tratar.

Como isso impacta a qualidade das escolas?

Produtividade

A produtividade de qualquer profissional depende de boas condições de trabalho. Assim, ele pode focar toda a sua atenção nas tarefas em vez de desviá-la em estímulos externos. Os sons estão entre as principais distrações e podem interromper a linha de raciocínio nas exposições. Então, as explicações dele perdem a qualidade e levam mais tempo. Isso traz prejuízos para os alunos e consequentemente para as escolas.

Vários estudos indicam essa relação negativa, como:

  • um artigo da revista científica “Noise and Health” (Barulho e Saúde) mostrou que, em diversos ambientes de trabalho, o barulho trazia impactos, como redução da performance, aumento do número de erros e um tempo de resposta maior aos estímulos. Ademais, houve um maior nível de estresse, desconforto e de incômodo. O estudo também mostrou que o comprometimento atencional não estava relacionado a essas sensações, mas ao som em si;
  • já a Revista Britânica de Psicologia mostrou que o barulho compromete diversas habilidades cognitivas, principalmente a atenção seletiva para tarefas. Esse problema independia de outros fatores, como hora do dia e ansiedade.

Absenteísmo e afastamento

Em uma pesquisa divulgada pela Revista Brasileira de Saúde do trabalho, 153 professores nas escolas públicas do Distrito Federal entre 2009 e 2010 pediram o afastamento do trabalho por disfonia (dificuldade para falar).

Os nódulos (calos) vocais foram o principal diagnóstico: cerca de 40% das lesões nas cordas vocais e levam, em média, a um afastamento de 166 dias. Dessa porcentagem, 25,5% dos professores foram afastados definitivamente da sala de aula e realocados em outras funções.

Em outro estudo, feito na Bahia, o relato de ambiente de trabalho desfavorável teve uma relação importante com o surgimento da doença, aumentando o risco em 25%. Entre os fatores citados pelos professores entrevistados, estavam:

  • barulho externo excessivo;
  • ruído interno excessivo;
  • acústica inadequada.

Desse modo, ter uma boa infraestrutura física para proteger os professores é imprescindível.

Alto turnout

Um ambiente insalubre e estressante pela poluição sonora atrapalha a retenção de talentos. Com isso, a rotatividade de profissionais se torna um grande problema. As escolas são especialmente sensíveis a ele. Afinal, os alunos criam uma relação afetiva com os professores e podem ficar muito insatisfeitos com a saída deles.

Indenizações

Se o professor conseguir provar que sua escola não tomou as medidas necessárias para manter os níveis de ruído dentro dos limites da regulamentação, ele poderá ter direito à indenização por acidente de trabalho.

Em um único processo, os custos judiciais poderão ser maiores que um investimento em um isolamento adequado. Portanto, sempre pense no custo-benefício a longo prazo.

Por que a poluição sonora afeta o desempenho dos alunos?

As razões pelas quais isso acontece são bem semelhantes às dos professores: uma série de mecanismos neuro hormonais mudam o comportamento do corpo frente aos estímulos. Com isso, diversas habilidades importantes para a sala de aula podem ficar comprometidas.

A maior diferença é que as crianças e os adolescentes estão em desenvolvimento, então os efeitos podem comprometê-los de forma mais intensa. Vamos falar das principais a seguir.

Escrita e leitura

A poluição sonora tem um impacto negativo significativo nessas competências. O principal motivo é a queda da atenção sustentada (AS), isto é, a capacidade de manter o foco ao longo do tempo. Em um estudo realizado em Porto Alegre, as crianças expostas a um maior nível de barulho apresentaram uma pontuação menor nos testes de AS.

Consequentemente, houve impactos em outras áreas:

  • na escrita, eles cometeram mais erros durante uma tarefa de ditado;
  • na leitura, eles se mantiveram menos tempo focados em um texto.

Portanto, o excesso de ruídos pode comprometer o desenvolvimento de habilidades importantíssimas para o desempenho escolar. As crianças que naturalmente já sofrem com dificuldade de se concentrar podem sofrer ainda mais e se tornar agitadas na sala, atrapalhando o rendimento dos colegas.

Náuseas, desconforto físico e emocional

Já um estudo feito na Indonésia com criança do ensino fundamental demonstrou que as crianças expostas à poluição sonora relatavam uma grande gama de queixas:

  • enjoo e náuseas — 23%;
  • desconforto físico e emocional — 21%;
  • dificuldades em compreender a explicação do professor — 22%;
  • redução da capacidade de aprendizado — 22%.

Esses sintomas físicos frequentemente incapacitam a criança ao aprendizado e ela apresenta queixas frequentes de desconforto. Com o tempo, podem até se recusar a ir para a escola.

Nesse sentido, os autores do estudo propuseram uma série de intervenções que poderiam melhorar a acústica das salas e reduzir o barulho:

  • troca das janelas, portas e vidros comuns por opções isolantes de som;
  • instalação de isolamento acústico nas paredes, piso e paredes;
  • barreiras físicas verdes ao redor da escola, como árvores e bambus.

Vamos falar sobre cada uma dessas medidas a seguir.

Como fazer com que o isolamento ocorra completamente?

As barreiras físicas são as principais formas de impedir que o barulho do ambiente externo entre para as salas de aula. Nesse sentido, é preciso pensar em formas de isolar todas as estruturas da construção, como janelas, portas, paredes e pisos.

Além disso, deve-se investir em materiais capazes de mitigar a reverberação dos sons produzidos dentro da escola. Afinal, as conversas de alunos e professores ecoam nas paredes, aumentando o desconforto auditivo.

Isso pode ser feito com diversas estratégias diferentes, como reforço dos materiais e instalação de isolantes termoacústicos. Vamos falar sobre as principais a seguir.

Janelas acústicas com vidros mais grossos

Esse tipo de janela apresenta uma vedação muito superior e materiais que transmitem menos ondas sonoras. Desse modo, parte do som vindo do exterior é refletido em vez de reverberar pelas estruturas.

Além disso, opte por vidros mais grossos, pois a capacidade de bloquear a transmissão é proporcional à espessura. Apesar de ser uma das principais medidas a ser adotada, mas não é a única. Um dos principais erros nos projetos de isolamento acústico é focar nas janelas e se esquecer das outras estruturas.

Portas acústicas

Nas escolas, o barulho vindo dos corredores e das áreas comuns é significativo. Para evitar que ele entre nas salas de aula, existem as portas acústicas. Essas peças contêm um material que dificulta a passagem do som devido às maiores densidade e espessura, além de uma melhor vedação das frestas.

Áreas verdes ao redor da construção

Outra medida bem interessante é o plantio de bambus e árvores ao redor do edifício. Eles vão funcionar como barreiras físicas para refletir as ondas sonoras. Além disso, sua escola ganha mais sustentabilidade e uma área verdade para os alunos relaxarem.

Revestimento de paredes com material isolante acústico

Por fim, não podemos deixar de citar a ação mais importante no contexto das escolas, o isolamento acústico das paredes. Por quê? Durante o horário das aulas os corredores ficam vazios. Então, a principal fonte de ruídos são as salas vizinhas, principalmente utilizam paredes de drywall ou divisórias para separar as salas. Desse modo, torna-se essencial reforçá-las com uma camada de placas ou mantas isolantes.

Somente o isolamento acústico basta para melhorar o conforto dos alunos?

O isolamento acústico nas escolas é uma medida imprescindível para melhorar a satisfação e a segurança dos alunos, mas há outros pontos importantes.

Os melhores isolantes acústicos do mercado também podem vir com funcionalidades adicionais, como isolamento térmico, impermeabilização, vedação e resistência ao fogo. Então, em vez de utilizar uma estratégia para cada um delas, você terá tudo no mesmo produto.

Como escolher o melhor isolamento?

Para avaliar um isolamento, é preciso observar quais vantagens ele apresenta. Desse modo, além de melhorar o desempenho acústico, você mitiga outros problemas frequentes em escolas. Confira a seguir algumas propriedades essenciais para o material escolhido.

Isolamento térmico

Entre elas, está o conforto térmico. É extremamente difícil concentrar quando se está sentindo frio ou calor. Assim como os ruídos, essas sensações desencadeiam uma série de reações fisiológicas no corpo que atrapalham a concentração, o foco e a capacidade de aprendizado.

No entanto, muitas escolas têm receio de instalar ares-condicionados para as crianças e jovens. Afinal, os pais podem relacionar uma temperatura muito baixa no ambiente com o adoecimento dos filhos. Também, as crianças apresentam uma maior sensibilidade alérgica do que os adultos devido ao sistema imunológico imaturo. Então, o ar seco provocado pelo ar-condicionado pode desencadear crises de rinite e outras doenças respiratórias.

Por essa razão, o isolamento térmico é tão importante nas escolas. As barreiras físicas contra trocas de calor, como as mantas térmicas e as placas, são capazes de amenizar o filme dentro da sala de aula com muita eficiência. Elas atuam tanto sobre o calor quanto o frio, pois impedem a transmissão de energia nos dois sentidos — de dentro para fora e de fora para dentro. Assim, a temperatura fica mais estável nas quatro estações.

Impermeabilização

A umidade também é outro problema que compromete o conforto dos alunos. O surgimento de infiltrações, mesmo que não visíveis, facilita o surgimento do mofo. Esse é um dos principais desencadeantes de crises alérgicas na infância. Os fungos têm uma substância chamada de glicoproteína na superfície da sua célula que desencadeiam reações intensas.

Nesse sentido, a escolha de um revestimento acústico impermeável pode fazer toda a diferença. Ele pode ser instalado no teto, nas paredes e nos pisos. Isso reduz os riscos relacionados a todos os tipos de umidade, como por capilaridade e por intempéries.

Resistência ao fogo

Uma das principais resistências que os administradores de escola têm em relação aos isolantes acústicos é o seu papel na propagação de incêndios que tiveram bastante comoção no Brasil. Todavia esse tipo de ocorrência está ligada a um material específico, chamado de poliuretano. Ele forma uma espuma que é combustível a altas temperaturas e libera gases tóxicos.

Qual o melhor isolante termoacústico do mercado atualmente?

Nos últimos 20 anos, dezenas de isolantes diferentes surgiram no mercado. No entanto, nada se equipara a uma tecnologia desenvolvida pela NASA — o 3TC. Ele foi desenvolvido utilizando o que há de mais avançado na engenharia de materiais e apresenta três camadas:

  • duas lâminas de polímero refletivo, que reflete grande parte da radiação infravermelha e impede que ela aqueça as estruturas;
  • um núcleo de EPS, disponível em variáveis espessuras, o qual é responsável por impedir a condução do calor e do som.

A eficiência do EPS é comprovada por vários estudos técnicos. Neles, analisa-se o coeficiente de absorção acústica, que vai de 0 a 1. Quanto maior ele for, maior a capacidade do material de abafar o som.

No caso do isolamento acústico, é preciso avaliar a capacidade do material de isolar as mais diferentes frequências de som — do mais grave (maior frequência) ao mais agudo (menor). Nesse critério, o EPS também se destaca em relação a outros materiais construtivos.

De acordo com esse estudo sobre os diferentes isolantes, o EPS pode chegar a um isolamento máximo de 0,92 para sons agudos e de 0,11 para sons graves. Em uma comparação com outro material muito utilizado, a lã de rocha apresenta uma eficiência um pouco maior para os graves 0,2, mas perde nos sons agudos com valores entre 0,4 e 0,6. Essa desvantagem também é encontrada no caso da borracha e do polipropileno.

Como na maioria dos casos, os sons mais incômodos para os seres humanos se encontram na faixa aguda, é fundamental contar com um material eficiente para toda essa frequência. São eles os principais responsáveis pela falta de atenção, dores de cabeça e náuseas nos estudantes e nos professores.

4.3. Vedação, impermeabilização e resistência ao mofo

Aqui, temos outro grande diferencial do 3TC em relação a outros isolantes do mercado. A lã de vidro, a lã de rocha, a lã de PET e as espumas são todas permeáveis. Portanto, não atuam sobre a impermeabilização das estruturas. Desse modo, você pode ter de contratar um projeto auxiliar para garantir a resistência à umidade da escola.

No caso do 3TC, tanto o EPS quanto os polímeros refletivos são altamente impermeáveis e não vão deixar a umidade danificar as estruturas. Além disso, no telhado, você pode utilizar as mantas flexíveis, as quais são capazes de se conformar a cada fresta para impedir a entrada de água, animais e sujeira. É uma vedação completa! Com isso, evitam-se o surgimento de mofo, infiltrações e outras patologias da construção.

Resistência ao fogo

Além disso, o 3TC é comprovadamente resistente ao fogo. Submetemos os produtos à certificação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Eles passaram por vários testes em conformidade com todas as normas de segurança. O comportamento ao fogo é muito importante na hora de selecionar a tecnologia adequada à sua utilização, por isso temos este conteúdo que pode esclarecer mais sobre o assunto.

Resistência mecânica

Por fim, não podemos deixar de falar da resistência mecânica. O polímero que recobre a 3TC é muito resistente ao estresse físico aplicado sob diversas formas, como atrito, risco, corte, pressão, laminação, impacto, entre outros. Então, a manta acústica pode ser utilizada sobre estruturas mais frágeis como proteção. Isso é muito interessante para as escolas, visto que crianças e adolescentes se movimentam bastante.

O isolamento acústico em escolas pode ser um desafio e é exatamente por isso que você precisa contar com a melhor tecnologia de materiais. Há várias opções no mercado, mas certamente o 3TC está na liderança.

Ficou com alguma dúvida? Quer compartilhar alguma opinião? Então, comente aqui no nosso post!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *