Você sabe do que se trata a NBR 15575-3, qual sua função e objetivos? Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a finalidade principal das normas técnicas é promover qualidade, segurança e bem-estar no dia a dia das pessoas. No caso da construção civil, esses objetivos são previstos tanto no decorrer da construção quanto durante o uso e a operação de uma edificação. 

Diante desse assunto, a NBR 15575 é uma das normas de maior relevância. Afinal, aborda aspectos relacionados ao desempenho de edificações habitacionais. Por isso, leva em consideração alguns requisitos, como segurança, estanqueidade, desempenho térmico, acústico e lumínico, qualidade do ar, acessibilidade etc. Quer saber mais sobre esse assunto e entender em que consiste a parte 3 dessa NBR? Então, continue a leitura!

O que é a NBR 15575

A NBR 15575 de 2013, mais conhecida como Norma de Desempenho, é dividida em 6 partes, que visam abordar diferentes níveis de desempenho para cada um dos sistemas construtivos de uma unidade habitacional. Confira:

  • NBR 15575-1 — requisitos gerais; 
  • NBR 15575-2 — requisitos mínimos para os sistemas estruturais;
  • NBR 15575-3 — requisitos necessários para os sistemas de piso;
  • NBR 15575-4 — requisitos relacionados aos sistemas de vedações tanto internas como externas;
  • NBR 15575-5 — requisitos para os sistemas de cobertura;
  • NBR 15575-6 — requisitos que envolvem os sistemas hidrossanitários.

Qual o objetivo da NBR 15575

A NBR 15575 tem como principal objetivo garantir e definir marcos de qualidade nos imóveis habitacionais. Isso é alcançado por meio de parâmetros, quantitativos e sistemas de medição, que possibilitam o acompanhamento e a verificação de todo o processo construtivo, reduzindo incertezas e evitando critérios que até então eram subjetivos. 

Além disso, também é um grande objetivo estimular uma mudança de cultura na engenharia, tornando todos os processos e as etapas mais eficientes e elevando a durabilidade e a sustentabilidade das edificações.  

Qual a aplicabilidade e a abrangência da NBR 15575

É importante salientar que essa norma não se aplica às edificações já existentes, obras em andamento, reformas ou retrofits. Também não é válida para as edificações que são temporárias ou as que estavam com os projetos protocolados nos órgãos competentes até a data em que a norma entrou em vigor. 

Tirando esses casos, a NBR 15575 se aplica a todo tipo de edificação habitacional, não importando se são isoladas, geminadas, o número de pavimentos, a tecnologia construtiva ou os métodos utilizados. 

O que dispõe a NBR 15575-3

Conforme o próprio nome indica, a parte 3 da NBR 15575 dispõe sobre os requisitos para os sistemas de piso. Por isso, envolve aspectos que abrangem o desempenho térmico e acústico, o conforto antropodinâmico e tátil, a durabilidade, a manutenibilidade e a segurança durante o uso.

A parte 3 da NBR 15575 dispõe que os sistemas de piso precisam contar com as seguintes camadas:

  • acabamento;
  • fixação;
  • contrapiso;
  • isolamento térmico e acústico;
  • impermeabilização (em alguns casos);
  • estrutural.

Desempenho estrutural

Na parte 3, consta que os pisos precisam apresentar desempenho estrutural por meio de resistência a impactos de corpos moles e duros. Para isso, devem-se utilizar na construção os pisos e as pedras que foram aprovados nos ensaios de impacto realizados tanto em laboratório quanto nas obras. 

Segurança contra incêndio

Somado ao desempenho estrutural, é necessário que os pisos apresentem segurança contra incêndio, resistindo ao fogo e dificultando a sua propagação. Assim, é preciso evitar materiais combustíveis.  

Segurança para uso e operação

A parte 3 da NBR 15575 também destaca aspectos de segurança para o uso e a operação em diferentes ambientes, como áreas molhadas, molháveis e secas. Tanto para cada uma dessas áreas quanto para terraços, escadas, rampas e áreas comuns, deve-se respeitar os coeficientes de atrito mínimos definidos, evitando quedas e acidentes. 

A norma também prevê os desníveis máximos e alguns parâmetros mínimos para garantir a segurança, sendo alguns deles aplicáveis apenas aos ambientes comuns.

Estanqueidade

Os pisos também precisam ser estanques, evitando umidade ascendente. Além disso, devem atender às definições destacadas na norma para as áreas molháveis.

Durabilidade e Vida Útil de Projeto

A durabilidade está diretamente interligada à vida útil de projeto — VUP —, que é definida no momento em que a edificação foi projetada. De acordo com a norma, a VUP pode ser:

  • mínima — maior ou igual a 13 anos;
  • intermediária — maior ou igual a 17 anos;
  • superior — maior ou igual a 20 anos.

Além disso, os pisos das áreas molhadas e molháveis não devem apresentar danos por presença de umidade, de acordo com os critérios definidos na norma. Os pisos também precisam ser resistentes a agentes químicos e abrasão, conforme as normas específicas.

Funcionalidade e acessibilidade

Esse item dispõe sobre aspectos e características que os pisos precisam ter nas áreas privativas e comuns, assim como os desníveis e a superfície dos pisos para cada tipo de ambiente. Aqui também são abordadas características que proporcionam boa acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e sinalizações indicando degraus, rampas etc.

Conforto tátil, visual e antropodinâmico

É um item que trata da homogeneidade em relação à planicidade de nível dos pisos, ou seja, da camada de acabamento do sistema de pisos. 

Desempenho acústico e térmico

O desempenho acústico em pisos está relacionado ao ruído de impacto entre pavimentos, indicando os níveis mínimos e máximos e também quando é necessário a existência de algum tratamento acústico. 

Inclusive, o desempenho acústico em pisos também está relacionado ao ruído aéreo entre as unidades residenciais. Já em relação ao desempenho térmico, quando o sistema é bem executado, com os materiais adequados, a transmissão de calor é reduzida, tornando os ambientes mais agradáveis e adequados. 

Quem são os responsáveis pela implementação

Como uma edificação apresenta diferentes fases, a NBR 15575 estabelece diversos responsáveis:

  • fornecedor — pessoa jurídica, privada ou física, que é responsável pela caracterização do desempenho do elemento ou sistema, assim como pela previsão do prazo de vida útil, cuidados no uso e operação e aspectos relacionados à manutenção;
  • incorporador — pessoa física ou jurídica, que pode ser quem comercializa a edificação ou não. Há a chance de ser tanto o proprietário como o titular de direitos, o construtor ou o corretor. Sua responsabilidade está diretamente ligada aos atos de realizar estudos técnicos e providenciar o projeto arquitetônico e os complementares, assim como as demais informações relevantes e necessárias;
  • construtor — pode ser a pessoa física ou jurídica que executa o empreendimento de acordo com os projetos e as condições preestabelecidas. Por isso, é responsabilidade do construtor elaborar manuais referentes ao uso, operação e manutenção, atendendo tanto a NBR 5674 quanto a NBR 14037. Esses manuais devem ser entregues a cada um dos proprietários e ao condomínio;
  • projetista — profissional responsável por estabelecer, elaborar e indicar propostas técnicas que visam atender a vida útil definida para cada sistema. Para isso, deve especificar os materiais e os processos adequados, a fim de atingir o desempenho definido anteriormente. O projetista também precisa seguir as normas específicas do seu tipo de sistema construtivo;
  • usuário — o usuário final da edificação, mesmo que não seja proprietário, tem como responsabilidade usá-la corretamente, não alterando cargas e destinação sem a aprovação dos órgãos competentes e da construtora. Para fazer isso, ele também deve ter o acompanhamento dos devidos profissionais.    

Como você pôde ver, a NBR 15575-3 é de extrema importância para a qualidade, a segurança e a durabilidade de uma unidade residencial, abordando diversos níveis, que vão desde as características visuais e táteis até a segurança estrutural, contra incêndio, a estanqueidade e o isolamento acústico e térmico. E sim, a atenção com o sistema de pisos é muito relevante para obter um bom resultado final para o isolamento e o conforto de uma edificação.

Gostou do artigo? Aproveite a visita ao blog e entre em contato com a 3TC — uma equipe especializada em isolamento térmico e acústico que oferece consultoria para edificações residenciais e ambientes corporativos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *