A qualidade do ar interior é avaliada por meio de um estudo que começou a ser implementado nos anos 70. A partir de 1983, a Organização Mundial da Saúde — OMS — passou a reconhecer uma síndrome nomeada “Edifícios Doentes”, em decorrência da baixa qualidade do ar, princialmente nos ambientes comerciais.

Sendo assim, observar as características do ar interior passou a ser de extrema importância, justamente para prevenir doenças, proporcionar condições mínimas adequadas aos usuários, assim como maior conforto. Quer saber mais sobre esse assunto? Então, continue a leitura!

O que é qualidade do ar interior

A qualidade do ar interior está diretamente relacionada com a presença de contaminantes, ou seja, de partículas e substâncias que não fazem parte da composição normal e adequada do ar atmosférico.

Entretanto, um ar de boa qualidade não se limita apenas a não possuir concentração de contaminantes acima do limite adequado. Também é essencial que a umidade e temperatura sejam adequadas, assim como o fato de ocorrer a troca de ar.

Para definir se um ambiente apresenta ar de boa qualidade, é necessário analisar os seguintes aspectos:

  • concentração de dióxido de carbono — CO2;
  • velocidade do ar nas áreas internas;
  • temperatura e umidade do ar;
  • calor irradiado;
  • nível de conforto;
  • intensidade luminosa — natural e artificial;
  • nível de ruído.

Como a qualidade do ar interior pode interferir na saúde das pessoas

A má qualidade do ar interior pode proporcionar diversos problemas, como redução de produtividade, desconforto, falta de atenção, dificuldade de aprendizado e problemas respiratórios — que foram denominados como Doenças Pulmonares Ocasionais.

Exemplos desses problemas são: irritações no sistema respiratório, nos olhos e também na garganta, além de reações alérgicas, dores articulares e de cabeça. No mais, estão incluídas crises de tosse, congestão, sinusite, rinite alérgica, falta de ar, asma, fadiga, dermatites e sonolência.

Essas situações resultam em ausências frequentes no trabalho, ou seja, elevado índice de absenteísmo. Portanto, é evidente que a má qualidade do ar é prejudicial, tanto no aspecto da saúde e do bem-estar, como também no quesito econômico das organizações.

Como melhorar a qualidade do ar interior

Como podemos perceber, melhorar a qualidade do ar interior é importante e essencial em diversos aspectos. Por isso, em edificações comerciais, essa questão têm sido cada vez mais valorizada, uma vez que impacta direta e positivamente na produtividade dos colaboradores, bem como na redução de taxas de absenteísmo por problemas de saúde.

Essa valorização da qualidade do ar se dá porque essas mudanças proporcionam maior lucratividade e retorno financeiro para as empresas. Os ambientes educacionais como escolas também estão valorizando a melhoria da qualidade do ar interno, devido à comprovação de que a inadequação da qualidade do ar afeta negativamente, comprometendo a capacidade cognitiva e de aprendizagem dos alunos.

Veja, abaixo, algumas dicas de como é possível implementar essas melhorias!

Levar a qualidade do ar em consideração durante o projeto

A qualidade do ar deve ser levada em consideração já na etapa de projeto, para que, tanto a localização quanto a orientação da edificação, sejam feitas de forma a proporcionar uma troca eficiente. Isso possibilitará mais conforto térmico e adequação da umidade em excesso. Além disso, é essencial pensar em locais para a entrada de ar externo e também a descarga.

Atentar-se ao nível de umidade

A umidade em excesso é extremamente prejudicial para a qualidade do ar, aumentando os problemas respiratórios e, inclusive, podendo afetar a saúde e segurança da edificação.

Os problemas mais frequentes são relacionados ao acúmulo de vapor, vazamentos, entrada de água das chuvas por falta de estanqueidade, defeitos construtivos — principalmente nos revestimentos e também ausência ou dificuldades na impermeabilização.

Esses contratempos podem ser reduzidos por meio de uma boa solução de isolamento, associadas a outras soluções construtivas e técnicas.

Reduzir os índices de contaminantes por meio de ventilação e filtragem

A qualidade do ar exterior nos grandes centros urbanos têm estado extremamente ruim, devido à poluição gerada pela presença de várias indústrias, bem como pela elevada circulação de automóveis. Com isso, é essencial renovar e controlar esse ar exterior por meio de ventilação e filtragem.

A ventilação, por exemplo, proporciona a retirada do ar carregado de poluentes do interior de um ambiente fechado. Dessa forma, a concentração de contaminantes gerados no ambiente é reduzida, assim como gases e odores. É importante destacar também que o sistema de ventilação precisa ser limpo e passar por manutenção, periodicamente.

Associado à ventilação, deve-se investir em um sistema de filtragem eficiente, a fim de garantir que os contaminantes, tanto no ar externo como no interno, sejam contidos. Esses filtros podem ser utilizados nos dutos e também nos equipamentos. O ideal é que existam filtros destinados ao ar externo e ao ar de recirculação.

Realizar manutenções periódicas e adequadas

A manutenção precisa ser preventiva e não corretiva — assim será possível garantir o bom funcionamento do sistema, obtendo eficiência em todos os aspectos citados. Para isso, é importante que as casas de máquinas sejam projetadas de forma que facilitem o acesso, a inspeção e a manutenção.

Também é importante contratar uma equipe ou, dependendo da dimensão da empresa, definir e treinar profissionais responsáveis pelas manutenções. Afinal, sem que sejam feitas periodicamente e de maneira adequada, tanto a vazão, a filtragem, a renovação e, até mesmo, o consumo de energia serão prejudicados, afetando a saúde, o bem-estar, o conforto e a segurança de todos.

Controlar a temperatura interna dos ambientes

A temperatura interna apresenta grande relevância na qualidade do ar interior, pois a produção de gases e demais contaminantes no ambiente interno, como: partículas, gases, micro-organismos, poeiras, mofo, ácaros, vírus, fungos e bactérias — tende a ser diretamente proporcional à temperatura, assim como a umidade e o desconforto.

Dessa forma, é essencial investir em um isolamento adequado, reduzindo a troca de calor por meio da radiação, convecção e condução, bem como reduzindo a interferência da temperatura externa no ambiente interno. Entretanto, para que isso seja feito adequadamente, é essencial contar com um especialista em isolamento e um sistema de qualidade.

Qual a importância de especialistas no processo de melhoria da qualidade do ar interior

É importante destacar que, em geral, as condições mínimas previstas nas normas técnicas não são suficientes para se obter uma qualidade do ar interior realmente adequada.

Desse modo, normalmente, é necessário contar com especialistas, tanto para avaliar a necessidade de cada ambiente como para realizar os estudos pertinentes, propondo as alterações necessárias e garantindo um ambiente saudável.

Sendo assim, é essencial que seja realizado um estudo por meio de medições e análises, bem como posterior projeto por parte de especialistas em qualidade do ar, climatização para empresas e isolamento.

Como se vê, além de todos os itens que interferem na qualidade do ar, como a climatização e a concentração de contaminantes, o isolamento adequado dos ambientes é imprescindível para proporcionar conforto, qualidade e bem-estar. Assim, é possível obter maior produtividade, melhoria da capacidade cognitiva e controle da umidade mais eficiente.

Agora que você já compreendeu a importância de todos esses aspectos relacionados à qualidade do ar interiorentre em contato com a 3TC! Assim, você poderá conhecer os sistemas mais avançados e eficientes de isolamento, que proporcionam o controle das 3 formas de transferência de calor. Consulte um de nossos especialistas para obter um ambiente eficiente, saudável e confortável!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *